You are on page 1of 17

Agnaldo Afonso Pereira

MOTIVAÇÃO

Estou motivado, a ponto de conseguir motivar meu aluno?

MOTIVAÇÃO

Teoria da Hierarquia das Necessidades de Maslow

MOTIVAÇÃO

MOTIVAÇÃO

Teoria dos dois fatores de Herzberg

MOTIVAÇÃO
Fatores Higiênicos e motivadores, Segundo Herzberg

Fatores Que Previnem a Insatisfação (Higiênicos)
• • • • •

Fatores Que Geram Satisfação (Motivadores) •Realização •Reconhecimento •Desenvolvimento •Responsabilidade •Progresso

Salário Condições de Trabalho Relação com Pares Política e Administração Segurança

Fonte: HERING,1996

MOTIVAÇÃO
“Tanto a experiência diária como a literatura atestam que, em qualquer nível de escolaridade, os professores podem deter certas crenças ou teorias pessoais negativistas e errôneas sobre motivação.

MOTIVAÇÃO
Entre elas, aparentemente a mais nociva, e não menos difundida, é a crença de que os professores podem fazer muito pouco pela motivação, dado que as condições contextuais são totalmente adversas, a ponto de frustrarem qualquer iniciativa nesse sentido.

MOTIVAÇÃO
Acreditam até que já fazem muito bem sua parte, mas outras forças externas incontroláveis neutralizam seus esforços. No final, vem um frase que sintetiza tal percepção negativista: as coisas são como aí estão e não podem ser mudadas.”
José Aloyseo Bzuneck
Doutor em Psicologia do Escolar (USP) Atua na UEL

MOTIVAÇÃO

Será que temos condições de nos motivar e com isso levar nosso aluno a uma maior motivação para o estudo?

MOTIVANDO E DINAMIZANDO
De acordo com Terry Orlick (1989), citado por Reinaldo Soler (2002), nós não ensinamos nossas crianças a terem prazer em buscar o conhecimento, nós as ensinamos a se esforçarem para conseguir notas altas.

DINAMIZANDO A SALA DE AULA

Cooperação e Competição

DINAMIZANDO A SALA DE AULA
SITUAÇÃO COOPERATIVA
Divertido para todos Todos se sentem ganhadores Todos envolvem de acordo com as habilidades Estimula a confiar e a compartilhar Cria ponte entre as pessoas

SITUAÇÃO COMPETITIVA
Divertido para alguns Alguns se sentem perdedores Alguns se sentem excluídos por falta de habilidades Estimula o egoísmo e a desconfiança Cria barreiras entre as pessoas

Os jogadores ficam juntos e desenvolvem suas habilidades
Ensina a ter senso de unidade e solidariedade

Os perdedores saem e observam

Estimula o individualismo

BROTTO, 2001, adaptado de ORLICK, 1989

DINAMIZANDO A SALA DE AULA

Dinâmicas de Recreação e Integração

DINAMIZANDO A SALA DE AULA
Objetivos
  

Dinâmicas de Recreação e Integração
Integrar a pessoa no meio social Desenvolver o conhecimento mútuo e a participação grupal Desenvolver ocupação para o tempo ocioso Adquirir hábitos de relações interpessoais Desinibir e desbloquear Desenvolver a comunicação verbal e não-verbal Descobrir habilidades lúdicas Desenvolver adaptação emocional Descobrir sistemas de valores FRITZEN, 2002


  


MOTIVANDO E DINAMIZANDO A AÇÃO PEDAGÓGICA
Referências Bibliográficas
BROTTO, Fábio Otuzzi. Jogos Cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar! 6ª Ed. Re-novada. Santos: Projeto Cooperar, 2001. FRITZEN, Silvino José. Dinâmicas de Recreação e jogos. 24ª Ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. SILVA, Elizabeth Nascimento. Recreação e Jogos. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Sprint, 1999. SOLER, Reinaldo. Jogos Cooperativos. Rio de Janeiro: Sprint, 2002. BUENO, Marcos. As teorias de motivação humana e sua contribuição para a empresa humanizada: um tributo a Abraham Maslow. Disponível em: BZUNECK, José Aloyseo. Motivar seus alunos: sempre um desafio possível. Disponível em: