You are on page 1of 50

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 1

Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Capítulo 3
Modulação Angular


3.1. Introdução

Seja a portadora genérica:

( ) ( ) .cos
A Amplitude
p t A
Ângulo
θ
θ
→ ¹
·
'

¹

Se ( ) A A t · → Sistemas de Modulação em Amplitude
Se ( ) t θ θ · → Sistemas de Modulação Angular

No nosso caso:
AM: ( )
0 0
( ) ( ).cos p t A t t ω φ · + Modulação em Amplitude
FM: ( )
0
( ) .cos ( ) . p t A t t ω φ · + Modulação em Frequência
PM: ( )
0
( ) .cos ( ) p t A t t ω φ · + Modulação de Fase

Ex.:
-1
0
1
f
(
t
)
-1
0
1
p
(
t
)
-1
0
1
φ
D
S
B
-
S
C
(
t
)
-1
0
1
φ
F
M
(
t
)
0 1 2 3 4 5
-1
0
1
t
φ
P
M
(
t
)

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 2


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
O que acontece se f(t), informação, tiver variação contínua?

Ex.:
0 1 2 3 4
0
0.5
1
t
f
(
t
)
0 1 2 3 4
-1
-0.5
0
0.5
1
t
φ
F
M
(
t
)


Cada instante de tempo do sinal ( )
FM
t φ possui uma frequência diferente!
Logo: Precisamos definir


• Frequência Instantânea:
i
ω

Sabemos que ( ) ( ) .cos ( ) t A t ϕ θ ·
e que
0 0
( ) . t t θ ω θ · +
onde
0
ω é a frequência constante da portadora.

Como obtemos
0
ω a partir do ângulo ( ) t θ ?


Podemos definir:



Logo:




( )
( )
i
d t
t
dt
θ
ω @
0
0
( ) ( ).
t
i
t d θ ω τ τ θ · +

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 3


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Ex.:

1) ( )
0
( ) .cos .
c
t A t ϕ ω θ · + , onde
c
ω e
0
θ são constantes.
[ ]
0
.
( )
c
i c
d t
t
dt
ω θ
ω ω
+
· · frequência instantânea é uma constante

0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
t
φ
(
t
)
=
c
o
s
(
1
0
*

2

π

t
)
0 0. 5 1
0. 0
20.0
40. 0
60. 0
80. 0
t
ω
i
=
1
0
*

2

π


2)
( )
2
( ) .cos 10 t A t t ϕ π π · +
2
10
( ) 10 2
i
d t t
t t
dt
π π
ω π π
1 +
¸ ]
· · +

0 1 2 3
-1
- 0. 5
0
0. 5
1
t
φ
(
t
)
=
c
o
s
(
1
0

π

t
+
π

t
2
)
0 1 2 3
0 . 0
1 0 . 0
2 0 . 0
3 0 . 0
4 0 . 0
5 0 . 0
6 0 . 0
t
ω
i =
1
0

π
+
2

π

t


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 4


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
3.2. Modulação de Fase (PM)






onde:
c
ω : Frequência da Portadora
p
K : Constante
( ) f t : Sinal Modulante (informação)

Logo a fase da portadora varia linearmente com a informação f(t).

Frequência instantânea:

( )
( )
( )
c p
i
d t K f t
d t
t
dt dt
ω
θ
ω
1 +
¸ ]
· ·
Logo:
( )
( )
i c p
d f t
t K
dt
ω ω · +


Logo: A frequência instantânea varia linearmente com a derivada do sinal modulante f(t).


Sinal PM: ( ) .cos ( )
PM c p
t A t K f t ϕ ω 1 · +
¸ ]


p
K
: Constante que converte variações de volts da f(t) em variações de fase (em radianos).
É definida pelo circuito de modulação.
Unidade: /
p
K rad V 1 ·
¸ ]


Logo: Para 0
p
K > Se ( ) 0 f t > → Avanço de fase
Se ( ) 0 f t < → Atraso de fase


( )
( ) .cos . ( )
PM c p
t A t K f t ϕ ω · +
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 5


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
3.3. Modulação em Frequência (FM)


Se variarmos linearmente a frequência instantânea da portadora de acordo com o sinal modulante:


( ) ( )
i c F
t K f t ω ω · +



O que ocorre com o ângulo ( ) t θ ?

[ ]
0
0
( ) ( )
( ) ( )
t
c F
t
c F
t K f d
t t K f d
θ ω τ τ
θ ω τ τ
· +
· +




Logo a expressão do sinal modulado em FM será:








Logo a fase da portadora varia linearmente com a integral do sinal de informação f(t).

F
K : Constante que converte variações de volts do sinal f(t) em variações de velocidade angular
(rad/s) da frequência instantânea.
Unidade: [ ]
.
F
rad
K
V s
·

Para 0
F
K > Se ( ) 0 f t > → Aumenta a frequência
Se ( ) 0 f t < → Diminui a frequência


0
( ) .cos ( )
t
FM c F
t A t K f d ϕ ω τ τ
¸ _
· +

¸ ,

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 6


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Notação Fasorial:

( )
( )
ˆ ( ) .cos ( ) ( ) .
j t
t A t t Ae
θ
ϕ θ ϕ · ←÷→ ·



Então: { }
( )
( ) Re .
j t
t Ae
θ
ϕ ·

Logo:

( )
ˆ
( ) .
c p
j t K f t
PM
t Ae
ω
ϕ
1 +
¸ ]
·
Sinal PM: { }
ˆ ( ) Re ( )
PM PM
t t ϕ ϕ ·
0
( )
ˆ ( ) .
t
c F
j t K f d
FM
t Ae
ω τ τ
ϕ
1
1 +
1
¸ ]

·
Sinal PM: { }
ˆ ( ) Re ( )
FM FM
t t ϕ ϕ ·



Definindo:
0
( ) ( )
t
g t f d τ τ ·


Podemos escrever:
[ ] ( )
ˆ ( ) .
c F
j t K g t
FM
t Ae
ω
ϕ
+
·



Obs.: Embora PM e FM sejam formas diferentes de modulação angular, não são essencialmente
diferentes, uma vez que qualquer variação na fase de uma portadora resulta em uma variação na sua
frequência instantânea e vice-versa.
Portanto o estudo a ser feito para FM também se aplica a PM.














Modulador
PM
Modulador
FM
Modulador
FM
Modulador
PM

d
dt
( ) f t
( ) f t
( ) f t
( ) f t
( )
PM
t ϕ ( )
PM
t ϕ
( )
FM
t ϕ ( )
FM
t ϕ
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 7


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Desvio de Fase e Desvio de Frequência

Seja: ( ) .cos( )
m
f t a t ω · Sinal Modulador, Informação

FM:

*Frequência Instantânea: ( ) ( )
i c F
t K f t ω ω · +
( ) ( ) . .cos
i c F m
t K a t ω ω ω · +

0 1 2 3 4
0
5
10
15
20
t
ω
i
(
t
)

[
1
0
3

r
a
d
/
s
]
ω
c

∆ω



( ) ( ) .cos
i c m
t t ω ω ω ω · + ∆
onde:
F
a K ω ∆ · ⋅


ω ∆ é o desvio máximo da frequência da portadora:
c i c
ω ω ω ω ω − ∆ ≤ ≤ + ∆

*Ângulo:
[ ]
0
0
( ) ( )
( ) .cos( )
( ) sin( )
t
i
t
c m
c m
m
t d
t d
t t t
θ ω τ τ
θ ω ω ω τ τ
ω
θ ω ω
ω
·
· + ∆

· +




Definindo:
Máximo desvio de frequência
:
Frequência máxima da informação
m
ω
β
ω

@


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 8


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Definindo:
Máximodesviodefrequência
:
Frequênciamáximadainformação
m
ω
β
ω

@



β
: Índice de Modulação
Representa o máximo deslocamento de fase do sinal em relação à portadora.


[ ]
( ) .cos sin( )
FM c m
t A t t ϕ ω β ω · +


Unidade: [ ] rad β ·

O Índice de Modulação β classifica o sinal modulado em FM ( )
FM
t ϕ em:

- FM de Faixa Estreira
- FM de Faixa Larga


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 9


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

3.3.1. FM de Faixa Estreita (NBFM – Narrow Band Frequency Modulation)


[ ] ( )
( )
ˆ ( ) .
ˆ ( ) . .
c F
c F
j t K g t
FM
j t jK g t
FM
t Ae
t Ae e
ω
ω
ϕ
ϕ
+
·
·


Lembrando Expansão em Série de Taylor:
2 3
1 ...
2! 3!
x
x x
e x · + + + +

Se ( ) 1
F
K g t = Teremos FM de Banda Estreita
Logo:

( )
1 ( )
F
jK g t
F
e jK g t ≅ +

Assim:
[ ]
ˆ ( ) . 1 ( )
c
j t
NBFM F
t Ae jK g t
ω
ϕ · +



Logo:
[ ][ ]
[ ]
[ ] [ ]
ˆ ( ) . cos( ) sin( ) 1 ( )
ˆ
( ) cos( ) sin( ) ( ) cos( ) ( )sin( )
ˆ ( ) cos( ) ( )sin( ) sin( ) ( ) cos( )
NBFM c c F
NBFM c c F c F c
NBFM c F c c F c
t A t j t jK g t
t A t j t jK g t t K g t t
t A t K g t t jA t K g t t
ϕ ω ω
ϕ ω ω ω ω
ϕ ω ω ω ω
· + +
· + + −
· − + +


Como:
{ }
ˆ ( ) Re ( )
NBFM NBFM
t t ϕ ϕ ·

Temos:





( ) cos( ) ( )sin( )
NBFM c F c
t A t AK g t t ϕ ω ω · −
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 10


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Ex.:
( ) .cos( )
m
f t a t ω ·

Cálculo de g(t):
0
( ) ( )
( ) sin( )
t
m
m
g t f d
a
g t t
τ τ
ω
ω
·
·



( ) .cos( ) sin( )sin( )
NBFM c F m c
m
a
t A t AK t t ϕ ω ω ω
ω
· −
Lembrando:
[ ]
1
sin( )sin( ) cos( ) cos( )
2
A B A B A B · − − +
[ ] [ ] { }
[ ] [ ] { }
( ) .cos( ) cos ( ) cos ( )
2
( ) .cos( ) cos ( ) cos ( )
2
F
NBFM c c m c m
m
NBFM c c m c m
K a A
t A t t t
A
t A t t t
ϕ ω ω ω ω ω
ω
ϕ ω β ω ω ω ω
· − − − +
· + + − −


Espectro do sinal ( )
NBFM
t ϕ para ( ) .cos( )
m
f t a t ω · :

-100 -50 0 50 100
-10
-5
0
5
10
ω
Φ
NBFM
(ω)
ω
c

c

ω
c
+
ω
m
ω
c

m

c

m

c

m
πA
π A
π Aβ/2 πAβ/2
-π Aβ/2 -π Aβ/2





De modo análogo, podemos obter a expressão do sinal PM de banda estreita:





( ) .cos( ) ( ).sin( )
NBPM c p c
t A t AK f t t ϕ ω ω · −
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 11


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Comparando-se estes sinais:







Com o sinal AM DSB com portadora:

Notamos que tanto o sinal AM quanto os sinais FM e PM de banda estreita, apresentam
termos correspondentes à portadora e às faixas laterais centradas em
c
ω t .


Conclusão: Sinais FM e PM de banda estreita ocupam a mesma largura de banda (2
m
ω ) que o sinal
AM DSB.



Condição para ser FM de banda estreita: ( ) 1
F
K g t =
ou para ( ) .cos( )
m
f t a t ω · 1
F
K a =

Como
.
F
m
a K
β
ω
· Temos que 1 β =

Um critério usual para definir sinais FM de banda estreita é: 0.2 β <


( ) .cos( ) ( ).sin( )
NBPM c p c
t A t AK f t t ϕ ω ω · −
( ) cos( ) ( )sin( )
NBFM c F c
t A t AK g t t ϕ ω ω · −
( ) cos( ) ( )cos( )
DSB c c
t A t mAf t t ϕ ω ω · +
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 12


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Se f(t) for um sinal qualquer. Como é o espectro do ( )
NBFM
t ϕ ?

Cálculo do:
0
( ) ( )
t
g t f d τ τ ·


Lembrando da Propriedade de Integração no tempo da Transformada de Fourier:

( ) ( )
1
( ) ( ) ( )
f t F
g t F G
j
ω
ω ω
ω
←÷→
←÷→ ·
F
F


Logo se f(t) é limitado em frequência g(t) também será.

{ }
{ } { }
[ ]
( ) .cos( ) ()si n( )
( ) cos( ) ()si n( )
( ) ( ) ( ) ( ) ( )
2 2
NBFM c F c
NBFM c F c
NBFM c c F c c
A t AK g t t
A t AK g t t
j j
A AK G G
ω ω ω
ω ω ω
ω π δ ω ω δ ω ω ω ω ω ω
Φ · −
Φ · −
1
Φ · − + + − + − −
1
¸ ]
F
F F
Logo:
[ ] [ ]
( ) ( ) ( ) ( ) ( )
2
F
NBFM c c c c
jAK
A G G ω π δ ω ω δ ω ω ω ω ω ω Φ · − + + + − − +



Gráfico:

Seja o Sinal ( ) G ω :





Então:

-20 -10 0 10 20
-0.2
-0.1
0
0.1
0.2
0.3
ω
Re{Φ
NBFM
(ω)}
ω
c
-
ω
c

πA πA
-20 -10 0 10 20
-0.2
-0.1
0
0.1
0.2
0.3
w
Im{Φ
NBFM
(ω)}
ω
c

-
ω
c

AK
F
/2
-AK
F
/2
- 3 - 2 - 1 0 1 2 3
0
0 . 2
0 . 4
0 . 6
0 . 8
1
ω
G( ω )
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 13


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
• Geração de Sinais PM e FM de Banda Estreita





Sistema Armstrong p/ geração NBFM:





































( ) .cos( ) ( ).sin( )
NBPM c p c
t A t AK f t t ϕ ω ω · −
( ) cos( ) ( )sin( )
NBFM c F c
t A t AK g t t ϕ ω ω · −
0
( ) ( )
t
g t f d τ τ ·

Defasador
90
o


( ) f t
( )
NBFM
t ϕ
X +
+
-
( ) .cos( )
c
p t A t ω ·
.sin( )
c
A t ω
Defasador
90
o

( ) f t
( )
NBPM
t ϕ
X +
+
-
( ) .cos( )
c
p t A t ω ·
.sin( )
c
A t ω
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 14


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
3.3.2. FM de Faixa Larga (FM)

Seja: ( ) .cos( )
m
f t a t ω ·
Temos:
[ ] ( ) .cos sin( )
FM c m
t A t t ϕ ω β ω · + Onde:
.
F
m
a K
β
ω
·
ou

sin( )
ˆ ( ) . .
c m
j t j t
FM
t Ae e
ω β ω
ϕ ·


A exponencial
sin( )
m
j t
e
β ω
é uma função periódica com período
2
m
T
π
ω
·
e pode ser expandida
em Série de Fourier:

sin( )
.
m m
j t jn t
n
n
e F e
β ω ω
+∞
·−∞
·


onde F
n
são os coeficientes da Série Exponencial de Fourier, calculados por:
/ 2
sin( )
/ 2
1
. .
m m
T
j t jn t
n
T
F e e dt
T
β ω ω −

·


Fazendo:
m
m m
x dx
t x t e dt ω
ω ω
· ⇒ · ·
Limites da Integral:

2
2 2 2.
2
2 2 2.
m m
m
m m
m
T T
t x
T T
t x
ω ω π
π
ω
ω ω π
π
ω
· · · ·
− −
· − · · · −

Logo:
sin( )
1
. .
j x jnx
n
m
dx
F e e
T
π
β
π
ω


·

( ) sin( )
1
.
2
j x nx
n
F e dx
π
β
π
π


·

Esta integral pode ser calculada em termos dos parâmetros n e β e já existe tabulada.
É denotada por ( )
n
J β , Função de Bessel de Primeira Espécie e ordem n.

Logo:

( )
sin( )
.
m m
j t jn t
n
n
e J e
β ω ω
β
+∞
·−∞
·


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 15


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
• Propriedades das Funções ( )
n
J β :

1) ( )
n
J β são números reais
2) ( ) ( )
n n
J J β β

· para n par
3) ( ) ( )
n n
J J β β

· − para n ímpar
4)
( )
2
1
n
n
J β
+∞
·−∞
1 ·
¸ ]



-15 -10 -5 0 5 10 15
-1
-0.8
-0.6
-0.4
-0.2
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
β
Funções de Bessel de Primeira Espécie
J
0
(β)
J
1
(β)
J
2
(β)
J
3
(β)
J
4
(β)
J
5
(β)


β[rad] J
0
J
1
J
2
J
3
J
4
J
5
J
6
J
7
J
8
J
9
J
10
J
11
J
12
J
13
J
14
J
15

0.0 1.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
0.2 0.9900 0.0100 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
0.5 0.9384 0.2422 0.0306 0.0020 0.0001 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
1.0 0.7651 0.4400 0.1149 0.0195 0.0020 0.0002 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
1.5 0.5118 0.5579 0.2320 0.0690 0.0117 0.0010 0.0002 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
2.0 0.2238 0.5767 0.3528 0.1289 0.0339 0.0070 0.0010 0.0001 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
2.5 -0.048 0.4970 0.4460 0.2166 0.0737 0.0195 0.0040 0.0007 0.0001 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
3.0 -0.260 0.3390 0.4860 0.3090 0.1320 0.0430 0.0113 0.0020 0.0004 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
3.5 -0.380 0.1373 0.4586 0.3867 0.2044 0.0804 0.0254 0.0060 0.0010 0.0003 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
4.0 -0.397 -0.066 0.3641 0.4301 0.2811 0.1320 0.0490 0.0151 0.0040 0.0009 0.0001 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
4.5 -0.320 -0.231 0.2178 0.4247 0.3484 0.1947 0.0842 0.0300 0.0090 0.0020 0.0005 0.0001 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
5.0 -0.177 -0.327 0.0465 0.3648 0.3912 0.2611 0.1310 0.0533 0.0184 0.0050 0.0010 0.0003 0.0000 0.0000 0.0000 0.0000
5.5 -0.007 -0.341 -0.117 0.2561 0.3967 0.3209 0.1867 0.0866 0.0336 0.0113 0.0030 0.0008 0.0002 0.0000 0.0000 0.0000
6.0 0.1506 -0.276 -0.242 0.1147 0.3576 0.3620 0.2458 0.1295 0.0565 0.0211 0.0060 0.0020 0.0005 0.0001 0.0000 0.0000
6.5 0.2600 -0.153 -0.307 -0.035 0.2743 0.3735 0.2999 0.1801 0.0880 0.0365 0.0132 0.0040 0.0010 0.0003 0.0000 0.0000
7.0 0.3000 -0.005 -0.301 -0.167 0.1577 0.3478 0.3391 0.2335 0.1279 0.0589 0.0235 0.0080 0.0020 0.0007 0.0002 0.0000
7.5 0.2663 0.1352 -0.230 -0.258 0.0238 0.2834 0.3541 0.2831 0.1744 0.0889 0.0389 0.0150 0.0050 0.0010 0.0004 0.0000
8.0 0.1716 0.2346 -0.112 -0.291 -0.105 0.1857 0.3375 0.3205 0.2234 0.1263 0.0607 0.0255 0.0090 0.0030 0.0010 0.0002
8.5 0.0419 0.2731 0.0223 -0.262 -0.207 0.0671 0.2866 0.3375 0.2693 0.1694 0.0894 0.0410 0.0166 0.0060 0.0020 0.0006
9.0 -0.090 0.2453 0.1448 -0.180 -0.265 -0.055 0.2043 0.3274 0.3050 0.2148 0.1246 0.0622 0.0273 0.0108 0.0030 0.0010
9.5 -0.193 0.1612 0.2278 -0.065 -0.269 -0.161 0.0993 0.2867 0.3232 0.2577 0.1650 0.0896 0.0426 0.0181 0.0060 0.0020
10.0 -0.245 0.0434 0.2546 0.0583 -0.219 -0.234 -0.014 0.2167 0.3178 0.2918 0.2074 0.1231 0.0633 0.0289 0.0119 0.0040
10.5 -0.286 -0.078 0.2216 0.1632 -0.128 -0.261 -0.120 0.1235 0.2850 0.3108 0.2477 0.1610 0.0897 0.0441 0.0194 0.0070
11.0 -0.171 -0.176 0.1390 0.2273 -0.015 -0.238 -0.201 0.0183 0.2249 0.3088 0.2804 0.2010 0.1215 0.0642 0.0303 0.0130
11.5 -0.067 -0.228 0.0279 0.2381 0.0962 -0.171 -0.245 -0.084 0.1420 0.2822 0.2997 0.2390 0.1575 0.0897 0.0453 0.0206
12.0 0.0477 -0.223 -0.084 0.1952 0.1825 -0.073 -0.243 -0.170 0.0451 0.2303 0.3004 0.2704 0.1952 0.1201 0.0650 0.0316
12.5 0.1469 -0.165 -0.173 0.1103 0.2262 0.0345 -0.198 -0.225 -0.053 0.1561 0.2788 0.2899 0.2312 0.1542 0.0896 0.0464
13.0 0.2074 -0.071 -0.218 0.0040 0.2196 0.1306 -0.118 -0.239 -0.140 0.0665 0.2336 0.2929 0.2609 0.1900 0.1190 0.0657
13.5 0.2169 0.0325 -0.211 -0.095 0.1664 0.1937 -0.019 -0.211 -0.202 -0.029 0.1667 0.2762 0.2789 0.2239 0.1523 0.0896
14.0 0.1789 0.1123 -0.159 -0.157 0.0826 0.2050 0.0762 -0.139 -0.228 -0.121 0.0828 0.2399 0.2777 0.2514 0.1892 0.1184
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 16


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar


Então:

( )
( )
sin( )
( )
ˆ ( ) . .
ˆ ( ) . . .
ˆ
( ) . .
c m
c m
c m
j t j t
FM
j t jn t
FM n
n
j n t
FM n
n
t Ae e
t Ae J e
t A J e
ω β ω
ω ω
ω ω
ϕ
ϕ β
ϕ β
+∞
·−∞
+∞
+
·−∞
·
·
·




Logo :
( ) [ ]
( ) . .cos ( )
FM n c m
n
t A J n t ϕ β ω ω
+∞
·−∞
· +



( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ]
( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ]
0 1 2 3
1 2 3
.cos .cos ( ) .cos ( 2 ) .cos ( 3 ) ...
( ) .
.cos ( ) .cos ( 2 ) .cos ( 3 ) ...
c c m c m c m
FM
c m c m c m
J t J t J t J t
t A
J t J t J t
β ω β ω ω β ω ω β ω ω
ϕ
β ω ω β ω ω β ω ω
− − −
¹ ¹ + + + + + + +
¹ ¹
·
' ;
+ − + − + − +
¹ ¹
¹ ¹


Usando as propriedades:

( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ]
( ) [ ] ( ) [ ] ( ) [ ]
0 1 2 3
1 2 3
.cos .cos ( ) .cos ( 2 ) .cos ( 3 ) ...
( ) .
.cos ( ) .cos ( 2 ) .cos ( 3 ) ...
c c m c m c m
FM
c m c m c m
J t J t J t J t
t A
J t J t J t
β ω β ω ω β ω ω β ω ω
ϕ
β ω ω β ω ω β ω ω
¹ ¹ + + + + + + +
¹ ¹
·
' ;
− − + − − − +
¹ ¹
¹ ¹



As constantes ( )
n
J β podem ser obtidas de tabela ou calculadas pela HP48 (necessita programa).

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 17


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Ex.: Dada a portadora ( ) .cos( )
c
p t A t ω · e o sinal de informação ( ) .cos( )
m
f t a t ω · , o sinal
modulado em FM com índice de modulação 1 β · será:






-0.6
-0.4
-0.2
0
0.2
0.4
0.6
0.8
Φ
FM
(
ω
)
ω
J
0
(1)
J
1
(1)
J
2
(1)
-J
1
(1)
J
2
(1)
J
3
(1)
ω
c

ω
c
+
ω
m

ω
c
-
ω
m

ω
c
+2
ω
m

ω
c
-2
ω
m




[ ] [ ] [ ] [ ] [ ]
[ ] [ ] [ ] [ ]
0.7651cos 0.4400cos ( ) 0.1149cos ( 2 ) 0.0195cos ( 3 ) 0.0020cos ( 4 ) ...
( ) .
0.4400cos ( ) 0.1149cos ( 2 ) 0.0195.cos ( 3 ) 0.0020cos ( 4 ) ...
c c m c m c m c m
FM
c m c m c m c m
t t t t t
t A
t t t t
ω ω ω ω ω ω ω ω ω
ϕ
ω ω ω ω ω ω ω ω
¹ ¹ + + + + + + + + +
¹ ¹
·
' ;
− − + − − − + + +
¹ ¹
¹ ¹
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 18


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Observações:

- As amplitudes das raias espectrais decaem com o incremento de n

- O espaçamento entre cada raia é igual à
m
ω (frequência do sinal modulante, informação).

- O termo correspondente à portadora é ponderado por ( )
0
J β .



Conclusões:

• A largura de faixa ocupada por um sinal FM é função do índice de modulação
.
F
m m
a K ω
β
ω ω

· · (para ( ) .cos( )
m
f t a t ω · ), o qual depende da amplitude e da frequência
do sinal modulante.

• Para 0.2 β < , somente ( )
0
J β e ( )
1
J β possuem valores significativos, de modo que apenas
a portadora e as faixas laterais de 1
a
ordem são significativas → FM de Faixa Estreita.


Então: 2
m
W ω ·
-100 -50 0 50 100
-10
-5
0
5
10
ω
Φ
NBFM
(ω)
ω
c

c

ω
c
+
ω
m
ω
c

m

c

m

c

m
πA
π A
π Aβ/2 πAβ/2
-π Aβ/2 -π Aβ/2


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 19


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
• Modulação FM de Sinais contendo várias freqüências

Seja :
1 1 2 2
( ) cos( ) cos( ) f t a t a t ω ω · +

Temos então que:
[ ]
1 1 2 2
( ) ( )
( ) cos( ) cos( )
i c F
i c F
t t K f t
t t K a t a t
ω ω
ω ω ω ω
· +
· + +


O máximo desvio de frequência deste sinal é:
1 2
( )
F
a a K ω ∆ · +

E o ângulo pode ser calculado como:
[ ] { }
1 1 2 2
0 0
( ) ( ) cos( ) cos( )
t t
i c F
t d K a t a t d θ ω τ τ ω ω ω τ · · + +
∫ ∫

1 2
1 2
1 2
( ) sin( ) sin( )
F F
c
a K a K
t t t t θ ω ω ω
ω ω
· + +


Chamando:
1 2
1 2
1 2
F F
a K a K
β β
ω ω
· ·

Podemos escrever:

1 1 2 2
( ) sin( ) sin( )
c
t t t t θ ω β ω β ω · + +

Expressão Geral do Sinal FM:
( )
ˆ ( ) .
j t
FM
t A e
θ
ϕ ·

[ ]
1 1 2 2
1 1 2 2
sin( ) sin( )
sin( ) sin( )
ˆ
( ) .
ˆ
( ) . . .
c
c
j t t t
FM
j t j t j t
FM
t Ae
t Ae e e
ω β ω β ω
ω β ω β ω
ϕ
ϕ
+ +
·
·

Expandindo as exponenciais em Série de Fourier:
( )
sin( )
.
m m
j t jn t
n
n
e J e
β ω ω
β
+∞
·−∞
·


Temos:

( ) ( )
( ) ( )
( )
( ) ( )
( )
1 2
1 2
1 2
1 2
1 2
1 2
ˆ ( ) . . . .
ˆ ( ) . .
ˆ ( ) .
c
c
c
j t jn t jk t
FM n k
n k
j n k t j t
FM n k
n k
j n k t
FM n k
n k
t Ae J e J e
t Ae J J e
t A J J e
ω ω ω
ω ω ω
ω ω ω
ϕ β β
ϕ β β
ϕ β β
+∞ +∞
·−∞ ·−∞
+∞ +∞
+
·−∞ ·−∞
+∞ +∞
+ +
·−∞ ·−∞
· ⋅
·
·
∑ ∑
∑ ∑
∑ ∑


Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 20


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Sabendo que : { }
ˆ ( ) Re ( )
FM FM
t t ϕ ϕ ·

( ) ( ) ( )
1 2 1 2
( ) . cos
FM n k c
n k
t A J J n k t ϕ β β ω ω ω
+∞ +∞
·−∞ ·−∞
1 · + +
¸ ]
∑ ∑
Conclusões:

- Quando o Sinal f(t) possui duas frequências, o espectro do sinal FM possuirá, além das faixas
1
( )
c
n ω ω t
e
2
( )
c
k ω ω t
, correspondentes às frequências
1
ω e
2
ω , as faixas correspondentes à
modulação cruzada (intermodulação)
1 2
( )
c
n k ω ω ω t t
.
Diferente do que acontece na modulação AM.
Logo: AM → Sistema Linear
FM → Sistema Não-Linear

• Largura de Banda do Sinal FM

De acordo com a definição da largura de banda de um sinal: W é a largura de banda tal que
contenha 98% da Energia/Potência do sinal.
Logo podemos definir
max
n tal que:
( )
2
0,98
max
max
n
n
n n
J β
·−



Uma possível aproximação é adotarmos a maior ordem tal que: ( ) 0,01
max
n
J β >


Dados:
B: Largura de Banda em Hz W: Largura de Banda em rad/s
f
m
: Maior frequência do sinal f(t) em Hz ω
m
: Maior frequência do sinal f(t) em rad/s
2 . f π ω ∆ · ∆ : Desvio de frequência em Hz ∆ω: Desvio de frequêcia em rad/s

Podemos calcular as larguras de banda como:




Suponhamos amplitude máxima do sinal f(t): ( )
max
a f t ·
Lembrando: .
F
a K ω ∆ ·
m m
f
f
ω
β
ω
∆ ∆
· ·

Logo:
2. . 2. .
max max
f
B n W n
ω
β β
∆ ∆
· ·
ou então:
2
max
n W B
f ω β
· ·
∆ ∆

2. .
max m
B n f ·
2. .
max m
W n ω ·
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 21


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Do Exemplo Anterior:
Qual a largura de banda quando se modula uma portadora ( ) .cos( )
c
p t A t ω · com o sinal
( ) .cos( )
m
f t a t ω · , em FM com índice de modulação 1 β · .



Largura de banda de um sinal: frequência para que se tenha 98% da Potência.
Da propriedade 4)
( )
2
1
n
n
J β
+∞
·−∞
1 ·
¸ ]


Isto significa que a modulação FM, não altera a energia total do sinal da portadora, apenas sua
distribuição espectral!

Logo a largura de banda pode ser calculada: 2. .
max m
W n ω ·
onde n
max
é tal que:
( )
2
0.98
max
max
n
n
n n
J β
+
·−
1 ·
¸ ]


No nosso exemplo:
2 2 2
0.7651 2 0.44 2 0.1149 0.9989 + × + × · logo 2
max
n · e 4
m
W ω ·

-0.6
-0.4
-0.2
0
0.2
0.4
0.6
0.8
Φ
FM
(
ω
)
ω
J
0
(1)
J
1
(1)
J
2
(1)
-J
1
(1)
J
2
(1)
J
3
(1)
ω
c

ω
c
+
ω
m

ω
c
-
ω
m

ω
c
+2
ω
m

ω
c
-2
ω
m



[ ] [ ] [ ] [ ] [ ]
[ ] [ ] [ ] [ ]
0.7651cos 0.4400cos ( ) 0.1149cos ( 2 ) 0.0195cos ( 3 ) 0.0020cos ( 4 ) ...
( ) .
0.4400cos ( ) 0.1149cos ( 2 ) 0.0195.cos ( 3 ) 0.0020cos ( 4 ) ...
c c m c m c m c m
FM
c m c m c m c m
t t t t t
t A
t t t t
ω ω ω ω ω ω ω ω ω
ϕ
ω ω ω ω ω ω ω ω
¹ ¹ + + + + + + + + +
¹ ¹
·
' ;
− − + − − − + + +
¹ ¹
¹ ¹
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 22


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Ex. 2: para o caso de termos:
1 1 2 2
( ) cos( ) cos( ) f t a t a t ω ω · +
Com
1
0,2 β · e
2
0,2 β · .

Vimos que:
( ) ( ) ( )
1 2 1 2
( ) . cos
FM n k c
n k
t A J J n k t ϕ β β ω ω ω
+∞ +∞
·−∞ ·−∞
1 · + +
¸ ]
∑ ∑

Como:
0 1 2 3
(0.2) 0.9900 (0.2) 0.0995 (0.2) 0.00498 (0.2) 0.000166 J J J J · · · ·
Consideraremos apenas os termos 0 e 1 devido à
2
(0.2) 0.00498 0.01 J · <

( ) ( ) [ ] {
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
( ) ( ) [ ]
1 1 1 2 1 2
1 1 0 2 1
1 1 1 2 1 2
0 1 1 2 2
0 1 0 2
0 1 1 2 2
1 1 1 2 1 2
1 1 0 2 1
( ) . .cos ( )
.cos ( 0)
.cos ( )
.cos ( 0 )
.cos ( 0 0)
.cos ( 0 )
.cos ( )
.cos ( 0)
FM c
c
c
c
c
c
c
c
t A J J t
J J t
J J t
J J t
J J t
J J t
J J t
J J t
ϕ β β ω ω ω
β β ω ω
β β ω ω ω
β β ω ω
β β ω
β β ω ω
β β ω ω ω
β β ω ω
− −




· − − +
− + +
− + +
+ − +
+ + +
+ + +
+ − +
+ +
( ) ( ) [ ]}
1 1 1 2 1 2
.cos ( )
c
J J t β β ω ω ω
+
+ +


Usando a Propriedade: ( ) ( )
1 1
J J β β

· − e neste exemplo:
1 2
β β β · ·

Podemos simplificar a expressão:

( ) [ ] { ( ) [ ]
( ) ( ) [ ] ( ) ( ) [ ]
( ) [ ] ( ) [ ]
( ) ( ) [ ] ( ) ( ) [ ]
( ) [ ]}
2 2
1 1 2 1 1 2
1 0 1 1 0 1
2 2
1 1 2 1 1 2
1 0 2 1 0 2
2
0
( ) . .cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos
FM c c
c c
c c
c c
c
t A J t J t
J J t J J t
J t J t
J J t J J t
J t
ϕ β ω ω ω β ω ω ω
β β ω ω β β ω ω
β ω ω ω β ω ω ω
β β ω ω β β ω ω
β ω
· − − + + + −
− − + + −
− − + − + − −
− + + +

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 23


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

( ) [ ] { ( ) [ ]
( ) ( ) [ ] ( ) ( ) [ ]
( ) [ ] ( ) [ ]
( ) ( ) [ ] ( ) ( ) [ ]
( ) [ ]}
2 2
1 1 2 1 1 2
1 0 1 1 0 1
2 2
1 1 2 1 1 2
1 0 2 1 0 2
2
0
( ) . .cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos ( ) .cos ( )
.cos
FM c c
c c
c c
c c
c
t A J t J t
J J t J J t
J t J t
J J t J J t
J t
ϕ β ω ω ω β ω ω ω
β β ω ω β β ω ω
β ω ω ω β ω ω ω
β β ω ω β β ω ω
β ω
· − − + + + −
− − + + −
− − + − + − −
− + + +


Onde:
2 2
0 1 0 1
(0.2) 0.9801 (0.2) (0.2) 0.0985 (0.2) 0.0099 J J J J · · ·


























Obs.: A Largura de banda do sinal composto por 2 frequências (ω
1
, ω
2
) modulada em NBFM
(β=0.2) é determinada pela maior frequência do sinal:
1 2
max{ , }
m
ω ω ω ·

Se β for maior, FM faixa larga, há o aparecimento das intermodulações que aumentam a largura de
banda necessária à transmissão. Sendo necessário calcular o n
max
, para aplicar nas equações da
largura de banda pelas vistas anteriormente.



-200 -150 -100 -50 0 50 100 150 200
-0.2
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
1.2
Φ
NBFM
(ω)
ω
ω
c

1

2

ω
c
-(ω
1

2
)
ω
c

2

ω
c

1
ω
c
+(ω
1

2
)
ω
c
ω
c
+(ω
2

1
)
ω
c

1
ω
c

2


c
2. .
max m
B n f · 2. .
max m
W n ω ·
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 24


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar


Aproximações para n
max

Carson em 18antigamente estudou a influência do índice de modulação na largura de banda do
sinal FM e propôs uma formulação empírica para n
max
.


Regra de Carson:
1
max
n β · +



Utilizando esta aproximação tem-se:
( )
2
2 1
2 2
max m
m
m
m m
m
W n
W
W
ω
ω
β ω β
ω
ω
ω ω
ω
·

· + ·

· +


Logo:
2 2
m
W ω ω · ∆ +





Uma aproximação mais precisa, que despreza menos raias espectrais é dada por:

2
max
n β · +
O que implica:
2 4
m
W ω ω · ∆ +





Conclusão:

Como: O desvio máximo de frequência é dado por ( )
F
max
K f t ω ∆ ·
A Largura de Banda de um sinal FM depende da Máxima Amplitude do sinal, da Constante de
Conversão
F
K e da máxima frequência do sinal
m
ω .

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 25


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Exemplos:

1) FM Comercial:
Foi definido por norma internacional (FCC – Federal Communication Comission
www.fcc.gov )que 75 f kHz ∆ ·

Faixa de frequências alocadas no Brasil: 88MHz a 108MHz

Banda de frequências do sinal de áudio: 50Hz a 15kHz

Logo:

75
5
15
m
f k
f k
β

· · ·

Estimativa da largura de banda usando as aproximações:

• Carson: 2 2 2 75 2 15 180
m
B f f k k kHz · ∆ + · × + × ·
• 2
max
n β · + : 2 4 2 75 4 15 210
m
B f f k k kHz · ∆ + · × + × ·

A Faixa de 88

a 108MHz é dividida em porções de 200kHz.

Idealmente, esta faixa permitiria:
108 88
100
200
M M
k

· estações de rádio

Porém evita-se que duas emissoras ocupem faixas vizinhas. Para prevenir interferências de uma
estação na outra e para permitir a transmissão de sinais de áudio estéreo.








2) Sinal de Áudio de TV

FM
25
15
m
f kHz
f kHz
∆ ·
¹
'
·
¹


Largura de Banda:
• Carson: 2 2 2 25 2 15 80
m
B f f k k kHz · ∆ + · × + × ·
• 2
max
n β · + : 2 4 2 25 4 15 110
m
B f f k k kHz · ∆ + · × + × ·

108MHz 88MHz 94.1MHz 94.5MHz
Transamérica
200kHz
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 26


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

• Potência do Sinal FM

Dado o sinal de informação: ( ) .cos( )
m
f t a t ω ·
Vimos que o sinal modulado FM correspondente é dado por:
[ ]
( ) .cos sin( )
FM c m
t A t t ϕ ω β ω · +



Lembrando:
( )
/ 2 / 2
2
2
0 0
/ 2 / 2
2
1 1 2
( ) .cos( )
2
T T
f T
T T
f
P f t dt A t dt
T T T
A
P
π
ω ω
− −
· · ·
·
∫ ∫


A Potência não depende da frequência do sinal, apenas de sua amplitude.
Logo podemos concluir que a potência do sinal
( )
FM
t ϕ
será:
2
2
FM
A
P ·

Independente do sinal de informação.

Sabendo que a portadora é: ( ) .cos( )
c
p t A t ω · cuja potência é:
2
.
2
port
A
P ·

Conclusões:

- a Potência de um sinal de FM é constante e igual à potência da portadora. Independente do
índice de modulação β .
Isto ocorre devido ao fato do sinal FM possuir amplitude constante. Lembrando que para
sinais AM, a potência total depende do índice de modulação m.

- O índice de modulação β , define a distribuição da potência entre a portadora e as faixas
laterais.

- Pode-se tornar a potência da raia espectral correspondente à portadora tão pequena quanto se
queira, através de uma escolha conveniente do índice de modulação. Nesta situação a maior
parte da potência estará nas faixas laterais (informação) e a eficiência da transmissão pode
ser tão próxima de 100% quanto se queira.
Ex.: Fazendo ( )
0
2.405 5.52 0 ou J β β β · · ⇒ ·



Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 27


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Geração de Sinais de FM

1) FM Indireto

Procedimento: Integra-se o sinal de informação e modula-se em fase a portadora. Obtem-se um
sinal FM de faixa estreita, o qual é convertido em FM de faixa larga através de um multiplicador de
frequência, que aumenta o índice de modulação.

Multiplicador de Frequência: Dispositivo não–linear que multiplica a frequência do sinal de
entrada.




Ex.:
Dado o sinal ( ) .cos( )
m
f t a t ω · e seu correspondente sinal NBFM
[ ]
( ) .cos sin( )
NBFM c m
t A t t ϕ ω β ω · +
com β pequeno




Ex. de Implementação 1 : Dispositivo de Lei Quadrática




Se: [ ]
( ) ( ) .cos sin( )
NBFM c m
x t t A t t ϕ ω β ω · · +

Então:
[ ] { } [ ]
2 2
2
( ) .cos sin( ) cos 2 2 sin( )
2 2
c m c m
A A
y t A t t t t ω β ω ω β ω · + · + +


Filtrando-se o nível DC, obtem-se um sinal de FM com a frequência da portadora e o índice de
modulação multiplicados por 2.

Se o dispositivo for de Lei enésima → Multiplica-se por N








Ex. de Implementação 2: Usando PLL (Phase Locked Loop) visto mais adiante.
Multiplicador
de freq. ×N
0 0
cos( ) t ω φ +
0 0
cos( ) N t N ω φ +
×N ( )
NBFM
t ϕ
[ ]
( ) .cos sin( )
FM c m
t A N t N t ϕ ω β ω · +
y=x
2
( ) x t
2
( ) ( ) y t x t ·
Modulador
PM

( ) f t
( )
FM
t ϕ
( ) p t
×N
Filtro
PF
( )
NBFM
t ϕ
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 28


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Exemplo: Transmissor de FM indireto tipo Armstrong
Dado o diagrama em blocos abaixo e as características do sinal
1
( ) t ϕ , calcule a frequência da
portadora, desvio de frequência e o índice de modulação dos sinais
2
( ) t ϕ ,
3
( ) t ϕ e
4
( ) t ϕ .

Obs.: Conversor de frequência: Circuito que multiplica o sinal de entrada por uma sub-portadora
(sinal cossenoidal local) seguido de um filtro passa-baixas de frequência de corte igual a frequência
desta sub-portadora. Serve para alterarmos a frequência central sem alterar os demais parâmetros de
modulação.















1
200
( ) 25
0,5
c
f kHz
t f Hz ϕ
β
· ¹
¹
· ∆ ·
'
¹
·
¹

2
12,8
( ) 1, 6
32
c
f MHz
t f kHz ϕ
β
· ¹
¹
· ∆ ·
'
¹
·
¹

3
1,9
( ) 1, 6
32
c
f MHz
t f kHz ϕ
β
· ¹
¹
· ∆ ·
'
¹
·
¹

1
91,2
( ) 76,8
1536
c
f MHz
t f kHz ϕ
β
· ¹
¹
· ∆ ·
'
¹
·
¹





Exercício:
Você dispõe de um cristal que oscila a 3,75MHz. Projete um diagrama de blocos de um transmissor
FM para áudio (50 a 15kHz), sabendo que deseja-se ocupar a faixa de 97,5MHz da banda
comercial, 75 f kHz ∆ · . O sinal de entrada possui amplitude máxima de 15Volts e o circuito
modulador PM possui 31,25
V
F rad
K · . Calcule a combinação de multiplicadores de frequência e
conversores de frequência que efetue essa tarefa.




Defasador
90
o


( ) f t X +
+
-
( ) .cos( )
c
p t A t ω ·
.sin( )
c
A t ω
×64 Conversor ×48
1
( ) t ϕ
2
( ) t ϕ
3
( ) t ϕ
4
( ) t ϕ
1 1
( ) cos( )
c
p t t ω ·
Amplificador
Antena
10,9MHz
200kHz
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 29


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
2) FM Direto

O sinal de informação ( ) f t varia diretamente a frequência da portadora.

Exemplo: Oscilador eletrônico com circuito tanque LC.


Frequência de Oscilação:
1
i
LC
ω ·

Variando-se o valor de L ou C de acordo com f(t), a frequência instantânea do oscilador
também varia com f(t).

Supondo que o valor do capacitor varie da seguinte forma:
0 0
0
. ( ) 1 ( )
a
C C a f t C f t
C
1
· + · +
1
¸ ]

Logo:

0
0
0
0
1 1 1
1 ( )
1 ( )
i
LC a
a
f t
LC f t
C
C
ω · · ⋅
1
+
+
1
¸ ]


Expandindo a função em Série de Taylor:
( )
2 3
1/ 2
1 1 1 3 1 3 5
1 ...
2 2 4 2 4 6
1
x x x
x
⋅ ⋅ ⋅
· − + − +
⋅ ⋅ ⋅
+

Se
0
( ) 1
a
f t
C
=
Logo:
1/ 2
0
0
1
1 ( )
2
1 ( )
a
f t
C
a
f t
C
· −
¸ _
+

¸ ,
e
0 0
1
1 ( )
2
i
a
f t
C LC
ω
1
· ⋅ −
1
¸ ]


Definindo:
0
1
c
LC
ω · e
0
2
c
F
a
K
C
ω
· −

Temos: ( ) ( )
i c F
t K f t ω ω · + Frequência instantânea do sinal FM
C
Circuito
0
Vo(t)
L
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 30


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

• Modulador com Diodo de Reatância Variável (Varicap ou Varactor)


Diodo Varicap: ex.: 1N5139 a 1N5148




A capacitância do Varicap é função da tensão de Polarização Reversa (V
r
) aplicada nos seus
terminais. O varicap é um diodo dopado de tal forma que, ao ser polarizado reversamente, faz com
que a região de depleção da junção PN varie.








V
r
Maior V
r
Menor



Ex.: BB809 - Philips
Usado em sintonia de VHF - Televisão




N
P
+
-
N
P
+
-
D1
D1N5148
+ - V
r

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 31


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Exemplo de circuito:



















P1 → Polarização do Diodo Varicap
C1 → Bloqueio DC de f(t)
P2 → Sensibilidade (nível f(t) aplicado)
L1 → Choque RF, para a portadora não atrapalhar a polarização

L2,C2,Cd → Oscilador Hartley


1
2
i
L C
ω ·

onde
2
2
C Cd
C
C Cd

·
+
Série de C2 e Cd
Como Cd<<C2 C Cd ≅


Logo:
1
2
i
L Cd
ω ·

e
0
1
2
c
L C
ω ·






0
P1
2
1
C2
0
Vcc
C1
0
0
0
P2
2
1
Cd
L2
0
L1
0
( ) f t
( )
FM
t ϕ
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 32


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
• Modulação FM pelo Método Digital

Princípio: Filtragem da componente fundamental de uma onda quadrada.

Osciladores baseados na carga e descarga de capacitores → Frequência é função da
alimentação.

Ex.: Oscilador Astável com Transistor















Q2 e Q3 : Oscilador Astável
Q1 : inverter f(t)
Q4 e Q5 : fontes de correntes dependentes de f(t)
Q6 : Desacoplar a saída
L0 e C0 : Filtro passa-faixas sintonizado na frequência da portadora (1
a
harmônica)
P1: Ajusta o valor de polarização das fontes de corrente → Frequência da Portadora







Obs.: Qualquer oscilador cuja frequência depende de uma tensão de controle é chamado de VCO
(Voltage Controlled Oscillator)

Q2
C0
0
P1
2
1
Vcc
Q5
Q6
Rc
Cb
Q3
Cb
L0
Rc
Q1
Q4
( ) f t
( )
FM
t ϕ
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 33


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Demodulação de Sinais FM

Objetivo: Recuperar ( ) f t a partir de ( )
FM
t ϕ .


1) Discriminador de Frequências

Circuito que converte, linearmente, variações de frequência em variações de amplitude.
Deste modo, um sinal Fm é convertido para um pseudo sinal AM, que pode ser demodulado por
um detector de envoltória.






Ex.:





















Discriminador:
Quanto maior a frequência → maior a amplitude do
sinal de saída
Logo: é um FILTRO !!!






-5
0
5
10
15
20
M
a
g
n
i
t
u
d
e

(
d
B
)
10
0
10
1
89
89.5
90
90.5
91
P
h
a
s
e

(
d
e
g
)
Bode Diagram
Frequency (rad/sec)
( ) H ω
H(ω)
Detector de
envoltória
( )
FM
t ϕ ( ) f t
,
( )
AMFM
t ϕ
0 5 10 15 20
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
t
f(t)
0 5 10 15 20
-1
-0.5
0
0.5
1
t
φ
FM
(t)
0 5 10 15 20
-3
-2
-1
0
1
2
3
t
φ
AM,FM
(t)
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 34


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Tipos de Discriminadores

a) Diferenciador





( )
( ) ( ). ( ) . ( )
dx t
Y H X j X
dt
ω ω ω ω ω
¹ ¹
· · ·
' ;
¹ ¹
F

Logo: Resposta em Frequência do diferenciador:
( )
( )
/2, 0
( )
/ 2 0
H
H j
ω ω
ω ω
π ω
θ ω
π ω
¹ ·
¹
· ·
> ' ¹
·
'
¹
− <
¹ ¹

-6 -4 -2 0 2 4 6
0
1
2
3
4
5
6
ω
|H(ω)|=|ω|


Logo: demodulador FM




Análise:
[ ] ( ) .cos ( )
FM
t A t ϕ θ · onde:
0
( ) ( ).
t
c F
t t K f d θ ω τ τ · +


Assim:
[ ] [ ]
,
( ) cos ( )
( )
FM
AMFM
d t d A t
t
dt dt
ϕ θ
ϕ · ·
[ ] [ ]
,
0
( )
( ) .sin ( ) . sin ( ) . ( ).
t
AMFM c F
d t d
t A t A t t K f d
dt dt
θ
ϕ θ θ ω τ τ
1
· − · − +
1
¸ ]


[ ] [ ]
,
( ) .sin ( ) . ( )
AMFM c F
t A t K f t ϕ θ ω · − +
[ ] [ ]
,
( ) . ( ) .sin ( )
AM FM c F
t A K f t t ϕ ω θ · − +




Sinal modulado em amplitude E frequência
d
dt

( ) H ω
( )
( )
X
x t
ω
( )
( )
( )
Y
dx t
y t
dt
ω
·
d
dt
( )
FM
t ϕ
,
( )
AMFM
t ϕ
Detector de
envoltória
( ) y t
Envoltória
AM
Ângulo
FM
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 35


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Saída do detector de envoltória:

[ ] ( ) . ( )
c F
y t A K f t ω · − +
( ) . ( )
c F
y t A AK f t ω · − −





b) Discriminador RC







Resposta em frequência:
1
.
( )
1
j C
R RC j
H
R j RC
ω
ω
ω
ω
· ·
+ +
















Para baixas frequências, .
1
RC
ω =
, o circuito se comporta como um diferenciador.
Se:
1
RC
ω =
, 1 RC ω = ⇒ ( ) H j RC ω ω ≅
Resolução: 20dB/década

Circuito Completo:









Nível DC
filtrar
Sinal proporcional
a f(t)
( )
( )
X
x t
ω ( )
( )
Y
y t
ω
0
R
100
C
10p
5p
Diferenciador
Detector de
envoltória
R
0
C D
Ce
C2
Re
Bloqueio DC
( )
FM
t ϕ
,
( )
AMFM
t ϕ
. ( ) K f t
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 36


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
c) Discriminador Sintonizado (detector de inclinação)









Resposta em frequência: ( )
Z
H
Z R
ω ·
+
onde
1
2
//
( ) 1
j C
j L
Z j L
j LC
ω
ω
ω
ω
· ·
+


Logo:
2
1
( )
1 1
( )
j
RC
H
j j
RC LC
ω
ω
ω ω
·
+ +
















- O circuito comporta-se como um diferenciador na região linear.
- O circuito sintonizado LC,
1
r
LC
ω · , deve ser projetado de modo que
c
ω caia na região
linear.

Implementação com transformador de RF:







( )
( )
X
x t
ω ( )
( )
Y
y t
ω
L
.633u
R
1k
C
1p
Co
Ce
D
L Re C
( )
FM
t ϕ
,
( )
AMFM
t ϕ
. ( ) K f t
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 37


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
d) Discriminador Balanceado














1
1 1
1
L C
ω ·
2
2 2
1
L C
ω ·
1
c
LC
ω ·

0 1 2
( ) ( ) ( ) e t e t e t · −


Vantagens: Desvantagens:
- Maior região linear - Necessita ajustar 3 circuitos ressonantes
- Alto Ganho
- Não necessita bloqueio DC


Outros Discriminadores:
- Detector de Relação
- Detector Foster-Seeley

Outros Demoduladores de FM:

- Demodulação pelo Método Digital (incluir p/ próximo semestre)
- PLL (visto adiante)

( )
FM
t ϕ
e
1
(t)

e
2
(t)

e
0
(t)

+

-

+

+

-

-

-

+

C
Rd2
Cd1
D1
Cd2
D2
Rd1 C1
L1 L
L2
C2
0 5 10 15 20 25 30
-1
-0.5
0
0.5
1
ω
H
1
(
ω
)
ω
1

ω
2

H
2
(ω)
0 5 10 15 20 25 30
-1
-0.5
0
0.5
1
ω
H
1
(ω)-H
2
(ω)
ω
1

ω
2

ω
c
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 38


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Ruído em Sistemas FM








Supondo que o ruído introduzido pelo canal de comunicação seja branco, vamos analisar o que
acontece com sua densidade espectral de potência quando aplicado ao Diferenciador:


2
1
( ) 1
n
S ω ·
2
2 1
( ) ( )
n n
S S H ω ω ·
Como:
2
2
( ) ( ) H j H ω ω ω ω · ·
Assim:
2 2 2
2
( ) 1
n
S ω ω ω · ⋅ ·
















Logo o diferenciador dá ganho maior para frequências maiores, aumentado a potência do ruído
no receptor para estas altas frequências.


Se o sinal de informação for áudio ou voz, sua densidade espectral possui baixos valores para
altas frequências.



Conclusão: A relação Sinal-Ruído é muito baixa nas altas frequências do sinal de áudio, pois o
sinal é mais baixo onde o ruído é mais alto, causando distorção do sinal demodulado.



n(t)
Modulador
FM
+
Diferenciador
( ) H j ω ω ·
Detector de
Envoltória
Filtro Passa-
Baixas: ω
m

f(t)
( )
FM
t ϕ
Transmissor Receptor
• ‚
-10 -5 0 5 10
0
20
40
60
80
100
ω
S
n2
(
ω
)
m
ω −
m
ω

-10 -5 0 5 10
-1
-0.5
0
0.5
1
1.5
2
ω
S
n1
(
ω
)
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 39


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
Pré-Enfase e De-ênfase

- Pré-Enfase: Reforça as componentes de alta frequência do sinal de informação f(t).
- De-ênfase: Restaura as componentes de alta frequência do sinal ao seu nível original, além
de reduzir a densidade espectral de ruído nas altas frequências

Objetivo: Melhorar a relação Sinal-Ruído do sinal demodulado.


Exemplo de redes:

Pré-enfase:

1
1
2 2
1 1
1 1
2
2
1
1 2 1
1
( )
1
( // ) 1
R C
j C
j C
j
R R
H
R R
j R
R
R R C j CR
R
ω
ω
ω
ω
ω
ω
+
· · ·

+ +
+
+
+

1
1
1
R C
ω · frequência do Zero
2
1 2
1
( // ) R R C
ω · frequência do pólo
Norma FCC americana:
1
2,122 f kHz ·
2
30 f kHz >

De-ênfase:

1
1
1 1
2
1 1
1
( )
R C j C
j C R C
H
R j
ω
ω
ω
ω
· ·
+ +


1
1
1
R C
ω · frequência do Pólo
Norma FCC americana:
1
2,122 f kHz ·















2
( ) H f
1
( ) H f
1
1
1
2
f
RC π
·

2
1 2
1
2 ( // )
f
R R C π
·

R1 75k
C1
1n
R2
4.7k
0
0
C1
1n
R1 75k
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 40


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Receptor FM Super-Heródino Monofônico














Amplificador e Filtro de RF: Sintoniza através de um capacitor variável a estação de rádio.
Oscilador Local: Gera uma frequência 10,7MHz acima da frequência sintonizada pela etapa de RF
Misturador: Efetua a heterodinização (multiplicação), de modo que na saída o sinal esteja sempre
a 10,7MHz.
Limitador: Limita a amplitude do sinal modulado FM
Detector FM: Realiza a demodulação do sinal FM.
De-ênfase: restaura as altas frequências aos seus níveis normais e reduz o nível de ruído
Amplificador de Áudio: Etapa de amplificação do sinal de áudio para o alto-falante
CAF: Controle Automático de Frequência, ajusta automaticamente a frequência do oscilador local
(através da polarização do diodo varicap) para melhor recepção.
CAG: Controle Automático de Ganho, ajusta automaticamente o ganho da etapa de amplificação
RF.


O circuito eletrônico pode ser visto no livro: Telecomunicações, Juarez Nascimento.


Amplificador
e Filtro de RF
Misturador
Oscilador Local
fc+10,7MHz
Amplificador de
FI 10,7MHz
Limitador Detector
FM
De-ênfase
CAF
CAG
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 41


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
FM Estéreo

Possibilita a transmissão e recepção de 2 canais de áudio independentes.

Histórico:
No início as transmissões FM eram feitas em monofônico, com a venda de milhares de
radinhos. Com o advento da transmissão em estéreo surgiu o problema de como fazer com que os
receptores antigos continuassem a receber a estação transmitindo em estéreo.

Sinais: l(t) → canal esquerdo
r(t) → canal direito

• Transmissor:














Análise:

- Inicialmente os canais esquerdo l(t) e direito r(t) são pré-enfatizados e codificados
matricialmente, gerando os sinais de soma ( ) ( ) l t r t + e diferença ( ) ( ) l t r t −
Espectros: onde 2 15
m
k ω π · × aúdio limitado em 15kHz

Sinais de Entrada:






Saída do codificador matricial:






+
+
X
Oscilador
÷2 +
Modulador
FM
Pré-ênfase
Pré-ênfase
+
+
+
-
38kHz 19kHz



ƒ


Codificador
Matricial
l(t)
r(t)
ω ω
m

m

L(ω) •
ω ω
m

m

R(ω) ‚
ω ω
m

m

L(ω)-R(ω) „
ω ω
m

m

L(ω)+R(ω) ƒ
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 42


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

- Os sinais soma ( ) ( ) l t r t + ƒ e diferença ( ) ( ) l t r t − „ ocupam o mesmo lugar no espectro.
Desloca-se o espectro da diferença „ usando modulação DSB-SC para a frequência de
38kHz.










- O sinal composto (“Stereo Multiplex”) é a soma do sinal soma ( ) ( ) l t r t + , do sinal diferença
transaladado para 38kHz e mais um tom piloto de 19kHz. O tom piloto serve para gerar uma
sub-portadora local no receptor, sincronizada com a transmissão, de modo a permitir a
demodulação síncrona o sinal DSB-SC.
Este sinal composto modula a portadora em frequência e é transmitido.













- A largura de Banda do sinal FM Estéreo:

dados: 53
m
f kHz · e 75 f kHz ∆ ·

Por Carson: 2 2 2 75 2 53 256
m
B f f k k kHz · ×∆ + × · × + × ·
Mais precisa 2 n β · + : 2 4 2 75 4 53 362
m
B f f k k kHz · ×∆ + × · × + × ·


Logo a atitude de deixar uma posição vazia a cada 200kHz no espectro de 88 a 108MHz é também
visando a transmissão estéreo.

f 53k 23k
[ ] { }
( ) ( ) cos(2 38 ) L R k t ω ω π − ⋅ ⋅ F …
-23k -53k 38k -38k
f
53k 23k
Stereo Multiplex †
-23k -53k 38k -38k 19k -19k 15k -15k
Largura de Banda do sinal de informação
FM estéreo: B=53kHz
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 43


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

• Receptor:

























Análise:

- Após a demodulação FM, o sinal obtido (stereo multiplex) é separado por filtragem.

























f
53k 23k
Stereo Multiplex •
-23k -53k 38k -38k 19k -19k 15k -15k
f 15k -15k
L(ω)+R(ω) „
f
53k 23k

-23k -53k 38k -38k
f 19k -19k
tom piloto ƒ
Demodulador
FM
23k 53k
38k
f
Passa-Faixas
19k
f
Passa-Faixas
banda estreita
15k
f
Passa-Baixas
X
15k
f
Passa-Baixas
×2
De-ênfase

+
+
+
+
-
+


Decodificador
Matricial
De-ênfase
ƒ


† ‡
ˆ

l(t)
r(t)
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 44


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
- O sinal diferença ( ) ( ) l t r t − é transladado para sua posição original através da demodulação DSB-
SC usando detecção síncrona, pelo uso da sub-portadora de38kHz gerada a partir do tom piloto de
19kHz.

























- decodificação matricial:
[ ] [ ]
[ ] [ ]
( ) ( ) ( ) ( ) 2 ( )
( ) ( ) ( ) ( ) 2 ( )
l t r t l t r t l t
l t r t l t r t r t
+ + − ·
+ − − ·



- Após a decodificação matricial, os sinais l(t) e r(t) são de-enfatizados e amplificados
separadamente, gerando os canais de áudio esquerdo e direito.


Observações:

- Se a recepção for monofônica, será reproduzido no alto falante o sinal soma l(t)+r(t), que é o sinal
presente na banda de frequência de 0 a 15kHz. Logo os rádios monos podem receber transmissão
estéreo.

- Se a transmissão for monofônica, ambos os altos falantes reproduzirão o mesmo som, uma vez que
o sinal l(t)-r(t) é igual a zero. Isto pode ser monitorado por um LED que acenda na presença do tom
piloto de 19kHz. Logo os rádios estéreos podem receber transmissão monofônicas.


f
53k 23k

-23k -53k 38k -38k
f 38k -38k
sub-portadora …
f

15k -15k 76k -76k
f
( ) ( ) L R ω ω − ‡
15k -15k
Filtragem
Passa-Baixas
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 45


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

PLL (Phase-Locked Loop) - Laço de Fase Amarrada

Histórico:
Os conceitos básicos empregados no circuito PLL foram desenvolvidos nos meados de 1930. Os
circuitos eram caros e utilizados apenas em receptores de rádio de precisão. Com o avanço da
microeletrônica, em 1960, surgiram os primeiros PLLs totalmente integrados, reduzindo seus custos
e popularizando a técnica.

Diagrama de Blocos:








Componentes:

1) Comparador de Fase

Circuito cuja saída é proporcional à diferença de fase
entre os sinais de entrada.


Tipos:

a) Analógico: Circuito Multiplicador


Análise:
Seja
1 1
cos( ) V t ω φ · + e
2 2
cos( ) V t ω φ · +
Saída será:
1 2 1 1
cos( ) cos( )
d
V V V t t ω φ ω φ · × · + × +

[ ]
1 2 1 2
1
cos( ) cos( ( ))
2
d
V t t t t ω φ ω φ ω φ ω φ · + + + + + − +

[ ]
1 2 1 2
1
cos(2 ) cos( )
2
d
V t ω φ φ φ φ · + + + − Filtrando PB

[ ]
1 2
1
cos( )
2
o
V φ φ · − Logo saída do PB proporcional à diferença de fase

Comparador
de fase
Filtro
Passa-Baixas

VCO
V
i

f
i

V
d
V
o

V
osc

f
osc

Comparador
de fase
V1
V2
V
d

X
V1
V2
V
d

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 46


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar


b) Digital: Porta Lógica Ou-Exclusivo (XOR)




















Outros: Comparador de Fase-Frequência – Ver Xerox



2) Filtro Passa-Baixas

Função: remover a alta frequência existente na saída do comparador de fase.


Ex.: PB 1ª Ordem PB 2ª Ordem








Observação: Juntamente com o filtro pode ter um amplificador para adequar o sinal de saída deste
ao nível de sinal necessário ao correto funcionamento do VCO.








V1 V2 V
d

0 0 0
1 0 1
0 1 1
1 1 0
0
C1
1n
R1 75k
0
C1
1n
R1 75k
0
C1
1n
R1 75k
V
d
V
d
V
o
V
o

V1
V2
V
d
V
o
1
2
3
FPB
V
d

V1
V2
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 47


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar
3) VCO – (Voltage Controlled Oscillator) – Oscilador Controlado por Tensão

Função: Gerar, a partir de um sinal de tensão na sua
entrada, uma sinal oscilatório de uma determinada
frequência.

Nada mais é do que um modulador FM, podendo ser usados os circuitos vistos anteriormente.


Ex.: Modulador Digital com o Oscilador Astável.

Finalidades Básicas do PLL:
• Para um sinal de entrada V
i
de frequência variável ⇒ Fazer com que o VCO produza um
sinal V
osc
cuja frequência siga a frequência de Vi, isto é, que mantenha
i osc
f f ·

• Para um sinal de entrada V
i
de frequência fixa ⇒ Manter a diferença de fase de V
i
e V
osc

constante.

Funcionamento Básico:

• Supondo que o circuito esteja em regime permanente, isto é,
i osc
f f · e diferença de fase
constante. Com
i osc
f f · , o sinal V
o
é tal que mantém a saída do VCO “amarrada” com o
sinal de entrada.

• Se a frequência do sinal de entrada f
i
mudar, o comparador de fase “sente” a mudança e
altera V
o
de modo a manter
i osc
f f · .

Logo, no funcionamento básico do PLL, o sinal V
o
varia de acordo com a variação de frequência do
sinal V
i
. Assim , se ( )
i FM
V t ϕ · teremos: ( )
o
V f t ·
Realizando naturalmente a Demodulação FM.


Observação:
A análise dinâmica do PLL envolve conceitos de Sistemas de
Controle, e não será efetuada neste curso.

A figura ao lado ilustra a resposta do PLL (frequência do VCO) à
um salto na frequência de entrada (linha vermelha), para diversos
fatores de amortecimento do filtro PB.






VCO
V
o

V
osc

f
osc

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 48


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Devido à limitação de faixa de oscilação imposta pelo VCO, há 2 faixas de frequências importantes
para o PLL.















f
0
: Frequência de oscilação livre do VCO. Frequência que o VCO oscila quando não há sinal
aplicado.

∆f
R
: Faixa de Retenção. ∆f
R
=f
4
-f
1

Faixa entorno da frequência f
0
, na qual o VCO pode manter-se em sincronismo com o sinal
externo.

∆f
R
: Faixa de Captura. ∆f
R
=f
3
-f
2

Faixa entorno da frequência f
0
, na qual o VCO é capaz de adquirir o sincronismo, quando da
aplicação de um sinal externo na entrada do PLL.


Exemplos e Aplicações:
Os PLLs mais populares são os integrados
CD4046(CMOS) e LM565(BIPOLAR).

Ao lado é apresentado o diagrama interno do
CD4046. Este chip possui internamente o
VCO e 2 tipos diferentes de comparadores de
fase. Sendo portanto necessária apenas a
inclusão do Filtro Passa-Baixas e de
componentes R e C para sintonizar o VCO na
faixa de frequências desejada de trabalho.



Ver Datasheets na página da disciplina.
f
1
f
2
f
0
f
3
f
4
f
osc
Faixa de Retenção: ∆f
R
Faixa de captura: ∆f
C
V
o
Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 49


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

O PLL como Sintetizador de Frequências:

Implementar um divisor de frequência, isto é, a partir de um sinal com uma determinada
frequência (clock), gera-se um sinal cuja frequência é uma fração da frequência deste é uma tarefa
relativamente fácil utilizando técnicas digitais (Flip-Flops e Contadores).
Como implementar um multiplicador de frequências?












Inserindo-se um divisor de frequências de M no sinal de entrada e um divisor de frequências por N
no sinal de saída do VCO.

Já vimos do funcionamento do PLL, que o mesmo mantém os sinais de entrada do comparador de
fase com a mesma frequência. Isto é:
M N
f f ·

Como:
i
M
f
f
M
· e
osc
N
f
f
N
·
Temos que:
i osc
f f
M N
· Logo:
osc i
N
f f
M
·


Podemos, a partir de um sinal de referência (clock) V
i
, gerar qualquer múltiplo racional da
frequência f
i
.

O uso de sintetizadores de frequência com PLL, permite que sistemas digitais controlem a sintonia e
memorização automática de estações de rádio, regeneração da portadora de 38kHz a partir do tom
piloto de 19kHz.


O PLL possui inúmeras aplicações em Telecomunicações e Instrumentação, tais como:
- sintetizadores de frequência: Geração de diversas portadoras a partir de um único cristal, sintonia
automática de rádio e TV.
- Modulação FM pelo método indireto.
- Demodulação de sinais FM e FSK (FM de sinais digitais)
- Amplificador Lock-in, usado para realizar medidas em ambiente ruidoso
- Regeneração da portadora local em sistemas de recepção DSB-SC e SSB (receptor síncrono)
- Circuitos de sincronismo vertical de TV
- Ajuste de frequência da portadora. Ex.: Satélites
- ....

Boa leitura: http://www.qsl.net/py4zbz/teoria/pll.htm#comofunc
Comparador
de fase
Filtro
Passa-Baixas

VCO
V
i

f
i

V
d

V
osc

f
osc

÷N
V
N

f
N


÷M
V
M

f
M

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 50


Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Conclusões


Vantagens do FM sobre o AM
a) Os sistemas FM são mais imunes ao ruído
- Pela faixa de frequência que operam (88-108MHz)
- Por possibilitar o uso de limitadores que eliminam variações de amplitude introduzidas
pelo ruído.
b) Como trabalham na faixa de VHF e UHF, o alcance do FM fica limitado pela linha de
visada direta, possibilitando a utilização de um mesmo canal por várias emissoras, que se
distanciam pouco uma das outras.
- Comunicações Móveis


Desvantagens do FM sobre o AM
a) Necessitam uma largura de banda maior para a transmissão do sinal modulado.
b) Transmissores e receptores mais complexos.
c) Menor alcance, devido à faixa de frequência que operam.

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 2 O que acontece se f(t), informação, tiver variação contínua? Ex.:
1 f(t)

0.5

0 0 1 φ FM(t) 0.5 0 -0.5 -1 0

1

2 t

3

4

1

2 t

3

4

Cada instante de tempo do sinal φ FM ( t ) possui uma frequência diferente! Logo: Precisamos definir • Frequência Instantânea: ω i

Sabemos que ϕ (t ) = A.cos (θ (t) ) e que θ ( t ) = ω0 .t + θ 0 onde ω0 é a frequência constante da portadora. Como obtemos ω0 a partir do ângulo θ (t ) ?

Podemos definir:

ωi (t ) @
t

dθ (t ) dt

Logo:

θ (t ) = ∫ ωi (τ ).dτ + θ0
0

Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 3

Ex.: 1) ϕ (t ) = A.cos ( ωc .t + θ 0 ) , onde ωc e θ 0 são constantes. ωi (t ) = d [ ωc .t + θ 0 ] dt = ωc frequência instantânea é uma constante
80.0 1
φ(t)=cos(10* 2 π t) ω =10* 2 π

0.5 0 -0.5 -1 0 0.5 t 1

60.0 40.0 20.0 0.0 0

i

0.5 t

1

2) ϕ (t ) = A.cos (10π t + π t 2 ) ωi (t ) = d 10π t + π t 2    dt
1 0.5 0 -0.5 -1 0 1 t 2 3

= 10π + 2π t
60.0

φ (t)=cos(10 π t+π t )

2

ω =10 π+2 π t

50.0 40.0 30.0 20.0 10.0 0.0 0 1 t 2 3

Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

i

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 4

3.2. Modulação de Fase (PM)
ϕ PM ( t ) = A.cos (ωct + K p . f (t ) )
onde: ωc : Frequência da Portadora K p : Constante f (t ) : Sinal Modulante (informação) Logo a fase da portadora varia linearmente com a informação f(t). Frequência instantânea: ωi (t ) = Logo: dθ (t ) d ωc t + K p f (t )   =  dt dt

ωi (t ) = ω c + K p

d f ( t) dt

Logo: A frequência instantânea varia linearmente com a derivada do sinal modulante f(t).

Sinal PM: ϕ PM ( t ) = A.cos ωc t + K p f (t )    : Constante que converte variações de volts da f(t) em variações de fase (em radianos). É definida pelo circuito de modulação. Unidade:  K p  = rad / V   Logo: Para K p > 0 Se f (t ) > 0 → Avanço de fase Se f (t ) < 0 → Atraso de fase

Kp

Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

Capítulo 3 – Modulação Angular - Página 5

3.3. Modulação em Frequência (FM)
Se variarmos linearmente a frequência instantânea da portadora de acordo com o sinal modulante:

ωi (t ) = ωc + K F f (t )
O que ocorre com o ângulo θ (t ) ?
θ ( t ) = ∫ [ωc + K F f (τ ) ] dτ
0 t

θ ( t ) = ωct + K F ∫ f (τ ) dτ
0

t

Logo a expressão do sinal modulado em FM será:

t   ϕ FM (t ) = A.cos  ωct + K F ∫ f (τ ) dτ   0 

Logo a fase da portadora varia linearmente com a integral do sinal de informação f(t). K F : Constante que converte variações de volts do sinal f(t) em variações de velocidade angular (rad/s) da frequência instantânea. rad Unidade: [ K F ] = V .s Para K F > 0 Se f (t ) > 0 → Aumenta a frequência Se f (t ) < 0 → Diminui a frequência

Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Lamar

cos ( θ (t ) ) ← ϕ (t ) = A.e ˆ ϕ FM (t) = A. Lamar . Marcus V. f (t ) Modulador PM ϕPM (t ) f (t ) d dt Modulador FM ϕPM (t ) f (t ) Modulador FM ϕFM (t ) f (t ) ∫ Modulador PM ϕFM (t ) Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Portanto o estudo a ser feito para FM também se aplica a PM.Página 6 Notação Fasorial: ϕ (t ) = A.Capítulo 3 – Modulação Angular .e j[ωct +K Fg (t )] Obs. não são essencialmente diferentes. uma vez que qualquer variação na fase de uma portadora resulta em uma variação na sua frequência instantânea e vice-versa.e Logo: { jθ ( t ) } ˆ Sinal PM: ϕ PM ( t ) = Re {ϕPM (t )} ˆ Sinal PM: ϕ FM ( t ) = Re {ϕFM (t )} ˆ ϕPM (t ) = A.: Embora PM e FM sejam formas diferentes de modulação angular.e j ωc t + K p f (t )     j ωct + KF   ∫ f (τ ) dτ   0 t   Definindo: g ( t ) = ∫ f (τ ) dτ 0 t Podemos escrever: ˆ ϕFM (t ) = A.e jθ ( t ) → ˆ Então: ϕ (t ) = Re A.

cos(ωmt ) FM: *Frequência Instantânea: ωi (t ) = ωc + K F f (t ) Sinal Modulador. de Engenharia Elétrica – Prof.Capítulo 3 – Modulação Angular . Lamar .a. Marcus V.cos(ωmτ ) ] dτ 0 θ ( t ) = ωct + ∆ω sin(ωmt ) ωm Definindo: β@ ∆ω Máximo desvio de frequência : ωm Frequência máxima da informação Universidade Federal do Paraná – Dep.cos (ωmt ) onde: ∆ω = a ⋅ K F ∆ω é o desvio máximo da frequência da portadora: ωc − ∆ω ≤ ωi ≤ ωc + ∆ω *Ângulo: θ ( t ) = ∫ ωi (τ ) dτ 0 t t θ ( t ) = ∫ [ωc + ∆ω. Informação ωi (t ) = ωc + K F .cos (ωmt ) ω i(t) [10 3 rad/s] 20 15 ∆ω ω 10 c 5 0 0 1 2 t 3 4 ωi (t ) = ωc + ∆ ω.Página 7 Desvio de Fase e Desvio de Frequência Seja: f (t ) = a.

Marcus V. ϕ FM (t ) = A.Página 8 Definindo: β @ ∆ω Máximodesviodefrequência : ωm Frequênciamáximadainformação β : Índice de Modulação Representa o máximo deslocamento de fase do sinal em relação à portadora.Capítulo 3 – Modulação Angular .FM de Faixa Estreira . Lamar .cos [ωct + β sin(ωmt ) ] Unidade: [ β ] = rad O Índice de Modulação β classifica o sinal modulado em FM ϕ FM (t ) em: .FM de Faixa Larga Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof.

de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V.Capítulo 3 – Modulação Angular . Lamar .e jKF g (t ) Lembrando Expansão em Série de Taylor: e x = 1 + x + Se KF g (t ) = 1 Logo: Teremos FM de Banda Estreita x2 x3 + + . 2! 3! e jK F g (t ) ≅ 1 + jK F g (t ) Assim: ˆ ϕ NBFM (t ) = A.3.1.[ cos(ωct ) + j sin(ωc t )][1 + jK F g (t )] ˆ ϕ NBFM (t ) = A [ cos(ωct ) + j sin(ωc t ) + jK F g (t) cos(ωct ) − K F g (t )sin(ωct )] ˆ ϕ NBFM (t ) = A [ cos(ωct ) − K F g (t )sin(ωc t ) ] + jA [ sin(ωc t ) + K F g (t) cos(ωct )] Como: Temos: ˆ ϕ NBFM (t ) = Re {ϕ NBFM (t )} ϕ NBFM (t) = A cos(ωct ) − AK F g (t )sin(ωc t ) Universidade Federal do Paraná – Dep..e jωc t [1 + jK Fg (t ) ] Logo: ˆ ϕ NBFM (t ) = A. e jωct ..e j[ωc t +K F g ( t )] ˆ ϕ FM (t ) = A.Página 9 3. FM de Faixa Estreita (NBFM – Narrow Band Frequency Modulation) ˆ ϕ FM (t ) = A.

Capítulo 3 – Modulação Angular .cos(ωct ) − AK F ϕ NBFM ( t ) = A.cos(ωmt ) Cálculo de g(t): g ( t ) = ∫ f (τ ) dτ 0 t g (t) = a sin(ω mt ) ωm a sin(ωmt )sin(ωc t ) ωm 1 Lembrando: sin( A)sin( B) = [cos( A − B) − cos( A + B) ] 2 A KF a ϕ NBFM ( t ) = A. Lamar .cos(ωct ) − {cos [ (ωc − ωm )t ] − cos [(ωc + ωm )t ]} 2 ωm ϕ NBFM ( t ) = A.Página 10 Ex.cos(ωmt ) : Φ 10 πA NBFM (ω) πA 5 π A β/2 π A β/2 -ω +ω 0 -ω -ω c -ω c m ω -ω c m c -π Aβ/2 ω c m -π A β/2 ω +ω c m -5 -10 -100 -50 0 ω 50 100 De modo análogo. de Engenharia Elétrica – Prof.: f (t ) = a.cos(ωct ) + A β {cos [(ωc + ωm ) t ] − cos [ (ωc − ωm )t ]} 2 Espectro do sinal ϕ NBFM (t ) para f (t ) = a. Marcus V.sin(ωct ) Universidade Federal do Paraná – Dep.cos(ωct ) − AK p f (t ). podemos obter a expressão do sinal PM de banda estreita: ϕNBPM (t ) = A.

de Engenharia Elétrica – Prof.Capítulo 3 – Modulação Angular . Condição para ser FM de banda estreita: KF g (t ) = 1 ou para Como f (t ) = a.Página 11 Comparando-se estes sinais: ϕNBPM (t ) = A. apresentam termos correspondentes à portadora e às faixas laterais centradas em ±ωc . Conclusão: Sinais FM e PM de banda estreita ocupam a mesma largura de banda (2ωm ) que o sinal AM DSB.cos(ωc t ) − AK p f (t ).sin(ωc t) ϕ NBFM (t ) = A cos(ωc t) − AK F g (t )sin(ωct ) Com o sinal AM DSB com portadora: ϕDSB (t ) = A cos(ωc t ) + mAf (t )cos(ωct ) Notamos que tanto o sinal AM quanto os sinais FM e PM de banda estreita. Lamar . Marcus V.cos(ωmt ) β= a.2 Universidade Federal do Paraná – Dep. K F ωm KF a = 1 Temos que β = 1 Um critério usual para definir sinais FM de banda estreita é: β < 0.

4 0.Capítulo 3 – Modulação Angular .1 -0. Marcus V.cos(ωc t) − AK F g ()sin(ωc t )} t Φ NBFM (ω ) = AF {cos(ωc t )} − AK F F { g ()sin(ωc t)} t j j  Φ NBFM (ω ) = π A[δ (ω − ω c ) + δ (ω + ωc ) ] − AK F  G (ω + ωc ) − G (ω − ωc ) 2 2  Logo: Φ NBFM (ω ) =π A [δ (ω − ωc ) + δ (ω + ωc )] + jAK F [G (ω − ωc ) − G(ω + ωc )] 2 Gráfico: Seja o Sinal G (ω ) : G(ω ) 1 0.1 -ω c ω 0 c -ω c ω c -0.1 0 -0. de Engenharia Elétrica – Prof.6 0.2 0. Lamar .2 0 -3 -2 -1 0 ω 1 2 3 Então: 0.2 Re{Φ NBFM (ω)} 0. Φ NBFM (ω ) = F { A.1 -0.3 Im{ Φ NBFM (ω )} AK F/2 πA πA 0. Como é o espectro do ϕ NBFM (t ) ? Cálculo do: g ( t ) = ∫ f (τ ) dτ 0 t Lembrando da Propriedade de Integração no tempo da Transformada de Fourier: f (t ) ←F→ F (ω )  1 F g ( t ) ←→ F (ω ) = G(ω) jω Logo se f(t) é limitado em frequência g(t) também será.Página 12 Se f(t) for um sinal qualquer.8 0.2 0.3 0.2 -AK /2 F -20 -10 0 ω 10 20 -20 -10 0 w 10 20 Universidade Federal do Paraná – Dep.

sin(ωct ) Defasador 90o p (t ) = A.cos(ω ct ) ϕNBPM (t) = A. Marcus V. de Engenharia Elétrica – Prof.sin(ωc t) ϕNBPM (t ) f (t ) X .Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 13 • Geração de Sinais PM e FM de Banda Estreita ϕ NBFM (t ) = A cos(ωc t ) − AK F g (t )sin(ωct ) Sistema Armstrong p/ geração NBFM: g ( t ) = ∫ f (τ ) dτ 0 t f (t ) ∫ X .+ + A.+ + ϕNBFM (t ) A. Lamar .cos(ω ct ) Universidade Federal do Paraná – Dep.sin(ωct ) Defasador 90o p (t ) = A.cos(ωct ) − AK p f (t ).

K F ωm ˆ ϕ FM (t ) = A. Marcus V. calculados por: 1 j β sin(ω t ) − jnω t Fn = ∫/ 2 e m .ωm t =− T 2 x= −ωmT −ωm 2π = = −π 2 2. T −π ωm 1 Fn = 2π π −π π ∫e j ( β sin( x )− nx ) .Capítulo 3 – Modulação Angular .dx Esta integral pode ser calculada em termos dos parâmetros n e β e já existe tabulada. É denotada por J n ( β ) .ωm Logo: 1 dx Fn = ∫ e j β sin( x ) .cos(ωmt ) Temos: ϕ FM ( t ) = A.e − jnx . Logo: j β sin( ωm t ) e = n=−∞ ∑ J ( β ) .e m .e n +∞ jnωm t Universidade Federal do Paraná – Dep. FM de Faixa Larga (FM) Seja: f (t ) = a.3.dt T −T Fazendo: ω mt = x ⇒ t= x dx e dt = ωm ωm Limites da Integral: T ω T ω 2π t= x= m = m =π 2 2 2.Página 14 3.cos [ωc t + β sin(ωmt )] ou Onde: β = a.e n +∞ jnω mt onde Fn são os coeficientes da Série Exponencial de Fourier. Lamar .2. Função de Bessel de Primeira Espécie e ordem n. de Engenharia Elétrica – Prof.e j β sin(ωm t ) A exponencial e jβ sin(ωm t ) é uma função periódica com período T= 2π ωm e pode ser expandida em Série de Fourier: j β sin( ωm t ) e = n=−∞ T /2 ∑ F .e jωc t .

0004 0.0020 0.0279 -0.225 -0.0000 0.0866 0.0000 0.230 -0.5 13.0108 0.0453 0.341 -0.0060 0.0000 0.0030 0.0000 0.2390 0.228 -0.0000 0.0465 -0.0289 0.0020 0.3205 0.0000 0.1561 0.0345 0.0020 0.2196 0.0080 0.2 -0.0223 0.1892 J15 0.0030 0.029 -0.3735 0.0642 0.035 -0.0050 0.1352 0.071 0.0434 -0.3912 0.0002 0.0000 0.4301 0.0533 0.2762 0.1295 0.0001 0.0316 0.0622 0.6 -0.112 0.0020 0.0010 0.0040 0. de Engenharia Elétrica – Prof.0183 -0.161 -0.276 -0.0000 0.2010 0.1857 0.0000 0.0000 0.3478 0.2918 0.0000 0.1320 0.0880 0.238 -0.0000 0.3484 0.261 -0.3648 0.0060 0.0 6.242 -0.2997 0.0000 0.211 -0.0000 0.0181 0.6 0.0303 0.0090 0.2262 0.291 -0.1420 0.0130 0.4 0.0 11.0002 0.0000 0.0000 0.0000 0.0002 0.1632 0.2777 J13 0.2273 0.0737 0.0060 0.1947 0.0633 0.2704 0.0000 0.3209 0.0000 0.153 -0.0000 0.1575 0.0000 0.140 -0.3375 0.0040 0.0000 0.0100 0.9384 0.5 7.8 0.320 -0.014 -0.0050 0.327 -0.1201 0.4970 0.0211 0.0010 0.167 -0.0000 0.0020 0.073 0.0665 -0.0000 0.0000 0.193 -0.2044 0.239 -0.2050 J6 0.0607 0.0589 0.128 -0.0583 0.084 -0.1694 0.0 9.1231 0.0419 -0.262 -0.1320 0.0 0.0657 0.2609 0.Capítulo 3 – Modulação Angular .5 8.0117 0.0002 0.0 12.0206 0.3620 0.0060 0.0000 0.0000 0.0000 0.0070 0.0000 0.067 0.0762 J7 0.4586 0.2577 0.1184 Universidade Federal do Paraná – Dep.0254 0.0000 0.0001 0.0842 0.260 -0.0 4.0000 0.2335 0.0 5.0000 0.0000 0.0000 0.1215 0.5 14.0020 0.5 2.0000 0.157 J4 0.1612 0.2399 J12 0.2148 0.218 -0.0000 0.0184 0.2320 0.0113 0.0410 0.0000 0.2514 J14 0.258 -0.0 8.265 -0.2453 0.0000 0.0000 0.4 -0.3528 0.2278 0.2249 0.0000 0.0000 0.2811 0.0000 0.4460 0.1235 0.0000 0.1103 0.0000 0.223 -0.2 0.0030 0.0010 0.159 J3 0.0020 0.0000 0.7651 0.0000 0.0004 0.2789 0.0000 0.0389 0.065 0.286 -0.1469 0.019 0.0000 0.0477 0.1664 0.0000 0.2166 0.0020 0.0000 0.3004 0.0565 0.0006 0.118 -0.0000 0.1610 0.1506 0.1373 -0.0 13.0000 0.0009 0.0897 0.0000 0.2238 -0.2899 0.0000 0.1448 0.1147 -0.1867 0.0650 0.2693 0.120 -0. Lamar .0000 0.0 3.0000 0.0000 0.2458 0.2312 0.0000 0.3375 0.090 -0.2788 0.0000 0.0000 0.0000 0.2831 0.0255 0.0000 0.1289 0.2216 0.0339 0.1825 0.1523 0.0000 0.2346 0.0889 0.0001 0.0000 0.202 -0.0826 J5 0.0426 0.2043 0.3232 0.0000 0.0000 0.228 J9 0.0010 0.0000 0.0000 0.0007 0.0000 0.0040 0.2804 0.1577 0.0000 0.5 11.2850 0.0238 -0.0671 -0.0000 0.0119 0.5579 0.0000 0.0007 0.3576 0.5 10.117 -0.243 -0.201 -0.5 3.0005 0.0000 0.0000 0.053 -0.0804 0.171 -0.0000 0.0040 -0.2178 0.2743 0.1390 0.0897 0.171 -0.0040 0.0000 0.2234 0.2 0 -0.1310 0.0962 0.173 -0.2477 0.0 2.0365 0.0 1.0070 0.1952 0.1716 0.0000 0.0300 0.2303 0.5 6.121 J10 0.0000 0.1801 0.198 -0.0000 0.0000 0.0001 0.0993 -0.0336 0.0000 0.2663 0.0000 0.0000 0.3967 0.5 9.165 -0.0010 0.2600 0.3641 0.1246 0.Página 15 • Propriedades das Funções J n ( β ) : 1) J n ( β ) são números reais 2) J n ( β ) = J − n ( β ) para n par 3) J n ( β ) = − J − n ( β ) para n ímpar 4) n =−∞ ∑ J ( β )   n +∞ 2 =1 Funções de Bessel de Primeira Espécie 1 0.2561 0.5118 0.1542 0.084 -0.055 -0.1306 0.0090 0.5 4.5767 0.2422 0.3867 0.015 0.0151 0.0490 0.3274 0.0464 0.0003 0.0010 0.1667 0.0010 0.2999 0.2822 0.0000 0.0 1.0000 0.2336 0.0000 0.1744 0.0000 0.3541 0.1650 0.0235 0.1937 0.0000 0.0000 0.2731 0.8 -1 -15 -10 -5 0 β 5 10 15 J (β) 0 J 1(β) J (β) 2 J 3(β) J (β) 4 J 5(β) β [rad] J0 0.0195 0.0150 0.139 J8 0.219 -0.0195 0.1149 0.0000 0.005 0.1789 J1 0.0113 0.0000 0.269 -0.211 -0.397 -0.1279 0.0000 0.0000 0.0003 0.0325 0.3000 0.0000 0.1123 J2 0.0441 0.0000 0.0005 0.301 -0.2866 0.231 -0.0000 0.9900 0.180 -0.0000 0.4860 0.007 0.2546 0.2074 0.0132 0.0000 0.177 -0.0894 0.2074 0.3390 0.0896 0.245 -0.5 5.2867 0.0008 0.0000 0.0001 0.0000 0.2929 0.0306 0.234 -0.2611 0.1952 0.0000 0.0000 0.2381 0.0010 0.0896 0.176 -0.0000 0.5 12.2239 0.0000 0.0430 0.3050 0.0690 0.2167 0.245 -0.1263 0.0166 0.0 10.5 1.078 -0.170 -0.3088 0.1190 0.066 -0.0000 0.4400 0.0194 0. Marcus V.1900 0.4247 0.0000 0.0001 0.0000 0.0000 0.380 -0.105 -0.2169 0.0828 J11 0.0451 -0.0 7.207 -0.095 -0.0000 0.0002 0.0896 0.3090 0.307 -0.2834 0.0000 0.0273 0.0003 0.3178 0.3108 0.048 -0.3391 0.

cos [ ωc t ] + J1 (β ) .    Usando as propriedades:  J 0 ( β ) .    ϕ FM ( t ) = A.cos [ (ωc − ω m )t ] + J 2 ( β ) .cos [ (ωc + 2ωm )t ] + J 3 ( β ) . ∑ J n ( β ) ..cos [ (ωc − 2ωm )t ] + J −3 ( β ) .cos [ (ωc − 3ωm )t ] + .cos [ (ω c + 2ωm )t ] + J 3 ( β ) .. Lamar . de Engenharia Elétrica – Prof.cos [ (ωc + 3ω m ) t ] + ..cos [ (ω c + 3ωm )t ] + .e jωct ..cos [ (ωc + nωm ) t ] n=−∞ +∞  J 0 ( β ) .cos [ (ωc − 2ωm )t ] − J 3 ( β ) .cos [ (ω c + ωm )t ] + J 2 ( β ) .cos [ (ω c + ω m ) t ] + J 2 ( β ) .cos [ω c t ] + J1 ( β ) .. Marcus V.cos [ (ωc − 3ωm )t ] + .Página 16 Então: ˆ ϕ FM (t ) = A.e jnωmt n =−∞ j ( ω + nω ) t ˆ ϕ FM (t ) = A.    As constantes J n ( β ) podem ser obtidas de tabela ou calculadas pela HP48 (necessita programa).Capítulo 3 – Modulação Angular . ∑ J n ( β ) .    ϕ FM ( t) = A. Universidade Federal do Paraná – Dep.   − J 1 ( β ) .e jβ sin(ωm t ) ˆ ϕ FM (t ) = A. ∑ J n ( β ).cos [ (ω c − ω m ) t ] + J −2 ( β ) .e jωct ....   + J −1 ( β ) .e c m n =−∞ +∞ +∞ Logo : ϕ FM (t ) = A.

: Dada a portadora p (t ) = A. o sinal modulado em FM com índice de modulação β = 1 será: 0.0020cos [ (ωc + 4ωm )t ] + .1149cos [ (ωc − 2ωm ) t ] − 0.0195.ωm J (1) 2 J (1) 2 J (1) ωc 3 ω c-2ω m ω c+2ω m ωc+ω m 1 -J (1) -0.4 0.    ϕ FM (t) = A.0020cos [ (ωc + 4ωm )t ] + ..2 0 -0.4400cos [ (ωc − ωm )t ] + 0.Página 17 Ex.cos(ωc t) e o sinal de informação f (t ) = a.Capítulo 3 – Modulação Angular ...cos(ωmt ) .4400cos [ (ωc + ωm )t ] + 0. Lamar .8 0.2 -0..0195cos [ (ωc + 3ωm )t] + 0. de Engenharia Elétrica – Prof.1149cos [ (ωc + 2ωm )t ] + 0.4 ω c.cos [ (ωc − 3ωm )t ] + 0.     0.   − 0.6 Φ FM( ω) J (1) 0 J (1) 1 0. Marcus V.7651cos [ωct ] + 0.6 ω Universidade Federal do Paraná – Dep.

Página 18 Observações: As amplitudes das raias espectrais decaem com o incremento de n O espaçamento entre cada raia é igual à ω m (frequência do sinal modulante. de Engenharia Elétrica – Prof. Então: W = 2ωm 10 πA • Φ NBFM (ω) πA 5 π A β/2 π A β/2 -ω +ω 0 -ω -ω c -ω c m ω -ω c m c -π Aβ/2 ω c m -π A β/2 ω +ω c m -5 -10 -100 -50 0 ω 50 100 Universidade Federal do Paraná – Dep. Conclusões: • A largura de faixa ocupada por um sinal FM é função do índice de modulação a. informação). Para β < 0.2 . K F ∆ ω β= = (para f (t ) = a. de modo que apenas a portadora e as faixas laterais de 1a ordem são significativas → FM de Faixa Estreita. Marcus V. somente J 0 ( β ) e J1 ( β ) possuem valores significativos. Lamar . O termo correspondente à portadora é ponderado por J 0 ( β ) .cos(ωmt ) ). o qual depende da amplitude e da frequência ωm ωm do sinal modulante.Capítulo 3 – Modulação Angular .

∑ J n ( β1 ) .e k 2 2 +∞ jkω 2t ˆ ϕFM (t ) = A. ∑ +∞ +∞ n =−∞ k =−∞ ∑ J (β ) J (β )e ( 1 n 1 k 2 j nω1 + k ω 2 )t n =−∞ k =−∞ ∑ J (β ) J (β ) e ( j ωc + nω1 +k ω2 ) t Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof. Lamar . ∑ ˆ ϕFM (t ) = A. Marcus V.e ˆ ϕ FM (t ) = A.e jω ct .e n +∞ jnω mt ˆ ϕFM (t ) = A.Página 19 • Modulação FM de Sinais contendo várias freqüências Seja : f (t ) = a1 cos(ω1t ) + a2 cos(ω2t ) Temos então que: ωi (t ) = ωc t + K F f (t ) ωi (t ) = ωc t + K F [ a1 cos(ω1t ) + a2 cos(ω2t ) ] O máximo desvio de frequência deste sinal é: ∆ω = ( a1 + a2 ) KF E o ângulo pode ser calculado como: θ ( t ) = ∫ ωi (τ ) dτ =∫ {ωc + K F [ a1 cos(ω1t ) + a2 cos(ω2t ) ]} dτ 0 0 t t θ (t ) = ωct + a1KF aK sin(ω1t ) + 2 F sin(ω2t ) ω1 ω2 a1K F ω1 β2 = a2 K F ω2 Chamando: β1 = Podemos escrever: θ (t ) = ωct + β1 sin(ω1t ) + β 2 sin(ω2t ) ˆ Expressão Geral do Sinal FM: ϕ FM (t ) = j [ωct + β1 sin( ω1t ) + β 2sin( ω 2t )] ˆ A.e j β1 sin( ω1t ) .e j β2 sin(ω 2t ) Expandindo as exponenciais em Série de Fourier: Temos: e j β sin( ωm t ) = n =−∞ ∑ J ( β ) .e jθ (t ) ϕ FM (t ) = A.e n =−∞ +∞ +∞ n +∞ jnω1t ⋅ k k =−∞ ∑ J ( β ) .Capítulo 3 – Modulação Angular .e jωc t .e jωc t .

01 W: Largura de Banda em rad/s ωm : Maior frequência do sinal f(t) em rad/s ∆ω: Desvio de frequêcia em rad/s B = 2.nmax .Quando o Sinal f(t) possui duas frequências.KF ∆ω β ou então: W = 2.nmax . Diferente do que acontece na modulação AM.∆ω : Desvio de frequência em Hz Podemos calcular as larguras de banda como: J nmax ( β ) > 0.Página 20 Sabendo que : ˆ ϕ FM (t ) = Re {ϕ FM (t )} +∞ n =−∞ k =−∞ ϕ FM (t ) = A. além das faixas (ωc ± nω1 ) e (ω c ± kω 2 ) . correspondentes às frequências ω1 e ω 2 . as faixas correspondentes à modulação cruzada (intermodulação) (ω c ± nω1 ± kω 2 ) . W B 2nmax = = ∆ω ∆f β Universidade Federal do Paraná – Dep. Lamar . Logo: AM → Sistema Linear FM → Sistema Não-Linear • Largura de Banda do Sinal FM De acordo com a definição da largura de banda de um sinal: W é a largura de banda tal que contenha 98% da Energia/Potência do sinal.nmax . ∆f β ∆ω = a.nmax .98 2 Uma possível aproximação é adotarmos a maior ordem tal que: Dados: B: Largura de Banda em Hz f m : Maior frequência do sinal f(t) em Hz ∆f = 2π . f m Suponhamos amplitude máxima do sinal f(t): a = f (t ) max Lembrando: Logo: B = 2.ωm β= ∆ω ∆f = ωm fm W = 2. de Engenharia Elétrica – Prof. nmax Logo podemos definir nmax tal que: n =− nmax ∑ J n ( β ) ≥ 0. o espectro do sinal FM possuirá.Capítulo 3 – Modulação Angular . Marcus V. ∑ Conclusões: ∑ J ( β ) J ( β ) cos (ω  n 1 k 2 +∞ c + nω1 + kω2 ) t   .

0195cos [ (ωc + 3ω m ) t] + 0.6 ω Universidade Federal do Paraná – Dep. apenas sua distribuição espectral! Logo a largura de banda pode ser calculada: W = 2. de Engenharia Elétrica – Prof..4400cos [ (ω c + ω m ) t ] + 0. não altera a energia total do sinal da portadora.98   2 No nosso exemplo: 0. Da propriedade 4) n =−∞ ∑ J ( β )   n +∞ 2 =1 Isto significa que a modulação FM. Marcus V.cos [ (ωc − 3ωm )t ] + 0.ωm J (1) 2 J (1) 2 J (1) ωc 3 ω c-2ω m ω c+2ω m ωc+ω m 1 -J (1) -0..0020cos [ (ωc + 4ωm )t ] + .8 0.1149cos [ ( ωc − 2ω m ) t ] − 0.7651cos [ω c t ] + 0.2 0 -0. em FM com índice de modulação β = 1 .cos(ωmt ) . Lamar .1149 2 = 0.4400cos [ (ωc − ωm )t ] + 0..4 ω c.    ϕ FM ( t) = A.cos(ωc t) com o sinal f (t ) = a.9989 logo nmax = 2 e W = 4ωm 0.Página 21 Do Exemplo Anterior: Qual a largura de banda quando se modula uma portadora p (t ) = A. 0.1149cos [ (ω c + 2ω m )t ] + 0.   − 0.6 Φ FM( ω) J (1) 0 J (1) 1 0.44 2 + 2 × 0.2 -0.ωm + nmax onde nmax é tal que: n =− nmax ∑  J n ( β )  = 0..Capítulo 3 – Modulação Angular .0020cos [ (ωc + 4ωm )t ] + .nmax .     Largura de banda de um sinal: frequência para que se tenha 98% da Potência.4 0.0195.76512 + 2 × 0.

cos [(ωc + 0 + 0)t ] + J 0 ( β1 ) J 1 ( β 2 ) .2) = 0.cos [ (ωc + ω1 + ω 2 )t ] − − J 1 ( β ) J 0 ( β ) .cos [ωc t ]} J1 ( β ) J 0 ( β ) .cos [ (ωc − ω1 − ω2 )t ] + J1 2 ( β ) .cos [ (ωc + ω1 + 0)t ] + J1 ( β1 ) J −1 ( β 2 ) .0995 J 2 (0.00498 < 0.2) = 0. Vimos que: ϕ FM (t ) = A.2) = 0.cos [ (ωc − ω1 + ω 2 )t ] + J 0 ( β1 ) J −1 ( β 2 ) .2) = 0.2) = 0.cos [ (ωc + ω 1 − ω 2 )t ] + J1 ( β1 ) J 1 ( β 2 ) .cos [ (ωc − ω1 + 0)t ] + J −1 ( β1 ) J 1 ( β 2 ) .cos [ (ωc + ω 1 + ω 2 )t ]} Usando a Propriedade: J1 ( β ) = − J −1 ( β ) e neste exemplo: β1 = β2 = β Podemos simplificar a expressão: ϕ FM (t ) = A.cos [ (ωc + ω2 )t ] + { Universidade Federal do Paraná – Dep.00498 J 3 (0. Marcus V. de Engenharia Elétrica – Prof.cos [ (ωc − ω2 )t ] + J1 ( β ) J 0 ( β ) .{ J −1 ( β1 ) J −1 ( β 2 ) .Página 22 Ex.Capítulo 3 – Modulação Angular .000166 Consideraremos apenas os termos 0 e 1 devido à J 2 (0.cos [ (ωc − ω1 − ω 2 )t ] + J −1 ( β1 ) J 0 ( β 2 ) . Lamar .cos [ (ωc − ω1 )t ] + J1 ( β ) J 0 ( β ) . J 12 ( β ) .cos [ (ωc + 0 − ω 2 )t ] + J 0 ( β 1 ) J 0 ( β 2 ) .cos [ (ωc − ω1 + ω2 ) t ] − J 12 ( β ) . ∑ +∞ n =−∞ k =−∞ ∑ J ( β ) J ( β ) cos (ω  n 1 k 2 +∞ c + nω1 + kω2 ) t   Como: J 0 (0.9900 J 1 (0.cos [ (ωc + ω1 ) t ] − − J 12 ( β ) .01 ϕ FM (t ) = A.cos [ (ωc + 0 + ω2 )t ] + J1 ( β1 ) J 0 ( β 2 ) .cos [ (ωc + ω 1 −ω 2 )t ] − J 0 2 ( β ) .2 e β2 = 0.2 . 2: para o caso de termos: f (t ) = a1 cos(ω1t ) + a2 cos(ω2t ) Com β1 = 0.

0985 J12 (0. de Engenharia Elétrica – Prof.ω2 } Se β for maior.2) J 0 (0.cos [ (ωc − ω1 )t ] + J1 ( β ) J 0 ( β ) .Página 23 ϕ FM (t ) = A.2 1 0.cos [ (ωc + ω 1 −ω 2 )t ] − J 0 2 ( β ) . J 12 ( β ) .2) = 0.9801 { J1 ( β ) J 0 ( β ) . FM faixa larga.2) é determinada pela maior frequência do sinal: ω m = max{ω1 . Marcus V.nmax .2) = 0. B = 2.cos [ (ωc − ω1 + ω2 ) t ] − J 12 ( β ) . há o aparecimento das intermodulações que aumentam a largura de banda necessária à transmissão. f m W = 2.4 0.cos [ (ωc − ω2 )t ] + J1 ( β ) J 0 ( β ) . para aplicar nas equações da largura de banda pelas vistas anteriormente.cos [ (ωc + ω1 + ω 2 )t ] − − J 1 ( β ) J 0 ( β ) .6 0.: A Largura de banda do sinal composto por 2 frequências (ω1 .2 0 -0.2 -200 -ω -150 ΦNBFM(ω) ω +(ω -ω ) c 1 2 ω -ω c 1 ω -ω c 2 c ω +(ω -ω ) c 2 1 ω c+ω 1+ω 2 c ω ω c-(ω 1+ω 2) -50 0 ω 50 ω c+ω 2 ω c+ω 1 150 200 -100 100 Obs.2) = 0.cos [ (ωc − ω1 − ω2 )t ] + J1 2 ( β ) . Lamar .cos [ (ωc + ω2 )t ] + J 1(0. Sendo necessário calcular o nmax . ω2 ) modulada em NBFM (β=0.cos [ωc t ]} Onde: J 0 2 (0.nmax .ωm Universidade Federal do Paraná – Dep.0099 1.cos [ (ωc + ω1 ) t ] − − J 12 ( β ) .Capítulo 3 – Modulação Angular .8 0.

de Engenharia Elétrica – Prof. Regra de Carson: nmax = β + 1 Utilizando esta aproximação tem-se: W = 2nmaxωm ∆ω W = 2 ( β + 1) ωm β= ωm ∆ω W =2 ωm + 2ω m ωm Logo: W = 2 ∆ω + 2ωm Uma aproximação mais precisa.Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 24 • Aproximações para nmax Carson em 18antigamente estudou a influência do índice de modulação na largura de banda do sinal FM e propôs uma formulação empírica para nmax . Universidade Federal do Paraná – Dep. que despreza menos raias espectrais é dada por: nmax = β + 2 O que implica: W = 2 ∆ω + 4ωm Conclusão: Como: O desvio máximo de frequência é dado por ∆ω = K F f (t ) max A Largura de Banda de um sinal FM depende da Máxima Amplitude do sinal. Lamar . da Constante de Conversão K F e da máxima frequência do sinal ω m . Marcus V.

Marcus V. Para prevenir interferências de uma estação na outra e para permitir a transmissão de sinais de áudio estéreo.5MHz 108MHz 2) Sinal de Áudio de TV  ∆f = 25kHz FM   f m = 15kHz Largura de Banda: • Carson: B = 2∆f + 2 f m = 2 × 25k + 2 × 15k = 80 kHz • nmax = β + 2 : B = 2∆f + 4 f m = 2 × 25k + 4 ×15k = 110kHz Universidade Federal do Paraná – Dep. Idealmente. Transamérica 200kHz 88MHz 94.1MHz 94.fcc. esta faixa permitiria: 108M − 88 M = 100 estações de rádio 200 k Porém evita-se que duas emissoras ocupem faixas vizinhas. Lamar .Página 25 Exemplos: 1) FM Comercial: Foi definido por norma internacional (FCC – Federal Communication Comission www.gov )que ∆f = 75kHz Faixa de frequências alocadas no Brasil: 88MHz a 108MHz Banda de frequências do sinal de áudio: 50Hz a 15kHz Logo: β= ∆f 75k = =5 f m 15k Estimativa da largura de banda usando as aproximações: • • Carson: B = 2∆f + 2 f m = 2 × 75k + 2 × 15k = 180 kHz nmax = β + 2 : B = 2∆f + 4 f m = 2 × 75k + 4 ×15k = 210kHz A Faixa de 88 a 108MHz é dividida em porções de 200kHz. de Engenharia Elétrica – Prof.Capítulo 3 – Modulação Angular .

Logo podemos concluir que a potência do sinal ϕ FM (t ) será: PFM Independente do sinal de informação. de Engenharia Elétrica – Prof. A2 = 2 cuja potência é: Pport . apenas de sua amplitude. O índice de modulação β .52 ⇒ J 0 ( β ) = 0 - - Universidade Federal do Paraná – Dep.Capítulo 3 – Modulação Angular . = A2 2 Sabendo que a portadora é: p (t ) = A. define a distribuição da potência entre a portadora e as faixas laterais.: Fazendo β = 2. Lamar . Independente do índice de modulação β . através de uma escolha conveniente do índice de modulação.cos(ωc t) Conclusões: a Potência de um sinal de FM é constante e igual à potência da portadora. Isto ocorre devido ao fato do sinal FM possuir amplitude constante. Lembrando que para sinais AM. Nesta situação a maior parte da potência estará nas faixas laterais (informação) e a eficiência da transmissão pode ser tão próxima de 100% quanto se queira.cos [ωc t + β sin(ωmt )] Lembrando: T/2 1 1 2 Pf = ∫/ 2 f T (t ) dt = T T −T Pf = A 2 2 T /2 −T / 2 ∫ ( A.405 ou β = 5.cos(ω t)) 0 2 dt ω0 = 2π T A Potência não depende da frequência do sinal. Ex.Página 26 • Potência do Sinal FM Dado o sinal de informação: f (t ) = a.cos(ωmt ) Vimos que o sinal modulado FM correspondente é dado por: ϕ FM (t ) = A. Pode-se tornar a potência da raia espectral correspondente à portadora tão pequena quanto se queira. Marcus V. a potência total depende do índice de modulação m.

Marcus V.cos [ωct + β sin(ωm t )]} = A2 A2 + cos [ 2ωct + 2β sin(ωm t)] 2 2 Filtrando-se o nível DC.cos(ωmt ) e seu correspondente sinal NBFM ϕ NBFM (t ) = A.cos [ωct + β sin(ωmt )] 2 Então: y(t ) = { A. de Implementação 2: Usando PLL (Phase Locked Loop) visto mais adiante. Universidade Federal do Paraná – Dep. cos(ω0t + φ0 ) Multiplicador de freq.: Dado o sinal f (t ) = a. Lamar . o qual é convertido em FM de faixa larga através de um multiplicador de frequência.cos [ωc t + β sin(ωm t)] com ϕ NBFM (t ) ×N β pequeno ϕ FM (t ) = A. obtem-se um sinal de FM com a frequência da portadora e o índice de modulação multiplicados por 2.cos [ N ωct + N β sin(ω mt ) ] Ex. Se o dispositivo for de Lei enésima → Multiplica-se por N f (t ) ∫ Modulador ϕ NBFM (t) PM ×N Filtro PF ϕFM (t ) p (t ) Ex. que aumenta o índice de modulação. Multiplicador de Frequência: Dispositivo não–linear que multiplica a frequência do sinal de entrada. Obtem-se um sinal FM de faixa estreita. ×N cos( Nω0t + N φ0 ) Ex. de Implementação 1 : Dispositivo de Lei Quadrática x(t ) Se: y=x 2 y(t ) = x 2 (t ) x(t ) = ϕNBFM (t) = A.Página 27 Geração de Sinais de FM 1) FM Indireto Procedimento: Integra-se o sinal de informação e modula-se em fase a portadora. de Engenharia Elétrica – Prof.Capítulo 3 – Modulação Angular .

Universidade Federal do Paraná – Dep. ϕ3 (t ) e ϕ4 (t ) . calcule a frequência da portadora.8kHz  β = 1536  Exercício: Você dispõe de um cristal que oscila a 3.5MHz da banda comercial. ϕ1 (t ) ϕ2 (t ) ×64 Conversor ϕ3 (t ) ×48 ϕ4 (t ) Antena f (t ) ∫ X . Serve para alterarmos a frequência central sem alterar os demais parâmetros de modulação.Capítulo 3 – Modulação Angular .: Conversor de frequência: Circuito que multiplica o sinal de entrada por uma sub-portadora (sinal cossenoidal local) seguido de um filtro passa-baixas de frequência de corte igual a frequência desta sub-portadora.2MHz  ϕ1 (t ) = ∆f = 76. desvio de frequência e o índice de modulação dos sinais ϕ2 (t ) . Lamar . Marcus V.25 rad . Obs.sin(ωct ) + Defasador 90o p1 (t ) = cos(ωc1t ) 10. Projete um diagrama de blocos de um transmissor FM para áudio (50 a 15kHz).5  β = 32    f c = 1. de Engenharia Elétrica – Prof.75MHz. O sinal de entrada possui amplitude máxima de 15Volts e o circuito V modulador PM possui K F = 31.9MHz Amplificador p (t ) = A.Página 28 Exemplo: Transmissor de FM indireto tipo Armstrong Dado o diagrama em blocos abaixo e as características do sinal ϕ1 (t ) .8MHz   ϕ1 (t ) = ∆ f = 25Hz ϕ2 (t ) =  ∆f = 1. 6kHz  β = 0. Calcule a combinação de multiplicadores de frequência e conversores de frequência que efetue essa tarefa.cos(ω ct ) 200kHz  f c = 200kHz  f c = 12. ∆f = 75kHz .+ A. sabendo que deseja-se ocupar a faixa de 97. 6kHz  β = 32   f c = 91.9MHz  ϕ3 (t ) = ∆f = 1.

f (t ) = C0 1 + f (t )   C0  Logo: ωi = 1   a LC0 1 + f (t)  C0  = 1 ⋅ LC0 1 a 1+ f (t) C0 1 = 1− 1 1 ⋅ 3 2 1⋅ 3 ⋅ 5 3 x+ x − x + . Lamar .. Exemplo: Oscilador eletrônico com circuito tanque LC. a frequência instantânea do oscilador também varia com f(t). Supondo que o valor do capacitor varie da seguinte forma:   a C = C0 + a. Marcus V.. 2 2⋅4 2⋅4⋅6 Expandindo a função em Série de Taylor: Se (1 + x ) 1/2 a f (t) = 1 C0 1   a f (t)  1+  C0  1/2 Logo: = 1− a f (t ) 2C0 e ωi =   1 a ⋅ 1 − f (t )  LC0  2C0  Definindo: ωc = 1 LC0 e KF = − aωc 2C0 Temos: ωi (t ) = ωc + K F f (t ) Frequência instantânea do sinal FM Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof.Página 29 2) FM Direto O sinal de informação f (t ) varia diretamente a frequência da portadora. C L Circuito Vo(t) Frequência de Oscilação: ωi = 1 LC 0 Variando-se o valor de L ou C de acordo com f(t).Capítulo 3 – Modulação Angular .

Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 30 • Modulador com Diodo de Reatância Variável (Varicap ou Varactor) D1 Diodo Varicap: D1N5148 ex. Marcus V.Televisão Universidade Federal do Paraná – Dep. de Engenharia Elétrica – Prof.: 1N5139 a 1N5148 Vr + A capacitância do Varicap é função da tensão de Polarização Reversa (Vr) aplicada nos seus terminais. Lamar . ao ser polarizado reversamente. O varicap é um diodo dopado de tal forma que. faz com que a região de depleção da junção PN varie. + N P Vr Maior + N P Vr Menor Ex.Philips Usado em sintonia de VHF .: BB809 .

para a portadora não atrapalhar a polarização L2.C2.Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 31 Exemplo de circuito: Vcc 1 L1 0 P1 2 C1 1 L2 P2 C2 Cd 0 0 ϕ FM (t) 2 0 0 0 f (t) 0 P1 → Polarização do Diodo Varicap C1 → Bloqueio DC de f(t) P2 → Sensibilidade (nível f(t) aplicado) L1 → Choque RF. Lamar . de Engenharia Elétrica – Prof.Cd → Oscilador Hartley C 2 ⋅ Cd Série de C2 e Cd C 2 + Cd Como Cd<<C2 C ≅ Cd C= ωi = 1 L2 ⋅ C onde Logo: ωi = 1 L2 ⋅ Cd e ωc = 1 L 2 ⋅ C0 Universidade Federal do Paraná – Dep. Marcus V.

Marcus V. Osciladores baseados na carga e descarga de capacitores → Frequência é função da alimentação.Página 32 • Modulação FM pelo Método Digital Princípio: Filtragem da componente fundamental de uma onda quadrada. de Engenharia Elétrica – Prof.Capítulo 3 – Modulação Angular .: Oscilador Astável com Transistor Vcc Rc 1 Rc Q1 P1 2 Q4 Q5 Q6 f (t ) Cb Q2 Cb Q3 C0 L0 ϕFM (t ) 0 Q2 e Q3 : Oscilador Astável Q1 : inverter f(t) Q4 e Q5 : fontes de correntes dependentes de f(t) Q6 : Desacoplar a saída L0 e C0 : Filtro passa-faixas sintonizado na frequência da portadora (1a harmônica) P1: Ajusta o valor de polarização das fontes de corrente → Frequência da Portadora Obs. Ex.: Qualquer oscilador cuja frequência depende de uma tensão de controle é chamado de VCO (Voltage Controlled Oscillator) Universidade Federal do Paraná – Dep. Lamar .

5 0 -0.5 89 0 10 Frequency (rad/sec) t 5 10 15 20 (t) 1 10 1 0. Lamar . que pode ser demodulado por um detector de envoltória.Capítulo 3 – Modulação Angular . de Engenharia Elétrica – Prof. 1) Discriminador de Frequências Circuito que converte. um sinal Fm é convertido para um pseudo sinal AM.8 10 5 0 -5 91 0. Deste modo.F M (t ) f (t) Ex.4 0.2 0 0 φ FM Phase (deg) 90.: 20 Magnitude (dB) 15 H (ω ) Bode Diagram f(t) 1 0.FM t 5 10 15 20 Universidade Federal do Paraná – Dep.Página 33 Demodulação de Sinais FM Objetivo: Recuperar f (t ) a partir de ϕ FM (t ) . Marcus V. ϕFM (t ) H(ω) Detector de envoltória ϕ A M. variações de frequência em variações de amplitude.5 -1 0 5 (t) 10 15 20 t Discriminador: Quanto maior a frequência → maior a amplitude do sinal de saída Logo: é um FILTRO !!! 3 φ 2 1 0 -1 -2 -3 0 AM.6 0. linearmente.5 90 89.

ω > 0 θ (ω ) =  −π / 2 ω < 0   6 Logo: demodulador FM ϕFM (t ) Análise: d dt ϕ A M.F M (t ) = − A. = − A sin [θ ( t )] .Capítulo 3 – Modulação Angular .F M ( t ) = d [ϕ FM (t ) ] dt onde: θ ( t ) = ωct + K F ∫ f (τ ). FM (t ) = − A.F M (t ) Detector de envoltória y( t ) ϕ FM ( t ) = A. Lamar .dτ   0  ϕ A M.sin [θ (t ) ].Página 34 Tipos de Discriminadores a) Diferenciador H (ω ) X (ω ) x (t ) d dt Y (ω ) y (t ) = dx(t ) dt  dx( t )  Y (ω ) = H (ω ). X (ω ) = F   = jω .sin [θ (t ) ] Ângulo FM Envoltória AM Sinal modulado em amplitude E frequência Universidade Federal do Paraná – Dep.sin [θ (t )] . de Engenharia Elétrica – Prof.[ωc + K F f (t )] ϕ AM .F M (t ) = − A.[ωc + K F f (t )]. dt dt = d [ A cos θ (t) ] t   ωc t + K F ∫ f (τ ).dτ 0 t dt dθ (t ) d ϕ A M.cos [θ (t )] Assim: ϕ A M.X ( ω )  dt  Logo: Resposta em Frequência do diferenciador: |H(ω)|=|ω| 6 5 4 3 2 1 0 -6 -4 -2 0 2 4 ω  H (ω ) = ω  H (ω ) = jω =  π /2. Marcus V.

[ωc + K F f (t )] y(t ) = − A. ω RC = 1 Resolução: 20dB/década 1 = 1 RC . Marcus V.Capítulo 3 – Modulação Angular . o circuito se comporta como um diferenciador.F M C2 Re Ce ϕFM (t ) R K . H (ω ) ≅ jω RC ⇒ Circuito Completo: Cϕ (t ) D A M. . Lamar . ω Se: ω = RC . de Engenharia Elétrica – Prof.Página 35 Saída do detector de envoltória: y(t ) = − A. f ( t) 0 Diferenciador Detector de envoltória Bloqueio DC Universidade Federal do Paraná – Dep. jω = + R jω RC + 1 Para baixas frequências.ωc − AK F f (t ) Nível DC filtrar b) Discriminador RC C Sinal proporcional a f(t) X (ω ) x (t ) 10p 5p R Y (ω ) y (t ) 100 0 Resposta em frequência: H (ω ) = 1 jω C R RC.

deve ser projetado de modo que ωc caia na região LC linear. Lamar .Página 36 c) Discriminador Sintonizado (detector de inclinação) R X (ω ) x (t ) 1k L . Implementação com transformador de RF: ϕ A M. de Engenharia Elétrica – Prof.633u C 1p Y (ω ) y (t ) Resposta em frequência: H (ω ) = Z Z+R onde Z = jω L // 1 j ωC = jω L ( jω ) 2 LC + 1 1 RC Logo: H (ω ) = 1 1 2 ( jω ) + jω + RC LC jω - O circuito comporta-se como um diferenciador na região linear. Marcus V.F M (t ) D ϕFM (t ) L C Re Ce Co K . f ( t) Universidade Federal do Paraná – Dep. ω r = . 1 O circuito sintonizado LC.Capítulo 3 – Modulação Angular .

5 ω 0.Página 37 d) Discriminador Balanceado D1 + ϕ FM (t ) - L C L1 C1 Rd1 + Cd1 e1 (t) - + e0(t) L2 C2 Rd2 Cd2 e2 (t) + - D2 ω1 = 1 L1C1 ω2 = 1 L2C2 ωc = 1 LC e0 (t ) = e1 (t ) − e2 (t ) 1 H1( ω) 1 H ( ω)-H ( ω) 1 2 0.5 H ( ω) 2 -0.Alto Ganho .5 ω ω -1 0 5 10 15 20 25 30 -1 0 5 10 15 20 25 30 Vantagens: .Detector Foster-Seeley Outros Demoduladores de FM: Demodulação pelo Método Digital (incluir p/ próximo semestre) PLL (visto adiante) Universidade Federal do Paraná – Dep.5 ω ω ω c 0 2 ω 0 1 2 1 -0. Marcus V.Não necessita bloqueio DC Desvantagens: .Capítulo 3 – Modulação Angular .Maior região linear .Detector de Relação .Necessita ajustar 3 circuitos ressonantes Outros Discriminadores: . de Engenharia Elétrica – Prof. Lamar .

causando distorção do sinal demodulado. pois o sinal é mais baixo onde o ruído é mais alto.Capítulo 3 – Modulação Angular .5 40 0 -0.5 ω 20 ω -1 -10 -5 0 5 10 0 -10 −ωm -5 0 5 ωm 10 Logo o diferenciador dá ganho maior para frequências maiores. vamos analisar o que acontece com sua densidade espectral de potência quando aplicado ao Diferenciador: Sn1(ω ) = 12 Sn 2 (ω ) = Sn1 H (ω ) H (ω ) = ω 2 2 2 Como: H (ω ) = jω Assim: 2 1.5 1 Sn2 (ω ) = 12 ⋅ ω 2 = ω 2 S (ω ) n1 100 80 60 Sn2(ω) 0. Marcus V. sua densidade espectral possui baixos valores para altas frequências.Página 38 Ruído em Sistemas FM ϕ FM (t ) + • ‚ f(t) Modulador FM Transmissor Diferenciador H (ω ) = jω Detector de Envoltória Filtro PassaBaixas: ωm n(t) Receptor Supondo que o ruído introduzido pelo canal de comunicação seja branco. Universidade Federal do Paraná – Dep. Lamar . aumentado a potência do ruído no receptor para estas altas frequências. de Engenharia Elétrica – Prof. Conclusão: A relação Sinal-Ruído é muito baixa nas altas frequências do sinal de áudio. Se o sinal de informação for áudio ou voz.

Marcus V. Lamar .122 kHz H2( f ) H 1( f ) f1 = 1 2π R1C f2 = 1 2π ( R1 // R2 )C Universidade Federal do Paraná – Dep. Exemplo de redes: Pré-enfase: C1 1n H1 (ω ) = R2 + R2 = 1 R1 ⋅ jω C R1 + 1 jω C jω + R1C 1 = R1 1 R2 + jω + jω CR1 + 1 ( R1 // R2 )C R2 R1 75k R2 4.7k 0 1 ω1 = frequência do Zero R1C 1 ω2 = frequência do pólo ( R1 // R2 )C Norma FCC americana: f 1 = 2.122 kHz f 2 > 30 kHz De-ênfase: R1 75k H 2 (ω) = 1 jωC 1 jωC + R1 = 1 R1C jω + R1C 1 C1 1n 0 1 ω1 = frequência do Pólo R1C Norma FCC americana: f 1 = 2. além de reduzir a densidade espectral de ruído nas altas frequências Objetivo: Melhorar a relação Sinal-Ruído do sinal demodulado. de Engenharia Elétrica – Prof. De-ênfase: Restaura as componentes de alta frequência do sinal ao seu nível original.Página 39 Pré-Enfase e De-ênfase Pré-Enfase: Reforça as componentes de alta frequência do sinal de informação f(t).Capítulo 3 – Modulação Angular .

Universidade Federal do Paraná – Dep.Capítulo 3 – Modulação Angular . Limitador: Limita a amplitude do sinal modulado FM Detector FM: Realiza a demodulação do sinal FM. O circuito eletrônico pode ser visto no livro: Telecomunicações. Lamar .Página 40 Receptor FM Super-Heródino Monofônico Amplificador e Filtro de RF Misturador Amplificador de FI 10. de modo que na saída o sinal esteja sempre a 10.7MHz acima da frequência sintonizada pela etapa de RF Misturador: Efetua a heterodinização (multiplicação).7MHz Limitador Detector FM De-ênfase Oscilador Local fc+10. de Engenharia Elétrica – Prof. CAG: Controle Automático de Ganho.7MHz CAF CAG Amplificador e Filtro de RF: Sintoniza através de um capacitor variável a estação de rádio.7MHz. De-ênfase: restaura as altas frequências aos seus níveis normais e reduz o nível de ruído Amplificador de Áudio: Etapa de amplificação do sinal de áudio para o alto-falante CAF: Controle Automático de Frequência. ajusta automaticamente a frequência do oscilador local (através da polarização do diodo varicap) para melhor recepção. Oscilador Local: Gera uma frequência 10. Marcus V. ajusta automaticamente o ganho da etapa de amplificação RF. Juarez Nascimento.

de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V. Com o advento da transmissão em estéreo surgiu o problema de como fazer com que os receptores antigos continuassem a receber a estação transmitindo em estéreo. com a venda de milhares de radinhos. gerando os sinais de soma l ( t ) + r (t ) e diferença l ( t ) − r (t ) Espectros: onde ω m = 2π ×15k aúdio limitado em 15kHz Sinais de Entrada: L(ω) • R(ω) ‚ -ωm ωm ω -ωm ωm ω Saída do codificador matricial: L(ω)+R(ω) ƒ L(ω)-R(ω) „ -ωm ωm ω -ωm ωm ω Universidade Federal do Paraná – Dep.Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 41 FM Estéreo Possibilita a transmissão e recepção de 2 canais de áudio independentes. Histórico: No início as transmissões FM eram feitas em monofônico. Sinais: l(t) → canal esquerdo r(t) → canal direito • Transmissor: • Pré-ênfase + „ + X 38kHz ÷2 19kHz † + Modulador FM l(t) … r(t) Pré-ênfase ‚ Oscilador + + ƒ + Codificador Matricial Análise: Inicialmente os canais esquerdo l(t) e direito r(t) são pré-enfatizados e codificados matricialmente. Lamar .

Desloca-se o espectro da diferença „ usando modulação DSB-SC para a frequência de 38kHz. do sinal diferença transaladado para 38kHz e mais um tom piloto de 19kHz.Página 42 Os sinais soma l ( t ) + r (t ) ƒ e diferença l ( t ) − r (t ) „ ocupam o mesmo lugar no espectro. F {[ L(ω ) − R(ω ) ] cos(2π ⋅ 38k ⋅ t )} … - -53k -38k -23k 23k 38k 53k f - O sinal composto (“Stereo Multiplex”) é a soma do sinal soma l ( t ) + r (t ) . Stereo Multiplex † -53k -38k -23k -19k -15k 15k 19k 23k 38k 53k f Largura de Banda do sinal de informação FM estéreo: B=53kHz - A largura de Banda do sinal FM Estéreo: dados: f m = 53kHz e ∆f = 75kHz Por Carson: B = 2 × ∆f + 2 × f m = 2 × 75k + 2 × 53k = 256kHz Mais precisa n = β + 2 : B = 2 × ∆f + 4 × f m = 2 × 75k + 4 × 53k = 362 kHz Logo a atitude de deixar uma posição vazia a cada 200kHz no espectro de 88 a 108MHz é também visando a transmissão estéreo.Capítulo 3 – Modulação Angular . Lamar . O tom piloto serve para gerar uma sub-portadora local no receptor. Universidade Federal do Paraná – Dep. de modo a permitir a demodulação síncrona o sinal DSB-SC. sincronizada com a transmissão. Este sinal composto modula a portadora em frequência e é transmitido. de Engenharia Elétrica – Prof. Marcus V.

o sinal obtido (stereo multiplex) é separado por filtragem.Após a demodulação FM. Marcus V. ‚ -53k -38k -23k 23k 38k 53k f Stereo Multiplex • tom piloto ƒ -53k -38k -23k -19k -15k 15k 19k 23k 38k 53k f -19k 19k f L(ω)+R(ω) „ -15k 15k f Universidade Federal do Paraná – Dep.Capítulo 3 – Modulação Angular . de Engenharia Elétrica – Prof.Página 43 • Receptor: Passa-Faixas 23k 38k 53k f ‚ X … † Passa-Baixas 15k f ‡ Demodulador • FM Passa-Faixas banda estreita 19k f ƒ ×2 + ˆ + + De-ênfase l(t) Passa-Baixas 15k f „ + + ‰ De-ênfase r(t) … Decodificador Matricial Análise: . Lamar .

que é o sinal presente na banda de frequência de 0 a 15kHz. Lamar . uma vez que o sinal l(t)-r(t) é igual a zero. de Engenharia Elétrica – Prof. Logo os rádios estéreos podem receber transmissão monofônicas. Marcus V. gerando os canais de áudio esquerdo e direito. Logo os rádios monos podem receber transmissão estéreo. pelo uso da sub-portadora de38kHz gerada a partir do tom piloto de 19kHz.Capítulo 3 – Modulação Angular . Universidade Federal do Paraná – Dep.Página 44 . Observações: . ‚ -53k -38k -23k 23k 38k 53k f † sub-portadora … -76k -15k 15k 76k f -38k 38k f Filtragem Passa-Baixas L(ω ) − R(ω ) ‡ -15k decodificação matricial: 15k f [ l (t ) + r (t ) ] + [ l (t ) − r (t )] = 2 l (t ) [l (t ) + r (t ) ] − [ l (t ) − r (t )] = 2r( t) .Se a transmissão for monofônica. ambos os altos falantes reproduzirão o mesmo som. será reproduzido no alto falante o sinal soma l(t)+r(t).Se a recepção for monofônica. Isto pode ser monitorado por um LED que acenda na presença do tom piloto de 19kHz.Após a decodificação matricial.O sinal diferença l ( t ) − r (t ) é transladado para sua posição original através da demodulação DSBSC usando detecção síncrona. os sinais l(t) e r(t) são de-enfatizados e amplificados separadamente. .

Marcus V. Os circuitos eram caros e utilizados apenas em receptores de rádio de precisão. surgiram os primeiros PLLs totalmente integrados. reduzindo seus custos e popularizando a técnica.Laço de Fase Amarrada Histórico: Os conceitos básicos empregados no circuito PLL foram desenvolvidos nos meados de 1930.Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 45 PLL (Phase-Locked Loop) . V2 Comparador de fase Vd Vd Filtro Passa-Baixas Vo VCO Tipos: a) Analógico: Circuito Multiplicador V1 X Vd Análise: V2 Seja V1 = cos(ωt + φ1) e V2 = cos(ωt + φ 2 ) Saída será: Vd = V1 ×V2 = cos(ωt + φ1) × cos(ωt + φ1 ) 1 Vd = [ cos(ω t + φ1 +ω t + φ2 ) + cos(ω t + φ1 − (ωt + φ2 )) ] 2 1 Vd = [ cos(2ωt + φ1 + φ 2 ) + cos(φ1 − φ 2 ) ] Filtrando PB 2 1 Vo = [ cos(φ1 − φ 2 ) ] Logo saída do PB proporcional à diferença de fase 2 Universidade Federal do Paraná – Dep. Lamar . em 1960. Diagrama de Blocos: Vi fi Comparador de fase Vosc fosc Componentes: 1) Comparador de Fase Circuito cuja saída é proporcional à diferença de fase V1 entre os sinais de entrada. Com o avanço da microeletrônica. de Engenharia Elétrica – Prof.

Capítulo 3 – Modulação Angular . Universidade Federal do Paraná – Dep. Lamar .Página 46 b) Digital: Porta Lógica Ou-Exclusivo (XOR) Vd 3 2 V1 V2 1 FPB V1 0 1 0 1 V2 0 0 1 1 Vd 0 1 1 0 V1 V2 Vo Vd Outros: Comparador de Fase-Frequência – Ver Xerox 2) Filtro Passa-Baixas Função: remover a alta frequência existente na saída do comparador de fase. de Engenharia Elétrica – Prof.: Vd PB 1ª Ordem R1 75k PB 2ª Ordem Vo C1 1n Vd R1 75k C1 1n 0 R1 75k Vo C1 1n 0 0 Observação: Juntamente com o filtro pode ter um amplificador para adequar o sinal de saída deste ao nível de sinal necessário ao correto funcionamento do VCO. Marcus V. Ex.

de Engenharia Elétrica – Prof. e não será efetuada neste curso. uma sinal oscilatório de uma determinada frequência. A figura ao lado ilustra a resposta do PLL (frequência do VCO) à um salto na frequência de entrada (linha vermelha). para diversos fatores de amortecimento do filtro PB. se Vi = ϕ FM (t ) teremos: Vo = f (t ) Realizando naturalmente a Demodulação FM. podendo ser usados os circuitos vistos anteriormente. f i = f osc e diferença de fase constante. a partir de um sinal de tensão na sua Vo entrada. isto é.: Modulador Digital com o Oscilador Astável. o sinal V varia de acordo com a variação de frequência do o sinal Vi. o comparador de fase “sente” a mudança e altera Vo de modo a manter f i = f osc . • Logo. Finalidades Básicas do PLL: • Para um sinal de entrada Vi de frequência variável ⇒ Fazer com que o VCO produza um sinal Vosc cuja frequência siga a frequência de Vi. o sinal Vo é tal que mantém a saída do VCO “amarrada” com o sinal de entrada. Lamar .Capítulo 3 – Modulação Angular .Página 47 3) VCO – (Voltage Controlled Oscillator) – Oscilador Controlado por Tensão Função: Gerar. Com f i = f osc . Assim . Observação: A análise dinâmica do PLL envolve conceitos de Sistemas de Controle. no funcionamento básico do PLL. isto é. Marcus V. que mantenha f i = f osc Para um sinal de entrada V de frequência fixa ⇒ Manter a diferença de fase de V e Vosc i i constante. • Funcionamento Básico: • Supondo que o circuito esteja em regime permanente. VCO Vosc fosc Nada mais é do que um modulador FM. Ex. Universidade Federal do Paraná – Dep. Se a frequência do sinal de entrada fi mudar.

Este chip possui internamente o VCO e 2 tipos diferentes de comparadores de fase. ∆fR : Faixa de Captura. Universidade Federal do Paraná – Dep. na qual o VCO é capaz de adquirir o sincronismo. de Engenharia Elétrica – Prof. na qual o VCO pode manter-se em sincronismo com o sinal 0 externo. ∆fR=f3 -f2 Faixa entorno da frequência f . Sendo portanto necessária apenas a inclusão do Filtro Passa-Baixas e de componentes R e C para sintonizar o VCO na faixa de frequências desejada de trabalho. ∆fR=f4 -f1 Faixa entorno da frequência f . Frequência que o VCO oscila quando não há sinal aplicado. Marcus V. Lamar . quando da 0 aplicação de um sinal externo na entrada do PLL. Ao lado é apresentado o diagrama interno do CD4046. há 2 faixas de frequências importantes para o PLL.Capítulo 3 – Modulação Angular . Faixa de captura: ∆fC Vo f1 f2 f0 f3 f4 fosc Faixa de Retenção: ∆fR f0 : Frequência de oscilação livre do VCO.Página 48 Devido à limitação de faixa de oscilação imposta pelo VCO. Ver Datasheets na página da disciplina. ∆fR : Faixa de Retenção. Exemplos e Aplicações: Os PLLs mais populares são os integrados CD4046(CMOS) e LM565(BIPOLAR).

de Engenharia Elétrica – Prof. tais como: . Isto é: f M = f N Como: f M = Temos que: fi e M fN = f osc N fi f = osc M N Logo: f osc = N fi M Podemos. usado para realizar medidas em ambiente ruidoso .Capítulo 3 – Modulação Angular . . isto é. Marcus V. a partir de um sinal de referência (clock) Vi .sintetizadores de frequência: Geração de diversas portadoras a partir de um único cristal.htm#comofunc Universidade Federal do Paraná – Dep. .Modulação FM pelo método indireto.net/py4zbz/teoria/pll.qsl.. que o mesmo mantém os sinais de entrada do comparador de fase com a mesma frequência.Amplificador Lock-in. Como implementar um multiplicador de frequências? VM fM Vi fi ÷M Comparador de fase VN fN Vd Filtro Passa-Baixas Vosc fosc ÷N VCO Inserindo-se um divisor de frequências de M no sinal de entrada e um divisor de frequências por N no sinal de saída do VCO. gera-se um sinal cuja frequência é uma fração da frequência deste é uma tarefa relativamente fácil utilizando técnicas digitais (Flip-Flops e Contadores). gerar qualquer múltiplo racional da frequência fi. Já vimos do funcionamento do PLL.. regeneração da portadora de 38kHz a partir do tom piloto de 19kHz. O PLL possui inúmeras aplicações em Telecomunicações e Instrumentação.: Satélites ..Regeneração da portadora local em sistemas de recepção DSB-SC e SSB (receptor síncrono) .. sintonia automática de rádio e TV. a partir de um sinal com uma determinada frequência (clock). O uso de sintetizadores de frequência com PLL.Circuitos de sincronismo vertical de TV . permite que sistemas digitais controlem a sintonia e memorização automática de estações de rádio.Ajuste de frequência da portadora. Lamar . Boa leitura: http://www. Ex.Demodulação de sinais FM e FSK (FM de sinais digitais) .Página 49 O PLL como Sintetizador de Frequências: Implementar um divisor de frequência.

Por possibilitar o uso de limitadores que eliminam variações de amplitude introduzidas pelo ruído. Universidade Federal do Paraná – Dep.Pela faixa de frequência que operam (88-108MHz) . que se distanciam pouco uma das outras. c) Menor alcance. b) Como trabalham na faixa de VHF e UHF. b) Transmissores e receptores mais complexos. Marcus V. de Engenharia Elétrica – Prof. o alcance do FM fica limitado pela linha de visada direta.Capítulo 3 – Modulação Angular .Comunicações Móveis Desvantagens do FM sobre o AM a) Necessitam uma largura de banda maior para a transmissão do sinal modulado.Página 50 Conclusões Vantagens do FM sobre o AM a) Os sistemas FM são mais imunes ao ruído . devido à faixa de frequência que operam. Lamar . possibilitando a utilização de um mesmo canal por várias emissoras. .