You are on page 1of 32

“A Logística Reversa é o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo dos resíduos de pós-consumo e pós-venda e seu fluxo

de informação do ponto de consumo até o ponto de origem, com o objetivo de recuperar o valor ou realizar um descarte adequado. Desta forma, contribuindo para a consolidação do conceito de sustentabilidade no ambiente empresarial, apoiada nos conceitos de desenvolvimento ambiental, social e econômico.” (Patricia Guarnieri)
Patricia Guarnieri é Professora da Universidade de Brasília (UnB). Doutoranda em Engenharia de Produção pela UFPE, Mestre em Engenharia de Produção pela UTFPR, Especialista em Gestão Empresarial pela Univel/Inbrape e também Especialista em Docência no Ensino Superior pela Unipan, graduada em Ciências Contábeis pela UNIOESTE. Atua como professora e pesquisadora nas áreas de Logística de Suprimentos, Logística Reversa,Supply Chain Management e Contabilidade Ambiental. Possui diversos artigos publicados em eventos e periódicos nacionais e internacionais, além de capítulos em livros nacionais e internacionais. É autora do livro "Logística reversa: em busca do equilíbrio econômico e ambiental" e editora do blog "Logística Reversa e Sustentabilidade.

http://patriciaguarnieri.blogspot.com.br/
A logística reversa há um tempo atrás era um processo muito visível na indústria de bebidas, com a reutilização das garrafas. O produto chegava ao consumidor e após o uso retornava ao centro produtivo para que a embalagem fosse reutilizada e assim, retornasse ao consumidor final. No momento que iniciou-se o uso de embalagens descartáveis, esse processo foi praticamente finalizado. Atualmente, as empresas preocupadas com a gestão ambiental, iniciaram a reciclar materiais, embalagens descartáveis e até o produto final que o consumidor não deseja mais. Esses materiais deixaram de ser considerados lixos e são reutilizados como matéria prima para produção de novos produtos. A Logística Reversa funciona bem no processo de reciclagem, uma vez que esses materiais retornam a diferentes centros produtivos em forma de matéria prima. A logística reversa, é um tema em destaque atualmente e pode gerar retornos significativos para as empresas envolvidas, já que reduz o custo na produção de novos itens.As empresas estão cada vez mais acompanhando o ciclo de vida de seus produtos para aumentar ainda mais a eficiência de todo o processo produtivo e obsrvando os impactos que cada fase pode ter no meio ambiente. As novas regulamentações ambientais, em especial as referentes aos resíduos, vêm obrigando a logística a operar nos seus cálculos com os “custos e os benefícios externos”. No Brasil ainda não existe nenhuma legislação que abranja esta questão, e por isso o processo de logística reversa está em difusão e ainda não é encarado pelas empresas como um processo “necessário” , visto que a maioria das empresas não possui um departamento específico para gerir essa questão. Fonte : Pacer Logostica

http://ambientalsustentavel.org/2011/logistica-reversa-e-consumo-sustentavel/
Logística Reversa – Reversa Logística 26/07/2007 Nos últimos anos, a Logística Empresarial vem sofrendo uma constante evolução, sendo considerado um dos principais elementos na elaboração do planejamento estratégico, e muitas vezes responsável

por enorme geração de vantagem competitiva às empresas. A partir dos anos 90 com a constante preocupação sobre a utilização dos recursos naturais, assim como o acúmulo de produtos industrializados nos grandes centros. As grandes empresas passaram a ser as culpadas pela sociedade por este problema. As grandes organizações passaram a ter uma nova preocupação; como seria possível encontrar a resolução para esta situação sem gerar aumento de custos e despesas. Com o advento deste cenário surgiu o conceito de Logística Reversa. Define-se como Logística Reversa, a área que planeja, opera e controla o fluxo, e as informações logísticas correspondentes ao retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo, através dos Canais de Distribuição Reversos, agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico, ecológico, legal, competitivo, de imagem corporativa, dentre outros. Enquanto a Logística Tradicional trata do fluxo dos produtos fabrica x cliente, a Logística Reversa trata do retorno de produtos, materiais e peças do consumidor final ao processo produtivo da empresa. Devido à severa legislação ambiental e também por grande influência da sociedade e organizações não governamentais, as empresas estão adotando a utilização de um percentual maior de material reciclado ao seu processo produtivo, assim como também passaram a adotar procedimentos para o correto descarte dos produtos que não possam ser reutilizados ou reciclados. A implantação da Logística Reversa vem atender ao público cada vez mais consciente e sensível quanto à prevenção do meio ambiente, tanto que se tornou uma das mais importantes decisões estratégicas face ao crescente ambiente de competitividade presente nas empresas modernas, que vivem em constante busca por soluções que agreguem valor perceptível aos seus consumidores finais. Frente a estes novos paradigmas empresariais da logística moderna, a alta velocidade de reação garantida por sistemas de manufatura flexíveis e de informatização logística, como também ao alto nível de relacionamento com os clientes e consumidores finais criando ligações duradouras, são ações que estão sendo adotadas na maior parte destas empresas. Esta preocupação pela melhoria na performance e na qualidade do produto, se transforma em condições básicas e qualificadoras, consideradas essenciais e necessárias para participar do mercado, porém não mais suficientes, pois já tem sido observado que tais condições conferem à empresa e ao produto diferenciais competitivos por períodos de tempo cada vez mais curtos. A questão principal da Logística Reversa é a viabilização do retorno de bens através de sua reinserção no ciclo de produção ou de negócios e para que isso ocorra, faz-se necessário que se desenvolva numa primeira etapa a análise destes bens de pós-venda e de pós-consumo no intuito de definir o estado destes bens e determinar o processo no qual deverá ser submetido. Os materiais podem retornar ao fornecedor ou podem ser revendidos se ainda estiverem em condições adequadas de comercialização. Além disso, os bens podem ser recondicionados, ou reciclados, portanto, um produto só é descartado em último caso. Sobre a Logística Reversa de Pós-venda específica área de atuação que se ocupa do equacionamento e operacionalização do fluxo físico e das informações logísticas correspondentes de bens de pósvenda, sem uso ou com pouco uso, que por diferentes motivos retornam aos diferentes elos da cadeia de distribuição direta, que se constituem de uma parte dos Canais Reversos pelo qual fluem estes produtos. Seu objetivo estratégico é o de agregar valor a um produto logístico que é devolvido por razões comerciais, erros no processamento dos pedidos, garantia dada pelo fabricante, defeitos ou falhas de funcionamento no produto, avarias no transporte, entre outros motivos. Este fluxo de retorno se estabelecerá entre os diversos elos da cadeia de distribuição direta dependendo do objetivo estratégico ou motivo de seu retorno (OLIVEIRA, 2005). Denominaremos de Logística Reserva de Pós-consumo à área de atuação da Logística Reversa que igualmente equaciona e operacionaliza o fluxo físico e as informações correspondentes de bens de pós-consumo descartados pela sociedade em geral que retornam ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo através de canais de distribuição reversos específicos. Constituem-se bens de pós-consumo os produtos em fim de vida útil ou usados com possibilidade de utilização e os resíduos industriais em geral. Seu objetivo estratégico é o de agregar valor a um produto logístico constituído por bens inservíveis ao proprietário original, ou que ainda possuam condições de utilização, por produtos descartados por terem atingido o fim de vida útil e por resíduos industriais. Estes produtos de pósconsumo poderão se originar de bens duráveis ou descartáveis e fluírem por canais reversos de Reuso, Desmanche, Reciclagem até a destinação final (OLIVEIRA, 2005).

O objetivo estratégico mais evidente na implementação da Logística Reversa nas empresas, é o de agregação de valor econômico, porém observa-se que mais recentemente, dois novos fatores incentivam decisões empresarias em sua adoção: o fator competitividade com intuito da fidelização do consumidor e o fator da conscientização ecológica. Quando todas as empresas constatarem os benefícios da implementação da Logística Reversa em sua organização, seus principais objetivos passarão a ser de responsabilidade pelos seus produtos e embalagens, desde o projeto até a sua disposição final, desenvolvendo assim entre a empresa e seus clientes, relacionamentos colaborativos dentro e além dos limites da sua própria organização, proporcionando a preservação da natureza e conseqüentemente colaborando com a melhoria na qualidade de vida da sociedade em geral.

http://www.revistaportuaria.com.br/site/?home=artigos&n=zTq&t=logistica-reversa-reversalogistica Logística Reversa
Logística Reversa é o processo logístico de retirar produtos novos ou usados de seu ponto inicial na cadeia de suprimento, como devoluções de clientes, inventório excedente ou mercadoria obsoleta, e redistribuí-los usando regras de gerenciamento dos materiais que maximizem o valor dos itens no final de sua vida útil original. Uma operação de logística reversa é consideravelmente diferente das operações normais. Deve-se estabeler pontos de recoleção para receber os bens usados do usuário final, ou remover ativos da cadeia de suprimento para que se possa atingir um uso mais eficiente do inventário / material. Requer sistemas de embalagem e armazenagem que garantam que a maior parte do valor que ainda há no item usado não se perca por um manuseio incorreto. Também requer frequentemente de um meio de transporte que seja compatível com o sistema logístico regular. A disposição dos materiais pode incluir a devolução de bens ao inventário ou armazém, devolução de bens ao fabricante original, venda dos bens num mercado secundário, reciclagem, ou uma combinação que gere o maior valor para os bens em questão. Fonte: Wikipedia

Definição Logística Reversa é um termo bastante geral. No sentido mais amplo, Logística Reversa significa o conjunto das operações relacionadas ao reuso de produtos e materiais. A gestão destas operações pode ser chamada de Gestão de Recuperação de Produtos (PRM - Product Recovery Management). PRM lida com o cuidado com os produtos e materiais depois do seu uso. Algumas destas atividades são, até certo ponto, similares às que ocorrem no caso de devoluções internas de itens defeituosos gerados por processos produtivos. No entanto, a Logística Reversa se refere a todas as atividades logísticas de recolher, desmontar e processar produtos usados, partes de produtos e/ou materiais para garantir uma recuperação sustentável (e benéfica ao meio ambiente). A Logística Reversa lida com 5 questões báicas: 1. Quais alternativas estão disponíveis para recuperar produtos, partes de produtos e materiais? 2. Quem deve realizar as diversas atividades de recuperação?

leis ambientes que forçam as empresas a receber de volta seus produtos e cuidar de seu tratamento. a ênfase se voltou à recuperação. consumidores e autoridades esperam que os fabricantes reduzam o lixo gerado por seus produtos. O objetivo é usar parte ou a totalidade dos materiais do produto devolvido. implementação e controle do fluxo de matérias-primas. Fonte: RevLog http://www. Reciclagem: o produto não mantém sua fucionalidade. ao invés de descartá-los. a crescente consciência ambiental dos consumidores. 2.com. Os materiais recuperados podem ser usados nos processos produtivos do produto original ou em outras indústrias. benefícios econômicos de usar produtos devolvidos no processo produtivo. podemos então definir logística reversa como sendo o processo de planejamento. Opções de Recuperação Reuso direto: envolve produtos que não são reparados ou atualizados. Como estas atividades devem ser realizadas? 4.br/log/log-dt-logrev.3. Reparo: o produto é retornado ao estado funcional após seu conserto. empresas de manufatura não se sentiam responsáveis por seus produtos depois do uso pelos clientes. O produto remanufaturado recebe uma avaliação de qualidade e são entregues ao produto sob condições de garantia de produto novo. Isto aumentou a atenção com o gerenciamento de resíduos. devido aos altos custos e impactos ambientais do descarte. "Refurbishing": o produto é atualizado para que atinja padrões de qualidade e operação similares ao produto original. A qualidade do produto reparado é normalmente menorque a do produto novo. A maior parte dos produtos usados eram jogados fora com consideráveis danos ao ambiente. Hoje em dia. É possível integrar as atividades típicas da logística reversa com sistemas de distribuição e produção clássicos? 5. Recentemente. estoque em processo e produtos acabados . do ponto de vista econômico e ambiental? Porque a Logística Reversa? Tradicionalmente. mas são limpados e levados a um estado no qual podem ser reutilizados pelo consumidor. Peças deterioradas são consertados ou trocadas. As principais razões para aderir à logística reversa são: 1.htm Neste contexto.ogerente. Quais são os custos e benefícios da logística reversa. Remanufatura: os produtos são completamente desmontados e todos os módulos e partes examinados em detalhe. 3. devido a novas leis de gerenciamento de resíduos.

ogerente. Os termos estabelecem como irão funcionar os sistemas de logística reversa dos resíduos pós-consumo em cada um desses setores. NOTÍCIAS O governador Geraldo Alckmin participou nesta terça-feira (28/02) da assinatura de Termos de Compromisso Setoriais de Resíduos Sólidos entre a Secretaria do Meio Ambiente. Isto não impede que seus processos possam ser revistos para continuar atendendo as necessidades e obtendo redução de custos. para se ter um trabalho de logística reversa e conscientização dos consumidores para eles separarem esses produtos. a implantação da responsabilidade pós-consumo. “A Secretaria do Meio Ambiente assinou um protocolo com as entidades.br/log/dt/logdt-an-logistica_reversa_brasil.É importante ressaltar que os colaboradores precisam estar treinados para desenvolver bem suas funções. com o objetivo de recapturar valor ou realizar um descarte adequado. declarou Alckmin. as mais representativas aqui de São Paulo. A logística reversa esta sendo levada cada vez mais a sério no Brasil. Os modelos escolhidos terão acompanhamento periódico da Cetesb e poderão ser revistos e modificados se e quando houver necessidade. disponibilizá-los no momento certo e conforme necessidade do cliente. locais para que esses produtos sejam entregues. do ponto de vista prático. de materiais de limpeza e afins. a logística de retirada desses produtos e o seu destino final até a sua reciclagem”. Podemos destacar como pontos importantes na rede de recuperação de produtos os tópicos abaixo: • Coleta • Inspeção • Reprocessamento • Disposição • Redistribuição Não podemos deixar de falar dos sistemas de informação que garantem o recebimento e atendimento correto dos pedidos.1. perfumaria e cosméticos. e a discussão de como isso será . conforme podemos observar na fig. de 2 de agosto de 2011. pois quando bem definida trará ganhos expressivos para as organizações. que terão início imediato após a assinatura. Os termos são resultados da resolução SMA 38. de embalagens de agrotóxicos e de pilhas e baterias portáteis. evitando assim erros de envio dos produtos aos seus clientes evitando assim o retorno desnecessário. http://www. MEIO AMBIENTE. a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) e representantes paulistas dos setores produtivos responsáveis pelos resíduos pósconsumo de embalagens plásticas de óleos lubrificantes. desde que esteja parametrizado conforme as atividades da empresa. de embalagens de produtos de higiene pessoal. que trata da necessidade de iniciar.com.htm SP e setor produtivo paulista assinam termo de responsabilidade pós-consumo POR GABRIELA CAMPÊLO – 3 DE MARÇO DE 2012PUBLICADO EM: LOGÍSTICA REVERSA. As empresas sabem que para serem competitivas precisam além de ter um bom produto.(e seu fluxo de informação) do ponto de consumo até o ponto de origem.

Estes são os primeiros termos e outros serão negociados e assinados nos próximos meses”. destacou o secretário Bruno Covas. Embalagens de produtos de higiene pessoal. Diversos representantes destes setores produtivos serão os responsáveis pela implementação dos sistemas. Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Campinas e Região (Recap). Envasilhadoras de Produtos Derivados de Petróleo (Simepetro).org/2012/sp-e-setor-produtivo-paulista-assinam-termo-deresponsabilidade-pos-consumo/ Designer cria botas a partir de sacolas plásticas POR ORLANDO FISCINA – 17 DE MARÇO DE 2012PUBLICADO EM: CURIOSIDADES. Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do ABCDMRR (Regran). Sindicato Interestadual das Indústrias Misturadoras. materiais de limpeza e afins: Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla) irão trabalhar junto às prefeituras e cooperativas de reciclagem. Embalagens de agrotóxicos: Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (Inpev) e Associação dos distribuidores de insumos agropecuários (Andav) usarão os canais de comércio próprio desses insumos. Plano de ação Ao todo. Revendedor. Óleo Diesel. Pilhas e baterias: Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) usará os canais dos grandes comércios varejistas. Embalagens de óleos lubrificantes: Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e Lubrificantes (Sindicom). Retalhista. Óleo Combustível e Querosene (Sinditrr) criarão sistema próprio para recebimento e coleta das embalagens. serão quatro modelos diferentes de projeto de responsabilidade pós-consumo. cosméticos. perfumaria. Sindicato Interestadual do Comércio de Lubrificantes (Sindilub). quando a SMA recebeu 189 propostas. O prazo para esse diálogo foi de 60 dias. Sindicato Comércio Varejista de Derivados de Petróleo. Sindicato Nacional do Comércio Transportador. Lava-rápidos e Estacionamentos de Santos e Região (Resam). “A assinatura deste termo mostra o comprometimento do setor produtivo paulista com a responsabilidade pósconsumo estabelecida em lei. Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro). NOTÍCIAS. PEGADA ECOLÓGICA. Fonte: Instituto Eco Faxina http://ambientalsustentavel. representando cerca de três mil empresas.feito partiu de conversa com os setores envolvidos. RECICLAGEM .

Por meio do processo de fundir as sacolas com calor. que é impermeável. Em depoimento ao Daily Mail. . as unidades já produzidas podem ter um destino criativo e funcional.A designer chilena Camila Labra aliou a beleza de sua concepção de acabamento com a beleza do gesto de criar uma solução sustentável. é gerada uma lâmina mais grossa e resistente que conserva as propriedades do polipropileno. Para cada par são usadas em média oito sacolas plásticas. As botas são revestidas por dentro com tecido acolchoado que impede a transpiração e as tornam mais confortáveis. Camila esclareceu que sua inspiração veio ao observar as pessoas usando sacolas por cima dos sapatos para tentar minimizar os efeitos da chuva. como as Daccas. As botas pra lá de fashion estão à venda por US$45.00 no blog de Camila Labra. A técnica utilizada pela artista é interessante. Ela apostou no uso das sacolas plásticas para confecção de lindas botas intituladas de Daccas. As cores podem variar devido a diversidade de estampas dos sacos no mercado. leve e não tóxico. flexível. As sacolas plásticas são consideradas grandes vilãs do meio ambiente. Proibidas em muitas cidades.

será que eu preciso dele? É só a questão de consumismo? Status? Ou será que o modelo realmente melhor? É possível utilizar novamente um produto. Porém antes de por em prática.org está sob Licença Creative Commons.ecodesenvolvimento.org/2012/designer-cria-botas-a-partir-de-sacolas-plasticas/ Os 3 Rs na logística reversa POR GABRIELA CAMPÊLO – 26 DE DEZEMBRO DE 2011PUBLICADO EM: LOGÍSTICA REVERSA. NOTÍCIAS. primeiro vamos assimilá-lo com o nosso dia-a-dia. PEGADA ECOLÓGICA A questão que hoje esta em evidência é a questão para a sustentabilidade. para que todos possam ter uma responsabilidade e um dever de ajudar o ambiente em que vivemos. fazendo algumas perguntas como: antes de irmos às compras e adquirir um produto novo. Para o uso dessas informações é preciso citar a fonte e o link ativo do Portal EcoD. fazer de um pneu de carro um pufe.br/posts/2012/marco/designer-cria-botas-a-partir-de-sacolaplasticas#ixzz1p7QUswb4 Condições de uso do conteúdo Under Creative Commons License: Attribution NonCommercial No Derivatives Para cada par são usadas em média oito sacolas plásticas/Fotos:Guillermo Gomez http://ambientalsustentavel. luminárias de garrafas pets.Fonte: EcoD – Disponível no Mercado Ético Postado pelo Colaborador Especial Orlando Fiscina (orlandofiscina@hotmail.com) O conteúdo do EcoDesenvolvimento.org. . Quando citamos isso podemos e deveríamos aplicar em nosso cotidiano o uso dos 3 Rs que significa Reduzir. muitas empresas de cosméticos hoje oferece o refil de produtos para que a embalagem principal seja aproveitada novamente. sem tirar a qualidade do produto e por um preço mais acessível. http://www. Reutilizar e Reciclar.

com. Um acordo de cooperação técnica entre o Governo Brasileiro e o Governo Alemão será o responsável pela doação de recursos para um projeto de manufatura reversa. Para que esse material chegue às empresas é preciso uma coleta envolvendo trabalhadores que os coletam diariamente em ruas. inicialmente implantados em Minas Gerais. Além disso. em outros Estados. As empresas e o governo hoje têm um papel fundamental e de extrema importância para ajudar. podendo ser melhorado se fizéssemos uma separação dos itens recicláveis para facilitar a coleta dos mesmos. Através da iniciativa será possível "desfazer" a geladeira completamente. um parceria com cooperativas de sucateiros também será responsável pela destinação das geladeiras ao projeto. é necessário empresa para a separação e o fornecimento para a empresa que será responsável para a devolução desse material ao processo produtivo. depois.Já no processo de reciclar podemos pensar um pouco mais amplo.br http://ambientalsustentavel. junto com a Publiimagem e a Metafik. O processamento das geladeiras será feito em uma unidade industrial montada na cidade de Careaçu. Aproveitando o que hoje já temos pronto e evitando ao máximo extraí-lo da natureza. Pernambuco e São Paulo e. onde não envolve somente uma atitude nossa. buscando aproveita e incentivar a melhoria para esse segmento que tende a crescer. Além da iniciativa da sociedade civil. o consórcio Revert Brasil Soluções Ambientais. . Minas Gerais. É preciso entender o que é feito com esse produto descartado volte como ou em outro produto. Tendo além de tudo a nossa ajuda e contribuição no consumo e no descarte correto de cada produto. As geladeira para serem processadas serão recolhidas em postos de coletas. Mas será que isso é tudo ou pode haver alternativas? Fonte: administradores.org/2011/os-3-rs-na-logistica-reversa/ Bom Clima é selecionada para implantar projeto pioneiro na América Latina 08 de Setembro de 2010 Projeto da unidade na cidade de Careaçu. pois surgiram novos empregos diretos e indiretos para esse processo. Para receber a doação a Bom Clima formou. que afeta a camada de ozônio e provoca o efeito estufa. há todo um sistema tendo que ser otimizado em cada etapa. pela Agência de Cooperação Técnica Alemã (GTZ). que participaram do processo licitatório. que foi selecionado entre os 33 candidatos. por um processo de trituração. pioneiro na América Latina. e a neutralização do CFC (clorofluorcarbono).

Uma cadeia integra a implantação da do projeto envolvendo diversos setores sociais beneficiando o meio ambiente”.A tecnologia utilizada pelo Governo Alemão permite que os diversos materias componentes das geladeiras. Isto porque. cobre. afirma o diretor-presidente da Bom Clima.php?c=27&id=377 Lixo eletronico Um breve olhar jurídico sobre Responsabilidade Compartilhada e Logística Reversa dos Resíduos de Equipamentos Eletro-Eletrônicos Apesar de a Política Nacional de Resíduos Sólidos . A logística de coleta será compartilhada com os fabricantes de equipamento e distribuidores. do Ministério de Minas e Energia que realiza a troca de geladeiras velhas por novas. o instrumento que mais necessitará de nós um olhar jurídico cuidadoso. http://www2. “Vamos oferecer um destino correto aos resíduos das geladeiras e suporte para a lei de resíduos sólidos.br/acao_empresarial/site/imprensa_ler. Equipamento de manufatura. depois de trituradas. lançada recentemente. Previsto no projeto de lei da PNRS.acaoempresarial.org. e o programa de banimento de CFC. no modelo de logística reversa. o mecanismo de Logística Reversa é. O equipamento de manufatura reversa é totalmente automatizado e tem capacidade de processar 450 mil geladeiras e condicionadores por ano. Oséas Omena. plástico e outros. O lançamento da campanha na mídia está previsto para acontecer na próxima semana. A iniciativa atende 2 programas do Governo Federal. como ferro. do Ministério do Meio Ambiente. sejam separados no processamento e destinados às indústrias de reciclagem. A eficência de processamento do equipamento permite retirar mais de 99% do CFC contido nas espumas isolates das geladeiras.PNRS não ter sido aprovada ainda. sem dúvidas. O Programa de Eficiência Energética. trará pequenas modificações no perfil da responsabilidade ambiental relativamente aos resíduos produzidos no Brasil . é possível fazermos alguns comentários sobre o conjunto de obrigações legais que irão estruturar juridicamente a Logística Reversa no Brasil no futuro.

Muitas pessoas. lançam seus lixos em vias públicas. praias.nos lixões proliferam parasitas causadores de doenças.caso os resíduos alcancem o lençol freático .f e i r a . 13% para aterros controlados. reciclagem ou incineração (Banas Ambiental. em terrenos baldios. tratamento e destinação final dos resíduos sólidos é de responsabilidade dos municípios e transformou-se em um dos grandes problemas enfrentados por inúmeros governantes que não sabem o que fazer com tanto lixo. 10% para aterros sanitários e apenas 1% passa por processos de compostagem. junho/2000). de rios e águas subterrâneas . O processo de coleta. Além da poluição visual. Os lixões. rios.Postado por João Silvaàs 16:470 comentários s e g u n d a . transporte. formam verdadeiras montanhas. onde os resíduos. ainda. do risco de contaminação do solo. redes de esgoto. margens de vias públicas. para onde vai a maior parte do lixo doméstico. . entre outros locais impróprios. depositados de forma regular ou clandestinamente. 1 9 d e a b r i l d e 2 0 1 0 Lixo é problema ambiental com agravantes sociais Qual o destino dos caminhões que coletam o lixo de nossas casas? Cerca de 76% do lixo (ou resíduos sólidos) produzido no Brasil vai para lixões. são depósitos a céu aberto. mares.

como praças e quadras de jogos. construído em uma área distante de fontes de água. depois de certificado de que não há lençol freático no local. Para que o aterro não provoque danos ambientais. criando cooperativas . O impacto desse volume de lixo no meio ambiente das cidades é grande. O crescente número de catadores. o plástico dura mais de cem anos e o vidro cerca de 1 milhão de anos quando jogados na natureza. da água. plásticos. o terreno deve ser impermeabilizado. intercaladas por camadas de terra. cascas e sobras de vegetais e papéis. incorporando esses trabalhadores ao processo produtivo. De modo geral. A concentração populacional e o processo de industrialização trouxeram. que até então era formado por restos de alimentos. Ao lixo. Para se ter uma idéia. o lixo é confinado em camadas posteriormente compactadas e cobertas por novas camadas. devido à proliferação de parasitas e surgimento de doenças. enquanto que os restos de comida deterioram-se rapidamente e o papel demora entre 3 a 6 meses para se decompor. Os aterros também possuem vida útil limitada e depois de saturado. Diversos municípios tentam reverter essa situação. alumínios entre outros de difícil decomposição. foram sendo incorporados novos materiais como vidro. que garantem o sustento de suas famílias com a venda do que é encontrado nos depósitos de lixo. devem ser seguidas normas específicas para a sua construção e manutenção. A quantidade de dejetos só tende a aumentar e pode ocasionar escassez e esgotamento de recursos naturais. além de problemas de saúde pública. borracha. Neles. O ideal é destinar esses locais para áreas públicas de lazer. poluição do ar. é outro desafio para muitas prefeituras. do solo. devido à instabilidade do terreno. o terreno deve ser coberto por terra e não pode ser utilizado para construções. isopor. aumento da quantidade de lixo e também mudanças na sua composição. a partir do século XX.Os aterros sanitários são uma forma um pouco mais sofisticada de depósito desses materiais.

em parceria com a Organização de Auxílio Fraterno (OAF). Foram inspecionadas todas as instalações de despejo de lixo do Estado de São Paulo e aplicado um formulário padronizado. do qual participam 40 entidades. têm se preocupado com pessoas. a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano (SEDU). com o intuito de auxiliar aos que têm o interesse de viabilizar a reciclagem através do trabalho cooperado. No Estado de São Paulo. a Fundação Nacional da Saúde (FUNASA). criado em 1998. o Ministério Público Federal (MPF). A organização Compromisso Empresarial para Reciclagem (CEMPRE). o Inventário Estadual de Resíduos Sólidos Domiciliares. inclusive crianças. O mais recente é o de 2000. Alguns organismos governamentais e não-governamentais. associação sem fins lucrativos dedicada à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo. mantida por empresas privadas de diversos setores. Os objetivos são favorecer a discussão e estimular o desenvolvimento de projetos e ações para a erradicação de trabalho infantil nos lixões. O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). o kit Cooperar Reciclando Reciclar Cooperando.de catadores a partir da instalação de programas de reciclagem na cidade.Centro de Estudos de Saneamento Ambiental coordenam o Fórum Nacional Lixo & Cidadania. com informações sobre as condições ambientais quanto à destinação final dos resíduos sólidos naquele ano. possibilitar a geração de renda para as famílias dos catadores e acabar de vez com os lixões. desde 1997. a Missão Criança e a ONG Água e Vida . a Caixa Econômica Federal. a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB) elabora. o Ministério do Meio Ambiente (MMA). com informações sobre as principais características dos locais de cada . criou. sobrevivendo dos lixões. nacionais e do exterior.

dentro de um programa contínuo. possibilitando-lhes melhores condições de vida e maior integração à sociedade. Materiais como papel. a reciclagem de materiais e a compostagem . foram encontrados 9 municípios que criaram. sendo que a maior concentração destes está nas regiões sudeste e sul do país. o Inventário identificou 3686 catadores no Estado.os benefícios ambientais. inclusive. localizados em 19 municípios. Pode. De acordo com pesquisa realizada pelo CEMPRE. é necessário um trabalho de que participam diversos setores da sociedade. gerar renda para catadores. reciclados e incorporados novamente ao produto ou ainda podem dar origem a novos materiais. dos quais 448 são crianças. Foram localizadas 48 cidades que estão reunidas para o depósito dos resíduos em aterros sanitários. lata de alumínio. sociais e mesmo políticos de programas de reciclagem são enormes. vidro. . Para isso. a CETESB localizou 611 instalações de destinação final do lixo. Um dado positivo levantado pelo Inventário é que diversas cidades estão se unindo para resolver o problema da destinação do lixo de forma regional. Além disso. 135 municípios brasileiros realizam programas de coleta seletiva. Apesar dos custos de implantação de um programa de coleta seletiva serem cerca de oito vezes maiores que o custo da coleta convencional . o gasto de energia e o esgotamento de recursos naturais.de acordo com pesquisa realizada pelo CEMPRE em 18 cidades .instalação. Além de dados comparativos com os anos anteriores. plástico e garrafa PET podem ser retornados à empresa produtora. com apoio do poder público municipal. sendo 587 aterros ou lixões e 24 usinas de compostagem. número maior que no ano anterior. Três medidas urgentes para diminuir a quantidade de lixo e o impacto dos resíduos no meio ambiente são a coleta seletiva. que era de 2916 catadores. diminui também a poluição ambiental. Além de reduzir o volume dos aterros sanitários e lixões. em conjunto. de empresas e conscientização da população.que devem ser realizados de forma integrada. três usinas de compostagem. Dos 645 municípios de São Paulo.

além de evitar o desperdício de matéria-prima. resíduos minerais (oriundos do extrativismo mineral e da recuperação de solos e áreas contaminadas). o deputado federal pelo PPS de São Paulo. viabilizar economicamente o programa de reciclagem. divididos em: resíduos industriais. Alguns materiais reciclados podem retornar para as empresas com diminuição nos custos de produção. eliminar os prejuízos à saúde pública e à qualidade do meio ambiente causados pela geração de resíduos. resíduos de embalagem e resíduos perigosos. No dia 05 de março passado. Os objetivos da Política Nacional de Resíduos Sólidos são: estabelecer um melhor gerenciamento dos resíduos sólidos. ferroviários e portuários e postos de fronteira). entre outros) resíduos da indústria bélica. centros de pesquisa. eletro-eletrônicos. resíduos de serviços (provenientes de atividades comerciais e serviços). em Brasília. resíduos de atividades rurais. de comunicação. a Política Nacional de Resíduos Sólidos deverá ser implementada pelos governos federal. resíduos de lodo de esgoto. estadual e municipal. Emerson Kapaz. oriundos das atividades da construção civil em geral. o que.O envolvimento de indústrias pode. Esse Relatório classifica os resíduos sólidos em: resíduos urbanos (lixos de residências e de limpeza pública em geral) e resíduos especiais. rejeitos radioativos. resíduos tecnológicos (provenientes da indústria da informática. contribui para uma imagem positiva da empresa diante do consumidor. resíduos de serviços de saúde (incluindo restos de material proveniente do atendimento de saúde às populações humana ou animal. terminais rodoviários. formar uma consciência comunitária sobre a importância da opção pelo consumo de produtos e serviços que não . entulhos. também. bem como os medicamentos vencidos ou deteriorados). Caso seja aprovada. aeroportos. reduzir a quantidade e a nocividade dos resíduos sólidos. após a realização de diversas audiências públicas em várias regiões do país. automotiva. desenvolvimento ou experimentação na área de farmacologia e saúde. resíduos de serviços de transporte (provenientes de portos. apresentou a segunda versão do Relatório Preliminar da Política Nacional de Resíduos Sólidos à Comissão Especial de Resíduos Sólidos da Câmara Federal.

ida e volta. Isso tende a aumentar. Postado por João Silvaàs 15:251 comentários Um dos principais problemas encontrados nas cidades. de serviços e tecnológicos. isso corresponde a 3. e tudo que consumimos produzem impactos. especialmente nas grandes é o lixo sólido. indiscutivelmente.000 toneladas de lixo. ou de 4 a 6 litros de dejetos. Esse processo decorre da acumulação dos dejetos que nem sempre possui um lugar e um tratamento adequado. minerais. Em um ano esses caminhões enfileirados cobririam o trajeto entre a cidade de São Paulo e Nova Iorque. por dia são gerados 15. A questão do lixo está diretamente ligada ao modelo de desenvolvimento que vivemos. da importância da reutilização de diversos materiais e da prática da coleta seletiva. Para ter uma noção mais ampla do problema tomemos a cidade de São Paulo como exemplo. pois muitas vezes adquirimos coisas que não são necessárias. radioativos. vinculada ao incentivo do consumo. uma vez que a população aumenta e gera elevação no consumo. instalações que atendam aos programas de tratamento e disposição final de resíduos industriais. Há aproximadamente 40 anos a quantidade de lixo gerada era muito . pela conscientização da população em relação aos padrões de consumo. O gerenciamento dos resíduos sólidos passa. em média cada pessoa produz diariamente entre 800 g a 1 kg de lixo diariamente.750 caminhões carregados diariamente. resultado de uma sociedade que a cada dia consome mais. além de gerar benefícios sociais e econômicos aos municípios que se dispuserem a licenciar. e consumo significa lixo. A educação ambiental deve estar presente e em consonância com as políticas públicas de redução e destinação do lixo.afrontem o meio ambiente e com menor geração de resíduos sólidos e de seu adequado manejo. em seus territórios.

além disso. pois existe a etapa de produção (cultivo. Atualmente quando compramos algo no supermercado o lixo não é apenas gerado pelo produto em si. como encostas. além disso. que ocorreu principalmente na segunda metade do século XX. desencadeou um aumento significativo na quantidade de lixo e variedades em suas composições. energia) e depois para o consumidor final tem a sacola e o cupom fiscal. as cidades eram menores e o número da população restrita. transporte. hoje a população aumentou. extração de minérios. dessa forma era fácil eliminá-los. internet.) facilitaram a dispersão de mercadorias em nível mundial. a globalização se encontra em um estágio avançado. celular etc. Mais tarde com o crescimento em escala mundial da industrialização. rios e córregos. acelerado aumento da população e dos centros urbanos. .inferior à atual. bastava enterrar. É comum em bairros não assistidos pelo serviço de coleta de lixo que o depósito dos lixos seja em locais impróprios. as inovações tecnológicas no seguimento dos meios de comunicação (rádio. televisão. Os lugares que abrigam os depósitos de lixo geralmente estão localizados em áreas afastadas das partes centrais do município. Nas cidades que contam com serviços de coleta do lixo esse é armazenado em dois tipos de “depósitos”: os lixões nos quais os dejetos ficam expostos a céu aberto e os aterros sanitários onde o lixo é enterrado e compactado. Antes do processo da Primeira Revolução Industrial o lixo produzido nas residências era composto basicamente de matéria orgânica.

além disso. ratos). a substância gerada atinge as águas subterrâneas (aqüífero. às vezes as pessoas buscam também alimentos. plásticos. enchentes e estrago na paisagem. lençol freático). ou melhor. muitas vezes estragados e contaminados. Postado por João Silvaàs 15:240 comentários Consciência Sócio Ambiental MAS A LATA DE LIXO NÃO É UM DESINTEGRADOR MÁGICO DE MATÉRIA ! . leptospirose e a peste bubônica. esse possui coloração escura com cheiro desagradável. hospedeiros de doenças como dengue. restos para o seu consumo. baratas. O lixo acumulado produz um líquido denominado de chorume. Os lixões retratam além dos problemas ambientais os sociais. a parcela da sociedade excluída que busca nesses locais materiais para vender (papéis. existe a contaminação dos solos e das pessoas que mantêm contato com os detritos.A população desses bairros negligencia os sérios danos que tais ações podem causar à biodiversidade e ao homem. assoreamento de mananciais. latas entre outros). demonstrando o ápice da degradação humana. diante disso destaca-se: dispersão de insetos e pequenos animais (moscas. deslizamentos de encostas.

Como? Reduzindo o desperdício.br você vai ter uma idéia de como a coisa funciona.O lixo continua existindo depois que o jogamos na lixeira. Não há como não produzir lixo. mas podemos diminuir essa produção. Navegando no Lixo. Individualmente responsável. A idéia é construirmos um mundo melhor.com. Tem coisas que a gente só não faz por não saber como. reutilizando sempre que possível e separando os materiais recicláveis para a coleta seletiva. É importante conhecer o processo e as regras quando queremos fazer a diferença. certo? Cremos que um futuro melhor seja o resultado de um presente mais responsável. Postado por João Silvaàs 15:183 comentários Início .

no caso de não haver mais utilidade do material. o reprocessamento e devolução ao mercado. pois sua imagem é diretamente afetada caso seu produto cause danos à sociedade. A partir deste momento o fluxo inverso da cadeia de suprimentos passou a fazer parte das competências logísticas. Desta forma pode-se verificar a primeira característica do processo: o desafio de reunir produtos disseminados entre milhares de clientes para retornarem a um mesmo fabricante. a Logística Reversa trata do caminho inverso. existe a reciclagem. As empresas cada vez mais investem em campanhas sociais e buscam comprometer-se com o meio ambiente e com a saúde. Estas mudanças ocasionaram o aumento da necessidade de integração das operações comerciais e de transporte e planejamento. Com o aprimoramento dos conceitos e das ferramentas logísticas ocorreu um processo de especialização visando atender uma necessidade crescente de gestão eficiente do fluxo de retorno de produtos e materiais. desenvolvimento de novos produtos e redução de custos de matéria prima. É notável o crescente interesse pelo assunto convencionalmente chamado de “logística reversa”. com destino ao fabricante.blogspot. momento em que foi percebida a capacidade da logística em criar valor para o cliente. pois a grande maioria dos produtos disponíveis no mercado hoje não é totalmente consumida.http://ploblemasambientaiscomrelaoaolixo. De forma simplificada. obsolescência e a modernidade estão causando significativos impactos na rotina das organizações. ou ainda. contudo ainda poucos autores se dedicaram a pesquisa e desenvolvimento de material científico sobre o tema. Entre as alternativas de destino a estes materiais. no qual o produto tem como ponto de partida os inúmeros consumidores.com. parte-se de um fabricante e define-se o caminho até o consumidor final. sem perder seu foco: satisfação dos clientes. O processo de movimentação destas mercadorias se dá através de canais de distribuição especiais.br/ Logística reversa – muito além da reciclagem • • • • • • Compartilhe! in Share 2 Email • Por: Eugênio Cavallazzi e Luciana Valente O crescimento dos mercados globais. o que fez com que a atividade tomasse um papel essencial na otimização dos recursos e na modernização das técnicas de gestão e de produção das empresas. o aumento da competitividade e as influências de tecnologia. o descarte pela deposição em algum depósito definitivo na forma de lixo. Assim as empresas estão sendo obrigadas a repensar suas estratégias comerciais e seus produtos. embalagens e produtos com componentes químicos estão caracterizando um grande desafio às organizações. Os descarte adequado de resíduos de materiais não utilizados. Na Logística tradicionalmente realizada. . hoje passou a ser ampliado. e seu impacto sobre a sociedade e meio ambiente fazem do tema um caso de extrema relevância. O foco antes dedicado exclusivamente à obtenção de vantagem competitiva em embalagem.

Apud: Leite. agregando valor econômico. 2004: 54). Apud: Leite. Algumas delas apresentamos abaixo. Estas atividades visam 3 finalidades: reciclagem. reparação e remanufatura…” (Stock. implementação e controle da eficiência e custo efetivo do fluxo de matériasprimas. conceitos e nomenclatura de Logística Reversa bem aceitos em geral que apresentamos a seguir. por meio dos canais de distribuição reversos. podemos citar como exemplo os fabricantes de bebidas. reprocessamento ou descarte. produtos acabados e as informações correspondentes do ponto de consumo para o ponto de origem com o propósito de recapturar o valor ou destinar à apropriada disposição” (Rogers e Tibben-Lembke. a logística reversa tem como objetivo. agregando-lhes valor de diversas naturezas: econômico. legal. Este é o exemplo do aço: a sucata de produtos descartados é misturada ao mínimo de ferro em indústrias siderúrgicas. Nos casos em que a reciclagem é anti-econômica ou há excesso de oferta no mercado. assim definida: “entendemos a logística reversa como a área da logística empresarial que planeja. logístico. “Logística reversa: em uma perspectiva de logística de negócios. Adotaremos neste documento a definição de logística Reversa de Leite (2003:16). ecológico. “Logística reversa cuida dos fluxos de materiais que se iniciam nos pontos de consumo dos produtos e terminam nos pontos de origem. tornar possível o retorno dos bens ou de seus materiais constituintes ao ciclo produtivo ou de negócios. Estes têm que gerenciar todo o retorno das garrafas dos pontos de venda até seus centros de distribuição. substituição de materiais. Sob a ótica da reciclagem e preservação do meio ambiente. A Logística Reversa e seus Canais de Distribuição Apesar da literatura ainda ser bastante restrita sobre o tema. de imagem corporativa. é necessário garantir o descarte de forma segura para a população e meio ambiente. 2003). movimentação e disposição de resíduo de produtos e embalagens…” (CLM. e (2) oferecer disposição final. tendo desenvolvido meios inovadores na coleta de latas descartadas. com o objetivo de recapturar valor ou de disposição final” (Novaes. automobilística e de produtos radioativos. reuso de materiais. Tendo como foco o reprocessamento para ampliação do ciclo de vida do produto/embalagem. 1998:20. legal e de localização. redução na fonte. 2003). Apud: Leite.1. Ainda segundo Novaes (2004) a logística reversa tem dois objetivos distintos: (1) recapturar valor. de devoluções de clientes ou do reaproveitamento de materiais para produção. como na indústria de eletrônicos. 2003). segundo Leite (2003). A logística reversa apresenta diversas definições que foram evoluindo ao longo do tempo. reciclagem. “Logística reversa é um amplo termo relacionado às habilidades e atividades envolvidas no gerenciamento de redução. entre outros”. estoques em processo. reforma. A indústria de latas de alumínio é notável no seu grande aproveitamento de matéria prima reciclada. alguns autores citam a logística reversa como logística verde. o termo refere-se ao papel da logística no retorno de produtos. existem algumas definições. “O Processo de planejamento. Existem ainda outros setores da indústria onde o processo de gerenciamento da logística reversa é mais recente. Desta forma. 1993:323. 1999:2. Entende-se como reciclagem a transformação de componentes/materiais usados para serem reincorporados na fabricação de novos produtos. . ecológico. opera e controla o fluxo e as informações logísticas correspondentes do retorno dos bens de pós-venda e de pós-consumo ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo. disposição de resíduos. Estes setores também têm que lidar com o fluxo de retorno de embalagens.

pois o produto logístico. defeitos ou falhas de funcionamento. erro no processamento dos pedidos. Esta diferença se faz necessária. O objetivo do negócio desta área da logística empresarial é agregar valor a um produto que é devolvido por razões comerciais. que não voltam para sua indústria de origem. as técnicas operacionais utilizadas em cada área de atuação. cartuchos de tinta de impressoras. Esse desembaraço pode ocorrer pela extensão de sua vida útil. passando-a à condição de bens de pós-consumo (Leite. as coletas seletivas. a logística reversa de pós-consumo é a área de atuação da logística que equaciona e operacionaliza o fluxo físico e as informações correspondentes de bens de consumo que são descartados pela sociedade e que retornam ao ciclo de negócios ou ao ciclo produtivo por meio dos canais de distribuição reversos específicos. avarias no transporte. Por outro lado. como a coleta de lixo urbano. as coletas informais. Bens de pós-consumo são bens em fim de vida útil.. por fim. entre outras. conceituemos a vida útil de um bem como sendo o tempo decorrido desde a sua produção original até o momento em que o primeiro possuidor se desembaraça dele. mas sim são fontes de matéria prima para indústrias completamente diferentes. . É importante que. As latas são recolhidas. os canais de distribuição reversos em que os produtos percorrem. A logística reversa de pós-venda é área de atuação da logística que se ocupa do equacionamento e operacionalização do fluxo físico e das informações logísticas de bens de pós-vendas em uso ou com pouco uso. No caso de latas de alumínio a logística reversa ocorre para reciclagem dos produtos. Podemos citar exemplos de produtos inseridos neste cenário como sendo pneus. tratadas de forma independente pela literatura. e os resíduos industriais em geral. As duas grandes áreas de logística reversa. independente do fabricante original. etc.Uma situação diferenciada trata de empresas terceiras que têm como objetivo de negócio a reciclagem de materiais para um novo processo produtivo.. os objetivos de negócio e. garantia dada pelo fabricante. Esse processo se deve ao alto custo do metal. 2003). etc. sofrem compactação em volumes menores e retornam para os fabricantes. conforme ilustrado na figura 7. O objetivo de negócio desta área da logística é agregar valor a um produto logístico constituído por bens sem interesse de uso ao proprietário original ou que ainda possuam condições de utilização. são diferenciadas pelo estágio ou fase do ciclo desta vida útil do produto retornado. os quais por diferentes motivos retornam aos diferentes estágios das cadeias de distribuição direta. ou usado com possibilidades de reutilização. por produtos descartados no final de sua vida útil e por resíduos industriais. garrafas pet. neste estágio. com novos proprietários ou pela disponibilização por outras vias. são distintos.

Figura 1: área de atuação e as diversas etapas da logística reversa O campo de atuação da logística reversa é bem ilustrado por Leite (2003) através da figura 2. classificadas conforme motivações de seu retorno: . observamos as duas grandes áreas da logística reversa. onde são resumidas as principais etapas dos fluxos reversos nas duas áreas de atuação acima citadas. Figura 2: Foco de atuação da logística reversa Na figura 2. pós-consumo e pós-venda. acima. sua interdependência e suas diversas etapas.

lixões e incineração e recuperação energética. ou seja. • Substituição de componentes: retorno de bens duráveis e semiduráveis em manutenções e consertos ao longo de sua vida útil e que são remanufaturados e retornam ao mercado primário ou secundário ou enviados à reciclagem ou para disposição final quando não reaproveitados. • Fim de vida útil: esta etapa caracteriza-se por duas áreas: bens duráveis ou dos descartáveis.Canais Reversos de pós-consumo: trata de produtos que têm vida útil variável (de alguns dias até décadas). mercadorias em consignação. conforme mostra a figura 3 abaixo. e após um tempo de utilização perdem suas características básicas de funcionamento e retornam para o ciclo produtivo de alguma forma.Canais Reversos de pós-venda: retorno de embalagens e devolução de produtos ao varejista ou fabricante. pontas de estoque etc. sendo uma parte destinada à reciclagem. que retornam ao ciclo de negócios por meio de redistribuição em outros canais de vendas. . Bens de pós-consumo: Condições de uso: retorno do bem durável ou semidurável que há interesse de sua reutilização. os canais de distribuição reversos são divididos na literatura em dois tipos. percorrendo o canal reverso de reuso em mercado de segunda mão até atingir o fim de vida útil.. sendo desmontados na etapa de desmanche e seus componentes reaproveitados ou remanufaturados.: devolução de mercadorias vendidas por catálogo da Rogers Tibben-Lembke (EUA) 2. existem três grandes categorias de bens produzidos: os bens descartáveis. Assim sendo. • • Figura 3: Exemplo de canal reverso de pós-consumo de eletrodoméstico. avarias de produto ou de embalagem. No caso de descartáveis. Canais de Distribuição Reversos de Bens de Pós-Consumo e de Pós-Venda Conforme Leite (2003). Outro motivo comercial para o retorno de produtos é o término de validade de produtos ou problemas observados no produto após a venda. a saber: .Bens de pós-venda: Garantia/qualidade: devoluções de produtos que apresentam defeitos de fabricação ou de funcionamento. liquidação de estação de vendas. caracterizando um loop de vida do produto. os produtos retornam por meio do canal reverso de reciclagem industrial. com a vida útil estendida. voltando ao ciclo produtivo ou irão para a disposição final. os bens semiduráveis e os bens duráveis classificados de acordo com a sua vida útil. aterros sanitários. onde são reaproveitados e se transformam em matérias-primas secundárias. • Comerciais: retorno de produtos devido a erros de expedição. excessos de estoque no canal de distribuição. . retornando ao mercado secundário ou à própria indústria. Estas definições são fundamentais para um melhor entendimento das atividades dos canais de distribuição reversos. Na área de duráveis e semiduráveis. Ex. os bens utilizam o canal reverso de desmontagem e reciclagem industrial. o chamado recall.

A figura 4. do varejista ao fabricante. Da mesma forma. computadores e seus periféricos. como conseqüência da globalização e da própria tecnologia. O acelerado desenvolvimento tecnológico vivenciado pela sociedade nas últimas décadas. materiais para escritório. chamado de mercado primário dos produtos. baterias de celulares. Sob o enfoque dos canais de distribuição reversos dos materiais. etc. desde as matérias-primas até o mercado. garantia. Os canais reversos de pós-venda são constituídos pelas diferentes formas e possibilidades de retorno de uma parcela de produtos. reduzindo drasticamente o ciclo de vida dos produtos causando um alto grau de obsolescência e assim sendo uma alta tendência à descartabilidade. com os ciclos de vida cada vez menores. fraldas. entre as empresas. 2003). eletro-eletrônicos. apresenta características ora de bens duráveis. ilustra o fluxo de produtos nos canais de distribuição diretos. têm feito que empresas passem a se diferenciar pela constante inovação. associados ao acirramento da competitividade. ora de bens descartáveis. com pouco e nenhum uso. revistas. jornais. os produtos de pós-consumo aumentam e exaurem os meios de disposição final. os produtos ditos duráveis serão descartados mais rapidamente transformando-se em semiduráveis. a introdução de novos materiais que têm substituído outros com melhoria de desempenho técnico do produto e de sua embalagem e redução de custos dos produtos. do consumidor ao varejista ou ao fabricante. raramente superior a seis meses. observando-se um aumento das quantidades de produtos devolvidos nas cadeias reversas de pós-venda. brinquedos. Os canais de distribuição reversos de pós-consumo são constituídos pelo fluxo reverso de uma parcela de produtos e de materiais constituintes originados no descarte dos produtos após a sua utilização pelo usuário original e retornando ao ciclo produtivo. São exemplos de bens descartáveis os produtos de embalagens. exigindo um sistema de logística reversa mais eficiente. Exemplos: automóveis. os produtos semiduráveis se tornarão descartáveis. óleos lubrificantes. suprimentos para computadores. as máquinas e os equipamentos industriais. Exemplos: baterias de veículos. etc. Esta tendência têm causado modificações nos hábitos mercadológicos e logísticos das empresas modernas. artigos cirúrgicos. Assim sendo. aviões. Dois são os subsistemas reversos: os canais reversos de reciclagem e os canais reversos de reuso (Leite. . exigindo alta velocidade no fluxo de distribuição física dos produtos. Por outro lado. eletrodomésticos. abaixo. que fluem no sentido inverso. Uma das conseqüências é a redução do ciclo de compra. Bens Duráveis: são os bens que apresentam duração de vida útil variando de alguns anos a algumas décadas. pilhas de equipamentos eletrônicos.Bens descartáveis: são bens que apresentam duração de vida útil média de algumas semanas. edifícios. etc. raramente superior a dois anos. motivado em geral por problemas de qualidade. processos comerciais entre empresas e retornando ao ciclo de negócios de alguma forma. revistas especializadas. Bens semiduráveis: são os bens que apresentam duração média de vida útil de alguns meses. navios. tornando-se necessário equacionar o problema de retorno dos bens de pósconsumo.

mais recentemente. sobrasindustriais. Produtos com embalagens individuais. a poluição do meio ambiente. Os motivos são principalmente: arrependimento pela compra. Pesquisa realizada nos EUA . de governos e. Nível alto de devoluções por não-conformidade às expectativas do consumidor (25 a 30%). erro na escolha. Alta “visibilidade ecológica”. chamado de desenvolvimento sustentado. fatores de influência A sociedade moderna vive hoje uma preocupação crescente com o equilíbrio ecológico. veículos. As empresas modernas estão utilizando a logística reversa. são apenas dois exemplos de motivos da sensibilidade ecológica que está se formando na consciência das pessoas. em muitas áreas descontrolada. Revalorização pelo sistema de reciclagem dos materiais que o constituem. etc. Segmento dos mais importantes de canais reversos. é um conceitoaceito e utilizado hoje universalmente e baseia-se na idéia de atendimento às necessidades da atual sociedade sem comprometer gerações futuras. peças ou partes de equipamentos sem condições de uso (sucata). utensílios. O crescimento econômico com o mínimo de impacto ambiental. Pós-Venda E-commerce Pós-consumo Embalagens Descartáveis Pós-venda Lojas de Varejo 3. Motivos da crescente preocupação com a logística reversa.Figura 4: Canais de distribuição diretos e reversos Exemplos de Canais Reversos: Canal Reverso Reuso Exemplo Leilões de Empresas Características Equipamentos usados. excessos de estoque de insumos. Em geral são dispostos impropriamente. não entendimento dos manuais. clientes desconhecidos e demanda pouco previsível. própria ou contratada de empresas especializadas. móveis. como forma de aumento de sua competitividade no mercado. O aquecimento global. Consumidores devolvem ao varejista produtos recém adquiridos e não consumidos. entre empresas ao redor do mundo. defeitos. gerando poluição em centros urbanos.

portanto. como mostra a figura 5 abaixo. que o motivo “aumento de competitividade” destaca-se entre os demais. conforme mostrado no quadro abaixo: Quadro 1: Motivos para as empresas operarem os canais reversos. legislativos.com empresas de vários setores apontam diversos motivos estratégicos para a adoção de atividades de logística reversa nas empresas. Tais fatores atuando isoladamente ou em conjunto vão influenciar no equilíbrio entre a quantidade disponível no fluxo dos canais diretos e no fluxo dos canais reversos. econômicos. logísticos e tecnológicos são apontados por Leite (2003) como os fatores principais de influência na organização dos canais reversos de pós-consumo nas empresas. o que nos leva a refletir sobre a consciência ecológica que os consumidores estão formando e a influência que tal consciência está exercendo sobre as empresas. Outros fatores. . tais como. Observa-se.

Os fatores citados acima. permitindo que novas condições de equilíbrio sejam estabelecidas. pois alteram as condições naturais do mercado. 2003). são chamados de fatores necessários. 4. as condições essenciais de organização e implementação da logística são: Remuneração em todas as etapas reversas. muitas vezes exigida pela sociedade. suas condições tecnológicas de reutilização ou transformação. desde a fabricação e o uso de matérias-primas até sua disposição final ou a dos produtos que o constituem. as condições essenciais para a implementação da logística reversas formam uma modelo de dependência entre tais fatores e os níveis de organização e dinamismo dos canais de distribuição reversos (Leite. porém. nas diversas etapas reversas. Tecnológicos e Logísticos são os que garantem interesses satisfatórios implicando em níveis mais altos de organização nas cadeias reversas e. Mercado para os produtos com conteúdo de reciclados. Legislação Ambiental no Mundo e no Brasil Alguns canais reversos se organizam por se mostrarem rentáveis economicamente pela natureza do produto logístico. Qualidade dos materiais reciclados Escala econômica de atividade. como tal. os fatores Ecológicos e Legislativos são chamados de fatores modificadores. Ainda segundo o autor. • • • • .Figura 5: Fatores que influenciam na organização dos canais reversos de pós-consumo Os fatores Econômicos. assim como. A legislação ecológica / ambiental encontra-se em diferentes estágios nos diversos países e envolvem diferentes aspectos do ciclo de vida útil de um produto. Assim quando alguns desses canais apresentam um desequilíbrio com impacto ambiental entre o fluxo direto e o reverso ocorre uma intervenção governamental em forma de leis. Outros canais. Por outro lado. mostram-se pelas leis naturais do mercado pouco rentáveis.

em forte intensidade. O governo regulamentou a coleta e desativação de embalagens de defensivos agrícolas em 2000. as leis relativas à redução de resíduos sólidos na fonte e interdição de produtos com alto impacto ambiental. Os governos locais são responsabilizados para equacionar os problemas. Alguns adotam um sistema tributário especial para os diversos elos da cadeia reversa. • Uso de selos verdes para identificar produtos “amigáveis” ao meio ambiente. O ônus da coleta seletiva e da redução de resíduos sólidos recai sobre os produtores.5 bilhões. tal como. • Responsabilidade do fabricante sobre o canal reverso de seus produtos (“product take back”): legislação no Japão em 1997 impôs a obrigatoriedade para a indústria automobilística de organização de rede reversa de reciclagem. etc. • Índices mínimos de reciclagem: alguns estados dos EUA adotam a obrigatoriedade do equilíbrio de produção e reciclagem. Depois do uso.Novos princípios de proteção ambiental estão sendo formados em diversos países desenvolvidos. estas embalagens se transformam em resíduos tóxicos. reciclagem ou do reaproveitamento dos automóveis descartados pela sociedade fosse para os fabricantes de automóveis. Cases de Logística Reversa Caso INPEV: Devido a alta do setor de agro negócios. porém. Nos EUA existem três grandes grupos de leis ambientais: sobre a disposição final dos produtos e sistemas de coletas. através da Lei Federal 9.974. como papel. As leis que incentivam o mercado a usar produtos com algum índice de reciclagem. Alguns desses novos conceitos em legislação ambiental são apresentados abaixo: Restrições a respeito de aterros sanitários e incineradores: proibição de novos aterros sanitários em muitos estados americanos ou proibição de disposição em aterros sanitários de certos produtos. • Valor monetário depositado na compra de certos tipos de embalagens. restrição ao uso de produtos com conteúdos de matérias-primas secundárias. No Brasil foi criado em 1998 o Programa Brasileiro de Reciclagem pelo Ministério da Indústria e Comércio para propor uma legislação e diretrizes na área. Alemanha e Holanda em acordo entre governos estabelecem que a responsabilidade de coleta. apesar de apresentar os maiores índices de reciclagem do mundo. Vários aspectos envolvendo logística reversa de pósconsumo estão sendo tratados em propostas de lei no congresso. • . produtos de pósconsumo que podem ou não ser depositados em aterros sanitários. Esse faturamento gera em média 23 milhões de quilos de embalagens de agrotóxicos por ano. em torno de 60% na maioria dos materiais recicláveis. representando graves riscos à população e ao meio ambiente. 5. • Implantação de coleta seletiva domiciliar ou comercial. Na Europa as leis tendem a responsabilizar os produtores e demais agentes da cadeia produtiva direta pelos problemas e estruturação dos canais reversos de seus produtos. Outros possuem legislação específica incentivando o uso de produtos fabricados com materiais reciclados. baterias. com baixa intervenção governamental em relação à índices de reciclagem. regulamentando os selos verdes ou incentivos financeiros e. Em julho de 1996 França. No Japão é um dos países mais desenvolvidos em reciclagem de materiais. etc. o de EPR (Extended Product Responsability ou Responsabilidade Estendida do Produto) que preconiza a idéia de que o produtor ou a cadeia industrial deve ter a responsabilidade pelo seu produto até a decisão correta do seu destino após o seu uso original. embalagens. a indústria de defensivos agrícolas movimentou em 2003 US$ 2.

O Inpev é composto por empresas associadas. organizações não governamentais e associações de classe. O instituto foi criado logo após a aprovação da lei 9. Dados atualizados no site oficial da INPEV informa que entre janeiro e março de 2007 já foram recolhidas mais de 4.202 toneladas de embalagens. é o INPEV – Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias. Aumento da segurança no manuseio destes materiais tóxicos. a saber: Segurança para o meio ambiente e saúde humana: uso de transportadora capacitada para realizar este tipo de transporte. já seguiram para reciclagem ou incineração 20.Com base nesta legislação foi criado um programa pioneiro que estabelece claramente a responsabilidade de cada um dos elos da cadeia de produção e abastecimento dos defensivos agrícolas. disponibilizando o caminhão que leva os agrotóxicos para os distribuidores e cooperativas do setor e que voltaria vazio. Nos últimos 12 meses (período compreendido entre fevereiro de 2006 e março de 2007). cooperativas. órgão públicos. o Instituto utiliza o conceito de logística Reversa. O fluxo logístico reverso realizado pelo Inpev ocorre confirme a ilustração a seguir: 1. e o conceito está alinhado com os princípios do instituto de preservação do meio ambiente e da saúde humana e apresenta duas grandes vantagens. Características do modelo: Agilidade e eficiência no manuseio de embalagens tóxicas. . Para realizar o processo logístico. que são recolhidas e armazenadas nas unidades de recebimento. conforme modelo a seguir: • • A implantação bem sucedida do modelo de Logística Reversa foi conquistada através da parceria com a empresa líder no transporte de defensivos agrícolas no Brasil. para trazer as embalagens vazias (a granel ou compactadas). O Inpev é responsável pelo transporte adequado das embalagens vazias de defensivos agrícolas para destino final (recicladoras ou incineradoras) conforme determinação legal. agricultores. revendedores. 2.974 e tem a responsabilidade de desenvolver e gerenciar instrumentos que garantam a viabilidade operacional do processo. Economia: caminhão já teve parte dos custos pagos quando levou produto cheio.000 toneladas de embalagens vazias de defensivos agrícolas.

Redefina (reprojete) peça e materiais. que criou. O grupo estruturou uma rede para coleta de máquinas de lavar. Recupere (regenere) energia. TVs. e a partir dele que a Matsushita desenvolveu o METEC – Matsushita Eco Technology Center Co.Caso Panasonic: No Japão a logística reversa está em destaque. por tamanho e procedência. Periodicamente as cargas recebidas pelos pontos de coleta são enviadas à METEC.. 5. Reduza o número de componentes. que tem como base os 5 “R”: 1. Este projeto não foi desenvolvido para atender apenas produtos novos da Matsushita ou exclusivamente de sua fabricação. Diversas iniciativas têm garantido a aplicação dos conceitos dentro e fora dos limites das fábricas. em 2001. aparelhos de ar condicionado ou refrigeradores recebidos por 47 pontos de coleta no Japão. Recicle todos os materiais. 3. Revise (remanufature) tudo que é possível. O Protocolo de Kyoto é o maior acordo para preservar o meio ambiente. assim como a National. e este valor pode ser negociado como base de troca por um novo eletrodoméstico na National ou Panasonic. onde são divididas em quatro grupos. A marca Panasonic. uma planta no Japão para reciclar eletrodomésticos. A coleta dos equipamentos custa entre USD 20 a USD 45. . 2. pertence ao grupo Matsushita. 4.

Outro aspecto que caracteriza uma área incipiente é a pouca disponibilidade de material bibliográfico sobre o assunto. é ainda uma área com pouca ênfase na estratégia competitiva das empresas. desmatamento e poluição. exercendo pressão sobre as empresas e sobre o governo. Os impactos da alta competitividade mundial já estão sendo percebidos. a estruturação da logística reversa torna-se a cada dia uma atividade mais desafiadora. Podemos observar este fato quando verificamos que. dado o acirramento da competitividade em uma sociedade globalizada. Os desafios da logística reversa são ainda maiores comparados à logística convencional.logisticadescomplicada. Conclusões É notório que a Logística Reversa. Neste cenário a área da logística empresarial toma um novo foco de importância. uma consciência ecológica crescente da sociedade. não há função gerencial dedicada a este assunto nas empresas. as estatísticas e materiais bibliográficos da logística reversa limitam-se praticamente a casos de reciclagem bastante tradicionais. embora com uma importância crescente. De qualquer forma esta realidade está mudando rapidamente. a tendência de uma legislação ambiental cada vez mais rigorosa tanto nos países em desenvolvimento quanto nos países desenvolvidos. Como vimos. São raros os autores especializados no tema no Brasil e no exterior. gerando dificuldades logísticas. como por exemplo. das latas de alumínio. através de problemas como aquecimento global. fator de grande influência na motivação para a organização de um canal convencional. 6. E por esta razão. próximas aos grandes centros e irão alimentar indústrias que estão distantes destes centros. em geral. apesar de representar uma operação tão complexa quanto à logística convencional. A revalorização econômica ainda predomina sob a revalorização ecológica e legal no que tange aos fatores de influência para a organização de um canal de distribuição reverso. o das garrafas PET. que não devem mais ter foco no curto prazo. Em 2005 foram reciclados mais de 700 mil eletrodomésticos. são fatores que estão acelerando a importância da logística reversa tanto de pós-consumo como de pós-venda. a premência das empresas de se diferenciarem no mercado através de uma política de serviços mais liberais para os consumidores e de reduzirem custos. Os aspectos puramente logísticos irão influenciar no equilíbrio entre os fluxos reversos e diretos. e sim como o futuro. A logística reversa está se consolidando como uma nova e crescente preocupação no planejamento e na visão estratégica das empresas. No entanto. No Brasil. as organizações estão sendo cada vez mais pressionadas a posicionarem-se quanto a sua contribuição para preservação do meio ambiente. os consumidores estão cada vez mais exigentes quanto à responsabilidade social empresas.Os resultados do projeto são bastante animadores. materiais ferrosos e de óleos lubrificantes. pelo fato da legislação ainda engatinhar na questão ecológica / ambiental. próximas às matérias primas novas. Todos os materiais são vendidos nos mercados de metais ou outros tipos de matéria prima. com a diversidade dos canais de distribuição. Além disso. http://www.com/logistica-reversa-muito-alem-da-reciclagem/ . As fontes de produtos de pós-consumo ficam.