You are on page 1of 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINA: Direito Comercial A PROFESSORA: Marcia Carla Pereira

Ribeiro TURMA: 3º ano (N)
ALUNAS: Jéssica Rubiale Batista, Laís Calderon Netto e Marcella Lima Fernandes

• Sociedade Cooperativa: uma alternativa capitalista.
A sociedade cooperativa é definida pela Aliança Cooperativa Internacional como “uma associação autônoma de pessoas que se unem, voluntariamente, para satisfazer as necessidades e aspirações econômicas, sociais e culturais comuns, através de uma empresa de propriedade conjunta e democraticamente controlada1.” Ou seja, é uma entidade criada com o objetivo de proporcionar uma melhoria no nível socioeconômico dos seus cooperados, através da facilitação da atividade econômica, pela eliminação de intermediários, fazendo com que se tenha o menor custo possível, permitindo, dessa forma, a obtenção de lucro, que deve ser dividido entre todos os seus associados. O artigo 982, § único, do Código Civil de 2002, define a cooperativa como uma sociedade simples, independentemente de seu objeto, porém, como registro na Junta Comercial. Ainda, a sociedade é tida como uma “sociedade meio”, porque nada mais é do que um meio para que o agente cooperado atinja os seus objetivos, ou seja, melhoria de vida. É regida seguindo os princípios do solidarismo, ou seja, diferentemente dos outros tipos societários, a finalidade é o benefício coletivo, inexistindo os interesses individuais, conforme explicitado nas palavras de FERREIRA LIMA, que leciona que a sociedade cooperativa “existe tão-só para prestar serviços aos associados, independente da ideia de, como pessoa jurídica, obter vantagem para si2.” A própria Lei das Sociedades Cooperativas (Lei 5.764/71), em seu artigo 3º, prevê em sua redação a inexistência do objetivo de lucro nesse tipo societário:

1

GONÇALVES NETO, Alfredo de Assis. Direito de Empresa – Comentários aos arts. 966 a 1.195 do Código Civil. São Paulo: RT. p. 132. 2 FERREIRA LIMA, Reginaldo. Direito Cooperativo Tributário – Comentários à lei das sociedades cooperativas. São Paulo: Ed Max Lemonad. p. 50.

Ademais. São Paulo: RT. VII). São Paulo: Ed Juarez de Oliveira. e sim com aquele vender mais. é possível perceber que a sociedade cooperativa é uma forma de trabalho instigante e uma alternativa às demais sociedades tradicionais. Ainda. Ademais. elegendo representantes. técnicas de comercialização e etc. Francisco e ABENANTE MILANI. que devem ser obtidas entre todos os associados. independemente do investimento de que cada cooperado na sociedade. além de mais uma vez buscar a redução de custos. No entanto. p. ao contrário do que possa parecer.195 do Código Civil. apesar de não constituir o seu objetivo final. ao mesmo tempo. conforme já afirmado anteriormente. é possível dizer que. insta destacar como peculiariedade das cooperativas a inexistência de vínculo trabalhista entre sociedade e cooperado. 1. comprar mais. visto que a ausência de hierarquia faz com que o cooperado se sinta tão importante quanto os outros dentro da cooperativa. associado e cliente: participa como sócio. e como usuário. 966 a 1. Assim. mesmo a distribuição dos resultados na cooperativa se dá em função do trabalho. 422. recebendo rateio de resultados. Sociedades Cooperativas – Regime jurídico e procedimentos legais para constituição e funcionamento. deliberando. aquele que participa de uma cooperativa é. p.“Celebram contrato de sociedade cooperativa as pessoas que reciprocamente se obrigam a contribuir com bens ou serviços para o exercício de uma atividade econômica de proveito comum. Isto é. o senso de responsabilidade e o empreendorismo do cooperado. pois utiliza a estrutura da cooperativa. pretende-se aumentar o compremetimento. atender mais. São as chamadas “sobras”. “a atividade é essencialmente antiespeculativa e os resultados positivos obtidos nas operações realizadas entre a cooperativa e seus associados são ‘sobras’ e não lucros 3”. . Além disso. o cooperativismo é compatível com o capitalismo. empreendedorismo e comprometimento para com a sociedade. proporcionalmente ao valor das operações efetuadas pelo sócio com a sociedade (CC/02. como o livre mercado e a livre iniciativa. a sociedade cooperativa apresenta fortes traços da economia capitalista. Direito de Empresa – Comentários aos arts. Então. visto que não pressupõe vínculo empregatício e que demanda responsabilidade. art.094. Alfredo de Assis. a maior parte não fica com aquele que investir mais. sem objetivo de lucro”. Ao se voltar ao apoio e bem-estar. Ante o exposto. existe a obtenção de lucro no cooperativismo. o sócio cooperado tem mais chances de 3 ASSIS ALVES.4 Mais um exemplo de como este modelo societário prioriza o trabalho e o bemestar dos sócios em detrimento do capital é o fato de que a votação nas assembleias se dá per capita. 93. Por tal razão. visto que nada interfere em suas premissas basilares. 4 GONÇALVES NETO. Imaculada. serviços. apesar de sua essência fundamentalmente solidarista.

767 2.931 215.813 38.crescer economicamente.640 44 254.036 3.7%). cooperados e funcionários: Cooperativismo Brasileiro (OCB .331 531 78.portaldocooperativismo.980 10 1. Acesso em 20 de setembro de 2011.783 cooperados por cooperativa.113 327 15 340 148 53 215 894 1.060 22 7. A título de ilustração. visto que tem melhores condições de trabalho e potencializa o sucesso de sua atividade.8% do total.579 8. que mesmo representando 1. passando da marca de dois milhões.682 Cooperados 968. traz-se uma estatística de 2008 sobre o cooperativismo brasileiro.php?p=texto. com relação ao ramo e ao número de cooperativas.8%).707 Funcionários 134.866 57.746 1.116 7.241 90.php&c=estatisticas>.975 11.611 138 1. Disponível em: <http://www.997 7.556 Como se observa.755 287.br/default.215. de crédito (14.664 105 2.5%) e de transporte (13. . as cooperativas de trabalho são as mais representativas no Brasil (22.442 47.796 2.com.983 623.744 1. O destaque vai para as cooperativas de consumo.132 4. seguida pelas de agrapecuária (21%). possui o segundo maior número de cooperados. O ramo que 5 Ocesp – Associação das Cooperativas do Estado de São Paulo.354 5. numa proporção de 16.887.431 19.dezembro 2008 5) Ramo Agropecuário Consumo Crédito Educacional Especial Habitacional Infra-estrutura Mineral Produção Saúde Trabalho Transporte Turismo e Lazer TOTAL Cooperativas 1.316.

com mais de 3 milhões (2889 cooperados/cooperativa).apresenta maior número de cooperados é o de crédito. .