Referencial Teórico Os mass media possuem a característica importante de serem agentes de poder, devido à sua ubiquidade, uma vez

que atualmente é impossível para um ser humano viver em sociedade sem estar sob influência dos veículos de comunicação social. Merton inicia o artigo dizendo que o poderoso instrumental intrínseco dos mass media pode ser utilizado para o bem ou para o mal, dependendo de quem esteja no controle. Como principais veículos de propaganda, os mass media hoje são controlados, principalmente pelas grandes empresas, sustentando o atual sistema econômico e social que vigora. Merton disserta posteriormente sobre quais seriam as funções sociais dos mass media. Ele focaliza em três principais funções, sem deixar de esclarecer que existem muitas outras: função de atribuição de status, função de reforço das normas sociais e disfunção narcotizante. Como atribuidores de status os mass media legitimam e ampliam a notoriedade de pessoas, organizações e causas públicas. A função de reforço das normas explica-se por serem os mass medias fatores que influenciam no comportamento de indivíduos, pesando na tomada de decisões e interferindo no conjunto de normas e valores que são defendidos por uma determinada cultura. A disfunção narcotizante verifica-se no fato de as grandes populações estarem alienadas, apesar de terem maior acesso à informação. São levadas de uma participação ativa a um mero conhecimento passivo. É considerada mais disfuncional que funcional, por supor-se que não seja do “interesse da complexa sociedade moderna ter uma parcela da população politicamente apática e inerte”, nas palavras de Merton.

No seriado de grande sucesso da tv norte americana “Os Simpsons”, temos como principais personagens Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie, uma típica família de classe média dos Estados Unidos, moradora de uma cidade interiorana. Com um humor escrachado e satírico, os criadores da série fazem uma crítica ao estilo de vida norte americano. Uma das principais críticas presentes na série é à alienação provocada pela televisão aos telespectadores/consumidores que assistem e acreditam cegamente em tudo que lhes é mostrado pelos canais. O seriado mostra bem a função de reforço das normas sociais dos mass media à medida que reafirma valores difundidos na sociedade norte americana e reforça estereótipos, principalmente quando fala de comportamentos e gostos típicos dos cidadãos desse país. Também pode-se observar na série uma crítica ao que Merton chama de conformismo social, a alienação do telespectador. Em muitos episódios vê-se os personagens em frente à televisão assistindo a qualquer conteúdo, simplesmente narcotizados pelo brilho da tela ou pelas músicas e imagens atrativas mas sem nenhum teor de relevância sobre questões essenciais da sociedade. Como fica evidenciado em uma fala do personagem Bart Simpsons ao seu pai Homer: “É que é difícil não acreditar na tv, ela nos educou muito mais que você”

2000. In: LIMA. Robert K. e LAZARSFELD. 1990. gosto popular e a organização da ação social”. . Luiz Costa. p. Teoria da Cultura de Massa. 103-127.Referências MERTON. Ou: São Paulo: Paz e Terra. “Comunicação de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.