You are on page 1of 5

Tablela7-1 a Composição química e aplicações típicas dos Aços Inoxidáveis Ferríticos Forjados Composição química em peso% AISI tipo

405

Cr
13.0

C(Max.) Mo
0.08

Al
0.2

Outros

Aplicações Típicas
Classe não endurecível do grupo por endurecimento ao ar tais com 410 ou 403 são objetáveis. Caixas de recozimento; Prateleira de tempera; Partes que necessitem resistência à oxidação.

409

11.0

0.08

Ti 6x C%

Construção de finalidades gerais com inoxidáveis, sistemas de exaustão automotiva; Caixa para transformadores e capacitores;Espalhador de fertilizante a seco; Tanques de vaporizadores para produtos agrícolas. Tipo com finalidades gerais para não endurecíveis de Cromo.Enfeites decorativos, tanques de ácido nítrico; Cestas de recozimento; Câmara de combustão; Máquina de lavar louça;Aquecedores;Escapamentos Coifas de cozinha ou laboratórios;Recuperadores; Equipamentos de restaurante.

430

17.0

0.12

434

17.0

0.12

1.0

Modificação do tipo 430 designado para resistir a corrosão atmosférica na presença de ventos característico de auto-estradas onde contém sujeira em suspensão. Enfeites automotivos e acessórios. Nb5x C% Similar aos tipos 430 e 434. Usado em casos baixas de exigências e rugosidade requeridas. Boa resistência à corrosão e ao calor para aplicações tais como enfeites automotivos. Aço de alta concentração de cromo, usado principalmente em finalidade com muita resistência a serviço à alta temperatura sem mudanças de temperatura;Peças de fornos;Bocais;Câmaras de combustão. Resistência à corrosão e mudanças de temperatura à alta temperatura, especialmente em serviços intermitentes. Freqüentemente usado em atmosferas compostas de enxofre;Caixa de recozimento;Câmaras de combustão;Moldes de vidro;Aquecedores; Tubos de pirômetros;Recuperadores;Haste de misturadores; Válvulas .

436

17.0

0.12

1.0

442

20.5

0.20

446

25.0

0.20

Tabela 7-1 b Composição química de alguns dos novos Aços inoxidáveis ferríticos. Nome
18-2 26-1B E-Brite 26-1(Airco) 29Cr-4Mo (Du Pont)

%C
0.02 0.03 0.002 0.004

%Cr
18 26 26 29

%N

%Ti
0.4 0.5

%Mo
2 1 1 4

0.01 0.01

Microestrutura A estrutura dos aços inoxidáveis ferríticos consiste essencialmente e ferrita (ferro-alfa tipo CCC) em todas as temperaturas de tratamentos térmicos normais.Os aços inoxidáveis ferríticos podem ser divididos em dois grupos em relação à concentração de cromo: 1 grupo: Aços inoxidáveis ferríticos com 15 a 18%Cr e algo em torno de 0.06%C. Exemplo: Tipo de liga 430 (17%Cr e 0.06%C) 2grupo: Aços inoxidáveis ferríticos com 25 a 30%Cr e algo em torno de 0.08%C. Exemplo: Tipo de liga 446 (25%Cr e 0.08%C) A microestrutura da liga 15 a 18%Cr (grupo 1) é inteiramente ferrítica em temperaturas abaixo de 900ºC. A figura 7-4 mostra o micrógrafo do tipo de liga 430 (17%Cr e 0.06%C) depois de recozimento a 788ºC. A microestrutura consiste em solução sólida rica em cromo em ferrita alfa, com muito do carbono na forma de precipitados de carbonetos intergranular e finamente dividido na matrix (Fe,Cr). Muito pouco do carbono está em solução sólida com a ferrita alfa devido à baixa solubilidade deste elemento na matrix.Quando estes tipos de ligas são tratados termicamente a temperaturas acima de 900ºC, um pouco da austenita é formada e quando subseqüentemente é submetida a uma têmpera em água ocorre a formação de martensita. Figura 7-5 mostra “ilhas” de martensita na matrix da ferrita alfa com 17%Cr e 0.1%C aços inoxidável ferrítico depois da têmpera em água em 1200ºC. Figura7-4
Aço inoxidável (ferrítico) tipo 430 recozido a 788ºC (1450ºF). A estrutura ferrítica consiste numa matrix com grãos equiaxiais a partículas de carbonetos dispersas.(Ataque de picral + HCl; 100X.) (cortezia de United States Steel Co., Laboratório de Pesquisa).

Figura7-5
Fe-17%Cr aço inoxidável depois de uma têmpera em água à 1200ºC. A estrutura mostra ilhas de martensita na matriz ferrítica. Note que a martensita é muito mas dura que a ferrita. (Ataque: água régia + glicerol;540X) (Da L. Colombier e J. Hockmamm, “stainless and heat Resisting steel ,” Edward Arnold Ltd., London, 1967, p.49)

A microestrutura recozida a chapa trabalhada a frio da liga 446 (25%Cr e 0.08%C), do grupo 2 de aços inoxidáveis ferríticos, é mostrada na figura 7-6. Esta liga de Fe–25%Cr teve uma grosseira distribuição de carbonetos na matrix (Fe,Cr) formando uma similaridade com a liga Fe-Cr18% recozido na Fig 7-4. Porém em contraste com a liga Fe-18%Cr, a liga Fe-25%Cr pode somente formar um valor relativamente baixo de martensita depois de ter sido tratado em temperatura acima de 950ºC e feito uma têmpera em água.

Mecanismos de Endurecimento Embora os aços inoxidáveis ferríticos geralmente não possam ter sua resistência aumentada significativamente por transformação martensítica, eles são sujeitos a alguns mecanismos de aumento de resistência isso conduz ao endurecimento e ao associada perda de ductilidade. A distinção pode ser feita entre três tipos de endurecimento: Figura7-6
Aço inoxidável ferrítico tipo 446 recozimento strip a 802ºC (1475ºF). Esta estrutura consiste em particulas de carboneto dispersas na matrix ferrítica com grão equiaxiais.(Eletrolítico: HCl-Metanol;100X) (After Metals Handbook, 8th ed, Vol 7, American Society for Metals, 1972, p.146)

1 2 3

Endurecimento à 475ºC; Endurecimento por fase σ; Endurecimento por alta temperatura.

Endurecimento à 475ºC. Este tipo de endurecimento ocorre quando o aço inoxidável é aquecido por um longo período de tempo entre a temperatura de 400 à 540ºC. Este tratamento térmico resulta em um aumento de resistência a tensão e dureza e considerável diminuição na ductilidade e valores de resistência ao impacto. O efeito do endurecimento à 475ºC é o aumento da resistência e drasticamente redução da ductilidade do aço inoxidável ferrítico Fe-27%Cr que é mostrado na figura 7-7. A causa do endurecimento à 475ºC é atribuída à precipitação de fase ricas em cromo α´ nas discordâncias. Desenvolvimento deste precipitado com envelhecimento à 482ºC com uma alta pureza de aço Fe-18%Cr é mostrado na figura 7-8. Desde que o tratamento isotérmico com longa duração é requerido para produzir o endurecimento à 475ºC, este tipo de endurecimento não é influenciado com processo de soldagem, tratamento térmico nos aços inoxidáveis ferríticos. Endurecimento por precipitação de fase σ. O diagrama de fase do sistema Fe-Cr mostra que a fase σ pode ser formada em baixas temperatura se as condições de equilíbrio forem atendidas. Quando ligas Fe-Cr contêm algo entre 15 a 70%Cr e são aquecidas em um intervalo de 500ºC à 800ºC por prolongados períodos, a fase σ irá precipitar. A figura 7-9 mostra a fase σ intergranular com precipitado de liga Fe-27%Cr depois de 131 dias à 565ºC. Desde que também baixa taxa de resfriamento através de temperaturas intermediarias ou prolongado envelhecimento a esta temperatura é requerido para precipitar a fase σ, isso normalmente não é influenciado por processo de soldagem, tratamento térmico nos aços inoxidáveis ferríticos. Figura7-7
Efeito do tempo de envelhecimento a 475ºC (885ºC) propriedades na temperatura ambiente de um aço Fe-27%Cr, derretido no ar.(after H. D. Newell, Met. Prog., May 1946, p.997.)

Figura7-8
Estrutura de um aço inoxidável ferrítico Fe-18%Cr, derretido no vácuo, depois de um envelhecimento a 482ºC (900ºF) por (a) 240h, (b) 480 e (c) 2400h. (carbon replicas) [after P. J. Grobner, Metall. Trans. 4(1973):251.]

Endurecimento por alta temperatura. Quando o aço inoxidável ferrítico com moderada a alta concentração de carbono e nitrogênio são aquecidos acima de 950ºC e resfriados à temperatura ambiente, eles mostram severo endurecimento e perda de resistência à

corrosão. A cauda do endurecimento a alta temperatura acredita-se ser pela precipitação de carbonetos e nitretos rico em cromo nos contornos de grão e/ou discordâncias. Desde que as ligas de CCC Fe-Cr têm baixa solubilidade para o carbono e o nitrogênio, o carboneto de cromo é formado a menos que os átomos intersticiais forem mantidos em baixos níveis.Este tipo de endurecimento é particularmente desfeito desde isso podem ocorrer em quase todos os processo estruturais. Isto é, processos de soldagens, tratamento à alta temperatura e fundição irão conduzir a diminuir ductilidade e resistência a corrosão nessas ligas. Assim, para circundar o problema endurecimento a alta temperatura, novos aços inoxidáveis ferríticos têm sido desenvolvidos com alta concentração de cromo e muito baixa concentração de carbono e nitrogênio. Os novos ferríticos têm sido possível ser feito através do uso de vácuo e Argônio oxigênio descarbonizadores, feixe de elétrons e larga escala de fundição a vácuo. Figura7-9
Fe-27Cr% Aços inoxidável ferrítico aquecido por 131 dias a 565ºC. A estrutura consiste numa matrix ferrítica carbonetos dispersos e contendo fase σ intergranular. (Ataque: água régia; (a)200X, (b)1000X.) (After H. D. Newell, Met. Prog., May 1946, p.997.)

Propriedades mecânicas Representativa propriedade de tensão da alguns aços inoxidáveis ferríticos nos estado recozido são mostrados na tabela7-2. Desde que estas ligas não são completamente endurecidas por solubilização e têmpera, elas são usadas no estado recozido, e tal estrutura consiste numa matrix de ferrita equiaxial com partículas dispersadas de carbonetos. Os padrões dos aços inoxidáveis ferríticos são ligeiramente maior tensão de ruptura e escoamento e menor elongação que os aços baixo carbono. Os novos ferríticos, por causa de eles terem baixa concentração de carbono e nitrogênio,eles têm maiores valores de elongação que os ferríticos padrões. A temperatura de transição de impacto Charpy entalheV dos novos ferríticos é também muito menor, como indicado na tabela 7-3. Tabela7-2 A figura 7-10 mostra com a energia de impacto é aumentada quando a concentração de carbono e nitrogênio é reduzida. A transição frágil dúctil é relativamente baixa para todos os níveis de carbono contendo 0.002 a 0.061 por cento quando é tratado termicamente por 1h à 815ºC e temperado em água (fig7-10 a). Deste modo, quando esta liga é aquecida a 815ºC mais 1h a 1150ºC e temperada em água, a resistência ao impacto diminui drasticamente tais que baixos níveis de carbono são necessários para reduzir a temperatura transição dúctil frágil a temperaturas baixas. Propriedade de Corrosão Tabela 7-3 O aço inoxidável estando no estado não endurecido e mostra suas melhores resistência à corrosão no estado recozido. A resistência geral à corrosão destas ligas aumenta quando suas concentrações de cromo aumentam com o cromo em níveis em torno de 23 a 28 por

cento provê a melhor resistência à corrosão a ligas é solubilizada e recozida.Embora a resistência “pitting” dos aços inoxidáveis ferríticos aumenta com o mesmo grau de aumento de concentração de cromo, a adição de molibdênio tem sido instituída para ser especialmente benéfico. Para prover a resistência “pitting” os ferríticos devem ter no mínimo 23 a 24%Cr e mais de 2%Mo. A precipitação de carboneto de cromo durante a soldagem ou tratamento térmico diminui a resistência “pitting” destas ligas. Figura7-10
Curva de transição para um corpo de prova de quarto de tamanho entalhado em V para impacto de Fe-17%Cr-0.002 a 0.061%C liga de aço inoxidável ferrítica tratada termicamente a (a) 815ºC por 1he temperada com água e (b) 815ºC mais 1150ºC por 1h a temperado com água. (after M Semchyshen, A. P. Bond, and H. J. Dundas, Toward improved ductility and Toughness, Climax Molybdenum Co., Greenwinch, Conn. 1971, as presented in “Handbook Of Steinless Steels”, McGgraw-Hill, New York,1977, p 5-24.)

Figura7-11
Fe-17%Cr (Aços inoxidável ferrítico) temperado em água a 925ºC (1700ºF). Posto 90 min a 1.2V Vs. standard calomel in 1N sulfuric acid at 24ºC. (a) 0.0126% C, 0.0089%n; (b)0.0025%C;0.022%N (c)0.0021%C;0.0095%N.340X. Note que a concentração de carbono e nitrogênio ambos os dois precisam manter baixos para melhor a resistência à corrosão.[after A. P. Bond, Trans. AIME 245(1969):2127.]

Os aços inoxidáveis ferríticos contendo valores uniformes de carbono e nitrogênio são suscetíveis à corrosão intergranular. O mecanismo de corrosão intergranular nos aços inoxidáveis ferríticos envolvem a precipitação de carboneto e nitretos de cromo nos contorno de grão. Estes precipitados causam uma concentração de cromo na região adjacente aos contornos de grão sendo diminuído abaixo do ponto critico de 12 por cento preciso para a corrosão intergranular.A solubilidade do carbono e do nitrogênio na matrix ferrítica é menor que a da austenita quando dando temperatura. Desde que a reação de precipitação ocorre rapidamente em altas temperaturas (600 a 800ºC) por causa da alta taxa difusão do carbono e nitrogênio na ferrita, os precipitados não podem ser previstos em uma formação uniforme numa têmpera rápida. Portanto pequenos valores uniformes de carbono e nitrogênio são um detrimento para a resistência a corrosão. A figura 7-11 a e 7-11 b mostram que níveis de 0.012%C e 0.022%Ni são altos o suficiente para causar que a liga Fe-17%Cr seja suscetível à corrosão intergranular depois aquecido a 925ºC e temperado, Pela diminuição de concentração de carbono para 0.002 por cento e do nitrogênio para 0.0095 por cento, a liga de Fe-17%Cr é fundida com muita resistência a corrosão intergranular depois de um tratamento a alta temperatura (fig 7-11c). Recentemente, têm sido salientados, os mais novos ferríticos têm sido produzidos comercialmente com extremamente baixos níveis de carbono e nitrogênio (tabela 7-1b). Outro método de reduzir a susceptividade da corrosão intergranular dos aços inoxidáveis padrão, é estabiliza estas ligas com titânio e nióbio. Pela formação de carboneto de titânio e nióbio a altas temperaturas, a corrosão intergranular melhora a baixas temperaturas. Por exemplo a liga 4099 é estabilizada pelo nióbio a cinco vezes a concentração de carbono.