You are on page 1of 105

ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

JULHO 2011

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Índice
1. INTRODUÇÃO............................................................................................................................................... 3 2. PROPOSTAS DE OPERACIONALIZAÇÃO ........................................................................................................ 7 2.1. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR..................................................................................................................... 7 2.2. ESTUDO DO MEIO – 1ºCICLO .............................................................................................................. 12 2.3. CIÊNCIAS DA NATUREZA – 2º CICLO ................................................................................................... 50 2.4. CIÊNCIAS NATURAIS – 3º CICLO.......................................................................................................... 62 2.5. CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ................................................................................................................ 79 3. AVALIAÇÃO ................................................................................................................................................ 99 4. PROJECTO CIÊNCIA VIVA – “DESCOBRIR A CIÊNCIA NA 31” .................................................................. 1033 5. BIBLIOGRAFIA ........................................................................................................................................ 1055

Parede, Julho de 2011

Página 2 de 105

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

1. Introdução
O presente Manual de Procedimentos preconiza um conjunto de sugestões metodológicas que visam a aquisição e desenvolvimento de conhecimentos na área das Ciências Experimentais, definidos nas Metas de Aprendizagem, bem como o desenvolvimento das Competências Essenciais previstas no Currículo Nacional do Ensino Básico (ME-DEB, 2001). Este manual prevê também os modelos de avaliação dos alunos (de acordo com a legislação em vigor e o Projeto Educativo da Escola), tendo em vista as aprendizagens efetivas, as atitudes e valores e o perfil do aluno definido para esta escola.

PAPEL DAS CIÊNCIAS NO CURRÍCULO DO ENSINO BÁSICO

Os jovens têm de aprender a relacionar-se com a natureza diferente do conhecimento científico, tanto com as diversas descobertas científicas e processos tecnológicos, como com as suas implicações sociais. O papel da Ciência e da Tecnologia no nosso dia a dia exige uma população com conhecimento e compreensão suficientes para entender e seguir debates sobre temas científicos e tecnológicos e envolver-se em questões que estes temas colocam, quer para eles como indivíduos quer para a Sociedade como um todo.

O ensino da Ciência na educação básica corresponde a uma preparação inicial e visa proporcionar aos alunos possibilidades de:

- Despertar a curiosidade acerca do mundo natural à sua volta e criar um sentimento de admiração, entusiasmo e interesse pela Ciência; - Adquirir uma compreensão geral e alargada das ideias importantes e das estruturas explicativas da Ciência, bem como dos procedimentos da investigação científica, de modo a sentir confiança na abordagem de questões científicas e tecnológicas; - Questionar o comportamento humano perante o mundo, bem como o impacto da Ciência e da Tecnologia no nosso ambiente e na nossa cultura em geral.

Ao longo da escolaridade básica, ao estudarem ciências, é importante que os alunos procurem explicações fiáveis sobre o mundo e eles próprios. Para isso será necessário:

- Analisar, interpretar e avaliar evidência recolhida quer diretamente, quer a partir de fontes secundárias; - Conhecer relatos de como ideias importantes se divulgaram e foram aceites e desenvolvidas, ou foram rejeitadas e substituídas;

Parede, Julho de 2011

Página 3 de 105

situações problemáticas. Parede. De salientar que os domínios que a seguir se mencionam não são compartimentos estanques ou isolados. COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS PARA A LITERACIA CIENTÍFICA DOS ALUNOS NO FINAL DO ENSINO BÁSICO Preconiza-se o desenvolvimento de competências específicas em diferentes domínios como o do conhecimento (substantivo.Planear e realizar trabalhos ou projetos que exijam a participação de áreas científicas diversas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais . na exploração das experiências educativas.Aprender a construir argumentos persuasivos a partir de evidências. com graus de profundidade diferente nos três ciclos de escolaridade. epistemológico). influências da sociedade sobre a Ciência. as explicações científicas com as do senso comum. execução de experiências. mas no seu conjunto. vão de encontro aos seus interesses pessoais e. planeamento e realização de investigações. tradicionalmente mantidas isoladas. que permitam ao aluno adquirir conhecimento científico apropriado. possibilitando ao aluno confrontar. a arte e a religião. observação. sociais e ambientais. As competências não devem ser entendidas cada uma por si. através de experiências educativas diferenciadas que a escola lhes proporciona. por outro. sendo um conhecimento inacabado. avaliação dos resultados obtidos. da comunicação e das atitudes. nem as sugestões apresentadas esgotam um determinado domínio e nem existe sequencialidade e hierarquização entre eles. por outro. reconhecendo as limitações da Ciência e da Tecnologia na resolução de problemas. . . . Estas. do raciocínio. de modo a interpretar e compreender leis e modelos científicos. Desenvolvem-se em simultâneo e de uma forma transversal. processual ou metodológico. atendendo ao nível etário dos alunos. por um lado.Reconhecer que o conhecimento científico está em evolução permanente. estão em conformidade com o que se passa à sua volta. pessoais. Conhecimento Conhecimento substantivo – sugere-se a análise e discussão de evidências. por um lado. Julho de 2011 Página 4 de 105 . individualmente ou em equipa. Conhecimento epistemológico – propõe-se a análise e debate de relatos de descobertas científicas. Tal exige o envolvimento dos alunos no processo ensino aprendizagem.Discutir sobre um conjunto de questões pertinentes envolvendo aplicações da Ciência e das ideias científicas a problemas importantes para a vida na Terra. a ciência. Conhecimento processual – pode ser vivenciado através da realização de pesquisa bibliográfica. elaboração e interpretação de representações gráficas onde os alunos utilizem dados estatísticos e matemáticos. nos quais se evidenciem êxitos e fracassos. persistência e formas de trabalho de diferentes cientistas.

a reflexão crítica sobre o trabalho efetuado. a reformulação do seu trabalho. relacionando evidências e explicações. planeamento de investigações. a utilização de modos diferentes de representar essa informação. meios diversos. de modo a apreciar a beleza dos objetos e dos fenómenos físico-naturais. estabelecimento de comparações. o desenvolvimento do sentido estético. Sugere-se que estas experiências educativas contemplem também a cooperação na partilha de informação. avaliando o seu impacto na sociedade e no ambiente. incluindo as novas tecnologias de informação e comunicação. confrontando diferentes perspetivas de interpretação científica. a apresentação dos resultados de pesquisa. A coerência conceptual e metodológica dos quatro temas gerais tem subjacente a ideia estruturante que a seguir se apresenta e que consta da figura 1. previsão e avaliação de resultados.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Raciocínio Raciocínio – Sugerem-se. Parede. Comunicação Propõem-se experiências educativas que incluem uso da linguagem científica. mediante a interpretação de fontes de informação diversas com distinção entre o essencial e o acessório. a flexibilidade para aceitar o erro e a incerteza. generalização e dedução. como sejam a curiosidade. Julho de 2011 Página 5 de 105 . sempre que possível. Tais situações devem promover o pensamento de uma forma criativa e crítica. Atitudes Apela-se para a implementação de experiências educativas onde o aluno desenvolva atitudes inerentes ao trabalho em Ciência. utilizando. formulação de problemas e de hipóteses. situações de aprendizagem centradas na resolução de problemas. defesa e argumentação. realização de inferências. a vivência de situações de debate que permitam o desenvolvimento das capacidades de exposição de ideias. para o efeito. com interpretação de dados. respeitando a ética e a sensibilidade para trabalhar em Ciência. Para o desenvolvimento das competências definidas propõe-se a organização do ensino das Ciências nos três ciclos do ensino básico em torno de quatro temas organizadores: • Terra no Espaço • Terra em Transformação • Sustentabilidade na Terra • Viver Melhor na Terra. a perseverança e a seriedade no trabalho. construindo e ou analisando situações alternativas que exijam a proposta e a utilização de estratégias cognitivas diversificadas. o poder de análise e de síntese e a produção de textos escritos e/ou orais onde se evidencie a estrutura lógica do texto em função da abordagem do assunto. respeitando e questionando os resultados obtidos.

Sociedade e Ambiente. Tecnologia. se fundamente em opções de ordem social e ética e em conhecimento científico esclarecido sobre a dinâmica das relações sistémicas que caracterizam o mundo natural e sobre a influência dessas relações na saúde individual e comunitário. 2001) Parede. Figura 1 – Esquema organizador dos quatro temas (in Competências Essenciais do Ensino Básico. Julho de 2011 Página 6 de 105 .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Viver melhor no planeta Terra pressupõe uma intervenção humana crítica e refletida. visando um desenvolvimento sustentável que. tendo em consideração a interação Ciência.

1. experimentar.Observação direta da imagem/fotografia e identificação de elementos da paisagem (ruas. tempo -Identificar elementos conhecidos numa fotografia confrontar as crianças com a realidade observada. Esta área foi. Dinamismo das inter-relações natural-social.Distinguir diferentes momentos da rotina diária (dia /noite). no sentido do desenvolvimento de competências essenciais para a estruturação de um pensamento científico cada vez mais elaborado. orientar-se e integrar-se no mundo que a rodeia. que permita à criança compreender.Observação do estado do (construção do “quadro do tempo”). PROPOSTAS DE OPERACIONALIZAÇÃO 2. assim. Julho de 2011 Página 7 de 105 . PROPOSTAS DE OPERACIONALIZAÇÃO . 3 ANOS METAS/AÇÕES A DESENVOLVER LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO E NO TEMPO . e . Parede. questionar. interior e exterior). Educação Pré-Escolar Conhecimento do Mundo A área de “Conhecimento do Mundo” abarca o início das aprendizagens das diferentes ciências naturais e humanas. subdividida em três domínios:    Localização no espaço e no tempo. Conhecimento do ambiente natural e social. interpretar. numa abordagem integrada e globalizante das diferentes áreas. As aprendizagens definidas para cada área de conteúdo devem procurar privilegiar o desenvolvimento da criança e a construção articulada do saber. -Identificar estados de tempo. o que fazemos à noite (através de conversas e jogos).O que fazemos de dia.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2. . pesquisar. edifícios.

-Identificar partes externas do corpo.Compreender algumas razões de práticas de higiene corporal.Realizar um trabalho de grupo com fotografias e imagens de revistas (identificação de diferentes partes do corpo.Saber o nome dos pais e identificar através de fotografias.Utilização de imagens lúdicas e cores.Utilizar a casa de banho.Reconhecer e caracterizar alguns animais e plantas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais CONHECIMENTO DO AMBIENTE NATURAL E SOCIAL. imagens.Reconhecer a sua identidade sexual. tronco e membros). lavar as mãos antes das refeições e sempre que necessário.Através de conversas. . . filmes. histórias.Reconhecer e nomear diferentes cores. . .Jogos sensoriais utilizando alimentos e objetos do dia a dia. jogos. . DINAMISMO DAS INTERRELAÇÕES NATURALSOCIAL .Saber situar-se socialmente numa família (relacionando graus de parentesco simples) . .Através de jogos e atividades de expressão plástica. dias da semana. -Através da visualização de livros e comparação entre os pares (características sexuais externas do rapaz e da rapariga). 4 ANOS METAS/AÇÕES A DESENVOLVER LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO E NO TEMPO -Distinguir unidades de tempo básicas (dia e noite. . sessões dramatizações. .Nomear e identificar partes do corpo (órgãos dos sentidos).Jogos. . . de movimento e Parede. visitas de estudo. estações do ano). . . manhã e tarde. para a identificação das diversas unidades de tempo.Exploração dos sentidos. PROPOSTAS DE OPERACIONALIZAÇÃO . como a cabeça. Julho de 2011 Página 8 de 105 .

Verificar que os animais e plantas apresentam características próprias e únicas e podem ser agrupados segundo diferentes critérios. cheiro. dureza. DINAMISMO DAS INTER-RELAÇÕES NATURALSOCIAL . -Através de jogos de associação. em relação a si mesma.Exploração dos diversos ciclos de vida (exemplo: germinação da semente) -Abordar e concretizar acções práticas como: lavar as mãos antes das refeições e sempre que necessário. entre outros. visualização de livros e filmes. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais -Representar lugares reais ou imaginários e descrevê-los oralmente. não deitar papéis e outros resíduos para o chão).Alertar para as consequências e utilizar práticas de prevenção (exemplo: não desperdiçar água e electricidade. . resistência. . e aos outros e associa-os às suas finalidades. .Realização de um trabalho de grupo sobre a “turma” e de um individual sobre a “família”. reconhecendo a sua identidade pessoal e cultural. evitar o consumo excessivo de doces e refrigerantes. . segundo algumas propriedades simples. ou noutros que conheça.Identificar a origem de um dado material de uso corrente (animal.Manifestar comportamentos de preocupação com a conservação da natureza e respeito pelo ambiente.Situar-se socialmente numa família e também noutros grupos sociais de pertença. e entre materiais e objetos.Adaptação a novos espaços: escola. . -Através de desenho. Parede. . vegetal ou mineral).Estabelecer semelhanças e diferenças entre materiais. . som que produzem) de materiais e objetos. sala de atividades e outros locais. . CONHECIMENTO DO AMBIENTE NATURAL E SOCIAL .Identificar algumas profissões e serviços no seu meio familiar e local. -Identificar sequências de ciclos de vida de diferentes fenómenos que estão relacionados com a sua vida diária. .Comparação das características (exemplos: textura. utilizando os sentidos. jogo simbólico e da vida real. pintura ou de outros meios.Visitas ao Zoo e à quinta pedagógica. .Através do jogo simbólico e conversas de grupo.Utilizar e justificar algumas razões de práticas de higiene corporal e alimentar. Julho de 2011 Página 9 de 105 . . cor.Localizar elementos dos seus espaços de vivência. . lavar os alimentos que se consomem. indicando algumas práticas adequadas.

terra.Ida ao parque. ano. filmes e mapas. contextos e acontecimentos que observa (direta ou indiretamente) no seu quotidiano. CONHECIMENTO DO AMBIENTE NATURAL E SOCIAL .Formular questões sobre lugares.Conhecer alguns aspectos ao nível da geologia: recolha de rochas. os animais. . estudo e trabalhos da sala. .Despertar a curiosidade e interesse para diversos temas através de histórias.Jogos de associação e agrupamento segundo as características. jogar com formas e diversos materiais. . plásticos. o seu habitat e costumes. . mas também em passeios e visitas de estudo. -Classificar materiais por grandes grupos (exemplos: metais. -Brincar com água. encher e esvaziar recipientes. ilhas. as plantas. Julho de 2011 Página 10 de 105 . observação.Utilização de materiais de desperdício e uso corrente na realização de diversos trabalhos.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 5 ANOS METAS/AÇÕES A DESENVOLVER LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO E NO TEMPO . . ordenar e estabelecer sequências de diferentes momentos da rotina diária e reconhecer outros momentos importantes de vida pessoal e da comunidade (exemplos: dias da semana. explorar efeitos de luz e sombra. . . conversas e registos.Identificar as diferentes partes constituintes de vários tipos de animais e plantas e reconhecer alguns aspectos das suas características físicas e modos de vida. -Conhecer alguns aspectos relativos à biologia: conhecer os órgãos do corpo.Reconhecer diferentes formas de representação da Terra e identificar. PROPOSTAS DE OPERACIONALIZAÇÃO .Nomear. alguns lugares (mares.Representar (através do desenho ou de outros meios) lugares reais e descrevê-los oralmente. meses. -Conhecer alguns aspectos relacionados com a física / química. características e propriedades. montanhas. papéis…) relacionando as suas propriedades com a função de uso dos objectos feitos a partir deles. nas mesmas. .Ordenar sequências de acções e associar actividades e rotinas aos vários dias de semana. recolher material natural para visualização. . visualização de filmes e livros. -Através da utilização de livros. dia de aniversário e outras datas festivas). Parede.Registos das atividades do fim-de-semana. rios). .Construção do planeta Terra e localização de lugares específicos.

Construção de cartaz “Eu preciso de…porque…”. -Reconhecer que o ser humano tem necessidades fisiológicas (sede. de estima (reconhecimento. evitar o consumo excessivo de doces e refrigerantes. adolescente.Reconhecer a diversidade de características e hábitos de outras pessoas e grupos. Parede. fichas e filmes. idade. caminhar pelo passeio. ir periodicamente ao médico. alimentar. saúde e segurança -Abordar e concretizar acções práticas como: lavar as mãos antes das refeições e sempre que necessário. reconhecendo as suas características individuais. idoso). . . respeitar semáforos.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais .Identificar (nome completo.Comparar o processo de germinação de sementes distintas e o crescimento de plantas. . .Reconhecer a importância da separação dos resíduos sólidos domésticos. . jovem.Observação da germinação de uma semente (registo das diversas fases) e visualização de livros. comparar com necessidades de outros seres vivos. lavar os dentes. nome de familiares mais próximos. histórias e outros. sociais (pertença e afeto…). através de experiências.Trabalhar a multiculturalidade através de fantoches. DINAMISMO DAS INTER-RELAÇÕES NATURALSOCIAL . fome. criança. . distinguindo as diferentes partes de uma planta. . adulto.Construção de Ecopontos para a sala e jogo de associação “Separar o lixo”. lavar os alimentos que se consomem crus. atravessar nas passadeiras. cuidados a ter com produtos perigosos. localidade onde vive e nacionalidade). incluindo o ser humano (bebé. de segurança (abrigo e protecção). manifestando atitudes de respeito pela diversidade.Identificar permanência e mudança nos processos de crescimento. associando-o a diferentes fases nos seres vivos. explicando semelhanças e diferenças entre estas necessidades humanas e de outros seres vivos .Construção do Cartão do Cidadão e da Árvore Genealógica dos familiares mais próximos. identificando os materiais a colocar em cada um dos ecopontos. .Utilização de livros. Julho de 2011 Página 11 de 105 . estatuto…) e de autorealização e que passa por um processo de crescimento e desenvolvimento. repouso…). .Usar e justificar algumas razões de práticas de higiene corporal.

interpretar e compreender a realidade do mundo natural e social que enquadra as pessoas e os grupos.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2. da História e das Ciências Naturais e FísicoQuímicas. e no 3.º ciclo para a disciplina de História e Geografia de Portugal. Existem assim uma ou mais propostas para cada ano do 1º Ciclo. No segundo ciclo. no currículo do 1. Orientada por estas finalidades curriculares.º Ciclo da Educação Básica.2. constam vários exemplos de todas as experiências propostas. Conhecimento do ambiente natural e social. 2006:99-131). subdividida em Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas. nomeadamente da Geografia. Estudo do Meio – 1ºciclo A área curricular de Estudo do Meio. a área de Estudo do Meio convoca conhecimentos de vários domínios científicos. Implica a passagem de um olhar de senso comum para a aquisição e organização de conceitos e conteúdos básicos. que permitam uma compreensão cientificamente válida e fundamentada.º são aprofundados nas disciplinas autónomas de História e de Geografia.metasdeaprendizagem. dando-lhes um sentido curricular convergente. quer no desenvolvimento científico futuro dos vários domínios de conhecimento relativos à realidade social e natural. Parede. No final. procedeu-se a uma integração desta três disciplinas do conhecimento. subdividida em três domínios:    Localização no espaço e no tempo. bem como métodos de observação direta e indireta. Esta área foi.pt) Neste documento encontram-se propostas de operacionalização referentes a todas as metas de aprendizagem. assim. Os domínios científicos de História e de Geografia evoluem no 2. ainda que num nível inicial. Julho de 2011 Página 12 de 105 . em anexo. Constitui-se como uma aprendizagem estruturante quer da inserção da criança no universo social e natural a que pertence. de acordo com as dimensões do conhecimento a adquirir. estas últimas convergem na disciplina de Ciências da Natureza e no terceiro ciclo na área disciplinar Ciências Físicas e Naturais. configura-se como a iniciação sistemática e integrada aos campos de conhecimento científico que permitem analisar. de experimentação e de interpretação de fontes.81) e que dá sentido articulados aos blocos que estruturam o programa de estudo do meio (Organização curricular e Programas.min-edu. e organizando-as em três domínios integradores. que evoluem depois em especializações mais finas nos ciclos subsequentes. (retirado do site http://www. Dinamismo das inter-relações natural-social. No sentido de traduzir a área de estudo do meio em metas de aprendizagem esperadas dos alunos no final do primeiro ciclo. que correspondem ao que estabelece o currículo nacional (2001 p.

As suas perspectivas para um futuro mais longínquo 3. Outras pessoas com quem mantém relações próximas 3.Conteúdos Á descoberta de si mesmo 1.º ano 1. O seu corpo 2. A segurança do seu corpo 4. Os membros da sua família 2. O passado mais longínquo da criança 2.º ano 1. A segurança do seu corpo À descoberta dos outros e das instituições 1. A sua identificação 2. A saúde do seu corpo 5. A segurança do seu corpo 3. O seu corpo 4.º ano 1. O seu passado próximo 7.º ano 1. A saúde do seu corpo 5. A saúde do seu corpo 4. O seu corpo 4. As suas perspetivas para o futuro próximo 2. A sua escola . Os seus gostos e preferência 3.º ano 1. A sua naturalidade e nacionalidade 2. A segurança do seu corpo 6. O seu corpo 3.

Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2.º ano 1.º ano 1. Os seres vivos do seu ambiente 2. sons e cheiros da natureza 2. O passado do meio local 4. Modos de vida e funções de alguns membros da comunidade 4. O passado nacional 3. Identificar cores. Os seres vivos do seu ambiente 2. Conhecer símbolos regionais (bandeiras e hinos regionais) 7. Aspectos físicos do meio local 3. Instituições e serviços existentes na comunidade 3.º ano 1. Os membros da sua família 2. O passado próximo familiar 2. Reconhecer símbolos locais (bandeiras e brasões) 6. Outras culturas da sua comunidade 4.º ano 1. Reconhecer símbolos nacionais À descoberta do ambiente natural 1. Conhecer aspectos físicos e seres vivos de outras regiões Ou países 3. Os aspectos físicos do meio local 3. O passado do meio local 2. Conhecer costumes e tradições de outros povos 5. Julho de 2011 Página 14 de 105 . A vida em sociedade 3. Os seres vivos do ambiente próximo 2. O passado familiar mais longínquo 3.º ano 1. Os astros Parede. Os aspectos físicos do meio local 3.º ano 1.

Os seus itinerários 4. Realizar experiências com a água 3. Os seus itinerários. Os diferentes espaços do seu bairro ou da sua localidade 4. Aspectos físicos do meio 2. Os astros 3.º ano 1. O contacto entre a terra e o mar 2. 2.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 4. Deslocações dos seres vivos 5. Aspectos físicos de Portugal À descoberta das inter-relações entre espaços 1. Julho de 2011 Página 15 de 105 .º ano 1. Meios de comunicação 4. Localizar espaços em relação a um ponto de referência 3.º ano 1. A casa 2. Manusear objectos em situações concretas Parede. Os meios de comunicação 3. Portugal na Europa e no Mundo À descoberta dos materiais e objetos 1.º ano 1. Realizar experiências com alguns materiais e objetos de uso corrente 2. Realizar experiências com o som 4. Os aglomerados populacionais 3. O comércio local 6. Localizar espaços em relação a um ponto de referência 2. O espaço da sua escola 3.º ano 1.º ano 1. Os seus itinerários 2.

A criação de gado no meio local 3. Realizar experiências com alguns materiais e objetos de uso corrente 2. A agricultura do meio local 2. Julho de 2011 Página 16 de 105 . Principais atividades produtivas nacionais 2. Realizar experiências com o som 6. Investigar sobre as construções de outras regiões ou países 4.º ano 1. Realizar experiências com o ar 3. A qualidade do ambiente Parede. Realizar experiências com a eletricidade 4.º ano 1.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2. A exploração mineral do meio local 6. Manusear objetos em situações concretas À descoberta das inter-relações entre a natureza e a sociedade 3. Manusear objectos em situações concretas 3. Realizar experiências com a água 3. Realizar experiências de mecânica 4. Realizar experiências com o ar 5. Realizar experiências com alguns materiais e objetos de uso corrente 2. A atividade piscatória no meio local 5. Manusear objectos em situações concretas 4. A indústria do meio local 7.º ano 1. A exploração florestal do meio local 4. O turismo no meio local 8. As construções do meio local 9. Realizar experiências com a luz 2. Realizar experiências com ímanes 3.º ano 1.º ano 1.

Utilizar diversos processos para referenciar os pontos cardeais (posição do Sol. . . Pedro do Estoril . utilizando a posição do observador como elemento de referência (exemplo: perto de/longe de. locais onde tenha vivido ou passado férias) ou relacionados com a comunidade (hospital.Observação e registo das posições do sol.Tratamento de dados na sala de aula Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 1 . utilizando diferentes processos de orientação.Localizar elementos naturais e humanos da paisagem do local onde vive. elementos naturais e humanos do meio local. textos… . bombeiros.Diálogo com os alunos sobre informação recolhida *Aquando da preparação desta visita há que considerar todas as metas onde se insere.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Localização no Espaço e no Tempo Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 1 . .Localizar. esquemas. em relação a um ponto de referência.Pesquisa de informação. na orientação. Gps .º Ano . em relação a um ponto de referência.Análise de mapas. .Localizar em plantas. à esquerda de/à direita de). fotografias aéreas e imagens de satélite. elementos naturais e humanos do meio local. bússola. gráficos. Parede. -Interpretação de imagens . em tabelas. imagens. em suporte de papel ou digital. utilizando diferentes processos de orientação. campo de jogos). *. escolas.Utilização de instrumentos de orientação: bússola.Diálogo com os alunos .Registo das observações. Julho de 2011 Página 17 de 105 .Análise de mapas da região . para identificação das posições do sol ao longo do dia.º Ano .Pesquisa de dados com a família . espaços familiares e ligados ao seu passado próximo (local de nascimento.Análise e uso de plantas: da escola. em frente de/atrás de.Identificar os pontos cardeais e utilizar para localizar elementos naturais e humanos do meio local e da região onde vive. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . mapas. da localidade (Parede) . Metas intermédias até ao 2. .Representação em plantas de itinerários . plantas . estrela polar). Metas intermédias até ao 4. maquetas.Visita ao Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal em S.Localizar. localização e deslocação na Terra.Diálogo com os alunos .Experiências com sombras ao ar livre.

a localidade. para localizar espaços e acontecimentos à escala local. . .Utilizar o globo terrestre e o planisfério para localizar lugares ou elementos naturais e humanos no Mundo (continentes.Identificar no mapa da localidade (Parede) espaços públicos. fazendo a respectiva descrição. utilizando símbolos na identificação de elementos de referência.Representar os de aula à casa de seus itinerários banho. o bairro.Utilizar mapas de diferentes escalas. . da sala . no mapa de Portugal. cidades. a legenda e a orientação. mapas. usando descrição plantas . assinalando elementos naturais e humanos. ruas espaços públicos. internet.º Ano . nas mesmas. e representar. utilizando o título. como fonte para a relação da ação humana com diferentes espaços e tempos. mapas online. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . a escola. a legenda e a orientação. nacional e mundial (exemplos: viagens e rotas da expansão portuguesa e eventos como os jogos olímpicos) Parede. .Desenhar mapas mentais de espaços do seu quotidiano. o concelho em relação à região onde vive. para localizar a casa.Usar a bússola e a rosa dos ventos para desenhar mapas da localidade.º Ano . como fonte para a relação da ação humana com diferentes espaços e tempos. lugares. em suporte de papel ou digital e o GPS. Metas intermédias até ao 2. .Ler formas simplificadas de representação cartográfica com diferentes escalas. eventos.Numa planta simplificadas da simplificada da escola. Metas intermédias até ao 4. . Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 2 .Localizar no mapa do mundo: Portugal.Utilizar representações cartográficas de várias escalas. etc. lugares. utilizando o título. acidentes geográficos.Ler formas simplificadas de representação cartográfica com diferentes escalas. planisfério.Desenhar e identificar nos mapas. elementos naturais e humanos. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . etc. . rios. elementos naturais e humanos. nas mesmas.Usando a planta . em plantas simplificadas do seu meio ou de outras localidades.Elaborar itinerários quotidianos e outros itinerários. acontecimentos. . as fronteiras marítimas e terrestres . etc e elaborar as respectivas legendas.Localizar no mapa de Portugal: Cidades. a freguesia.Pesquisar em livros. rotas e factos históricos. localidade zona (Parede) identificar locais e criar e assinalar itinerários.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 2 .Usar o globo. . Julho de 2011 Página 18 de 105 . etc) e com desenhos e fazer a sua pinturas. cadeias montanhosas).Representar com cores. países.Identificar em da escola criar plantas ou mapas itinerários (da diversos locais e sala de aula ao funções refeitório. e representar.

e d. etc. aniversários. milénio. revistas.Desenhar escolares. 1498.Estimar a distância temporal e /ou intervalo entre acontecimentos (exemplo: a implantação da República ocorreu há cem anos). personagens e factos significativos associados à História local e nacional (exemplos: 1143. posterior. por ordem cronológica. . . datas. datas. elementos de . semana. etc.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 3 . semana. dia. Julho de 2011 Página 19 de 105 .Elaborar cartaz .Utilizar diferentes unidades/convenções temporais e situa no tempo rotinas. chegada de Vasco da Gama à Índia. Metas intermédias até ao 2. aniversários. estações do ano e utiliza o relógio e o calendário na medição do tempo. ano. 1910. eventos e personagens da História e das comunidades atuais. aniversários.Sequencializar momentos de um relato (reconto de uma história). fontes icónicas e objectos e estabelecer relações de anterioridade. século. . etc. calendários. praticados ao utilizando longo do dia.Utilizar diferentes unidades de tempo: dia.Sequencializar. Metas intermédias até ao 4.Identificação no identificação dos calendário de conceitos: factos relevantes. ano (comum ou bissexto). implantação da República. simultâneo. visitas de estudo. levem à . década. em livros.Elaboração de identificação. etc. mês. mês.Pesquisas de eventos e acontecimentos.Analise e .Identificação no calendário de factos relevantes. posterioridade e simultaneidade (antes de.Elaboração de calendários .º Ano . tratado de Zamora. visitas de estudo. e as referências temporais a. eventos e personagens da História e das comunidades atuais. acontecimentos . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . visitas desejos e de estudo.Interpretação de dos aniversários calendários . acontecimentos escolares.º Ano . . jornais. Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 3 . C.C. aspirações para um futuro próximo Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . Parede. anterior. online.Reconhecer diferentes unidades de tempo do sistema convencional de medição: hora.Utilizar diferentes unidades/convenções temporais e situar no tempo rotinas. . 25 de Abril de 1974).Através de Promover a imagens apresentação dos descrever a alunos aos sucessão de atos colegas.Dramatizar elaboração de situações que calendário. acontecimentos escolares. ao mesmo tempo que).Identificação no calendário de factos relevantes. datas. depois de. .

com história da família. quer de tempo linear (relacionadas com datas e marcos importantes da sua vida . o dia. circulares.Natal. Páscoa.Construir linhas de tempo relacionadas com rotinas e datas significativas para a história pessoal.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 4 . .aniversários.Construir linhas de tempo relacionadas com rotinas e datas significativas para a história pessoal. quer circulares e/ou lineares (relacionadas com rotinas diárias. Metas intermédias até ao 4. Carnaval.Construir diferentes linhas de tempo (lineares: verticais ou horizontais. . local e nacional.º Ano . em zigzag…) relacionadas com datas e factos significativos da história pessoal. dia da árvore. Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 4 . festas. local e nacional. a semana.Construção de frisos cronológicos. tempo cíclico e momentos do dia: manhã.e da comunidade .Construção do álbum de vida do aluno . dia da criança. Julho de 2011 Página 20 de 105 . e outras festas de outras culturas. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Construir diferentes linhas de tempo.Construção de linha de factos históricos. em espiral. Parede. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . cerimónias . tarde e noite.Construção de linha do tempo relativo à sua vida.Pesquisa de factos importantes da sua vida. local e nacional. festas locais). Metas intermédias até ao 2. as estações do ano).º Ano .

reconhecendo diferentes ritmos (mudança gradual ou de ruptura) e direções (progresso. roupa. .Construir tabelas de crescimento 2º Ano . .Associar aspetos de mudança a um progresso linear.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de Aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 5 . . reconhecer diferentes ritmos (mudança gradual ou de ruptura) e direções (progresso. industrias. local e nacional. permanência. ciclo. em simultâneo. transportes.Utilizar fotos do aluno . simultaneidade).Analisar tabelas Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . no vestuário.º Ano . localidade (Parede) . simultaneidade). . gradual ou de ruptura (exemplos: ordena imagens sobre a evolução dos transportes. momentos chave na sua vida: a entrada na escola).Elaboração de um cartaz com as várias bandeiras de Portugal . Metas intermédias até ao 2. da vida numa cidade e numa aldeia). a evolução. Metas intermédias até ao 4. população. 1º Ano . o mais velho o mais novo.Identificar mudanças e permanências ao longo do tempo pessoal.Vista de estudo ao museu da cidade de Lisboa Parede.Utilizar a linha do tempo do aluno .Análise de gráficos.Comparação dentro da turma o mais baixo/ o mais alto. local e nacional. imagens. Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 5 .Construir linhas de tempo: transportes. . permanência. ciclo.Identificar diferenças e semelhanças entre o passado e o presente quanto a recursos materiais. tecnológicos. incluindo o do próprio.Reconhecer diferentes ritmos e direções de mudança em realidades diversas (por exemplo. Julho de 2011 Página 21 de 105 . ao nível da comunidade local e nas comunidades de origem (exemplo: Sequencializar imagens do mesmo espaço em diferentes períodos). mudanças na distribuição das atividades económicas. económicos e sociais (exemplos: mudanças nos símbolos nacionais. .Pesquisa das datas de aniversário.Análise de imagens antes / depois . etc.Reconhecer mudanças nas culturas e tradições ao longo dos tempos.Análise de fotos.º Ano .Identificar mudanças e permanências ao longo do tempo pessoal. evolução das comunicações. e também parecenças/semelhanças com familiares). mapas. etc. nos brinquedos e brincadeiras). .Identificar mudanças e permanências comparando sociedades no passado e no presente (“o antes” e “o agora” nos transportes. identificando as fases da vida como um processo de mudança (mudanças em si próprio e características que se mantêm. na habitação.Reconhecer a existência de mudanças e permanências nos percursos de vida. permanência da importância das cidades do litoral apesar de modificadas).Construir tabelas de crescimento . .Assistir a filmes online sobre a Parede no antigamente .

Desenho de mapas ou locais após descrição dos mesmos .Pesquisa de . monumento).Construir mapas mentais de lugares reais ou fictícios. a relação com a ação humana ao longo dos tempos.Análise de fotos.Dramatização de situações .º Ano . rua. livros.Analisar imagens de lugares desconhecidos. etc. Metas intermédias até ao 2.Pesquisa de informação sobre informação a comunidade online.Desenho de mapas ou locais após descrição dos mesmos Meta Final 6 .Caça ao tesouro na escola . 2º Ano . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . Julho de 2011 Página 22 de 105 . praça.Reconhecer.Pedir aos alunos que tirem fotos da localidade e que sozinhos ou em grupo façam uma apresentação à turma Parede. Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal Meta Final 6 . na sua representação do espaço. próximos ou distantes no tempo e no espaço. Metas intermédias até ao 4. jornais local. revistas. filmes e mapas . .º Ano . na sua representação do espaço.Pesquisa na antigos e localidade.Reconhecer. recentes comparando-os .Associar a ideia de espaço a diferentes tempos (exemplo: identifica marcas de diferentes épocas numa localidade. a relação com a ação humana ao longo dos tempos.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Propostas de Operacionalização Metas de aprendizagem Subdomínio: Localização/Compreensão Espacial e Temporal 1º Ano .

Levar os alunos para a rua em diversas horas do dia e observar a posição do sol e das sombras. Metas intermédias até ao 2. . a constituição do Universo e a constituição do sistema solar.Descrever o movimento aparente do Sol registando o tamanho e orientação das sombras ao longo do dia. Julho de 2011 Página 23 de 105 . etc.º Ano . em termos gerais.Construção de modelo do sistema solar. . Parede. Terra e sol. e que sozinhos ou em grupo façam uma apresentação à turma. livros.Identificar elementos que integram a constituição do universo (estrelas. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Descrever. com o próprio corpo e /ou com objetos. do ano e em diferentes estações do ano. . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano ..Construção de tabelas de observação da posição do sol ao longo do ano.Observação e registo da posição da luz (sol) em relação à lua e à terra.. explicando a importância do Sol para a vida na Terra.Descrever. galáxias. em termos gerais.) nomeando a sua galáxia. em jornais. -Assistir a filmes sobre o sistema solar.Desenhar o sistema solar . .º Ano . .. a constituição do Universo e a constituição do sistema solar.Indicar o Sol como a fonte de luz e calor para a Terra e verifica as suas posições ao longo do dia. .Através da experimentação levar os alunos a entender que na luz há calor e na sombra há frio.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 7 .Desenhar com giz no chão os vários momentos de observação A Terra no Espaço: Universo e Sistema Solar Metas de aprendizagem A Terra no Espaço: Universo e Sistema Solar Meta Final 7 .Distinguir estrelas de planetas e simular em modelos (físicos e informáticos) o seu posicionamento / dinâmica.Pedir aos alunos que pesquisem online. Metas intermédias até ao 4. .Identificar no desenho os vários elementos do sistema solar . Exemplo: Cada grupo apresenta um planeta ou corpo celeste..Construção de modelo: lua. explicando a importância do Sol para a vida na Terra. revistas. .

.Construção de tabelas de observação.Construção de tabelas com as características dos planetas. com base em representações. Metas intermédias até ao 2.Considera-se que as propostas de actividade na meta 7 podem ser estendidas para desenvolver os objetivos desta meta.Descrever a forma e os movimentos da terra e da lua. .Descrever a forma e os movimentos da terra e da lua. . precipitação.Descrever.Visita ao Centro de Interpretação Ambiental da Pedra do Sal em S. a partir da análise de evidências diversificadas. ao longo do ano. a existência dos movimentos da rotação e translação da Terra. e representa a lua nas diversas fases. globos e planisférios. a partir de evidências diversificadas: sucessão dia e noite e estações do ano. -Pesquisa sobre os vários planetas. .º Ano .Análise de imagens e vídeos Metas de aprendizagem Localização e Compreensão Espacial: a Terra no Sistema Solar Meta Final 8 . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . ondas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Localização e Compreensão Espacial: a Terra no Sistema Solar Meta Final 8 . Julho de 2011 Página 24 de 105 .º Ano . águas correntes. .Análise de tabelas construídas.. com base na observação de modelos. . Metas intermédias até ao 4. reconhecendo a forma como moldam a superfície da Terra. .). consequências dos movimentos de rotação e translação da Terra.Identificar.Identificar os diferentes agentes erosivos (exemplos: vento.Usar mapas.Identificar. * .. explicando fenómenos como as estações do ano. a forma do planeta Terra. ..Identificar. Pedro do Estoril Parede. explicando fenómenos como as estações do ano.

que sozinhos ou em grupo façam .Construção do quadro do tempo. jornais e de relevo.Comparar as formas de relevo. etc.Visita de estudo Sobre os temas: pela zona: Serra rios. Julho de 2011 Página 25 de 105 . em livros. mapas. cabo da acidentes Roca e Cascais geográficos.Pedir aos alunos respetiva legenda que pesquisem onde constem as online. . Metas intermédias até ao 4.Referir os estados de tempo mais frequentes na região em que vive relatando as implicações no seu quotidiano.Elaborar cartazes para cada estação. apresentação à turma. Metas intermédias até ao 2. de Sintra. imagens e vídeos. da temperatura e da nebulosidade a estados de tempo típicos de cada estação do ano. relativo à visita de estudo Parede. cartaz.Associar o comportamento conjugado da precipitação.Analisar os gráficos Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 9 . serras.Construção do quadro do tempo .º Ano . utilizando vocabulário adequado. . utilizando vocabulário adequado. etc.Descrever e comparar elementos físicos e humanos de lugares e regiões.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Conhecimento do Meio Natural e Social Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 9 . .º Ano . .Elaboração de: relatório. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . . os rios e o povoamento da região onde vive com os de outras regiões do país.Descrever e comparar elementos físicos e humanos de lugares e regiões. com as características próprias da mesma .Construção de maqueta e . para observação local dos vários .Análise de tipos de relevo. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .No final da cada mês elaborar gráficos com os dados obtidos no quadro do tempo.Análise de reportagem. diversas formas revistas. utilizando vocabulário adequado. .Análise de uma vídeos e imagens.

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 10 - Distinguir diversas formas de uso do solo, identificando semelhanças e diferenças entre lugares e regiões. Metas intermédias até ao 2.º Ano - Identificar diferentes tipos de uso do solo (habitação, comércio, lazer …), assinalados em itinerários percorridos na sua localidade, e referir semelhanças e diferenças relativamente a usos do solo observados em itinerários percorridos por outras pessoas.

Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano - Analisar e construir itinerários - Análise de fotos, imagens, mapas, etc. - Construir e analisar itinerários - Com recurso à planta da zona (Parede) identificar instituições, utilização do solo, áreas de comercio, habitação, lazer,etc.

Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 10 - Distinguir diversas formas de uso do solo, identificando semelhanças e diferenças entre lugares e regiões. Metas intermédias até ao 4.º Ano - Descrever diversas formas de uso do solo da sua região (áreas agrícolas, florestais, industriais ou turísticas) e compara-as com as de outras regiões do país.

Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano - Análise de mapas, plantas, imagens, de várias regiões de Portugal. - Pedir aos alunos que pesquisem online, em livros, revistas, jornais e que sozinhos ou em grupo façam uma apresentação à turma. Sobre os temas: agricultura, comercio, industria, serviços, etc.

Parede, Julho de 2011

Página 26 de 105

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 11 - Caracterizar elementos naturais e humanos de lugares e regiões através de recolha e mobilização adequada de informação. Metas intermédias até ao 2.º Ano - Descrever elementos naturais e humanos do lugar através da recolha de informação.

Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano - Pesquisa de informação online, livros, jornais, etc. - Pesquisa de informação online, livros, jornais, etc.

- Análise de fotos, imagens, mapas, etc.

- Análise da informação recolhida: fotos, imagens, mapas, etc.

Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 11 - Caracterizar elementos naturais e humanos de lugares e regiões através de recolha e mobilização adequada de informação. Metas intermédias até ao 4.º Ano - Mobiliza informação recolhida sobre fenómenos geográficos (exemplos: cursos de água, serras, áreas funcionais; ocupação do espaço agrícola; atividades industriais; qualidade ambiental) na descrição de lugares e regiões.

Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano - Elaborar um cartaz com: as principais formas de relevo; rios; acidentes geográficos da região: Parede, Cascais, Lisboa. - Considera-se que as propostas de actividade nas metas 9 e 10 podem ser estendidas para desenvolver os objectivos desta meta.

Parede, Julho de 2011

Página 27 de 105

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Propostas de Operacionalização Metas de aprendizagem 1º Ano Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 12 - Interpretar a realidade natural, humana e social, a partir de questões geográficas, históricas e sociais, sobre a realidade observada. Metas intermédias até ao 2.º Ano - Descrever diferentes paisagens, com base na observação direta e indireta, realçando aspectos naturais e humanos. - Formular questões de natureza geográfica, histórica e social sobre as características naturais e humanas de lugares (onde? como? porquê? foi sempre assim?). 2º Ano

Análise de: fotografias, imagens, etc.

Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 12 - Interpretar a realidade natural, humana e social, a partir de questões geográficas, históricas e sociais, sobre a realidade observada. Metas intermédias até ao 4.º Ano - Seleccionar informação sobre problemas ambientais e sociais (trânsito, resíduos sólidos urbanos, a pobreza, poluição da água…). - Formular, a partir da informação obtida, questões de natureza geográfica, histórica e social que sustentam a procura de explicações fundamentadas para as questões suscitadas.

Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano - Pedir aos alunos - Análise de, que pesquisem e fotografias, que sozinhos ou imagens, vídeos, em grupo façam etc. uma apresentação - Debate e sobre os vários escolha de problemas soluções para os ecológicos da sua problemas sociais região. e ecológicos abordados. - Análise de fotografias, imagens, vídeos, etc.

Parede, Julho de 2011

Página 28 de 105

Interpretar fontes diversas e. com base nestas e em conhecimentos prévios. local. (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Metas de aprendizagem Subdomínio: Conhecimento dos Lugares e das Regiões Meta Final 13 .Analisar diferentes fontes de conhecimento histórico com linguagens diversas e com estatutos diferentes (exemplos: documentos legais. fotografia pessoal) e na construção do conhecimento do passado pessoal e familiar. local.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Utilização de Fontes de Informação Meta Final 13 . identificando alguns aspectos consensuais e divergentes. .º Ano .Distinguir fontes com linguagens diversas (exemplos: orais. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Reconhecer a função de fontes documentais na identificação pessoal (exemplos: registo de nascimento. fontes privadas e públicas).Construir conhecimento sobre o passado familiar. livros. revistas. etc.Levar os alunos a entrar em contacto com várias fontes de informação. . fotografias pessoais.Usar jornais. . local.º Ano .Interpretar o sentido global das fontes com estatutos diferentes (cartas familiares. boletim de vacinas.Realizar inferências válidas sobre o passado a partir de fontes diversas. mapas. . etc. . revistas.Levar os alunos a entrar em contacto com várias fontes de informação. produzir informação e inferências válidas e pertinentes sobre o passado pessoal e familiar. cartão do cidadão.Interpretar fontes diversas e. Julho de 2011 Página 29 de 105 . produzir informação e inferências válidas e pertinentes sobre o passado pessoal e familiar. para elaborar trabalhos de grupo e de pesquisa individual. pesquisando e selecionando fontes.Comparar fontes com diferentes mensagens. textos online. escritas. (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Parede. Metas intermédias até ao 2. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Analisar os documentos pessoais: Boletim de vacinas. nacional e europeu. regional e nacional no contexto europeu. cartão de cidadão. Metas intermédias até ao 4. (meta a ser trabalhada ao longo do ano) . nacional e europeu. outras). com base nestas e em conhecimentos prévios. iconográficas. fotos. documentação pessoal) relevantes para a compreensão gradual do seu passado pessoal e familiar. .

tendo em conta diversas modalidades de família existentes na sociedade actual. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano Construir árvore . na escola. comunidade. Metas intermédias até ao 2. nacional e europeia relativamente ao passado próximo e ao passado mais longínquo. figuras da história local e nacional). da sua família. da sua família. Metas intermédias até ao 4. comunidade.Sistematizar conhecimentos de si próprio. batalhas.Revelar conhecimento de si próprio ao nível da sua identificação e filiação. Descrever de forma estruturada ações e atividades passadas com amigos e familiares em diferentes contextos (exemplos: festas. concessão de forais.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 14 . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Sistematizar conhecimentos de si próprio. nacional e europeia relativamente ao passado próximo e ao passado mais longínquo. história local. no dia-a-dia) e lugares (exemplos: em casa.Estabelecer relações de parentesco (direto e colateral) até à 3. e relacionar graus de parentesco (direto e colaterais) até à terceira geração. Parede. .Pedir ao aluno reconhecer os para descrever o nomes dos seus que fez nas familiares diretos férias.Dramatização genealógica de acontecimentos históricos. lendas. fim de semana.Descrever aspetos significativos da história pessoal e familiar.º Ano . da história local.º Ano .Construção de frisos históricos .ª geração e construir árvores genealógicas (exemplos: árvore genealógicas de geração. etc. esquemas genealógicos e árvores de costados).Fazer resumos de acontecimentos históricos. . (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 14 . férias. Julho de 2011 Página 30 de 105 . na rua). história local. nacional no contexto europeu (exemplos: origem da povoação.Pesquisar e .

Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . tendo em conta o contributo dos diversos patrimónios e culturas para a vida social.Vistas de estudo: Mosteiro de Alcobaça.Análise de imagens: certo / errado. -Pesquisar e descrever usos e costumes de outros povos . o que quero ser quando for grande. presente e futura.Escrever a suas aspirações e desejos. cinema.º Ano . .Dramatização de situações de situações relativas à vida relativas à vida em sociedade.Fazer resumos e imagens de de factos outros povos. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 15 . pontes. europeu.Desenhar aspirações e desejos. atitudes corretas e atitudes erradas . Reconhecer elementos do seu passado próximo pessoal. Mosteiro da Batalha. tendo em conta o contributo dos diversos patrimónios e culturas para a vida social. paço ducal de Vila Viçosa. atitudes corretas e atitudes erradas .Debater factos históricos. Metas intermédias até ao 2. Conímbriga. . o que quero ser quando for grande. . Por exemplo: o que quero fazer nas próximas férias. em sociedade. familiar e mais longínquo. leitura).Identificar e valorizar o património histórico .º Ano .Relacionar aspectos da vida em sociedade e reconhecer regras de convivência social.local.analisar vestígios materiais do passado (edifícios.Relacionar o presente com o passado histórico nacional e projecta algumas possibilidades futuras a nível pessoal e coletivo (exemplo: imaginar a vida daqui a 10 anos a partir das condições do presente e tendo em conta o passado). .Interpretar a existência de diferentes povos e culturas. nacional. . distinguir alguns dos seus motivos e identificar consequências dessas situações. Projectar acções num futuro próximo (exemplo: o que vou fazer amanhã) ou longínquo (exemplo: quando for adulto). mundial .Reconhecer e respeitar identidades sociais e culturais à luz do passado próximo e longínquo. . moinhos e estátuas). templo de Diana. ou que conheça por outras vias .Dramatização . descrever os seus costumes e tradições e respeitandoos (Exemplo: minorias étnicas que possam existir na sua localidade ou bairro.Descrever ações de diversos intervenientes na história nacional em situações de interacção pacífica ou de tensão/conflito.Analisar vídeos . .Assinalar no calendário efemérides. . de respeito pelos outros e de diálogo. Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 15 . . símbolos e efemérides. Julho de 2011 Página 31 de 105 . costumes. viagens. Metas intermédias até ao 4. históricos.Análise de imagens: certo / errado.Reconhecer e respeitar identidades sociais e culturais à luz do passado próximo e longínquo.Dialogar e debater a importância da multicultural idade social e o respeito entre os povos. Por exemplo: o que quero fazer nas próximas férias.Escrita de textos sobre o futuro Parede. presente e futura. tradições.media.

naturalidade. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .º Ano . toponímia. árvore genealógica. monarquia. silvicultura. instituições.Dramatizações (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Parede. conceitos essenciais para a compreensão dos conteúdos explorados: identificação. habitação. exploração mineira. serviços. indústria.Pesquisas individuais (meta a ser trabalhada ao longo do ano) . república. vida quotidiana. migração.Análise de tabelas .Utilizar. culturas. emigração.Pesquisas individuais . tradições e costumes. pecuária. países lusófonos. temas e problemas explorados. Metas intermédias até ao 4. geração.Construção de gráficos. profissões. democracia. aglomerados populacionais. conceitos essenciais para a compreensão dos conteúdos explorados: filiação.Trabalhos de grupo . Metas intermédias até ao 2.Levar os alunos . feriados.Análise de tabelas . itinerários. descobrimentos. . estações do ano. meios de comunicação pessoal e social. Julho de 2011 Página 32 de 105 . geração. brasões e hinos).Levar os alunos a entrar em contacto com várias fontes de informação.Resumos históricos .Análise de tabelas . família. inter-geracional. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . parentesco. União Europeia. comércio local. calendário. de forma integrada e transversal. informação.Mobilizar e integrar vocabulário e conceitos substantivos específicos dos diferentes conteúdos. localidade. . coletividade. símbolos locais.Mobilizar e integrar vocabulário e conceitos substantivos específicos dos diferentes conteúdos. .Levar os alunos a entrar em a entrar em contacto com contacto com várias fontes de várias fontes de informação. graus de parentesco. imigração. atividade piscatória. convivência social. estatuária.Construção de gráficos. serviços.º Ano .Utilizar.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 16 . . meios de transporte. nacionalidade. expansão marítima. apelido.Construção de gráficos. sectores de atividades. comércio. regionais e nacionais (bandeiras. agricultura. temas e problemas explorados.Trabalhos de grupo . minorias. (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 16 . de forma integrada e transversal.

Desenhar alguns serviços. actividades no .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Propostas de Operacionalização Metas de aprendizagem Meta Final 17 .Visita de estudo a alguns serviços na Parede: Bombeiros. Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Metas de aprendizagem Subdomínio: Compreensão Histórica Contextualizada Meta Final 17 .Pedir a alguns pais que venham à escola explicar a sua profissão . quinta ou online. autarquias. 2º Ano .Identificar diferentes técnicas associadas a várias atividades em diferentes tempos e relaciona algumas delas com os recursos naturais e a ação humana (exemplos: técnicas agrícolas. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . etc.Construção de em grupo façam um mapa com um álbum sobre distribuição das cada atividade.Reconhecer diferentes instituições e serviços na comunidade (exemplos: serviços de saúde. em livros.Dramatização de situações relativas às profissões . bancos. correios. Metas intermédias até ao 4. em livros. mapas. bancos. comercio. 1º Ano . igreja. jornais e que sozinhos ou . revistas. junta de freguesia.Reconhecer a diversidade na organização da vida em sociedade ao longo dos tempos e a sua relação com as condições naturais. etc.Pedir aos alunos .Análise de imagens.º Ano . .Identificar serviços num mapa . jornais e que sozinhos ou em grupo façam uma apresentação à turma. porto de mar revistas. Parede. correios.Análise de que pesquisem imagens.Dramatização de situações relativas aos serviços: hospital. etc. organizações religiosas) e atividades e funções de alguns membros da comunidade (exemplos: profissões). . vídeos. Julho de 2011 Página 33 de 105 . online.º Ano . Metas intermédias até ao 2.Reconhecer a diversidade na organização da vida em sociedade ao longo dos tempos e a sua relação com as condições naturais.etc. vídeos. indústria.Visitar uma que pesquisem fábrica. serviços.Pedir aos alunos . vídeos. Sobre os temas: agricultura. etc. .Análise de imagens. pessoas relativas a cada atividade.Entrevistar país. piscatórias). etc. .

oralmente e por escrito.Manifestar conhecimentos e sentimentos relacionados com vivências no seu meio próximo e distante.Cinema . Metas intermédias até ao 2. através de expressões diversas (exemplos: desenho.Pinturas .Expressar os seus conhecimentos e pontos de vista sobre o presente e o passado. produzindo pequenos textos.Pesquisas . participar em debates e diálogos organizados para esse fim. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Cinema .Escrita de textos . dramatização. . cinema. e com fenómenos naturais da actualidade ou do passado. em Portugal e no mundo.Trabalhos de grupo (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Desenhos Parede.Dramatizações . no presente e no passado.Debates .º Ano . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . outras). concepções e questões sobre o meio. Metas intermédias até ao 4. no presente e no passado.Escrita de textos (meta a ser trabalhada ao longo do ano) Metas de aprendizagem Subdomínio: Comunicação de Conhecimento sobre o Meio Natural e Social Meta Final 18 . através de expressões culturais diversas. Julho de 2011 Página 34 de 105 .Utilizar adequadamente diversas formas de comunicação e expressão relacionadas com o meio natural e social. no presente e no passado. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Comunicação de Conhecimento sobre o Meio Natural e Social Meta Final 18 .Desenhos .Utilizar adequadamente diversas formas de comunicação e expressão relacionadas com o meio natural e social. pintura.Dramatizações .º Ano . em suportes diversos.Pinturas .Identificar e comunicar conhecimentos.Desenhos .Usar a língua portuguesa para comunicar os seus conhecimentos. no presente e no passado. conceções e sentimentos relacionados com culturas de lugares e tempos atuais e distantes.

Metas intermédias até ao 4. Metas de aprendizagem Subdomínio: Comunicação de Conhecimento sobre o Meio Natural e Social Meta Final 19 .Comunicar por escrito.Apresentar trabalhos em trabalhos em PowerPoint PowerPoint . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . comunicar e debater conhecimentos sobre o meio natural e social. ideias e conhecimentos relativos a lugares. utilizando as TIC como recurso.Apresentar . Parede. Julho de 2011 Página 35 de 105 . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . comunicar e debater conhecimentos sobre o meio natural e social.Publicar textos informativos na página da escola.Gravar apresentações dos trabalhos e publicalas na página da escola. em espaços digitais de debate e divulgação sobre questões ligadas ao meio natural e social (exemplos: participar ou construir blogs e webquest e editar podcast).Comunicar e participar. utilizando as TIC.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Comunicação de Conhecimento sobre o Meio Natural e Social Meta Final 19 . ao seu nível de saber. regiões e acontecimentos estudados. ou por imagem e som.º Ano . . Metas intermédias até ao 2.Publicar pequenos textos na página da escola. .Publicar desenhos e fotos na página da escola . utilizando as TIC como recurso.Estruturar.Publicar textos informativos na página da escola.Publicar desenhos e fotos na página da escola .Estruturar.º Ano .

Por exemplo: Era Por exemplo: Era uma vez a vida. Metas intermédias até ao 2. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . e relacionar características fisionómicas de membros da mesma família. Julho de 2011 Página 36 de 105 . uma vez a vida.Análise de fotografias da família .Assistir a vídeos que descrevam que descrevam processos vitais. .Sistematizar as modificações ocorridas no seu corpo.Análise de imagens. Registando as suas conclusões. Explicar a função dos ossos. processos vitais. dos músculos e da pele.Descrever os sistemas vitais (digestão.Análise de fotografias da família Metas de aprendizagem Meta Final 20 . Identificar a função reprodutora/sexual. . .Assistir a vídeos . . explicar as funções principais de órgãos constituintes. explicar as funções principais de órgãos constituintes. Parede.º Ano .que existe na escola. altura.Na aula de expressão física ou motora levar os alunos a compreender quais os músculos utilizados nos diversos exercícios. bem como as funções vitais de sistemas humanos.Fazer cópia dos sistemas em papel vegetal.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Viver Melhor na Terra Meta Final 20 .Desenhar os sistemas e respectiva legenda.Sistematizar as modificações ocorridas no seu corpo. fotos. e relacionar características fisionómicas de membros da mesma família. . Identificar características familiares transmitidas de gerações anteriores (exemplos: cor dos olhos e do cabelo). bem como as funções vitais de sistemas humanos. etc. pulsação e respiratório) explicar as funções que cada um deles desempenha no organismo. Subdomínio: Viver Melhor na Terra Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . em tamanho real . Metas intermédias até ao 4.Reconhecer modificações do seu corpo e dos outros (exemplos: queda dos dentes de leite e nascimento da dentição definitiva e mudanças na voz).º Ano .Efetuar medições e registos: peso. .Exploração do esqueleto.

com a luz e com o ar. borracha. festas da friso de escola. Subdomínio: Viver Melhor na Terra Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Experiências materiais desde a com lanternas.. o ar tem peso e detector de correntes de ar vertical”.Identificar características da luz relacionadas com os objectos: propagação em linha recta. prenda do dia . . plástico.Experiência onde se testa a permeabilidade dos materiais. afundamento). plástico.) verificando o comportamento de diferentes objetos em contacto com água (flutuação. etc. papel. .Descrever processos laboratoriais para fornecer diferentes evidências sobre o ar e a luz.. de todas as experiências *Atividade a ser desenvolvida no âmbito do projecto Ciência viva Parede. Experiências: “o ar existe.Experiências com vários materiais e objectos e água. vidro.Demonstrar pensamento científico (prevendo. transparência. capacidade para ser reciclado e ou reutilizado.* . barcos. etc. com balões.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 21 .Identificar e verificar propriedades de diferentes materiais. Metas intermédias até ao 2.Registo em tabelas das conclusões. . tecido. decomposição natural. natureza ao candeeiros. condições em que se manifestam e formas de alteração do seu estado físico. madeira. . papel. e manipula pequenos dispositivos para fins específicos. . acontecimentos relacionado com o percurso dos . esvaziar.Registo em tabelas das conclusões.Distinguir materiais segundo as suas propriedades (exemplos: resistência. Usando os mais diversos .Reciclagem de várias vários materiais: características em actividades dos mesmos: concretas: metal. . madeira.Manusear vários materiais e materiais e objetos objetos Debatendo as ..Experiências materiais: folhas com vários de papel. de todas as experiências . vidros.Identificar a existência do ar.Construir um da mãe. Ao longo do ano: tecido. necessidade da luz para a visão dos objectos. Para testar: . dureza.º Ano .. do seu peso e a sua relação com o comportamento de objectos (exemplo: balões de ar quente e frio).Manusear vários . flexibilidade.Experiências Resistência. efeitos da incidência de luz em diferentes materiais.). reciclagem de vidro. relação luz-sombra. Prenda do dia do pai. produto final. Encher e dureza. materiais: madeiras.... transparência.. Julho de 2011 Página 37 de 105 . etc. associando à possibilidade de serem usados no fabrico de objectos (exemplos: utensílios de cozinha. experimentando. .).

Experiências com ímanes .Registo de dados em tabelas . . cronómetros.Identificar e descrever diferentes tipos de sons e suas fontes realizando atividades práticas de transmissão do som através de meios diferentes (sólidos.Registo de dados em tabelas Subdomínio: Viver Melhor na Terra . lupa de mão e binocular) e Construir alguns deles. alavancas. identificando as mudanças de estado que ocorrem. .. verificando a variação do número de imagens de um objecto em dois espelhos planos quando estes se associam de forma diferente. .Reconhecer.Descrever o ciclo da água. ..Manusear objectos e materiais diversificados.) . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . explicitando os diferentes factores (variáveis) que podem influenciar as características e fenómenos estudados.Experiências com espelhos . algumas das suas características (cor. Julho de 2011 Página 38 de 105 .Experiências com ímanes . . cheiro.Identificar e verificar propriedades de diferentes materiais. lupa.Evidenciar o uso correcto. textura. Parede..Criar tabelas de classificação. permeabilidade). balanças. .º Ano .). côncavo. de equipamentos (exemplos: termómetro.Manusear objectos e materiais diversificados. pressão atmosférica. Metas intermédias até ao 4. dissolução) de materiais/objectos diferentes na água e em outros líquidos e qual o efeito da variação de cada um deles. em amostras de rochas existentes no ambiente próximo. e manipular pequenos dispositivos para fins específicos.Identificar factores (variáveis) que podem influenciar o comportamento (flutuação / afundamento. .. .Descrever em que consiste a dissolução de um material em água e que este fenómeno é mais rápido quando o soluto se dissolve em menos tempo naquele solvente. estado físico. tais como: diferentes formas de precipitação atmosférica. termómetros.. de som e vídeo.Construção de uma coleção de rochas diversas .Simulação do ciclo da água e dos vários fenómenos.Experiência com água nos diversos estados . . origem mineral.Distinguir diferentes partes constituintes de diversos dispositivos (bússolas. gravador.. . segundo instruções fornecidas.Explicar o funcionamento de roldanas. em condições concretas. e participar em processos laboratoriais para a sua verificação.Demonstrar pensamento científico (prever. molas e pêndulos. atraídos / não atraídos pelo íman. . . textura. .. . . dureza…) e suas aplicações. . . vegetal ou animal. condições em que se manifestam e formas de alteração do seu estado físico.). . deslizamento de objectos ao longo de rampas de inclinação variável e revestidas com diferentes materiais.Identificar em situações do dia-a-dia ou laboratoriais fenómenos. convexo e cilíndrico.. planificar.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 21 .Criar tabelas de classificação.Identificar características da imagem de um objecto reflectida num espelho plano.Analisar materiais e organiza-los com base em critérios de classificação diversificados (exemplos: naturais ou manufacturados. organizando montagens adequadas. líquidos e gasosos). experimentar.Experiência de dissolução de vários materiais. máquina fotográfica.Indicar características de diferentes amostras de solo (cor.Experiências com espelhos .

º Ano . massa.Identificar a influência de alguns factores ambientais (água e luz) na germinação das sementes e reconhece a variação do tempo de germinação de sementes de espécies distintas.Registo e análise de dados em tabelas. que demonstrem o desenvolvimento de seres vivos.Identificar manifestações de vida (de animais e plantas. mesmo quando sujeitas a condições ambientais semelhantes. textura. . . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . . telemóvel.Distinguir a multiplicidade de formas. .Visita a uma quinta pedagógica.). brinquedo de corda.Análise de imagens. . características e transformações que ocorrem nos seres vivos ou parte deles (como as sementes). Julho de 2011 Subdomínio: Viver Melhor na Terra Página 39 de 105 . filmes. Parede..Distinguir a diversidade de sementes em função de algumas das suas características (exemplos: forma. Metas intermédias até ao 2.Caracterizar modificações que ocorrem nos seres vivos e relacioná-las com manifestações de vida.Criar tabelas de crescimento e desenvolvimento ..Identificar diferentes fontes de energia numa variedade de situações do dia-a-dia (exemplos: TV. e também nos materiais. calculadora solar. Exemplo: do ovo ao pinto. ..Demonstrar pensamento científico (prever. . tamanho.. . especialmente do seu meio) em diferentes fases do seu desenvolvimento e cuidados a ter ao longo da vida. . cor.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 22 .) explicitando as diferentes variáveis e factores ambientais que podem influenciar o crescimento de plantas e quais os efeitos da variação de cada um deles. gravuras. .Germinação de sementes variadas.). incluindo os que passam por metamorfoses. .. experimentar. da lagarta à borboleta. planificar..

Registo dos dados recolhidos. Subdomíni Subdomínio: Sustentabilidade o: Sustentabili dade Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano 1º e 2º Ano .Construção e utilização gráficos . . através da análise da de um cata-vento. .º Ano quadro do tempo.Relacionar a informação que se recolhe sobre as condições atmosféricas de um lugar ou região com os estados de tempo típicos das diferentes estações do ano. usando os gráficos mensais dados recolhidos no usando os dados Metas intermédias até ao 4.Utilização de típicos das diferentes estações.Construção e preenchimento diário do preenchimento diário quadro do tempo. um cartaz sobre a um cartaz sobre a sobre as condições utilização correta ou região com os estados de tempo típicos . termómetro.Análise dos registo diário dos elementos atmosféricos. mensais da água. …) no . informação recolhida. . volume de água recolhida). Subdomínio: Sustentabilidade Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Construção e . anemómetro. anemómetro. higrómetro. . pluviómetro.Análise dos gráficos vento.Análise dos gráficos. pluviómetro. . os estados de tempo .Relacionar a informação e sociais associados aquadroElaboração de do quadro de alterações atmosféricas de um lugar nos ecossistemas.Análise semanal e mensal do quadro do tempo. do quadro do tempo. termómetro. Parede. Julho de 2011 Página 40 de 105 .Construção e Meta Final 24 Meta Final 23 preenchimento diário do preenchimento diário Analisar problemas naturaisque se recolhe . Metas de aprendizagem .Usar alguns instrumentos (exemplos: do tempo.Elaboração de gráficos mensais usando os dados recolhidos no quadro do tempo. cata.Elaboração do tempo.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Meta Final 23 . recolhidos no quadro . .Elaboração de da eletricidade das diferentes estações do ano.ConstruçãoAno .Elaboração de gráficos utilização correta .Caracterizar. (exemplo: temperatura.do tempo.

. destruição das florestas e poluição com o esgotamento de recursos.Analisar problemas naturais e sociais associados a alterações nos ecossistemas. áreas litorais ou junto a grandes rios muito povoadas.Reconhecer a existência na Terra de grandes focos e vazios demográficos e que há fatores naturais e humanos que influenciam a distribuição observada (Exemplos: temperaturas muito elevadas no deserto. Metas de aprendizagem Meta Final 24 .Relacionar a necessidade de preservação dos ecossistemas com a promoção da qualidade de vida da comunidade local e que esta também está relacionada com a possibilidade de acesso a bens e serviços fundamentais.Analisar problemas naturais e sociais associados a alterações nos ecossistemas.Trabalho individual de pesquisa sobre as espécies ameaçadas .º Ano . Julho de 2011 Página 41 de 105 . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Elaboração de um cartaz sobre a utilização correta da água. Metas intermédias até ao 4.Trabalho individual de pesquisa sobre os vários problemas ambientais Parede. a extinção de espécies e alterações profundas na qualidade do ambiente. Subdomínio: Sustentabilidade Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Sustentabilidade Meta Final 24 .Relacionar desequilíbrios de consumo. ou muito baixas nos continentes gelados. .

Pedir aos alunos que pesquisem online. .Construção de ecopontos e respectiva utilização pelos alunos na sala de aula.Construção de ecopontos e respectiva utilização pelos alunos na sala de aula. aquática.Identificar problemas (exemplos: incêndios.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Sustentabilidade Meta Final 25 . revistas.. reutilização e reciclagem dos resíduos domésticos. jornais e que sozinhos ou em grupo façam apresentações e debates sobre problemas associados à ação humana. Julho de 2011 Subdomínio: Sustentabilidade Página 42 de 105 .. Parede. jornais e que sozinhos ou em grupo façam apresentações e debates sobre problemas associados à ação humana. campanhas de sensibilização. .) associados à acção humana geradores de desequilíbrios ambientais e conflitos sociais. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Identificar o valor da sua pegada ecológica discutindo práticas que contribuam para a diminuição desse valor.Propor e elaborar medidas com vista à sustentabilidade.Reconhecer a importância da preservação da biodiversidade e dos recursos para garantir a sustentabilidade dos sistemas naturais.Propôr medidas e acções ao seu alcance para solucionar problemas detectados no seu ambiente próximo (exemplos: recolha selectiva de resíduos..Reconhecer a importância da preservação da biodiversidade e dos recursos para garantir a sustentabilidade dos sistemas naturais. . .Construção de ecopontos e respectiva utilização pelos alunos na sala de aula.).... em diferentes regiões do planeta) reconhecidas como boas práticas com vista à sustentabilidade. . Metas intermédias até ao 4. em livros. Metas de aprendizagem Meta Final 25 . .º Ano . revistas. poluição atmosférica. reconhecer intervenções (individuais e comunitárias. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Pedir aos alunos que pesquisem online. em livros.

Identificar o papel de algumas indústrias na exploração e transformação de matérias-primas. Subdomínio: Sustentabilidade Metas intermédias até ao 4. e justifica a necessidade da poupança de água para a sua gestão sustentável. tendo em vista a sua gestão sustentável. inferindo a necessidade da sua gestão sustentável. e algumas das suas propriedades.Identificar a localização das grandes reservas de água doce no planeta. inferindo a necessidade da sua gestão sustentável. . usados na construção de casas ou de monumentos. através de pesquisa de diversas fontes.Debate sobre a informação recolhida Parede.Elaborar cartazes com o percurso dos materiais.Identificar objectos tecnológicos e as suas principais utilizações no meio familiar e em várias actividades económicas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Sustentabilidade Meta Final 26 .º Ano . distinguindo os que são naturais dos transformados.Pesquisa de informação online. usando o petróleo como fonte de energia. imagens. etc. transformação e aplicação de recursos naturais. e a necessidade de procura de energias alternativas. . etc. Metas de aprendizagem Meta Final 26 -Descrever o processo de exploração. livros. . . .Descrever recursos materiais.Análise da informação recolhida: fotos. transformação e aplicação de recursos naturais.Descrever o processo de exploração. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . utilizando imagens recolhidas pelos alunos. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . Julho de 2011 Página 43 de 105 . jornais. mapas. .

. com vista ao equilíbrio natural. locais públicos. mordeduras de animais. dos espaços de uso coletivo (Exemplos: habitação.Ilustrar algumas regras a aplicar na prestação de primeiros socorros (para.Descrever medidas de prevenção comunitárias relativas a minimização das consequências de alguns fenómenos naturais tais como sismos. Subdomínio: Sustentabilidade Metas de aprendizagem Subdomínio: Viver Melhor na Terra Meta Final 27 . escola. . Julho de 2011 Página 44 de 105 . do vestuário.Elaboração de guia com medidas de prevenção no caso de sismo. fracturas. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . cheias. hemorragias. a nível individual e comunitário. . por exemplo. verificação do prazo de validade dos alimentos). distensões). Parede.Reconhecer os perigos do consumo de álcool.Demonstrar conhecimento e aplicar normas e cuidados de saúde e segurança. com vista ao equilíbrio natural.º Ano . floresta) e de segurança anti-sísmica (prevenção e comportamentos a ter durante e depois de um sismo).Demonstrar conhecimento e aplicar normas e cuidados de saúde e segurança. a nível individual e comunitário.Elaborar . .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Dinamismo das Inter-relações Natural . .Elaboração de cartazes com regras de segurança e prevenção no caso de incêndios. rua). Metas intermédias até ao 2. . . .Trabalho individual ou de grupo. vulcões.Social Metas de aprendizagem Meta Final 27 .Identificar algumas normas de higiene ao nível da alimentação (Exemplos: importância da água potável.Utilizar diversos produtos para verificação do prazo de validade. .Identificar regras de prevenção de incêndios (por exemplo: nas habitações. Metas intermédias até ao 4. de pesquisa sobre os vários problemas sociais.Dramatizar situações que envolvam primeiros socorros. maremotos Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Elaborar cartazes com cartazes com normas de primeiros higiene. tabaco e outras drogas para a manutenção de uma vida saudável. socorros.Utilizar diversos produtos para verificação do prazo de validade. queimaduras solares. terramotos.Analisar e pintar imagens relativas aos primeiros socorros.º Ano .

não fazer ligações indevidas às tomadas de parede. .º Ano .. Julho de 2011 Página 45 de 105 .. em particular para fornecer iluminação. não tentar recarregar pilhas que não são recarregáveis.). não fazer ligações indevidas às tomadas de parede.Elaboração de guias com normas de segurança relativas ao uso da eletricidade. Metas de aprendizagem Meta Final 28 . .Explicar individualmente ou em grupo o funcionamento de um circuito elétrico. Parede. .Pesquisa das propriedades de alguns materiais.Classificar operacionalmente materiais / objectos em bons e maus condutores de electricidade. lâmpada e fios). fonte adequada e lâmpada em boas condições)... Subdomínio: Viver Melhor na Terra Metas intermédias até ao 4. . .Análise de vídeos online.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Sustentabilidade Meta Final 28 .º Ano .Explicar que a energia eléctrica pode ser usada de diferentes maneiras.).Construir um circuito eléctrico.Explicar como respeitar normas de segurança relativas ao uso da eletricidade (não fazer cortes em pilhas.Elaborar tabelas de classificação de materiais..Descrever o procedimento adequado para construir um circuito eléctrico simples (com uma pilha.Descrever o funcionamento de um circuito eléctrico e classificar operacionalmente os materiais como bons e maus condutores de corrente eléctrica. Metas intermédias até ao 2. segundo um desenho ou fotos.Elaborar cartazes com regras de segurança relativas ao uso da electricidade. .Reconhecer as condições que permitem que uma lâmpada acenda (circuito fechado. . identificando factores que podem influenciar o brilho da lâmpada num circuito eléctrico. não tentar recarregar pilhas que não são recarregáveis. .Descrever o funcionamento de um circuito elétrico e classificar operacionalmente os materiais como bons e maus condutores de corrente eléctrica. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .. .Analisar imagens de circuitos elétricos. aquecimento e para funcionamento de dispositivos . . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .Explicar como respeitar normas de segurança relativas ao uso da electricidade (não fazer cortes em pilhas.Classificar operacionalmente materiais / objetos em bons e maus condutores de electricidade.

assinalando elementos que evidenciam relações entre eles. onde constem atividades económicas. . áreas de residência/de férias. áreas de fornecimento de matérias-primas/ de transformação). áreas de fornecimento de matérias-primas/ de transformação).Reconhecer a existência de relações entre lugares e regiões (áreas de produção/de consumo.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Interelações entre Espaços Meta Final 29 . concelho.Análise da planta de Portugal. áreas de habitação/de trabalho. Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Interelações entre Espaços Meta Final 29 . expondo elementos que evidenciem a existência das mesmas. áreas de residência/de férias.Reconhecer a existência de relações entre lugares e regiões (áreas de produção/de consumo. . Parede.º Ano .Analisar a planta da sala de aula da escola.Identificar espaços de vivência com diferentes funções. (Exemplo: casa e escola) Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . Julho de 2011 Página 46 de 105 . Metas intermédias até ao 2. da sua casa. onde constem atividades económicas.Construção da planta da sua casa. expondo elementos que evidenciem a existência das mesmas.Análise da planta da localidade. áreas de habitação/de trabalho. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano .

º Ano . com expressão territorial. Parede. resultantes da acção humana. . antes e depois. . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . -Pesquisar e descrever os problemas da sua região. . resultantes da acção humana. e problemas. no meio local. . -Pesquisar e descrever os problemas da sua região. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . no meio local.Dialogar e debater a importância da conservação dos recursos.Referir problemas ambientais existentes na localidade ou na região. Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Inter-relações entre Espaços Meta Final 30 . e problemas. identificando algumas melhorias ou eventuais problemas. o uso racional dos recursos naturais e a preservação de espécies animais e vegetais.Reconhecer alterações na sua localidade e no território próximo.Detetar alterações nas características naturais do território. resultantes da acção humana.Descrever medidas locais e globais relacionadas com a conservação e melhoria do ambiente. fotos. identificando os seus aspetos positivos e negativos. fotos.Debate sobre a importância e preservação do equilíbrio natural. assinalando as diferenças observadas.Dialogar e debater a importância da conservação dos recursos. . seleccionando informação sobre possíveis acções.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Interrelações entre Espaços Meta Final 30 .Análise de imagens vídeos. com expressão territorial. identificando os seus aspetos positivos e negativos. pessoais e colectivas. propondo medidas. .Descrever e explicar a importância das reservas e parques naturais para a preservação do equilíbrio natural.Detetar alterações nas características naturais do território.Analisar vídeos e imagens da sua localidade.Analisar vídeos e imagens da sua localidade.Análise de imagens vídeos. Metas intermédias até ao 2. . Julho de 2011 Página 47 de 105 . que contribuam para a sua solução. Metas intermédias até ao 4. antes e depois.º Ano .

Julho de 2011 Página 48 de 105 . Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . participando na sua divulgação. manifestando o sentido de pertença e o respeito pela diversidade de culturas.Análise de fotos.º Ano . Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano .Referir elementos da sua identidade cultural. etc.Confrontar elementos da sua identidade com a de outros membros da comunidade. Metas intermédias até ao 2. imagens. . e respeitando as pertenças a outras culturas. desenvolvendo o seu sentido de pertença cultural. jornais.º Ano . contos). etc. . Parede. Metas intermédias até ao 4. etc. diferenciadores e comuns à identidade de membros de outras culturas.Referir elementos da sua identidade cultural.Recolha e elaboração de um livro de contos da região . etc.Pesquisa de informação online. Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Interrelações entre Espaços Meta Final 31 .Análise de fotos.Pesquisa de informação online.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Inter-relações entre Espaços Meta Final 31 . diferenciadores e comuns à identidade de membros de outras culturas. tradições. mapas. livros. músicas. jornais. livros.Identificar elementos da sua identidade cultural (exemplos: língua. vídeos. imagens. manifestando o sentido de pertença e o respeito pela diversidade de culturas.

.. . interior e exterior.Construção de um vulcão. Julho de 2011 Página 49 de 105 .Observação de um globo e do seu interior. interior e exterior.) com manifestações da dinâmica interna da terra. Propostas de Operacionalização 3º ano 4º ano . Metas intermédias até ao 4.º Ano Descrever os elementos e a estrutura interna da Terra analisando modelos globais. Propostas de Operacionalização 1º Ano 2º Ano . vulcões.Análise de um globo terrestre. Associar alguns fenómenos naturais (exemplos: sismos.Análise de rochas e elaboração de uma tabela classificativa...Análise de vídeos que demonstrem manifestações dos fenómenos naturais. . . . Identificar minerais constituintes de rochas da sua região considerando as suas propriedades físicas (dureza. de que identifica alguns elementos. Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Relações entre Espaços Meta Final 32 Explicar a dinâmica da Terra tendo em conta a multiplicidade de transformações que ocorrem no seu interior e exterior.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Metas de aprendizagem Subdomínio: Dinamismo das Relações entre Espaços Meta Final 32 Explicar a dinâmica da terra tendo em conta a multiplicidade de transformações que ocorrem no seu interior e exterior. brilho) e químicas (reacção em presença de ácidos) e referindo algumas utilizações dessas rochas.Análise de vídeos que demonstrem manifestações dos fenómenos naturais Parede.Análise de um globo terrestre.

O SOLO E OS SERES VIVOS 3.2. A água como solvente.1. 1.2.1. condiciona o fenómeno biológico. Variação dos fatores do meio – sua influência no comportamento dos animais. 1. Alimentação nos animais.1. 3.1.O conhecimento da VIDA na diversidade de formas e desenvolvendo-se nas mais variadas condições contribui para a compreensão da necessidade de proteger a Natureza. Reprodução nos animais. 3. 3. 2.3.3. Parede.1. importante componente dos seres vivos.5. 1.3.1.2. minerais e atividades humanas. AS ROCHAS.2.1. Conservação dos solos – a tecnologia e suas consequências. 1. Fatores que alteram a qualidade do ar.1.A qualidade dos materiais terrestres. Julho de 2011 Página 50 de 105 .3.5.1.2.3. Constituintes do ar – suas propriedades. Importância dos gases atmosféricos.1.3.3. DIVERSIDADE DE SERES VIVOS E SUAS INTERAÇÕES COM O MEIO 1.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2. 3.3.1.1.4.1. 1. A água. A CÉLULA – UNIDADE NA CONSTITUIÇÃO DOS SERES VIVOS 2. 3.1.3. 3. INTRODUÇÃO: ONDE EXISTE VIDA? PRIMEIRA ABORDAGEM AO CONCEITO DE BIOSFERA 1. A ÁGUA.5.Na multiplicidade de formas e de comportamento de seres vivos.2. IMPORTÂNCIA DO AR PARA OS SERES VIVOS 3.4.4.1.2.1. Génese dos solos. .2. IMPORTÂNCIA DA ÁGUA PARA OS SERES VIVOS 3. UNIDADE NA DIVERSIDADE DOS SERES VIVOS 2. 3. Alguns aspetos da morfologia das plantas sem flor. Variedade de formas e revestimentos do corpo. 3. 3.1. Alguns tipos de solos e suas propriedades.2. O AR. Alteração das rochas pelos agentes atmosféricos e biológicos. Distribuição da água na Natureza. Locomoção nos animais. A água e as atividades humanas. 1. Morfologia das plantas com flor.2. DIVERSIDADE NOS ANIMAIS 1.2. interferindo nas condições de vida dos organismos. . A qualidade da água. Rochas frequentes na região.3. 3. CLASSIFICAÇÃO DOS SERES VIVOS 3. Ciências da Natureza – 2º Ciclo 5º ANO TEMA ORGANIZADOR: TERRA – AMBIENTE DE VIDA . AS ROCHAS E O SOLO – MATERIAIS TERRESTRES 3. Comparação com outras rochas relativamente a algumas propriedades.1. DIVERSIDADE NAS PLANTAS 1.2.3. há a unidade de constituição e organização.2. 3. impondo características próprias ao ambiente. Rochas. 3.

Observação de um vídeo relativo às camadas da atmosfera.. hidrosfera e litosfera.Descrever a importância do papel da atmosfera terrestre para a vida na Terra (temperatura. Pretende-se que os alunos investiguem a constituição da atmosfera.). assim como recordem as funções que esta desempenha no planeta. tendo em conta as suas características. oliveira. Propostas de Operacionalização . Terra no Sistema Solar Meta final 1 – Estabelecer relações entre diferentes componentes e ambientes do Planeta e explicitar os seus contributos para a vida e o equilíbrio dinâmico da Terra.Nesta fase dar-se-á ênfase ao conceito de Biosfera. . atmosfera.Apresentação de imagens de plantas (cactos. tulipas. ..Relacionar as características de organismos e os ambientes onde vivem.Demonstrar pensamento científico (prever. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Terra no Espaço Subdomínio Metas Intermédias . hibernação dos ouriços e das rãs. Solicita-se aos alunos uma listagem de lugares onde há vida. Os alunos deverão fazer o registo das suas observações. carvalho. Os alunos deverão também verificar que os seres vivos adaptam-se aos diferentes ambientes.. No caso da andorinha. assim como introduzir à noção de habitat. Parede.). identificando os seus componentes fundamentais (litosfera. pinheiros. Julho de 2011 Página 51 de 105 . . etc. propõe-se a elaboração de um mapa com as rotas de migração.) verificando: a influência da variação de fatores do meio no comportamento de seres vivos.. estivação dos caracóis e crocodilos. experimentar.. biosfera). com apoio de imagens sugestivas. . Exploração destas imagens para se relacionar a morfologia das plantas e as características do ambiente onde vivem. humidade. e interagem com os outros componentes do planeta: atmosfera. Poder-se-á ainda relembrar a composição do ar e analisar a sua localização. Pretende-se que os alunos conheçam a diversidade de seres vivos (abordar o termo biodiversidade) e de ambientes existentes na Biosfera. composição. a relação entre a morfologia das plantas e as características de ambientes onde vivem. . Em cada lugar deverão ser referidos os seres vivos aí existentes e feita uma caracterização do espaço ocupado por cada ser vivo. especialmente animais. devendo ser referido lugares comuns (exemplo: praias) e incomuns (exemplo: cavernas).Resumir a constituição global da Terra.Investigar experimentalmente situações que evidenciem a interacção animaismeio: “As condições ideais para os caracóis” e “As condições ideais para as minhocas”. .Pesquisar as migrações das cegonhas e andorinhas. hidrosfera..

Investigar a importância da classificação biológica como modo de organizar e sistematizar a diversidade dos seres vivos. . onde sejam visíveis: diferentes tipos de revestimento.Explicar a mobilização de energia nas funções vitais dos animais.Visionamento de um filme. No domínio Viver Melhor na Terra. .Demonstrar pensamento científico (prever. subdomínio Terra no Sistema Solar.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Terra em Transformação Subdomínio Metas intermédias .Relacionar regimes alimentares dos animais com a variedade de comportamentos que apresentam. Plantas.Ilustrar a fotossíntese indicando as condições em que ocorre e os produtos resultantes.. analisa-se cada questão e sistematiza-se a informação. Será fornecido aos alunos um guião do filme onde constam questões relativas às temáticas em estudo.Analisar materiais e seres vivos (ou parte destes como os caules ou as sementes) e organizá-los com base em critérios de classificação diversificados (usando diferentes chaves dicotómicas). procedeu-se à operacionalização da segunda meta intermédia aqui enunciada.Realização de um trabalho de pesquisa.. experimentar.disponíveis na plataforma Moodle. Os alunos deverão registar as várias transformações ocorridas ao longo do desenvolvimento da cigarra e da rã. na página de Ciências da Natureza. Os alunos deverão escolher um dos animais que observaram no filme e procurar informações relativas à sua reprodução (tipo de reprodução e comportamento manifestado na época da reprodução). subdomínio Materiais. seus comportamentos e o tipo de ambiente em que se integram. .Explicar a necessidade do uso de critérios nos sistemas de classificação dos seres vivos (Reinos: Animal. Parede. . Protistas. Nesta fase far-se-á também exploração à forma do corpo dos animais. procedeu-se à operacionalização das quatro últimas metas intermédias aqui enunciadas.) verificando as relações entre as características e crescimento dos organismos e plantas e a diversidade de ambientes onde vivem.Descrever a diversidade de ambientes (ar.. ovíparos.. água e solo) e dar exemplos de seres vivos existentes em cada um deles. .. .Identificar relações entre a diversidade de seres vivos (a nível da locomoção.). revestimento do corpo. . Em plenário. de locomoção e de regimes e comportamentos alimentares. . Monera e Fungos).Identificar os tipos de reprodução dos animais (vivíparos. Propostas de operacionalização . .Observação de dois vídeos – Metamorfose da Cigarra e Metamorfose da Rã . .No domínio Terra no Espaço.. à exceção da temática relativa aos processos de tratamento de água. Julho de 2011 O que existe na Terra Página 52 de 105 . ovovivíparos). . .

Ex: células do epitélio da língua e da epiderme da cebola. agitação. Julho de 2011 Página 53 de 105 . . destilação.Privilegiando a observação direta.. verificando. no 4º ano de escolaridade. elas constituem um «instrumento» de trabalho universal. a locomoção.. caules e folhas quanto à sua localização e à forma (utilização de chaves dicotómicas)).Observação ao microscópio ótico de células animais e vegetais.Visita de Estudo ao Jardim Zoológico de Lisboa. efetuar classificações relativas aos reinos dos animais e das plantas. Realização de uma ficha de registo de observação – Estudo da Diversidade Animal -relativa ao animal anteriormente selecionado (caso esse animal não se encontre no ZOO poder-se-á escolher outro animal). . Nas aulas de Ciências da Natureza essas plantas serão analisadas e elaborar-se-á uma folha de registo para cada uma (identificar os órgãos que constituem uma planta e examinar as diferentes partes que os constituem. constituintes. Os alunos deverão indicar o habitat. É importante que os alunos desenhem o que observam. será sistematizada a informação. . experimentar.) verificando que fatores (temperatura. algumas classes de vertebrados e de artrópodes. Nesta fase dever-se-á dialogar com os alunos sobre a importância das plantas para o mundo vivo. façam a legenda e indiquem a ampliação. estudar as funções de cada órgão. O professor deverá salientar que. Deverá ainda ser relembrada a atividade prática – “Observação de seres vivos de uma infusão” realizada no âmbito do projeto Ciência Viva. Nas aulas de Formação Cívica os alunos deverão semear e plantar uma variedade de espécies vegetais e fazer a manutenção da horta pedagógica.Descrever a célula como unidade estrutural da constituição dos seres vivos (unicelulares e pluricelulares) e estabelecer semelhanças e diferenças entre as células de diferentes seres vivos. a forma do corpo. .Distinguir transformações químicas de transformações físicas através da existência ou não de alteração dos materiais envolvidos. a alimentação e a reprodução do animal em estudo. . massa.Utilizar corretamente instrumentos adequados na observação de células (lupas binoculares e microscópios). Parede.). O que existe na Terra Meta final 2 – Reconhecer e interpretar a diversidade de ambientes. o revestimento. . alguns deles essenciais para a vida.Utilizar reagentes e dispositivos laboratoriais em segurança respeitando normas de segurança. Primeiro. . etc. materiais e fenómenos existentes na Terra. Propostas de operacionalização . utilizado pelos cientistas para facilitar a comunicação e a transmissão dos conhecimentos.Enriquecimento da horta pedagógica existente na escola... compara-se as observações feitas: a infusão observada a «olho nu» e observada ao microscópio. a cor predominante. que permitam a identificação de alguns filos..Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias -Explicar a importância das plantas na manutenção da vida. Descrição das diferenças entre as células observadas (forma.). tamanho.. . através de atividades práticas. e de seguida repete-se a observação ao microscópio depois de se ferver a infusão – as observações realizadas podem conduzir à exploração dos processos de tratamento da água.Identificar tipos de transformações (químicas e físicas) dos alimentos ao longo do tubo digestivo Demonstrar pensamento científico (prever. Em plenário. classificar raízes..) podem influenciar o tempo de dissolução de diferentes materiais em diversos solventes e qual o efeito da variação de cada um deles..Explicar o ciclo da água. . filtração. com o apoio de chaves dicotómicas. estado de divisão. apesar do caráter não definitivo das classificações. as suas propriedades e processos de tratamento da água (decantação.. seres vivos.

Julho de 2011 Página 54 de 105 . A cada rocha deve ser atribuída uma cor. Através desta atividade chega-se à noção de erosão e conclui-se sobre a existência de agentes (água. Diálogo com os alunos sobre os fenómenos e as transformações que conduzem à formação das mesmas.. calcário) para serem analisadas quanto à constituição. especialmente na litosfera. seres vivos. Parede. . o grau de permeabilidade de cada solo. realizam um registo destes dados numa tabela. sedimentares e metamórficas.Comparação/distinção de várias amostras de solos recolhidas pelo professor (solo argiloso. mudanças de temperatura. . discutese as utilizações dos solos. Os alunos.Comparar as propriedades de diferentes amostras de rochas e de solos do seu meio com as provenientes de outros meios. É ainda feita a exploração ao perfil de um solo. . . estrutura.Analise de diferentes amostras de rochas (amostras existentes na escola ou trazidas pelos alunos). Propostas de operacionalização .Construção de um mapa de Portugal para ser afixado na sala.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . textura e reação com ácido) e constituição das mesmas (observam-se os diferentes minerais). com respetiva legenda. Em plenário. Os alunos terão de assinalar no mapa as localizações das rochas estudadas..Explicar a dinâmica da Terra com base em fenómenos (vulcanismo. .Realização de uma banda desenhada que ponha em evidência as alterações do meio que levam a formação do solo. tendo em conta algumas das suas propriedades (cor.Organização das rochas anteriormente estudadas em grupos: rochas magmáticas.) e transformações (formação de rochas) que ocorrem.Pesquisar a utilização do carvão durante a revolução industrial.Explicar a formação do solo a partir da alteração de rochas por agentes atmosféricos e biológicos. cheiro. Dinâmica da Terra Meta final 3 – Explicar a dinâmica da Terra com base na multiplicidade de transformações que ocorrem no seu interior e exterior. Recorre-se às amostras anteriormente estudadas para se verificar. arenoso. Os alunos devem apresentar os resultados da pesquisa num cartaz. em grupo. Os alunos deverão ainda proceder à identificação de cada uma das rochas com o apoio de chaves dicotómicas.. experimentalmente. Em plenário. nomeadamente a sua aplicação ou não à agricultura (faz-se referência aos solos franco e estéril).Relacionar propriedades do solo de uma dada região com a natureza dos seus constituintes e suas principais utilizações.Explicar por que razão a utilização de alguns materiais é consequência de avanços tecnológicos (Exemplo: extração e uso dos diferentes metais).…) que transformam as rochas. coerência. . elabora-se um esquema síntese. . . .Sistematizar argumentos sobre a importância de se questionar acerca de transformações que ocorrem na Terra e de analisar as explicações de base científica. . dureza. vento.

Ex: grandes incêndios florestais no verão. . procedeuse à operacionalização da primeira meta intermédia aqui enunciada. (A construção do mapa poderá ser feita numa aula de Educação Visual e Tecnológica. subdomínio Dinâmica da Terra.) Intervenção com Implicação Meta final 5 – Reconhecer e divulgar medidas e ações tomadas e a tomar na defesa de ecossistemas. .Explicar por que razão a existência de alguns materiais e sua utilização é consequência do avanço tecnológico (exemplo: plásticos). Propostas de Operacionalização . subdomínio O que existe na Terra.Estabelecer relações entre a ocorrência de catástrofes naturais e mudanças no estado do tempo. De seguida. . Estes trabalhos deverão ser desenvolvidos nas aulas de Formação Cívica. Nesta fase irão ser abordadas questões como a destruição de habitats naturais e os comportamentos a serem adotados pelo Homem que não prejudiquem os seres vivos nem comprometam os recursos naturais. dando-se particularmente realce às existentes em Portugal. . .Comparar condições atmosféricas passadas e atuais de diversas zonas do planeta relacionando-as com ações do Ser Humano. . destruição da camada de ozono. solicita-se a construção de um mapa com as áreas protegidas existentes no nosso país.Apresentar oralmente situaçõesproblema relacionadas com o meio natural e pedir aos alunos sugestões para a sua resolução ou para as evitar. Meta final 4 – Relacionar ocorrências e catástrofes naturais com mudanças no estado do tempo.No seguimento da atividade anterior. será mencionada a importância da criação de áreas protegidas. a ser afixado na sala de aula.Realização de trabalhos de grupo sobre: as chuvas ácidas e suas consequências para os ecossistemas. procedeu-se à operacionalização da terceira meta intermédia aqui enunciada.No domínio Terra em Transformação. . efeito de estufa.No domínio Terra em Transformação.O aluno calcula o valor da sua pegada ecológica relacionando o consumo e os seus impactes com a água e o solo biologicamente produtivos que são necessários para a produção dos bens que consome. redução/extinção de algumas espécies aquáticas devido à construção de barragens. .Identificar medidas de ordem política que tenham sido tomadas para solucionar ou minimizar problemas ambientais e de insustentabilidade e relacioná-las com outras possíveis soluções e intervenções. .Interpretar e divulgar medidas que sejam consideradas científica e tecnologicamente adequadas ou sejam identificadas como boas práticas de intervenção sustentável na Terra. . Julho de 2011 Página 55 de 105 .Evidenciar atitudes responsáveis com vista à proteção dos seres vivos e seus ambientes.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Sustentabilidade na Terra Subdomínio Mudança Global Metas Intermédias . alterações climáticas. em diálogo como os alunos. Parede.

).Descrever como funcionam alguns dispositivos (exemplos: máquina fotográfica. Far-se-á um modelo explicativo do ciclo da água. placas de aquecimento. por via experimental. do ar e da água.No primeiro ciclo os alunos do 3º e 4ºanos de escolaridade têm a possibilidade de manusear material de medição e de observação nas atividades previstas no projeto Ciência Viva.Realização de atividades experimentais para se verificar as características do ar e da água e suas respetivas propriedades. . Ao nível do 5º ano de escolaridade ser-lhes-á proposto a elaboração de um glossário relativo à função e constituição dos materiais acima referidos (descrição e imagem de cada parte) a ser incluído na plataforma Moodle na página de Ciências Naturais e da Natureza.Explicar a função de diferentes partes constituintes de equipamentos como balanças. Propostas de Operacionalização . . subdomínio Dinâmica na Terra. sensores. A partir destas atividades far-se-á referência às transformações químicas (Combustão – transformação química com produção de energia térmica) e físicas (dissolução do sal ou do açúcar na água). . computador.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Viver Melhor na Terra Subdomínio Metas Intermédias . procedeu-se à operacionalização da primeira meta intermédia aqui enunciada. através de atividades práticas. de som e vídeo. Nos anos seguintes os alunos terão um novo contacto com este material ao realizarem as várias atividades práticas programadas.. .Explicar a necessidade de preservar os materiais. e utilizá-los em trabalhos de projecto e investigações. . temática já abordada no 1º Ciclo. verificadas por via experimental e manipular dispositivos em projetos e investigações.Relembrar o ciclo da água.Identificar a variação da permeabilidade de diferentes tipos de solos. microscópios. . O professor deverá mencionar o facto deste tipo de transformações também ocorrerem no nosso corpo ao nível dos alimentos. Julho de 2011 Página 56 de 105 . Parede. . Materiais Meta final 6 – Sistematizar propriedades do solo. onde os alunos poderão identificar experimentalmente os estados físicos da água. quando em funcionamento em situações práticas. gravador.. no 4º ano de escolaridade. propriedades da água e do ar.Identificar.No domínio Terra em Transformação.

Eliminação de produtos da atividade celular. Transporte de nutrientes e oxigénio até às células.1.1. 1. 1. TRANSMISSÃO DE VIDA 1.1.1.5.2.1. 1.2. mental e social implica o bom funcionamento do organismo e a compreensão das relações entre os indivíduos e destes com o meio.6. Julho de 2011 Página 57 de 105 . Reprodução humana e crescimento.1. 1.2.O equilíbrio físico. PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS 1. 1. Nas plantas: 1. 2. Os alimentos como veículo de nutrientes.1. HIGIENE E PROBLEMAS SOCIAIS 2.2. O tabagismo.3. Outras drogas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 6º ANO TEMA ORGANIZADOR: TERRA – AMBIENTE DE VIDA .Da interação dos processos pelos quais a vida se manifesta resulta um organismo como um todo.2. 2. Micróbios causadores de doenças.1. TROCAS NUTRICIONAIS ENTRE O ORGANISMO E O MEIO Nos animais: 1. Circulação do ar. OS MICRÓBIOS 2. AGRESSÕES DO MEIO E INTEGRIDADE DO ORGANISMO 2. 1. . Higiene pessoal.2. Importância das plantas para o mundo vivo.7.4.1.1.1.1.2. Meios de defesa contra agressões microbianas – a prevenção da doença. O alcoolismo.2. Alimentação. 1. Utilização de nutrientes na produção de energia. 2.1. Reprodução nas plantas. Poluição.2. Parede.1. 1.

custos e riscos associados. para isso. Propostas de Operacionalização . indicando as causas. .Organização de um debate. temperatura. . enumerar e explicar medidas de proteção e preservação florestal. Recursos e Gestão Sustentável Meta final 8 – Reconhecer e sistematizar o papel da Ciência e da Tecnologia na exploração e transformação dos recursos hídricos e geológicos. humidade. por isso.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Sustentabilidade na Terra Subdomínio Metas Intermédias . medicamentos..Visita de Estudo à ETAR de Colares..Caracterizar a influência de fatores abióticos (exemplos: luz. da água e do solo interpretando os efeitos de atividades humanas nos mesmos. imaginando a seguinte situação: “És responsável pelo Ambiente de um país com grandes florestas e surge a hipótese de construção de uma grande auto-estrada para ligar o teu país a outro.. . .Identificar os principais fatores responsáveis pela alteração da qualidade do ar.Sistematizar a importância de preservar os materiais e seres vivos integrantes de vários ecossistemas. Pretende-se com a mesma dar a conhecer aos alunos as instalações de uma ETAR e o seu modo de funcionamento. facilitando as comunicações e o desenvolvimento do turismo e do comércio.Identificar produtos florestais que são usados como matéria-prima para fins diversos (exemplos: mobiliário.Elaboração de um folhetos informativos sobre: “Medidas para poupar água”. Nesta fase dever-se-á salientar a intervenção do Homem na gestão dos meios naturais e sua exploração. O que farias numa situação como esta?”.. desconhece-se se lá existirão plantas de onde se possam extrair substâncias para fazer medicamentos capazes de curar doenças até agora incuráveis. é preciso destruir uma grande área de floresta que não foi explorada e.. Benefícios e Riscos Meta final 7 – Explicar os principais fatores de poluição da água. Esta atividade poderá ser desenvolvida numa aula de Formação Cívica.) discutindo os seus impactes. . tintas. efeitos da poluição e medidas de prevenção. os impactes dessa exploração e transformação e listar medidas para a preservação desses recursos. relacionando-as com desequilíbrios dos ecossistemas e indicando as principais causas. Julho de 2011 Página 58 de 105 . Neste haverá um moderador e três grupos: representantes da população. “Utilidade das rochas e minerais na vida humana” e “Energias Renováveis”. A recolha poderá tomar a forma de painel. . assim como promoverlhes atitudes adequadas à preservação e à proteção da água. os poluentes. Custos. minas.) no equilíbrio de ecossistemas. . .Analisar informação sobre a existência de actividades de exploração e transformação de recursos (exemplos: pedreiras. verificando experimentalmente essa influência em casos particulares.Leitura e discussão de artigos/notícias de jornais e revistas sobre a poluição. Mas.) e como fontes de energia.Discutir a necessidade da utilização dos recursos hídricos e geológicos de uma forma sustentável. do ar e do solo.Identificar situações de poluição existentes no seu meio (local.. . . Pedir aos alunos que tragam para a aula artigos e notícias sobre este tema. onde os alunos afixem também comentários às notícias expostas. Parede.. alimentação..Relacionar a intervenção humana na Terra com a obtenção dos alimentos e da energia necessários à vida. . regional ou mesmo nacional). representantes do governo e representantes dos ambientalistas. Esta atividade deverá ser desenvolvida na aula de Formação Cívica. os impactes dessa poluição e a necessidade da preservação dos ecossistemas.

circulatório. .Elaboração de esquemas dos sistemas digestivo. ● Diferenças entre o ar inspirado e o ar expirado. que podem ser feitos como trabalho de casa.Explicitar as funções de cada sistema em processos vitais humanos (exemplos: absorção digestiva. glóbulos brancos e plaquetas sanguíneas em 3 cada mm de sangue. Isso não significa atraso nem justifica sentimentos de inferioridade. ● Observação de órgãos do sistema respiratório de um porco. Parede. respiratório. Verificar através do jogo a dificuldade em distinguir rapazes de raparigas na fase de bebé. .Reconhecer que a sexualidade humana envolve sentimentos de respeito de uns pelos outros. ● Medição das pulsações da artéria radial. . Preenchimento do guião do filme com vista à exploração do tema em estudo (Sistema circulatório e circulação sanguínea). assim como ao fenómeno da fecundação. na idade dos alunos. por esse motivo. Pedir que cada um escreva o nome atrás da fotografia. o desenvolvimento dos carateres sexuais secundários também se encontra em diferentes estádios.Visionamento de um vídeo didático: Era Uma Vez a Vida – Irrigação Sanguínea. ● Medição do perímetro da caixa torácica.Descrever os principais estádios do desenvolvimento humano (uterino e puberdade) distinguindo-os entre si. Com esta atividade é pretendido relembrar os constituintes do sangue e investigar as quantidades de cada um. Os alunos trazem fotografias suas de quando eram bebés. Interpretar as análises de sangue.Pedir aos alunos que tragam análises de sangue suas ou de familiares. .Realização de cartazes com frases e desenhos que alertem para a necessidade de dar sangue. . respiratório. na página de Ciências da Natureza. . Dispô-las num painel e permitir que os alunos descubram quem é quem. Estes esquemas deverão ser incluídos na plataforma da escola. ● Observação de órgãos do sistema respiratório de um peixe. Numa análise de sangue mede-se a quantidade de glóbulos vermelhos. Propostas de Operacionalização .Explicar as funções dos órgãos e glândulas dos sistemas digestivo. reprodutor e excretor. . O professor deverá orientar os alunos na elaboração de relatórios. com respetiva legenda e informação detalhada sobre a função dos órgãos que os constituem.Realização de atividades experimentais: ● Ação da saliva sobre os alimentos. Organismo Humano Meta final 9 – Identificar os carateres sexuais (primários e secundários) e explicar as funções principais dos órgãos bem como as funções vitais de sistemas humanos. . hematose. reprodutor e excretor e as interdependências entre sistemas. pelos alunos. fecundação). Neste filme far-se-á a exploração ao desenvolvimento intrauterino. circulatório. Comparar com o aspeto físico atual e discutir por que razão já não existe essa dificuldade.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Domínio: Viver Melhor na Terra Subdomínio Metas Intermédias . a lápis. respiração celular. .Visionamento de um filme: “Vida no ventre”. Julho de 2011 Página 59 de 105 . . Comentar que o ritmo de crescimento é diferente de pessoa para pessoa e.Diferenciar caracteres sexuais primários e secundários e identificá-los. ● Dissecação do coração de um porco. Sugestão: as frases poderão ser elaboradas numa aula de Língua Portuguesa e a montagem dos cartazes poderá ser feita na aula de Educação Visual e Tecnológica ou de Formação Cívica.Jogo «Quem é quem?».

Parede. Saúde e Segurança Meta final 10 – Identificar agressões do meio e explica a sua influência no equilíbrio natural e na integridade dos organismos. Muitas vezes a integração no grupo de amigos leva a que nestas idades a assunção de normas ou hábitos que não são desejáveis.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias .Aprecia criticamente a coerência entre o conhecimento e a prática no que respeita a normas de higiene comunitária.Identificar as principais manifestações (locais.Fazer um levantamento de ideias dos alunos sobre a exposição solar e os hábitos familiares das idas à praia. Propor que os alunos façam um trabalho de grupo sobre as vacinas que são tomadas em Portugal. nacionais e globais) de poluição tendo em vista proteger a saúde e a integridade do meio.Identificar e explicar consequências do uso de drogas e seus afeitos nos processos vitais e nas relações sociais.Exploração de um esquema ilustrado no manual escolar (páginas 192 e 193) relativo aos Problemas sociais que afectam o ser humano (tabagismo. Por isso é necessário reforçar a autoestima dos alunos e recordar que. drogas e doenças no mundo). .Análise do Boletim Individual de Saúde. . Os alunos devem ler os quatro títulos apresentados e estabelecer uma possível relação entre todos eles (atitudes e substâncias nocivas para a saúde). Cada grupo deve procurar informações sobre uma vacina. podendo criar-se dois grupos e um moderador. . álcool. Resumir a importância do conhecimento de microrganismos causadores de doenças de modo a prevenir os seus efeitos. Julho de 2011 Página 60 de 105 . Propostas de Operacionalização . como o consumo de tabaco ou álcool. sejam considerados normais. .Apreciar criticamente a coerência entre o conhecimento e a prática no que respeita a normas de higiene individual. seleccionando um aluno com capacidade de orientar as intervenções e de colocar questões pertinentes. ainda que os vejam como simples hábitos sociais pouco relevantes. o abuso destas substâncias pode acarretar graves problemas de saúde. . . Trazer para a sala de aula o Boletim Individual de Saúde e explicar aos alunos a sua organização. Promover o debate sobre as atitudes correctas e incorrectas.Relacionar a saúde do seu agregado (familiar e social) com o equilíbrio natural do meio.

Observação de diferentes flores (hermafroditas e unissexuais).Apreciar o impacte de anúncios publicitários nos hábitos alimentares humanos. Pede-se aos alunos exemplos vistos na televisão e discute-se sobre: regiões com carências alimentares. de esferovite ou cartolina. condições de conservação. para colocar no refeitório da escola. Poder-se-á ainda analisar a presença de aditivos alimentares.Identificar os nutrientes como constituintes dos alimentos e explicar a(s) função(ões) principal(ais) de cada um deles no corpo humano. . . “Plantas como fonte de alimentos e de matérias-primas”. Qualidade de Vida Meta final 11 Relacionar alimentação equilibrada com qualidade de vida e explicar o papel das plantas para a vida no Planeta. Propostas de Operacionalização . e far-se-á referência às restantes trocas gasosas que ocorrem nas plantas. “Como é constituída a semente”. . relembrando as condições onde ocorre e os produtos resultantes. Identificação dos erros cometidos em cada ementa e sugerir alterações. . como: a constituição das plantas com flor e as funções dos órgãos das plantas. o prazo de validade. obesidade e publicidade a alimentos. “Como germina o feijão?”. será elaborado um esquema síntese. na página de Ciências da Natureza. . . . Relacionar uma alimentação equilibrada. “A importância das zonas verdes”.Trabalhos de pesquisa: “Como se alimentam as plantas sem clorofila”.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . Estes serão analisados quanto à composição nutricional (nesta fase explora-se a composição de um alimento e as funções desempenhadas por cada nutriente). . Esta atividade poderá ser desenvolvida numa aula de Educação Visual e Tecnológica. Pede-se aos alunos para desenharem uma das flores (de preferência hermafrodita) e que identifiquem cada um dos seus órgãos legendando-a.Realização de actividades experimentais: “Como é constituído um fruto (carnudo e seco)”.Debater a situação alimentar no Mundo e as suas desigualdades.Elaboração de ementas e identificação das que são equilibradas (projectar tabelas com a composição de diferentes alimentos).Discutir vantagens e desvantagens de diferentes ementas. . o valor energético e outras informações presentes no rótulo. estilos de vida saudáveis com a qualidade de vida (individual e social). Os alunos deverão elaborar os relatórios das actividades propostas. Nesta fase poder-se-á ainda discutir a importância do tamanho dos estames e dos carpelos nos diferentes tipos de polinização (directa e cruzada).Explicar como crescem as plantas e como elaboram (fotossíntese) o seu alimento e a sua importância para o mundo vivo (exemplos: qualidade do ar. Em plenário. Os alunos deverão trazer dois ou três rótulos de diferentes alimentos. fonte de alimentos e de matérias-primas). Dar conhecimento à comunidade escolar dos trabalhos desenvolvidos na plataforma da escola. Julho de 2011 Página 61 de 105 . nomeadamente a respiração e a transpiração. “Reprodução assexuada nas plantas com flor” e “Reprodução das plantas sem flor”.Relembrar conhecimentos já adquiridos. Dever-se-á relembrar a função de cada peça floral. .Construção de uma roda dos alimentos e de uma pirâmide da alimentação saudável. Nesta fase dar-se-á ênfase ao fenómeno da fotossíntese. assim como a importância de alguns animais e do vento na polinização e na disseminação das sementes. Parede.Análise de rótulos alimentares.

4. Subsistemas da Terra. testemunhos da actividade da Terra 4. Consequências da dinâmica interna da Terra 3. A Célula e a sua constituição 1.4.3.3. Constituição do aparelho vulcânico 3. Dinâmica Interna da Terra 3. Ocorrência de falhas e dobras 3.5. Diversidade da Vida: os principais ecossistemas da Terra 1. Modelos de Estrutura da Terra: modelo químico e modelo físico 3. Agentes modeladores das rochas e paisagens geológicas 4.2.1.2. O Ciclo das Rochas 4. Argumentos que apoiam a Teoria da Deriva Continental 3. Rochas. Tipos de Fósseis e aspectos do passado que os fósseis permitem conhecer 2. Grandes etapas da história da Terra: as Eras geológicas 3.1. Julho de 2011 Página 62 de 105 . Tecnologia. Deriva dos continentes e tectónica de placas 3.1. Tipos de erupções 3.6.2.1.3.4. Atividade vulcânica: principais regiões vulcânicas do planeta 3. Estrutura Interna da Terra 3.2. Tipos de Fossilização 2.3.2.2.4. Materiais libertados nas erupções vulcânicas 3. Ciência. Litosfera e Atmosfera 1.1. Biosfera. Riscos e protecção das populações 4.3. 1. Os fósseis e a sua importância para a reconstituição da história da Terra 2.1.2.4. Ciências Naturais – 3º Ciclo 7º ANO Domínio – Terra no Espaço 1.3. Unidade da Vida 1. A Terra conta a sua história 2.4.3.5. Minerais. Os tipos de células e funções dos seus constituintes Domínio .3.1. Registo dos sismos e deteção sísmica: Escalas de Richter e Mercalli 3.3.4.1. Origem e propagação dos sismos 3.5. A morfologia dos fundos oceânicos 3. Terra.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2.2.1. Condições da Terra que permitem a existência de Vida 1. Sociedade e Ambiente.1.1.1. os constituintes das rochas 4. Hidrosfera. Riscos e benefícios da actividade vulcânica e manifestações de vulcanismo secundário 3.2.4.4.5. sua génese e identificação 4.1.2.5.3.2.3.1. um planeta com Vida 1.1. Teoria da Deriva Continental 3.Terra em transformação 2.2.1.2. Tecnologias que permitem o conhecimento do interior da Terra 3.1. Tipos de movimentos de placas 3. Benefícios e prejuízos da exploração e utilização das rochas Parede.2.2.2.1. Actividade sísmica 3. Terra como um Sistema 1.1. Tipos de rochas.4. Tectónica de Placas 3. Dinâmica Externa da Terra 4.1.

Recolha de imagens de vários seres vivos que habitem ambientes diversificados e identificação das condições que os seres vivos necessitam para sobreviver e que estão asseguradas no planeta Terra (água. oxigénio.Realização de uma aula de microscopia – observação microscópica de uma infusão. e relacioná-la com ambientes diversificados.Apresentar evidências da biodiversidade no Planeta. um planeta com Vida Página 63 de 105 . luz solar). o qual será abordado de forma mais sistemática no 8º ano. atmosfera. através de observações macroscópicas e microscópicas de diferentes seres vivos. biosfera) e possíveis influências recíprocas. .Identificar a célula como a unidade estrutural e funcional dos seres vivos apesar da biodiversidade existente. Parede. aplicando exemplos de sistemas como um conjunto de componentes que interagem para atingir o mesmo objectivo (ex: sistema informático. existência de atmosfera com camada de ozono).Identificar um sistema como um conjunto integrado de elementos que cumprem uma função específica. . dinâmica interna expressa na tectónica de placas. Com esta atividade podem ser explorados os conceitos de ser vivo unicelular/pluricelular. . .Identificar características da Terra que permitem a existência de vida e a sua evolução (por exemplo: posição no Sistema Solar. célula eucariótica/procariótica e ser reforçada a ideia de biodiversidade e unidade dos seres vivos. reconhecer ainda que a célula é a unidade estrutural e funcional de toda a biodiversidade existente no planeta. Proposta de operacionalização . observando as eucarióticas (animais e vegetais) ao microscópico ótico. dióxido de carbono. Julho de 2011 Terra. . sistema solar.O conceito de sistema deve ser abordado de forma simplificada. . devendo já ser feita referência ao conceito de ecossistema. Meta final 1: Reconhecer e justificar que a Terra é o planeta do Sistema Solar que exibe uma dinâmica interna que condicionou o aparecimento de vida.Estabelecer diferenças e semelhanças entre as células procarióticas e eucarióticas. .Ilustrar o conceito de sistema à Terra identificando os seus componentes fundamentais (litosfera.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . hidrosfera. sistema de órgãos).

Listagem dos vários instrumentos/tecnologias utilizadas no dia a dia dos alunos (ex: telemóveis. Copérnico e Galileu. automóveis) e pesquisa sobre o conhecimento científico necessário para o desenvolvimento dessas tecnologias.Pesquisa e análise de notícias onde estejam expressas as consequências para o Homem e para o Ambiente (benefícios e riscos) do desenvolvimento científico e tecnológico (ex: desastre do Challenger. computadores. Sugere-se uma abordagem a esta temática. resultantes do trabalho de cientistas como Ptolomeu. mas acarretam problemas ambientais).) A exploração desta temática deve ser breve e baseada em atividades de pesquisa e trabalho de grupo. Julho de 2011 Página 64 de 105 . mas está contemplada nas orientações curriculares para o Domínio “Terra no Espaço”. missão Apollo. . Parede. colocação da satélites no espaço. com as seguintes propostas: . etc. as matérias primas utilizadas na sua produção e as vantagens/desvantagens da sua utilização (ex: os veículos automóveis promovem a mobilidade e a comunicação. função da Estação Espacial Internacional. viagens de turismo espacial. desta forma os alunos identificam a Ciência como uma atividade humana influenciada por fatores sociais e históricos). evidente na própria história da Ciência (ex: organização de um debate onde sejam discutidas as teorias Geocêntrica e Heliocêntrica. recorrendo a argumentos da época.Análise de documentos e sensibilização dos alunos para o caráter dinâmico da Ciência. . microondas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Interação Ciência – Tecnologia – Sociedade e Ambiente Ciência como produto da atividade humana e ciência e conhecimento do Universo: esta temática não surge sistematizada nas Metas de Aprendizagem para o 7º ano.

Construção de uma escala de tempo geológico.Justificar a importância de preservar o património paleontológico.Associar a história da Terra a mudanças cíclicas de ocorrências ao nível da litosfera. -Interpretar figuras/esquemas/diagramas que representem acontecimentos que caracterizam as principais etapas da história da Terra (Eras/Períodos) ao longo do tempo. Parede.Os conceitos de datação relativa e absoluta poderá ser explicado através da comparação entre alunos de diferentes idades (mais velho ou mais novo) e comparando a idade cronológica (12 anos e 14 anos). .5 mil M. hidrosfera e/ou atmosfera (por exemplo: orogenias.5 mil milhões de anos). extinção em massa de seres vivos). a um ano de 365 dias). utilizando o conceito de Escala do Tempo Geológico. História da Terra Meta final 2: Analisar a história da Terra ao longo do tempo geológico (cerca de 4. recorrendo à escala do tempo atual: reduzir a escala do tempo geológico (4. glaciações. . Os conhecimentos sobre decaimento radioativo para se datar estratos não deve ser abordado nesta faixa etária. Proposta de Operacionalização . .Explicar como os fósseis de idade permitem a datação das rochas que os contêm e os fósseis de ambiente a identificação de paleoambientes e ambos a reconstituição da evolução da Vida na Terra. identificando as condições gerais que permitem a sua formação e conservação. . Julho de 2011 Página 65 de 105 . .Utilizar o conceito de datação relativa aplicando-o a estratos sobrepostos.a. dos diferentes tipos de rochas que constituem a litosfera e suas inter-relações e que o registo abundante e diversificado de vida (fósseis) corresponde aos últimos 500 milhões de anos. ou seja.Construção de moldes externos e internos de conchas com massa de moldar. reconhecendo que a sua reconstituição foi feita a partir da análise do registo geológico. contribuindo para a história dos últimos 500 milhões de anos da Terra (1/9 do tempo geológico). traduzidas em novas Eras: PréCâmbrico – Paleozoico – Mesozóico – Cenozoico.Associar diferentes processos de fossilização às características do ambiente de fossilização e ao tipo de ser vivo. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias .Interpretar o significado de fóssil. . biosfera.

Construção de modelos simples da estrutura interna da Terra em plasticina ou massa de moldar. segundo a Teoria da Tectónica de Placas. associando-as a deformações das rochas que constituem a litosfera. e consequente desenvolvimento da Teoria da Expansão Oceânica. . Proposta de Operacionalização . Parede.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias . em consequência da ação de forças.Identificar e legendar os modelos da estrutura interna da Terra. rigidez das rochas). Julho de 2011 Dinâmica Interna da Terra Página 66 de 105 .Identificar dobras e falhas. apesar de terem limitações. é importante que os alunos compreendam que os modelos. .Interpretar a mobilidade das placas litosféricas.Explicar a teoria da deriva continental de Wegener e analisar os argumentos usados a favor (paleontológicos. na época. .Interpretar a importância de modelos da estrutura interna da Terra para explicar fenómenos associados à dinâmica interna da Terra. em figuras/esquemas. diferenciar métodos diretos e indiretos de recolha de informações para a conceção dos dois modelos.Análise de excertos de obras literárias/relatos históricos de grandes acontecimentos de origem vulcânica e sísmica (ex: leitura e análise das obras “Viagem ao centro da Terra” de Júlio Verne e o “Dia do terramoto” de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada). à não-aceitação desta teoria. bem como o seu contributo para a evolução do conhecimento científico-tecnológico. litológicos e morfológicos) e os principais argumentos que conduziram. . mesosfera e endosfera (externa e interna)” baseado em propriedades mecânicas. aplicando-a ao conhecimento da morfologia dos fundos oceânicos. paleoclimáticos. Esta atividade e leitura será realizada ao nível da disciplina de História e em Ciências Naturais serão apenas analisados excertos/resumos recolhidos/realizados pelos alunos. por exemplo. Meta final 3: Explicar a dinâmica da Terra associada ao movimento das placas litosféricas (Teoria da Tectónica de Placas) recorrendo a modelos da sua estrutura interna e identificando os vulcões e os sismos como suas consequências.Explicar a inter-relação desenvolvimento tecnológico – desenvolvimento científico. astenosfera. explicitando o critério em que cada um deles se fundamenta (o modelo “crosta. quanto a possíveis consequências nos seus limites convergentes (formação de montanhas/destruição de litosfera/sismos e vulcões) e nos seus limites divergentes (expansão dos fundos oceânicos/formação de litosfera/sismos e vulcões). dependentes das características dessas rochas e do ambiente geodinâmico onde se localizam. . o que contribuiu para a aceitação da hipótese mobilista de Wegener e a formulação posterior da Teoria da Tectónica de Placas. manto e núcleo” baseado na composição dos materiais e o modelo “litosfera. são importantes na explicação de fenómenos naturais e que contribuem para a evolução do conhecimento científico. .

as características do aparelho vulcânico (forma e tamanho do cone) e os materiais emitidos (líquidos. sismo no Chile em maio de 1960) e levantamento dos prejuízos associados a estes acontecimentos naturais. em particular na área da construção civil e das atitudes e comportamentos individuais e coletivos. zonas de maior risco sísmico e de vulcões activos associando-as aos limites das placas litosféricas. a nível mundial. quanto aos pressupostos em que se baseiam (danos causados e quantidade de energia libertada). . as escalas de Mercalli modificada e de Richter. . .Localizar geograficamente. .Interpretar cartas de isossistas. nomeadamente na sua previsão e prevenção. utilizadas para avaliar um sismo.Realização de um exercício de simulação da ocorrência de um sismo.Relacionar a viscosidade do magma com o tipo de erupção (efusiva e explosiva). sólidos/piroclastos e gasosos).Analisar actividades práticas de simulação de erupções vulcânicas. Meta final 3: Explicar a dinâmica da Terra associada ao movimento das placas litosféricas (Teoria da Tectónica de Placas) recorrendo a modelos da sua estrutura interna e identificando os vulcões e os sismos como suas consequências. Dinâmica Interna da Terra Proposta de Operacionalização . e registadas em sismogramas. aplicando as normas a seguir antes.Identificar medidas de prevenção e proteção da população quanto à atividade sísmica. Esta atividade poderá estar articulada com o plano de evacuação de emergência da escola). identificando o epicentro do sismo e discutindo fatores que determinam os estragos verificados. em particular as potencialidades das manifestações secundárias de vulcanismo. erupção do Vesúvio.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias . . erupção dos Capelinhos em setembro de 1957.Uma visita ao Instituto de Meteorologia e Geofísica irá permitir aos alunos associar o desenvolvimento tecnológico e científico à deteção e prevenção da atividade sísmica.Associar os sismos a uma libertação de energia acumulada nas rochas e libertada no hipocentro sob a forma de ondas sísmicas. . durante e após um sismo.Discutir os benefícios da atividade vulcânica. Julho de 2011 Página 67 de 105 . . sismo e tsunami no Japão em março de 2011.Identificar e interpretar o significado dos diferentes constituintes de um vulcão. . detetadas pelos sismógrafos.Recolha e análise de notícias relativas a episódios de origem sísmica e vulcânica (ex: sismo de Lisboa em 1755. estabelecendo correspondências e identificando as limitações dessas simulações.Diferenciar. . . erupção na Islândia em março de 2010.Justificar a importância dos Centros de Vulcanologia e Institutos Geofísicos no estudo da atividade sísmica e vulcânica. . tsunami na Indonésia em dezembro de 2004. Parede.

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Subdomínio

Metas intermédias
- Identificar minerais constituintes de rochas (por exemplo: calcite, feldspato, quartzo, biotite, moscovite), considerando as suas propriedades físicas (dureza, brilho, clivagem) e químicas (reacção entre ácido e mineral); - Relacionar a génese de rochas magmáticas intrusivas (granito) e extrusivas (basalto) com as suas características texturais e mineralógicas; - Descrever a sequência de acontecimentos que explicam a formação de sedimentos (areias, argilas) e, a partir destes, a formação da respectiva rocha sedimentar (arenito, argilito); explicar os factores que determinam o tamanho/grau de arredondamento e a deposição dos sedimentos (por exemplo: características do sedimento, características do agente de transporte); - Associar os diferentes tipos de rochas sedimentares (detríticas, químicas e biogénicas) à sua génese, sabendo que se formam à superfície da Terra e que se dispõem, geralmente, em estratos onde se podem encontrar fósseis que nos “revelam” a história da evolução da vida, contribuindo para a história mais recente da Terra (os últimos 500 milhões de anos); - Relacionar as características texturais de uma rocha metamórfica (por exemplo: xisto, mármore) à pré-existente (por exemplo: argilito, calcário) e aos factores de metamorfismo responsáveis pela sua formação; - Identificar rochas (por exemplo: basalto, granito, calcário, arenito, xisto), em amostras de mão, com base na textura, identificação dos minerais constituintes e na reacção entre ácidos e cada um dos minerais; - Revelar pensamento científico (prevendo, planificando, executando, …) actividades práticas de simulação de processos característicos de ambientes magmáticos e de ambientes sedimentares; - Relacionar as rochas sedimentares, magmáticas e metamórficas quanto aos processos que as transformam e constrói o ciclo das rochas; - Associar as diferentes paisagens geológicas ao tipo de rocha predominante na região e aos diversos processos geológicos que lhe deram origem; reconhece a utilização/aplicação, a nível regional e nacional, dos diferentes tipos de rochas.

Proposta de Operacionalização
- Recolha de amostras de mão de minerais e rochas que os alunos possam ter em coleções; a estas amostras juntam-se amostras da coleção da escola e analisam-se todas as amostras de forma sistemática, preenchendo uma tabela com as respectivas características: - Minerais: cor, brilho, fratura*/clivagem*, dureza*, risca* ou traço*; Rochas: cor, granularidade, aspecto (laminado ou não), efervescência com ácido, cheiro, minerais constituintes. *relativamente a estas propriedades, o professor poderá orientar os alunos, utilizando os seus conhecimentos prévios, pois para analisar estas propriedades as amostras são danificadas. - Simulação de formação de rochas sedimentares quimiogénicas através de uma actividade prática sobre a precipitação de soluções saturadas (uma vez que este conteúdo é abordado nas Ciências Físico-Químicas no 8º ano, deve recorrer-se a exemplos do dia a dia, como a precipitação de sal/açúcar num líquido muito salgado/doce).

Dinâmica Externa da Terra

Meta final 4: Relacionar as texturas, composição mineralógica e modo de ocorrência dos diferentes tipos de rochas (magmáticas, metamórficas e sedimentares) com a sua génese; inter-relaciona as rochas sedimentares, magmáticas e metamórficas de forma a construir o ciclo das rochas; compreende que são os processos da dinâmica interna os responsáveis pela formação das rochas magmáticas e das rochas metamórficas e os processos da dinâmica externa os responsáveis pela formação das rochas sedimentares; explica características de paisagens de rochas sedimentares, magmáticas e metamórficas.

Parede, Julho de 2011

Página 68 de 105

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

8º ano
Domínio: Sustentabilidade na Terra
1. Ecossistemas 1.1. Influência dos fatores abióticos nas populações 1.2. Fatores bióticos: Relações intra e interespecíficas 1.3. Fluxo de energia e ciclo de matéria 1.4. Cadeias e teias alimentares 1.5. Sucessões ecológicas 1.6. Perturbação no equilíbrio dos ecossistemas 1.6.1. Fatores naturais 1.6.2. Influência do Homem nos ecossistemas

2. Gestão sustentável dos Recursos 2.1. Tipos de Recursos Naturais – sua utilização e respetivas consequências 2.2. Proteção e conservação da Natureza 2.2.1. Tipos de resíduos e seu impacto nos ecossistemas 2.2.2. Sistemas de gestão e tratamento de resíduos 2.2.3. Áreas protegidas

Parede, Julho de 2011

Página 69 de 105

Associação Escola 31 de Janeiro

Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais

Subdomínio

Metas Intermédias
- Apresentar o significado do conceito de ecossistema, comunidade, população e espécie e organizá-los de modo a evidenciar que o mundo vivo se apresenta hierarquicamente estruturado (ecossistema/comunidade/população/espécie/ organismo/célula); - Identificar e interpretar a influência de factores abióticos (por exemplo: luz, temperatura, pluviosidade) e bióticos (relações entre os seres vivos) nas comunidades que integrem ecossistemas em equilíbrio dinâmico; - Interpretar situações diversas (por exemplo: resultados experimentais, actividades laboratoriais planificadas e executadas, gráficos) que demonstrem a influência dos factores abióticos (físicos e químicos) do meio sobre os indivíduos (efeitos de ordem fisiológica e/ou comportamental) e/ou sobre as populações (efeitos de ordem demográfica – taxa de natalidade, mortalidade, emigração e imigração); - Revelar pensamento científico (prevendo, planificando experimentalmente, executando, …) relativamente à influência dos factores abióticos sobre os seres vivos; Identificar e interpretar relações intraespecíficas e interespecíficas e os benefícios/prejuízos/indiferença para os seres vivos envolvidos; - Aplicar os conceitos de produtor, consumidor (primário, secundário, …), decompositor, autotrófico, heterotrófico e nível trófico mediante a exploração/construção de cadeias/teias alimentares e descrever a atividade complementar (produção de matéria orgânica/síntese de compostos minerais) dos seres vivos que possibilita uma reciclagem permanente de matéria; - Interpretar as cadeias alimentares como um ciclo de matéria onde existe um fluxo de energia unidirecional, cuja fonte de energia é o Sol; - Explicar o fenómeno da sucessão ecológica a partir da análise de diversas situações; - Interpretar as flutuações do número de indivíduos de uma população ao longo do tempo, identificando possíveis causas e consequências com base em gráficos e informações diversas;

Proposta de operacionalização
- Esta temática deve ser explorada numa perspectiva de educação ambiental, sendo fundamental a compreensão de conceitos sobre o funcionamento e o equilíbrio dos ecossistemas, para que os alunos desenvolvam atitudes que promovam a conservação e gestão do património natural. Mais uma vez é fundamental a abordagem do conceito de sistema como um conjunto de componentes interligados e interdependentes, e que o desequilíbrio de um desses elementos pode levar ao desequilíbrio de todo o sistema. - Atividade experimental “Descobrir a influência da temperatura na germinação de sementes (feijão, grão de bico, etc)” ou “ A influência da temperatura no desenvolvimento das leveduras”; - Atividade experimental “A influência da luz nas plantas”, onde será testado o fototropismo nas plantas; - Visionamento de um filme sobre a vida animal e/ou vegetal e registo por parte dos alunos das situações onde estes detetem interações como a predação, parasitismo, competição, cooperação em sociedade, mutualismo e comensalismo. No final é feito um levantamento geral de todas as situações identificadas pelos alunos, consolidando desta forma os conhecimentos prévios; - O professor deve rever os conceitos de ciclo de matéria, utilizando como exemplo o ciclo da água (já abordado no 2º Ciclo e nas Ciências Físico-Químicas) e também as fontes e tipos de energia; - Análise e interpretação de gráficos, onde os alunos devem refletir sobre a flutuação do nº de indivíduos de uma população ao longo do tempo e respetivas causas e consequências (ex: relação predador/presa, relações de competição, aumento da mortalidade ou natalidade, alterações nos fatores abióticos, migrações).

Ecossistemas

Meta final 5: Interpretar interacções seres vivosambiente, o fluxo de energia e ciclo de matéria que ocorrem ininterruptamente, como fenómenos e processos que contribuem para o equilíbrio dinâmico dos ecossistemas.

Parede, Julho de 2011

Página 70 de 105

consequências e medidas de proteção. pode contribuir para o desequilíbrio dos ecossistemas. Proposta de operacionalização .) e construção de cartazes que serão expostos na sala de aula ou restante espaço escolar ou até mesmo de uma notícia a publicar na plataforma Moodle da escola.Recolha de fotografias/imagens de situações de desequilíbrio dos ecossistemas. de preferência situações nacionais. como fenómenos e processos que contribuem para o equilíbrio dinâmico dos ecossistemas. o fluxo de energia e ciclo de matéria que ocorrem ininterruptamente. inundações) e catástrofes provocadas pelo Ser Humano (por exemplo: poluição. recorrendo às TIC para pesquisar. sistematizar e apresentar a informação. Meta final 5: Interpretar interações seres vivos-ambiente. identificando causas e consequências nas situações seleccionadas.Identificar e interpretar situações de catástrofes naturais (por exemplo: sismos. poluição (atmosférica. em que a poluição. etc. incêndios. nas suas múltiplas formas. nacionais e/ou mundiais. identificando causas. Ecossistemas Parede. abate de árvores para construção. vandalismo de espaços verdes. derrames de petróleo. . secas. deposição descontrolada de lixo. Julho de 2011 Página 71 de 105 . desflorestação) que podem comprometer o equilíbrio dos ecossistemas e a sobrevivência das populações humanas.Identificar e interpretar situações reais.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . locais ou até mesmo em contexto escolar (tempestades. hídrica ou dos solos).

.Em alternativa à actividade acima sugerida.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . biológicos. tratados internacionais para a redução de emissões de gases com efeito de estufa). etc. permite sensibilizar os alunos para as questões ambientais. . livros. . como o carvão. Proposta de operacionalização . cadernos. para minimizar a dependência da sociedade dos combustíveis fósseis. Gestão Sustentável dos Recursos Meta final 6: Descrever consequências para os ecossistemas de uma utilização não sustentável dos recursos naturais e indicar medidas promotoras de proteção e conservação da Natureza. centrais nucleares. biológicos. minerais) produzir resíduos e lixos. que é necessário eliminar. criação de áreas protegidas. telemóveis. para além de constituir uma mais valia educacional.Descrever consequências para os ecossistemas (por exemplo: diminuição da biodiversidade. como a História (a influência do ouro nos Descobrimentos) e a Língua Portuguesa (pesquisa de lendas. materiais de construção. Com a análise dos resultados.Sugere-se a leitura da obra “ O Principezinho” de Antoine de Saint-Exupéry em Formação Cívica. . contos e histórias). os alunos podem pesquisar sobre a história mundial do ouro. a madeira. o valor encontrado poderá ser extrapolado para a escola. o petróleo. etc. reaproveitar e reduzir como medida de protecção e conservação da Natureza.) e pesquisam os recursos naturais necessários para a sua produção. . o vidro. Esta atividade pode ser aplicada para outros recursos naturais. preferencialmente perto da área de residência dos alunos. medidas que contribuem para a sustentabilidade da Terra (por exemplo: sistemas integrados de gestão de recursos.Propõe-se uma visita de estudo guiada a uma área protegida. . tendo em conta a velocidade/modo de consumo e as condições/tempo necessário à sua formação. os lanifícios. hídricos. e levantamento fotográfico para a elaboração de um jornal de parede ou colocação na plataforma Moodle da escola.Discutir possíveis soluções alternativas (por exemplo: construção de barragens. esta atividade pode ter o contributo de várias disciplinas. Julho de 2011 Página 72 de 105 . Desta forma é possível sensibilizar a comunidade escolar para a importância da gestão sustentável dos recursos naturais. minerais).Indicar. os alunos são levados a compreender o impacto do consumo individual nos gastos globais dos recursos naturais (neste caso os hídricos e energéticos). Com o resultado da sua pesquisa elaboram painéis para expor no espaço escolar ou apresentam os resultados às turmas do Ensino Pré-Escolar e 1º Ciclo. mobiliário.Análise da fatura do consumo doméstico de água e realização de uma média de consumo 3 (m ) das casas dos alunos da turma. analisar para cada uma das soluções propostas a relação benefícios/custos para os ecossistemas. a cana-do-açúcar. escassez da água potável) da utilização não sustentada dos recursos naturais (energéticos.Justificar o facto da extração. a pecuária. latas de refrigerante. . Feito este cálculo. Parede.Os alunos escolhem um material/objeto que utilizem diariamente (ex: peças de vestuário. transformação e utilização de recursos naturais (energéticos. sacos de plástico. fundamentadamente. hídricos. centrais eólicas). A exploração desta obra.

4. Morfofisiologia do sistema respiratório 4. Morfofisiologia do sistema circulatório 4.2. Órgãos do tubo digestivo.1. 6. Constituintes do sistema respiratório e respetivas funções 4. Os órgãos do sistema urinário e respetivas funções 6. Julho de 2011 Página 73 de 105 . Medidas de ação para a promoção da saúde individual e colectiva 2.2. Doenças sexualmente transmissíveis 2.1.1. A Ciência e a Tecnologia na resolução de problemas de saúde individual e coletiva Parede.1. Morfofisiologia do sistema urinário 6. A puberdade e a sexualidade humana 2.4. Absorção Intestinal 5. Indicadores do estado de saúde de uma população 1.1. Morfologia do sistema digestivo 5.4. Constituintes do sistema circulatório e respetivas funções 4.1.2.3. A hematose pulmonar e celular 5. Bases fisiológicas da reprodução e contraceção 2.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 9º ano Domínio: Viver melhor na Terra 1.2. Estrutura do rim e do nefrónio 6. Material genético 2. Técnicas de manipulação genética 3. Saúde individual e comunitária 1.2. atividade física e comportamentos alimentares 8. O que é a hereditariedade 2. Ciência.2. A função excretora (sistema urinário.Sistema Cárdio – Respiratório 4.1.2.2.2. Noções básicas de hereditariedade e genética 2.2. Ventilação pulmonar 4. órgãos anexos e respetivas funções 5. Metabolismo celular 6.2. Morfofisiologia do sistema reprodutor humano.2.2.1. Transmissão do impulso nervoso 3. Tecnologia e qualidade de vida 8.4. Aspectos biológicos e fisiológicos da reprodução 2.1.Sistema Excretor 6.Sistema reprodutor humano 2. Ciclo cardíaco 4.3. Fenómenos de formação da urina 7.2.3.3.1. Integração Neuro-hormonal 4.2. Constituição básica do sistema hormonal 3.1.1.2. A composição dos alimentos e os tipos de nutrientes 5. Hábitos de higiene.3.1. Interação sistema respiratório/circulatório 4. sistema respiratório e sistema digestivo). glândulas sudoríparas. O meio interno: constituintes e função do sangue e da linfa 4.6.2.1. Morfofisiologia do sistema nervoso 3.1.3.1.2.1.3. O processo digestivo 5.3. Substâncias que causam dependência (drogas e álcool) 7.2.2.2.4. Sistema Digestivo 5.1.5.2. respiratório e digestivo 5. A interação entre os sistemas circulatório.6.1. Coordenação hormonal 3.6.6. A grande e a pequena circulações 4. 2. Opções que interferem no equilíbrio do organismo 7.Sistema Neuro-hormonal 3. Coordenação nervosa 3.3.

.Recolha de dados sobre a evolução da gravidez na adolescência em Portugal (consulta do site da Associação para o Planeamento Familiar) e posterior análise pelos alunos. Julho de 2011 Página 74 de 105 .Enumerar indicadores do estado de saúde da população. com orientação do professor. onde serão recolhidas as possíveis causas da evolução desse indicador do estado de saúde uma população (A gravidez na adolescência foi escolhida para esta abordagem dada a faixa etária dos alunos e o facto de poderem ser trabalhados conteúdos da Educação Sexual). Parede. explicar o seu significado e interpretar esquemas/gráficos/tabelas que forneçam informações sobre a evolução do estado de saúde de uma população.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Saúde individual e comunitária Metas Intermédias . justificando.Os alunos trazem o seu Boletim individual de Vacinação e comparam-no com o Plano Nacional de Vacinação (PNV).Associar medidas de promoção para a saúde à prevenção de doenças individuais e comunitárias.Caracterizar o que a Organização Mundial de Saúde considera por estado de saúde de um indivíduo. . . . Desta forma. os alunos verificam autonomamente se estão a cumprir com o PNV e também compreendem a importância deste como medida promotora da saúde individual e coletiva. factores e atitudes que promovem a saúde individual e comunitária Proposta de operacionalização .Identificar. Meta final 7: Associar o conceito de saúde a qualidade de vida promovida pela adoção de medidas individuais e comunitárias e interpretar indicadores que revelam o estado de saúde de uma população. fornecido pelo professor.

Julho de 2011 Página 75 de 105 . como a gravidez na adolescência. . órgão e sistema de órgãos abordados no 7º e 8º anos devem ser revistos pelo professor.Caracterizar a fisiologia do sistema reprodutor feminino (ciclo ovárico e uterino) e masculino.A exploração de gráficos e diagramas é fundamental para a compreensão da fisiologia do sistema reprodutor. Transmissão da Vida Meta final 8: Explicar a transmissão das características genéticas ao longo de gerações aplicando conhecimentos da morfofisiologia do sistema reprodutor e noções básicas de hereditariedade. Proposta de operacionalização . os comportamentos de risco que promovem a sua propagação e as medidas de prevenção. herpes genital. por outro lado. órgão. . . as vias sexuais e órgãos genitais externos. Mais uma vez deve ser reforçado o conceito de sistema.Ao iniciar este subdomínio. nidação) e. motivando os alunos para o tema. os seus valores e culturas.Identificar no sistema reprodutor as gónadas/glândulas sexuais. glândulas anexas.Levantamento dos conhecimentos e dúvidas dos alunos relativamente à reprodução humana. progesterona. tecido. fecundação. . onde são abordadas temáticas relacionadas com a Educação Sexual.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . bem como as funções das hormonas sexuais (estrogénio. no caso do sistema reprodutor masculino. interpretar os métodos de contracepção existentes quanto ao seu processo de atuação no organismo. tipos de células. .Convite para vir à escola de um técnico de saúde e dinamizar uma sessão de debate e esclarecimento de dúvidas. Parede. . . célula). e descrever as respectivas funções. tecido. Uma vez que o tema da Reprodução Humana é um tema delicado. testosterona) e respectiva influência no desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários. . bem como os efeitos das hormonas sexuais na regulação hormonal do ciclo reprodutor feminino e do desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários. os conceitos de célula.Identificar infeções de transmissão sexual (por exemplo: sida. é fundamental ter em conta os diferentes níveis de desenvolvimento emocional e físico dos alunos. A vinda de um especialista à escola irá proporcionar aos alunos um espaço mais alargado de discussão e diálogo. hepatite B).Interpretar o organismo como um sistema organizado segundo uma hierarquia de vários níveis (sistema. relações familiares. infertilidade e adoção.Indicar condições essenciais à ocorrência de gravidez (por exemplo: formação de gâmetas. bem como sobre mudanças físicas e emocionais experimentadas durante a puberdade.Sugere-se a visualização do filme “Juno”de Jason Reitman.

cromossomas homólogos). genes. mediante a análise de árvores genealógicas simples. homozigótico e heterozigótico.). etc. diminuição da biodiversidade. No entanto é importante que sejam explorados exemplos de transmissão de características noutros animais e em plantas. Transmissão da Vida Proposta de operacionalização . Esta atividade é importante na primeira abordagem aos conceitos de hereditariedade.Recolha de notícias na comunicação social sobre questões relacionadas com a manipulação genética (clonagem. .Interpretar situações concretas (cor dos olhos. . planeamento familiar. sexo do bebé. uma vez que os alunos são confrontados com situações concretas de transmissão de características ao longo das gerações. cromossomas. .Apreciar benefícios e riscos da utilização de novas tecnologias na resolução de problemas da saúde individual e comunitária (exemplos: clonagem. organismos transgénicos. Este tópico de discussão permite uma abordagem CTSA (Ciência-Tecnologia-SociedadeAmbiente). membrana plasmática) em observações microscópicas de células animais (por exemplo: células do epitélio bucal) e localizar o material genético na célula (núcleo. produção de novos medicamentos. miopia) de transmissão de características ao longo de gerações.Explicar o significado de conceitos básicos de hereditariedade (gene dominante e recessivo. do cabelo e o sexo do bebé permite abordar o conceito de probabilidade (Matemática). núcleo. Julho de 2011 Página 76 de 105 . .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias Identificar estruturas celulares (citoplasma. ADN) evidenciando a sua organização hierárquica. onde estão identificadas características como por exemplo a cor do cabelo e dos olhos.A construção do xadrez de Mendel aplicada a características como a cor dos olhos. cabelo liso ou encaracolado. Meta final 8: Explicar a transmissão das características genéticas ao longo de gerações aplicando conhecimentos da morfofisiologia do sistema reprodutor e noções básicas de hereditariedade. reprodução medicamente assistida) e sua aplicação e respectivas consequências na sociedade e no ambiente (produção alimentar. a presença ou não de sardas. terapias médicas. reprodução medicamente assistida. células estaminais).Construção da árvore genealógica de cada aluno (pelo menos até à 3º geração). Parede. indústria farmacêutica. organismos geneticamente modificados. .

interpretando-as como respostas do sistema neuro-hormonal. . explicitando a respectiva função.Associar a função excretora do organismo ao sistema urinário (eliminação da urina). . cárdio-vascular. às glândulas sudoríparas (eliminação do suor).Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . diferenciar sangue venoso de sangue arterial quanto à quantidade relativa de dióxido de carbono e oxigénio que contêm.Identificar os constituintes do sistema nervoso.Relacionar a acção complementar dos processos físicos e químicos na digestão. planificando experimentalmente. Julho de 2011 Página 77 de 105 .Revelar pensamento científico (prevendo. . Organismo Humano em Equilíbrio .Explicar a intervenção dos músculos intercostais. Parede. do diafragma e das costelas nos movimentos respiratórios de inspiração e expiração (ventilação pulmonar). . sístole auricular e sístole ventricular) quanto à contracção/relaxamento das cavidades do coração e abertura/fecho das válvulas e suas consequências para a deslocação do sangue no coração. Pasteur. digestivo e excretor e interpretar o funcionamento do organismo como um todo. proteínas e lípidos). . os alunos podem ao nível da Formação Cívica elaborar biografias destes ou de outros cientistas. …) para verificar a influência de enzimas específicas na transformação de macromoléculas nas unidades básicas (glicose. as suas protecções e a célula especializada na transmissão do impulso nervoso (neurónio).Identificar e caracterizar as fases do ciclo cardíaco (diástole geral. Egas Moniz). ao sistema respiratório (eliminação de gases provenientes de metabolismo celular) e ao sistema digestivo (eliminação das fezes). glicerol/ácidos gordos) dos respectivos nutrientes (glícidos. essenciais à coordenação do organismo.Descrever a circulação pulmonar e a circulação sistémica.Neste subdomínio. . executando. .Distinguir reações voluntárias e involuntárias do organismo. Meta final 9: Explicar as interacções entre os sistemas neurohormonal. aminoácidos. No âmbito desta atividade. central e periférico. relacionar a estrutura dos diferentes vasos sanguíneos com a sua função. mais do que conhecer os diferentes sistemas isoladamente.Análise de textos e documentos com informação relativa ao trabalho de cientistas que contribuíram para o conhecimento do organismo humano e para o desenvolvimento de procedimentos médicos e cirúrgicos (ex: Harvey.Identificar os constituintes do sangue e descrever as respectivas funções. estômago e intestino delgado e identificar o suco digestivo que contém as enzimas em cada um desses locais. Proposta de operacionalização . respiratório. os alunos devem compreender as suas interações. .Descrever processos vitais como a hematose pulmonar (sistema respiratório) e a absorção intestinal (sistema digestivo) identificando a sua importância no funcionamento do organismo e na manutenção do seu equilíbrio. . associar os químicos à acção enzimática que ocorre na boca.

. Proposta de operacionalização .Caracterizar a fisiologia do sistema urinário quanto aos processos de filtração.O aluno interpreta informações nutricionais e energéticas existentes nos rótulos dos alimentos comercializados e em representações esquemáticas de recomendações alimentares (por exemplo: roda dos alimentos.Atividade experimental “Ação da saliva sobre o cozimento do amido”. os seus sistemas de órgãos devem também estar em equilíbrio. onde é testada a presença de amido e a ação da amilase salivar. outras drogas. . Meta final 9: Explicar as interacções entre os sistemas neuro-hormonal. excreção e secreção essenciais para eliminar do sangue os resíduos do metabolismo celular. Parede.Actividades práticas “Dissecação de coração de porco” e “Dissecação de rim de porco”. tabaco. identificando as matérias-primas e os produtos resultantes. Estas atividades permitem o manuseamento de material de laboratório e o cumprimento das regras de higiene de segurança. gástricas).Evidenciar a importância dos avanços científico-tecnológicos no diagnóstico. . prevenção e tratamento de doenças.Distinguir técnicas de prevenção (exemplo: vacinas). álcool. digestivo e excretor e interpretar o funcionamento do organismo como um todo. A visualização de imagens não esquemáticas é importante para que os alunos compreendam as limitações/benefícios associados à utilização de modelos em Ciência. reabsorção. de diagnóstico (exemplos: análises sanguíneas. cárdio-vascular. Este esquema deve conter todos os sistemas abordados a realizar trocas entre si e também com o meio. respiratório.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . TAC.Caracterizar comportamentos de risco (exemplos: consumo. Julho de 2011 Organismo Humano em Equilíbrio Página 78 de 105 . e reconhecer a sua importância para o organismo e o funcionamento integrado deste para a actividade celular. ecografias) e de tratamento (exemplo: antibióticos) de doenças e aplicá-las em casos particulares (exemplos: doenças cardiovasculares.No final da abordagem deste subdomínio sugere-se a construção de um grande mapa de conceitos para que os alunos tenham uma visão globalizante do corpo humano como um sistema composto por outros sistemas que interagem entre si e que para que todo o corpo esteja em equilíbrio. radiografias.Explicar a respiração celular. . . . alimentação desequilibrada) para a integridade física e/ou psíquica dos indivíduos e explica algumas das suas principais consequências. . Os alunos devem fazer o registo cuidado das suas observações e se possível até mesmo fotográfico. respiratórias. pirâmide dos alimentos) e reconhece factores que condicionem as necessidades energéticas e nutricionais ao longo da vida.

3. Poluição sonora 1.6.Terra no Espaço 1.3. Mecanismo de Propagação de Som 1. Fenómenos acústicos 1.2. A luz como uma onda 2.1.2.4.4. Som 1. Planeta Terra 3. Propriedades físicas e químicas dos materiais 3. Julho de 2011 Página 79 de 105 . Refração da luz 2. A cor dos objectos Parede. Reflexão e refração da luz 2. A dispersão da luz branca 2.4.3.4. Movimentos e forças 3. Astros do Sistema Solar 2.3. Distâncias no Universo 2. O som como uma onda 2. Atributos do Som 1. Energia 4.1. Propagação da luz 2.2. Luz visível e não visível 2. Origens do Som 1. Aplicações da reflexão 2.4.3.2. Detecção de sons humanos 1.5.Sustentabilidade na Terra 1. Características das ondas de luz 2. A reflexão total da luz 2.4.4. Materiais 3.1.4. Separação dos componentes de uma mistura 3. O que existe no Universo 1.2. Características dos planetas 3.1.2. Velocidade do Som 1. Produção do Som 1.2.1.3.Transformações físicas e químicas dos materiais 4.1. Propagação do Som 1.2.6.1. Ciências Físico-Químicas Domínio .3.1. Constituição do Mundo Material 3.1.5.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 2. Luz 2.1.4.3. Sistema Solar 2.3. Transferências de energia Domínio .3.6. Universo 1. Aplicações da refração 2.4. Fontes e formas de energia 4.3.5.1.5.2.

9. Classificação dos materiais 3. Sistema elétricos e eletrónicos 2.3. Tabela periódica dos elementos 3.4. Julho de 2011 Página 80 de 105 . Tamanho e Massa dos átomos 3.2. Fibras. Uma primeira viagem ao interior das substâncias 4. têxteis e plásticos Parede. Símbolos e fórmulas químicas 4.1.2.1.1.1. Fatores que influenciam as condições atmosféricas 5. Metais e não metais 3.6.2. Descrição e previsão do tempo atmosférico 5.1. consumos elétricos e segurança 2.1.1.5. Previsões atmosféricas 5.6. Níveis de energia e distribuição electrónica 3.5. Estrutura e constituição das moléculas 3. Família dos compostos orgânicos 3.3. fluidos e rotações 2. Corrente eléctrica.1. Equações químicas 5. Movimentos na Terra e Sinistralidade Rodoviária 1. O carbono e os hidrocarbonetos 3.3.1.3. Forças e dispositivos de segurança na prevenção de acidentes 1.2.5.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 3. circuitos eléctricos e geradores 2.9.1. Reacções de precipitação 3.1.1.5.8.3.9. Reacções de oxidação .4.1. moléculas e reações químicas 4. Intensidade de corrente e choques elétricos 2.3.4.2. Proteínas. Ligação química 3.5. Reações químicas 3.1. Duas famílias de metais 3. Mudança global 5. Introdução as reacções químicas 3.2. Estrutura atómica 3.2.1.2.7. Reacções ácido-base 3. Átomos.1. Átomos e os seus agrupamentos 4. Resistência eléctrica 2. Em trânsito 1. Fenómenos electromagnéticos e a sua aplicação 2.4. Forças.redução 4. Geradores e tensão eléctrica 2. Circuitos electrónicos e sua aplicação 3.4. Forças e movimentos 1. Atmosfera terrestre 5. Segurança rodoviária e velocidade 1. hidratos de carbono e gorduras 3. Duas famílias de não-metais 3.7.2. Influência da atividade humana na atmosfera Domínio – Viver Melhor na Terra 1. Segurança rodoviária e distância de segurança 1.1.6. Tipos de reações químicas 3. Efeitos da corrente elétrica.

. como a evolução da tecnologia foi tornando possível o conhecimento do Universo (exemplos: telescópios.Associar as unidades adequadas às dimensões do objecto/sistema a medir na Terra.Construir uma interpretação sobre a origem e composição do Universo. ilustrando episódios da História das Ciências. de uma forma geral. através da recolha e sistematização de informação em fontes diversas.Sistematizar. respetivamente. Julho de 2011 Universo Página 81 de 105 . elaborando diagrama/mapa/teia conceptual. episódios da História da Ciência que tornaram possível o conhecimento do Universo. constelação e espaço vazio.De modo a sensibilizar os alunos para o caráter interativo dos desenvolvimentos científicos e tecnológicos.Descrever o que existe no Universo e estabelecer relações entre astros.Usar o conceito de ano-luz para calcular distâncias astronómicas.Explicar diferentes processos para encontrar os pontos cardeais a partir do Sol e de estrelas. em diferentes domínios da vida sóciocultural em cada época. estrela.Realização de uma visita de estudo ao Planetário. no Sistema Solar e no Universo.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 7º ano Domínio: Terra no Espaço Subdomínio Metas Intermédias . sondas.Explicar a origem do Universo. . . buraco negro.Atendendo a que os alunos. . radiotelescópios. em unidades astronómicas. promover um debate sobre “Como se tornou possível o conhecimento do Universo?”. possuem algum conhecimento e demonstram curiosidade sobre o assunto. sugere-se que estes realizem dramatizações sobre a vida e obra de cientistas como Leornardo da Vinci. através de pesquisa de informação. a que cada um se encontra do Sol a partir de valores de diâmetros médios e distâncias fornecidas. satélites artificiais …). planeta.Explicar. . através da pesquisa e selecção de informação. Galileu e Newton. Meta final 1 . sistema planetário. Parede. . Propostas de Operacionalização . . o professor pode introduzir a questão:” O que conhecemos hoje acerca do Universo?” e recorrer às ideias expressas para abordar conceitos como galáxia. Considerando trabalhos desenvolvidos pelos cientistas ao longo dos tempos.Estabelecer comparações entre as dimensões relativas dos astros em relação à Terra e comparar a distância. . .Elaboração de um relatório escrito sobre a visita de estudo. com base na teoria actualmente aceite pela grande maioria dos cientistas – O Big Bang. situando o Planeta Terra em outras estruturas mais complexas e explica as inter-relações CiênciaTecnologia no desenvolvimento das Ciências do Espaço. no hemisfério norte e no hemisfério sul. .

Classificar os planetas do sistema solar utilizando vários critérios (interior/exterior. orbita. a massa ou a temperatura média. identificar e caracterizar tipos de astros que o constituem. usando escalas adequadas . A comparação das características da Terra com as dos outros planetas do sistema solar permite responder à questão específica “ O que faz da Terra um planeta com vida” . distinguindo-a do geocentrismo. jornal). meteoros. .Uma atividade inicial para ter em atenção as ideias dos alunos consiste em solicitarse a realização de mapas de conceitos partindo de termos como Sol. Lua. justificando o que faz da Terra um planeta com vida. A recolha e organização de dados sobre as dimensões. Vénus. Solicitar aos alunos desenhos sobre o sistema solar. os satélites naturais.seguida de discussão sobre os modelos. cuja resposta constituirá um quadro de exploração juntamente com o estudo efectuado em Ciências Naturais. recolhendo informação em fontes diversas.Apresentar vantagens e limitações da utilização de modelos do Sistema Solar. Julho de 2011 Página 82 de 105 . Copérnico e Galileu). atmosfera. . etc. rochoso/telúrico e gasoso. e compreendê-lo como um sistema de partes interligadas mas distintas umas das outras. tipos de astros que constituem o sistema solar. através de figuras. .Identificar.Sistematizar o trabalho e principais ideias dos defensores de cada teoria (Ptolomeu.Comparar as características da Terra com as de outros planetas do sistema solar. cometas.Realização de pesquisas que resultem das questões e da curiosidades dos alunos. a distância ao Sol. . o tipo de atmosfera. . estes podem comparar o seu mapa com o dos colegas. planetas. justificando. satélites naturais.Sistematizar as principais características dos planetas do sistema solar. .Evidenciar a compreensão da importância da história do geocentrismo e identificar. o heliocentrismo como a perspectiva actualmente aceite. estrelas.Construção de modelos. Para comunicação dos resultados é fundamental incentivar o suo de diferentes suportes (Apresentação em computador. primário/secundário e anão). nomeadamente. do sistema Sol-Terra-Lua. . cartaz. e distribui-los pela turma para cada um interpretar o desenho de um colega. Sistema Solar Meta final 2: Interpretar o Sistema Solar com base na teoria heliocêntrica. a duração de uma volta completa. Propostas de Operacionalização .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias . .uma para as distâncias e outra para diâmetros . A seguir. Parede.

Calcular a rapidez média de um planeta. globo terrestre e outros objectos simples que se adeqúem). começando por analisar situações do mundo à nossa volta. a variação do peso de um objecto a diferentes distâncias do centro da Terra e em diferentes planetas do sistema solar (por exemplo: Lua e Júpiter). conforme localização geográfica. as fases da Lua e os eclipses da Lua e do Sol. . em diferentes costas marítimas. as fases da Lua e a altura das marés. .podem ser investigados pelos alunos para compreenderem a noção de força gravitacional. consequências do movimento de translação da Terra e da inclinação do seu eixo.Para explicar o movimento dos planetas deve efectuar-se uma primeira abordagem ao conceito de força e seus efeitos. . conhece os períodos de duração associados a cada tipo de movimento e é capaz de o simular. recorrendo também a simulações. a existência de Verão no hemisfério norte quando a Terra está mais afastada.Para estudar a Terra e o Sistema Solar. . Partindo de exemplo simples (percurso para a escola). . A seguir. Julho de 2011 Página 83 de 105 . no interior das naves espaciais e nas estacões orbitais ou apresentadas em filmes de ficção.Os alunos relacionam as fases da Lua com o fenómeno das marés.Interpretar informação qualitativa e quantitativa sobre a previsão e alturas horárias de marés. e para observadores dentro e fora da Terra.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas intermédias . os eclipses da Lua e do Sol. as fases da Lua. realizando actividades em que a partir de dados recolhidos nos jornais diários elaboram gráficos relacionando os dias do mês. com base no período de translação da Terra. ao longo do ano.A distinção entre massa e peso poderá ser facilitada pela exploração de situações divulgadas nos media sobre os movimentos dos astronautas à superfície da Lua. . conhecendo a distância percorrida e o tempo que leva a percorrer essa distância.Relacionar o aumento da distância dos planetas ao Sol com a menor rapidez média com que se movem à volta deste.Caracterizar a força gravítica como uma interacção atractiva à distância. altitude (na Terra) e mudança de planeta). . Planeta Terra Parede. e faz representações esquemáticas dos mesmos. os fusos horários e a variação da temperatura ao longo do dia. mede o seu valor e representa-o em casos particulares.Justificar a necessidade de convencionar a existência de anos bissextos. a não ocorrência destes em todas as situações de lua nova e lua cheia e a observação dos eclipses do Sol só numa parte da Terra. . podem comparar a trajectória da Terra com a de outros planetas.Explicar. a sequência destas fases observáveis no hemisfério norte e no hemisfério sul. o recurso à simulação com programas de computador para explorar os movimentos da Terra de modo a explicar a sucessão dos dias e das noites. . a sucessão do dia e noite.Explicar. ou de outro móvel. e variação da segunda – grandeza vectorial. Propostas de Operacionalização . . qualitativamente.Explicar. . as estações do ano. . recorrendo também a simulações. e relaciona-a marés vivas com posições relativas da Terra-Lua-Sol. com a latitude. exploram ainda o conceito de trajectória.Interpretar os movimentos de rotação e de translação da Terra.Explicar. . recorrendo também a simulações (por exemplo: usando uma fonte de luz. . a desigualdade na duração dos dias e das noites. e a observação da mesma face da Lua para um observador na Terra. recorrendo também a simulações. os alunos determinam a velocidade média. .O estudo do movimento pode ser introduzido com exemplos de situações familiares aos alunos. responsável pelo movimento dos planetas em torno do Sol e pela ocorrência de marés. as estações do ano.Comparar. a variação da inclinação dos raios solares no mesmo local e à mesma hora solar.Distinção entre as grandezas massa e peso (conservação da primeira – grandeza escalar. sabendo o espaço percorrido e o intervalo de tempo em que esse movimento decorre e exprime a rapidez média em km/h e/ou na unidade SI. “Como é que as forças explicam os fenómenos como o movimento dos planetas em volta do Sol?”Porque é que a Lua não cai para a Terra?”.

Parede.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Meta final 3: Construir uma interpretação sobre o que acontece num dado local do Planeta ao longo de um dia e ao longo de um ano. estabelecer comparações entre locais distanciados segundo a latitude e/ou longitude e explicar o movimento de planetas e outros fenómenos (marés e variação de peso de um corpo) em termos de forças de interacção gravítica. Julho de 2011 Página 84 de 105 .

Por exemplo. homogénea gasosa – ar isento de poeiras).Caracterizar uma solução como mistura homogénea (exemplo: homogéneas sólidas – ligas metálicas. .Realização de atividades experimentais sobre concentração e planeamento de uma atividade experimental sobre técnicas de separação de misturas. por junção de substâncias à temperatura ambiente. . misturas homogéneas e substâncias puras. fusão de metais na indústria metalúrgica. As questões ou dúvidas suscitadas pelos alunos durante a realização destas actividades podem constituir objeto de pesquisa ou de leitura complementar de textos escolhidos pelo professor sobre determinadas misturas de substâncias.Partindo de exemplos de materiais utilizados no dia-adia e indicados pelos alunos sugere-se a realização de atividades de classificação onde os alunos definem e utilizam diferentes critérios. quebra de vidro . . . através da exploração de modelos ilustrativos dos diferentes estados. . . da luz (fotólise). Materiais . De seguida. . expressa vulgarmente em g dm-3. identifica alguns materiais (por observação microscópica direta ou de fotografias). origem vegetal ou animal.Recorrer a situações do dia a dia. fatores que levam à ocorrência de transformações químicas por ação do calor (termólise). .Diferenciar o significado de material “puro” no dia-a-dia (exemplo: material não contaminado) e em Química (material formado por uma substância). interpretar a mudança de estado físico de uma substância sem alteração da natureza dessa substância. . de Propostas de Operacionalização . por observação macroscópica.Interpretar os gráficos que traduzem a variação da temperatura.Explicar os estados físicos da matéria. para estas últimas. .Realização de atividades experimentais para identificar propriedades que permitam distinguir as diferentes substâncias. -Explicar que a maior parte dos materiais é misturas de substâncias. evidências macroscópicas da formação de novas substâncias. no tempo. algumas de uso industrial e explica por que muitas dessas fontes são limitadas. É importante discutir que materiais que já foram usados na sua forma natural frequentemente têm de ser sujeitos a processos físicos e químicos de tratamento. em casos concretos do diaa-dia. constituída por um solvente e por um ou mais solutos nele dissolvidos. por ação mecânica e. que são matériasprimas. Os alunos poderão desenvolver atividades de ligação ao estudo que estão a efetuar em Ciências Naturais. contida em rótulos de embalagens de produtos comerciais (exemplos: reagentes laboratoriais e materiais do dia-a-dia). . da redução e da reutilização de materiais. como coloidais.para solicitar a identificação de semelhanças e diferenças entre os dois tipos de transformações. quando a energia fornecida por unidade de tempo é a mesma.Classificar. . a classificação em materiais naturais e em manufaturados. apresentando. homogéneas líquidas – soluções aquosas.Identificar materiais existentes na Natureza.Interpretar a informação.7º ano Domínio: Terra em Transformação Subdomínio Metas Intermédias . solúveis ou insolúveis em água…). e aplica-o à preparação laboratorial de soluções. os alunos distinguem através da análise de rótulos de diferentes materiais.Identificar.tais como o enferrujamento do ferro. a nível regional e nacional. recorrendo a exemplos diversos. .Explicar implicações da utilização excessiva e desregrada de recursos naturais (exemplo: consequências para desequilíbrios no Planeta) e vantagens da reciclagem. queima de materiais num incêndio.Classificar materiais segundo critérios diversos (exemplos: naturais ou manufaturados. da eletricidade (eletrólise). de amostras aquecidas ou arrefecidas.Distinguir as transformações físicas de transformações químicas. -Os alunos observam diferentes materiais e tentam classificá-los em misturas homogéneas e heterogéneas. laboratorialmente e/ou em contextos do quotidiano. de forma espontânea. que aparentam ser homogéneos. quanto à composição e normas de manipulação em segurança desses materiais. em termos de agregação de partículas. materiais em homogéneos e heterogéneos. .Interpretar o conceito de concentração mássica como uma grandeza intensiva que relaciona a massa de soluto por unidade de volume de solução.

na sequência correta e em segurança) na separação dos componentes de misturas homogéneas e de misturas heterogéneas. organizá-los segundo diferentes critérios e explicar implicações da utilização excessiva e desregrada de recursos naturais. aplicações do uso de técnicas de separação dos componentes de uma mistura na indústria e em outras atividades. Parede. compreender transformações que ocorrem na Terra. os quais. reconhecendo o contributo da Ciência para o conhecimento da diversidade de materiais.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais substâncias e de misturas (exemplos: água destilada e água salgada). através de exemplos concretos. efetuado em Ciências Naturais. . do quotidiano ou simuladas. planificar experiências onde se apliquem esses processos (usando as técnicas laboratoriais adequadas inerentes. no caso de substâncias. .Explicar a utilização de processos físicos na separação dos componentes de misturas. experimentalmente. explicar e executar processo(s) prático(s) para determinar. Julho de 2011 Página 86 de 105 . temperatura de ebulição (a uma dada pressão) e densidade de uma substância (a uma dada temperatura). onde estão patentes os efeitos de pressão e temperatura. o comportamento excecional da água e importância para a vida. e reconhece. Relacionar com o estudo do ciclo das rochas.Com atividades envolvendo processos onde ocorrem transformações químicas. identificar os estados físicos correspondentes nos diversos “troços” do gráfico. diferenciar o significado de material “puro” no dia-a-dia e em Química. . designada massa volúmica) de uma substância. caracterizam a substância. Meta final 4: Observar materiais. identificando as mudanças de estado que ocorrem.Explicar o ciclo da água. após pesquisa.Explicar o significado físico de densidade (também. .Para o estudo das transformações físicas realiza-se experiências centradas nas mudanças de estado físico da água. a densidade de uma substância. seres vivos e fenómenos essenciais à vida no Planeta. . preparar laboratorialmente soluções de concentração mássica definida com rigor técnico e em condições de segurança. por vezes.Indicar. . em conjunto. . distinguir transformações físicas de químicas. os alunos podem estudar algumas propriedades das substâncias iniciais e compará-las com as das substâncias obtidas. assim como o ponto de fusão e o ponto de ebulição.Identificar as amostras desconhecidas recorrendo a valores tabelados de temperatura de fusão.

“A construção de uma casa energeticamente eficiente. . na nossa sociedade.Identificar e interpretar. em situações do dia-a-dia e/ou criadas em contexto laboratorial. localização.Sistematizar os critérios de escolha de fonte(s) de energia para uma dada região. assim como a energia útil e dissipada.Descrever as medidas práticas eficazes e justificar a sua adoção na construção de casas ecológicas. . sociais. considerando aspetos como o consumo de combustíveis fosseis. . formulam questões que geram confronto de ideias e fundamentam os seus argumentos. fundamentando. . com preocupações ao nível da eficiência energética (aproveitamento da luz solar para iluminação natural e aquecimento passivo. . éticos e outros. . .Classificar as manifestações de energia nas duas formas fundamentais: cinética e potencial.Os alunos realizam actividades de resolução de problemas e tomada de decisão centrados na utilização de energias renováveis e não-renováveis. .” Parede.Atendendo à polémica sobre a dependência dos combustíveis fósseis. em situações do dia-a-dia e/ou em contexto laboratorial. . . em diagramas dos fluxos de energia para mostrar que a energia inicial foi transferida para diferentes objetos. tendo em consideração recursos aí existentes.Durante o desenvolvimento desta unidade os alunos podem ser envolvidos em projetos subordinados ao tema “A construção de uma casa ecológica”.Envolver os alunos na realização de um trabalho de grupo sobre a identificação da energia no dia-a-dia. . Meta final 5: Elaborar justificações sobre a importância de questões energéticas para a sustentabilidade do Planeta no que respeita a fontes de energia e eficiência energética.Para o estudo dos processos de transferência de energia (condução e conveção) é importante que realizem atividades experimentais ou analisem situações onde se identifiquem e caracterizem estes processos.Descrever e usar a informação organizada em texto e/ou tabelas e/ou gráficos relativamente a recursos e à situação energética mundial/nacional/local.Classificar fontes de energia em primárias e secundárias. Propostas de Operacionalização . renováveis e não-renováveis.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . A representação.Os alunos devem refletir sobre situações analisadas e identificar para onde pode ter sido transferida a energia. a previsão de gastos na sua extração e o esgotamento das reservas existentes e ainda discutir alternativas. redução das transferências de energia térmica entre o interior e o exterior por condução). utilizando como critérios a origem da energia e a renovação de tais fontes.Identificar os problemas económicos e sociais associados à atual dependência mundial dos combustíveis fósseis (exemplos: consumo e esgotamento das reservas existentes) e apresenta. apresentada em unidades de energia SI (ou outras). transferências e transformações de energia envolvidas e usar diagramas esquemáticos de fluxo que salientem a conservação total da energia. Os alunos assumem as ideias de diferentes personagens. .Identificar e caracterizar os processos de transferência de calor (condução e conveção) e por radiação. os alunos podem analisar extratos de programas televisivos ou de jornais. fatores económicos. alternativas para minorar a dependência. impactes ambientais. Julho de 2011 Energia Página 87 de 105 .

incentivando-os a pesquisar as propriedades da água existente em diferentes regiões do país e a dureza da água em diversas amostras. . utilizando indicadores colorimétricos e medidores de pH. . essencialmente.Identificar as reações químicas que ocorrem à sua volta por explicitação de evidências macroscópicas da formação de novas substâncias (exemplos: formação de substância(s) de cor e/ou estado físico diferente). conservando-se o número total dos átomos de cada elemento. conduzindo à formação de novas substâncias (constituídas por unidades estruturais diferentes). . e identificar a Lei da Conservação da Massa com a lei por ele formulada – Lei de Lavoisier.Questionar os alunos sobre a solubilidade de diferentes substâncias em água. . após pesquisa. -Incentivar os alunos a escrever as equações de palavras correspondentes às reações químicas. . .Explicar os estados físicos da matéria em termos da agregação corpuscular. há mais de dois séculos.Associar átomos do mesmo tipo.Pedir aos alunos para identificarem reações de oxidação e sensibilizá-los para o desgaste dos metais e para a necessidade de uma constante vigilância e manutenção. planificando. . Propostas de Operacionalização .Pretende-se que os alunos compreendam que na Química se refere ao modo como os materiais se transformam para originar outras substâncias. as substâncias que se transformam (reagentes) e as substâncias que se formam (produtos da reação) e representa-as por equações químicas. tabelas ou gráficos de produtos do quotidiano. . diferentes unidades estruturais eletricamente neutras átomos e moléculas e com carga elétrica – iões.Revelar o pensamento científico (prevendo. . . Sensibilizá-los para a linguagem química de representação de substâncias e para a necessidade de uma convenção universal para símbolos químicos. Parede.Explicar as consequências da utilização. que se representa por um símbolo químico universal. executando. A exploração de modelos. Julho de 2011 Reacções Químicas Página 88 de 105 . . .Descrever as principais etapas do trabalho desenvolvido experimentalmente por Lavoisier. classificando-as como simples ou compostas. e fórmula química de uma substância. na indústria e a nível doméstico. de águas naturais de diferente dureza e relacionar a dureza da água com a região do subsolo de onde brota ou percorre.Confrontar os alunos com a existência de substâncias constituídas por átomos iguais e substâncias constituídas por átomos diferentes. aos diferentes elementos químicos que a constituem (significado qualitativo) e à relação em que átomos/iões se ligam entre si para formar a unidade estrutural (significado quantitativo). a um mesmo elemento químico.Explicar as reações químicas em termos de rearranjo de átomos dos reagentes. distinguir umas das outras utilizando a escala Sorensen e prevê a variação de pH de uma mistura de soluções de pH diferente. identifica. em reações de combustão em contextos do quotidiano e/ou laboratoriais.Partindo de soluções do dia-adia realizar experiências usando indicadores para caracterizar soluções ácidas e básicas.Classificar as soluções aquosas em ácidas. …) para verificar experimentalmente a Lei da Conservação da Massa em situações diversas e aplica-a à escrita de equações químicas simples. discutindo semelhanças e diferenças ilustrando a teoria cinético-corpuscular.Associar a diferentes substâncias. consequências para o ambiente de óxidos e partículas provenientes de queimas. identificar o tipo de unidades estruturais em rótulos. . . Programas de simulação em computador ilustrando a teoria cinéticocorpuscular devem ser usados nesta fase. . básicas ou neutras.Identificar.Associar as águas duras a soluções aquosas com elevada concentração. em iões cálcio e magnésio e indicar métodos de tratamento de água para diminuir a sua dureza.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 8ºano Domínio: Sustentabilidade na Terra Subdomínio Metas Intermédias .Explicitar os procedimentos de escrita e de leitura de fórmulas químicas e aplica-os em situações particulares.

laboratoriais e/ou do quotidiano.Indicar. . estado de divisão do(s) reagente(s) sólido(s) e presença de um catalisador apropriado.Classificar as reações químicas de acordo com a rapidez com que se processam e exemplifica. as quais podem ser controladas. após pesquisa e sistematização de informação. . Partindo de exemplos substâncias cujas unidades estruturais têm carga elétrica: iões. Parede. . em situações concretas.Interpretar. apresenta formas de controlar a rapidez da reação em casos concretos. naturais e não naturais. temperatura do sistema. Explicar as reações químicas em termos de rearranjos de átomos. de conchas e de corais). Meta final 6: O aluno interpreta a diversidade de materiais existentes. tratamentos físico-químicos simples usados no tratamento de águas de abastecimento público.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais . em demonstrações laboratoriais e em contextos reais (formação de estalactites e de estalagmites. Julho de 2011 Página 89 de 105 . verificando-se sempre a conservação da massa. Compreende o significado da simbologia química e reconhece a importância da sua aplicação na representação de substâncias e de reações químicas.Caracterizar as reações de precipitação como reações em que se formam sais pouco solúveis em água (precipitados) e identifica-as. através das unidades estruturais das substâncias constituintes e reconhece que ocorrem reações químicas entre substâncias em determinadas condições. fatores que influenciam a rapidez das reacções químicas: concentração dos reagentes.

recorrer às TIC e a diferentes fontes de informação para pesquisar. recolhidas em fontes diversas. sistematizar e apresentar informação sobre possíveis causas. Mudança Global Meta final 7: Descrever elementos do clima que determinam o estado do tempo e interpretar fenómenos atmosféricos e previsões do tempo apresentados em diferentes formas.Revelar o pensamento científico (prevendo. construindo e testando equipamento simples) na construção de uma estação meteorológica. fria e oclusa).Identificar e interpretar situações do quotidiano.Construção de um glossário de turma sobre esta temática. nacionais e/ou mundiais. . consequências e formas de minimização. consequências e medidas de proteção nas situações selecionadas. . relacionar a emissão de poluentes atmosféricos com problemas ambientais. centro barométrico. Sugere-se a realização de projetos centrados na identificação de poluentes atmosféricos.O estudo deste tópico deve ser realizado em coordenação com as Ciências Naturais e a Geografia. . Parede.Identificar os poluentes atmosféricos.Pesquisar sobre as formas de recolha de dados em meteorologia e sobre o papel dos satélites meteorológicos. em que a poluição atmosférica pode comprometer a vida na Terra. algumas consequências e formas de os minimizar. superfície frontal e frentes quente.Incentivar os alunos a consultar um jornal na secção correspondente ao estado de tempo para identificar termos relacionados com meteorologia. sobre o estado de tempo.Interpretar informação meteorológica. Julho de 2011 Página 90 de 105 . . possíveis origens. pressão atmosférica. . (exemplos: humidade do ar. . as suas possíveis causas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias . Propostas de Operacionalização . planificando. massa de ar.

Propostas de Operacionalização .Planear diferentes experiências simples com os alunos identificando aqueles que são melhores isoladores sonoros. compara os valores obtidos com os recomendados na legislação em vigor e infere consequências a nível fisiológico e psicológico com base em pesquisa sobre o tema.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias .Explicar a formação de zonas de compressão e rarefação produzidas pela membrana de um altifalante quando emite um som puro e relaciona-las com o modelo de onda sinusoidal representada no espaço e no tempo. sons audíveis e ultra-sons produzidos e percecionados por diferentes animais. recorrendo-se. . . .Pesquisar sobre instrumentos musicais usados em diferentes regiões do país e ao longo dos séculos.Os alunos devem investigar o que acontece ao som quando incide em diferentes superfícies e quando passa através de meios distintos. percussão e/ou sopro). líquidos e gasosos (a diferentes temperaturas). Julho de 2011 Som Página 91 de 105 .Estudar as propriedades dos sons (altura. intensidade. .Explicar as diferenças (por exemplo: o timbre) e semelhanças (exemplo: a frequência fundamental e a vibração de um meio) que permitem distinguir sons complexos produzidos por diferentes tipos de pessoas ou de instrumentos (de cordas. Parede.Situar no espetro sonoro infra-sons. Meta final 8: O aluno interpreta fenómenos sonoros. prevendo. concluindo) na determinação da velocidade do som no ar e interpretar informação tabelada sobre a variação da velocidade da frente de onda sonora quando se propaga em meios elásticos sólidos. . líquidos e no ar. . . usando um sonómetro. refratada e difratada. .Os alunos podem medir os níveis sonoros nas diferentes zonas da escola. .Explicar as condições necessárias à comunicação sonora pelo ser humano: produção. quando afinados na mesma nota musical. reconhecendo a influência da tecnologia. e conhece tecnologias que têm por base do seu funcionamento a reflexão de sons (exemplos: a ecografia e o sonar).Revelar o pensamento científico (planificando. à colaboração de um médico.Explicar fenómenos associados à propagação de uma onda sonora quando é refletida (eco e reverberação). se tal for possível. relaciona-os com características do som e identifica algumas aplicações tecnológicas dos mesmos. a partir da gama de frequências atribuída a cada um. timbre). experimentando. É importante discutir os problemas de audição que surgem quando há exposição a fontes sonoras com intensidade elevada. Sugere-se a realização de experiências envolvendo a propagação do som nos sólidos. . propagação e perceção. prever alterações num som puro audível quando se varia a frequência/período (alteração da altura: sons graves e agudos) ou a amplitude (alteração da intensidade: sons fortes e fracos). e trata dados recolhidos usando ferramentas TIC. .Estudar a propagação do som em diferentes meios.Planificar e executar um mini-projecto prático para avaliar níveis sonoros em ambientes particulares. recorrendo ao uso do sonómetro. usar o conceito na resolução de situações problema (exemplo: determinar a que distância ocorreu um trovão).

dos três tipos de cones na retina. Pesquisar sobre a constituição do olho humano. e apresenta aplicações de cada tipo de lentes. …) na determinação experimental da vergência de uma lente. sonoras. Distinguir reflexão especular de reflexão difusa para explicar por que motivo se obtêm imagens num espelho e não. período e velocidade das ondas) utilizar uma corda. Parede. . pesquisa sobre a evolução da tecnologia associada a este campo da saúde. radiação eletromagnética) .Explicar as condições essenciais à visão de um objeto pelo ser humano e representar esquematicamente no fenómeno ótico em termos do trajeto dos raios luminosos. segundo a diferente capacidade de os mesmos absorverem. . explica o mecanismo da visão e limitações que podem ocorrer e perceciona a cor como propriedade não intrínseca do objeto. e na mesma proporção. íris. . . -Associar as cores secundárias (magenta. por exemplo. com diferentes ângulos de incidência e interpreta a reflexão interna total da luz nas fibras óticas. explicar a cor de objetos usando os modelos subtrativo e aditivo de luz.Distinguir lentes divergentes de convergentes. podendo-se decompor. refletirem.Interpretar a luz branca como sendo composta por radiações de diferentes comprimentos de onda. experimentando.Comparar e distinguir a luz e som quanto ao meio de propagação e ao tipo de onda.Caracterizar as principais funções da pupila. frequência. em casos simples.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomíni o Metas Intermédias Propostas de Operacionalização .Classificar materiais. Julho de 2011 Página 92 de 105 . transmitirem e difundirem a luz visível que neles incide.Incentivar os alunos a pesquisar a utilização das fibras óticas. . o tipo de informação que transmitem. caracterizando o percurso de um feixe de luz paralelo que nelas incide. retina. as leis da reflexão e as características das imagens obtidas com espelhos planos e esféricos. . nervo ótico e humor vítreo no processo da visão e explica em que consiste a miopia e a hipermetropia. amplitude. com base na planificação e realização de experiências. por exemplo.Pedir aos alunos que identifiquem sinais luminosos e que pesquisem como são produzidos. Revelar pensamento científico (planificando.É importante que os alunos observem ondas e distingam entre transferência de energia por ondas mecânicas (mar.Encorajar os alunos a efetuar investigações usando filtros de diversas cores para interpretar a cor dos objetos com base na absorção e reflexão da radiação incidente. a partir de evidências experimentais. ciano e amarelo) ao resultado da adição (modelo aditivo de luz). de duas cores primárias e as outras cores ao resultado da sobreposição de cores primárias em diferentes proporções. -Diferenciar as radiações do espetro eletromagnético segundo diferentes critérios e apresenta exemplos de aplicações tecnológicas para algumas delas. luz visível. . usadas. -Distinguir o preto. por dispersão. usa a ótica geométrica para explicar as imagens formadas em espelhos planos e curvos. cristalino.Evidenciar que a cor percecionada de um objeto depende do material de que é feito e da luz que nele incide. recorrendo a atividades laboratoriais (exemplo: usando filtros de diversas cores e diferentes tipos de luz). sísmicas) de transferência de energia por ondas eletromagnéticas (rádio. por exemplo. assim como a evolução da tecnologia associada a este campo da saúde constitui um assunto importante para ser explorado pelos alunos. . bem como formas de corrigir estes defeitos de visão. Para estudar as características das ondas (comprimento de onda. . prevendo. córnea. . nas telecomunicações. numa folha de papel. Luz Meta final 9: O aluno interpreta fenómenos óticos recorrendo à propagação da luz no mesmo meio ou em meios distintos.Explicitar o que acontece na propagação de luz de um para outro meio transparente.Explicar. na mesma proporção. as doenças de visão e o modo de as prevenir. o branco e o cinzento em termos da radiação refletida e da estimulação simultânea. .

em situações simples: trajetória de espaço percorrido. repouso de movimento (em relação a um dado referencial). espaço percorrido de deslocamento.O estudo dos movimentos retilíneos pode ser efetuado com carrinhos. Associar a cada grandeza a respectiva unidade SI. que traduzam situações reais de trânsito. representar o peso. com gelo) . .Justificar a utilização do capacete e do cinto de segurança na proteção do condutor. os pares ação-reação (Terceira Lei de Newton) e representá-los tendo em consideração as suas características. e que é percecionada por efeitos que provoca (deformação e/ou alteração do estado de repouso ou de movimento). esboçar.Os horários de comboios ou de outros transportes podem ser usados para calcular e comparar velocidades médias para as mesmas distâncias percorridas. usando escalas adequadas. -Distinguir. a partir de atividades práticas laboratoriais que apliquem a Lei de Arquimedes.Identificar. travagem e segurança a partir de representações gráficas de velocidade em função do tempo. A análise dos dados obtidos deve permitir classificar o tipo de movimento em diversos intervalos de tempo. de certos medicamentos e/ou a falar ao telemóvel. sugerese a discussão das seguintes questões:”Por que razão os autocarros e os camiões tem volantes maiores do que os carros?” e “Por que se colocam os puxadores das portas na posição oposta ao eixo vertical da porta?” . no mesmo gráfico outras situações: mesmo condutor sob o efeito de álcool. -Para compreender as ideias dos alunos relativamente ao movimento e às forças. . -Determinar o peso de corpos a partir da massa e do valor da aceleração da gravidade.Identificar os processos correntes de medição de velocidades. Forças. em situações de corpos apoiados em superfícies horizontais e oblíquas. . Julho de 2011 Página 93 de 105 . usando conceitos de pressão. em caso de acidente ou de travagem brusca.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 9º Ano Domínio . -Interpretar o efeito da altura da carga na diminuição de estabilidade do veículo e sua possível implicação em acidentes rodoviários. na proximidade das superfícies de diferentes planetas (exemplos: Terra. rapidez média de velocidade média. -Interpretar a Lei Fundamental da Dinâmica ou Segunda Lei de Newton e aplicá-la em contextos reais e/ou laboratoriais de corpos em repouso ou em movimento. mesmo condutor e veículo movendo-se a maior velocidade e em pisos de diferente estado (seco. determinar velocidades instantâneas e calcular a aceleração média num determinado intervalo de tempo.Calcular distâncias de reação. planificando e experimentando.Viver Melhor na Terra Subdomíni o   Metas Intermédias Propostas de Operacionalização -A noção de movimento associada às Ciências Naturais. -Revelar o pensamento científico (prevendo. -Associar a grandeza física vetorial aceleração média à variação da velocidade no respetivo intervalo de tempo e calcular o seu valor em movimentos simples do quotidiano. numa perspetiva de continuidade de vida. molhado. Movimentos e Segurança  Parede. -Associar força a uma grandeza vetorial que resulta da interação entre corpos. em diversas interações. representar a força de impulsão e o peso nessas situações e explicá-las. Lua e Júpiter). de inércia e outros. por contato macroscópico ou à distância. comparando-os com os usados pela policia na deteção da velocidade dos automóveis. …) na determinação do valor da força de impulsão exercida em corpos que flutuem ou se afundem em líquidos de diferentes densidades.          .

. os seus efeitos e fatores de que depende. -Para analisar forças de ação e reação. planificando. os alunos observam um filme sobre uma corrida de ciclistas. a=f(t) e F=f(t) e/ou a partir de valores numérico. descrita e/ou traduzida em gráficos. …) explicitando fatores que influenciam a força de atrito. analisar situações como o descolar de um avião.  Meta final 10: O aluno interpreta e classifica movimentos reais ou simulados. sugere-se a realização de atividades para determinar a distância de travagem. com base em leis de movimentos. a partir de gráficos y=f(x). . andar de barco e empurrar um carro. de movimentos do quotidiano e/ou simulados em contexto laboratorial. de veículos e de outros móveis e justifica medidas de segurança e prevenção de acidentes rodoviários.No estudo das forças que afetam os movimentos. interpreta (valores de) e calcular.  . grandezas cinemáticas associadas a esses movimentos e identifica condições em que se verificam. v=f(t). de modo a poderem descrever como aqueles se posicionam para adquirir uma maior velocidade. Parede. -Para abordar o atrito.Relacionar as grandezas cinemáticas para caracterizar os movimentos. identificar situações do dia-a-dia em que é vantajoso minimizar o efeito do atrito e outras em que este efeito é desejável. . por análise da resultante das forças. x=f(t).Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais     . experimentando.Revelar o pensamento científico (prevendo. Julho de 2011 Página 94 de 105 . interpretar corretamente informação de movimentos simples de corpos.Caracterizar os movimentos retilíneo uniforme e retilíneo uniformemente variado. relacionar a existência de repouso ou movimento rectilíneo e uniforme com o valor da resultante das forças que actuam no corpo. em casos particulares.Como aplicação dos estudos sobre o movimento e as forças.

para a utilização de aparelhos elétricos. executando. identificando elementos constituintes. . modo de ligação e representação esquemática e proceder a montagens práticas em casos simples.. por exemplo.Interpretar os significados de normas gerais e específicas de segurança.Sugere-se que os alunos determinem a resistência elétrica de vários condutores e que planeiem experiências que permitam distinguir condutores de isoladores .p.d. na eletrólise. potência e classe energética.Apresentar exemplos da aplicação dos efeitos da corrente elétrica: térmico.d.Apresentar vantagens e desvantagens em associar dois recetores em série e em paralelo e prever implicações ao nível da intensidade da corrente elétrica e da tensão/d. em série e em paralelo.Interpretar o significado de informação existente em chapas/etiquetas/fichas técnicas de eletrodomésticos (tipo e valor de tensão.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio Metas Intermédias .Revelar o pensamento científico (prevendo. por exemplo. por risco de incêndio). intensidade de corrente elétrica e resistência utilizando instrumentos de medida digitais e/ou analógicos.Identificar os componentes em sistemas elétricos.Outros aspetos a explorar são os efeitos químicos. durante o intervalo de tempo de funcionamento. a diferença de potencial entre dois pontos do circuito.p. . analisar as transferências de energia e discutir regras de segurança no manuseamento de equipamento elétrico. …) na determinação da relação que existe entre tensão e intensidade de corrente elétrica que atravessa um condutor óhmico (Lei de Ohm) e na identificação de fatores (comprimento.Os alunos em casa analisam recibos de eletricidade e apresentam possíveis explicações para os gastos nos diferentes meses. Julho de 2011 Sistemas Elétricos e Eletrónicos Página 95 de 105 . .Calcular “consumos” energéticos. . . Propostas de Operacionalização . .Proporcionar aos alunos oportunidades de produção de correntes elétricas induzidas. de eletrodoméstico(s) a partir da potência. estudando os fatores que afetam a intensidade e o sentido dessas correntes Parede. secção e tipo de material) de que depende a resistência de um fio condutor. compreendendo a sua evolução. .Os alunos começam por montar circuitos elétricos. . -Relacionar a energia com potência e introduzir a unidade do kWh. magnéticos e térmicos da corrente elétrica. de modo a minimizar efeitos fisiológicos no corpo humano quando atravessado por correntes elétricas. .Explicar o perigo de incêndio aquando da ligação de vários eletrodomésticos com elevada potência à mesma tomada. identificar os componentes do circuito medir a intensidade da corrente.) . . químico. prever aplicações tecnológicas destes efeitos (por exemplo: reóstatos e cabos elétricos).5V e relacionar a diferença de potencial de cada gerador com a que resulta da sua associação em série. e caracterizar principais funções dos mesmos nomeadamente a(s) transferência(s) e ou transformação(ões) de energia que neles ocorrem.Identificar o tipo de associação de geradores eletroquímicos em pequenos aparelhos elétricos e em pilhas de 4.Apresentar e tratar dados de medições diretas de tensão/d. em resistências de aquecimento e fusíveis (útil) em curto-circuitos ou sobrecargas (prejudicial.Interpretar circuitos elétricos.Os alunos podem pesquisar sobre o modo de produção de energia elétrica nos séculos XIX e XX. . em diversos pontos de circuito simples. . . e apresentar soluções práticas para reduzir os “gastos” de energia elétrica numa habitação. em unidades SI e em kWh. ou da tensão e intensidade de corrente elétrica que o percorre. planificando.

amperímetro. pesquisando fontes diversas. através de experimentação adequada.Identificar objetos que usam eletroímanes rudimentares. ou pequenos fios de aço.Descrever. .Pesquisar sobre diferentes sistemas de comunicação baseados na eletrónica e sobre o modo como a informação é enviada e a que distâncias. Julho de 2011 Página 96 de 105 . voltímetros. Parede. nomeadamente Volta (bateria eletroquímica). . Hans Orested (efeito magnético da corrente elétrica) e Michael Faraday (correntes elétricas induzidas) assim como algumas aplicações tecnológicas destas e de outras descobertas (exemplos: eletroíman. identificando elementos constituintes.Justificar a necessidade de elevar a tensão (alta tensão) e de baixar a intensidade da corrente elétrica (através de transformadores) e de usar cabos grossos durante a transferência da energia elétrica das centrais elétricas para os consumidores. e traduz algumas dessas propostas em formato prático-laboratorial. a existência de campos magnéticos atrativos e repulsivos criados por ímanes permanentes através da orientação de limalha.Descrever formas de gerar tensão elétrica contínua e alternada (eletroquímica e/ou por indução). . procede a montagens práticas e em segurança e mede corretamente grandezas elétricas em circuitos.  Meta final 11: O aluno analisa informação técnica e de segurança relativamente a eletrodomésticos e/ou a componentes elétricos e eletrónicos e explica funções específicas de cada um para o funcionamento global de circuitos simples. elabora resposta a questões/situações problema. . . relacionando a sua intensidade com a maior ou menor proximidade das linhas de campo. alternador e dínamo). operacionalmente. Fornecer aos alunos diferentes materiais e verificar quais são atraídos por ímanes. modo de ligação e representação esquemática. Interpretar circuitos eletrónicos. Realizar experiências com ímanes e limalha de ferro para introduzir o conceito de campo magnético. -Sistematizar trabalhos importantes de alguns cientistas.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais    Sistemas Elétricos e Eletrónicos    .Explicar o funcionamento de uma bússola. campainha. e procede a montagens práticas.

. H2O. do grupo 16 (exemplos: oxigénio e enxofre) e do grupo 17 (exemplos: flúor e cloro) e a formação de compostos iónicos entre elementos metálicos e não metálicos (exemplos: NaCl . a tendência de formar iões estáveis dos elementos químicos do grupo 1 (exemplos: lítio. Os alunos elaboram cartões cada um referente a um elemento químico. recorrendo a fontes de informação diversas. ilustra a estrutura 3D de algumas moléculas através de modelos simplificados (exemplos: butano.Sistematizar contributos de vários cientistas para a organização dos elementos químicos até à Tabela Periódica atual. reconhecer que. CH4. girando à sua volta. Julho de 2011 Página 97 de 105 . nome do elemento. . .Atendendo às propriedades dos elementos. -Explicar a diversidade de substâncias a partir da ligação que se pode estabelecer através da compartilha de eletrões (ligação covalente). sódio e potássio). com carga elétrica positiva (catião) ou negativa (anião). a partir de tabelas com informação (nome. etanol. -Interpretar o significado de isótopo e explica o contributo da existência de vários isótopos para o valor da massa atómica relativa do elemento químico correspondente. combustíveis). Parede. dupla e tripla entre átomos de elementos químicos não metálicos.Interpretar informação da Tabela Periódica sobre elementos químicos representativos (símbolo químico. propanona. conhecendo o seu número atómico ou número de eletrões de valência e o nível de energia em que se encontram no átomo respetivo. ácido etanóico). nomeadamente com o estudo de ciclos biogeoquímicos)   Classificação de Materiais        . exemplos de matérias-primas que resultam direta ou indiretamente da extração do petróleo e que melhoraram a qualidade de vida das pessoas. recorrendo à localização na Tabela Periódica.Recomenda-se a pesquisa sobre o modo como os seres vivos foram utilizando diferentes elementos químicos ao longo de milhões de anos de evolução da vida na Terra (atividade a ser completada com aprendizagens em Ciências Naturais. . através de pesquisa de informação. NH3 e CO2). os alunos podem ordená-los. em substâncias elementares (Cl2. -Justificar. -Descrever o modelo simplificado para o átomo de um elemento químico. Na2O).Utilizar a tabela periódica para identificar os elementos que existem na natureza e aqueles que são sintetizados em laboratório e não existem entre os constituintes dos materiais terrestres.Explicar a semelhança de propriedades físicas e químicas das substâncias elementares estudadas atendendo à estrutura eletrónica. no conjunto.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Subdomínio    Metas Intermédias Propostas de Operacionalização . da atração elétrica entre iões de cargas de sinal contrário (ligação iónica) e nos metais (ligação metálica). número atómico. realizando jogos com os cartões que construíram. O2 e N2) e em substâncias compostas (HCl. como aquele que é constituído por um núcleo (com protões e neutrões) e eletrões. do grupo 2 (exemplos: magnésio e cálcio). localiza na Tabela Periódica (grupo e período) elementos químicos. MgCl2. -Sistematizar. . A utilização destas cartas na aula ajudará os alunos a compreender a organização da tabela periódica. -Identificar um ião como uma partícula mono ou poliatómica. o átomo é eletricamente neutro. associa alguns destes compostos a contextos de utilização (exemplos: alimentos.Sugere-se a construção de uma tabela periódica simples. em que num lado colocam a data de descoberta. -Interpretar as ligações covalentes simples. grupo funcional e fórmulas de estrutura). massa atómica relativa). entre outros. massa atómica. -Identificar famílias de compostos orgânicos e o tipo de ligação que os átomos estabelecem entre si. usando a notação de Lewis.

oxigénio e metais alcalinos e/ou alcalino-terrosos). Julho de 2011 Página 98 de 105 .  Meta final 12: O aluno explica a organização actual da Tabela Periódica e usa informação sobre os elementos representativos e respetivas substâncias elementares para explicar a diversidade de substâncias e algumas propriedades físicas e químicas de algumas delas. interpretar o comportamento alcalino ou ácido da reação entre os óxidos formados e a água e escrever as equações químicas correspondentes . através de ensaios práticos de condutibilidade elétrica e de reações químicas apropriadas (oxigénio e não metais. Parede. assunto estudado em Ciências Naturais. ponto de ebulição e densidade). nomeadamente no que diz respeito aos alimentos.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais    -Identificar na Tabela Periódica características do elemento químico (exemplos: número atómico e massa atómica relativa) e propriedades da(s) substância(s) elementar(es) respetivas (exemplos: ponto de fusão. -Distinguir metais de não metais.Realçar a importância da Química dos compostos de carbono.

. oral. No domínio das atitudes e valores: .Conhecimento do Mundo. . utiliza a informação recolhida no âmbito da avaliação formativa e traduz-se na formulação de um juízo globalizante sobre as aprendizagens realizadas pelos alunos. . . Parede.Respeito e cumprimento das regras de conduta gerais (saber estar. Educação Pré-Escolar A avaliação na Educação Pré-Escolar assume uma dimensão marcadamente formativa.Trabalhos de pesquisa.Conservação dos espaços. equipamentos e materiais.Expressão e comunicação. raciocínio e comunicação: . A avaliação sumativa realiza-se no final de cada período letivo. de modo a poder acompanhar a evolução das aprendizagens da criança. . plástica e dramática). .Fichas de trabalho.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 3. Avaliação A avaliação das aprendizagens compreende as seguintes modalidades: diagnóstica. . de forma a assegurar a informação e esclarecimentos recíprocos. de avaliação formativa e de avaliação sumativa.Autonomia e realização dos trabalhos. quer em casa. Na análise global do aluno devem ponderar-se nos domínios do conhecimento.Observação direta. quer na sala de aula. . . . .Desempenho psicomotor. São avaliadas competências ao nível de: .Capacidade de auto-avaliação.Cooperação com os outros na realização de atividades.Trabalho de grupo.Comunicação (expressão gráfica. . . Julho de 2011 Página 99 de 105 .Trabalho individual.Perseverança na realização de trabalhos/estudo e também na superação das dificuldades.Trabalho experimental. falar e ser cordial) e das regras de conduta em laboratório. e dentro dos prazos estabelecidos. . . ouvir. . . As atividades neste nível de ensino são organizadas e orientadas com base na articulação permanente entre o Educador e família.Espírito de iniciativa e curiosidade pelo saber.Assiduidade e pontualidade. pois as aprendizagens são realizadas ao longo de um processo contínuo e interpretativo. .Relatórios e textos diversos. .Responsabilidade e cumprimento das tarefas escolares. utilizando técnicas e instrumentos de observação e registo diversificado que possibilitem sistematizar e organizar a informação recolhida (ficha de observação e caderneta do aluno).Formação pessoal e social.Fichas de avaliação.

Interpreta corretamente diagramas/esquemas/textos. .Média dos Testes escritos (79%) .Utiliza linguagem científica correctamente Elementos de avaliação: . .Trabalhos escritos/práticos/de casa (6%) Atitudes e Valores – 15% Parâmetros: .Qualidade da participação (10%) Parede.Relaciona factos e/ou conceitos. .Testes escritos (60%) . .Compreender e explicar termos e conceitos. responsabilidade e atenção (4%) .Compreender e explicar termos e conceitos.Identifica termos e conceitos específicos.Interesse e atenção (6%) . .Mobiliza e aplica os conhecimentos adquiridos a novas situações/contextos.Interpreta corretamente diagramas/esquemas/textos. .Comportamento (3%) Segundo e Terceiro Ciclos Critérios de avaliação das disciplinas de Ciências da Natureza (2º Ciclo) e Ciências Naturais (3º Ciclo) Conhecimentos – 80% (o teste global tem um peso de 20%) Parâmetros: . Julho de 2011 Página 100 de 105 .Utiliza linguagem científica correctamente Elementos de avaliação: .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Primeiro Ciclo Conhecimentos – 85% Parâmetros: .Exprime-se de forma clara oralmente e por escrito. .Trabalhos escritos/práticos (10%) .Identifica termos e conceitos específicos. .Colaboração.Mobiliza e aplica os conhecimentos adquiridos a novas situações/contextos. .Pontualidade e assiduidade (2%) . . .Exprime-se de forma clara oralmente e por escrito.Relaciona factos e/ou conceitos. .

. .Execução do TPC (10%). . . . .Participa voluntariamente (2%).Realiza os trabalhos de casa (3%).Está com atenção e não distrai os colegas (2%).Mantém o caderno diário organizado (2%). . . . . Critérios de avaliação da Disciplina de Ciências Físico-Químicas Conhecimentos – 80% (o teste global tem um peso de 20%) Parâmetros: .Realiza os trabalhos de casa (3%). Elementos de avaliação: .É pontual (2%).Respeita a opinião dos colegas (2%). .É pontual (2%). Julho de 2011 Página 101 de 105 . .Apresenta o material necessário (2%). .Apresenta o material necessário (2%).Trabalho em laboratório (5%).Respeita a opinião dos colegas (2%).Mantém o caderno diário organizado (2%).É assíduo (2%).Revela conhecimento e compreensão de fenómenos físico-químicos. Parede.Está com atenção e não distrai os colegas (2%). .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Atitudes e Valores – 20% Parâmetros: .Aplica os conhecimentos adquiridos na resolução de situações problemáticas.Utiliza linguagem cientificamente correta. .Participa voluntariamente (2%).Realiza trabalhos (sala de aula e de casa)/atividades experimentais. .Testes escritos (60%). .Cumpre as tarefas atribuídas durante as aulas (3%).É assíduo (2%). . . . .Cumpre as tarefas atribuídas durante as aulas (3%).Fichas de trabalho (5%) Atitudes e valores – 20% Parâmetros: . .

Os testes de avaliação são previamente marcados. defesa e argumentação.Elaboração e interpretação de representações gráficas. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Testes Escritos Os testes incidem nas competências e nos conteúdos enunciados nas orientações curriculares da disciplina e no Currículo Nacional do Ensino Básico. Raciocínio: . A sua classificação é qualitativa.Estruturação lógica de textos.Exposição de ideias. mapas e fotografias. e devem vir assinados pelo Encarregado de Educação na aula seguinte à sua entrega. Comunicação: . Não Satisfaz 0% – 19 % Não Satisfaz 20% – 49 % Satisfaz 50%. gráficos. esquemas/diagramss.89% Excelente 90%. . . mapas.100% Parede. Seleção Construção Tipologia dos itens Escolha múltipla Associação/correspondência Ordenação Resposta curta Resposta restrita Resposta de desenvolvimento Os erros ortográficos em palavras/termos científicos devem ser corrigidos/repetidos pelo aluno.Interpretação de fontes de informação diversas.69% Bom 70%. tabelas.Interpretação de dados.Interpretação e compreensão de leis e modelos científicos. de acordo com as orientações do Conselho Pedagógico e do Projeto Curricular de Escola. Os itens do teste devem ter como suporte textos. . Julho de 2011 Página 102 de 105 . de acordo com o Projeto da Transversalidade da Língua Portuguesa desta Associação Escola.Análise e discussão de evidências e situações problemáticas.Previsão e avaliação de resultados de investigações. .Formulação de problemas e/ou hipóteses. Devem contemplar questões onde se avalie: Conhecimento: . .

Este visa estimular o interesse e o gosto dos alunos do 1º ciclo pela Ciência através de actividades de carácter experimental. aceitar o erro e a incerteza. de modo a promover a literacia científica nas crianças. .Conhecer e identificar fenómenos físico-naturais. visando a participação nas diferentes tarefas. .Envolver a comunidade educativa. como a cooperação.Desenvolver o espírito crítico e despertar interesse e curiosidade para a Ciência. Objectivos do Projecto: . Projecto Ciência Viva – “Descobrir a Ciência na 31” A Associação Escola 31 de Janeiro iniciou o projecto “Descobrir a Ciência na 31” em 2006. .Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 4. Parede. pela Ciência e pela Tecnologia. . .Integrar saberes no âmbito das Ciências. assim como. . bem como desenvolver competências básicas para aprendizagens significativas no ensino das Ciências no 2º e 3º ciclos do Ensino Básico. As turmas do 3º e 4º anos serão divididos por turnos para que haja um maior acompanhamento do trabalho desenvolvido pelos alunos e uma maior interacção professor-aluno. despertando atitudes positivas face à Ciência e à sua construção. . .Adotar metodologias personalizadas de trabalho e aprendizagem. Julho de 2011 Página 103 de 105 . Funcionamento das sessões: As sessões decorrerão no laboratório sob a supervisão das professoras responsáveis pelo projecto e com carácter semanal. Pretende-se o envolvimento dos alunos no seu processo de ensino-aprendizagem através da vivência de experiências educativas diferenciadas e diversificadas.Adotar práticas pedagógicas que propiciem às crianças actividades experimentais que as levem a interrogar-se sobre o mundo que as rodeia.Desenvolver o gosto pela experimentação.Utilizar diferentes instrumentos de observação e medida.Desenvolver atitudes inerentes ao trabalho em Ciência como a curiosidade e o respeito pelo trabalho efectuado.

. .Experiências com ímanes .Observar e reconhecer o electromagnetismo em objectos de uso comum.Observar e identificar as partes constituintes de uma flor e as funções de cada uma das peças florais.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais Actividades 2º ano .Organização e agrupamento dos seres vivos de acordo com as suas semelhanças. .Interpretar dados e tirar conclusões.Constituição do MOC.Análise do trabalho realizado e das pré-concepções dos alunos sobre os seres vivos.Identificar a existência do ar. .de uma infusão (observação de microrganismos e noção de seres unicelulares).Conhecer a constituição das células.Observar e identificar material de laboratório com importância em microscopia. do seu peso e a sua relação com o comportamento de objectos (exemplo: balões de ar quente e frio). -Distinguir misturas homogéneas de misturas heterogéneas.Conhecer as regras de utilização do MOC.Utilizar e conhecer as regras de segurança a adoptar no laboratório. .Conhecer a diversidade de seres vivos existentes na Biosfera.Utilizar e conhecer as regras de segurança a adoptar no laboratório.Utilização de material adequado para a medição rigorosa de líquidos. . .Orientação e correcção por parte do professor. . tamanho.Manusear instrumentos simples de laboratório.do epitélio bucal e da epiderme da cebola (observação de células animais e vegetais. . .Respeitar normas gerais de segurança em actividades experimentais. Objectivos específicos . .Observar o microscópio óptico composto (MOC). (para cada uma destas actividades será solicitado aos alunos a elaboração de um registo de observações). . . .Elaborar registos de observações.Conhecer as funções dos constituintes das células.Regras de segurança de laboratório.Elaboração de cartazes.Características das imagens obtidas pelo MOC.de recortes de letras (estudo das características da imagem ao MOC). 3º ano . . .Estudo das propriedades da luz .Medir rigorosamente líquidos. .Respeitar normas gerais de segurança em actividades experimentais. e microrganismos). . . . . .Reconhecer os fenómenos de refracção e reflexão da luz.atracões e deslocamentos.Identificar diferenças entre as células observadas (forma.Conhecer algumas características das imagens obtidas pelo MOC.Utilizar e conhecer as regras de segurança a adoptar no laboratório.Pesquisa e recolha de imagens de seres vivos (estudo dos sistemas de classificação dos seres vivos). . Parede. etc.Reflexão e refracção . . respectivamente e noção de seres pluricelulares). .Exploração de documentos informativos relativos à: . . suas funções e regras de utilização deste material. .Registo de observações.Manusear instrumentos simples de laboratório. .Descrever processos laboratoriais para fornecer diferentes evidências sobre o ar. .Elaborar registos de observações.Diferenciar seres unicelulares de pluricelulares. . . . 4º ano . Julho de 2011 Página 104 de 105 .Elaborar registos de observações. .Observações microscópicas: .Observação da estrutura de uma flor e elaboração de um registo gráfico.Interpretar dados e tirar conclusões. . .Observação e manuseamento do MOC. . . . . .Realização de uma actividade sobre misturas homogéneas e heterogéneas. .Interpretar dados e tirar conclusões. . .Compreender que existe unidade na constituição dos seres vivos.Observar diferentes células ao MOC (célula animal e vegetal.Conhecer as partes constituintes do MOC e suas funções. mesmo quando não se move?” “ Características do ar: o ar tem peso?” “ Detetor de correntes de ar verticais” .Actividades experimentais: “O ar existe – será que damos pela existência do ar.). .

A. Departamento de Educação Básica (1998). Águas. Ciências Naturais. Pestana. I.Estudo do Meio 2º ano. Rio Tinto: Edições Asa. & Rebelo. Projeto Desafios – Ciências da Natureza 5º ano. (2011). M. (2005) Giroflé . Currículo Nacional do Ensino Básico .Estudo do Meio 3º ano. Parede. N. & Monteiro. M. Bibliografia Águas. A. Junior – Estudo do Meio 3º ano.. C. A. Lisboa: Ministério da Educação. Carnaxide: Santillana Constância. M. (2008). Franco E.. Gonçalves. Carnaxide: Santillana Constância. I. Mem Martins: Ministério da Educação. D. Organização Curricular e Programas Ensino Básico – 1º ciclo. Projeto Desafios .. & Borges. D. A. Marques. & Rebelo. Lisboa: Texto Editores. (2011). Silva. Silva.Competências Essenciais.Associação Escola 31 de Janeiro Manual de Procedimentos para o Ensino das Ciências Experimentais 5. (2010).. Lisboa: Texto Editores. Metas de Aprendizagem. & Colaço. Projeto Desafios . Departamento de Educação Básica (2001). Alves. M.Estudo do Meio 1º ano. Caldas. I. C. Julho de 2011 Página 105 de 105 . I. Junior – Estudo do Meio 4º ano. Guia do Professor – Bios. Carnaxide: Santillana Constância.. Carnaxide: Santillana Constância. Franco. DGIDC (2010). & Monteiro. (2007). Lisboa: Ministério da Educação. Alves. Viver Melhor na Terra. (2005).