Prof.

Luiz Duarte Silva Júnior

Fenologia e Desenvolvimento
FENOLOGIA: estuda os fenômenos periódicos da vida da planta e suas relações com as condições do ambiente, tais como temperatura, luz, umidade, etc. (de Fina & Ravelo, 1973). DESENVOLVIMENTO: variações de volume, peso, forma e estrutura, visíveis ou invisíveis. O desenvolvimento implica em mudanças num sentido mais amplo, enquanto que crescimento se restringe ao aumento físico de volume, peso ou estatura.

A divisão do ciclo da cultura do milho em estádios distintos de desenvolvimento (vegetativos V e reprodutivos R) permite o estabelecimento de relações entre elementos ligados à fisiologia da planta, ao clima, aos aspectos fitotécnicos e fitossanitários e o desempenho da cultura.

ESTÁDIO: São subdivisões dentro fase. do de ciclo um do subperíodo também são indivíduo, ou mesmo não

caracterizando específicos

uma

Eles

momentos mas

dentro

necessariamente de transformação, como são as fases.

Os estádios surgiram pela necessidade de detalhar de maneira clara e objetiva as etapas de desenvolvimento das plantas, na elaboração das chamadas ESCALAS FENOLÓGICAS.

Os estádios de crescimento e desenvolvimento anteriores ao aparecimento das espigas são identificados, mediante a avaliação do número de folhas plenamente expandidas ou desdobradas. A folha mais inferior na planta jovem, com ápice arredondado não é considerada na contagem. Folha considerada desdobrada quando a mesma apresentar a linha de união lâmina-bainha (colar) facilmente visível. Para estádios posteriores a emissão da espiga, a Identificação será baseada na consistência dos grãos.

Fases Fenológicas do Milho Estádios Vegetativos VE – Emergência V1 – Primeira Folha V2 – Segunda Folha V3 – Terceira Folha V4 – Quarta Folha V5 – Quinta Folha Vn – Até o pendoamento Estádios Reprodutivos R1 – Pendoamento R2 – Grão Leitoso R3 – Grão Pastoso R4 – Grão Farináceo R5 – Grão farináceo Duro R6 – Maturação Fisiológico

Não conta Folha cotiledonar

FASES DO DESENVOLVIMENTO DO GRÃO DE MILHO

ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILHO

Fenologia
0 1
Definição da Produção POTENCIAL

2

3

4

5

6

7

8

9

10

Definição Tamanho espiga

Definição da Densidade do grão

-

0

2

4

6

8

9 a 10

12

24

36

48

Garniáceo-Duro

Grão Farniáceo

Emergência

55

Semanas Após Emergência

Dias Após Polinização

Maturação Fisiológica

Pendoamen to

Grão Pastoso

Florescimento

Grão Leitoso

Germinaç Germina ção

12 Folhas

4 Follhas

8 Folhas

Estádio 0: Plantio-Emergência

• temperatura e umidade favoráveis • radícula(representada pela raiz primaria) - primeira estrutura • raízes seminais – emergidas do nó cotiledonar • emissão da plúmula com 5 folhas rudimentares. • germinação ocorre em 2 semanas a 10,5 ºC, em 3 dias 18
ºC e em 4 dias a 15,5 ºC.

• Hipógea
gramíneas.

(na emergência, a semente fica sob o solo) –

• após

2 semanas da emergência, planta c/ duas folhas expandidas inicia a fotossíntese.

Estádio 1: 4 folhas

• 2a semana após emergência – 14 dias • crescimento do sistema radicular • diferenciação do meristema apical • tecidos meristemáticos e órgãos diferenciados abaixo do solo
(até 3a semana)

• diferenciação floral; panícula (masculina) e espiga (feminina). • define-se o potencial de produção, Nº espigas por unidade de
área.

• cuidado com a mecanização.

Herbicida (sulfuniluréias) aplicado após a 5ª folha, Sanson 40 SC.

Estádio 2: 8 folhas

• 4ª semana – 28 a 30 dias após a emergência • crescimento do colmo (em diâmetro e comprimento) • aceleração na formação inflorescência masculina (pendão). • colmo - armazenamento de sólidos solúveis • estresse hídrico – afeta comprimento internódios • K em cobertura – é o momento adequado

• Replante – hora de decidir • acentuada taxa de absorção de N e K • entre os estádios 7 e 9 é definido o nº de fileiras de grãos
por espiga.

• observar

o ataque da lagarta – Spodoptera fugiperda,

principalmente c/ déficit hídrico.

Estádio 3: 12 folhas

• 6º a 7ª semana após emergência – 42 a 49 dias • presença de 85 a 90% da área foliar • perda de 4 folhas mais velhas • crescimento de raízes adventícias “esporões” a partir do 1o
nó.

• tamanho da espiga (estádios 3 a 5) • máximo desenvolvimento do pendão
(emborrachamento).

semana

• Inicia crescimento dos estilo-estigmas “cabelo” • definição do número potencial de grãos – 7ª semana.

Estádio 4: Aparecimento parcial do pendão “flexa” – R1

• 8a ou 9a semana após emergência – 56 a 63 • crescimento acentuado dos estilo-estigmas
espiga

“cabelos” da

• definição • Temp

do tamanho e peso da espiga e peso dos grãos

relacionados ao índice da área foliar. elevada, déficit hídrico, baixa luminosidade e def.

nutricional (antecipa demasiadamente a emissão do pendão) e a formação e maturação do grão de pólem, antes mesmo da espiga estar apta estrutural e fisiologicamente para

desenvolver suas funções.

Aparecimento parcial do pendão “flexa”

Inflorescência Masculina

Inflorescência masculina - pendão

Estádio 5: florescimento e polinização – R2

• 9ª a 10ª semana após a emergência – 63 a 70 dias • inicia-se florescimento cessando o crescim/o • estilo-estigma cresce até ser polinizado (fecundação) • “cabelo” permanece viável por até 14 dias • atenção ao ataque de pragas(lagarta da espiga) • maturação: grão de pólen X cabelos F. cruzada • polinização realizada pelo vento • no de óvulos fertilizados nutrição, temp. e umidade • Planejamento lavoura (decisiva influencia ambiente) • Liberação do grão de pólen inicia ao amanhecer
estendendo-se até ao meio-dia, raramente exige mais que 4 horas.

Inflorescência masculina - pendão

Inflorescência feminina - cabelo

Análise Foliar 1º folha oposta e abaixo da espiga espiga

A amostragem deve ser realizada em talhões homogêneos, em época apropriada, retirando-se folhas de posições definidas na planta. Para o milho, o terço basal da folha oposta e abaixo da primeira espiga (superior), excluída a nervura central, coletada quando 50 a 75% das plantas apresentam-se com inflorescência feminina (embonecamento).

Procedimento de coleta de folhas em milho, coletando-se o terço central ( 20 cm) da folha abaixo e oposta da espiga, no aparecimento da inflorescência feminina (“cabelo”).

Polinização

Espigas bem polinizadas

Estádio 6: grãos leitosos – R3

• libera sólidos solúveis “leite” quando submetidos a pressão da
unha.

• 12

a 15 dias após o início da polinização (aparecimento

cabelo)

• início armazenamento de amido no endosperma • peso seco translocação dos sintetizados do colmo e folhas
para as espigas e grãos.

• fotossíntese
fotossíntese

é iprescindível. Falta de luz (nublado) reduz a aumenta estresse, reduz acúmulo matéria seca

do grão e favorece incidência de doenças no colmo.

• translocação efetiva do N e P para os grãos em formação. • ponto ideal para consumo de milho verde.

Estádio R3, grão leitoso, ideal para o consumo “in natura”.

Estádio 7: grãos pastosos – R4

• 20

a

25

dias

após

emissão

dos

estilo-estigmas

(aparecimento cabelo).

• sementes desenvolvendo rapidamente • acentuada deposição de amido (ganho de peso do grão). • grão apresenta relativa resistência à pressão das unhas
liberando pequena quantidade de sólidos solúveis “leite” quando no estádio 6 a liberação é maior.

• deficiências

hídricas

grãos

+

leves

e

pequenos,

comprometendo a produção.

Estádio 8: início da formação dos “dentes” – R5

• “dentes”

(concavidade

na

parte

superior

do

grão).

Cultivares de grãos duro, não há formação do dente, dificultando diferenciar os estádios 8 e 9.

• coincide

c/ o 36o dia após o inicio da polinização

(aparecimento cabelo).

• fase de transição do pastoso ao farináceo, tornando-se cada
vez mais endurecidos.

• desenvolvimento completo do embrião • momento ideal de corte para silagem
grãos no estagio farináceo-duro.

(33 - 37% MS) com

momento ideal de corte para silagem

Estádio 9: grãos duros – R6

• 48 a 55 dias após emissão dos estilo-estigmas. • todos os grãos encontram-se dentados. • acelerada perda de umidade em toda planta. • queda na taxa de acumulação de substâncias orgânicas e
minerais no grão.

• maturação

morfológica das sementes, com as estruturas

plenamente formadas e diferenciadas.

Estádio 10: grãos maduros fisiologicamente – R7

• última etapa do desenvolvimento • 50 a 60 dias após inicio da polinização
cabelo).

(aparecimento

• paralisação total do acumulo de MS nos grãos • inicio da senescência natural da planta • máximo peso de MS nos grãos e vigor nas sementes.

• “camada

negra” (no ponto de inserção do grão com o

sabugo) identifica o ponto ideal de colheita.

• rompe-se o elo entre planta-mãe e fruto. • Alta umidade do grão 38-30% não colher
25 -18%(com secagem artificial).

colheita entre

O milho está pronto para ser colhido a partir da maturação fisiológica do grão. Acontece no momento em que 50% das sementes na espiga apresentam uma pequena mancha preta no ponto de inserção das mesmas com o sabugo.

A camada preta é um conjunto de células mortas que impedem a entrada de nutrientes para dentro dos grãos e marca a fase de perda de água.

Profº Luiz Duarte Silva Júnior ldsja@terra.com.br

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful