You are on page 1of 12

Professor e Psicoterapeuta Leo Fraiman

A SOLIDÃO EM FAMÍLIA E A DESERÇÃO DO FUTURO
“A recusa em crescer pode ser uma manifestação de um coração que não se sente visto e por isso não pulsa mais. Muito da apatia que vemos entre nossos jovens vem de uma percepção que sentem dentro de casa de que não são vistos. Ora, se não sou percebido, se não existo, por que crescer?”

U

m dos fatores que mais gera angústia nos adolescentes é o atual estado de distanciamento entre pais e filhos dentro das famílias. O convívio está cada vez mais escasso, quase não se vêem, e quando o fazem, muitas vezes não conseguem conversar. Muitos vivem uma sensação de que estão falando sozinhos, não se sentem respeitados, nem ouvidos. A queixa freqüente nos consultórios de psicologia é de invisibilidade. Em muitas famílias, ocorre que os pais dão “tudo” aos filhos em relação a questões materiais, mas se demonstram incapazes de oferecer-lhes afeto, convívio, limites, um diálogo autêntico, compreensão e a noção de responsabilidade social, fatores que tanto necessitam para crescerem plenos. Além de receber bens, os filhos precisam se sentir eles mesmos os bens em casa. Precisam aprender que dar-se, colaborar, se doar é importante, justamente para que se percebam dentro da malha social, ou seja, que eles fazem diferença. Este é um dos piores aspectos d a su-

perproteção: ao se exigir cada vez menos dos filhos, eles acabam acreditando serem descartáveis, invisíveis, desnecessários, indesejados. Pesquisas internacionais mostram que como conseqüência deste distanciamento, justamente no vácuo entre pais e filhos, é que se criam espaços para comportamentos autodestrutivos como a apatia, a depressão, a baixa auto-estima, as notas ruins na escola e os comportamentos agressivos. No momento do vestibular, observa-se que o adolescente que têm um mau relacionamento com os familiares tende a fazer a prova sem acreditar em si mesmo, presta qualquer curso, só para os pais não “pegarem no pé” e se ver livre deles, ou até presta o curso mais distante possível para ficar longe dos pais, além, claro, de fazer a prova com um nível alto de ansiedade e baixa motivação. Tentar uma faculdade melhor, para quê? Deixa meu pai pagar! A vingança vem pelo bolso. Estes pais muitas vezes se justificam: “Não dá tempo”, e encobrem sua rejeição dizendo que são seus filhos que “não sabem conversar”,“não ouvem” e “não se importam”. Eles dizem ainda: “eles não têm mais limites”, “os jovens de hoje não nos ouvem”, “a escola deveria dar mais educação para os meus filhos”. O que incomoda justamente estes pais é que esta juventude é diferente das demais. É questionadora, pode gritar por socorro, o que em tempos passados era algo impensável. Isto incomoda aqueles pais que querem

tudo do seu modo e não mostram a menor abertura ao diálogo e ao contato. É uma das tarefas das escolas educar os pais para assumirem seu papel. Todos os estudos feitos sobre esta questão se mostraram favoráveis a políticas escolares que integrem as famílias em seu convívio. Desde a formação da APM, até a geração de vínculos com os pais para visitação de empresas por parte dos alunos interessados nas carreiras em que trabalham, em todos os sentidos, há um ganha-ganha quando pais e escola se unem. Educadores se queixam da falta de bom senso de muitos pais. Eu diria que para muitos deles falta algo anterior a isso: falta o senso, o sentir, a sensibilidade. Muitos dos pais não tiveram –eles mesmos, modelos de vínculo seguro e estruturado diante do qual poderiam formar uma visão de mundo assentada no compromisso e na consideração e passam isso aos filhos. É preciso que a escola seja um berço de reflexão e de mudança, local seguro, no qual as relações sejam formadas e mantidas com base no cuidado constante, no respeito, na consideração, no diálogo e na vontade de estar junto. Semear esta consciência entre os próprios professores é o maior desafio da educação atual. Os vínculos dos professores com os pais podem ser bons modelos para que os pais aprendam como criar seus filhos. É a partir desta percepção sobre o mundo adulto, sobre o modo como as pessoas se validam umas às outras, que o jovem constrói sua própria visão de mundo e sua vontade de crescer, escolher uma profissão e formar seu projeto de vida, ou não. É complicado de fazer? Pois bem, lembre que tudo que é difícil fazer, será muito mais difícil, se não for feito.

Entrevista

Alessandra Cristina Queiroz de Campos

TRAgA OS PAIS PARA A ESCOLA, OFERECENDO ATIvIDADES COM O ObjETIvO DE APROxIMá-LOS MAIS DA INSTITUIÇÃO E DE SEUS FILhOS

Alessandra Cristina Queiroz de Campos, Orientadora Educacional do Ensino Médio da Escola Salesiana São José, Campinas/SP funcionária da escola há 17 anos, fala , da recente implantação do projeto de orientação profissional desenvolvido na escola e também de projetos futuros, aliando a família nesse trabalho.

O

rientador - Qual a visão de homem e de mundo dentro da Escola Salesiana? Alessandra - Bons cristãos e honestos cidadãos. Era a filosofia de nosso fundador e mestre Padre São João Bosco, e para garantir a continuidade dessa filosofia, trabalhamos no sistema preventivo, através do tripé RAZÃO, RELIGIÃO E AMOREVOLLEZZA (palavra italiana que significa “carinho”). Queremos formar um ser humano com capacidade de resolução de problemas (ambiente de trabalho, vestibulares), leitor, crítico, curioso e acima de tudo, com visão ética, solidária e com respeito em relação à vida. Orientador - A Escola Salesiana São José utiliza o Método de Orientação Profissional do Prof. Leo Fraiman há quanto tempo? Qual o objetivo deste trabalho? Alessandra - Iniciamos o trabalho nesse ano de 2008. O objetivo da implantação do projeto é oferecer subsídios aos nossos educandos desde a 1ª série do Ensino Médio, para que possam escolher com maturidade e autonomia sua opção profissional. Orientador - Quais as expectativas da Escola com relação à orientação profissional? Alessandra - Que os educandos cheguem mais “tranqüilos e seguros” da sua opção profissional após o término do Ensino Médio. A maioria dos nossos alunos estuda na Escola Salesiana São José desde a Educação Infantil, então o término do Ensino Médio significa também “cortar o cordão umbilical” que os ligava a uma segunda família. É uma ruptura significativa na vida deles, pois eles sentem muito carinho e amor por nossa escola, pois primamos também pela educação na sua formação humana como um todo. Orientador - E a expectativa dos pais em relação ao projeto? Alessandra - Que o filho (a) decida com segurança qual a futura profissão e faculdade a ser cursada, que tenha êxito e sucesso nessa escolha.

Orientador - Na sua opinião, qual o papel da família no auxílio da escolha profissional e no vestibular? Como esse papel se articula com a escola? Alessandra - O papel da família é orientar o educando em sua decisão, através de diálogos e conversas, acompanhá-lo nas idas a “universidades abertas e feira de profissões”, lendo sobre o assunto e, acima de tudo, não querer influenciar na escolha do aluno, pois o que foi bom para os pais profissionalmente não dará a certeza de que será sucesso para o aluno. A articulação pode ser feita, por exemplo, mostrando interesse em saber como foi a aula de orientação profissional. Ler o livro “Caminhos para o amadurecimento” do professor Leo Fraiman, é um ótimo material para iniciar um bate papo com o aluno. Orientador - A Escola desenvolve atividades com as famílias? Em caso positivo, qual o objetivo e a expectativa da instituição com essa iniciativa? Alessandra - Ainda não. Mas tenho como projeto para o próximo ano, articular palestras para os pais, com objetivo de oferecermos subsídios sobre temas importantes como vestibular, empregabilidade, empreendedorismo, projeto de vida, auto-estima, maturidade, entre outros. Orientador - Qual a importância de desenvolver um trabalho de orientação profissional na vida de um jovem? E para a Instituição? Alessandra - Acho vital, principalmente no Ensino Médio, quando o adolescente se vê perdido com uma série de incertezas, como por exemplo, a transição para a idade adulta, a ruptura do Ensino Básico para a universidade, namoro, primeiro emprego ou estágio, entre outros. É por isso que acrescentamos na grade curricular a disciplina O.P .E.E. – Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo, com duas aulas quinzenais durante todo ano letivo. Esse ano, adotamos o livro “Caminhos para o amadurecimento” para alunos da

1ª série do Ensino Médio, em 2009 trabalharemos com o livro “Guia de Orientação para Escolha Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo” com a 2ª série, e em 2010 o plano é oferecer workshops com oficinas da Coleção “Trabalhabilidade”. Orientador - Como ajudar o jovem a se preparar para o vestibular e o mercado de trabalho atuando em conjunto com a família? Alessandra - “Falando a mesma língua”, ou seja, frisar sempre a importância do estudo formal, além da atenção com a formação humana. Mostrarmos a importância do hábito de estudo, da leitura (além do que se pede como “obrigatório nos vestibulares”). Ajudar e orientar o educando a ser um bom empreendedor nos estudos e na sua vida como um todo. Orientador - Quais as dicas você daria para os pais que desejam acompanhar a escolha profissional de seus filhos? Alessandra - Ouça seu filho; oriente e converse sem permitir que a ansiedade e o desejo que seu filho faça aquilo que você goste, atrapalhe a escolha dele; livre-se de “pré-conceitos” sobre as profissões; acompanhe-o em feiras de profissões e em universidade abertas; ofereça e também leia materiais relacionados a profissões, como guia de profissões e revistas sobre mercado de trabalho; se tiver facilidade, acesse sites na internet que podem auxiliar: www.ciee.org.br, www. fraiman.com.br, www.ikwa.com.br, www. teenageronline.com.br, entre outros. Orientador - Qual mensagem para o educador que deseja integrar a família no processo de orientação profissional? Alessandra - Traga os pais para a escola, oferecendo atividades (palestras, workshops, dicas de leituras) com o objetivo de aproximá-los mais da instituição e de seus filhos, nesse momento de processo da escolha profissional com maturidade.

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

3

Orientação Profissional na Sala de Aula

SEMPRE TIvE MUITO APOIO DOS PAIS, QUE ACREDITAM MUITO NO TRAbALhO REALIzADO PELO COLégIO MIRANDA
A Coordenadora Pedagógica do Colégio Miranda, Nanci Nunes, atua com alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio.

A

té 2007, minha atuação com os alunos do Ensino Médio, além do acompanhamento pedagógico, era a de proporcionar visitas a Universidades, Feiras de Profissões (inclusive comparecemos a todas as edições da Uniprof no colégio Santa Terezinha) e palestras com diferentes profissionais convidados, sobre facilidades e dificuldades do mercado de trabalho. Em 2008 iniciei o trabalho com o material do Prof. Leo Fraiman, sempre com o objetivo de ajudar os estudantes nesta difícil fase de suas vidas. Devo dizer que continuei com as visitas e palestras, sempre fundamentais. Começamos o curso em março, com o material de OPEE, com aulas semanais de mais ou menos uma hora, sempre fora do horário das aulas regulares. Tínhamos três turmas, totalizando sessenta e dois alunos. O curso durou até a última semana de junho, quando houve a entrega dos certificados, logo após uma avaliação do trabalho, que foi respondida por todos os concluintes. Na época, cinqüenta e cinco.

Durante o curso, pude perceber o quanto era enriquecedor, principalmente para mim, as discussões sobre autoconhecimento, os debates sobre diferentes habilidades e competências necessárias às pessoas pró ativas, empreendedoras e líderes de si mesmas. Conheci muito mais os alunos das terceiras séries do Ensino Médio, para quem o curso foi dirigido. O primeiro módulo foi essencial para que todos aprendessem a se conhecer melhor, identificando facilidades, gostos e afinidades. Utilizei, complementarmente, os materiais da Coleção Trabalhabilidade, principalmente da oficina de auto-estima, motivação, liderança e etiqueta. O mais interessante é que vários dos materiais utilizados nas aulas me foram úteis no trabalho com os professores da escola, durante encontros pedagógicos. Durante os encontros discutimos o mercado de trabalho, a partir de reportagens em jornais e revistas, ou mesmo de fontes indicadas pelos alu-

Conclusão do curso de O.P .E.E.

4

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional


nos, portanto, não enfatizamos tanto este módulo conforme apresentado no material. Nas semanas finais nos dedicamos ao universo dos cursos de graduação, enfatizando as características de cada um. Sempre tive muito apoio dos pais, que acreditam muito no trabalho realizado pelo Colégio Miranda. Posso afirmar, sem sobra de dúvida, que o material oferecido pela parceria da Teenager e do Prof. Leo Fraiman é extremamente rico, de fácil entendimento, com informações valiosas, muitas vezes melhores que de manuais específicos para concluintes do Ensino Médio. Além disso, a equipe está sempre disponível para qualquer ajuda e o site sempre apresenta novidades e subsídios para complementar as aulas. Foi um ano excelente, em que pude desenvolver um trabalho como professora, minha verdadeira vocação, aprendendo muito e, principalmente, me enriquecendo como pessoa. Sem dúvida nenhuma, hoje sou uma pessoa melhor. Meu sincero carinho a toda equipe da Teenager e, principalmente ao Léo. Léo, quando eu crescer quero ser como você.

Resposta do Leo:

Cara Nanci, Fico muito honrado por suas palavras. Porém, seja si mesma e em sua grandeza continuará ecoando. Você também é muito especial.

DE PORTAS AbERTAS PARA ESTUDANTES
O
momento de definir a carreira pode ser conturbado para os jovens. Escolher a profissão que em tese se seguirá durante a vida toda deve ser uma ação pensada e não tomada sob pressão. Nesse contexto, os pais assumem uma função importante de orientação e direcionamento. Em alguns casos, os pais são donos de negócio, e há uma expectativa natural de que os filhos venham a assumir a empresa familiar no futuro. Aqueles que vislumbrarem essa possibilidade como interessante para suas carreiras, acabam procurando cursos de graduação nas áreas de gestão e negócios. “O filho tem que querer atuar no mesmo ramo que os pais, ter talento nesta área, preparar-se formalmente e obter experiência”, afirma o professor da Trevisan Irani Cavagnoli. Fundada em 1999, com o diferencial de ser a única instituição de Ensino Superior originada por uma empresa de consultoria, auditoria e outsourcing, a Trevisan Escola de Negócios tem a vocação de formar verdadeiros líderes preparados para enfrentar os desafios do mercado. Muitos dos alunos são filhos de empresários e desejam dar prosseguimento à empresa da família. Os programas educacionais da Trevisan foram desenvolvidos para preparar o jovem para o mundo dos negócios, oferecendo as competências e habilidades inclusive para que ele assuma o negócio do pai se assim desejar. Para alcançar esse objetivo, a instituição oferece uma metodologia de ensino diferenciada e agrega à sua matriz curricular um conjunto de Atividades Complementares (palestras, seminários, oficinas, visitas técnicas, atividades de pesquisa, extensão, monitoria e atividades comunitárias) que enriquecem o processo ensino-aprendizagem. Como forma de garantir a aproximação do mundo dos negócios com a sala de aula e efetivamente preparar o aluno para a realidade que vai encarar quando formado, a Trevisan possui um corpo docente que mescla professores com alta formação acadêmica e outros que são consultores e executivos de mercado. Além disso, os alunos estudam em um ambiente semelhante ao encontrado no mundo corporativo, além de estarem no próprio prédio do escritório da empresa, o que tangibiliza esse conceito inovador de sintonia efetiva com a realidade do mercado. Outra forma de romper a barreira entre o mundo acadêmico e o dos negócios é trazendo periodicamente personalidades do mercado para falar aos alunos sobre sua história. No começo de cada semestre, a Trevisan promove Aulas Magnas que tem

por finalidade contribuir para a formação dos alunos a partir da visão de um profissional da área, criando uma referência do papel de sua profissão no mercado de trabalho. Para tanto, são convidados, respeitados profissionais de cada área para discutirem um caso de sucesso, além de contar suas experiências mais marcantes. Como forma de exercitar a aplicação prática da teoria, os alunos devem produzir semestralmente um trabalho multidisciplinar exclusivo e inovador. É o PRIMT (Programa de Integração Multidisciplinar Trevisan), em que os alunos desenvolvem uma análise de uma organização real a partir das matérias que tiveram ao longo de todo o semestre. No final, eles apresentam os resultados do trabalho para uma banca examinadora, exercitando também a difícil arte da comunicação verbal e argumentação de idéias.

Portas abertas
uma inovação: enquanto os estudantes estarão participando das oficinas, os pais poderão assistir a uma palestra sobre o futuro de seus filhos, além de tirar dúvidas sobre como devem auxiliar seus filhos no momento da escolha da profissão. Nossos coordenadores também estarão à disposição para sanar dúvidas sobre o método didático, mercado de trabalho, entre outros. Agende sua visita à instituição e venha conhecer mais sobre a metodologia de ensino Trevisan Escola de Negócios. Para saber mais, entre em contato conosco pelo telefone (11) 3138-5200 ou acesse nosso site www.trevisan.edu.br. A Trevisan Escola de Negócios fica na Rua Bela Cintra, 934 – Cerqueira César próximo ao metrô Consolação.

A terceira edição do Portas Abertas será realizada no dia 04 de outubro, das 8h30 às 12h00. São esperados 90 alunos do segundo e terceiro anos do ensino médio. O evento contará com palestras e oficinas para os estudantes. Esta edição do evento traz ainda

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

A informação é sempre o melhor caminho para que o jovem escolha a sua profissão. Por isso a Trevisan Escola de Negócios convida colégios de São Paulo a participar do programa Portas Abertas. O objetivo do evento é apresentar para os alunos a estrutura e a filosofia de ensino da Trevisan, e apoiar os estudantes na fase decisiva sobre a futura profissão e o mercado de trabalho.

2009 Vestibular 29 /11 elo site Inscrições p du. br san. e www . trevi

5

ENCONTRO DE DIvERSOS SAbERES
Além de promover a boa formação profissional, uma universidade deve oferecer oportunidade de crescimento e diálogo entre os diferentes modos de pensar e atuar.

A

Universidade São Judas forma profissionais das mais diferentes áreas há 35 anos. Durante esse período, conseguiu mudar posturas, contribuiu para divulgar novas mentalidades, conquistou espaço e reconhecimento. Fundada por um casal de educadores, sempre adotou uma proposta pedagógica consistente, direcionada à formação de profissionais humanistas e comprometidos com o bem-estar coletivo. Além de um preparo técnico sólido, mantém o propósito de formar cidadãos plenos, capazes de agir com ética na vida pessoal e profissional. Ao longo dos anos, montou um dos melhores corpos docentes do Brasil. A São Judas é uma das universidades que oferecem os melhores salários de todo o segmento educacional. Hoje 70%, mais de dois terços de professores, possuem o título de Mestre ou de Doutor. Esse índice é bem superior ao exigido pela Lei de Diretrizes

Entre as melhores do país Os onze anos de avaliação do Ensino Superior, conduzida pelo Ministério da Educação, confirmam o excelente posicionamento da São Judas, em diferente áreas do conhecimento, e demonstram que é um centro de referência educacional. A avaliação do aluno Segundo Pesquisa de Satisfação com os alunos, 92,61% dos estudantes do 1º ano avaliaram que o curso escolhido corresponde aos seus anseios. Para 81% do total de alunos, o curso que freqüentam é ótimo ou bom. Essa aprovação pode ser verificada também nos corredores e nas salas de aula, pois o aluno da São Judas é o grande propagador das virtudesdes de sua universidade. Infra-estrutura Durante muito tempo, a São Judas investiu exclusivamente em seu Campus na Mooca, um projeto arquitetônico arrojado, criado para favorecer a integração de diferentes áreas de conhecimento em 63 mil metros quadrados de área construída. Com ampla rede de serviços e laboratórios, o Campus Mooca conta com 174 salas de aula, 91 laboratórios didáticos, 37 laboratórios de preparação, 7 oficinas didáticas, 18 salas para ateliê e desenho, teatro experimental 90º didático, biblioteca, praça cultural, teatro e 2 auditórios. Agora, a São Judas também está localizada no bairro do Butantã, na Avenida Vital Brasil, a apenas 500 metros de distância da futura estação Butantã do metrô Linha 4. O novo Campus possui área de 11 mil metros quadrados, com toda infra-estrutura necessária para oferecer um ensino de qualidade.

Educação Continuada A São Judas incentiva a continuidade dos estudos e oferece várias alternativas para aperfeiçoamento. • Curso de Formação de Professores Licenciatura Plena • Regime de Iniciação Científica • Pós-graduação Stricto e Lato Sensu • Cursos de Extensão Universitária • Cursos de Informática Na prática A Universidade São Judas mantém várias frentes de aperfeiçoamento e de estágios. A maior parte delas oferece, além do aprendizado prático para os alunos, serviços prestados gratuitamente à comunidade. Conheça alguns deles: • Agência Experimental de Propaganda e Publicidade • Atendimento Dietoterápico Ambulatorial • CEAM – Educação para Jovens e Adultos • Centro de Psicologia Aplicada • Clínica de Fisioterapia • Departamento de Integração Universidade-Empresa • Escritório de Assistência Judiciária • Juizado Especial Cível • Laboratório-Empresa • Laboratório de Turismo • Núcleo de Atividades Fundamentadas de Educação Física • Núcleo de Educação Nutricional • Núcleo de Estudos Ambientais • Núcleo de Estudos Farmacêuticos • Núcleo de Projetos Educacionais

e Bases, que estipula o mínimo de um terço de professores com titulação para qualquer universidade. Outro indicador da marca de qualidade do ensino da São Judas é a valorização de seus ex-alunos no mercado de trabalho. Nas mais diferentes áreas, eles destacam-se por apresentar postura ética, excelente formação geral e responsabilidade. Ocupam vagas de destaque e desenvolvem carreiras brilhantes, sempre reconhecendo a contribuição da Universidade para essas conquistas.

A Universidade São Judas possui, ainda, um variado programa de bolsas de estudos, que pode ser conferido no Portal Universitário (www.usjt.br). Lá, os estudantes interessados também podem pesquisar e saber mais sobre cada um dos cursos oferecidos. Para conhecer de perto o campus universitário, é possível agendar uma Visita Programada pelo telefone (11) 2799-1878/1814.

6

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

vESTIbULAR 2009 INSCRIÇÕES AbERTAS
Surgimento de novas tecnologias, como a TV digital, deve gerar demanda por engenheiros por mais dez anos
Este é o momento para ingressar em um curso de Engenharia. O mercado está aquecido e as perspectivas futuras também são muito positivas. Faltam engenheiros de diversas áreas, mas, principalmente, nas ligadas à tecnologia, como Tecnologia da Informação e Comunicação, Computação, Automação e Eletrônica. Atualmente, diversos países, entre eles o Brasil, sofrem com a escassez deste profissional. Dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram que o Brasil forma apenas seis engenheiros para cada cem mil pessoas, quando este número deveria ser de, pelo menos, 25 para dar conta das vagas oferecidas. Somado à escassez de engenheiros, o surgimento de novas tecnologias como WiMax, 3G, TV digital, entre outras, representa demanda de engenheiros de TI pelos próximos dez anos, como acredita o gerente de Educação Continuada do Inatel, André Luís da Rocha Abbade. “O acesso à internet banda larga, por exemplo, com 3G, WiMax ou fibra óptica chegando até a casa do usuário, precisará de mais uma década de trabalho até que alcance um nível satisfatório”, exemplifica. A necessidade de engenheiros é sentida na graduação. Pesquisa realizada pelo Núcleo de Estágios e Serviços Profissionais do Inatel – Nesp com 48 dos 60 formandos de julho de 2008 do curso de Engenharia Elétrica da instituição aponta que 98% dos entrevistados já estavam empregados no momento da colação de grau. Entre as empresas contratantes estão Vivo, Ericsson, Huawei, Motorola, Nec, Brasil Telecom, Delphi, Linear e Stracta. “Estimamos que esta porcentagem seja válida para todos os formandos deste semestre”, avalia o professor Bruno de Oliveira Monteiro, coordenador do Nesp – núcleo que atua na aproximação do aluno com o mercado de trabalho, parceiro de 380 empresas. Ainda na pesquisa, 80% declararam não ter encontrado nenhuma dificuldade para conseguir o primeiro emprego e 93% destes formandos consideram que ter estudado no Inatel foi um diferencial para ingressar no mercado de trabalho. Veja matéria sobre a profissão no link abaixo. O engenheiro entrevistado é exaluno do Inatel: http://g1.globo.com/jornalhoje/ 0,,MUL733613-16022,00-ENGENHARIA+ DE+TELECOMUNICACOES.html

Mais informações: www.inatel.br/vestibular

Área de desenvolvimento de software no Inatel exclusiva para o projeto em parceria com a Ericsson

A FAMÍLIA E O INTERCÂMbIO

S

abe-se que, para fazer uma parte do Ensino Médio no exterior é preciso ter entre 14 e 18 anos, inglês intermediário, vontade de conhecer outro país e sua cultura a fundo. Pode-se imaginar que este jovem voltará para casa depois de seis meses ou um ano com muitas histórias para contar, muitos amigos e lembranças que o acompanharão por toda a vida. Ele próprio pensa que embarcará nesta viagem sozinho. Talvez seja apenas este detalhe do roteiro que precise de uma revisão. Uma viagem de intercâmbio começa muito antes que se coloque os pés no avião: começa no desejo do próprio estudante ou, às vezes, de seus pais. Cada família encara esta experiência

de maneiras diferentes – em alguns casos, o próprio jovem vai atrás das primeiras informações e “contagia” os pais com seu sonho, em outros, são os pais que planejam, por anos a fio, como poderão proporcionar esta vivência a seus filhos. De qualquer forma, desde a primeira vez que se toca neste assunto, a família inteira passa a compartilhar informações, dúvidas, ansiedades e ideais. O processo de inscrição, preparação de documentos e espera por uma família demanda tempo (é importante a antecipação), tempo que pode ser muito bem aproveitado para que a família toda consiga ajustar, sincronizar suas expectativas e prepararse para um longo período de distanciamento físico. Para os jovens, que viverão novas aventuras e terão seus dias repletos de des-

cobertas, é sempre bom lembrar que a família que fica no Brasil espera por notícias constantes e que, mesmo sem sua presença física, compartilham de cada passo trilhado no caminho para a maturidade de seu filho (ou irmão). Para os pais e irmãos, que mentalmente também entram no avião, encontram a outra família, descobrem uma nova escola, outros colegas – fica a missão de praticar o desprendimento que permitirá ao jovem vivenciar de maneira plena as demandas do intercâmbio: independência com responsabilidade, adaptabilidade, tolerância e integração.

STB - STUDENT TRAVEL BUREAU

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

7

METODISTA, gARANTIA DE ENSINO DE QUALIDADE
A Universidade Metodista de São Paulo já se prepara para o Processo Seletivo divulgando os novos cursos que serão oferecidos já para o Vestibular de 2008/2009. São cinco novas opções. Na modalidade de ensino presencial, a novidade fica por conta do curso de Tecnologia em Automação Industrial. Para o Ensino a Distância (EAD), haverá a graduação em Matemática e outras quatro opções em formação tecnológica: Gestão Ambiental, Gestão Financeira, Gestão Pública e Comércio Exterior. O crescimento de opções de cursos oferecidos pela Metodista ocorre simultaneamente com os excelentes resultados obtidos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) e da constelação conquistada na avaliação do Guia do Estudante, que demonstram o que o mercado já sabe há muito tempo: a qualidade dos profissionais formados pela Universidade. Guia do Estudante de 2007 A tradição dos cursos de Comunicação da Metodista atraem estudantes não só do Brasil, como do exterior. Na avaliação do Guia do Estudante, os cursos de JornalisEnade A Metodista também vem sendo bem avaliada no Enade. Na edição de 2007, os destaques ficaram com os cursos de Fisioterapia, com nota 4 nos três índices, e Fonoaudiologia, com nota 5 no Enade e Indicador de Diferença de Desempenho, e 4 no Conceito Preliminar do Curso. Educação Física ficou com 4 no Enade e 3 nos demais conceitos. O curso de Direito foi avaliado em 2006 e ficou bem conceituado. Mesmo sendo relativamente novo na Metodista, obteve nota 3 no Enade e 5 no IDD. Psicologia também se saiu bem no mesmo ano e obteve as notas 4 e 5. Para mais informações acesse www.metodista.br, envie e-mail para vestibular@metodista.br ou pelos telefones: (11) 4366-5555 (Grande São Paulo) e 0800 19 11 77 (Outras localidades)

mo; Publicidade e Propaganda; e Rádio e TV receberam quatro estrelas. O curso de Turismo ficou com três estrelas e o grande destaque ficou com Relações Públicas, que arrebatou cinco estrelas e foi classificado como o melhor do Brasil. Mas não é apenas na área de Comunicação que a Metodista se destaca; outros cursos também estão muito bem qualificados pelo Guia. Com quatro estrelas, Pedagogia e Secretariado Executivo Bilíngüe e com três estrelas os cursos de Letras, Psicologia, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Educação Física, Ciências Biológicas, Biomedicina e Administração.

Maior movimento em prol do empreendedorismo no Brasil e no mundo acontecerá em novembro de 2008
Neste ano acontecerá o maior movimento mundial em prol do Empreendedorismo, a Semana Global do Empreendedorismo. Durante os dias 17 a 23 de novembro, simultaneamente e em mais de 55 países, milhares de organizações (escolas, universidades, faculdades, empresas etc) promoverão atividades que despertarão a atitude empreendedora nos jovens. No Brasil, o Movimento já conta com uma ampla rede de parceiros, como: TEENAGER, SEBRAE, IBMEC, ESPM, USP , FACAMP UNISUL, Rede Globo, , Grupo Abril, Grupo ABC, Sebrae, Senae, Senac, Conaje, Senai, Finep, Fundação Brava, Universia, Junior Achievement, Brasil Júnior etc. Mais de 17 estados e 200 parceiros já estão envolvidos no movimento. Mais de 156 atividades já estão confirmadas. A Campanha Institucional para divulgar o Movimento está sendo feita pelo Grupo ABC, do publicitário Nizan Guanaes. Um site oficial será lançado onde todos parceiros cadastrarão suas atividades e será um universo de informações sobre a ‘’Sebritânico, Gordon Brown, o movimento foi realizado pela primeira vez em 2004, na Inglaterra. No ano passado, 500.000 jovens britânicos e 9.000 organizações participaram. Os EUA realizaram também no ano passado sua ‘’Semana’’ e envolveram mais de 480 mil americanos. Frente à repercussão obtida, os dois movimentos se uniram e criaram o movimento em nível mundial, com o nome Semana Global do Empreendedorismo. Para obter mais informações ou se associar ao movimento, acesse o site oficial no Brasil: www.tiresuasidéiasdopapel. org.br ou entre em contato no (11) 4504-2468, com o coordenador de comunicação da Endeavor, organização responsável pelo movimento no Brasil. Participe e envolva seus alunos em alguma ou mais atividades sobre o tema!!

POR UM bRASIL EMPREENDEDOR

mana’’ e o tema Empreendedorismo, com enfoque no público jovem. Nele também terá diversas seções, como: Vídeos, Sala de Imprensa, Fórum de Discussão, Depoimentos de Empreendedores, Histórias de Sucesso e muito mais! Idealizado pelo atual primeiro-ministro

8

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

P

or que formular e instituir um Código de Ética e Conduta?

POR QUE TER UM CÓDIgO DE éTICA E CONDUTA?
A ética concerne ao impacto das ações de um agente sobre as outras pessoas. Diz respeito tanto a valores individuais como a normas de conduta compartilhadas.

A visão do Ibmec São Paulo é “Ser um centro de referência em educação e geração de conhecimento nas áreas de negócios e economia, que alia rigor acadêmico a uma abordagem pragmática, visando ao desenvolvimento de líderes e profissionais que façam diferença”. Neste sentido, o processo educacional que oferecemos implica necessariamente tornar nossos alunos capazes de identificar e lidar com dilemas éticos, compreendendo, por meio de uma análise criteriosa e ampla, as inúmeras decorrências e impactos de suas ações em suas vidas, na vida de outras pessoas e das organizações. Ao formular e instituir um Código de Ética e Conduta, a escola reforça a importância do exercício cotidiano de um comportamento consistente, pautado em princípios e valores fundamentais que orientam a convivência harmônica entre as pessoas (alunos, professores, funcionários) e a construção de um ambiente saudável, apreciado e preservado por todos. Quando cada um busca estritamente o melhor para si, todos podem perder. Por outro lado, se os mesmos indivíduos interagem repetidas vezes e priorizam interesses comuns, há um repertório positivo de experiências acumuladas. O ambiente escolar guarda diversas semelhanças com ambientes profissionais,

portanto, a experiência acadêmica constitui uma rica oportunidade para o processo de amadurecimento do aluno e conseqüente entrada na vida adulta e de liberdade de escolha. Para tornar esta questão ainda mais objetiva e vinculada à realidade do aluno, o nosso Manual do Aluno da Graduação cita alguns exemplos de comportamentos que não são admitidos, à luz dos princípios e valores que norteiam a formação oferecida pelo Ibmec São Paulo. Como exemplo, podemos citar “cola” e plágio que são comportamentos desonestos e que não podem ser tolerados num ambiente acadêmico. O aluno precisa ser advertido e orientado. Em nossa escola, o processo educacional é levado a sério desde o primeiro dia, afinal, estamos tratando de formar jovens que em pouco tempo, apoiados em seus diplomas, estarão atuando como profissionais em nossa sociedade e fazendo uso cada vez mais intenso de seu livre arbítrio. É assim que nós do Ibmec São Paulo promovemos o comportamento ético em nossos alunos e desejamos que a experiência educacional que eles têm aqui faça com que eles atuem eticamente em suas vidas profissionais. Márcia Moura – Diretora de Desenvolvimento Institucional do Ibmec São Paulo

IBMEC SÃO PAULO • Fone (11) 4504-2400 www.ibmecsp.edu.br

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

9

Entrevista Profissionais e Mercado de Trabalho

Eliana P de Miranda, Diretora da Área de Exportação da GM, fala . de seu papel como mãe e executiva e como vê os jovens de hoje.

O

rientador - Conte-nos um pouco sobre a sua trajetória profissional. Eliana - Cursei a faculdade de Economia e iniciei minha trajetória profissional como estagiária na General Motors do Brasil há 20 anos. Desde então, tenho exercido funções em diversas áreas, tais como: Planejamento Avançado, Compras, Logística, Importação, e atualmente, dirijo a área de Exportação desta empresa. Orientador - O que você pensa sobre a entrada da mulher no mercado de trabalho? Ainda há diferenciação entre homens e mulheres em cargos que você ocupa? Eliana - Na época em que comecei a trabalhar, ainda havia preconceito em relação à entrada da mulher em certas áreas do mercado, maior no Brasil que em países desenvolvidos. Em geral, as mulheres que buscavam o desenvolvimento de sua carreira até os cargos de comando tinham mais dificuldade que os homens para provar que podiam trabalhar bem e colaborar para atingir metas. No entanto, algumas mulheres decididas foram conseguindo conquistar postos de gerência e diretoria nas empresas e abrindo caminhos para as próximas gerações. Mesmo ainda sendo minoria nos postos de direção, com toda a preparação e dedicação ao estudo, acredito que logo as mulheres conquistarão mais e melhores oportunidades no mercado de trabalho. Mas, devemos ter sempre em mente que, tanto homens como mulheres, comprometidos com os objetivos, representam o maior ativo que a empresa pode ter: o capital humano; pessoas que fazem a diferença com seus pensamentos, suas ações e sua garra. Orientador - Com o seu duplo papel de mãe e executiva, que dicas você daria às outras mães?

Eliana - Conciliar as tarefas de mãe e executiva exige bastante de mim. Eu costumo comentar com minhas amigas que é como ser malabarista: você tem de fazer tudo ao mesmo tempo, mas precisa cuidar de cada tarefa individualmente. O que eu faço e sugiro à outras mães que têm papéis similares, é que não busquem ser a “mãe-executiva-ideal”. Faremos tudo da melhor forma possível, com o maior empenho, mas não nos sentiremos culpadas se uma coisa ou outra não sair exatamente como gostaríamos. Assim, fica mais fácil levar as responsabilidades, estabelecer as prioridades, sem abdicar totalmente de nossa própria vida. Além disso, acho que devemos ajudar as crianças a se tornar independentes nas tarefas que podem realizar sozinhas e desenvolver o espírito de time com a família, onde cada um se reponsabiliza por fazer a sua parte, mas todos se ajudam nas dificuldades e comemoram as vitórias. Nada disso é fácil, mas vale o esforço. Orientador - Como você vê os jovens de hoje? Eliana - Os jovens que estão entrando no mercado de trabalho hoje são brilhantes. Muitos têm uma formação acadêmica sólida, e aprenderam desde crianças a usar o computador como ferramenta. A era digital propicia informações em tempo real, nunca antes disponíveis. Muitos se comunicam em inglês e espanhol fluentemente. Além disso, há livros, pesquisas e palestras sobre a auto-gestão e o autoconhecimento. Ao iniciar no mercado de trabalho, também há pessoas com experiência, que gostam de compartilhá-la com os mais novos. O jovem interessado tem ao seu dispor muitas alternativas de aprendizagem e as utiliza.

Por outro lado, a juventude de hoje é imediatista. Como o crescimento na carreira depende da conjunção de vários fatores, como formação, informação, capacidade e oportunidade, nem sempre o resultado chega tão rápido como ela espera. Assim, é necessário que desenvolva a virtude da paciência. A família pode ajudála neste processo, estabelecendo regras e limites claros e dando-lhe apoio para conviver com as frustrações inevitáveis que forem aparecendo pelo caminho. Orientador - Como liderar essa juventude? Eliana - Pais, educadores e líderes devem ajudar o jovem a construir um conjunto de valores que balize as suas ações, facilitando-lhe o processo de tornar-se seguro de si. Apoiá-lo para que se dedique a buscar aquilo em que acredita e a ser o autor e protagonista de sua própria vida. Motivá-lo com desafios, pois ele encara a possibilidade de superar-se de forma positiva. Na escolha da profissão, é importante criar um ambiente que propicie ao jovem reconhecer seus talentos e suas preferências, e orientá-lo a aprender sobre as diversas profissões para que possa fazer a escolha que lhe pareça a mais adequada. A partir do colégio, durante a a preparação para o vestibular e mesmo durante a faculdade, devemos incentivá-lo a ter um grupo de amigos que tenha metas semelhantes, para que se ajudem mutuamente e mantenham o foco. É um processo longo, com muitas dúvidas e incertezas, no qual é importante dedicar-se e informar-se, e ter um superapoio daqueles que mais o amam.

10

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional

PAIS, EDUCADORES E LÍDERES, DEvEM AjUDAR O jOvEM A CONSTRUIR UM CONjUNTO DE vALORES QUE bALIzE AS SUAS AÇÕES, FACILITANDO-LhE O PROCESSO DE TORNAR-SE SEgURO DE SI

Espaço Assessoria Profissional

PROgRAMAÇÃO TEENAgER 2º SEMESTRE 2008
Even tos alun para os

tas Aber ro /SP rtas de outub s Paulo Po 12h gócio ar - São 04 0 às e : s 8h3 Data De N ira Cés o: da n Escola rque orári H Ce visa l: Tre , 934 Loca la Cintra Be Rua P nia po/S Cam dada o is Ci r o do b Ma rnard outu Dia o Be 5 de h às 17h dista s - Sã ta: 2 eto Da as 9 amo rio: d rsidade M Rudge R ão utaç Horá ive 49 Un omp s, 1 l: e aeC Loca eu Tavar hari lf ngen ua A R de E FAAP FAAP do – ósio ro tub ntea SP 0 imp u II S 17h3 lvares Pe aulo/ de o : 29 Á h às P Data as 13 rmando lis - São :d rário dação A ópo Ho igien l: Fun s, 903 H Loca oa Alag Rua

Even

Encon ores tr Apres o de Educ entaç ador es ão Data: 02 de do II Simpó sio de o Horár io: da utubro Engen s 17h haria Local às 19 e Com : Fund h30 ação putaç Rua A Arma ão. lagoa ndo Á s, 903 lvares Higie Pente nópol Fórum ado – is - Sã FAAP de Ed o Pau Data: ucad lo/SP ores 23 de outub Horár ro io: a partir Local das 1 : Univ 7h ers Rua C asa d idade Anh embi o Ato r, 90 Vila O Morumbi límpia - São * Prog Paulo rama /SP ção s ujeita a alte Entre raçõe em co s. ntato comp conos leta d co e s os ev telefo entos olicite ne (1 d a pro 1) 50 72-43 e interess gram e do 46 ou colég ação info@ io, p teena geron elo line.c om.b r

tos p ara e duca d

enda ag

Livros que enriquecem nosso trabalho em sala de aula:

• Sucesso feito para durar Jerry Porras, Stewart Emery e Mark Thompson Porto Alegre, Editora: Bookman, 2007.

• Paradoxo da Escolha Barry Schwartz São Paulo: A Girafa Editora, 2004.

Treinamentos de Capacitação
Visando a capacitação de educadores para utilização dos materiais didáticos do Prof. Leo Fraiman, segue abaixo a programação para uso do Guia de Orientação Profissional, Caminhos para o Amadurecimento e workshops da Coleção Trabalhabilidade. Todos os treinamentos serão realizados na Trevisan Escola de Negócios, na Rua Bela Cintra, 934, próximo ao metrô Consolação. Programe-se: Coleção Trabalhabilidade Data: 13 de novembro de 2008 Horário: das 9h às 18h Caminhos para o Amadurecimento Data: 14 de novembro de 2008 Horário: das 9h às 18hs Guia de OPEE Data: 15 de novembro de 2008 Horário: das 9h às 18hs e Data: 16 de novembro de 2008 Horário: das 9h às 15hs Mais informações no telefone (11) 5072-4346
Expediente • Orientador Publicação bimestral da Teenager Assessoria Profissional e da Clínica Leo Fraiman de Psicoterapia e Assessoria Educacional destinada aos profissionais e educadores da área de Orientação Profissional Direção: Leonardo Fraiman, Patrícia Patané e Tadeu Patané Comercial: Danielle Moura danielle@teenageronline.com.br Colaboração: Danielle Moura e Mariana Gonçalo Textos e revisão: Mariana Fancio Gonçalo Projeto Gráfico, editoração e produção: Arenna Comunicação e Eventos www.arennaeventos.com.br Tiragem: 3.000 exemplares web: www.teenageronline.com.br www.fraiman.com.br Telefone: (11) 5072-4346 Correspondência: Rua das Rosas, 193 Mirandópolis – CEP 04048-000 São Paulo/SP

• Previsivelmente Irracional Dan Ariely Campus, 2008.

12

ORIENTADOR - A sua Revista de Orientação Profissional