VÍDEO: O papel da escola - PAULO FREIRE E SEYMOUR PAPERT

PARTE III e IV

Ao analisar os vídeos proposto para essa aula em que apresenta as propostas e pensamentos de Paulo Freire e Seymour Papert acerca do ensino mediado pelas webtecnologias, observa – se que Papert acredita numa mudança da escola, como ele mesmo aponta escolas alternativas, com professores com boas propostas, uma escola com uma outra visão de educação. O teórico americano enfatiza que o que se vê são escolas com estruturas definidas, que até poderíamos dizer “engessadas” em seus currículos e aulas, que sabidamente anda ruim. Diante disso, Papert acredita que haverá mudanças nas escolas e que essa mudança já vem ocorrendo, tendo em vista o aumento do ensino em casa, logo o teórico aponta para uma reformulação curricular, além de mudanças na administração das escolas. Atualmente tem-se o discurso que a educação historicamente é controlada e dirigida para atender aos interesses de um pequena classe dominante, interesses esses muitos vezes desconhecidos ou mesmo obscuros de dirigentes políticos de um país. Mas Papert propõe que sejam ignorados esses interesses, onde possamos buscar uma mudança na educação, de modo que seja mais dialogada, aberta, onde as crianças só teriam a ganhar. Isso não significa que tenhamos que fazer pré julgamentos acerca dessas pequenas minorias que acabamos de citar, o teórico americano afirma que possa ser que essas pessoas tenham vivenciados culturas diferentes e que talvez não pensam como pensamos, tão logo ficaria difícil discutir qualquer coisa com elas. Para Papert o discurso liberalista, como ele citou, de que "As escolas não sabem usar os computadores... Vamos pesquisar e descobrir a melhor maneira de usar o computador, ai ele seria aproveitado e nós teríamos ótimos resultados", é uma ideia errônea, tendo em vista de que a burocracia das escolas tem usado os computadores para alcançar os objetivos pretendidos e afirmar aquilo que pensa de escola, o que segundo ele não deixa de ser um bom uso dos computadores. Papert aponta que o uso dos computadores foi modificado ao longo do tempo, antes usados por professores rebeldes, sonhadores, que muitas vezes faziam uso dos computadores por ser o único modo diferente de ensinar, hoje é realidade mudou, pois os computadores estão nas salas de aulas, ou mesmo há um ambiente

reservado para eles dentro da estrutura da escola, logo o professor precisa compreender que houve mudanças, e que ele também tem buscar acompanhar essas mudanças. Já Paulo Freire acredita que não é preciso que tenhamos que preservar o nome “escola”, até porque isso pouco importa, pois para ele o que de fato importa é termos um local, espaço e tempo, onde as pessoas possam se encontrar para cumprirem determinadas tarefas, sejam elas de qualquer espécie social. Se para Papert possa haver educação fora da escola, por outro lado Freire diz que deva existir um local para que se possam organizar as tarefas do ato de aprender, afirmando que um das grandes razões da existência da escola é poder ser o elo que irá proporcionar aos alunos o conhecimento do conhecimento existente e novas produções de conhecimentos ainda inexistentes. Paulo Freire concorda que as novas tecnologias possam acelerar o processo de aquisição do conhecimento, mas aponta que é preciso compreender que sua inserção se dará de modo a respeitar cada geração, pois facilmente uma criança que tenha nascido em meio as tecnologias terá muito mais facilidade em operá-lás do que as gerações anteriores. Além disso, ele pensa que usar o computador na educação não seja simplesmente saber operar a máquina, que os computadores possuem um papel maior dentro da educação, que até possa ser um dos agentes de mudança que Papert tanto enfatiza. Quanto a operar computadores Papert concorda com Freire, pois saber simplesmente isso não é suficiente, é preciso compreender aquilo que faz com auxílio do computador, um exemplo, é quando um professor usa um software matemático para ensinar funções, o que se espera dos alunos é que sejam capazes de compreender os conceitos desse conteúdo que se está aprendendo com o recurso dos computadores, tão logo operar a máquina fica em um segundo plano. Nesse caso, Papert afirma que o uso das tecnologias torna – se um motivador para a busca de novos conhecimentos, o que para Freire é maravilhoso, tendo em vista que esse é um dos desafios das escolas, ser capaz de promover nos alunos a curiosidade, incentivar a descoberta de novos conhecimentos, porque uma vez que a criança tenha adquirido algum tipo de conhecimento fora da escola possa ser aproveitado pelo professor nas escolas, que irá ensinar cientificamente os conceitos de tais conhecimentos.