UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DO CURSO DE BIOMEDICINA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ

Organizador: Prof. Dr. Pedro Sanches dos Reis

PARNAÍBA 2010

2

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ......................................................................................................5 1 - ESTRUTURA DE TRABALHOS ACADÊMICOS .................................................6 1.1 - ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS .......................................................................6 1.1.1 - Capa .........................................................................................................7 1.1.2 - Folha de Rosto ..........................................................................................7 1.1.3 - Lombada ...................................................................................................8 1.1.4 - Folha de aprovação ..................................................................................8 1.1.5 - Dedicatória, agradecimentos e/ou epígrafe ..............................................8 1.1.6 - Resumo na língua vernácula ....................................................................9 1.1.7 - Lista de Tabelas, Quadros e Figuras ........................................................9 1.1.8 - Lista de Siglas e Símbolos ........................................................................9 1.1.9 - Sumário.....................................................................................................9 1.2 - ELEMENTOS TEXTUAIS OU TEXTO ........................................................... 19 1.2.1 - Introdução ............................................................................................... 19 1.2.2 - Desenvolvimento ou Corpo do Trabalho ................................................. 19 1.2.3 - Conclusão ............................................................................................... 20 1.3 - ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS ..................................................................... 21 1.3.1 - Referências ............................................................................................. 21 1.3.2 - Glossário ................................................................................................. 22 1.3.3 – Apêndice(s) e anexo(s) .......................................................................... 22 1.3.4 – Índice(s) ................................................................................................. 22 2 - ORIENTAÇÃO PARA DIGITAÇÃO E DISPOSIÇÃO GRÁFICA ......................... 23 2.1 - FORMATO DO PAPEL .................................................................................. 23 2.2 - MARGENS .................................................................................................... 23 2.3 – ENTRELINHAMENTO (ESPACEJAMENTO), TIPO E TAMANHO DE LETRA ............................................................................................................................... 23 2.4 - PARÁGRAFO ................................................................................................ 24 2.5 - ALÍNEA .......................................................................................................... 24 2.6 - INCISO .......................................................................................................... 24 2.7 - TÍTULOS DO TEXTO .................................................................................... 24 2.7.1 - Títulos não-numerados ........................................................................... 24 2.7.2 – Títulos numerados.................................................................................. 25 2.8 – NOTAS DE RODAPÉ ................................................................................... 25 2.9 - NEGRITO E ITÁLICO .................................................................................... 26 2.10 - PAGINAÇÃO ............................................................................................... 26

3

3 - CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS E NOTAS DE RODAPÉ .................................... 27 3.1 - CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS ..................................................................... 27 3.1.1 - Citação direta .......................................................................................... 27 3.1.2 - Citação indireta ....................................................................................... 30 3.1.3 - Citação de citação................................................................................... 30 3.2 - INDICAÇÃO DAS FONTES CITADAS .......................................................... 30 3.3 - NOTAS DE RODAPÉ .................................................................................... 32 4 - ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS .................................................................. 34 4.1 - ALINHAMENTO E ESPAÇAMENTO ............................................................. 34 4.2 - POSIÇÃO DAS REFERÊNCIAS ................................................................... 34 4.3 - ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS ............................................................. 34 4.4 - ELEMENTOS ESSENCIAIS .......................................................................... 34 4.5 - AUTORES COM SOBRENOMES COMPOSTOS E SOBRENOMES QUE INDICAM GRAU DE PARENTESCO ..................................................................... 35 4.6 - TÍTULO E SUBTÍTULO ................................................................................. 35 4.7 - INSTITUIÇÕES PÚBLICAS COM DENOMINAÇÃO GENÉRICA .................. 36 4.8 - INSTITUIÇÕES PÚBLICAS COM DENOMINAÇÃO ESPECÍFICA ............... 36 4.9 - COLETÂNEAS .............................................................................................. 36 4.10 - DOIS OU TRÊS AUTORES ......................................................................... 36 4.11 - MAIS DE TRÊS AUTORES ......................................................................... 36 4.12 - PARA NÃO REPETIR O NOME DO AUTOR DE VÁRIAS OBRAS ............. 37 4.13 - OBRAS ANÔNIMAS (AUTORIA DESCONHECIDA) ................................... 37 4.14 - OBRAS SEM LOCAL DE PUBLICAÇÃO ESPECIFICADO ......................... 37 4.15 - OBRAS SEM EDITORA ESPECIFICADA ................................................... 37 4.16 - OBRAS SEM DATA ESPECIFICADA.......................................................... 38 4.17 - PARTES DE UMA OBRA ............................................................................ 38 4.18 - TRABALHO APRESENTADO EM EVENTO ............................................... 38 4.19 - PUBLICAÇÃO PERIÓDICA ......................................................................... 38 4.20 - PERIÓDICO COM TÍTULO GENÉRICO ..................................................... 39 4.21 - TRABALHOS ACADÊMICOS: MONOGRAFIA, DISSERTAÇÃO E TESE .. 39 4.22 -DOCUMENTOS JURÍDICOS ....................................................................... 40 4.22.1 - Legislação ............................................................................................. 40 4.22.2 - Jurisprudências (decisões judiciais) ...................................................... 41 4.22.3 - Doutrina ................................................................................................ 41 4.23 - DOCUMENTOS ELETRÔNICOS ................................................................ 41 4.24 - DOCUMENTOS DISPONÍVEIS EM CD-ROM ............................................. 42 4.25 - IMAGENS EM MOVIMENTO ....................................................................... 42

4

4.26 - DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS ........................................................... 43 4.27 - DOCUMENTOS CARTOGRÁFICOS........................................................... 43 4.28 - DOCUMENTOS SONOROS NO TODO ...................................................... 43 4.29 - DOCUMENTOS SONOROS EM PARTE .................................................... 43 5 - ORIENTAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS .................................................................................................................. 45 5.1 - TABELAS ...................................................................................................... 45 5.2 - GRÁFICOS .................................................................................................... 46 5.3 - FIGURAS....................................................................................................... 48 5.4 - CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS ............................................................................................................... 48 5.5 - PARTES COMPONENTES DE TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS ........... 48 5.5.1 - TÍTULO ................................................................................................... 49 5.5.2 - Corpo ...................................................................................................... 50 5.5.3 - Fonte ....................................................................................................... 50 5.5.4 - Nota ........................................................................................................ 50 Referências .............................................................................................................. 51

5

APRESENTAÇÃO

Este documento tem por objetivo fixar princípios gerais para estabelecer uniformidade na elaboração e apresentação de trabalhos acadêmicos do curso de graduação em Biomedicina da Universidade Federal do Piauí. Consideram-se trabalhos acadêmicos Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) as monografias de conclusão de curso de graduação. As presentes normas apóiam-se nas normas pertinentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), de modo particular na NBR 14724:2002 – Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos – Apresentação e na NBR 6023:2002 - Referências. Existe uma vasta bibliografia disponível sobre normalização de trabalhos científicos, inclusive com normas sugeridas pelos autores que diferem em alguns pontos. Isso acontece porque, em muitos casos, as normas da ABNT são omissas em algumas questões de formatação ou deixam margem para diferentes entendimentos. Assim, este roteiro procura evidenciar orientações das principais questões que geralmente geram dúvidas na apresentação de trabalhos científicos. Esperamos que na medida em que este roteiro for sendo utilizado, seus usuários, principalmente os alunos do curso de biomedicina, façam suas críticas, sugestões, esclarecimentos e especialmente a indicação de outras questões que poderiam ser evidenciadas no roteiro.

de uma monografia.ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Os elementos pré-textuais são aqueles que precedem a introdução do trabalho. etc. TABELA 1 .2005 válida a partir de 30. incorporando a Emenda 1 de 30. A estrutura de um trabalho acadêmico. como folha de rosto.12.ESTRUTURA DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 Os elementos pré-textuais.6 1 .1 . Os elementos pré-textuais constantes de trabalhos acadêmicos e monografias de final de curso são apresentados a seguir. elementos textuais e elementos pós-textuais.2006 e substitui a anterior (ABNT NBR 14724:2002) . listas de tabelas e ilustrações. 1 Baseado na ABNT NBR 14724:2005.01. sumário.ESTRUTURA DE TRABALHO ACADÊMICO Estrutura (partes) Elemento Capa (obrigatório) Lombada (obrigatório somente na versão final do TCC) Folha de rosto (obrigatório) Errata (opcional) Folha de Aprovação (obrigatório somente na versão final do TCC) Dedicatória(s) (opcional) Agradecimento(s) (opcional) Epígrafe (opcional) Resumo na língua vernácula (obrigatório) Resumo em língua estrangeira (opcional) Lista de ilustrações (opcional) Lista de tabelas (opcional) Lista de abreviaturas e siglas (opcional) Lista de símbolos (opcional) Sumário (obrigatório) Introdução Desenvolvimento Conclusão Referências (obrigatório) Glossário (opcional) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional) Índice(s) (opcional) Pré-textuais Textuais Pós -textuais 1. o texto e os elementos pós-textuais em trabalhos acadêmicos seguem a ordem apresentada na tabela 1. de uma tese ou de uma dissertação compreende: elementos pré-textuais.

tamanho da fonte 12. na 1ª linha do texto. e) local (cidade) .1. alinhada a partir do centro da folha.Capa Elemento obrigatório dos trabalhos acadêmicos.é escrito em letras maiúsculas.Folha de Rosto A folha de rosto contém as informações essenciais à identificação do trabalho. quais sejam (Figura 2): a) autor: o nome do autor deve ser centralizado na primeira linha do texto. negritado e centrado. Quando houver subtítulos.1 . tamanho da fonte 12. b) título do trabalho: transcrito igual ao título da capa.1. d) título do trabalho . em letras maiúsculas e tamanho da fonte 12. centralizado. dissertação. Se o trabalho for encadernado com capa dura. 1. negritado e centralizado e tamanho da fonte 14. também escrito em letras maiúsculas com negrito. tamanho da fonte 10. tamanho da fonte 12. c) nota explicativa indicando a natureza do trabalho (tese. grau pretendido e outros) nome do curso e da instituição a que é submetido.o nome da instituição é escrito em letras maiúsculas. tanto vertical como horizontalmente. na penúltima linha do texto. sem divisão silábica de palavras e tamanho da fonte 14. na 6ª linha do texto. tamanho da fonte 12. em espaço simples. c) autor . a capa precede a folha de rosto e deve conter as seguintes informações (Figura 1): A capa deve ser composta da seguinte forma: a) instituição .é escrito em letras maiúsculas negritado e centrado. b) curso a que pertence a disciplina/matéria . deve ser precedido do título com dois pontos. a folha de capa deve ser retirada e as suas informações devem constar da capa dura.7 1. trabalho de conclusão de curso e outros) e objetivo (aprovação em disciplina. centralizado.o nome do autor é transcrito em letras maiúsculas com negrito. tamanho da fonte 12.é escrito em letras minúsculas com a primeira letra das palavras em maiúsculo. f) ano – é escrito em algarismo arábico.2 . negritado e centralizado. . sempre centrados. Títulos extensos são transcritos a em espaçamento simples. na linha seguinte à da instituição. abaixo do local separado por espaço simples.

impresso da mesma forma que o nome do autor.1. b) título do trabalho.8 d) nome do orientador ou professor da disciplina (tamanho da fonte 10). 1.Folha de aprovação Elemento obrigatório na versão final do TCC constituído pelo nome do autor do trabalho. com a face voltada para cima. bem como no início das partes principais e/ou capítulos do trabalho. com a realização do trabalho.Dedicatória. onde as informações devem ser impressas. a) nome do autor.5 . . e) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado (tamanho da fonte 12). objetivo. conforme a ABNT NBR 12225:1992. Pode ocorrer apenas no início da obra. por exemplo: v. em que o autor dedica a obra ou presta homenagem a alguém.3 . título do trabalho e subtítulo (se houver). área de concentração. A data de aprovação e as assinaturas dos membros componentes da banca examinadora são colocadas após a aprovação do trabalho (Figuras 3 e 4).1. f) ano – é escrito em algarismo arábico. data de aprovação. agradecimentos e/ou epígrafe Dedicatória é geralmente um texto por extenso. abaixo do local separado por espaço simples. Esta forma possibilita a leitura quando o trabalho está no sentido horizontal. de alguma forma. titulação e assinatura dos componentes da banca examinadora e instituições a que pertencem.Lombada Elemento obrigatório na versão final do TCC.1.4 . 2. 1. c) elementos alfanuméricos de identificação. natureza. nome. Agradecimentos devem vir após a dedicatória e só devem ser feitos a pessoas ou instituições que contribuíram. (Figura 5) Epígrafe é a citação de um pensamento relacionado com o escopo da obra. impresso longitudinalmente e legível do alto para o pé da lombada. nome da instituição a que é submetido. tamanho da fonte 12. 1.

Sumário Elemento obrigatório. É redigido na terceira pessoa do singular compondo um texto e não uma enumeração de tópicos. quadros e figuras constantes do trabalho. Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração e em páginas separadas.1. O texto não deve ser apresentado em parágrafos. segundo a ABNT (NB-88/1988). Havendo mais de um volume em cada um deve constar o sumário completo do trabalho. . resultados e conclusões do trabalho.7 . Em trabalhos acadêmicos. 1. mesmo que o trabalho contenha lista.Resumo na língua vernácula O resumo consiste na apresentação concisa dos objetivos. cujas partes são apresentadas com os respectivos números das páginas.9 1. equações. No caso de siglas. seguido. acompanhados dos respectivos números de páginas (Figuras 7 e 8).1.Lista de Tabelas. 1. recomenda-se transcrever por extenso cada sigla na primeira vez em que é mencionada no texto. As listas de siglas e símbolos aparecem logo após a folha de lista de tabelas.9 . isto é. palavras-chave.6 . Não deve incluir citações bibliográficas.1. A linguagem deve ser bem clara. das palavras representativas do conteúdo do trabalho. metodologia. quadros e figuras. Somente devem ser feitas listas de siglas e símbolos quando o número de cada um destes elementos for significativo em todo o trabalho.8 . devendo ser escrito numa seqüência de frases. conforme a ABNT NBR 6027:1989. 1.1. o resumo deve conter no máximo 500 palavras. diagramas e símbolos. de forma que o leitor tenha adequada idéia do que se trata. não de tópicos. Quadros e Figuras Consiste na relação sequencial de títulos de tabelas. devendo-se evitar ainda o emprego de fórmulas.Lista de Siglas e Símbolos Consiste na relação em ordem alfabética de siglas e símbolos empregados no trabalho seguidos do significado correspondente. O resumo é localizado antes do texto possibilitando o leitor avaliar o interesse da leitura do documento. logo abaixo. conforme a ABNT NBR 6028 (Figura 6).

com a indicação de sua localização no texto. b) título.10 O sumário não deve ser confundido com índice. . geográficos. Os elementos pós-textuais (referências e anexos) devem constar do sumário. Os títulos apresentados no sumário são alinhados na margem esquerda e transcritos como aparecem no interior do trabalho (letras maiúsculas. c) linha pontilhada ligando título e número da página. A palavra sumário deve ser escrita em letra maiúscula. deve ser indicada exatamente onde se localizam. geralmente em ordem alfabética. Por exemplo. de empresas ou de acontecimentos. devendo conter para cada subdivisão: a) respectivo indicativo. um índice onomástico traz uma enumeração de nomes de pessoas. de assuntos. nomes de pessoas. com a página em que eles aparecem. quando houver. O mesmo ocorre com os índices remissivos. minúsculas e negritadas). sendo alinhados na margem esquerda sem numeração. nomes geográficos e outros. que é a enumeração detalhada dos assuntos. bem como a enumeração das páginas. A apresentação gráfica das divisões e subdivisões.

Parnaíba 2010 .11 FIGURA 1 – Exemplo de Capa UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CURSO DE BIOMEDICINA ISMAEL GOMES DA ROCHA JOHN DE OLIVEIRA MÁGULAS PREVALÊNCIA DE POLIMORFISMO NOS GENES RECEPTOR DE SEROTONINA (5HT2A) E RECEPTOR DOPAMINÉRGICO (DRD2) EM UMA POPULAÇÃO DE TABAGISTAS DO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA – PI.

Monografia apresentada à Universidade Federal do Piauí. Fábio José PARNAÍBA 2010 . Prof. Nascimento Motta Orientador: Dr. como requisito obrigatório para obtenção do título de Bacharel em Biomedicina.12 FIGURA 2: Exemplo de Folha de Rosto ISMAEL GOMES DA ROCHA JOHN OLIVEIRA MÁGULAS PREVALÊNCIA DE POLIMORFISMO NOS GENES RECEPTOR DE SEROTONINA (5HT2A) E RECEPTOR DOPAMINÉRGICO (DRD2) EM UMA POPULAÇÃO DE TABAGISTAS DO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA – PI.

Fábio José Nascimento Motta (Orientador) Universidade Federal do Piauí ______________________________________ Profa. Dra. ISMAEL GOMES ROCHA JOHN OLIVEIRA MÁGULAS PREVALÊNCIA DE POLIMORFISMO NOS GENES RECEPTOR DE SEROTONINA (5HT2A) E RECEPTOR DOPAMINÉRGICO (DRD2) EM UMA POPULAÇÃO DE TABAGISTAS DO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA – PI.13 FIGURA 3: Exemplo de Folha de Aprovação. Aprovada em XX de XXXXXXX de 20XX. BANCA EXAMINADORA ______________________________________ Prof Dr. Giovanny Rebouças Pinto Universidade Federal do Piauí . como requisito obrigatório para obtenção do título de Bacharel em Biomedicina. France Keiko Nascimento Yoshioka Universidade Federal do Piauí ______________________________________ Prof. Dr. Monografia apresentada à Universidade Federal do Piauí.

BANCA EXAMINADORA ______________________________________ Prof Dr. France Keiko Nascimento Yoshioka Universidade Federal do Piauí ______________________________________ Prof. como requisito obrigatório para obtenção do título de Bacharel em Biomedicina. Monografia apresentada à Universidade Federal do Piauí. obtendo a nota _________. Giovanny Rebouças Pinto Universidade Federal do Piauí .14 FIGURA 4: Exemplo de Folha de Aprovação avulsa que deverá ser entregue na coordenação. ISMAEL GOMES DA ROCHA JOHN OLIVEIRA MÁGULAS PREVALÊNCIA DE POLIMORFISMO NOS GENES RECEPTOR DE SEROTONINA (5HT2A) E RECEPTOR DOPAMINÉRGICO (DRD2) EM UMA POPULAÇÃO DE TABAGISTAS DO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA – PI. Dr. Aprovada em XX de XXXXXXXX de 20XX. Dra. Fábio José Nascimento Motta (Orientador) Universidade Federal do Piauí ______________________________________ Profa.

.15 FIGURA 5: Exemplo de Agradecimentos Aos nossos pais pelo apoio incondicional nos estudos.

estudou-se uma amostra 202 adolescentes e adultos jovens de 14 a 25 anos. dos quais 61. A idade média da população estudada foi de 17 anos. pelo menos. prevalência.6% do sexo masculino. fatores de risco. promoção da saúde. um amigo que fuma. de tal forma que 90% dos fumantes atualmente iniciaram esse comportamento antes dos 20 anos.4 %. assim como 80% responderam que têm. visando principalmente os adolescentes. sendo que 65. 17% dos entrevistados apontam que pelo menos um membro da família é tabagista.onde a maioria dos usuários do tabaco inicia.16 FIGURA 6: Exemplo de Resumo Resumo O tabagismo é uma epidemia mundial que representa uma das principais causas de enfermidades evitáveis. Palavras-chave: Tabagismo. os principais fatores de risco relacionados ao hábito tabagista. A partir de um delineamento transversal de base populacional. O objetivo deste trabalho foi conhecer a prevalência de tabagistas entre adolescentes estudantes de escolas públicas de Parnaíba-Piauí. A prevalência de tabagismo na população estudada foi de 6. bem como. incluindo seus familiares a fim de diminuir as enfermidades que o tabagismo acarreta. . Conclui-se que o combate ao tabagismo deve ser realizado precocemente. da rede pública de ensino de Parnaíba-Piauí por meio de questionário pré-codificado. individual e confidencial.4% do sexo feminino e 34. É sabido que a adolescência é o período de risco. desenvolvem e estabelecem o seu hábito de fumar.5 % iniciaram o hábito tabagista antes dos 20 anos de idade.

................................................................. 58 Gráfico 2 – Tabagistas do sexo masculino............17 FIGURA 7: Exemplo de Lista de Gráficos LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 – Tabagistas do sexo feminino ............................................................ Tabela 5 – ........... Gráfico 4 – ................................................................................................................................................................................................................................ 73 Tabela 3 – .................................................... FIGURA 8: Exemplo de Lista de Tabelas LISTA DE TABELAS Tabela 1 – Programa de amplificação do gene receptor de serotonina ........................................................................................................................................................... Tabela 4 – ............................................................................................................................................................................................................. Tabela 7 – ........ 59 Gráfico 3 – ................................................................................................... ..................... Gráfico 5 –.............................................. Tabela 6 – .................................... 62 Tabela 2 – Polimorfismo do gene 5HT2A ..................................................................

.................................90 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ....CONCLUSÕES ..................................................................................................84 7 ......................1 – GENES RECEPTORES DA SEROTONINA (5HT2A) .19 2........................ 26 2.................. ..............................................................................................................................................................97 Apêndice 1 – Levantamento epidemiológico de tabagistas no município de Parnaíba...................................100 ................................................................................................................................................................. 45 4 – MEDODOLOGIA ......18 FIGURA 9: Exemplo de Sumário SUMÁRIO 1 – INTRODUÇÃO...........................62 6 .....................15 2.............. 42 3......................37 3 – POLIMORFISMO GENÉTICO ...........................................................................1 – ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DOS TABAGISTAS ..52 4.................................................09 2 – BASES GENÉTICAS DO TABAGISMO ......................54 4.............................59 5 – RESULTADOS E DISCUSSÃO .............................................2 – ESTUDO GENÉTICO DO POLIMORFISMO ...............................................................................................................RECOMENDAÇÕES ......................2 – GENES RECEPTORES DOPAMINÉRGIGOS (DRD2) ........1 – MECANISMOS SUGERIDOS ..........................3 – A FARMACOGENÉTICA NO TRATAMENTO DO TABAGISMO .........................

na qual se desenvolve detalhadamente o objeto de estudo utilizando-se linguagem impessoal.ELEMENTOS TEXTUAIS OU TEXTO É a parte do trabalho em que o tema é apresentado e desenvolvido. A exposição deve obedecer a uma sequência lógica e ordenada. Atenção especial deve ser dada à estruturação do corpo do trabalho.2 . Os parágrafos expressam as partes do raciocínio. . clara e objetiva. 1.Introdução Esta primeira parte do texto deve apresentar uma visão geral do assunto. O texto pode ser dividido em seções (ou capítulos) e subseções.2. c) referir-se às principais partes do texto. assim como o texto. cada um dos quais começando por uma nova página e também pode ser divido em seções. terminologia técnica em excesso e explicações circulares ou repetições. A estruturação do texto pode variar em função da metodologia adotada e da finalidade a que se destina. Atenção deve ser dada aos parágrafos: a cada idéia nova. mas geralmente compreende introdução. cuja divisão em capítulos requer sequência lógica e clareza. o problema de pesquisa e sua contextualização e delimitações. sua importância. em sua totalidade. de tal forma que o leitor possa ter uma noção do conteúdo do trabalho. evitando-se argumentações emotivas ou sentimentais.Desenvolvimento ou Corpo do Trabalho Constitui a parte central e mais extensa do trabalho. abre-se parágrafo.2 . Além disso. 1. quando for o caso. cujos títulos devem expressar a ideia exata do conteúdo tratado na respectiva seção e subseção. A seção. expressa um raciocínio mais amplo. a introdução deve: a) apontar os motivos da realização do trabalho.2. frases feitas ou slogans. a linguagem deve ser impessoal. explicitando a metodologia adotada para desenvolvê-lo. b) especificar os objetivos do trabalho. No que se refere à redação em trabalhos acadêmicos.1 . ou de reforço. indicando a ordem de exposição e outros elementos do trabalho para situar o tema do trabalho.19 1. desenvolvimento e conclusão.

etc.2. . ou seja: o título deve sintetizar o texto.2. 1. 1. A conclusão é a resposta que oferecemos ao leitor após todo o processo de pesquisa. coleta.3 .2. Somente pode-se concluir sobre aquilo que se abordou ou se discutiu no desenvolvimento do trabalho.3 etc. faça um pequeno resumo. 2.) e é também possível numerar as seções (1. além de se utilizar títulos que chamem a atenção do leitor e represente o conteúdo o qual está se iniciando. Uma sugestão que pode facilitar o entendimento do leitor é você. As tabelas. destacando-os através de uma síntese do que foi discutido nos capítulos anteriores.1. para que dessa forma possa facilitar a organização das idéias do leitor e levá-lo a uma facilitação no entendimento da conclusão.20 pode ser subdividida. Conforme a ABNT (NB 69/1987). De qualquer forma é importante destacar os títulos. 1. 3. todos os elementos discutidos no decorrer do texto devem ser mencionados e a alguma conclusão deve chegar. tratamento dos dados e resultados da pesquisa. apresentando-se as conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses. apresentando seções secundárias. não se pode escrever na conclusão nada que não tenha sido discutido antes e por outro lado. 1. Ao terminá-lo.1. 1. respondendo de forma clara o problema de pesquisa. quadros e ilustrações devem aparecer tão perto quanto possível do lugar em que são mencionadas no texto. são incluídas nesta parte do trabalho. O passo seguinte deverá ser apresentado ao leitor o que você concluiu.1. quadros e ilustrações essenciais à compreensão do texto. cada capítulo deve ter sua numeração seqüencial em algarismos arábicos (1. fazer uma pequena introdução esclarecendo sobre o que vai ser tratado. As citações bibliográficas textuais. as notas de rodapé. O desenvolvimento inclui o referencial teórico (revisão da literatura). É importante iniciar a conclusão com um breve resgate ao assunto ou problema de pesquisa. assim como todas as tabelas.1. lembrando o que foi discutido.Conclusão Parte final do trabalho na qual retomam-se os principais pontos levantados ao longo do desenvolvimento do assunto.1.3 etc. antes de começar um capítulo. respeitando-se a apresentação tipográfica e o aspecto estético. Ou seja.) e as seções secundárias (1.). sejam dos capítulos ou das seções e subseções.

tenham contribuído para a realização do trabalho.21 Não devem ser usadas citações nas conclusões. 1. embora não mencionadas. bem como a sua contribuição para o tema abordado e a literatura existente. deve-se adotar entrelinhamento simples. por um segundo travessão. seguidos de dois espaços. quais sejam: referências. b) os vários elementos da referência são separados por ponto. Na transcrição de uma referência deve-se observar o seguinte: a) o texto deve ser alinhado à esquerda. 1. pois o relatório final ficaria inconcluso e conforme Vergara (2005. após a conclusão conforme a ABNT NBR 6023.ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS Os elementos pós-textuais são aqueles que sucedem a conclusão do trabalho.3 . passaríamos a vida toda percorrendo rios e seus afluentes. assuntos aos quais o objeto da sua pesquisa tem ligação. equivalente a cinco toques.3. deve-se pular uma linha. anexos e apêndices. A lista de referências deve figurar em página própria. 82).Referências Lista em ordem alfabética das fontes utilizadas para elaboração do trabalho. seja sob outra ótica ou sob outra abordagem. porém não é possível tratar deles todos. pois o seu conteúdo corresponde a sua análise do que foi pesquisado e as suas conclusões e reflexões. Ao final da conclusão o autor da pesquisa deve sugerir e recomendar para outros autores. mantendo-se as pontuações adequadas. não havendo necessidade de alinhamento junto à margem direita. De uma referência para outra. nas referências seguintes à primeira. . c) o título de várias edições de uma obra referenciada sucessivamente é substituído. além de outras que. d) numa mesma referência. glossário. Todas as obras citadas no texto deverão obrigatoriamente figurar nesta lista. p. mas mereceriam ser explorados por outros alunos e pesquisadores. São assuntos que não puderam ser explorados por você.1 .

1. Anexo constitui documento não elaborado pelo autor do trabalho. tal como leis. questionários. 1. Antes de cada apêndice e/ou anexo deve constar uma página de rosto incluindo o respectivo título. cuja finalidade é comprovar ou ilustrar aspectos tratados no texto. O glossário aparece após as referências. Constituem blocos com conteúdos/assuntos afins e identificados por letras maiúsculas consecutivas e pelos respectivos títulos. prospectos.3. que se acrescenta a um trabalho como esclarecimento ou documentação.3.4 – Índice(s) Elemento opcional. . estatísticas. elaborado conforme a ABNT NBR 6034:1989. Apêndice é documento elaborado pelo autor do trabalho a fim de complementá-lo. sem que constitua parte essencial dele.3.Glossário É a relação em ordem alfabética de palavras ou expressões técnicas de uso restrito. e os anexos após os apêndices. Apêndices e anexos figuram no final do trabalho.3 – Apêndice(s) e anexo(s) Trata-se de matéria adicional.22 1.2 . acompanhadas das respectivas definições. A paginação de apêndices e anexos deve seguir a do texto. Os apêndices localizam-se após a lista de referências.

O Projeto circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 02. impresso em cor preta. com o número do Projeto ABNT 14724. 2 Baseado na ABNT NBR 14724 – Informação e documentação – Trabalhos acadêmicos Apresentação.2006 e foi elaborada no Comitê Brasileiro de Informação e Documentação (ABNT/CB-14). com exceção da folha de rosto que deve conter a ficha catalográfica. 2. deixar algumas linhas em branco no final da página. Esta norma é válida a partir de 30.1 . TIPO E TAMANHO DE LETRA Na digitação de texto e tabelas. de 28. pela Comissão de Estudo de Documentação (CE14:001.3 – ENTRELINHAMENTO (ESPACEJAMENTO). d) não se adota espaçamento diferenciado: -entre dois parágrafos.FORMATO DO PAPEL O trabalho deve ser impresso em papel branco.01. . direita e inferior de 2 cm. excetuando-se as citações de mais de três linhas. formato A4 (210 x 297mm). b) o título de seção não deve aparecer no final de uma página e o seu texto na página seguinte. deve-se observar o seguinte: a) digitar o texto em laudas no anverso (frente) da folha. podendo utilizar outras cores somente para as ilustrações.2005 e cancela e substitui a edição anterior (ABNT NBR 14724:2002).02. c) evitar isolar uma só linha de texto no final ou no início da página. Seu Projeto de Emenda 1 circulou em Consulta Nacional conforme Edital nº 03. paginação e legendas das ilustrações e das tabelas que devem ser digitadas em tamanho menor e uniforme.01). deve-se observar um recuo de 4 cm da margem esquerda.ORIENTAÇÃO PARA DIGITAÇÃO E DISPOSIÇÃO GRÁFICA2 2. No caso de citações de mais de três linhas.12. digitados no anverso (frente) das folhas. Esta segunda edição incorpora a Emenda 1 de 30. A NBR 14724 recomenda a utilização da fonte tamanho 12 para todo o texto. de 31/03/2005. -entre parágrafo e tabela.MARGENS As folhas devem apresentar margem esquerda e superior de 3 cm.23 2 . nesses casos. -entre parágrafo e citação longa (com mais de três linhas).2 . 2. notas de rodapé.2002. sendo permitido.

e termina com ponto e vírgula.1 .5 . seguidas de sinal de fechamento de parênteses. .TÍTULOS DO TEXTO 2. Iniciam com hífen e são alinhados a aproximadamente um centímetro da margem de parágrafo. exceto no caso de nomes próprios. exceto no caso de nomes próprios.Títulos não-numerados O título dos elementos pré-textuais e pós-textuais não recebe numeração progressiva.ALÍNEA As alíneas são divisões enumerativas.24 As opções para entrelinhamento (espacejamento).7. O texto dos incisos tem início com letra minúscula.PARÁGRAFO Cada parágrafo deve vir recuado a aproximadamente 1. 2.INCISO Os incisos (ou sub-alíneas) são divisões existentes no interior das alíneas. A primeira linha da alínea inicia na margem de parágrafo e as seguintes são alinhadas sob a primeira letra do texto da alínea. e termina com ponto e vírgula. tipo e tamanho de letra para a digitação do texto são especificadas no quadro abaixo: DESCRIÇÃO Texto Referências Citação longa Notas de Rodapé Tabelas ENTRELINHAMENTO 1.7 . 2.5 ou 24 pontos Simples ou 12 pontos Simples ou 12 pontos Simples ou 12 pontos Simples ou 12 pontos TIPO E TAMANHO DE FONTE Arial – 12 Arial – 12 Arial – 10 Arial – 10 Arial – 10 2.4 . devendo ser centrado na página em letra maiúscula com negrito. menos a última. que termina com ponto. O texto das alíneas tem início com letra minúscula.6 .5 centímetro da margem esquerda. 2. que se assinalam por letras minúsculas ordenadas alfabeticamente.

g) seção primária (capítulo) deve iniciar em página nova. f) não deixar linha em branco entre seção secundária e parágrafo. ou seja. .1 – AMOSTRA 1. h) títulos que ultrapassem uma linha devem ser alinhados sob a primeira letra da primeira linha.25 2.1 – Tabulação dos dados 2.1 – Pesquisa de campo 1. c) entre uma nota e outra. d) deixar uma linha em branco entre duas seções.1. deve-se observar o seguinte: a) a nota de rodapé inicia-se na margem de parágrafo. os capítulos e suas respectivas seções. deve-se observar o seguinte: a) os títulos numerados são sempre alinhados na margem esquerda.8 – NOTAS DE RODAPÉ Na digitação de notas de rodapé. para dar maior destaque. deixa-se uma linha em branco.1.1. c) deixar uma linha em branco entre título de capítulo (ou seção primária) e início do parágrafo. Na apresentação de títulos numerados. e) deixar uma linha em branco entre parágrafo e seção. o mesmo valendo para seções terciárias e quaternárias.7. não ultrapassando a seção quinária. i) evitar a subdivisão excessiva das seções. b) a segunda linha e seguintes obedecem à margem do texto. devendo ser transcrita em espaço simples e com de letra menor (tamanho 10). O quadro a seguir apresenta os recursos gráficos para apresentação de seção primária (capítulo) e respectivas seções: TÍTULO DE Seção primária (capítulo) Seção secundária Seção terciária Seção quaternária e quinaria APRESENTÇÃO Em letra maiúscula com negrito Em letra maiúscula sem negrito Somente as iniciais em maiúscula Somente a inicial da 1ª palavra em letra maiúscula EXEMPLO 1 – METODOLOGIA 1.2 – Títulos numerados Os títulos numerados são aqueles que recebem numeração progressiva. b) o indicativo numérico é separado do título por um hifen.

centralizados. b) letras ou palavras que mereçam destaque ou ênfase. isto é. As páginas textuais continuam a numeração das páginas pré-textuais. ora de outro para o mesmo tipo de expressão. a 2 cm da borda superior da folha e da margem direita. A folha de rosto é contada mas não recebe número impresso. O negrito pode ser utilizado para: a) títulos de livros e periódicos nas referências. O itálico pode ser empregado para: a) palavras e frases em língua estrangeira.5 cm da borda inferior da folha. na margem inferior da página a 1.9 . . evitando-se o uso ora de um. 2.NEGRITO E ITÁLICO O uso de negrito e itálico deve ser estabelecido no início da digitação do trabalho e ser coerente e uniforme. b) nomes de espécies em botânica e zoologia. quando não for possível dar esse realce pela redação. A partir da Introdução (parte textual e pós-textual) as páginas são numeradas em algarismos arábicos colocados no canto superior direito da página.10 .PAGINAÇÃO As folhas devem ser contadas a partir da folha de rosto sendo que a numeração da parte pré-textual deve ser em numerais romanos minúsculos.26 2. uma é sequência da outra.

3. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. A NBR 10520:2002 substitui a NBR 10520:2001. NBR 6023:2002 – Informação e documentação – Referências – Elaboração. pois “é da natureza do conhecimento que ele mude 3 Baseado na ABNT NBR 10520 – Informação e documentação – Citações em documentos. recomenda-se utilizar as edições mais recentes das normas citadas a seguir. Os dados completos das fontes de onde foram extraídas as citações devem ser indicados. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento.1. uso de maiúscula e idioma.27 3 . Válida a partir de 29. A seguir. são apresentadas as normas gerais de citação direta. relacionando as idéias expostas com opiniões de autores considerados autoridades no assunto discutido. 3. Serve para esclarecer e dar maior autoridade ao texto.1 .Citação direta curta A citação direta que ocupar até três linhas deve ser utilizada entre aspas. ou em lista no fim do texto.09. c) citação de citação. seja em nota de rodapé.Citação direta É a transcrição literal de um texto pesquisado ou parte dele. NBR 10522:1988 – Abreviação na descrição bibliográfica – Procedimento. 5 O uso do ponto final após as citações deve atender às regras gramaticais. pontuação. .1. Esta norma foi baseada na ISO 690:1987. Exemplo: 5 Numa cultura organizacional que favoreça a aprendizagem. tamanho e espaçamento utilizados no texto. respeitando-se a grafia. Existem três tipos de citações: a) citação direta.CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS E NOTAS DE RODAPÉ 3 3. 4 As normas relacionadas a seguir contêm disposições que ao serem citadas neste texto. as pessoas sabem que necessitam permanentemente de buscarem mais conhecimentos e que nunca o saber será completo.1 . mantendo-se o mesmo tipo de letra. Como toda norma está sujeita à revisão.2002.CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS4 Citação é a utilização no texto de uma informação coletada em outra fonte. b) citação indireta.1.1 . constituem prescrições para esta Norma.

28 rápido e que as certezas de hoje se tornem os absurdos de amanhã” (DRUCKER.] trazem como consequência uma alteração na organização da produção. também lhe conota perigo. p.1.2 . leite trabalho. 20). entre colchetes [. 1997. . 121). puro evento físico. enquanto que para o hindu despertará a idéia de ritualidade. é perfeitamente compreensível os códigos utilizados pela máquina e suas combinações binárias representando palavras de sua linguagem. São indicadas pelo uso de reticências. Entretanto existem as reações emotivas que advêm da compreensão desses códigos: O símbolo ABC.. A comunicação depende do contexto onde ela ocorre. com o uso dessas técnicas.3 – Omissões em citação Pode-se omitir parte de citações. a palavra vaca leiteira pode fazer-me evocar a idéia de pasto. além de ser para ele o significante do significado denotativo (nível 0).1. deve-se substituílas por apóstrofos. 3. religiosidade e respeito (ECO. com letra tamanho 10. iniciando-se a 4 cm da margem esquerda. na verdade. Caso o trecho utilizado esteja entre aspas no texto original. há um aumento na produtividade da terra e do trabalho".. desde que não se altere o sentido do texto ou frase. 3. ou seja.Citação direta longa A citação direta utilizada no texto que apresentar mais de três linhas deve aparecer em parágrafo distinto.. p. Exemplo: As transformações na base técnica da produção agropecuária "[.1.. Exemplo: Para o homem. o que não acontecia de acordo com a máquina. 1999. na medida em que. com espaçamento simples entre as linhas e sem as aspas.].1.

grifo do autor). . entre parênteses.são indicadas pela expressão latina [sic]6. 1972. b) incorreções no texto citado . logo após sua ocorrência.1. Exemplo: "A existência de um mercado consumidor diferenciado e de atividades de comercialização de produtos agrícolas com operações conexas criaram as bases da urbanização regional" (OLIVEIRA. 484. debates. entrevistas etc. em nota de rodapé. Exemplo: No texto: É fundamental que os estudantes acreditem em seu potencial e busquem as melhores colocações nas empresas capixabas.1. em setembro de 2006.1.4 . Para isso. incorreções e/ou incoerências e dúvidas em citação Devem-se utilizar as seguintes convenções para: a) acréscimos e/ou explicações a citações .1. p.devem aparecer entre colchetes. c) dúvidas em citação – deve-se utilizar o ponto de interrogação [?] entre colchetes.). (informação verbal)1 No rodapé da página: 1 Comentário proferido por Cláudio Sipollati em Palestra realizada na Universidade Federal do Piauí por ocasião da Semana de Administração. 3.Ênfase ou destaque em citação É comum o destaque de palavra(s) ou frase(s) em citação. deve-se utilizar o negrito seguido da expressão "sem grifo no original" ou “grifo do autor”.5 . entre parênteses. entre colchetes.1. mencionando-se os dados disponíveis. 3.1.Acréscimos e/ou explicações. imediatamente após a palavra ou frase que as gerou.6 – Informação verbal em citação Quando se tratar de informações obtidas por meio verbal (palestras. deve-se indicar a expressão informação verbal. 6 Sic significa assim mesmo. logo após a palavra ou frase negritada.29 3.

Citação indireta É a utilização das ideias de um autor ou autores consultados com palavras ou expressões próprias do autor do trabalho. e o mesmo acontece com as ideias. e o mesmo acontece com as ideias. A fonte de onde as ideias foram extraídas deve ser indicada. mas necessária à sobrevivência. [. A indicação é feita pelo nome do autor original. Os fatos se alteram com rapidez.Citação de citação É a referência a um documento ao qual não se teve acesso.INDICAÇÃO DAS FONTES CITADAS As citações devem ser indicadas no texto por um sistema de chamada: autordata ou numérico. citamos alguns casos do sistema mais utilizado: autor-data. Qualquer que seja o método adotado deve ser seguido consistentemente ao longo de todo trabalho. não se utiliza aspas. 42). mas do qual se tomou conhecimento apenas por citação em outro trabalho (não se teve acesso ao original).2 .1.2 . a) o sobrenome é mencionado no texto em letras minúsculas com a inicial em maiúscula.. Somente o autor da obra consultada é mencionado como fonte. Exemplos: Segundo Motta citado por Fraga (2005. permitindo sua correlação na lista de referências ou em notas de rodapé. 3. [. “a mudança aparece não só como inevitável.]” 3.3 .]” Segundo Motta apud Fraga (2005. pois não se trata de uma transcrição literal. Neste caso. Abaixo. “a mudança aparece não só como inevitável. Exemplo: De acordo com Geertz (2006). Os fatos se alteram com rapidez.. p.1.30 3.. p. 42). mas necessária à sobrevivência.. seguido da expressão "citado por" ou apud e do nome do autor da obra consultada. .

. e) publicações em que não são indicados os nomes dos autores. Segundo levantamento realizado pelo IJSN (2003). cita-se o nome completo. Exemplo: As palestras apresentadas no I SIMPÓSIO DE BIOMEDICINA DO DELTA DO PARNAÍBA.. c) entidades podem ser citadas por suas siglas. d) no caso de eventos...) ou “e outros". Exemplos: No Atlas Histórico do Espírito Santo. desde que tenham sido mencionadas por extenso na primeira vez em que aparecem no texto. de onde foi retirada a citação.31 b) quando se utiliza citação de mais de três autores deve-se mencionar o sobrenome do primeiro.. são apresentados dados.” f) após a citação menciona-se o sobrenome do autor em letras maiúsculas. A falta desta tem sido .. . mencionase o título. de fato. "uma aglomeração constitui. seguido da data de publicação da obra citada e da página. por uma perspectiva global e estratégica do planejamento público. em 2009. Exemplo: Em CARTA de Atenas.. sendo a primeira palavra em letra maiúscula. Exemplo: Cardozo et al.. ou seção. (2006) salientam que. entre parênteses.. seguido da expressão et alii (abrevia-se et al. realizado em Parnaíba.. na ordem direta. tem sido implementada muito mais ao sabor das oportunidades políticas e dos acertos conjunturais do que. do Instituto Jones dos Santos Neves – IJSN (1999). Exemplo: A descentralização. no Brasil.

deve-se observar o seguinte: a) a numeração das notas de rodapé é feita em algarismos arábicos. pelo abismo entre as propostas e os resultados alcançados (VILLA VERDE.40). de acordo com a lista de referências no final do trabalho. explanações ou traduções que não devem ser incluídas no texto para que não interrompam a linha do pensamento do leitor. 1995b. Em notas de rodapé. 1995.22) h) quando houver mais de uma obra de um mesmo autor. 1995a. p.23) (TEIXEIRA. de preferência usando-se um tipo de letra menor. p. obedecendo à ordem crescente se reinicia no começo de cada capítulo ou parte do trabalho.32 responsável. as iniciais de seus prenomes. a diferenciação é feita pelas datas de publicação. p. em caso de mencionar dois autores com o mesmo sobrenome.27) 3.R. 1979.M. 1979. . M. Caso haja coincidência de datas. C.. Exemplo: (PEREIRA. b) notas de rodapé são descritas em espaço 1.NOTAS DE RODAPÉ As notas de rodapé são utilizadas para fazer comentários. em grande parte. p.. p. Exemplo: (TEIXEIRA. deve-se acrescentar ao ano uma letra minúscula.3) (PEREIRA.3 . g) deve-se acrescentar.

. Metodologia científica: guia para eficiência no estudos. Igualdade e meritocracia: a ética do desempenho nas sociedades modernas. n. p. Meritocracia à brasileira: o que é o desempenho no Brasil? Revista do Serviço Público.. onde serão estudadas várias abordagens. o sistemismo e o funcionalismo. 2 Ibid.89. 1999.95. João Álvaro. Rio de Janeiro: FGV. Idem ou Id. o estruturalismo francês. p. = do mesmo autor _________________ 1 BARBOSA. c) Uso de expressões latinas Ibidem ou ibid = na mesma obra _________________ 1 RUIZ. vol. 3 Ibid. bem como metodologias alternativas. o empirismo e o positivismo. Metodologia científica: guia para eficiência no estudos. capítulos posteriores. 84. ________________ 2 Cf. particularmente a dialética. 3. 84. ano 47. João Álvaro.33 Exemplos: _____________ 1 RUIZ. . Lívia. 120. p. 1996. p. 2 Id.

2 . .ALINHAMENTO E ESPAÇAMENTO O alinhamento deve ser na margem esquerda do texto. Válida a partir de 29. 7 Baseado na ABNT NBR 6023:2002 – Informação e documentação – Referências . 4.no fim do trabalho conforme indicado anteriormente. identificando individualmente cada fonte em espaçamento simples e separadas entre si por espaçamento duplo.ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS As referências às fontes citadas no trabalho devem ser ordenadas conforme o sistema utilizado para citação no texto.ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS 7 Conforme a NBR 6023:200288. da ABNT.no fim do capítulo. edição.em notas de rodapé. 4. de acordo com a NBR 10520.34 4 .ELEMENTOS ESSENCIAIS Autor(es). 4. de documentos impressos ou registrados em diversos tipos de material. Autor: pessoa física responsável pela criação do conteúdo intelectual ou artístico de um documento.2002. editora e data. Esta norma foi baseada nas ISO 690:1987 e ISO 690-2:1997. O sistema mais utilizado é o alfabético (ordem alfabética de entrada).4 . resenhas e outros.1 . . título. . 8 Esta norma destina-se a orientar a preparação e compilação de referências de material utilizado para a produção de documentos e para inclusão em bibliografias. no todo ou em parte. 4.POSIÇÃO DAS REFERÊNCIAS . local.09.3 .Elaboração. referência bibliográfica é um conjunto de elementos que permite a identificação. A NBR 6023:2002 substitui a NBR 6023:2000.

35 Título9: palavra. já destacado pelo uso de letras maiúsculas na primeira palavra. Eli. . 1993. Globalização. Edição: exemplares produzidos a partir de um original de uma obra. grifo ou itálico) utilizado para destacar o elemento título deve ser uniforme em todas as referências de um mesmo documento. 2000. 1. Serafim MELO. expressão ou frase que designa o assunto ou o conteúdo de um documento. Data: ano em que o documento foi editado.TÍTULO E SUBTÍTULO O título e o subtítulo (se for usado) devem ser reproduzidos tal como figuram no documento. A arte sacra: espaço sagrado hoje. Exemplo: DINIZ. cujo elemento de entrada é o próprio título. reformas econômicas e elites empresariais. 343 p.AUTORES COM SOBRENOMES COMPOSTOS E SOBRENOMES QUE INDICAM GRAU DE PARENTESCO Exemplos: LÉVI-STRAUSS. São Paulo: Loyola. Normalmente pertencem à mesma edição as impressões sem modificações. Rio de Janeiro: FGV. Celso Antonio Bandeira de 4. Exemplo: CASTRO. Editora: instituição responsável pela produção editorial. separados por dois-pontos. 9 O recurso tipográfico (negrito.ed. Claude SILVA NETO. Local: Cidade onde o documento foi editado. ou de responsabilidade. Cláudio.5 . 4. Isto não se aplica às obras sem indicação de autoria. com exclusão de artigos (definidos e indefinidos) e palavras monossilábicas.6 .

J.9 . Salvador. 1990.11 . 28 p. A aventura da reportagem. BAHIA (Estado). 1991. Catálogo de teses.MAIS DE TRÊS AUTORES Exemplo: DUBOIS.). Retórica geral. 1993. Gilberto. Relatório de atividades. Brasília. Rio de Janeiro. Diretrizes para o desenvolvimento do Estado da Bahia. et. 2009. Congresso. KOTSCHO. (Org.ed.36 4. Ministério da Justiça. São Paulo: USP.INSTITUIÇÕES PÚBLICAS COM DENOMINAÇÃO ESPECÍFICA Exemplos: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. São Paulo: Cultrix. Regimento Interno. Brasília.INSTITUIÇÕES PÚBLICAS COM DENOMINAÇÃO GENÉRICA Exemplos: BRASIL. 4. Ricardo.DOIS OU TRÊS AUTORES Exemplo: DIMENSTEIN. 4. Senado.7 . 1988. São Paulo: Summus.8 .10 . 4. 4. São Paulo: Paulinas. 1974. . 1971. Carlos. Biblioteca Central. DF. 1985. Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo. Al. BA. 40 p.COLETÂNEAS Exemplo: SOARES. Relatório da Diretoria-Geral: 1984. Para uma leitura crítica da publicidade. 2. BRASIL. BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil).

14 . mas pode ser identificada. 107 p. Cria e recria. Sylvio.OBRAS SEM LOCAL DE PUBLICAÇÃO ESPECIFICADO Quando a cidade não aparece no documento. deve-se indicar a expressão sine nomine. 1990. Exemplo: LAZZARINI NETO. I. 4. DF: [s. Exemplo: FRANCO. 108 p. Discursos: de outubro de 1992 a agosto de 1993. abreviada. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro.n.] Exemplo: OS GRANDES clássicos das poesias líricas.12 .l. 64 p. 4. 1993. entre colchetes [s. Brasília. utiliza-se a expressão sine loco. 1988. DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. 1993.37 4. São Paulo: Atlas. . ____________. indica-se entre colchetes. [São Paulo]: SDF Editores. Antônio Carlos. São Paulo: Atlas. ____________. 60 f. 1993. Metodologia do ensino superior. São Paulo: Atlas. entre colchetes [S. 1987.OBRAS ANÔNIMAS (AUTORIA DESCONHECIDA) Exemplos: OS DESAFIOS éticos.13 .15 .]. [S.n]. Brasília: Conselho Federal de Medicina.l]: Libris.PARA NÃO REPETIR O NOME DO AUTOR DE VÁRIAS OBRAS Exemplos: GIL.OBRAS SEM EDITORA ESPECIFICADA Quando a editora não puder ser especificada. 1981. 1994. abreviada. 4. Não sendo possível determinar o local. Técnicas de pesquisa em economia.

(Org. São Paulo: Sociedade Brasileira de Química. p. REUNIÃO ANUAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE QUÍMICA. R. Eliane Fernanda. 1996. indústria. título da parte. São Paulo: Unibero. deve-se informar a paginação ou outra forma de individualizar a parte referenciada. 1998. Macapá: Valcan. seguidos da expressão “IN:”. Poços de Caldas.PUBLICAÇÃO PERIÓDICA Inclui a coleção como um todo. In: ________. 1994. História do Amapá. Imagens da juventude. dos.TRABALHO APRESENTADO EM EVENTO Exemplos: FERREIRA. e a matéria existente em um número.16 . 2. 7 – 16.178-182. 4.38 4. p. Os elementos essenciais são: autor(es).ed. A colonização da terra do Tucujús. Anais. Química: academia. 1997. In: LEVI. sociedade: livro de resumos.) História dos jovens 2. e da referência completa da obra no todo. São Paulo. 1º grau. SANTOS. volume ou . 1997. com auto(es) e /ou título próprios. Giovanni. número de jornal. 20.PARTES DE UMA OBRA Inclui capítulo.18 . Coreografias do traduzir de Haroldo de Campos.OBRAS SEM DATA ESPECIFICADA Neste caso. Cap. J. conforme indicado: [1969?] data provável [197-?] década provável [2006] data certa não indicada na obra. volume. 1998. 4.. No final da referência. 3.. fascículo ou número de revista.17 .19 . São Paulo: Companhia das Letras.. I. SCHIMIDT. G. na íntegra.. registra-se uma data aproximada entre colchetes. fragmento e outras partes de uma obra. F. 4. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE TRADUÇÃO E INTERPRETAÇÃO. caderno etc. Exemplos: ROMANO.

PAIVA. Boletim de Turismo e Administração Hoteleira. 1965-. 2. 2000. Política e Administração. 30-36.). Edição Especial. a vinculação acadêmica.2000. . Rio de Janeiro. Conjuntura Econômica. set. n. v. DISSERTAÇÃO E TESE Para esses documentos devem ser indicados em nota o tipo de documento. O emprego dos sonhos. Trimestral. Rio de Janeiro. 4. 1344. matérias jornalísticas.38-49. seções. C. 12 jan.39 fascículo de periódico (artigos científicos de revistas. p. p. 4. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: IBGE. E. Exemplo: BOLETIM ESTATÍSTICO [da] Rede Ferroviária Federal. GURGEL. 1997. Reforma do Estado e segurança pública.20 . fev. DINHEIRO. SEKEFF. 3. Domingo. KUAZAQUI.TRABALHOS ACADÊMICOS: MONOGRAFIA. reportagens etc. 2. 2002. Rio de Janeiro. Desenvolvimento de produtos e serviços e respectivo gerenciamento do ciclo de vida. Gisela. 3. que se vincula ao título por uma preposição entre colchetes. v. AS 500 maiores empresas do Brasil. n.21 . mencionada na folha de aprovação (se houver). 15-21. 38. São Paulo: Centro Universitário Ibero-Americano. 28 jun. Exemplos: REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. 1982. ano 26. n. São Paulo: Três. 9.PERIÓDICO COM TÍTULO GENÉRICO Incorpora-se o nome da entidade autora ou editora. o grau. v. p. Anabela. Rio de Janeiro. 9. out. Trincheira musical: músico dá lições de cidadania em forma de samba para crianças e adolescentes. n. Rio de Janeiro: IBGE. 2002. 1943-1978. Jornal do Brasil. o local e a data da defesa. set. n. p. editoriais. 1984. 2. BOLETIM GEOGRÁFICO.148.

M. 102 f. Poder Executivo. seguida do ano de promulgação. Reimplante dentário. ordem de serviço. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização)-Faculdade de Odontologia. 1998.569-9. n. as emendas constitucionais e os textos legais infraconstitucionais (lei complementar e ordinária. 51 f. 1997. título. decisão administrativa.22. Os elementos essenciais são: jurisdição (ou cabeçalho da entidade. 1990. de 11 de fevereiro de 1997. portaria. Máscaras interiças tukúna: possibilidade de estudo de artefatos de museu para o conhecimento do universo indígena. resoluções do Senado Federal) e normas emanadas das atividades públicas e privadas (ato normativo.40 Exemplos: COSTA. Lex: Coletânea de legislação e jurisprudência. entre parênteses. BRASIL.22 -DOCUMENTOS JURÍDICOS Inclui legislação. 1996. aviso. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. São Paulo.Legislação Compreende a Constituição. São Paulo. C. U. Universidade Camilo Castelo Branco. data e dados da publicação. no caso de se tratar de normas).1 . Terezinha Otaviana Dantas da. Dissertação (Mestrado em Administração). resolução. L. decreto em todas as suas formas. v. .3. 179 f. Universidade Mackenzie. instrução normativa. entre outros). p. 1985. Avaliação do corpo docente no contexto da avaliação institucional: reflexão crítica a partir do discurso de docentes de uma instituição de 3º grau. DF. circular. entre o nome da jurisdição e o título. numeração. Brasília. A. p. No caso de Constituições e suas emendas. ARAÚJO. Sâo Paulo. 29514. 4. 1986. MORGADO. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)-USP. Exemplos: SÃO PAULO (Estado). Seção 1. Decreto nº 42. 4. 1996. 1990. comunicado. acrescenta-se a palavra Constituição. 14 dez. M. de 20 de janeiro de 1998. São Paulo. Medida provisória nº 1.822. 217-220. 62. jurisprudência (decisões judiciais) e doutrina (interpretação dos textos legais). medida provisória.

Brasília. artigos de periódicos. Sâo Paulo: Associação dos Advogados do Brasil. p. Superior Tribunal de Justiça. Supremo Tribunal Federal.3 . Raimundo Gomes de. Machado de. 103. Exemplos: BRASIL. In:_____.).23 . Súmula nº 14. opcionalmente acrescida dos dados referentes a hora. Habeas-corpus n° 181. Lex: jurisprudência do STJ e Tribunais Regionais Federais.Doutrina Inclui toda e qualquer discussão técnica sobre questões legais (monografias. local. apresentado entre sinais <>. Memórias póstumas de Brás Cubas. 1998. 1994. Exemplo: BARROS. 53-72. v. p. São Paulo: Biblioteca Folha – Ediouro. São Paulo. Exemplos: ASSIS. Acesso em: 18 jun.22. partes envolvidas (se houver). 6 de dezembro de 1994. DF.bn.DOCUMENTOS ELETRÔNICOS Quando se tratar de obras consultadas on line. precedida da expressão Acesso em:. 19. v. n. sentenças e demais decisões judiciais. 4.22. papers etc.636-1.41 4. enunciados. Disponível em <http://www. p. Ministério Público: sua legitimação frente ao Código do Consumidor. Súmulas. 16.Jurisprudências (decisões judiciais) Compreende súmulas. também são essenciais as informações sobre o endereço eletrônico. 10. n. BRASIL. da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. 2001. Os elementos essenciais são: jurisdição e órgão judiciário competente. 4. 139. 1995. São Paulo. acórdãos.br/bibvirtual/acervo>. Revista Trimestral de Jurisprudência dos Estados. mar. data e dados da publicação. minutos e segundos. 1995. referenciada conforme o tipo de publicação. . precedido de expressão Disponível em: e a data de acesso ao documento.2 . ago. título (natureza da decisão ou ementa) e número. relator.236-240.

Alimento. diretor. Não é admissível. 4. Súmula nº 14. 17 jun. SILVA.24 . assim como textos integrais de diversas normas. In: Dicionário da língua portuguesa. propesq. 1997. Inclui resumos padronizados das normas editadas entre janeiro de 1946 e agosto de 1999. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Lisboa: Pliberam Informática.htm>. Recife: UFPe. Disponível em <http://www. DF: Senado Federal.N. LEGISLAÇÃO brasileira: normas jurídicas federais. São Paulo.42 POLÍTICA.. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe. Brasília: Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência. Disponível em: <http://www. 4. Acesso em: 19 set.25 . 1998. Acesso em: 29 nov. Disponível em <http://www. Anais eletrônicos. 2001.br/jb/papel/colunas/lingua/>. 1998. por ato administrativo.pt>. Disponível em <http://www.. CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. população e desenvolvimento. Pena de morte para o nascituro.br>. Supremo Tribunal Federal. em razão da idade. 16. Recife.pliberam. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. 1 CD-ROM.truenetm. 7.providafamilia. ed. inscrição em concurso para cargo público.com. R. data e especificação do suporte em unidades físicas. 1998..ufpe. Disponível em: <http://www. local.. 52. 1 CD-ROM. BRASIL. Jornal do Brasil.IMAGENS EM MOVIMENTO Inclui filmes em VHS. Os elementos essenciais são: título. Ives Gandra da.br>. 16:30:40 SILVA. produtora. . 1996. Rio de Janeiro: SBCTA. Sérgio Nogueira. Resumos. OLIVEIRA. Acesso em: 21 jan.com. bibliografia brasileira de Direito. Acesso em: 12 jul.jb. DUARTE. Língua Viva.DOCUMENTOS DISPONÍVEIS EM CD-ROM Exemplos: REUNIÃO ANUAL DA SBPC. R. 1998. 19 set. restringir. 1 CD-ROM. 2000. O Estado de S. 2001. Paulo. 1996. 1998. Brasília.org/pena_ morte_nascituro. Acesso em: 12 mai. 1999. 1998. DVD entre outros. 2001. 4.

29 . Os elementos essenciais são: compositor(es) ou intérprete(s). 1 atlas. 1 VHS 4.26 .43 Exemplo: OS PERIGOS do uso de tóxicos. título (quando não existir. 1981. São Paulo. Doença dos xavantes. designação específica e escala. São Paulo: CERAVI. editora.DOCUMENTOS ICONOGRÁFICOS Inclui pintura. local. São Paulo: Atlas. 18 slides. INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO (são Paulo. título. São Paulo: RCA Victor. Produção de Jorge Ramos de Andrade.DOCUMENTOS SONOROS EM PARTE Inclui partes e faixas de documentos sonoros. mapa. gravura. Elementos essenciais: autor.28 . transparências. Escalas variam. Ouro e cobre.000 4. 1983. data e especificação do suporte.DOCUMENTOS SONOROS NO TODO Inclui disco. gravadora. OS DESAFIOS do marketing. 1980. desenho técnico. deve-se atribuir uam denominação ou a indicação Sem título. fotografia. . 1 disco. 2006.27 . 1986. 1 fotografia. fotografia aérea entre outros. SP). slides. Escala 1:35. Exemplos: ATLAS Mirador Internacional. 4. Projeto Lins Tupã: foto aérea. K. Elementos essenciais: autor(es). data e especificação do suporte. local. CD. Rio de Janeiro: Enciclopédia Britância do Brasil. cartazes entre outros. 4. cassete entre outros. p1998. título. entre colchetes). 1 fotografia aérea. ilustração. Exemplos: KOBAYASHI. Exemplo: ALCIONE. data da publicação.DOCUMENTOS CARTOGRÁFICOS Inclui atlas.

faixa 1. Toque macio. Lado A. São Paulo: RCA Victor. Ouro e cobre. In: Alcione. Intérprete: Alcione. p1998. A. 1 disco sonoro.44 Exemplo: GINO. .

nas quais as variáveis ou indicadores são demonstrados tanto na vertical como na horizontal. v. GRÁFICOS E FIGURAS Tabelas. gráficos e figuras são utilizadas de acordo com a necessidade de melhor apresentar as informações. de forma a facilitar a compreensão dos dados obtidos ou coletados. 1997.ORIENTAÇÃO PARA APRESENTAÇÃO DE TABELAS. p. 67. dispostos numa determinada ordem de classificação. Rio de Janeiro. 30.1 . .45 5 . Anuário estatístico do Brasil. Exemplo: ANO 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 APOSENTADOS CIVIS DO GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ Quantidade Média mensal 46 196 3 850 21 190 1 766 14 199 1 183 17 601 1 467 34 253 2 854 27 546 2 296 24 659 2 055 Fonte: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 5.TABELAS As tabelas são caracterizadas por uma estrutura organizada em linhas e colunas.

pois deve-se utilizar a menor quantidade possível de variáveis.2 . A sua utilização dependerá do tipo de informação que se tem em mãos. Europa e América do Norte). b) barras. inclusive possuindo assistentes de formatação. Os gráficos mais utilizados são: a) lineares.GRÁFICOS Gráficos são apresentações sintéticas e visuais que facilitam a leitura de determinados fenômenos e proporcionam clareza na análise dos dados. É importante ficar atento na construção de um gráfico. a fim de se facilitar a leitura e análise das informações. no ano de 1999. Exemplos: O gráfico de barras da figura abaixo ilustra as vendas. FIGURA 1 – Gráfico de Barras . Diversas planilhas eletrônicas disponíveis no mercado. em dólares. como por exemplo o MS-Excel. facilitam a construção e utilização de gráficos. c) setores (pizza). segundo o tipo de produto (TV e Computador) e local (Ásia.46 5.

FIGURA 2 – Gráfico de setores categorizado .47 A seguir tem-se um gráfico de setores categorizado por tipo de produto e local.

gráficos e figuras são: a) título. e) legenda. GRÁFICOS E FIGURAS As partes componentes de tabelas.3 . gráficos de organização (fluxograma e organograma). gráficos e figuras: a) podem ser utilizados no desenvolvimento do texto ou em anexo. mapas. . 5. c) devem ser alinhados preferencialmente de forma centralizada. As fotografias também fazem parte da apresentação de figuras.FIGURAS Figuras são apresentações visuais que ilustram aspectos discutidos no texto.4 . sempre fazendo referência ao seu conteúdo e à sua localização. b) corpo. d) nota(s) ou observações gerais. 5. GRÁFICOS E FIGURAS É importante ressaltar alguns critérios para apresentação de tabelas. b) devem estar localizados próximos ao trecho em que são citados no texto.48 5. Os tipos mais comuns são desenhos.CRITÉRIOS PARA APRESENTAÇÃO DE TABELAS.5 . d) devem ser utilizados de forma que sua leitura seja feita no sentido horário. c) fonte e/ou autoria. plantas.PARTES COMPONENTES DE TABELAS.

1.TÍTULO O título compõe-se da descrição do conteúdo: a) deve ser utilizado em letras maiúsculas. 5. seguindo uma sequência para todo o trabalho. gráfico e figura. (1) Plano Individual. b) deve ser significativo e explicar o que está sendo apresentado.PRODUÇÃO DE CERA DE CARNAÚBA NO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA .FAMILIAR I – AMIL 40 PLUS: HOSPITAL ALBERT EINSTEIN (PARA INTERNAÇÕES ELETIVAS) – MAIO DE 2006 FONTE: AMIL NOTA: Dados extraídos da Base da Dados do Círculo da Saúde – Maio de 2006.2009 GRÁFICO 5 . Exemplos: TABELA 5 . . não ultrapassando os limites da tabela. (2) Posição no mês.5.5.Referência É o componente que identifica a numeração de 1 a n.1 .49 Exemplo: TABELA 1 . c) deve ser alinhado à esquerda.1 .PRODUÇÃO DE CERA DE CARNAÚBA PARA COMERCIALIZAÇÃO INTERNA NO MUNICÍPIO DE PARNAÍBA – 2009 5.

2 . dos dados e das informações.5. . Exemplo: NOTA: Os dados foram extraídos do Censo Demográfico de 1980.5.4 .50 5.Corpo É a parte da tabela. Exemplos: FONTE: IBGE FONTES: SERPRO. Exemplo: TABELA 3 .Fonte Indica a entidade responsável pela elaboração dos dados e/ou informações constantes de tabelas. sendo parte integrante do título. Exemplo: CLASSE DE ATUAÇÃO INDÚSTRIA DE MÓVEIS Emprego Remuneração TRANSPORTE DE CARGAS Emprego Remuneração 5.3 .2 .5. separando-se do enunciado do conteúdo por meio de um hífen.1.5.Nota O termo NOTA é utilizado para esclarecer o conteúdo das informações apresentadas ou indicar a metodologia utilizada na coleta ou no tratamento dos dados. DATAMEC 5.Data de referência Identifica o período referente aos dados e/ou informações registrados. gráficos e figuras.RENDIMENTO MÉDIO DO FUNDO DE RENDA FIXA NOS BANCOS DE TERESINA – 2009 5. gráfico ou figura que contém o conteúdo dos indicadores.

1988. 2002. Metodologia científica. Rio de Janeiro. Antônio. XIII. Metodologia científica em ciências sociais. 2. José Carlos. 1977. Rio de Janeiro. L. 2. Rio de Janeiro. 1989. Ingedore V. publicações e trabalhos científicos. ed. Rio de Janeiro. KÖCHE. DEMO. Resumos . Luiz C. Informação e documentação – trabalhos acadêmicos -apresentação: NBR 14724. São Paulo: Saraiva.ed. C. Pedro. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos. 2002. 2001. 3. São Paulo:Atlas. 5. A. 1971. São Paulo: FEBAB. São Paulo: Atlas. 1983-1985. GONÇALVES. ed. Marina de Andrade. São Paulo: Atlas. 1996. Como se faz uma tese. Caxias do Sul: Educs. São Paulo: Perspectiva. 3. Rio de Janeiro.ed. 1998.ed. .ed. 1996. 3. Informação e documentação – referências – elaboração: NBR 6023. KOCH. Introdução à metodologia do trabalho científico. GIL. A. 2. IBGE. Umberto. projeto e relatório. 5. 1990. ECO. Fundamentos de metodologia científica. Revista da Faculdade de odontologia – USP. Maria Margarida de. ______. CERVO. ARANTES. e TRAVAGLIA. LAKATOS. Normas de apresentação tabular.ed. n. ______. São Paulo : Atlas. Cortez. São Paulo: Makron Books. P. Pesquisa bibliográfica nas ciências biomédicas. 1993.Procedimento: NBR 6028. MARCONI. 1998. FACHIN. Informação e documentação – citações em documentos – apresentação: NBR 10520. 1989. Como elaborar projetos de pesquisa. ______. ______. Estatística descritiva: uma introdução. Ferraz. e BERVIAN. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Informação e documentação – Numeração progressiva das seções de um documento: NBR 6024. 3. Eva. 2006. CÓDIGO de Catalogação Anglo-Amaricano. Sumário: NBR 6027. São Paulo. Texto e coerência. 2005. pesquisa bibliográfica. Fernando Antonio. São Paulo: Atlas. 1989. Fundamentos de metodologia. ed.51 Referências ANDRADE. Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. São Paulo.ed. 1995. ______. Odília.

Luiz Antonio Rizzato. MARTINS. Manual para elaboração de monografias e dissertações. Sylvia Constant. NUNES. 1989. Projetos e relatórios de pesquisa em administração.ed. VERGARA. 2000. 2. Manual da monografia. Glenn H. 2005. Gilberto de Andrade. Graphics: guia do usuário. Harvard. . 2000. 5. São Paulo: Atlas.52 LARSEN. São Paulo: MC Graw-Hill : Makron.ed. São Paulo: Saraiva. São Paulo: Atlas.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful