You are on page 1of 23

INCIANDO NO AEROMODELISMO

Este guia tem a finalidade de ajudar aqueles que pretendem iniciar no aeromodelismo, porém contar com a ajuda de alguém que já pratique o esporte/ciência será de extrema importância.

O sonho de voar sempre esteve presente em nossas mentes desde quando o mundo é mundo. Muitos homens

tidos como malucos tentaram com muito custo voar

Até que conseguiram inventar o famoso avião. O

.... aeromodelismo permite voar com os pés no chão e qual de nós nunca sonhou quando garoto em ter um aeromodelo?

Neste artigo pretendo explicar o máximo possível sobre estes pequenos notáveis, um aeromodelo nada mais é que um avião em escala reduzida.,possui os mesmos comandos básicos e utiliza basicamente os mesmos princípios de aerodinâmica. Praticar este esporte ciência pode ser muito gratificante.

Tentar iniciar no hobby sozinho é sinônimo de quebra (ou "lenha" como se diz na gíria) e prejuízo, portanto pedir ajuda aos mais experientes, visitar clubes, enfim procurar se informar ao máximo é primordial para se ter um início tranquilo e sem frustrações. Não existe uma idade mínima para se iniciar no hobby, com a ajuda de um adulto, uma criança de 10 anos está apta ao aprendizado que varia em tempo de uma pessoa para outra. Crianças geralmente aprendem mais rápido. Um adulto leva em média dois meses (voando aos finais de semana) para decolar, voar e pousar sozinho o seu aeromodelo com segurança.

Um aeromodelo não pode ser tratado como brinquedo. Por isso o aeromodelismo deve ser praticado em locais próprios ou em locais que não tenham muitos obstáculos, como postes, árvores e torres de alta tensão, e longe da cidade para se evitar qualquer tipo de acidente.

A escolha do Modelo

A escolha do aeromodelo também é fundamental para um bom aprendizado.

O modelo mais indicado para um iniciante no aeromodelismo rádio controlado são aqueles com comandos proporcionais, ou seja, tem suas superfícies de comando (profundor, leme, etc) movidas por pequenos motores elétricos chamados Servos, qualquer modelo que voe sem comando proporcional será extremamente difícil de controlar. Também recomendo que se voa em primeiro lugar um modelo asa alta (com a asa sobre a fuselagem) pos geralmente são mais fáceis de controlar.

INCIANDO NO AEROMODELISMO Este guia tem a finalidade de ajudar aqueles que pretendem iniciar no aeromodelismo,
INCIANDO NO AEROMODELISMO Este guia tem a finalidade de ajudar aqueles que pretendem iniciar no aeromodelismo,

Servo e como são instalados em um aeromodelo:

O modelo para iniciantes tem como principais características vôo estável e fácil de pilotar, ou seja, bastante dócil nos comandos. Nestas características se encaixam os modelos Asa Alta e os Planadores.

Os aeromodelos de asa alta ou mesmo os planadores normalmente são mais lentos, têm um maior planeio e seus comandos são mais suaves. Existem muitos modelos de vários fabricantes, tanto nacionais quanto

importados, com essas características. Esses modelos podem ser construídos em fibra ou madeira balsa ou DEPROM, e podem ser Glow ou elétricos.

Um aeromodelo básico terá 4 canais de comando:

  • - Profundor - Responsável por fazer o modelo subir ou descer.

  • - Leme - Responsável por ajudar nas curvas

  • - Aileron - Responsável por manter a estabilidade das asas

  • - Aceleração - Controla a aceleração do motor.

importados, com essas características. Esses modelos podem ser construídos em fibra ou madeira balsa ou DEPROM,

Este é um rádio de 4 canais

Entretanto é possível voar um planador com apenas dois canais (profundor e leme) ou mesmo um avião com três canais (leme, profundor e aceleração)

Mas vamos ao que realmente importa vamos conhecer alguns tipos de modelo quanto à propulsão:

  • - Sem propulsão - Planadores - São modelos com três ou quatro canais de comando, alguns podem ter

pequenos motores glow ou elétricos instalados. Há uma vasta diversidade de modelos disponíveis no mercado. Devido ao baixo custo e a grande habilidade de controle que se adquire voando estes tipos de modelo, são altamente recomendáveis para iniciantes. Em alguns planadores também é possível a adaptação de pequenos motores.

importados, com essas características. Esses modelos podem ser construídos em fibra ou madeira balsa ou DEPROM,

Exemplo de Planador

  • - Propulsão a Elástico - São de vôo livre, sendo assim não possuindo nenhum tipo de controle, são os mais baratos de se montar e os mais indicados para quem quer começar construindo seu próprio modelo, pois permitem aos iniciantes conhecer as técnicas de construção de aeromodelos. Recentemente muitos aeromodelistas têm instalado equipamentos de rádio controle nestes pequenos modelos, transformando-os em excelentes aeromodelos escala elétricos.

Exemplo de Modelo a Elástico - Propulsão Glow (combustão) - Uma das modalidades mais praticadas pelos

Exemplo de Modelo a Elástico

- Propulsão Glow (combustão) - Uma das modalidades mais praticadas pelos aeromodelistas, dentro desta categoria se encaixam modelos Acrobáticos, Escala, e Treinadores. Os motores se classificam por polegada cúbica e são movidos por uma mistura de Metanol, Óleo e Nitrometano, os motores mais indicados para os iniciantes são os motores .40 ou .46 Pol Cúbicas. Geralmente são modelos grandes e necessitam de bastante espaço para voar, ou seja, precisam de uma pista para pousos e decolagens, sendo então necessária uma certa infraestrutura básica para tal.

Exemplo de Modelo a Elástico - Propulsão Glow (combustão) - Uma das modalidades mais praticadas pelos

Exemplo de Treinador Asa Alta Glow

- Propulsão Elétrico - Não perde em nada para os modelos Glow, a duração de vôo e os comandos são exatamente iguais, sendo sua única diferença a motorização e o tamanho. Ë uma categoria bastante indicada para iniciantes, pois permite construir modelos por até a metade do preço do que se gastaria para construir um modelo Glow. Também permite a adaptação de outros modelos, como os movidos a elástico, por exemplo, sendo assim possível construir modelos escala por preço bem reduzido. Uma outra vantagem dos elétricos devido ao seu tamanho reduzido é que podem ser voados em pequenos espaços, como quadras cobertas, ou descampados, sendo assim não necessitam de toda a estrutura que os modelos Glow necessitam.

Exemplo de Modelo a Elástico - Propulsão Glow (combustão) - Uma das modalidades mais praticadas pelos

Exemplo de Modelos Elétricos

Exemplo de Modelo a Elástico - Propulsão Glow (combustão) - Uma das modalidades mais praticadas pelos

Existem muitos prós em contras dentre todas estas categorias e subcategorias que envolvem cada uma delas. Cada modelista escolhe aquela da qual se sente mais confortável.

Qualquer categoria de modelismo envolve riscos, um aeromodelo descontrolado pode provocar um acidente muito grave, portanto é extremamente recomendável que se comece indo a algum clube para fazer amizades, pois em um clube é provável que você encontre um bom aeromodelista disposto a ajudar sem cobrar nada, muitos até ensinam a voar sem cobrar um centavo ! Procurar se informar é sempre a escolha certa !

Espero que meu Guia o tenha ajudado de alguma forma, sempre estarei a sua disposição para esclarecer suas dúvidas através do suporte ao cliente de nosso E-shop.

Aeroabraços e Bons Vôos ! Lucas Visite nosso E-shop !

Aeromodelismo para iniciantes Parte I

Postado por Meison Almeida em setembro 14th, 2010

O objetivo dessa série de artigos é informar a quem tem interesse em entrar nesse hobby, tudo que vai precisar e tudo o que pode esperar.

Antes de mais nada, temos que entender o que é necessário para entrar no aeromodelismo. No inicio, é quando todos passam pela prova de fogo se realmente querem participar ou não, pois como não possuem o equipamento e nem a experiencia necessária acabam gastando mais e muitas vezes se chateando e desistindo do esporte. Por isso, prestem atenção a essas dicas.

1 . Espaço para praticar (pistas)

Esse é o item fundamental, não adianta você achar que qualquer lugar sem fio pode ser usado para o aeromodelismo, para você praticar e principalmente iniciar, você precisa de um espaço ideal para isso, porque a falta disso pode gerar acidentes no aeromodelo (prejuizo para você) ou pior acidente com pessoas que frequentem o local também, podendo causar sérios ferimentos, por isso aeromodelo não é considerado brinquedo, pois deve ser levado a sério.

Então o primeiro passo a se dar é procurar lugares onde você poderia praticar o esporte, se não há um clube de aeromodelismo com a pista, você pode procurar algum lugar afastado onde não haja pessoas, que não tenha arvores ou fios e que não haja tráfego aéreo. Lembre-se, normalmente um clube de aeromodelismo cobra pela associação e uma mensalidade para manter tudo em ordem e também fornecer estrutura, energia e outros recursos que facilitam todas as suas necessidades relativas ao hobby.

2 . Escolha de Estilo e Equipamentos Como estilo, atualmente existem 4 vertentes:

Voo livre: Que tem como caracteristica, nenhum controle elétrico ou mecanico por isso o “livre”

VCC: Voo Circular Controlado, tem como caracteristica o controle somente do profundor (subir ou descer) tendo um cabo fixado ao aeromodelo e por isso obrigando um trajeto sempre circular, essa modalidade foi a que iniciou tudo, mas agora está menos utilizado.

A combustão: Na verdade essa categoria é uma sub-categoria do Controlado por Radio, que permite o controle de todos os comandos de um aeromodelo. Porém o motor é a combustão, alguns a gasolina outros (mais comum) de uma mistura conhecida como glow, como é um estilo que tem motorização mais aproximada da real, permite uma variedade e simulação da realidade mais aproximada que a real, porém exige-se mais acessórios e manutenções além de ser mais caro.

Elétrico: Assim como o a combustão é uma vertende do Controlado por Rádio, que permite uma liberdade maior, a tecnologia em si é mais recente e vem sendo evoluida a cada ano, permitindo uma aproximação cada vez maior da categoria a combustão que praticamente não tem limites de potencia. A vantagem do elétrico é praticamente a ausencia de manutenção e o custo mais barato. Eu particularmente, conheço mais dessa categoria, pois optei por ela, por dois motivos: falta de espaço

apropriado

para

o a combustão

e

por

não

ter habilidades manuais

para fazer toda manutenção

necessária.

Os equipamentos, por experiencia própria, não podem ser comprados sem pesquisar e avaliar a procedencia deles. Sim, eu acabei comprando pelo preço chamativo, um aeromodelo que nunca voou. Se você não tiver nenhum conhecido que já seja aeromodelista, o melhor a fazer deve ser encontrar seu Transmissor. O

transmissor é o controle e diferentemente dos controles de carrinhos de controle remoto esse tem um mecanismo bem mais avançado o qual permite uma distancia muito maior além de um comando sensível (que é

realmente onde precisa de treino, que os aeromodelistas costumam chamar de pegar “dedo”).

Mais para frente abordarei os possíveis transmissores, mas com um transmissor, você poderá comandar vários aeromodelos diferentes, por isso no inicio o investimento é mais caro. Com ele você pode também comprar um cabo de interface com o PC, isso é uma alternativa muito boa para treinar (sem gastar enquanto você quebra virtualmente somente) e além disso se diverte. É claro, que sem sombra de dúvidas não chega nem perto de voar de verdade, porém não se desespere você chega lá.

Em relação ao aeromodelo em si, as opiniões se dividem muito, entre montar o seu próprio modelo logo no começo e comprar um kit pronto, particularmente eu acho que depende de seu conhecimento sobre aerodinamica e funcionamento de aviões e principalmente sua habilidade de realizar trabalhos manuais, por isso eu optei inicialmente por kits já prontos.

Existem vários tipos de kits para comprar, as opções mais comuns são:

apropriado para o a combustão e por não ter habilidades manuais para fazer toda manutenção necessária.transmissor e s, mas com um transmissor, você poderá comandar vários aeromodelos diferentes, por isso no inicio o investimento é mais caro. Com ele você pode também comprar um cabo de interface com o PC, isso é uma alternativa muito boa para treinar (sem gastar enquanto você quebra virtualmente somente) e além disso se diverte. É claro, que sem sombra de dúvidas não chega nem perto de voar de verdade, porém não se desespere você chega lá. Em relação ao aeromodelo em si, as opiniões se dividem muito, entre montar o seu próprio modelo logo no começo e comprar um kit pronto, particularmente eu acho que depende de seu conhecimento sobre aerodinamica e funcionamento de aviões e principalmente sua habilidade de realizar trabalhos manuais, por isso eu optei inicialmente por kits já prontos. Existem vários tipos de kits para comprar, as opções mais comuns são:  RTF (Read To Fly): Pronto para voar, ou seja, a não ser por em alguns casos, pequenas montagens o aeromodelo já vem completo para voar (inclusive o transmissor, bateria, carregador)  ARF (Almost Read To Fly): Quase pronto para voar, o aeromodelo em si vem completo, faltando alguns componentes dependendo de cada kit, como transmissor, motor, speed, etc.  KIT: Somente a estrutura do modelo (fuselagem, asa e comandos), em alguns casos vem o motor. 3 . Treinamento Procure um instrutor ou pelo menos baixe um simulador, um que conheço é o FMS, esse é gratuito, não tem efeitos g raficos ótimos, mas é um ótimo simulador para treinamento. No site superdownloads é possível baixar, clique aqui p ara isso Aeromodelismo para iniciantes – Parte II Postado por Meison Almeida em dezembro 2nd, 2010 Depois de algum tempo, disponibilizo a segunda parte da série Aeromodelismo para iniciantes, para quem não leu a primeira parte leia aqui: Aeromodelismo para iniciantes Parte I Aerodinamica dos comandos " id="pdf-obj-4-48" src="pdf-obj-4-48.jpg">

RTF (Read To Fly): Pronto para voar, ou seja, a não ser por em alguns casos, pequenas montagens o aeromodelo já vem completo para voar (inclusive o transmissor, bateria, carregador)

ARF (Almost Read To Fly): Quase pronto para voar, o aeromodelo em si vem completo, faltando alguns componentes dependendo de cada kit, como transmissor, motor, speed, etc.

KIT: Somente a estrutura do modelo (fuselagem, asa e comandos), em alguns casos vem o motor.

3 . Treinamento

Procure um instrutor ou pelo menos baixe um simulador, um que conheço é o FMS, esse é gratuito, não tem efeitos graficos ótimos, mas é um ótimo simulador para treinamento. No site superdownloads é possível baixar, clique aqui para isso

Aeromodelismo para iniciantes Parte II

Postado por Meison Almeida em dezembro 2nd, 2010

Depois de algum tempo, disponibilizo a segunda parte da série Aeromodelismo para iniciantes, para quem não leu a primeira parte leia aqui:

Uma coisa fundamental para um bom começo é não tentar começar pilotando logo de vez, é necessário se preparar antes. Uma das coisas mais comuns é tentar logo pilotar e isso pode fazer você perder seu aeromodelo e perder sua vontade pelo aeromodelismo. Tendo isso em mente, vamos ao tópico.

Antes de começar é importante saber o que cada comando dado irá provocar no aeromodelo. Não precisamos entrar aqui no mérito da fisica ou da aerodinamica, mas é importante saber qual são as reações de cada comando.

Uma coisa fundamental para um bom começo é não tentar começar pilotando logo de vez, éartigo sobre rádios ) . Ele é responsável pela velocidade do aeromodelo, é isso que vai dar a sustentação ao modelo. Existe para cada modelo uma velocidade minima para continuar com a sustentação, ou seja para continuar voando. Esse stick em questão é o único que fica parado aonde você deixou, ao invés de voltar ao meio, permitindo que você deixe a velocidade constante até que você queira mudar. Ailerons Os ailerons são os comandos que ficam na asa principal, ficam normalmente posicionados na ponta das asas, mas podem ocupar ela toda ou só o meio. Eles devem ser contrários, ou seja, quando o comando da asa esquerda sobe, o da direita desce. Isso vai provocar a rotação do avião em seu próprio eixo conforme figura abaixo. Funcionamento do aileron Esse movimento é utilizado para estabilizar o aeromodelo horizontalmente, ou para fazer curvas e manobras. Abaixo outra ilustração para observar os comandos como serão realizados pelo aeromodelo e seus comportamentos. " id="pdf-obj-5-6" src="pdf-obj-5-6.jpg">

Comandos básicos num avião

Os comandos mais básicos de um aeromodelo são, o controle de velocidade, ailerons, profundor e leme. Vou abordar cada um deles aqui.

Controle de Velocidade

Aqui no Brasil, onde optamos pelo Mode 2, é o primeiro stick do controle (lado esquerdo) na movimentação vertical (para quem quiser saber mais veja o artigo sobre rádios). Ele é responsável pela velocidade do aeromodelo, é isso que vai dar a sustentação ao modelo. Existe para cada modelo uma velocidade minima para continuar com a sustentação, ou seja para continuar voando. Esse stick em questão é o único que fica parado aonde você deixou, ao invés de voltar ao meio, permitindo que você deixe a velocidade constante até que você queira mudar.

Ailerons

Os ailerons são os comandos que ficam na asa principal, ficam normalmente posicionados na ponta das asas, mas podem ocupar ela toda ou só o meio. Eles devem ser contrários, ou seja, quando o comando da asa esquerda sobe, o da direita desce. Isso vai provocar a rotação do avião em seu próprio eixo conforme figura abaixo.

Uma coisa fundamental para um bom começo é não tentar começar pilotando logo de vez, éartigo sobre rádios ) . Ele é responsável pela velocidade do aeromodelo, é isso que vai dar a sustentação ao modelo. Existe para cada modelo uma velocidade minima para continuar com a sustentação, ou seja para continuar voando. Esse stick em questão é o único que fica parado aonde você deixou, ao invés de voltar ao meio, permitindo que você deixe a velocidade constante até que você queira mudar. Ailerons Os ailerons são os comandos que ficam na asa principal, ficam normalmente posicionados na ponta das asas, mas podem ocupar ela toda ou só o meio. Eles devem ser contrários, ou seja, quando o comando da asa esquerda sobe, o da direita desce. Isso vai provocar a rotação do avião em seu próprio eixo conforme figura abaixo. Funcionamento do aileron Esse movimento é utilizado para estabilizar o aeromodelo horizontalmente, ou para fazer curvas e manobras. Abaixo outra ilustração para observar os comandos como serão realizados pelo aeromodelo e seus comportamentos. " id="pdf-obj-5-23" src="pdf-obj-5-23.jpg">

Funcionamento do aileron

Esse movimento é utilizado para estabilizar o aeromodelo horizontalmente, ou para fazer curvas e manobras. Abaixo outra ilustração para observar os comandos como serão realizados pelo aeromodelo e seus comportamentos.

Uma coisa fundamental para um bom começo é não tentar começar pilotando logo de vez, éartigo sobre rádios ) . Ele é responsável pela velocidade do aeromodelo, é isso que vai dar a sustentação ao modelo. Existe para cada modelo uma velocidade minima para continuar com a sustentação, ou seja para continuar voando. Esse stick em questão é o único que fica parado aonde você deixou, ao invés de voltar ao meio, permitindo que você deixe a velocidade constante até que você queira mudar. Ailerons Os ailerons são os comandos que ficam na asa principal, ficam normalmente posicionados na ponta das asas, mas podem ocupar ela toda ou só o meio. Eles devem ser contrários, ou seja, quando o comando da asa esquerda sobe, o da direita desce. Isso vai provocar a rotação do avião em seu próprio eixo conforme figura abaixo. Funcionamento do aileron Esse movimento é utilizado para estabilizar o aeromodelo horizontalmente, ou para fazer curvas e manobras. Abaixo outra ilustração para observar os comandos como serão realizados pelo aeromodelo e seus comportamentos. " id="pdf-obj-5-29" src="pdf-obj-5-29.jpg">

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a pressão em cima seja maior, fazendo com que essa parte vá para baixo. Ou seja, quando o aileron da asa esquerda estiver para cima, o da direita estará para baixo e o aeromodelo irá rodar para esquerda.

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Os ailerons neutros são a única posição em que nos dois lados permanecem iguais (pelo menos devem permanecer, senão não irá funcionar corretamente). Isso faz com que o aeromodelo continue estável se estiver horizontal irá permanecer assim, se estiver inclinado da mesma forma ficará inclinado (a não ser que haja outras forças mudando-o, por exemplo o vento).

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Os ailerons para baixo, fazem o contrário dos para cima, ou seja, caso o aileron da esquerda estiver para baixo ele irá rodar para a direita (ou seja, a asa esquerda irá subir, fazendo a direita descer).

Profundor

O profundor é o comando que fica normalmente na cauda, mas em alguns casos está na parte frontal do aeromodelo, nesses casos é comum chama-lo de canard. O movimento desse comando provoca a inclinação da cauda para cima ou para baixo.

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Esse movimento é utilizado para estabilizar o aeromodelo verticalmente, ou para faze-lo subir e descer e fazer algumas manobras. Abaixo outra ilustração para observar os comandos como serão realizados pelo aeromodelo e seus comportamentos.

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Quando o comando do profundor fica para cima como na figura ao lado, ele promove a cauda para baixo fazendo o bico ir para cima, ou seja é o comando de fazer o aeromodelo subir. Esse comando é atribuido a movimentação vertical do stick direito do controle. O movimento para baixo do stick faz o profundor ir para cima.

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Nessa posição o aeromodelo continua em sua trajetória em linha reta, esse movimento é provocado deixando o stick direito em seu movimento vertical na posição neutra (central).

O aileron para cima provoca a passagem do ar em direção diferente fazendo com que a

Quando o comando do profundor fica para baixo como na figura ao lado, ele promove a cauda para cima fazendo o bico ir para baixo, ou seja é o comando de fazer o aeromodelo descer. Esse comando é atribuido a movimentação vertical do stick direito do controle. O movimento para cima do stick faz o profundor ir para baixo.

Leme

O leme tem o mesmo funcionamento que o famoso leme conhecido na navegação, ele promove a movimentação lateral da cauda do aeromodelo, fazendo com que a cauda do aeromodelo vá para os lados fazendo o modelo mudar sua direção.

Esse movimento é utilizado para mudar a direção do aeromodelo, alguns os utilizam para realizar curvas,Aeromodelismo para iniciantes Parte I Aeromodelismo para iniciantes Parte II Montagem Básica Antes de começar a pilotar deve-se saber algumas coisas básicas para o funcionamento, como ligar, o que verificar e como os comandos devem responder, antes de levantar voo, para que a diversão não comece terminando. " id="pdf-obj-7-2" src="pdf-obj-7-2.jpg">

Esse movimento é utilizado para mudar a direção do aeromodelo, alguns os utilizam para realizar curvas, porém a maioria utiliza o mesmo para manobras como torque roll, voo de faca e para o pouso e taxiamento.

Esse movimento é utilizado para mudar a direção do aeromodelo, alguns os utilizam para realizar curvas,Aeromodelismo para iniciantes Parte I Aeromodelismo para iniciantes Parte II Montagem Básica Antes de começar a pilotar deve-se saber algumas coisas básicas para o funcionamento, como ligar, o que verificar e como os comandos devem responder, antes de levantar voo, para que a diversão não comece terminando. " id="pdf-obj-7-6" src="pdf-obj-7-6.jpg">

Quando o leme está virado para direita

faz com

que a cauda do aeromodelo

vá para

esquerda e o bico vai para direita, ou seja, o aeromodelo vai para direita.

Esse movimento é utilizado para mudar a direção do aeromodelo, alguns os utilizam para realizar curvas,Aeromodelismo para iniciantes Parte I Aeromodelismo para iniciantes Parte II Montagem Básica Antes de começar a pilotar deve-se saber algumas coisas básicas para o funcionamento, como ligar, o que verificar e como os comandos devem responder, antes de levantar voo, para que a diversão não comece terminando. " id="pdf-obj-7-18" src="pdf-obj-7-18.jpg">

Quando o leme está neutro, faz com que o aeromodelo fique em uma posição estável sem

mudar sua direção.

Esse movimento é utilizado para mudar a direção do aeromodelo, alguns os utilizam para realizar curvas,Aeromodelismo para iniciantes Parte I Aeromodelismo para iniciantes Parte II Montagem Básica Antes de começar a pilotar deve-se saber algumas coisas básicas para o funcionamento, como ligar, o que verificar e como os comandos devem responder, antes de levantar voo, para que a diversão não comece terminando. " id="pdf-obj-7-24" src="pdf-obj-7-24.jpg">

Quando o leme está virado para esquerda faz com que a cuada do aeromodelo vá para a direita e o bico vai para esquerda, ou seja, o aeromodelo vai para esquerda

Aeromodelismo para iniciantes Parte III

Postado por Meison Almeida em dezembro 23rd, 2010

Continuando a série de artigos para ajudar a entender um pouco melhor como iniciar no aeromodelismo, chegamos a parte da execução em si, ou seja, iniciar a melhor parte a de pilotar. Resolvi colocar essa parte em sequencia, deixando a parte de construção para depois, pois não são todos que vão para essa area e ela não é necessária para entrar no hobby.

Leia os artigos anteriores, caso não esteja acompanhando:

Montagem Básica

Antes de começar a pilotar deve-se saber algumas coisas básicas para o funcionamento, como ligar, o que verificar e como os comandos devem responder, antes de levantar voo, para que a diversão não comece terminando.

Primeiro você deve conectar cada servo e/ou controlador de velocidade ao receptor, normalmente a ordem é canal 1, servo do aileron, canal 2, servo do profundor, canal 3, servo do motor ou controlador de velocidade e por último canal 4, servo do leme.

Dessa forma você tem seus comandos conectados e assim que ligar seu receptor (ligue ele primeiro sempre), poderá ligar a alimentação (bateria). Antes de ligar o motor e decolar, primeiro cheque se os comandos estão respondendo como deveriam, esse processo pode exigir que você faça uma trimagem.

Para verificar se o comando está respondendo adequadamente é só fazer as seguintes verificações para cada um:

Ailerons: Puxe o stick do aileron para a esquerda e veja se o comando do aileron esquerdo está

subindo, enquanto o da direita está descendo, faça o teste inverso também. Ao deixar no neutro os dois devem estar no mesmo nível da asa. Profundor: Puxe o stick do profundor para baixo e veja se o comando do profundor está

subindo, inverta e veja se ele desce. Ao deixar no neutro o profundor deve estar horizontal. Leme: Puxe o stick do leme para esquerda e veja se (olhando de trás do aeromodelo) o leme está indo para a esquerda.

Entendimento dos Comandos

A parte mais dificil do aeromodelismo é, diferentemente da aviação real, pilotar de fora da cabine. Dessa forma a referencia do aeromodelo em relação ao piloto pode mudar os comandos e por isso deve- se imaginar estar dentro do aeromodelo ao executar os comandos.

Para iniciar é necessário entender primeiro o que cada um dos sticks do controle faz, para isso visite o artigo Controle para Aeromodelos (Radios, Transmissores) nele você irá entender a função de cada stick, o que será necessário para o entendimento desse artigo.

Agora que você já sabe o que cada stick faz e no artigo anterior aprendeu o como cada comando no aeromodelo precisa tentar visualizar os movimentos do aeromodelo, lembrando que tudo é na referencia dele mesmo é a melhor maneira de visualizar quaisquer movimentos. Vou aqui exemplificar algumas possibilidades, mas não é a maneira ideal de se pilotar, isso serve só para entender o mecanismo e se guiar inicialmente.

Lembrem-se, os comandos em aeromodelismo são representados fielmente nos comandos do aeromodelo, não é como com os carrinhos de controle remoto (não estou falando de automodelismo) que você compra em loja de brinquedos, onde você coloca tudo para o lado, ou pouco para o lado e é a mesma coisa. No aeromodelismo, se você movimenta 2 graus no comando é isso que irá representar no aeromodelo. Por isso, movimentem pouco, já será suficiente, se você ficar desesperado e movimentar tudo será pior ainda.

Outro conselho importante, é que se estiver no ar e não souber o que fazer, desligue o motor e solte tudo, se você não conseguir tempo de entender o que fazer para recuperar o aeromodelo, pelo menos ele terá mais chance de não quebrar ou reduzir o impacto da queda, pois a maioria dos modelos se estabilizam e o principal, diminuem a velocidade o que com certeza reduz o impacto.

Esses dois conselhos são importante, sempre ter em mente.

Decolando

A primeira parte para voar é a decolagem, a melhor forma para decolar é se aproveitar de tudo que tem, ou seja, decolar contra o vento, isso favorecerá a sustentação do mesmo, que é o que interessa na decolagem. Ao decolar você não pode economizar, por isso o indicado é usar todo a potencia do motor, quando estiver lá em cima você poderá reduzir a velocidade.

O profundor será o comando para sair do solo, no caso de lançar manualmente, só precisará utiliza-lo para subir mais. Lembrando que apesar de alguns modelos não terem esse problema, o profundor deve ser acionado somente depois de se obter alguma velocidade em solo pois o profundor também tem a ação de reduzir a velocidade o que pode reduzir as chances de uma boa decolagem.

Voando em linha reta

Apesar de parecer bem básico, não é uma tarefa tão simples assim, ainda mais se o tempo não estiver colaborando. Muitas vezes você tem que compensar várias coisas, o vento, o aeromodelo estar com mais peso na frente, entre outros. Por isso para um bom vôo, deve-se deixa-lo estabilizado.

Para isso, você irá usar com certeza os ailerons e profundores. O leme é pouco usado em vôo comum, a não ser que você queira fazer um vôo bem escala, então para iniciar, esqueça o leme. Os ailerons servirão para você nivelar a asa do avião e os profundores para nivelar o corpo do avião. Então caso a asa esquerda esteja caindo você terá que comandar os ailerons para que o aeromodelo vire um pouco para esquerda até nivela-lo, o mesmo serve para o profundor, se ele estiver com o bico para baixo, com certeza está perdendo altitude então deve-se usar o profundor para fazer o bico levantar e por ai vai.

Sobre os pontos que dependem da sua localização em relação ao aeromodelo, isso será só uma maneira de mostra-lo o porque, mas lembre-se sempre de tentar visualizar-se dentro do aeromodelo. Se o aeromodelo estiver indo, ou seja você estiver vendo a parte de trás dele durante o vôo os comandos serão naturais, ou seja, esquerda é esquerda, direita é direita e por ai vai. Se ele estiver vindo, a esquerda dele (logo a esquerda do comando que você deve dar no seu transmissor) será pela sua referencia a sua direita.

Fazendo curvas

Para fazer curvas com os aeromodelos, a melhor forma é a como você sente quando está voando de avião, primeiro o avião se inclina e ai você percebe que ele está realmente fazendo a curva, o conceito é o mesmo. Você utilizará os ailerons para inclinar o aeromodelo para a direção que você quer tomar, isso não fará o aeromodelo fazer a curva, mas dependendo da quantidade de comando que você colocar isso pode provocar uma leve ou grande perda de altitude.

De qualquer forma o aeromodelo estará levemente inclinado para a direção que você quer (por exemplo esquerda), mas manterá o curso (para frente), o que fará ele fazer a curva é quantidade de profundor que você aplicará. O profundor age em relação ao modelo, então não considere ele somente como um controlador de altura, se o aeromodelo estiver com a asa principal na vertical e você utilizar o profundor ele na verdade funcionará como leme e o leme como profundor (vôo de faca, mas isso é uma manobra bem mais avançada que explicarei em outro artigo).

Voltando a curva em si, você inclinará o aeromodelo para o lado que quer e puxará o profundor (ou seja, fará o bico do avião subir) como ele está inclinado, além de recuperar o pouco de altitude que terá perdido por causa da inclinação também irá realizar a curva em si, por isso os dois comandos durante toda a curva deverão ser utilizados, caso perca a inclinação, deverá corrigir com aileron, caso a curva

não esteja sendo feita ou esteja perdendo altitude deverá usar o profundor, até o momento que a curva acaba e deverá novamente voltar a estabilizar o aeromodelo para realizar o vôo em linha reta.

Plano de Vôo

É importante que antes de decolar, tenha pelo menos uma idéia do trajeto que fará, para quem está iniciando o recomendado é somente tentar fazer um circuito, retangular, ou circular, sempre para o mesmo lado, até estar bem seguro para fazer para o outro lado. E para garantir sua segurança e a segurança de um aeromodelo inteiro, vá com calma, faça isso bem alto para que qualquer coisa possa ter tempo de corrigir e nada de treinar rapidamente, isso leva tempo e se apressar as coisas com certeza irá quebrar seu aeromodelo mais vezes.

Pouso

Essa é a parte mais tensa e que normalmente precisa de mais cuidado, até os já veteranos na área tem problemas com essa situação. O pouso deve ser feito com espaço para que você possa arremeter se precisar, ou ir estabilizando, o importante é você fazer os comandos bem aos poucos, nada pode ser abrupto.

Você deve tomar distancia, estabilizar o aeromodelo e deixa-lo alinhado com a pista, diminuir a velocidade do motor até ele ir perdendo altitude, aos poucos vá puxando o profundor para o bico subir (isso fará com que o pouso seja mais suave e menos arriscado), vá sempre deixando o aeromodelo bem alinhado (principalmente horizontalmente) e diminuindo a velocidade do motor até a bequilha ou roda traseira encostar no chão e deixar levemente as dianteiras enconstarem também, ai você poderá desligar o motor.

Treino

De qualquer forma, a base que você precisa para iniciar no mundo real sem ter tantos prejuizos, é treinando bastante em simuladores virtuais, eles realmente fazem diferença, neles você não se preocupa em quebra-los e também entende bem próximo do real a dinamica entre os sticks do radio e os comandos do aeromodelo.

Acredito que com essas dicas, você já possa começar a iniciar no hobby e caso não tenha entendido algum dos itens não exite em perguntar

Aeromodelismo para iniciantes Parte IV

Postado por Meison Almeida em janeiro 12th, 2011

Na última parte começamos a ver com mais detalhes os equipamentos necessários para o aeromodelismo, como há muitos detalhes a respeito tratamos somente da parte do transmissor. Nessa quinta parte, veremos a parte de baterias, que é o item necessário para obter o “combustível” para os elétricos. Por enquanto irei abordar somente as partes do elétrico por ser mais simples e também por eu ter mais experiencia neles.

Quem não acompanhou os primeiros artigos pode segui-los aqui:

BATERIAS

Há atualmente uma infinidade de marcas, modelos e tipos de baterias, porém elas são limitadas a algumas caracteristicas, todas ligadas a energia, que no final é sua função. São 3 as caracteristicas procuradas e necessárias nas baterias:

Carga

A carga é a capacidade que a bateria tem de armazenar energia, ou seja, é como se fosse a capacidade de litros de um tanque de combustível. Em termos de energia ela é medida em mAh (mili-ampére), então caso a bateria seja de 1000 mAh quer dizer que ela tema a capacidade de prover 1000 mAh por hora para consumo. Ou seja, se o motor consome 1000 mAh, esta bateria o manterá ligado por 1 hora, se consumir 2000 mAh, se manterá por 30 minutos (metade de hora).

Esse é um item que quanto maior, também aumentará o tamanho da bateria, por isso o cuidado na escolha da bateria deve ser tomado. Pois, quanto maior, mais pesado e se seu aeromodelo for pequeno ele não irá voar com uma bateria pesada.

Descarga

Essa é o limite de quantidade de energia que pode ser usado, ou seja, fazendo novamente uma comparação, é como sendo a grossura da mangueira do tanque de combustível, quanto maior diametro, mais combustível passa ao mesmo tempo, essa é a descarga da bateria e caso esse item seja subdemsionado numa bateria, pode causar explosões, principalmente em uma bateria Lipo (que será explicada mais para frente).

Quanto mais forte o motor, mais ele exigirá uma descarga maior, quanto mais economico menos exigirá. A unidade fornecida nas baterias para identificar a descarga é marcada pelo simbolo C, nas baterias lipos é comum ver baterias de 10C até 40c. Uma forma de calcular qual a melhor bateria para seu motor, é multiplicando o fator de descarga (C) pelo de carga (mAh), esse número deve ser igual ou maior ao consumo do motor.

Por exemplo, um motor que consome 20A (ou seja, 20000mAh) se tivermos uma bateria de 10c e 1000mAh teria o resultado de 10A (ou 10000mAh), o que não seria suficiente, já uma bateria com 20c e 1000mAh, seria suficiente.

Tensão

A tensão é a voltagem de sua bateria, num paralelo como já estamos fazendo, seria a pressão do combustível no tanque, por exemplo, não adianta você colocar uma mangueira bem grossa se o combustível vai passar devagar pois tem pouca pressão. Isso define também o quanto o motor vai rodar, motores com mais cilindros exigem mais combustivel então eles tem que chegar rápido até o motor. Esse conceito é aplicável nos motores elétricos. Existem alguns que não precisam de muita tensão para rodar e outros que só funcionam com muita tensão.

Cada bateria tem sua singularidade, cada célula de bateria tem uma voltagem elas somadas são a tensão da bateria, por exemplo nas LIPOs cada célula tem cerca de 3,7 volts por célula, uma bateria com 3 células então teria cerca de 11 volts.

TEORIA DA ESCOLHA

Agora vou tentar explicar de uma forma bem aberta e genérica como deve-se escolher a bateria, minha ajuda aqui é tentar ajuda-los a lembrar em que itens pensar e ter uma idéia de como escolher.

Dados essas informações e caracteristicas das baterias, já é possível se ter uma idéia de quais caracteristicas são as mais determinantes. A maioria delas é definida pelo motor, mas podem variar bastante dependendo da aplicação que se dará. Uma das caracteristicas que não tem como fugir é a de Tensão (voltagem), o motor utilizado irá determinar a capacidade, muitos deles tem uma extensão aceitam de 2 células a 3 células por exemplo, mas se colocar 1 célula não vai dar o rendimento que você deseja e se colocar 4 células em pouco tempo o motor irá queimar e te deixar na mão, então como escolher esse item?

Basicamente é escolher entre velocidade, porém carga maior de peso (maior voltagem, mais células na bateria) ou melhor desempenho e menor velocidade (menor voltagem, menos células na bateria). A voltagem está ligada diretamente a velocidade do motor.

Logo a voltagem é escolhida falcimente, a parte da carga é a segunda na lista, ela também tem uma enorme responsabilidade em termos de tempo de vôo e também de peso da bateria. Esse item está mais associado a aplicação que você irá usar, porém deve-se tomar muito cuidado com o motor também, por isso é bom usar a calculadora para se ter uma melhor idéia do menor valor (combinando a descarga) na bateria, pois caso o motor consuma uma carga maior do que a bateria disponibiliza ela começará a esquentar, inchar e possivelmente explodir, então é bom tomar cuidado com isso. Pensando desse modo, quanto maior menor o risco, sim, pensando por ele lado sim, pode ser uma bateria de 5000mAh, mas imagine ela num aeromodelo pequeno de 80cm de envergadura, não será compativel por causa do tamanho e principalmente do peso.

A descarga em si é o item que mais pode ser variado, pois depende do comportamento que quer na sua aplicação, é claro que ele tem uma influencia quanto ao consumo do motor, mas isso sempre pode ser compensado pela carga

Postado por Meison Almeida em abril 3rd, 2011

Cada bateria tem sua singularidade, cada célula de bateria tem uma voltagem elas somadas são aa calculadora p ara se ter uma melhor idéia do menor valor (combinando a descarga) na bateria, pois caso o motor consuma uma carga maior do que a bateria disponibiliza ela começará a esquentar, inchar e possivelmente explodir, então é bom tomar cuidado com isso. Pensando desse modo, quanto maior menor o risco, sim, pensando por ele lado sim, pode ser uma bateria de 5000mAh, mas imagine ela num aeromodelo pequeno de 80cm de envergadura, não será compativel por causa do tamanho e principalmente do peso. A descarga em si é o item que mais pode ser variado, pois depende do comportamento que quer na sua aplicação, é claro que ele tem uma influencia quanto ao consumo do motor, mas isso sempre pode ser compensado pela carga Aeromodelismo para iniciantes Parte V Postado por Meison Almeida em abril 3rd, 2011 Na última parte começamos a ver com mais detalhes os equipamentos necessários para o aeromodelismo, como há muitos detalhes a respeito tratamos somente da parte do transmissor . Nessa quinta parte, veremos a parte de baterias, que é o item necessário para obter o “combustível” para os elétrico s . Por enquanto irei abordar somente as partes do elétrico por ser mais simples e também por eu ter mais experiencia neles. " id="pdf-obj-12-28" src="pdf-obj-12-28.jpg">

Na última parte começamos a ver com mais detalhes os equipamentos necessários para o aeromodelismo, como há muitos detalhes a respeito tratamos somente da parte do transmissor. Nessa quinta parte, veremos a parte de baterias, que é o item necessário para obter o “combustível” para os elétricos. Por enquanto irei abordar somente as partes do elétrico por ser mais simples e também por eu ter mais experiencia neles.

Quem não acompanhou os primeiros artigos pode segui-los aqui:

Há atualmente uma infinidade de marcas, modelos e tipos de baterias, porém elas são limitadas a algumas caracteristicas, todas ligadas a energia, que no final é sua função. São 3 as caracteristicas procuradas e necessárias nas baterias:

Carga

A carga é a capacidade que a bateria tem de armazenar energia, ou seja, é como se fosse a capacidade de litros de um tanque de combustível. Em termos de energia ela é medida em mAh (mili-ampére), então caso a bateria seja de 1000 mAh quer dizer que ela tema a capacidade de prover 1000 mAh por hora para consumo. Ou seja, se o motor consome 1000 mAh, esta bateria o manterá ligado por 1 hora, se consumir 2000 mAh, se manterá por 30 minutos (metade de hora).

Esse é um item que quanto maior, também aumentará o tamanho da bateria, por isso o cuidado na escolha da bateria deve ser tomado. Pois, quanto maior, mais pesado e se seu aeromodelo for pequeno ele não irá voar com uma bateria pesada.

Descarga

Essa é o limite de quantidade de energia que pode ser usado, ou seja, fazendo novamente uma comparação, é como sendo a grossura da mangueira do tanque de combustível, quanto maior diametro, mais combustível passa ao mesmo tempo, essa é a descarga da bateria e caso esse item seja subdemsionado numa bateria, pode causar explosões, principalmente em uma bateria Lipo (que será explicada mais para frente).

Quanto mais forte o motor, mais ele exigirá uma descarga maior, quanto mais economico menos exigirá. A unidade fornecida nas baterias para identificar a descarga é marcada pelo simbolo C, nas baterias lipos é comum ver baterias de 10C até 40c. Uma forma de calcular qual a melhor bateria para seu motor, é multiplicando o fator de descarga (C) pelo de carga (mAh), esse número deve ser igual ou maior ao consumo do motor.

Por exemplo, um motor que consome 20A (ou seja, 20000mAh) se tivermos uma bateria de 10c e 1000mAh teria o resultado de 10A (ou 10000mAh), o que não seria suficiente, já uma bateria com 20c e 1000mAh, seria suficiente.

Tensão

A tensão é a voltagem de sua bateria, num paralelo como já estamos fazendo, seria a pressão do combustível no tanque, por exemplo, não adianta você colocar uma mangueira bem grossa se o combustível vai passar devagar pois tem pouca pressão. Isso define também o quanto o motor vai rodar, motores com mais cilindros exigem mais combustivel então eles tem que chegar rápido até o motor. Esse conceito é aplicável nos motores elétricos. Existem alguns que não precisam de muita tensão para rodar e outros que só funcionam com muita tensão.

Cada bateria tem sua singularidade, cada célula de bateria tem uma voltagem elas somadas são a tensão da bateria, por exemplo nas LIPOs cada célula tem cerca de 3,7 volts por célula, uma bateria com 3 células então teria cerca de 11 volts.

TEORIA DA ESCOLHA

Agora vou tentar explicar de uma forma bem aberta e genérica como deve-se escolher a bateria, minha ajuda aqui é tentar ajuda-los a lembrar em que itens pensar e ter uma idéia de como escolher.

Dados essas informações e caracteristicas das baterias, já é possível se ter uma idéia de quais caracteristicas são as mais determinantes. A maioria delas é definida pelo motor, mas podem variar bastante dependendo da aplicação que se dará. Uma das caracteristicas que não tem como fugir é a de Tensão (voltagem), o motor utilizado irá determinar a capacidade, muitos deles tem uma extensão aceitam de 2 células a 3 células por

exemplo, mas se colocar 1 célula não vai dar o rendimento que você deseja e se colocar 4 células em pouco tempo o motor irá queimar e te deixar na mão, então como escolher esse item?

Basicamente é escolher entre velocidade, porém carga maior de peso (maior voltagem, mais células na bateria) ou melhor desempenho e menor velocidade (menor voltagem, menos células na bateria). A voltagem está ligada diretamente a velocidade do motor.

Logo a voltagem é escolhida falcimente, a parte da carga é a segunda na lista, ela também tem uma enorme responsabilidade em termos de tempo de vôo e também de peso da bateria. Esse item está mais associado a aplicação que você irá usar, porém deve-se tomar muito cuidado com o motor também, por isso é bom usar a calculadora para se ter uma melhor idéia do menor valor (combinando a descarga) na bateria, pois caso o motor consuma uma carga maior do que a bateria disponibiliza ela começará a esquentar, inchar e possivelmente explodir, então é bom tomar cuidado com isso. Pensando desse modo, quanto maior menor o risco, sim, pensando por ele lado sim, pode ser uma bateria de 5000mAh, mas imagine ela num aeromodelo pequeno de 80cm de envergadura, não será compativel por causa do tamanho e principalmente do peso.

A descarga em si é o item que mais pode ser variado, pois depende do comportamento que quer na sua aplicação, é claro que ele tem uma influencia quanto ao consumo do motor, mas isso sempre pode ser compensado pela carga.

Conectores

Os conectores das baterias, normalmente são dois, mas há diversas baterias que apresentam mais variações. Um sempre é para prover a energia, outro normalmente está ligado individualmente as células (e por isso os conectores podem variar de tamanho de bateria para bateria dependendo da quantidade de células) para permitir uma carga balanceada pelas células. A parte de cargas e carregadores abordarei mais para frente.

Controle para Aeromodelos (Radios, Transmissores)

O controle de aeromodelos, ou para os mais experientes e que já participam da prática a mais tempo, os Transmissores ou Rádios que são os nomes corretos, são uma parte fundamental para o aeromodelista. Para quem está no inicio desse hobby/esporte, considere ler a série de artigos Aeromodelismo para Iniciantes, pode ser que ela tire algumas dúvidas que você já tenha.

Para iniciar, melhor começar com o básico, com os mais simples, que é a base para todos os outros rádios. Existe a parte teórica que ajuda bastante a escolha dos melhores rádios além de entender algumas regras básica.

TRANSMISSÃO

O conceito mais básico de um transmissor é transmitir, é claro, então existem alguns formatos:

AM: É a modulação mais usada por vários tipos de brinquedos, telefones e outros tipos de aparelhos eletronicos, por isso não é muito bom utiliza-lo, a probabilidade de interferencia é muito grande fora a dificuldade de encontrar receptores para ele.

 FM: É o padrão mais utilizado por aeromodelistas, assim como os rádios FMs existem as
 FM: É o padrão mais utilizado por aeromodelistas, assim como os rádios FMs existem as frequencias na
qual cada radio transmite (isso é definido pelos conhecidos cristais que vão informar ao transmissor e ao
receptor qual frequencia usar). Foi definido a faixa de 72Mhz e dividido em 50 canais pulando de 20hz
começando em 72.010hz. O que gera essa tabela:
Canal
Freq.
Canal
Freq.
Canal
Freq.
Canal
Freq.
Canal
Freq.
11
72.010
21
72.210
31
72.410
41
72.610
51
72.810
12
72.030
22
72.230
32
72.430
42
72.630
52
72.830
13
72.050
23
72.250
33
72.450
43
72.650
53
72.850
14 72.070 24 72.270 34 72.470 44 72.670 54 72.870 15 72.090 25 72.290 35 72.490
14
72.070
24
72.270
34
72.470
44
72.670
54
72.870
15
72.090
25
72.290
35
72.490
45
72.690
55
72.890
16
72.110
26
72.310
36
72.510
46
72.710
56
72.910
17
72.130
27
72.330
37
72.530
47
72.730
57
72.930
18
72.150
28
72.350
38
72.550
48
72.750
58
72.950
19
72.170
29
72.370
39
72.570
49
72.770
59
72.970
20
72.190
30
72.390
40
72.590
50
72.790
60
72.990

Por espectro: Esta é a tecnologia mais recente que evita e muito as interferencias, pois cria um canal de comunicação única entre receptor e transmissor. O que facilita a vida do aeromodelista, pois não precisa se preocupar de estar no mesmo canal (frequencia) de outro aeromodelista na pista.

Tendo isso em mente, dá para saber que deve se escolher entre o FM ou o Por Espectro (também conhecido como 2.4Ghz). O FM tem a vantagem de ser mais comum e por isso mais barato, mas tem a parte negativa de sempre ter que verificar se alguém está usando o mesmo canal (frequencia) que você. Já o 2.4Ghz é exatamente o inverso.

COMANDOS

Aqui já entramos na prática em si, pois é com os comandos que interagimos com o aeromodelo, cada comando possível é chamado de Canal (não confunda com os canais de frequencia), por isso já deve ter ouvido falar de kits, aeromodelos, helimodelos, ou qualquer outro produto desse tipo que anuncie, 3 canais, 4 canais e por ai vai. Isso quer dizer quantos comandos você pode realizar.

Por exemplo, virar para esquerda ou para direita é um comando, veja só mesmo sendo dois lados é somente um comando. Subir ou descer é outro comando, rotacionar no próprio eixo para esquerda ou direita é outro e por ai vai dependendo da capacidade do modelo e do transmissor, e é claro da necessidade.

Por padrão são 4 comandos de sensibilidade (o que indica que há varios graus por isso pode-se definir direita e esquerda, por exemplo e em várias intensidades) e os outros canais são somento do tipo “Liga e Desliga”.

Sabe os sticks que você está acostumado a ver no seu controle de carrinho? Então são esses que são os de sensibilidade e além de poder ir para cima e para baixo podem ir para um lado e para o outro (ambos os sticks). Isso permite que cada stick tenha capacidade para 2 canais. É claro que em um rádio de menos de 4 canais, algum stick pode estar travado para toda essa capacidade.

Em geral existem dois tipos de Radios, os conhecidos como Modo 1 e Modo 2.

O modo 1 nada mais é do que o stick que controla a velocidade (para cima e para baixo) ficar parado aonde deixamos e não volta para a posição neutra no lado direito. E o Modo 2 é do lado esquerdo (padrão adotado no Brasil).

Padrão mais utilizado de controle

O padrão aqui no Brasil como dito é o Modo 2 o que já indica que o stick esquerdo, o movimento para cima e para baixo controla a velocidade do motor. Então ficaria dessa forma:

  • 1. Stick Esquerdo Movimento Vertical: Aceleração (Speed, canal 3 do receptor)

Movimento Horizontal: Leme (Servo, canal 4 do receptor)

Movimento Vertical: Profundor (Servo, canal 2 do receptor)

Movimento Horizontal: Ailerons (Servo, canal 1 do receptor)

 Movimento Vertical: Profundor (Servo, canal 2 do receptor)  Movimento Horizontal: Ailerons (Servo, canal 1rádio controlado que preveja um controle de direções mais variadas que não dependam só de motores (ou seja, o que mais se deseja alcançar) é necessário a utilização de servo m otores ou somente servos. Os servos motores são mecanismos que transformam o comando enviado no transmissor para movimentos mecanicos que vão comandar as superfícies. Eles tem várias caracteristicas, opções, tamanhos e aplicações. Os movimentos que os servos produzem são circulares porém limitados a (no padrão) 40 graus para cada lado. Esse movimento com os braços que são instalados nele acabam por criar o movimento de empurrar ou puxar, o que provoca os movimentos de aceleração (empurrando ou puxando o acelerador), ou subindo ou descendo o profundor, por exemplo. Vou abordar algumas caracteristicas para familiarizar, porém não há muito como errar quando se trata de servos de boas marcas em projetos menores. Motor Para gerar o movimento mecanico é necessário algo que converta energia em movimento, é claro que o motor é o mais indicado e assim como no caso dos elétrico s ele tem das duas formas, com escova e sem escova, onde a segunda opção é mais cara, mas também com mais velocidade e durabilidade. Circuito de Controle Basicamente, existem dois tipos. O primeiro e mais antigo é o analógico, que não é muito comum, onde se usavam transistores que inclusive poderiam ser trocados. O outro tipo é o que usa a forma digital com circuitos eletronicos, para distribuir a energia de forma correto em conjunto com outros sistemas para verificar que direção, velocidade e tempo o motor deve funcionar. Existem alguns que podem ou devem até ser conjugados com processadores. Sistema de Engrenagens " id="pdf-obj-16-14" src="pdf-obj-16-14.jpg">

Os comandos aqui destacados pelos números indicam o canal do receptor referido acima

Boa referencia para aprender um pouco mais sempre são válidas, muito do que coloquei aqui vieram dos seguintes sites

Servomotores ou Servos

Para qualquer aeromodelo de rádio controlado que preveja um controle de direções mais variadas que não dependam só de motores (ou seja, o que mais se deseja alcançar) é necessário a utilização de servomotores ou somente servos. Os servos motores são mecanismos que transformam o comando enviado no transmissor para movimentos mecanicos que vão comandar as superfícies. Eles tem várias caracteristicas, opções, tamanhos e aplicações.

Os movimentos que os servos produzem são circulares porém limitados a (no padrão) 40 graus para cada lado. Esse movimento com os braços que são instalados nele acabam por criar o movimento de empurrar ou puxar, o que provoca os movimentos de aceleração (empurrando ou puxando o acelerador), ou subindo ou descendo o profundor, por exemplo. Vou abordar algumas caracteristicas para familiarizar, porém não há muito como errar quando se trata de servos de boas marcas em projetos menores.

Motor

Para gerar o movimento mecanico é necessário algo que converta energia em movimento, é claro que o motor é o mais indicado e assim como no caso dos elétricos ele tem das duas formas, com escova e sem escova, onde a segunda opção é mais cara, mas também com mais velocidade e durabilidade.

Circuito de Controle

Basicamente, existem dois tipos. O primeiro e mais antigo é o analógico, que não é muito comum, onde se usavam transistores que inclusive poderiam ser trocados. O outro tipo é o que usa a forma digital com circuitos eletronicos, para distribuir a energia de forma correto em conjunto com outros sistemas para verificar que direção, velocidade e tempo o motor deve funcionar. Existem alguns que podem ou devem até ser conjugados com processadores.

Sistema de Engrenagens

Elas são as responsáveis por converter a alta rotação e baixa força do motor em baixatransmissor . Muitas vezes por desgaste ou sujeira percebesse um desequilibrio ou mal funcionamento, já que ele defini onde que o servo deve estar. Caixa É o que envolve todo o conjunto protegendo dos fatores externos, deve ser suficientemente rigida para suportar os grandes esforços mecanicos que podem ser produzidos. Normalmente quanto mais força tem, maior e mais pesado o conjunto todo será. Caracteristicas das Asas – Parte I O que faz o aeromodelo e qualquer avião sair do chão, são várias caracteristicas juntas, mas todos sabem que a parte mais importante dessas são as asas, portanto é muito importante entender o que elas fazem e quais suas possíveis caracteristicas. De qualquer forma não acredito que os itens listados aqui sejam limitantes, pode ser que algum de vocês podem ter criado outros tipos de asas ou saibam de outras caracteristicas não listadas aqui, por isso, o que for aqui posto é para ser utilizado como base, mas não como limitação. Vamos entender primeiro suas partes, são elas: Perfil O perfil é a forma da asa vista de lado, para ser bem claro e objetivo. Essa parte da asa, pode ter vários formatos, existem vários já especificos para várias necessidades, normalmente seguem um formato parecido a " id="pdf-obj-17-2" src="pdf-obj-17-2.jpg">

Elas são as responsáveis por converter a alta rotação e baixa força do motor em baixa velocidade e alta força. Quanto maior a relação de transmissão, maior a diferença entre esses itens. A força é necessária para movimentar as superficies de comando ou qualquer outro comando que se queira enquanto o aeromodelo está em vôo. Lembre-se que você pode por a mão para fora do carro com ele parado sem problema nenhum, mas quanto maior a velocidade dele, mais dificil manter no ela para fora sem ela ser arrastada para trás. Comumente é encontrado servos que tem força de 1kg a 20kg por cm e velocidades de giro entre 0,05s a 0,25s.

As engrenagens podem ser metálicas ou de plástico/sintéticas, essas dependem de cada função que queremos. As metálicas se desgastam com menos facilidade e são mais precisas, porém mais caras e normalmente mais pesadas também. É normalmente escolhido para modelos maiores as metálicas e para modelos menores as plásticas/sintéticas.

Potenciômetro

Ele está acoplado ao eixo de saida e é o responsável para definir em que posição o movimento está para produzir as correções necessárias para leva-lo a posição desejada quando enviado o comando do transmissor. Muitas vezes por desgaste ou sujeira percebesse um desequilibrio ou mal funcionamento, já que ele defini onde que o servo deve estar.

Caixa

É o que envolve todo o conjunto protegendo dos fatores externos, deve ser suficientemente rigida para suportar os grandes esforços mecanicos que podem ser produzidos. Normalmente quanto mais força tem, maior e mais pesado o conjunto todo será.

Caracteristicas das Asas Parte I

O que faz o aeromodelo e qualquer avião sair do chão, são várias caracteristicas juntas, mas todos sabem que a parte mais importante dessas são as asas, portanto é muito importante entender o que elas fazem e quais suas possíveis caracteristicas.

De qualquer forma não acredito que os itens listados aqui sejam limitantes, pode ser que algum de vocês podem ter criado outros tipos de asas ou saibam de outras caracteristicas não listadas aqui, por isso, o que for aqui posto é para ser utilizado como base, mas não como limitação.

Vamos entender primeiro suas partes, são elas:

Perfil

O perfil é a forma da asa vista de lado, para ser bem claro e objetivo. Essa parte da asa, pode ter vários formatos, existem vários já especificos para várias necessidades, normalmente seguem um formato parecido a

de uma gota (ou meia gota). Abaixo a imagem dá uma idéia melhor, além de explicar o porque suas caracteristicas dão sustentação.

de uma gota (ou meia gota). Abaixo a imagem dá uma idéia melhor, além de explicarc-g- e -como-ajusta- lo/”target=”_blank”title=”O que é CG e como ajusta - lo” >CG (centro de gravidade) do aeromodelo, muito importante, pois é o que vai garantir um vôo mais estável e muitas vezes dependendo da alteração, garante o vôo. Envergadura É a distancia entre as pontas da asa, o que dá o tamanho total da asa. Com isso se tem a idéia do tamanho do avião, quanto espaço é necessário para guarda-lo e transporta-lo, isso do lado prático, no lado do vôo em si, define as caracteristicas de vôo. Normalmente quanto maior a envergadura o vôo se identifica como mais lento e estável (caracteristica dos aviões comerciais e planadores por exemplo), quanto menor, mais rápido e instável o vôo (jatos e aviões de velocidade). Como descobrir o peso, motor e bateria para seu modelo elétrico (Calculadora) " id="pdf-obj-18-4" src="pdf-obj-18-4.jpg">

Perfil de asa e sua capacidade de sustentação

A sustentação, para quem tem a curiosidade, é gerado por causa da pressão do ar. Uma forma de entender melhor o porque é, imagine que o perfil seja uma montanha o chão onde a montanha está é a parte de baixo e a montanha a parte de cima. Agora, imagine que o ar sejam vários homens que podem levanta-la e outros que vão impedi-la de ser levantada.

Para ver quem ganha (se levanta ou abaixa a montanha), vão a mesma quantidade de homens por baixo e por cima, porém como a parte de cima é mais longa, pois não é uma linha reta, os homens devem correr mais rápido para chegar ao mesmo tempo que os outros e por isso também ficam mais separados e por isso tem menos força (pressão) para empurrar a montanha para baixo, logo os de baixo tem mais força para levanta-la e por isso ela sobe.

Então é só pensar que se o ar tem que correr mais depressa (maior trajetória) de um lado de uma superficie, do que da outra que o dividirá, a pressão ficará menor.

Quis me alongar no item perfil, pois ao construir você poderá precisar utilizar esse conceito.

Planta Alar

Esta caracteristica é o formato ou desenho da asa vista de cima, o que vai permitir saber a resistencia do ar que ela irá provocar, a quantidade de peso que conseguirá carregar e a sustentação. É claro que essa caracteristica também dá muita valorização ao design.

Corda

A corda é a largura da asa, ou o comprimento do perfil, dependendo do formato da asa ela pode variar. A corda é a parte usada para calcular o c-g-e-como-ajusta-lo/”target=”_blank”title=”O que é CG e como ajusta-lo” >CG (centro de gravidade) do aeromodelo, muito importante, pois é o que vai garantir um vôo mais estável e muitas vezes dependendo da alteração, garante o vôo.

Envergadura

É a distancia entre as pontas da asa, o que dá o tamanho total da asa. Com isso se tem a idéia do tamanho do avião, quanto espaço é necessário para guarda-lo e transporta-lo, isso do lado prático, no lado do vôo em si, define as caracteristicas de vôo. Normalmente quanto maior a envergadura o vôo se identifica como mais lento e estável (caracteristica dos aviões comerciais e planadores por exemplo), quanto menor, mais rápido e instável o vôo (jatos e aviões de velocidade).

o

e

seu

Muitas dúvidas aparecem quando se começa a ver a infinidade de possibilidades, motores, baterias e aeromodelos para montar. Quando o conjunto vem pronto você pensa, menos uma dor de cabeça, mas depois que você voa, quer mais velocidade ou mais força, mais duração de tempo de vôo e ai começam as alterações mesmo dos kits já fechados.

Tentando ajudar a guiar todos, fiz uma pequena calculadora que fica no site mesmo, nem precisa baixar nada, onde você pode descobrir qual a melhor bateria para o motor, qual o melhor motor para a bateria, quanto de potencia o motor precisa para determinado aermodelo e por ai vai.

Lembro somente que esses são calculos puros, que não levam em conta o arrasto do aeromodelo, o tipo de perfil da asa, a eficiencia do conjunto hélice + motor, mas os calculos aqui feitos já dão uma boa direção de onde ir.

Para os mais curiosos abaixo vão os calculos que são feitos:

Descobrir a bateria

O conjunto de miliamperes (mAh) que uma bateria tem vezes sua descarga (C) é o máximo que a bateria pode consumir, lembrando sempre que as informações que a bateria disponibiliza nem sempre são verdadeiras dependendo de sua qualidade. Ou seja, quando multiplicamos C x mAh temos quantos mAh o motor pode consumir. Para descobrir a bateria então é só fazer as combinações posíveis em cima da fórmula tendo como dado fixo o resultado que é a corrente que o motor puxa.

Lembrete: As baterias normalmente estão em mAh, mas os motores estão em A então deve-se dividir o resultado por 1000 para ter os dados todos em Ampéres (A).

Potencia do Motor

A potencia do motor é calculada pela tensão utilizada multiplicada pelo Consumo, ou seja:

W = V * A;

Onde W = potencia em Watts do motor, V a voltagem utilizada e A a corrente em Amperes que é consumida pelo motor.

Lembrete: A voltagem na calculadora foi simulada para várias voltagens, mas cada motor aceita um determinado limite, não ultrapasse ele.

Potencia necessária para o modelo

A uma tabela utilizada de várias formas e em algumas situações com outros valores (pouca diferença) para dizer o quanto que um determinado peso de aeromodelo precisa em Watts (potencia) do motor para voar num determinado estilo. Segue abaixo:

Aeromodelo/Tipo de Vôo

Relação Peso x Potência (Watts/kg)

Slow-Flyers e Park-Flyers de baixa carga alar

110 a 154

Treinadores e Escala de Vôo Lento

154 a 198

Esporte-Acrobático e Escala de Vôo Rápido

198 a 243

Acrobáticos Avançados e Modelos de Alta Velocidade 243 a 287

3D c/ baixa carga alar e Ducted-Fan

287 a 331

3D de desempenho ilimitado

331 a 441

Com base nisso é fácil determinar quanto de potência precisa um aeromodelo de um determinado peso (lembre- se, calcule com o peso da eletronica junto).

Como a tabela está em Watts por Kilo e o peso dos modelos é em grama é só dividir o número por 1000 e você terá Watts por Grama, multiplicar pelas gramas do seu aeromodelo e pronto, terá a potencia mínima para o determinado estilo, a formula então fica:

W = RPP/1000*P

Onde W = potencia necessária em Watts, RPP é o número da tabela (Relação de Peso por Potencia) e P = Peso do aeromodelo em gramas.

Tempo de Consumo

Para calcular o tempo de consumo de um motor x bateria, é um calculo simples também, porém não preciso por causa da variação que ocorre em vôo de velocidade e dos servos.

Quando uma bateria diz que tem 1000mAh de carga quer dizer que podemos gastar no máximo 1000mAh a cada segundo por 60 segundos (ou 1 minuto). Como o consumo do motor é dado em consumo em Amperes e por minuto, temos que converter os padrões.

Então pegamos 1000mAh e transformamos em Amperes dividindo por 1000. O que nos dá 1A. Depois multiplicamos isso por 60 para obter o consumo possível em minuto o que daria 60A/m.

Para saber quanto tempo um motor consome a bateria (supondo que ele estará em consumo máximo durante o vôo todo) é só dividir esse número pelo consumo do motor. Por exemplo, um motor com consumo de 20A, demoraria 3 minutos para consumir a bateria de 1000mAh. Logo a fórmula é:

tempo = (mAh/1000*60)/A

Onde tempo é o número de minutos do tempo de vôo em potencia máxima, mAh é a carga da bateria e A é o consumo do motor.

Velocidade (Pitch Speed)

A velocidade ou pitch speed é o quanto a hélice consegue deslocar de ar para promover uma movimentação, logo isso está diretamente relacionado a quantidade de voltas que ela pode dar (RPM) e ao passo da hélice (quantidade de inclinação da hélice que provocara a movimentação do ar).

O calculo aqui feito baseia-se em médias e experiencia e não é real, pois não leva-se em conta outros fatores que contribuem para todo o conjunto.

Se o passo da hélice representa a movimentação em Polegadas, multiplicando isso pela quantidade de vezes que será movimentada por minuto (RPM) você obtera o deslocamento em 1 minuto, tendo esse valor é só fazer as conversões. Converte polegada para centimetros (multiplicar por 2,54), converter para metros (dividir por 100), converter para segundos (dividir por 60) e ai teremos a velocidade em metros por segundo. Logo a formula fica sendo:

v = (passo*2.54/100)*RPM/60

Onde v = velocidade em metros por segundo, passo é o passo da hélice em polegadas e RPM são as rotações por minuto do motor com a hélice em questão.

Como considero que não temos os RPMs reais com a hélice e motor, calculamos o RPM do motor (veja abaixo como calcular), calculamos uma média de perda entre 20% a 40% do RPM por estar com uma hélice e teremos uma idéia do RPM do motor com a hélice.

RPM do Motor

Com a quantidade de KVs do motor, é fácil calcular o RPM, pois KV é a unidade de medida de Voltas por Volt. Ou seja, multiplicando-se pela tensão da bateria (volts) você obtem o RPM do motor (nesse caso sem a hélice, ou como é chamado Vazio). A formula então fica:

rpm = KV * V

Onde RPM = rotações por minuto do motor vazio, KV unidade fornecida pela fabricante do motor que indica voltas por volts e V volts fornecidos pela bateria.

Lembrete: Novamente lembrando, cada motor tem seu limite de volts, por mais que os calculos sejam atrativos com mais volts não coloque mais volts no motor do que ele suporta

Dicionário de Aeromodelismo Postado por Meison Almeida em novembro 24th, 2010

Confesso que eu atualmente tenho muita dificuldade em entender alguns termos usados pelos fanáticos por aeromodelismo e mesmo de aviação. Então estou montando esse artigo também para me ajudar e se você souber de algumas outras palavras que tenha dúvida ou saiba o significado, comente para irmos deixando cada vez mais completo.

Ailerons: Comandos nas asas que agem inversos, ou seja, quando o lado da asa esquerda está para cima, o da direita está para baixo, fazendo com que o avião role (nesse caso para esquerda) em seu próprio corpo.

Asa

Alta: Classifica os modelos que tem

a caracteristica de ter a asa principal acima da fuselagem de

aeromodelo.

Asa Assimétrica: Esse tipo de asa é caracterizada pelo perfil da asa, se a asa fosse dividida ao meio, olhando lateralmente e o perfil de cima fosse diferente do de baixo essa seria uma asa assimétrica. Essas asas normalmente possuem arredondamento em cima e nenhum arredondamento ou quase nenhum em baixo, proporcionando mais sustentação ao modelo, ou seja ideal para modelos lentos.

Asa Baixa: Classifica os modelos que tema caracteristica de ter a asa principal abaixo da fuselagem do aeromodelo.

Asa Média: Há pessoas que não classificam, as asas médias para eles são asas baixas, mas nesse caso segue o mesmo padrão é quando as asas estão no meio da fuselagem.

Asa Simétrica: É o contrário da Asa Assimétrica, serve para modelos com menos sustentação, capazes de fazer manobras e com mais velocidade.

Bequilha: Este é o aparato que completa o trem de pouso, ou seja, ele serve somente para enquanto o modelo estiver no chão, ele dará a direção que o seu aeromodelo taxiará. Fora casos extremamente diferentes, são 3 os trens de pouso. 2 sempre um do lado do outro 1 na frente ou atrás desses, esse 1 é a bequilha.

Bordo de Ataque: É a parte inicial da asa que fica na frente, arredondada normalmente para ganhar em aerodinamica.

Cabrar: É o comando inverso de picar, ou seja quando o profundor faz o bico do avião ir para cima. Leme: Funciona assim como nos navios é a parte traseira móvel e faz a cauda do avião mover-se lateralmente, mudando-o de direção. Lenhar: É quando o aeromodelo pousa de uma forma que você não quer, ou seja, ele quebra! Picar: É quando você comanda a cauda do avião (profundor) de forma que faça o bico do avião ir para baixo. Profundor: Normalmente fica próximo ao leme, há excessões e tipo diferentes, mas é a parte móvel que faz o avião se movimenta verticalmente, fazendo a cauda do avião ir para baixo ou para cima, é com ele que você cabra ou pica o avião. Trimar: Essa é uma atividade que deve-se fazer toda vez antes de voar, é quando você através do transmissor (rádio) alinha todos esse comandos que comentamos antes (profundor, leme, aileron).