You are on page 1of 6

A história conta que a logística teve origem militar, designando estratégias de abastecimento aos exércitos enquanto nos campos

de guerras, visando suprir as necessidades de armamentos, munições, medicamentos, alimentos, vestuários adequados, nas quantidades certas e no momento certo, evitando que o exército no campo de batalha fique sem suprimentos suficientes para manter as estratégias de guerra. A palavra logística na área militar é utilizada para representar a aquisição, manutenção, transporte de materiais, facilidades e pessoal. Na área empresarial é usada para expressar “o planejamento e a gestão serviços relativos à documentação, manuseio, armazenagem e transferência dos bens objeto de uma operação empresarial”. A logística empresarial evoluiu muito desde os primórdios. Agregando valores aos seus produtos e serviços traz benefícios e satisfação dos consumidores finais. Ao comprarmos algum produto, como um televisor, este só terá seu valor intrínseco completo quando o consumidor puder ligá-lo e assistir a seus programas. Enquanto estiver na loja não terá valor para o consumidor. Neste caso o valor agregado é o valor de lugar. Este só é possível quando o transporte do produto à residência do consumidor for feito de forma eficiente, ou seja, o produto colocado no lugar certo. Outra forma da logística agregar valor é através do valor de tempo, que pode estar ligado diretamente ao valor lugar. Se um produto não é entregue no lugar certo, existe todo um processo para reparar esta falha. Quando isso acontece, os prazos estabelecidos pelo fornecedor são comprometidos, visto que terá que ser feita uma nova entrega, agora correta, do produto, ou ainda, afetando diretamente os custos. Para completar as funções logísticas temos que adicionar o valor da qualidade. Supondo que os valores de lugar e tempo estejam plenos, se não os completarmos com o valor de qualidade, podemos colocar todo o processo logístico a perder. Por exemplo, uma pessoa compra uma geladeira branca e outra compra uma marrom. Contudo, se, por algum motivo, a segunda pessoa receber a branca e a primeira a marrom, isto não é de responsabilidade da loja e, sim, do transportador. Porém, é a reputação da loja que fica arranhada. Se tratando do valor de qualidade, este faltou, pois o consumidor não recebeu o que desejava. Atualmente as empresas de ponta estão agregando o valor da informação, esta modalidade parece simples mais não é, pois, no caso do rastreamento de cargas, são necessários equipamentos de última geração que monitorem todo um percurso e pessoal especializado. A cadeia de suprimentos é um processo que consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos (de bens, serviços, finanças, informações) bem como as relações entre empresas, visando alcançar e/ou apoiar os objetivos organizacionais. Já o gerenciamento da cadeia de suprimentos é um conjunto de métodos que são usados para proporcionar uma melhor integração e uma melhor gestão de todos os parâmetros da rede: transportes, estoques, custos, etc. O objetivo é reduzir os custos ao longo da cadeia, tendo em vista satisfazer as exigências do cliente, afinal, isso é qualidade, entregar o que o cliente quer, no preço e nas condições que ele espera. As empresas que usam a Logística como uma estratégia competitiva, planejam e coordenam suas ações gerenciais de uma forma integrada, avaliando todo o processo desde o fornecimento da matéria-prima até a certeza de que o cliente teve suas necessidades e expectativas atendidas pelo produto ou serviço entregue. O resultado é a superação dos desafios apresentados e consequentemente um melhor posicionamento no mercado.

podemos jogá-lo fora. Exemplo: Quando compramos algum produto. Baseado nesta realidade. Todos esses valores agregados garantirão a satisfação garantida do consumidor final. como também os fluxos de informação que colocam estes produtos em movimento. se tivermos uma carga de laticínios que deve ser entregue num supermercado. caso contrário o valor começa a diminuir conforme o tempo passa e. (D) VALOR DE INFORMAÇÃO: transferir ao cliente informações importantes e de forma gratuita. assim obtendo um serviço adequado ao cliente a um custo razoável. .1º) Explique e de exemplos dos seguintes elementos logísticos que agregem valor ao produto: (A) VALOR DE LUGAR: o produto deve estar disponível para o cliente aonde ele desejar (transporte). e a imagem do supermercado ficará prejudicada perante o consumidor. pois ele tem que ser fechado o mais tarde possível. e neste caso é o valor de lugar. para incorporar as últimas notícias. este valor não existe para o consumidor. Exemplo: O jornal diário como um dos produtos que mais tem restrição ao valor de tempo. informações transferidas dentro do fluxo logístico. poderá haver reclamações por parte dos consumidores finais. e por algum motivo haja um problema no sistema de refrigeração do caminhão (seja ou não intencional). e os valores de lugar e tempo não são comprometidos. podemos afirmar que qualquer sistema logístico agrega valor ao produto. Existem algumas pessoas que dizem ser o jornal o produto mais perecível que existe: se não for consumido rapidamente. após algum tempo. (C) VALOR DE QUALIDADE: o produto deve estar de acordo com a qualidade desejada (correto e cuidadoso manuseio). Enquanto ele estiver na loja. Por exemplo. e ser distribuído o mais cedo possível. bem como a imagem do fabricante perante o varejista. como uma televisão. este não tem mais valor. Exemplo: Os sistemas de rastreamento de veículos e a tecnologia da informação de ultima geração têm permitido os clientes rastrearem a qualquer momento suas cargas encomendas de forma segura e gratuita. 2º) Defina com suas próprias palavras o que é logística? A logística é o processo de planejar e controlar eficazmente o conjunto de atividades de movimentação e armazenagem para assim facilitar o fluxo de produtos do ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final. Contudo. a carga princípio será aceita. (B) VALOR DE TEMPO: o produto deve estar no local e hora que o cliente desejar (prazos mais rígidos). este só terá seu valor intrínseco completo quando o consumidor puder ligá-lo e assistir a seus programas.

um requisito primordial nas operações logísticas? Pois para Logística. é. Ou então. É importante ressaltar também que a implementação do ECR quase sempre requer conhecimento e investimento em sistemas de código de barras ou RFID. scanners. pois se esta não possui o estoque para atendimento imediato ao seu cliente. ela gera a oportunidade para que o mesmo busque seus concorrentes. computadores pessoais.3) Quais os três principais tipos de fluxos no processo logístico dê exemplo de cada tipo? Os fluxos de materiais (insumos ou produtos). Daí a necessidade de se estudar uma melhor forma para manter um estoque de segurança. EDI (Eletronic Data Interchange).Resposta Eficiente ao Consumidor). hoje. código de barras e leitura óptica. 4) Porque o cumprimento do prazo estipulado para a entrega de um insumo ou produto. até que ele termina quando chega no elo mais alto. para conseguir restabelecê-la acarretará em grandes custos. Por exemplo. Para sucesso na implantação destes processos é necessário profissionais qualificados no assunto. comunicação sem fio. se ela não cumpre os prazos. etc. 5) Porque a satisfação plena do cliente é. hoje um requisito primordial nas operações logísticas? . GPS para localização de endereços e rastreamento. inteligência artificial. Cada etapa do processo logístico fica com uma parcela do montante pago pelo cliente. correndo riscos de perdê-los. a empresa terá sua imagem denegrida junto ao mercado e. seja por falta de matéria-prima devido a um atraso do fornecedor. Fluxo de dinheiro: Flui do consumidor final em direção aos fabricantes. toda atividade de recebimento expedição e armazenamento até a entrega final do produto ao cliente. Fluxo de materiais: movimentação de materiais como aquisição de matéria prima para a consequente transformação em uma unidade fabril. utilizando-se do transporte entre os elos da cadeia produtiva. por exemplo no fornecedor de matérias-primas. os fluxos de informações e o fluxo de dinheiro (financeiro). a empresa que deseja um atendimento melhor das reais demandas de seus clientes através de um sistema de reposição automática dos estoques pode trabalhar com a ferramenta ECR (Efficient Customer Response . Fluxo de informações: As tecnologias com utilização específica para a logística incluem EDI. este é um indicador de desempenho muito importante.

o aumento na frota de veículos acarretou em congestionamentos os quais encareceram ainda . A satisfação do cliente envolve a maximização da utilidade de lugar e momento para fornecedores. quando a indústria decidiu preencher as lacunas de demanda existentes no comércio. Primeira fase: Atuação segmentada O nascimento. intermediários e consumidores finais. o produto final também encarece. tais como eletrodomésticos. De acordo com o que pregava a EOQ (Quantidade Econômica do Pedido). E através da satisfação dos clientes a empresa ganha em lucratividade. dessa forma. o estoque era renovado de modo a reduzir a somatória que todos e quais quer custos. dessa forma a racionalização do estoque passa a ser uma importante estratégia competitiva. com as operações logísticas encarecendo. outro fator importante colaborou com a evolução da logística. cada centavo economizado era de grande valia. Além disso. pois este cliente é a porta de destino para qualquer entrega. o cliente que está sendo atendido é a força motriz para o estabelecimento dos requisitos de desempenho logístico. com o tempo nota-se que existem custos extras relacionados ao simples ato de manter o material parado. houve um aumento acentuado nos estoques evidenciando uma necessidade ainda maior de racionalizá-los. Nessa época a estocagem era o elemento chave na cadeia de suprimento. da logística foi na segunda guerra mundial. As empresas começaram assim a visar os grandes lotes e modos de transportá-los com o menor custo possível.A satisfação do cliente é importante. A logística é um meio concreto para atrair clientes que valorizam o desempenho em termos de tempo e lugar. Segunda fase: Integração rígida Começa-se a pensar mais no consumidor. como resposta. automóveis. em meados de 1970. e para piorar. por assim dizer. Tal sede por redução de custos era apenas corporativa. ou seja. enfim. através é claro de um serviço de qualidade. os custos no transporte tiveram considerável aumento. fazer o pedido era pesquisar preços e condições de suprimentos junto aos fornecedores usando dos mais diversos meios de comunicação. como por exemplo. 6) Faça um resumo das quatro fases de evolução da logística mostrando os fatores principais que foram diferenciando sucessivamente cada fase em relação à outra. para poder atender o cliente a qualquer hora tanto varejistas como fabricantes sempre mantinham grandes quantidades de produto acabado em estoque. funcionava como o pulmão balanceando os fluxos. Independente do motivo ou finalidade da entrega. colocar as transportadoras numa guerra de fretes com um único objetivo de conseguir fretes mais baratos. com a crise do petróleo. há um aumento massivo na oferta de produtos e opções devida maior flexibilidade dos processos manufatureiros que permitiram maior variedade sem aumento significativo no custo de produção. isso se refletia negativamente para a cadeia num todo.

era frequente o atraso dos fornecedores. visando a redução de tal efeito. e a manufatura tinha dificuldades para alterar a programação e não o conseguia sem causar maiores transtornos às demais áreas. a segunda fase da logística fora marcada pela busca de racionalização integrada na cadeia de suprimento. a partir do momento em que a informação fora liberada. de consequências importantes na agilização da cadeia de suprimento. até então as informações eram levantadas manualmente e posteriormente digitalizadas. permanecia sendo falho. Um bom exemplo disso foi a introdução do código de barras que possibilitou integração flexível das vendas com o depósito ou centro de distribuição. Dessa forma. os fornecedores recebiam as previsões de compras e faziam a alocação de mão-de-obra para o mês e assim por diante. o funcionamento é simples. porém a peça chave para isso ser possível é o planejamento. Este processo. o produto passa pelo check-out e logo em seguida o sistema registra a baixa do produto no estoque. posteriormente faz-se um balanço entre demanda e estoque disponível definindo assim as remessas às lojas da empresa. fora ampliado a abrangência do planejamento incorporando fornecedores e clientes. permitiu melhor tratamento de uma série de problemas causadores de custos e atrasos. a preocupação com a satisfação plena do cliente se torna mais evidente. entendendo como tal não somente o consumidor . geralmente alterado sem consulta às demais áreas da empresa. fornecendo um importante mecanismo no controle dos estoques. O desenvolvimento da informática possibilitou uma integração dinâmica. não mais era possível agir sobre a operação. passando assim a ser útil apenas numa avaliação histórica para decisões futuras sendo inútil para correções imediatas. Terceira fase: Integração flexível Na terceira fase o intercâmbio de informações entre dois elementos da cadeia de suprimento começou a se dar por intermédio eletrônico (EDI – Intercâmbio Eletrônico de Dados). apesar de permitir melhor racionalização do estoque. cada um consultava seu cliente visando prever a demanda necessária para o mês seguinte. mesmo que de forma sutil. porém pouco flexível. acarretando num excesso de estoque. já existia certa integração. Sendo assim. que por sua vez transmitia a necessidade de matéria prima para o mês seguinte e assim por diante. como a utilização multimodal dos meios de transporte reduzindo os custos e aproveitando melhor a capacidade ociosa nas diversas modalidades. A introdução da informática nas empresas em meados de 1960.mais o transporte. o setor de vendas frequentemente fechava novos contratos sem consultar os demais setores. Tudo isso induziu a racionalização do estoque. a solução para não perder competitividade fora a criação de novas alternativas. apenas depois o pedido ia para a manufatura. a produção era realizada e implementada pelo setor de fabricação segundo próprios critérios e objetivos. Nessa terceira fase. como nessa época o setor manufatureiro era de grande influência na indústria.

do estoque zero. Diferencia-se pela ênfase absoluta na satisfação plena do consumidor final. mais todos os elementos intermediários. Na aplicação de esforços de forma sistemática e continuada. ao longo da cadeia de suprimento.final. que por sua vez são clientes dos fornecedores que os atendem na cadeia de suprimento. deve haver uma busca permanente na redução dos estoques e melhoria no processo. Com a formação de parcerias e troca de informações confidenciais. A terceira fase caracteriza-se também pela busca. A razão disso foi à globalização. as empresas começam a ver a logística pelo lado estratégico. visando agregar o máximo valor para o consumidor final e eliminar os desperdícios. entre parceiros. a logística passou a ser usada como elemento diferenciador na busca de novas conquistas do mercado. reduzindo custos e aumentando eficiência. deixando de pensar nela como gerador de custo. A abertura plena. Na formação de parcerias entre fornecedores e clientes. passaram a usá-la para ganhar competitividade e induzir novos negócios. não se satisfazendo com resultados parciais. . aparentemente utópica. possibilitando acesso mútuo às informações operacionais e estratégicas. A ideia desse slogan é perseguir uma contínua redução no nível de estoque. Quarta fase: Integração estratégica (SCM) A integração deixa de ser apenas físicas. competição cada vez maior entre empresas. Trata-se do SCM (Supply Chain Management).