You are on page 1of 10

Professor: Jairo Esteves Ângelo Silvares Química Geral II

Introdução ao estudo das Reações Químicas

I. Introdução Teórica e objetivo.
Esta prática teve como objetivo a classificação, quanto ao tipo, de cada uma das reações químicas realizadas, e reconhecer fatores que influenciam na velocidade das reações. As reações químicas fazem parte do nosso dia-a-dia. Por exemplo, quando vamos esquentar a água para preparar o café da manhã, estamos realizando uma reação química, pois o gás do fogão reage com o oxigênio do ar para produzir o calor que utilizamos para cozinhar os alimentos. Há quatro tipos de reações químicas. A síntese é uma reação de adição ou composição. Neste tipo de reação um único composto é obtido a partir de dois compostos.

há menos probabilidade de acontecerem colisões favoráveis geometricamente à reação. Há vários fatores que influenciam na velocidade das reações. A simples troca é uma reação de deslocamento ou substituição. temos a concentração dos reagentes que. e ocorre quando a partir de um único composto são obtidos outros compostos. não são consumidas durante a reação. a agitação molecular também diminui. Se denominam em três subtipos. por isso a reação ocorre mais rápido. Eletrólise -> Quando a decomposição ocorre pela corrente elétrica. e haja maior probabilidade de ter-se uma colisão geometricamente favorável à reação. O catalisador se combina com o reagente. São substâncias capazes de acelerar uma reação sem sofrerem alterações. por último. Eles diminuem a energia de ativação. Toda reação de simples troca é também uma reação de oxirredução. As reações que ocorrem na presença de catalisadores são denominadas catálises. Um outro fator se trata dos catalisadores. também aumenta a agitação molecular. abaixando o número de colisões e. dependendo do agente que decompõe a substância. por sua vez. E. Nos gases. consequentemente. Pirólise (calcinação) -> Quando a decomposição ocorre pelo calor. E a dupla troca ocorre quando duas substâncias compostas resolvem fazer uma troca e formam-se duas novas substâncias compostas. Um deles é a temperatura. ocasiona maior número de choques entre os reagentes. II. e também fazendo com que a velocidade média aumente. e ocorre quando uma substância simples reage com uma substância composta para formar outra substância simples e outra composta. como na temperatura. isto é. Materiais e Reagentes . originando um composto intermediário que. fazendo com que a reação se processe de maneira diferente.A análise é uma reação de decomposição. Se a temperatura aumenta. fazendo com que o número de colisões entre os reagentes fique maior. Fotólise -> Quando a decomposição ocorre pela luz. que é a medida do grau de agitação molecular. o que proporciona um maior numero de moléculas com energia superior a energia de ativação. originando o produto e se regenerando em seguida. quanto maior. aumentando a probabilidade de choques favoráveis. é a pressão que ocasiona essa maior probabilidade de choques. se transforma. Se a temperatura diminui.

Tela de amianto. Pinça de madeira. Solução 0. Béqueres. Cronômetro. Tripé de ferro. Termômetro. Iniciou-se a . Solução 3 mol/L de ácido clorídrico (HCl). Observações e Discussão 1-Tipos de reações químicas Experimento 1. Tubos de ensaio. III.             Hidróxido de amônio concentrado (NH4OH). Solução 0. ácido cloridrico (HCl). Resultados. colocou-se em cada extremidade do tubo um pequeno pedaço de algodão embebido. Bico de Bunsen. Espátula. Solução de peróxido de hidrogênio a 20 volumes (H2O2). Solução 0. Pêras. Tubo de vidro vazado.1 mol/L de ácido clorídrico (HCl). Magnésio metálico (Mg).                 Suporte universal. Solução de sal de Rochelle a 6% p/v (KNaC4H4O6). Funil de vidro. Pipetas graduadas. Solução 0. Mufas. Cloreto de Cobalto (CoCl2). Ácido clorídrico concentrado (HCl). Papel de filtro.1 mol/L de nitrato de chumbo II (Pb(NO3)2). no qual em um tubo de vidro vazado dos dois lados.1 Montou-se um sistema. o primeiro algodão continha amônia(NH3) e o segundo.1 mol/L de iodeto de potássio (KI).1 mol/L de nitrato de prata (AgNO3). Óxido de mercúrio II (HgO). Procedimentos. Garras. foi preso horizontalmente por meio de uma garra.

Porém. Identifiou-se o local onde se formou o anel e mediu-se a distância. Efusão de gases é a passagem de gases por pequenos orifícios e difusão de gases é a mistura de gases quando colocados uns na presença de outros. Observouse que a formação da névoa não havia ocorrido no centro do tubo. Sendo v as velocidades e δ as densidades. a reação não ocorreu no centro do tubo.875 cm/min 8 min Vel. no qual os reagentes sofreram difusão dentro do tubo fechado.2 . como tinha-se a distância percorrida pelos gases e o tempo até o inicio da reação. Segundo a Lei de Graham. determinou-se a velocidade através da fórmula: Velocidade= variação da distância Variação do tempo Assim: Vel. onde se observou a formação do anel de sal em torno das paredes do tubo representada pela seguinte equação: NH3(g) + HCl(g) → NH4Cl(s) Trata-se de uma reação de síntese que tem como produto o cloreto de amônio. HCl= 30 cm =~ 3. tendo uma reação mais próxima ao chumaço de algodão embebido em HCl que ao embebido em solução de amônia.75 cm/min 8 min Pelo fato de a velocidade de efusão da amônia ser maior que a do ácido clorídrico. NH3 ≈ 47 cm=~ 5. Experimento 1. as velocidades de efusão e de difusão são inversamente proporcionais às raízes quadradas de suas massas moleculares ou de suas densidades. Desse modo foi possível verificar a velocidade de efusão dos gases até o inicio da reação. pois o vapor de amônia se deslocou mais que o do HCl. A amônia percorreu 47 cm e o acido cloridrico percorreu 30 cm. a base (NH3) e o acido (HCl) sofreram difusão dentro do tubo fechado. e verificou que ao longo de 8 minutos.contagem do tempo.

Conclui –se que o Magnésio é mais reativo que o Hidrogênio. Aqueceu-se o tubo na chama oxidante com o auxilio da pinça de madeira e após alguns minutos observou-se uma coloração prateada nas paredes do tubo.Transferiu-se para um tubo de ensaio limpo e seco uma pequena quantidade de óxido de mercurio II (HgO).3 Para um tubo de ensaio.essa reação ocorre pelo fato de haver transferencia de elétrons. O tubo de ensaio estava liberando o gás hidrogênio e o palito de fóforo estava liberando o gás oxigênio. transferiu-se uma tira de magnesio metalico (Mg) e em seguida acrescentou 5mL de solução 3 mol/L de acido cloridrico (HCl) e relacionou a seguinte equação: Mg(s) + 2HCl(aq) → MgCl2(aq) + H2(g) Uma reação de simples troca formando respectivamente cloreto de Magnesio e gás hidrogênio.Tratando-se de um . o óxido de mercúrio II decompõe-se. e teve diminuição do NOX pela perda de életrons. equacionou-se o seguinte: 2HgO(s) → 2 Hg (s) + O2 (g) Este fenômeno ocorre.formou-se água como produto. Percebeu se tratar de um processo endotérmico com os produtos que absorveu o calor do bico de busen. e teve seu NOX aumentado e o acido cloridrico foi reduzido. liberando oxigênio para a atmosfera e retendo o Mercúrio.assim como o ambiente repleto de oxigênio . que por ser um metal tem como uma de suas características a coloração prateada. Logo em seguida aproximou-se um palito de fosforo acesso perto das paredes do tubo que resultou em uma pequena explosão representada pela equação quimica a seguir: 2H2(g) + O2(g) → 2H2O(v) Trata-se de uma reação de síntese.Percebeu-se se tratar de uma reação de decomposição por pirólise no qual teve como produtos formados o mercúrio líquido e o oxigênio gasoso. pois quando submetido ao calor. O magnésio foi oxidado. Experimento 1.

e acresentou em cada tubo 5mL de solução 0.4 Transferiu-se para um tubo de ensaio 5 mL de solução 0. Observou-se que o liquido que foi amparado pelo tubo era incolor. a água quente tem suas moléculas mais afastadas. Conclui-se que essa substância é insoluvel em água fria. formando cristais amarelos.1mol de iodeto de potássio (KI).Resfriou-se o recipiente. recolhendo o filtrado em um tubo de ensaio.1mol/L de nitrato de chumbo II (Pb(NO3)2). A reação é representada pela seguinte equação: Pb(NO3)2 (aq) + 2KI (aq) → 2 KNO3(aq) + PbI2(s)↓ Verificou-se que se trata de uma reação de dupla troca com a formação de dois sais. em seguida adicionou-se água quente ao sólido que ficou retido no papel de filtro. pois o calor é cedido pela mistura das reações para o meio ambiente. o nitrato de potássio e iodeto de chumbo II . 2.processo exotémico. assim facilitando a solubilidade do sal. Verteu-se o conteudo de um tubo no outro. porem soluvel em água quente.fatores que influem na velocidade de uma reação química Experimento 2. Filtrou-se o sistema obtido e. Para outro tubo de ensaio transferiu-se 5 mL de solução de solução 0. neste ultimo observou a cor amarelada do produto insoluvel. Experimento 1.1mol/L de nitrato de prata (AgNO3). e observou que o iodeto de chumbo II precipitou.1 Para dois tubos de ensaio transferiu-se 5mL de solução 0.1 de ácido .

observou-se que o tubo que permaneceu ao abrigo da luz. 100 mL de solução de sal Rochelle a 6% e. a reação ocorreu rapidamente. Após algumas horas. em seguida. aparecendo uma coloração intermediaria verde e uma grande efervescência e logo em seguida . pois ao fim da reação o catalisador se regenera . não apresentou alteração. Pois o catalizador participou da reação. ao comparar os tubos. e aqueceu-se o sistema até atingir 75°C.2 Para um becker de 500 mL foi transferido. KNaC4H4O6(aq) + 5 H2O2(l) CoCl2 4 CO2(g) + KOH(aq) + NaOH(aq) + 6 H2O(l) + CoCl2(aq) Ao adicionar o catalisador. verificando que a coloração rosa empalideceu. a reação cessou e a coloração voltou a rosa primitiva. Após algum tempo. observou-se um precipitado branco de acordo com a seguinte equação: AgNO3 (aq) + HCl (aq) → AgCl(s) + HNO3 (aq) Numa reação de dupla troca que teve o respectivamante os produtos. e observou-se que a solução ao adicionar o catalisador. Colocou-se um dos tubos ao abrigo da luz. Posteriormente acrescentou-se um ponta de espátula de cloreto de cobalto II (CoCl2) sólido de cor carmim. a reação ocorreu rapidamente. o sal insoluvel cloreto de prata e acido nitrico. mantendo o termômetro em contato com a solução e verificou que a reação ocorria lentamente. pois estando na presença de luz sofreu uma reação de decomposição por fotólise de acordo com a seguinte equação: 2 AgCl → 2 Ag + Cl 2 Experimento 2.clorídrico (HCl). Tal fato pode ser explicado. Já o tubo que estava na presença da luz apresentou modificações na coloração do precipitado que passou de branco é preta. a ponto de não haver modificações aparentes. e outro em um local iluminado. acrescentou-se 20 mL de H2O2 a 20 volumes de peróxido de hidrogênio (H2O2) a 20 volumes. com a adição do ácido nos dois tubos.

janelas e portas de ferro e alumínio entrariam em decomposição com mais facilidade. é necessário provocá-la. existem substancias que. mais oxigênio do que hidrogênio. no caso de dirigíveis para passageiros.alimentos. nomeadamente no processo "Harber" para produção de amônia. para que a transformação química ocorra.e observou que a temperatura que indicava no termômetro marcava 90°C. e. Hidrogênio é nomeado o combustível do futuro. o hélio tenha a vantagem de não ser inflamável. o hidrogênio foi usado para encher balões. pois a temperatura esta associada com a velocidade da reação. o hidrogênio é normalmente produzido pela ação do zinco sobre o ácido sulfúrico.quimicamente . fornecendo calor. provocam a reação química entre duas substancias que tendem a permanecer apenas . Em pequenas quantidades. Elevadas quantidades de hidrogênio são necessárias em industrias químicas e petrolíferas. portanto como a reação foi mais rápida a temperatura também subiu. na atmosfera. Outra aplicação é que atrapalhar a oxidação espontânea porque se houvesse. Apresentar uma pesquisa sucinta sobre catalizadores. Citar pelo menos quatro aplicações do gás produzido no experimento 1. Em 1783 e a segunda guerra mundial. pela simples presença. Outra aplicação importante é na hidrogenização de substâncias orgânicas para produção de solventes. produtos químicos industriais e alimentos como a margarina e gordura vegetal. Atualmente sua principal aplicação é na síntese do amoníaco e do metanol na difusão do petróleo.Tarefas de Verificação 1. IV. 2. o quinto composto com maior produção industrial. ainda que. Entretanto. Geralmente. ou seja. eletricidade ou luz (formas diferentes de energia).3. não sofre modificação em sua estrutura e pode ser reutilizado. tendo em vista a oxidação.

A razão entre as velocidades de difusão dos dois gases é igual à raiz do inverso da razão entre os pesos moleculares dos dois gases. Pesquisa a respeito da lei de Grahan. Essas substancias “mágicas” são chamadas de catalisadores. que age como catalisador: Gás Carbônico + Água • Glicose Enferrujamento do ferro em presença do vapor de água. que é um químico inglês. A presença de água acelera a formação de ferrugem. • Um exemplo importante de reação catalisada é a fotossíntese. as forças de atração intermoleculares são fracas. 3. Pela distância ser grade.misturada. a movimentação das moléculas é bem mais rápida. “A velocidade de difusão de um gás através de outro é inversamente proporcional à raiz quadrada da densidade do gás”. Ferro + Gás Oxigênio Ferrugem. devido à distância entre as moléculas ser muito grande. Nesse estado de agregação. Na fotossíntese. sendo a tal velocidade de difusão. . Difusão e Efusão dos gases Um gás é uma substância que se expande espontaneamente. A lei ampliada de Graham pode ser aplicada de modo a se comparar as razões entre velocidades de difusão e pesos moleculares de dois gases distintos. a razão entre o tempo e o espaço médio que os gases percorrem. ou seja. que ocorre nas folhas dos vegetais. e pela força de atração ser baixa. de maneira que na maioria das vezes elas nem se toquem.com alta economia de energia. mas diminuem a energia de ativação dela. a substância catalisadora é sempre regenerada no final do processo. o gás carbônico e a água da chuva são transformados em alimentos graças a presença da substancia clorofila. e preenche completamente o recipiente que o contém de maneira uniforme. O catalisador é uma substância "que entra e sai" da reação. O catalisador diminui a barreira de energia a ser vencida. De acordo com Thomas Graham. Na industria os catalisadores permitem que sejam realizadas transformações químicas difíceis num certo espaço de tempo. Os catalisadores não alteram a variação de entalpia de uma reação.

Graham relatou também uma segunda observação: “Efusão de um gás é sua passagem através da abertura de um buraco de agulha ou Referencias Bibliograficas: Livro: Peruzzo. – 3ed. 10ª edição.2003 . 6ª edição – 2004 SALVADOR. –São Paulo : Moderna. Ricardo. Tito Miragaia :/Tito miranguaia Peruzzo. Eduardo Leite do Canto. USBERCO. a densidade e a massa molecular de um gás ideal são diretamente proporcionais. Edgard. Eduardo Leite do Canto. Química Geral. a uma dada temperatura e pressão.Francisco Mirangaia Peruzzo. 2003 FELTRE. Química Geral. João.quimica volume único 1° ed—São Paulo: Moderna.Segundo o enunciado da Lei de Graham. 1999 Peruzzo.