You are on page 1of 26

ESCOLA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAI MECATRÔNICA CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL INSTRUMENTAÇÃO

Introdução a Instrumentação

Prof. Ezequiel Pelini

Caxias do Sul, fevereiro de 2009

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

1

Grandeza Física

Grandeza Física 17/02/2009 Grandeza mensurável é definida como: “atributo de um fenômeno, corpo ou substância que

17/02/2009

Grandeza mensurável é definida como:

“atributo de um fenômeno, corpo ou substância que pode ser qualitativamente distinguido e quantitativamente determinado”

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

2

Exemplos de grandezas físicas

Variáveis de força;Exemplos de grandezas físicas Variáveis térmicas ; Variáveis de radiação ; Taxa de variáveis ; Variáveis

Variáveis térmicas ;Exemplos de grandezas físicas Variáveis de força; Variáveis de radiação ; Taxa de variáveis ; Variáveis

Variáveis de radiação ;físicas Variáveis de força; Variáveis térmicas ; Taxa de variáveis ; Variáveis de quantidade ; Variáveis

Taxa de variáveis ;de força; Variáveis térmicas ; Variáveis de radiação ; Variáveis de quantidade ; Variáveis de propriedades

Variáveis de quantidade ;térmicas ; Variáveis de radiação ; Taxa de variáveis ; Variáveis de propriedades físicas ; Variáveis

Variáveis de propriedades físicas ;radiação ; Taxa de variáveis ; Variáveis de quantidade ; Variáveis de composição química ; Variáveis

Variáveis de composição química ;de quantidade ; Variáveis de propriedades físicas ; Variáveis elétricas 17/02/2009 Introdução a

Variáveis elétricasfísicas ; Variáveis de composição química ; 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

3

Exemplos de grandezas físicas

Variáveis de força: peso, força, pressão peso, força, pressão

Variáveis térmicas: temperatura, calor específico temperatura, calor específico

Variáveis de radiação: raios x, raios gama raios x, raios gama

Taxa de variáveis: velocidade, aceleração velocidade, aceleração

Variáveis de quantidade: massa, volume massa, volume

Variáveis de propriedades físicas: dureza dureza

Variáveis de composição química: medição de concentração de CO2, CO, H2S medição de concentração de CO2, CO, H2S

Variáveis elétricas: tensão, corrente, resistência tensão, corrente, resistência

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

4

Características do resultado de uma medição

Conseqüentemente, um resultado de medição com boas características metrológicas tem :

17/02/2009

Aceitaçãocom boas características metrológicas tem : 17/02/2009 Confiabilidade Credibilidade Universalidade Introdução a

Confiabilidadecaracterísticas metrológicas tem : 17/02/2009 Aceitação Credibilidade Universalidade Introdução a Instrumentação

Credibilidademetrológicas tem : 17/02/2009 Aceitação Confiabilidade Universalidade Introdução a Instrumentação – Ezequiel

Universalidadetem : 17/02/2009 Aceitação Confiabilidade Credibilidade Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 5

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

5

Grandezas de base do SI (Sistema Internacional de Unidades)

Grandezas de base do SI (Sistema Internacional de Unidades) 17/02/2009 Tem a função de tornar universais

17/02/2009

Tem a função de tornar universais os resultados de medições realizadas em qualquer parte do mundo. As 7 unidades fundamentais são:

Comprimentoem qualquer parte do mundo. As 7 unidades fundamentais são: Massa Tempo Temperatura Corrente elétrica Quantidade

Massaparte do mundo. As 7 unidades fundamentais são: Comprimento Tempo Temperatura Corrente elétrica Quantidade de matéria

Tempodo mundo. As 7 unidades fundamentais são: Comprimento Massa Temperatura Corrente elétrica Quantidade de matéria

TemperaturaAs 7 unidades fundamentais são: Comprimento Massa Tempo Corrente elétrica Quantidade de matéria Intensidade

Corrente elétricafundamentais são: Comprimento Massa Tempo Temperatura Quantidade de matéria Intensidade Luminosa Introdução a

Quantidade de matériasão: Comprimento Massa Tempo Temperatura Corrente elétrica Intensidade Luminosa Introdução a Instrumentação –

Intensidade LuminosaMassa Tempo Temperatura Corrente elétrica Quantidade de matéria Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 6

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

6

Unidades de Medida

Unidades de Medida 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 7

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

7

Relevância da metrologia

A razão da existência da metrologian(ciência das medições) é garantir a confiável e segura comparabilidade de resultados obtidos em locais e momentos diferentesRelevância da metrologia Essa comparabilidade pode evitar as perdas econômicas de remedições ou, caso a remedição

Essa comparabilidade pode evitar as perdas econômicas de remedições ou, caso a remedição já tenha sido efetuada, permitir a comparação entre a primeira e a segunda mediçãode resultados obtidos em locais e momentos diferentes 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

8

Instrumentação

Estudo teórico e prático dos instrumentos e seus princípios científicosInstrumentação Arte e ciência da medição e controle Métodos e utilizações possíveis para os instrumentos Atuador

Arte e ciência da medição e controlee prático dos instrumentos e seus princípios científicos Métodos e utilizações possíveis para os instrumentos

Métodos e utilizações possíveis para os instrumentoscientíficos Arte e ciência da medição e controle Atuador 17/02/2009 Introdução a Instrumentação –

Atuador
Atuador

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

9

Canal de Medição

Canal de Medição 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 10

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

10

Porque a Instrumentação eletro- eletrônica tornou-se tão importante?

Pela “facilidade de tratamento”dos sinais elétricos;eletro- eletrônica tornou-se tão importante? Pela existência de transdutores sensores e atuadores de

Pela existência de transdutores sensores e atuadores de natureza elétrica;Pela “facilidade de tratamento”dos sinais elétricos; Pela confiabilidade de operação de um sistema

Pela confiabilidade de operação de um sistema instrumentado com recursos eletro-eletrônicos;de transdutores sensores e atuadores de natureza elétrica; Pela capacidade de controlar um processo em “tempo

Pela capacidade de controlar um processo em “tempo real”;um sistema instrumentado com recursos eletro-eletrônicos; 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

11

Instrumentação para monitoração e controle de processos

Instrumentação para monitoração e controle de processos Monitoração de processos Controle de processos Teste de

Monitoração de processosInstrumentação para monitoração e controle de processos Controle de processos Teste de processos Teste assistido por

Controle de processose controle de processos Monitoração de processos Teste de processos Teste assistido por computador 17/02/2009

Teste de processosprocessos Monitoração de processos Controle de processos Teste assistido por computador 17/02/2009 Introdução a

Teste assistido por computadorde processos Controle de processos Teste de processos 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

12

Sistemas de medição

Sistemas de medição 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 13

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

13

Planejamento de um sistema de medição

Conhecimento sobre o processo e suas variáveisPlanejamento de um sistema de medição Avaliação de variáveis espúrias Escolha dos Instrumentos Apropriados Escolha

Avaliação de variáveis espúriasde medição Conhecimento sobre o processo e suas variáveis Escolha dos Instrumentos Apropriados Escolha dos

Escolha dos Instrumentos Apropriadose suas variáveis Avaliação de variáveis espúrias Escolha dos transdutores Princípio de funcionamento

Escolha dos transdutoresde variáveis espúrias Escolha dos Instrumentos Apropriados Princípio de funcionamento Conhecimento sobre tipos,

Princípio de funcionamentodos Instrumentos Apropriados Escolha dos transdutores Conhecimento sobre tipos, características, etc Análise dos

Conhecimento sobre tipos, características, etcEscolha dos transdutores Princípio de funcionamento Análise dos instrumentos Relação entre mensurando e

Análise dos instrumentosConhecimento sobre tipos, características, etc Relação entre mensurando e leitura Como é afetado por

Relação entre mensurando e leiturasobre tipos, características, etc Análise dos instrumentos Como é afetado por variáveis espúrias Análise da

Como é afetado por variáveis espúriasdos instrumentos Relação entre mensurando e leitura Análise da propagação de erros em todo o sistema

Análise da propagação de erros em todo o sistema de mediçãoe leitura Como é afetado por variáveis espúrias 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

14

Tipos de Variáveis Espúrias

Variáveis OperacionaisTipos de Variáveis Espúrias Armazenamento Transporte Manuseio Instalação Variáveis Ambientais Operação exposta à:

ArmazenamentoTipos de Variáveis Espúrias Variáveis Operacionais Transporte Manuseio Instalação Variáveis Ambientais Operação

TransporteVariáveis Espúrias Variáveis Operacionais Armazenamento Manuseio Instalação Variáveis Ambientais Operação

ManuseioEspúrias Variáveis Operacionais Armazenamento Transporte Instalação Variáveis Ambientais Operação exposta à:

InstalaçãoVariáveis Operacionais Armazenamento Transporte Manuseio Variáveis Ambientais Operação exposta à: temperatura,

Variáveis AmbientaisOperacionais Armazenamento Transporte Manuseio Instalação Operação exposta à: temperatura, aceleração,

Operação exposta à: temperatura, aceleração, vibração, pressão, umidade, corrosão, campos eletromagnéticos, radiação nuclear, atmosfera iônica, etc.Transporte Manuseio Instalação Variáveis Ambientais Ruído Eletrônico 17/02/2009 Introdução a

Ruído Eletrônicoradiação nuclear, atmosfera iônica, etc. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

15

Sensores

Elementos específicos que transformam determinada variável física de interesse (ou faixas de operação desta variável) em uma grandeza passível de processamento.Sensores Geralmente a variável de interesse é transformada em uma grandeza elétrica, uma vez que com

Geralmente a variável de interesse é transformada em uma grandeza elétrica, uma vez que com os recursos oferecidos pela eletrônica pode-se efetuar uma série de processamentos posteriores.desta variável) em uma grandeza passível de processamento. Ex.:Termopares 17/02/2009 Introdução a Instrumentação

Ex.:Termoparespode-se efetuar uma série de processamentos posteriores. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

16

17/02/2009 Sensores Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 17

17/02/2009

Sensores

17/02/2009 Sensores Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 17

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

17

Transdutores

Dispositivo que transforma um tipo de energia em outro tipo de energia, utilizando para isso um elemento sensor que recebe os dados e os transforma. Por exemplo, o sensor pode traduzir informação não elétrica (velocidade, posição, temperatura, pH) em informação elétrica (corrente, tensão, resistência).Transdutores Ex.: Encoder 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 18

Ex.: Encoderem informação elétrica (corrente, tensão, resistência). 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

18

Transdutores

Transdutores 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 19
Transdutores 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 19

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

19

Instrumentos

Sistema mecânico, eletromecânico ou eletrônico que integra um sensor ou um transdutor a dispositivos com funções específicas de processamento de modo que sua saída mostra ou registra determinada variável dentro de unidades padronizadas.Instrumentos Ex.: Multímetro, Paquímetro. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 20

Ex.: Multímetro, Paquímetro.determinada variável dentro de unidades padronizadas. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

20

Instrumentos

Instrumentos 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini 21

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

21

Condicionador de Sinal

Condicionador de Sinal Converte a saída do transdutor (ou sensor) em um sinal elétrico apropriada para

Converte a saída do transdutor (ou sensor) em um sinal elétrico apropriada para o dispositivo de apresentação ou controle.

apropriada para o dispositivo de apresentação ou controle. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

22

Variáveis aleatórias contínuas

Em medidas, os dados podem ser influenciados por pequenas variações de temperatura, pressão, vibração, entre outras variáveis não controladas.Variáveis aleatórias contínuas Uma peça tirada da produção, a qual possui uma medida muito precisa sempre

Uma peça tirada da produção, a qual possui uma medida muito precisa sempre possui dispersão em torno da mesma.vibração, entre outras variáveis não controladas. É comum modelar a faixa de valores possíveis dentro de

É comum modelar a faixa de valores possíveis dentro de um intervalo.muito precisa sempre possui dispersão em torno da mesma. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

23

Fontes potenciais de variabilidade

Exemplo 1: O consumo de um carro não é dependente da distância registrada apenas. Depende de fatores como tipo de estrada, condições do carro, tipo de gasolina, etc.Fontes potenciais de variabilidade Exemplo 2: Um engenheiro está projetando um conector de nylon para aplicação

Exemplo 2: Um engenheiro está projetando um conector de nylon para aplicação automotiva. A parede deste conector está condicionada a força de remoção do conector. O primeiro protótipo foi feito e as seguintes forças de remoção são medidas: 12,6; 12,9; 13,4; 12,3 ; 13,6; 13,5; 12,6; 13,1 N.de estrada, condições do carro, tipo de gasolina, etc. 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

24

Instrumentos Analógicos e Digitais

Instrumentos Analógicos e Digitais Analógicos: Eletromecânicos –utilizam geralmente um ponteiro deslocando-se sobre

Analógicos: Eletromecânicos –utilizam geralmente um ponteiro deslocando-se sobre uma escala para indicar a medidaInstrumentos Analógicos e Digitais Digitais: Eletrônicos –Geralmente utilizam dígitos para indicar a medida.

Digitais: Eletrônicos –Geralmente utilizam dígitos para indicar a medida.deslocando-se sobre uma escala para indicar a medida 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

25

Referências

[1] Fialho, Arivelto Bustamante. “Instrumentação Industrial: Conceitos, Aplicações e Análises”. Editora ÉricaReferências [2] Balbinot, Alexandre & Brusamarello, Valner João. “Instrumentação e Fundamentos de Medidas”.

[2] Balbinot, Alexandre & Brusamarello, Valner João. “Instrumentação e Fundamentos de Medidas”. Editora LTCConceitos, Aplicações e Análises”. Editora Érica 17/02/2009 Introdução a Instrumentação – Ezequiel

17/02/2009

Introdução a Instrumentação – Ezequiel Pelini

26