You are on page 1of 54

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE NUTRIÇÃO

Avaliaççãoão Nutricional

Avalia

Nutricional nana

Gestaççãoão

Gesta

Profa. Danielle Góes da Silva

Disciplina Nutrição Materno Infantil

Avaliaççãoão Nutricional

Avalia

Nutricional nana Gesta

Gestaççãoão

Avalia ç ç ão ão Nutricional Avalia Nutricional na na Gesta Gesta ç ç ão ão

Período curto de observação

Modificações rápidas das medidas antropométricas

Avaliação de 1 indivíduo: estado nutricional de 2

Objetivos da da Avalia Objetivos Avalia ç ç ão ão Nutricional Nutricional na na Gesta Gesta

Objetivos dada Avalia

Objetivos

Avaliaççãoão Nutricional

Nutricional

nana Gesta

Gestaççãoão

Identificar gestantes com desvio ponderal no início da gestação

Detectar

gestantes

com

ganho

menor

ou

excessivo para idade gestacional

Subsidiar

intervenções

adequadas:

melhorar estado nutricional materno e do recém-nascido e as condições do parto.

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DA

GESTANTE

Métodos utilizados:

  • - ANTROPOMÉTRICOS

  • - BIOQUÍMICOS

  • - CLÍNICOS

  • - DIETÉTICOS

AVALIAÇÇÃOÃO ANTROPOM

AVALIA

ANTROPOMÉÉTRICA

TRICA NANA

GESTAÇÇÃOÃO

GESTA

Estatura materna Perímetro braquial Altura uterina Peso pré-gestacional (PPG) Ganho de peso na gestação

ESTATURA

ESTATURA MATERNA

MATERNA

Indicador aproximado do crescimento infantil e da estrutura óssea pélvica

Estatura < 1,47 a 1,53m RCIU < 1,40 a 1,50m complicações no parto

< 1,40 - 1,53 m Riscos Gestacionais

WHO, 1995

Avaliaççãoão dada Estatura

Avalia

Estatura nana Gesta

Gestaççãoão

- Avaliar no início da gravidez (antes da 20 a semana

gestacional )

Postura alterada

Postura

alterada

Avalia ç ç ão ão da da Estatura Avalia Estatura na na Gesta Gesta ç ç

Lordose fisiol

Lordose

fisiolóógica

gica

Alteraççãoão dada estatura

Altera

estatura

Avalia ç ç ão ão da da Estatura Avalia Estatura na na Gesta Gesta ç ç
PER Í Í METRO PER METRO BRAQUIAL BRAQUIAL Reflete o estado nutricional prévio à gestação e

PERÍÍMETRO

PER

METRO BRAQUIAL

BRAQUIAL

Reflete o estado nutricional prévio à gestação e

o atual.

Menos sensível

que

o

peso

em

relação às

alterações a curto prazo das condições de saúde

e nutrição

Usado na

peso

ausência de recursos para aferir o

PB < 21 - 23 cm risco de baixo peso ao

nascer

ALTURA UTERINA

ALTURA

UTERINA

ALTURA UTERINA ALTURA UTERINA Reflete o tamanho global do útero Indicador do crescimento fetal Avaliar os

Reflete o tamanho global do útero

Indicador do crescimento fetal

Avaliar os desvios do crescimento fetal :

Pequeno para idade gestacional (PIG) ou Grande

para idade gestacional (GIG).

T T é é cnica da da Altura Uterina • Posicionar a gestante em decúbito dorsal,

TTéécnica

cnica dada Altura

Altura Uterina

Uterina

• Posicionar a gestante em decúbito dorsal, com o abdômen descoberto; • Delimitar a borda superior da sínfise púbica e o fundo uterino; • Por meio da palpação, procurar corrigir a comum dextroversão uterina; • Fixar a extremidade inicial (0cm) da fita métrica, flexível e não extensível, na borda superior da sínfise púbica, passando-a entre os dedos indicador e médio. Proceder à leitura quando a borda cubital da mão atingir o fundo uterino;

• Anotar a medida, em centímetros, na ficha e no cartão, e marcar o ponto na curva da altura uterina.

T T é é cnica da da Altura Uterina • Posicionar a gestante em decúbito dorsal,

Altura Uterina

Altura

Uterina XX Risco

Risco Gestacional

Gestacional

Uterina Altura X X Risco Gestacional • Pontos de corte: percentil 10 (limite inferior) e

Pontos de corte: percentil 10 (limite inferior) e o

percentil 90 (limite superior)

Uterina Altura X X Risco Gestacional • Pontos de corte: percentil 10 (limite inferior) e

Curva

altura

uterina/

do

idade

gestacional

Centro Latinoamericano

de

(CLAP).

Perinatologia

Uterina Altura X X Risco Gestacional • Pontos de corte: percentil 10 (limite inferior) e

Fonte: Ministério da Saúde, 2005

PESO PRPRÉÉ--GESTACIONAL

PESO

GESTACIONAL

Permite nortear qual a necessidade de ganho

de peso durante a gestação

Fator preditivo do crescimento fetal.

PPG < 45 Kg ou > 75 Kg

PR PR É É - - GESTACIONAL PESO Permite nortear qual a necessidade de ganho

--Peso

Peso aoao nascer

nascer (baixo

(baixo peso

peso ouou

macrossomia))

macrossomia

--Parto

Parto prematuro

prematuro

Morbi--mortalidade

--Morbi

mortalidade materna

materna ee

perinatal

perinatal

O Peso pré-gestacional pode ser obtido por várias formas:

recordação da mãe com relação ao seu peso até 2 meses antes da gestação (sujeito a viés de memória);

registro médico (até 2 meses anteriores à gestação); aferição logo após a concepção (ideal) aferição durante o primeiro trimestre (sujeito a erros)

IMC PRPRÉÉ--GESTACIONAL

IMC

GESTACIONAL

Referência:

Referência: Instituto

Instituto dede Medicina/

Medicina/ EUA

EUA (1990)

(1990)

Pontos dede Corte

Pontos

Corte

Diagnóóstico

Diagn

stico

>> 2929

2929 2626

2626 19,8

19,8

<< 19,8

19,8

Obesidade

Obesidade

Sobrepeso

Sobrepeso

Eutrofia

Eutrofia

Baixo

Baixo peso

peso

IMC PRPRÉÉ--GESTACIONAL

IMC

GESTACIONAL

Referência:

Referência: Organiza

Organizaççãoão Mundial

Mundial dede SaSaúúdede (1995)

(1995)

Pontos dede Corte

Pontos

Corte

Diagnóóstico

Diagn

stico

>> 3030

Obesidade

Obesidade

29,99 25,0

29,99

25,0

24,99 18,5

24,99

18,5

Sobrepeso

Sobrepeso

Eutrofia

Eutrofia

<< 18,5

18,5

Baixo

Baixo peso

peso

GANHO DEDE PESO

GANHO

PESO

Associação com crescimento fetal

- Ganho Excessivo macrossomia fetal

- Ganho Insuficiente RCIU

Não permite distinguir peso materno e peso fetal

Baixa especificidade como indicador

Mais adequado quando considera o PPG

Ganho de peso X Mortalidade perinatal

Segundo PPG

> 135% sobrepeso 90-135% < 90% Baixo peso 7 9 Ganho de peso gestacional (Kg) Taxa
> 135%
sobrepeso
90-135%
< 90%
Baixo peso
7
9
Ganho de peso gestacional (Kg)
Taxa de mortalidade perinatal

- Estudo com 44.565 gestantes (1959-1966)

NAEYE,

NAEYE, 1979

1979

Ganho de peso X Peso ao nascer

Segundo PPG

Gráfico: Peso ao nascer em função do ganho de

peso materno e peso pré-gestacional

Obesas Sobrepeso Ganho de peso gestacional (Kg) Normal Baixo peso Peso ao Nascer (g)
Obesas
Sobrepeso
Ganho de peso gestacional (Kg)
Normal
Baixo peso
Peso ao Nascer (g)

ABRAMS & LAROS, 1986

ABRAMS && LAROS,

ABRAMS

LAROS, 1986

1986

AVALIAÇÃO DO GANHO DE

PESO

NA GESTAÇÃO

- Principais

Principais Referências

Referências -

CURVA CURVA DEDE ROSSO ROSSO
CURVA
CURVA DEDE ROSSO
ROSSO

Classifica o estado nutricional de acordo com o %

de adequação do peso/altura e a idade gestacional

1985: 1 a versão - 262 gestantes baixa renda .EUA

1991: 2 a versão - 2.168 gestantes baixa renda .Chile

Adotada no Brasil – MS – Assistência Pré-natal de

1986 até 2000

Procedimentos:

Procedimentos:

  • a) Calcular a adequação do peso atual em relação ao peso ideal /altura

% = peso atual

x 100

peso ideal/altura

Procedimentos: Procedimentos: a) Calcular a adequação do peso atual em relação ao peso ideal /altura %
  • b) Marcar o ponto correspondente ao percentual encontrado (eixo y) e à idade gestacional (eixo x)

A = peso baixo B = peso normal C = sobrepeso

  • c) Nas consultas subsequentes, procede- se da mesma maneira e liga-se os pontos para obter o traçado da gestante, cuja inclinação reflete a evolução do ganho de peso durante a gestação.

b) Marcar o ponto correspondente ao percentual encontrado (eixo y) e à idade gestacional (eixo x)
Curva de Rosso Vantagens Limitações Simplicidade no uso Dispensa o conhecimento do PPG Avalia a adequação
Curva de Rosso
Vantagens
Limitações
Simplicidade no uso
Dispensa o conhecimento do PPG
Avalia a adequação do peso/altura
em qualquer idade gestacional
Permite
monitorar
o
progresso
de
Não considera o estado nutricional prévio
Superestima gestantes com baixo peso
Não considera a variabilidade biológica
das estruturas ósseas
Não é adequada para:
ganho
de
peso
nas
visitas
-
gestantes com alturas extremas*
subseqüentes
-
gestantes obesas (P/A > 135%)
- gestantes
(principalmente
adolescentes**
com
idade
ginecológica
inferior a 4 anos)
Não foi validada no Brasil

* Altura < 140 cm: diminuir 0,5 Kg para cada cm a menos

Altura > 175 cm: somar 0,5 Kg para cada cm a mais

** Gestantes adolescentes: considerar déficit de peso inicial e acrescentar

1 Kg para crescimento.

CURVAS CURVAS DODO INSTITUTO INSTITUTO DEDE MEDICINA/ MEDICINA/ EUA EUA (1990) (1990)
CURVAS
CURVAS DODO
INSTITUTO
INSTITUTO DEDE MEDICINA/
MEDICINA/ EUA
EUA (1990)
(1990)

Avalia o ganho de peso considerando o IMC pré-

gestacional e a idade gestacional

Procedimentos:

Procedimentos:

a) Calcular o IMC- PPG

IMC pré-gestacional = Peso pré-gestacional (Kg)

Altura (m) 2

b) De acordo com a classificação do IMC-PG (tabela), seleciona-se o gráfico de ganho de peso a ser utilizado

IMC -PG

Classificação

Ganho de peso recomendado*

Total

Semanal **

< 19,8

Baixo

12,5 – 18,0 Kg

  • 500 g

19,8 - 26,0

Normal

11,5 – 16,0 Kg

  • 400 g

26,0 - 29,0

Sobrepeso

7,0 –

11,5 Kg

  • 300 g

> 29,0

Obesidade

6,8 Kg (mínimo)

Individual

Gravidez gemelar

16,0 – 20,5

  • 750 g

* Mulheres estatura < 157 cm : próximo ao limite inferior

Adolescente: próximo ao limite superior

** a partir do segundo trimestre de gestação

Gráficos

Gráficos IMC PG Sobrepeso

IMC PG Normal

IMC PG Baixo

IMC PG Sobrepeso

c) Calcular o ganho de peso (peso atual - peso pré- gestacional)

c) Calcular o ganho de peso (peso atual - peso pré- gestacional) d) Marcar no gráfico

d) Marcar no gráfico o ganho de peso (eixo y) correspondente à idade gestacional( eixo x)

e) Interpretação:

- Abaixo da curva inferior baixo ganho de peso - Entre as curvas normal ganho de peso - Acima da curva superior elevado ganho

Referência do do IOM/EUA (1990) Baseado em dados mulheres de países em desenvolvimento Pontos de corte

Referência

Referência dodo IOM/EUA

IOM/EUA (1990)

(1990)

Baseado em dados mulheres de países em desenvolvimento

Pontos de corte do IMC correspondentes a 90,120 e 135% do

peso/estatura de americanos adultos do padrão Methopolitan

Life Insurance Company´s

Vantagens Simplicidade no uso Limitações Depende da informação precisa do PPG O ganho de peso considera
Vantagens
Simplicidade no uso
Limitações
Depende da informação precisa do
PPG
O ganho de peso considera a altura e
o PPG
Não adequado para a população
brasileira
Permite
monitorar
o
progresso
de
ganho
de
peso
nas
visitas
subseqüentes.
Utilizada no mundo todo
CURVA CURVA DEDE ATALAH ATALAH et et al. al. (1997) (1997)
CURVA
CURVA DEDE ATALAH
ATALAH et
et al.
al.
(1997)
(1997)

Estudo com 1824 gestantes chilenas

Classifica o estado nutricional da gestante de

acordo com o IMC atual e a idade gestacional

IMC atual = Peso atual (Kg)

Altura (m) 2

Curva

Curva dede Atalah

Atalah et

et al.

al. (1997)

(1997)

Gráfico: Avaliação nutricional da gestante, segundo IMC e idade gestacional
Gráfico: Avaliação nutricional da gestante, segundo IMC
e idade gestacional

.

.

.

Curva

Curva dede Atalah

Atalah et

et al.

al. (1997)

(1997)

Procedimentos:

a) Aferir peso e estatura. Calcular a idade gestacional

b)Calcular o IMC atual

c) Plotar o valor de IMC no gráfico, considerando a idade

gestacional ou verificar em qual categoria o IMC se encontra

utilizando a tabela 1.
utilizando a tabela 1.
Curva de de Atalah et al. (1997) Procedimentos: a) Aferir peso e estatura. Calcular a idade

Curva

Curva dede Atalah

Atalah et

et al

al (1997)

(1997)

Vantagens Limitações Simplicidade no uso Superestima baixo peso materno Não requer informação sobre o PPG Não
Vantagens
Limitações
Simplicidade no uso
Superestima baixo peso
materno
Não requer informação
sobre o PPG
Não foi validado no
Brasil
Permite
monitorar
a
evolução
do
IMC
nas
visitas subseqüentes
CURVA CURVA DODO CLAP CLAP Centro Latino-americano de Perinatologia (Fescina, 1997)
CURVA
CURVA DODO CLAP
CLAP
Centro Latino-americano de Perinatologia
(Fescina, 1997)

1.023 mulheres brancas latinoamericanas,

classe média, eutróficas e sem patologias

materno-fetais

Avalia o estado nutricional segundo o ganho de

peso e a idade gestacional

Adotada pelo MS- Brasil de 2000 a 2003

Curva do CLAP (Fescina, 1997)

Procedimentos:

a) Calcula-se o peso ganho, considerando a diferença entre o

peso atual e o pré-gestacional;

b) Plota-se o valor encontrado do ganho de peso no gráfico, na

coluna correspondente à idade gestacional (semanas

amenorréia)

Curva do CLAP (Fescina, 1997) Procedimentos: a) Calcula-se o peso ganho, considerando a diferença entre o

Fonte: Ministério da Saúde (2000)

de

c) Faz-se então, a leitura seguida de interpretação, de acordo com

a localização do ponto:

c) Faz-se então, a leitura seguida de interpretação, de acordo com a localização do ponto: Fonte:

Fonte: Ministério da Saúde (2000)

 

Pontos de corte:

< p25

baixo peso

p25 e p90 eutrofia

> p90*

sobrepeso

Curva do CLAP

Vantagens Limitações Simplicidade no uso Fundamentado em relações corporais de mulheres no Considera o PPG período
Vantagens
Limitações
Simplicidade no uso
Fundamentado em relações
corporais de mulheres no
Considera o PPG
período reprodutivo que
compunham tabelas de
Permite monitorar
o
referência do século passado
progresso de ganho de peso
nas visitas subseqüentes
Não foi validada no Brasil

CLAP - Tabela de peso/altura

segundo Idade Gestacional

Quando a gestante não conhece seu PPG, pode-se utilizar tabela de peso em função da altura e idade gestacional.

Tabela. Peso para a altura segundo a Idade gestacional

     

Altura materna

 

IG

Perc.

140

143

146

149

152

155

158

161

164

167

13

p10

38,6

40,0

41,3

42,6

42,8

42,2

45,6

47,2

49,0

52,2

 

p90

51,3

53,1

54,9

57,0

58,8

60,7

62,7

66,1

67,2

69,4

14

p10

39,5

40,9

42,3

43,8

45,2

46,7

48,3

50,1

51,8

53,4

 

p90

52,7

54,5

56,4

58,6

60,3

62,3

64,4

66,8

69,0

71,2

15

p10

40,4

41,8

43,3

44,9

46,3

47,8

49,4

51,3

53,0

54,6

 

p90

53,1

55,0

56,9

59,0

60,8

62,8

64,9

67,4

69,6

71,8

16

p10

41,3

42,8

44,2

45,9

47,3

48,9

50,5

52,4

54,1

55,9

 

p90

53,6

55,5

57,3

59,5

61,4

63,4

65,5

68,0

70,2

72,5

17

p10

42,4

43,7

45,2

46,9

48,4

49,9

51,6

53,6

55,3

52,1

 

p90

54,0

55,9

57,8

60,0

61,9

63,9

66,0

68,5

70,8

73,1

18

p10

42,7

44,2

45,7

47,5

48,9

50,5

52,2

54,1

55,9

57,7

 

p90

54,0

55,9

57,8

60,0

61,9

63,9

66,0

68,5

70,8

73,1

19

p10

43,6

45,1

46,1

48,4

49,9

51,6

53,3

55,3

57,1

58,9

 

p90

54,0

55,9

57,8

60,0

61,6

63,9

66,0

68,5

70,8

73,1

                   
 

Interpretação

 

Abaixo

de

p10

peso

insuficiente

Entre p10 e p90 peso adequado

Acima de p90* sobrepeso

 

* Verificar a ocorrência de retenção hídrica

Fonte: FESCINA (1997); MINISTÉRIO DA SAÚDE (2000)

Minist Ministéériorio dada SaSaúúdede (2005) (2005) Avalia Avaliaççãoão Antropom Antropoméétrica trica dede Gestantes Gestantes
Minist
Ministéériorio dada SaSaúúdede (2005)
(2005)
Avalia
Avaliaççãoão Antropom
Antropoméétrica
trica dede Gestantes
Gestantes

Faixa etária:

> 10 e < 60 anos

Referências usadas:

Atalah et al. (1997), IOM (1992) adaptado

Procedimentos para avaliar o estado nutricional da

gestante na primeira consulta pré-natal:

a) Calcular a idade gestacional

1 a 3 dias = considerar o n o de semanas completas

4 a 6 dias= considerar a semana seguinte

Ex: 14 semanas e 3 dias= 14 semanas

14 semanas e 4 dias = 15 semanas

  • Se PPG é conhecido

b) Calcular o IMC PG da gestante

Pontos dede Corte

Pontos

Corte

Diagnóóstico

Diagn

stico

>30

>30

Obesidade

Obesidade

29,99 25,0

29,99

25,0

24,99 18,5

24,99

18,5

<< 18,5

18,5

Sobrepeso

Sobrepeso

Eutrofia

Eutrofia

Baixo

Baixo peso

peso

Fonte: OMS(1995)

**

O

ideal é calcular com

o

IMC com o peso pré-gestacional ou o IMC

calculado até a 13 a semana gestacional. Caso não seja possível, avalie a

gestante com os dados da primeira consulta, mesmo que seja após a 13 a

semana gestacional

c) Baseado na classificação anterior, estimar o ganho de peso

semanal e total, verificando a Quadro 2

c) Baseado na classificação anterior, estimar o ganho de peso semanal e total, verificando a Quadro

11ºº trimestre

trimestre == at

atéé 1313 aa semana

semana

22ºº aoao 33ºº trimestre=

trimestre= 1414 aa ee <40

<40 aa semana

semana

Considerações (Saunders et al, 2009):

  • - Gestantes com estatura <1,47m = programar ganho de peso total mínimo

  • - Ganho de peso >0,5kg/semana ou >3kg/mês após 20 semana = investigar edema e SHG

  • - Gestantes que já atingiram o ganho de peso total no 2 trimestre

Programar ganho de peso mínimo (gestantes com

sobrepeso ou obesas o ganho mínimo é de 0,5kg/mês, e para

as com baixo peso ou eutróficas o ganho de peso mínimo de

1kg/mês

Se PPG é  desconhecido a) Calcular o IMC gestacional atual b) Localizar no Quadro 1
Se PPG é
desconhecido
a) Calcular o IMC
gestacional atual
b) Localizar no Quadro 1 a
semana gestacional e a
posição do IMC
calculado, e classificar o
estado nutricional da
gestante
c) Verificar no Quadro 2 o
ganho de peso total e
semanal

Acompanhamento dada Gestante

Acompanhamento

Gestante

Ministéériorio dada SaSaúúdede (2005)

Minist

(2005)

Avaliar o ganho de peso pelo

estado nutricional inicial (Quadro 2)

ou

Utilizar o Gráfico de IMC por

semana gestacional considerando a

inclinação da curva do ganho de

peso da gestante

da da Gestante Acompanhamento da da Sa Sa ú ú de de (2005) Minist •

Curvas de Ganho de Peso para Acompanhamento

Ministério da Saúde (2005)

Curvas de Ganho de Peso para Acompanhamento Ministério da Saúde (2005) GESTANTE DE DE BAIXO PESO

GESTANTE

GESTANTE DEDE BAIXO

BAIXO PESO

PESO

Recomendação:

Curva de ganho de peso

deve ter inclinação

ascendente maior que a

parte inferior da faixa BP

GESTANTE PESO GESTANTE PESO ADEQUADO ADEQUADO Recomendação : Curva de ganho de peso deve ter inclinação

GESTANTE PESO

GESTANTE

PESO ADEQUADO

ADEQUADO

Recomendação:

Curva de ganho de peso deve ter inclinação ascendente entre as faixa de A

GESTANTE SOBREPESO

GESTANTE

SOBREPESO

Recomendação:

Inclinação ascendente próxima da faixa S inferior ou superior, depende do estado nutricional inicial

GESTANTE OBESA GESTANTE OBESA Recomendação : Inclinação semelhante ou inferior, desde que ascendente, a curva inferior

GESTANTE OBESA

GESTANTE

OBESA

Recomendação:

Inclinação semelhante

ou inferior, desde que

ascendente, a curva

inferior de O

Avaliaççãoão Antropom

Avalia

Antropoméétrica

trica dede

Gestantes Adolescentes

Gestantes

Adolescentes

(( << 2020 anos)

anos)

Uso flexível da classificação do estado nutricional proposta

pelo Ministério da Saúde (2005)

Grávidas 2 ou + anos após menarca (> de 15 anos):

  • - Interpretação dos achados igual aos adultos

Grávidas < 2 anos após menarca:

  • - Medir a altura mensalmente

  • - Acompanhar o traçado da curva de ganho de peso-

preferencialmente ascendente

  • - Tratar como risco nutricional

  • - Enfatizar a abordagem nutricional

  • - Aumentar o número de consultas

Gestantes Adolescentes a) Calcule da idade gestacional b) Calcule o IMC PG e verifique nas curvas

Gestantes Adolescentes

  • a) Calcule da idade gestacional

  • b) Calcule o IMC PG e verifique nas curvas de

IMC/idade da OMS (2006) a posição do percentil.

Classifique de acordo com a tabela abaixo:

Percentil

Classificação

<3

Baixo peso

3 e < 85

Eutrofia

85 e < 97

Sobrepeso

97

Obesidade

c) Programe o ganho de peso total utilizando o Quadro 2 até 9,1 No caso do

c) Programe o ganho de peso total utilizando o

Quadro 2

c) Programe o ganho de peso total utilizando o Quadro 2 até 9,1 No caso do

até 9,1

c) Programe o ganho de peso total utilizando o Quadro 2 até 9,1 No caso do

No caso do PPG ser desconhecido: faça a avaliação

inicial com base no IMC gestacional atual conforme feito

para gestantes adultas