CAPÍTULO VINTE E TRÊS Eu corri pelo corredor após Brigh.

As paredes de alabastros brilhavam polidas, tornando o corredor alto e aparentemente interminável parecer mais brilhante do que realmente era. —Qual foi à mensagem? — Meu peito apertado, não do esforço de correr, mas dos pensamentos horríveis que se infiltraram em minha mente sobre o que Parthalan poderia ter feito ou ameaçado fazer. Conhecendo-o, seria ruim. Ela parou na frente de um conjunto de portas de madeira duplas, uma incrustação de um olho de ouro no centro de cada uma. As portas se abriram um momento depois, revelando uma câmera branca. Sem uma pausa, ela pegou minha mão e me puxou para dentro com ela. As portas fecharam, e a luz na parede iluminou. —O que é isso? — Eu perguntei quando minha visão distorceu. —É um transporte. Muito melhor do que subir as escadas. — Ela andou e murmurou algo ininteligível. Mudei-me para bloquear seu caminho. —A mensagem. O que era? Pela maneira que você está carregando, eu estou pensando que nós precisamos conseguir que este tipo de transporte se mova mais rápido. — Meu coração batia uma melodia sinistra contra minhas costelas enquanto eu olhava para o seu medo bem grudado nos olhos. —Eu não sei exatamente, mas assustou Gallagher. Se o assustou, então... Merda. Ele não se assusta com nada. — Ela sacudiu as mãos e jogou os braços ao meu redor. Eu tropecei de volta para a parede com ela. Quando eu não pude afastar a Fae tremendo para longe do meu corpo, eu esfreguei as costas dela até que ela se acalmou. —Sua luz é tão quente, — ela sussurrou contra a minha garganta. Estranho eu não acalmá-la completamente. Agarrei-a pelos baços e empurrei-a para trás longe o bastante para que eu pudesse ver o seu rosto. —Você pode ver o que Parthalan planeja fazer? — Eu perguntei.

Ela baixou os olhos, esfregou os braços. —Não é assim que funciona. E eu não quero ver. — Ela colocou a mão sobre os olhos, uma criança com medo de olhar para o monstro. Gostaria de saber quantos anos ela tinha. Imaginei final da adolescência, mas considerando o quão lentamente os Fae envelhecem, ela poderia ter quatrocentos anos no lugar de quinze. —Então como isso funciona? —Eu vejo visões ao invés de caminhos certos, como quando você escapou de Parthalan e partiu para Dun Bray. Nada com ele está sempre certo. Sua loucura o torna muito imprevisível para ver, e sua ambição faz com que ele seja perigoso. — Ela encontrou meu olhar com os olhos assombrados. —Ele ainda pode ganhar. Ele ainda pode destruir tudo o que somos e cada último ser humano sobre a terra. Tudo que ele precisa é que você faça isso. Eu caí contra a parede da câmera. Ela falou a verdade, mas ouvir de uma vidente dizer isso em voz alta, desmoronou o momento que eu estava construindo. As portas se abriram. Pânico lançou-me para fora do transporte sob um teto abobadado de vidro. A enorme sala circular cantarolava, preenchida com pelo menos cinquenta Fae, sentados, em pé, alguns conversando e olhando distraidamente alguns nas paredes de alabastro. Suas posturas, vozes baixas e os olhos dardejando traiu um medo comum. Liam levantou de uma cadeira de couro preto, uma de muitas que rodeava uma mesa redonda do tamanho de uma pequena casa. Corri, incapaz de descascar meus olhos longe dele como os outros estavam. Barbeado, com o cabelo espetado um pouco – semelhante à primeira vez que eu o vi – vestia jeans leve e uma camiseta branca. Parei antes que eu o tocasse, percebendo quantas pessoas estavam observando. Ele continuou vindo, agarrou-me num abraço apertado até que eu pensei que ele fosse me quebrar em duas. Eu o abracei, pressionando meu rosto contra seu peito e inalando seu cheiro até sua

essência abafar todo o resto. Tremendo, ele agarrou meu rosto e esmagou seus lábios contra os meus. Nossa luz queimando, permeando-me o meu âmago. Eu me abri para ele, aproveitei a suavidade de seus lábios, a habilidade da sondagem de sua língua. Quando ele finalmente me liberou, eu encontrei em pé Nix ao nosso lado. A visão dele trouxe meus pensamentos de volta à realidade. Eu coloquei a mão no rosto de Liam. “Eu perdi você,” ele disse através do nosso link. “Senti sua falta também. Admito isso, mas eu não sou uma exposição pública, e nós meio que temos um grande problema agora.” Gostaria de saber se Liam colocou por aquele pequeno visor para o benefício de Nix, mas eu empurrei isso de lado. Mensagem agora, preocupações mesquinhas mais tarde. —Qual é a mensagem? — Eu perguntei a Gallagher. Minha voz ecoou de volta para mim do teto. Neasa se aproximou. Sua boca estava aberta, eu assumi, após o exame da minha roupa. Garret sentado encolhido ao lado de uma lareira de pedra além da mesa. Ele me lançou um olhar, e os cantos de sua boca caiu em uma carranca. Depois de chutar a cadeira mais próxima o bastante, ele bateu contra a mesa, ele cruzou os braços sobre o peito e fez uma careta. Gallagher se levantou e caminhou diretamente para mim como se seus olhos nublados pudessem realmente me ver. Expressão de sua mandíbula, sombria flexionada, ele estendeu a mão e tocou meu braço. Instinto obrigou-me dar um passo para trás, e ele não insistiu. Eu gostei dele mais ainda. —Eu acho que seria melhor se o garoto saísse antes de começarmos. — Gallagher olhou para mim de uma forma que fez a minha coluna coçar. —Ele perdeu o pai ficando comigo aqui, Gallagher. Ele tem tanto direito de ouvir isso como eu tenho.

O Fae de cabelos brancos olhou para meu irmão. Depois de colocar as mãos nos bolsos, ele se aproximou. —Está longe da bondade para o que eu vou falar na frente do garoto. Trata-se do seu pai, e sua participação emocional nesta questão não vai nos ajudar a chegar a uma decisão sobre o que há a ser feito. Nós temos uma escolha difícil de fazer, e o resultado será, sem dúvida um efeito profundo sobre Garret. Meus joelhos queriam dar em mim, mas me mantive rígida e concentrada na respiração. Eu me aproximei para deixar escapar que ele era meu pai também, mas eu mantive meu juízo a meu respeito o tempo suficiente para lembrar por que eu não deveria. Liam deve ter ouvido e enfiou a mão na minha. Apertei-a enquanto as cores do salão empalideceram. A borda da consciência desgastada e ameaçou enviar-me para o abismo. —Eu acho certo, Gallagher, — Liam disse. —Eu posso falar com Garret, se quiser. Eu balancei minha cabeça, meus bloqueando as palavras na minha garganta. pensamentos caóticos

—Onde você conseguiu essas roupas horríveis? — Neasa se sentou em uma cadeira pesada de madeira perto e apertou as mãos no colo. Brigh, que estava ao seu lado, deu de ombros. —Agora não, Neasa. — Eu pensava o que dizer para Garret que não fosse aborrecê-lo mais do que ele já estava. —Por que você toca neste... — Neasa balançou o dedo para Liam, —... Mas se recusa a tocar no seu próprio povo? — Seus olhos me desafiaram. Eu olhei para Liam, que parecia saber o que eu queria. Ele fechou os olhos e nosso link abriu um momento posterior. “Eu digo a eles?” Eu perguntei. “Eles vão descobrir isso de qualquer maneira.‖ Seus olhos vagaram para Nix, um sorriso triunfante minúsculo se espalhando por todo o seu rosto.

“Pare com isso, Liam‖. Eu balancei a cabeça e virei para Neasa. — Eu farei isso em breve, porque não temos tempo para essa merda de protocolo. Eu e Liam fomos acasalados perante a Deusa há poucos dias. Não, não foi a nossa escolha. Não posso deixar de tocá-lo, e eu não sei como me sinto sobre isso, apenas é o que é. Com o meu olhar fixo no meu irmão, eu caminhei para ele, o peso de todos os olhares no salão pressionados sobre mim. Uns poucos suspiros e sussurros seguiram. —Garret. — Eu me sentei ao lado dele. —Eu não tenho tempo para explicar isso para você corretamente, mas eu preciso de que você volte para o seu quarto até que eu vá pegar você. Quando ele deu um pulo, eu o puxei de volta para baixo e coloquei um dedo sobre os seus lábios. Sua mandíbula flexionou, e seus olhos se estreitaram. —Eu lhe dou minha palavra, que eu vou explicar tudo depois de eu falar com essas pessoas. — Se eu fosse qualquer outra pessoa, a escuridão por trás de seus olhos poderia ter me feito encolher. Ele não falou, chutou uma das cadeiras da mesa e correu de volta para o transporte. Quando um dos guardas em uma túnica branca o seguiu, Garret olhou para ele. O que diabos aconteceu antes de eu chegar aqui? Quando as portas fecharam, eu me levantei e fui até a mesa onde Liam esperava. Ele fez sinal para eu sentar na cadeira vazia ao lado dele. Aqueles que não tinham um lugar na mesa estavam em um círculo por trás das cadeiras. —Qual é a mensagem? — Eu perguntei de novo. Gallagher sentou-se reto na cadeira e fechou os olhos. Sua cabeça se contorceu como se algo o machucasse. Quando Parthalan apareceu no meio da mesa, eu empurrei a cadeira para trás com força suficiente e ela tombou, jogando-me no chão junto à lareira. —Está tudo bem. — Nix ofereceu sua mão para me ajudar. — Gallagher está projetando a mensagem que ele recebeu de um dos telepatas do Parthalan. Depois de tomar algumas respirações profundas para superar a onda de pânico, eu peguei a mão de Nix e se levantei. Suas mãos eram grandes e ásperas. Mãos de um homem trabalhador. Eu gostei disso.

Liam pairou ao nosso lado, olhando fixamente para a Mosqueteira loira. Eu balancei minha cabeça, deixando ambos para trás e sentei à mesa. A ilusão desempenhou diante de mim. Parthalan sentado em um quarto escuro, vestindo uma camisa listrada vermelha com manchas de sangue espessa o suficiente para ser confundido de alguém. Ele se inclinou para frente, os cotovelos sobre os joelhos, o cabelo pilhado acenando em torno de sua cabeça. —Embora eu tenha gostado da perseguição, minha querida, minha paciência com você chegou ao fim. Você vai voltar para a Cidade Negra antes do sol se pôr no mundo humano, amanhã ou Donovan vai sofrer por sua recusa. Com um suspiro, eu disparei para cima da mesa. —Ele não está morto? Mas – eu o vi entrar em colapso. Liam passou os braços ao meu redor por trás e me puxou contra ele. Lutei com o seu aperto. A ilusão continuou. —Ele já sofreu mais do que qualquer Fae sofreu e sobreviveu, mas prometo que sua dor vai crescer a cada hora que você se atrasar. Ele vai pedir para morrer antes que eu conceda. — Parthalan ficou de pé, sua carranca evoluindo para um sorriso psicótico. Ele caminhou até o outro lado do quarto. Isso tinha a aparência de um calabouço de um velho castelo, as correntes penduradas nas paredes, como braços quebrados. Salpicos escuros marcados na pedra, o sangue provavelmente velho. O próximo conjunto de algemas continha um Fae caído para frente. O sangue escorria em um fluxo constante de sua cabeça curvada. Meu coração parou quando Rourke entrou na imagem, agarrou o Fae pelos cabelos e puxou sua cabeça para que eu pudesse ver o rosto. Mal reconhecível como um Fae, golpeado e revestido em sangue, eu só podia ver o cavanhaque em seu queixo. Os sons no salão desapareceram sob o ensurdecedor do meu batimento cardíaco. Meu pai.

Rourke se virou como se ele soubesse exatamente onde me encontrar, piscando seu sorriso lunático. —Permitam-me. — Ele puxou um pano do bolso de suas calças pretas e limpou o caminho de sangue. —Merda! — Eu soltei. —Pare, por favor, pare por um segundo. — ‗O homem de vidro fala apenas mentiras’. O aviso da minha mãe ecoou na minha cabeça. Gallagher piscou e se sentou para frente em sua cadeira. A imagem congelou. —O que é isso, Lila? —Eu vi a queda de Donovan. O sangue derramado de seus olhos e ouvidos quando nós pulamos da janela. Existe mais alguém que não seja Donovan e Garret que podem criar ilusões? — Eu apontei um dedo trêmulo no holograma de Parthalan. —Isso tem que ser um truque. —É possível, — disse Gallagher. —Essa é uma das razões pelas quais eu não queria que Garret visse isso ainda. À minha direita, uma Fae fêmea com o cabelo marrom claro pigarreou. —Eu posso ver através de qualquer glamour Fae, e não vejo nenhuma ilusão aqui. —Mas você está vendo o que eu vejo, Granya, — Gallagher disse. —Pode tornar o seu poder ineficaz nesse caso. Ela assentiu com a cabeça, deixou cair o olhar para a mesa, então virou para mim e deu um sorriso simpático. Alguns dos outros ao redor da mesa sussurravam uns aos outros, com os rostos todos igualmente sombrios. Eu caí de volta na minha cadeira quando a tontura me envolveu. —Okay. — Eu plantei minhas mãos sobre a mesa para me equilibrar. —Vamos ver o resto. — Eu falei as palavras, mas a voz no fundo da minha cabeça gritou para não olhar. Eu tinha que ver. Gallagher fechou os olhos e a cena continuou com Rourke jogando o pano ensanguentado no chão. Parthalan apareceu no outro lado do meu pai, entregou um punhal com uma lâmina curvada para Rourke, que girou uma vez em seus dedos com a habilidade que somente anos de prática poderia ter aperfeiçoado. Ele riu e apertou a ponta dela no peito de Donovan na base da sua garganta. Os olhos de cristais do meu

pai arregalaram-se. Ele gritou quando Rourke deslizou a lâmina mais abaixo de sua pele. Fazendo uma linha escarlate como rastro. Peguei a mesa até que meus dedos ficaram brancos. O som da dor do meu pai invadiu meus ouvidos e injetou ácido em minha alma. Parthalan andou de volta para sua cadeira e se sentou. —Se isso não convencê-la a retornar, então eu vou começar armando meus humanos assassinos com armas Fae. Sua linhagem animal tem me divertido, mas eu cresci entediado. Talvez um pouco de ação violenta poderia... Entreter-me. — Ele me soprou um beijo, o sangue de sua mão manchando sua boca de vermelho. Gemendo, ele lambeu os lábios. —Vejo você em breve, princesa. A ilusão desapareceu, juntamente com o ar nos meus pulmões. Eu me levantei da cadeira, tropeçando em direção à parede e esmaguei o meu punho contra ela novamente e novamente até que Liam agarrou meus pulsos e os apertou contra a superfície lisa. Eu gritei. —Eu poderia tê-lo salvo. —Não, — Liam disse. —Você não poderia. ―Vou matá-los. Eu vou matar todos eles.‖ —Ele está vivo. Vou mantê-lo dessa maneira. Liam girou ao meu redor, segurou meu rosto com as mãos e me obrigou a olhar para ele. Seus olhos azuis turbulentos puxando cada músculo do meu corpo. —Nós não sabemos ao certo. — Liam desviou o olhar. —Donovan tinha medo que isso pudesse acontecer. Eu dei o meu juramento que eu não iria deixar você voltar por ele, e eu pretendo manter minha palavra. Eu dei um soco em seu peito, arrancando um gemido dele. —Eu não vou deixá-lo sofrer e morrer assim! —O assunto do Unseelie não interessa para nós, Majestade. — Neasa cruzou as mãos sobre a mesa. —Precisamos decidir nossa defesa antes que ele aumente a guerra entre os humanos. Incapaz de conter a raiva instantânea, corri para ela, imaginando minhas mãos em volta do seu pescoço magro. A tampa do meu poço de

energia sacudiu, mas não forneceu. Caso contrário, ela teria sido dobrada em uma pilha de carne no chão. Uma comoção passou ao meu lado antes que alguém me pegasse e me prendesse no azulejo frio. Eu lutei contra Nix enquanto ele me prendia em seus braços com esforço. —Sinto Muito, — ele disse entre grunhidos. —Eu não quero que você faça qualquer coisa que se arrependerá mais tarde. —Eu não me arrependo dessa maldita bruxa sem coração! Nós gritamos quando Nix voou para cima, trazendo-me com ele. —Deixa-a ir. — Os dedos de Liam travados na camisa de Nix. —Basta! — Enfiei a mão em cada um de seus peitos, tomando algumas respirações para me acalmar. Suas energias com gostos diferentes. Nix parecia mudo de alguma forma, mas ambos se arrastaram até os meus braços como uma onda de calor e ameaçou me oprimir. Afastei-me, sacudi meus dedos do formigamento. —Eu prometo que não vou arrancar suas cabeças hoje. Então o que fazemos agora? —A rainha deve invocar o seu povo de volta, — disse Gallagher. Encontrei-o parado atrás de mim, com as mãos nos bolsos. —Por que eles foram embora em primeiro lugar? — Eu segurei os punhos contra as minhas pernas ainda lutando com o desejo de bater em alguma coisa. —Quando sua mãe foi embora, eles ficaram com medo que os Unseelies destruíssem a cidade. Eles fugiram e se esconderam entre os seres humanos. Meu sangue queimou pelo meu corpo, uma raiva que eu mal podia conter. —Bem, isso é simplesmente perfeito. Uma pessoa sai e todos fogem? Fodidos covardes. Eles abandonaram a cidade para morrerem. O que eu quero com um bando de egocêntricos maricas? —Você precisa trazê-los. Construir-nos em uma nação. Faça-nos orgulhosos de chamar a nós mesmos Seelie novamente.

Eu pisquei para ele por um longo tempo. —Eu não sei como fazer isso. Eu nem tenho certeza se eu quero. —Chame-os de volta, e eu vou ajudá-la. — Gallagher fez um gesto para o resto dos Fae no salão. —Todos nós temos força de vontade. —E quanto a Donovan? —Coloque um aviso externo, e nós falaremos sobre isso. Esfreguei minha testa para aliviar o peso da tarefa impossível descansando ali. —Assim, em outras palavras, não vamos fazer porra nenhuma? Gallagher se aproximou, ofereceu-me sua mão. Depois de uma breve hesitação, eu suspirei e peguei. —Nós não vamos arriscar sua segurança, Lila, mas eu dou a você meu juramento de que, se houver uma maneira de salvar esse Fae, isso será feito. Estudei seu rosto e não encontrei nenhum engano. Seu toque me confortou, minou a raiva de mim, bem como uma dose de diazepam. —Obrigada. — O rasgo na minha alma não interrompeu o sangramento, mas não doeu tanto. A testa de Gallagher enrugou quando ele colocou os dedos contra as têmporas e fechou os olhos. —O que você está fazendo? — Eu contorci por um instante. O que ele pode encontrar na minha cabeça? Ele sabe que eu sou uma mestiça? Com um rosnado, eu puxei minha mão. —Saia da minha cabeça. —Incrível, — ele sussurrou. —Perdoe-me, mas eu não pude evitar. A Deusa deu a você a visão. Se eu não visse por mim mesmo, eu não teria acreditado. Suspiros e sussurros aumentaram em um coro ao redor do salão. —Eu aprecio que você não anunciou minha merda pessoal para um bando de estranhos.

Ele assentiu com a cabeça, as mãos caíram para os lados, e sua boca rejeitou nos cantos. —Devo dizer-lhe, que não é tudo aquilo que mudou com você. Eu segui o seu olhar quando ele se virou para Liam, que se mexeu ao meu lado. —Ele tem bloqueado mais do que sua Luz, — Gallagher disse. Minha boca se abriu quando registrei suas palavras. Eu me virei para encarar Liam. —O que ele está falando? Liam não cumpriu o meu olhar. —Eu fiz isso para protegê-la. —Fez o quê? — Eu joguei minhas mãos, me aproximando. Nix veio por trás de Liam, estava pronto com uma ampla postura, os olhos em mim. Liam rosnou. —Depois que nós... O seu pensamento com Parthalan, quando ele disse que você reagiu a ele... —Alguém poderia me dizer o que diabos está acontecendo aqui? Porque eu não falo gaguejando e meias palavras. —Ele inibiu a sua atração por outros Fae, — Gallagher disse. —Como um rádio, ele ajustou você à sua frequência e bloqueou o resto. Meus olhos se arregalaram. —Você o quê? É por isso que você não está tão disposto a me corrigir? Assim eu posso rastejar por cima de você como uma ninfeta apaixonada e você não precisa se preocupar com qualquer tipo de concorrência? — Apertei meu peito, um peso insuportável em cima dele que ameaçava esmagar-me como uma pasta. Eu apontei o dedo para ele, ofegante. —Você sabe como é difícil para mim confiar, e você puxa essa merda de mim? O que mais existe Liam? O que mais você não me contou, porque agora é a hora, porra! —Nada, — ele murmurou quando ele chutou o chão de ladrilhos. —Não há mais nada. —Perfeito. Então devolva a minha Luz desfaça a merda que você fez a mim.

Hesitante, ele fechou a distância, procurando em todos os lugares, porém por mim. —Lila, eu... —Salve isso. Eu sabia que havia uma razão para eu não confiar em você. Acho que meus instintos estão sempre certos. Ele balançou a cabeça, os ombros caídos. —Preciso tocar o seu peito nu. Quero dizer, não – acima dos seus... — Ele fez um gesto para os meus seios. —Apenas faça. Depois de lutar com a minha camisa, ele foi para trás de mim e colocou suas mãos para baixo da gola até as suas mãos descansarem contra a pele abaixo da minha garganta. A pressão sob suas mãos me fez gemer e travei meus joelhos para permanecer em pé. Sua respiração se acelerou, e ele gemeu. Eu gritei quando minha energia inundou pelo meu corpo, brilhando através da minha pele como se eu tivesse engolido algo radiativo. Um momento depois, todos os Fae no salão se iluminaram em minha mente – as luzes do salão – alguns dos outros. Liam sussurrou em minha mente quando ele me soltou, ―Eu te amo”. Engoli após o caroço gigante na minha garganta. Meu rosto endureceu em uma máscara de pedra que eu tinha usado durante anos. Mesmo a voz em minha mente se transformou fria. Eu pensei lento, palavras apontadas para ele. “Como você ousa dizer isso para mim! Eu nem sei o que essas palavras significam, mas eu sei que você não iria me tratar como sua puta pessoa, se você me ama.” Como eu pude ter imaginado uma vida com ele? Eu vivi sozinha toda a minha vida adulta e tinha sobrevivido muito bem. Talvez fosse esse o jeito que deveria ser. —O que fazemos com ele? — O olhar aquecido de Nix estava fixo em Liam. Meus olhos fecharam, roubando a situação do Unseelie. —Tirem ele da minha vista.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful