WANDER GARCIA

7a ED

COMO PASSAR

ÃO

Um dos maiores especialistas em Exame de Ordem do País

20

11

NA

OAB
ATUALIZAÇÃO N o 1
DO EXAME 2011.1

1a FASE

PROVA OBJETIVA COMENTADA

1. Ética Profissional
Arthur Trigueiros Em termos de processo disciplinar perante a OAB, é correto dizer que, havendo representação contra presidente de seccional, o órgão competente será o
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) (A) (B)

ética a conduta do advogado de patrocinar pretensão contra literal disposição de lei, presumindo-se a boa-fé quando fundamentado na inconstitucionalidade, na injustiça da lei ou em pronunciamento judicial anterior (art. 34, VI, do EAOAB – Lei 8.906/94).
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) Caio

(C) (D)

Conselho Federal da OAB. Conselho Federal da OAB, quando houver impedimento de dois terços do Conselho Seccional de origem para o julgamento. Conselho Seccional que for escolhido pelo Conselho Federal da OAB, por maioria absoluta. próprio Conselho Seccional, impedido o presidente.

é eleito Senador da República e escolhido para compor a mesa do referido órgão legislativo. Como advogado regularmente inscrito nos quadros da OAB, pretende atuar em causa própria e realiza consulta nesse sentido à OAB. Quanto ao tema em foco, de acordo com as regras estatutárias, é correto afirmar que a atuação de Caio
(A) (B) (C) (D)

2

A: correta, visto que a representação contra presidente de Conselho Seccional, ou mesmo Conselheiro Federal, determinará a competência do Conselho Federal da OAB, não se aplicando a regra geral segundo a qual competirá ao Conselho Seccional em cuja base territorial ocorrer a infração o poder (e dever) de punir o infrator ; B, C e D: incorretas, pois, como dito, competirá sempre ao Conselho Federal da OAB processar e julgar infração ético-disciplinar praticada por Presidentes de Conselhos Seccionais e membros do próprio Conselho Federal.
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) Mévio aceita defender um

poderá ocorrer, nessa situação, mediante autorização especial. não é possível, sendo o caso de incompatibilidade mesmo em causa própria. é possível, pois a função exercida caracteriza mero impedimento. em causa própria constitui uma exceção aplicável ao caso.

cliente. Após ampla pesquisa, verifica que a legislação ordinária não acolhe a pretensão dele. Elabora, pois, a tese de que a legislação que não permite o acolhimento da pretensão do seu constituído padeceria do vício de inconstitucionalidade e recomenda que não haja o cumprimento da referida norma. À luz das normas estatutárias, é correto afirmar que
(A) (B) (C) (D)

(OAB/Exame Unificado – 2011.1) Juvenal, estagiário regular-

mente inscrito nos Quadros da OAB, em processo no qual se encontra indicado como tal, retira do cartório os autos do processo, deixando de devolvê-los no prazo legal. Regularmente intimado, mantém a sua inércia. Em termos disciplinares, é correto afirmar que
(A) (B) (C) (D)

A: incorreta, visto que nem sempre pleitear contra expressa disposição legal gerará a presunção de má-fé do advogado, conforme se verá nos comentários à alternativa D; B: incorreta, pois se uma lei for eivada de vício (inconstitucionalidade, por exemplo), não se poderá presumir a má-fé do advogado; C: incorreta, pois, como dito, nem sempre advogar contra o texto expresso da lei caracterizará postulação de má-fé; D: correta. De fato, configurará infração

o estagiário não sofre sanções disciplinares. não há diferença na atuação do estagiário e do advogado para efeito de sanções disciplinares. no caso em tela, não haverá qualquer sanção nem ao advogado nem ao estagiário. o advogado responsável pelo estagiário é o destinatário das sanções nesse caso.

Gabarito "B"

ao pleitear contra expressa disposição de lei no caso referido, presume-se a má-fé. mesmo sendo a lei eivada de vício, não seria possível presumir boa-fé. se caracteriza a hipótese de postulação com má-fé contra literal disposição de lei. a situação é permitida, diante do possível vício alegado pelo advogado.

A: incorreta, pois Caio, Senador, ao passar a compor a mesa do referido órgão legislativo, tornar-se-á incompatível (art. 28, I, parte final, EAOAB – Lei 8.906/94), não sendo possível qualquer autorização para que possa desempenhar as atividades privativas de advocacia; B: correta (art. 28, I, parte final, EAOAB); C: incorreta, pois se Caio simplesmente fosse Senador, de fato a função exercitada caracterizaria mero impedimento (art. 30, II, EAOAB). Porém, sendo membro da Mesa do Senado Federal, como dito, será incompatível com a advocacia, não podendo postular nem mesmo em causa própria, sob pena de nulidade (art. 4º, EAOAB); D: incorreta, pois, como dito, a incompatibilidade permanece mesmo em se tratando de postulação em causa própria (art. 28, caput, EAOAB).

Gabarito "D"

Gabarito "A"

COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1

1. ÉTICA PROfISSIONAL

A questão é polêmica e talvez seja anulada pela banca examinadora. Com efeito, o enunciado é bastante claro ao mencionar que Juvenal, estagiário, retirou os autos do processo do Cartório Judicial, deixando de restitui-los mesmo após ser regularmente intimado para tanto. Nos termos do art. 29, §1º, I, do Regulamento Geral da OAB, é lícito ao estagiário retirar e devolver autos de processos judiciais, porém, sob a responsabilidade do advogado. Assim, certamente baseando-se em referido dispositivo, a banca optou por indicar como correta a alternativa D. Porém, na docência de Paulo Lôbo, eminente jurista na área da ética profissional do advogado, tratando da responsabilidade do advogado pelo extravio ou retenção abusiva de autos, infração geradora de suspensão dos quadros da OAB (art. 34, XXII, EAOAB – Lei 8.906/94), menciona ser ela “principal e solidária” (Comentários ao Estatuto da Advocacia e da OAB, 4ª edição, Ed. Saraiva, p. 42), donde se extrai que o estagiário que houver efetuado a carga dos autos também será responsabilizado. Portanto, em nosso entendimento, nenhuma alternativa é correta.
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) Caio, professor vinculado à Gabarito "D"

apresentadas, ameaça o profissional com futura representação disciplinar. O cliente não negou ter autorizado a utilização das informações. Diante de tal quadro, é correto afirmar que
(A) (B) (C)

(D)

ao advogado é permitida a divulgação de confidências, com autorização do cliente. essa divulgação depende de autorização judicial. mesmo com autorização, fatos considerados confidenciais na relação cliente-advogado não podem ser divulgados judicialmente. as confidências epistolares são protegidas pela imunidade absoluta quanto à sua publicidade.

(A)

(B) (C) (D)

o docente em cursos de Direito não pode exercer a advocacia, sendo circunstância de incompatibilidade. enquanto durar o exercício do magistério, a inscrição na OAB permanecerá suspensa. é situação peculiar que permite o exercício da advocacia mesmo contra entidade vinculada. a situação caracteriza impedimento, uma vez que há vínculo da Universidade com a União Federal.

A prescrição para a cobrança de honorários advocatícios tem como termo inicial, consoante as normas estatutárias,
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) (A) (B) (C) (D)

o dia do primeiro ato extrajudicial. o início do contrato de prestação de serviços. a data da revogação do mandato. a sentença que julga procedente o pedido em favor do cliente do advogado.

(OAB/Exame Unificado – 2011.1) O advogado Walter recebe

correspondência eletrônica relatando fatos que o seu cliente apresentou como importantes para constar em processo judicial a ser iniciado. Expressamente, em outra mensagem também eletrônica, autorizou a utilização das informações nas peças judiciais. Proposta a ação, os fatos foram publicizados, vindo o cliente a se arrepender da autorização dada. Com isso, busca reverter a situação por ele criada. Diante da informação de que, uma vez nos autos processuais, não poderia haver retirada das petições

Os advogados Pedro e João desejam estabelecer sociedade de advogados com o fito de regularizar o controle dos seus fluxos de honorários e otimizar despesas. Estabelecem contrato e requerem o seu registro no órgão competente. À luz da legislação aplicável aos advogados, é correto afirmar que
(OAB/Exame Unificado – 2011.1) (A)

(B)

o Código de Ética não se aplica individualmente aos profissionais que compõem sociedade de advogados. é possível a participação de advogados em sociedades sediadas em áreas territoriais de seccionais diversas.

Gabarito "C"

A: incorreta, pois os docentes em cursos de Direito, desde que em faculdades públicas (geralmente autarquias), sequer sofrem as conseqüências dos impedimentos (não exercer a advocacia contra a Fazenda Pública que o remunere ou a qual se vincule sua entidade empregadora – art. 30, I, EAOAB – Lei 8.906/94), aos quais não se submetem por força do art. 30, parágrafo único, do EAOAB; B: incorreta, pois, como visto, os professores de cursos jurídicos em instituições públicas de ensino não sofrerão óbices ao exercício da advocacia (art. 30, parágrafo único, do EAOAB); C: correta. Como visto, embora os servidores públicos sejam impedidos de exercer a advocacia contra a Fazenda Pública que os remunere ou a qual seja vinculada a entidade empregadora (art. 30, I, EAOAB), com relação aos docentes de cursos jurídicos (desde que estejamos falando em instituições públicas de ensino), o EAOAB não impõe referidas vedações, tratando-se, de fato, de situação peculiar que permite o exercício da advocacia mesmo contra a entidade pública a que se vincular a instituição de ensino (art. 30, parágrafo único, EAOAB).
Gabarito "C"

A: incorreta. De acordo com o art.25 do Estatuto da OAB (EAOAB – Lei 8.906/94), a prescrição da ação de cobrança de honorários advocatícios é de cinco anos, contados: I - do vencimento do

contrato, se houver; II - do trânsito em julgado da decisão que os fixar; III - da ultimação do serviço extrajudicial; IV - da desistência ou transação; e V - da renúncia ou revogação do mandato. Portanto, o termo inicial não poderá ser o dia do primeiro ato extrajudicial, mas sim de sua ultimação (término); B: incorreta, pois, consoante art. 25, I, do EAOAB, o prazo de prescrição começará a fluir a partir do vencimento do contrato, se houver, e não do início da prestação dos serviços; C: correta. De fato, a partir da revogação do mandato, a relação cliente-advogado está extinta, cabendo ao advogado, a partir de então, intentar com demanda no prazo máximo de cinco anos (art. 25, V, EAOAB); D: incorreta. Apenas com o trânsito em julgado da decisão que houver fixado os honorários (ex.: honorários sucumbenciais ou honorários por arbitramento) é que terá início a prescrição qüinqüenal (art. 25, II, EAOAB).

Gabarito "A"

Universidade Federal, ministrando aulas no curso de Direito, resolve atuar, em causa própria, pleiteando benefícios tributários em face da União Federal. Nos termos do Estatuto, é correto afirmar que

A: correta, pois, de acordo com o art. 27 do Código de Ética e Disciplina (CED), os advogados poderão revelar confidências que lhes tenham sido feitas pelos clientes, desde que por eles autorizados, e nos limites das necessidades da defesa; B: incorreta, pois, como visto, a autorização para a revelação de confidências, por óbvio, deve partir do cliente; C: incorreta (art. 27, CED); D: incorreta (art. 27, CED). Mesmo as comunicações por carta (epistolares) serão passíveis de revelação judicial, desde que, como dito, haja a autorização do cliente, e sempre nos limites das necessidades da defesa.

3

XIII. desde que não estejam acobertados pelo sigilo. a prisão preventiva é aquela que está circunscrita na atuação da OAB. . acorre advogado ao local onde estão sendo realizados os trâmites procedimentais. quando não estejam sujeitos a sigilo. após aprovação em Exame de Ordem. mas não tem ciência do objeto da investigação. como relata a alternativa. e parágrafo único. obviamente. estar sendo investigada em processo sigiloso. configuram conduta incompatível com a advocacia (art. (OAB/Exame Unificado – 2011. somente com procuração o advogado terá acesso aos autos. A prerrogativa prevista no EAOAB diz respeito apenas à prisão em flagrante. apenas com procuração da parte interessada (leia-se: parte processual) é que o advogado poderá examinar os autos. alínea “c”. Diante dessas circunstâncias. não é passível de sanção disciplinar. e principalmente. uma vez que se trata de questão circunscrita à Saúde Pública. 15. ser a investigação sigilosa. 7º. 7º. estaríamos diante de privilégio infundado. o fato de a prisão atingir advogado indica a presença do representante da OAB. nelas não se inserindo a conduta do advogado de fazer uso habitual de drogas. Gabarito "B" A: incorreta. do Estatuto da OAB – EAOAB .1) Hércules. o art. sócio de uma sociedade. no caso em tela.ARThUR TRIgUEIROS (C) (D) a procuração é sempre coletiva quando atuante sociedade de advogados. a sanção disciplinar se aplica a eventual uso de drogas. é surpreendido ao praticar crime inafiançável. do Estatuto da OAB (fazer falsa prova de qualquer dos requisitos exigidos para a inscrição nos quadros da OAB. sendo o caso de aplicação da pena de suspensão ao advogado (art. §4º. admite-se que um advogado. de fato. D: correta (art. XXV. 35. à luz da legislação aplicável aos advogados. advogado. sendo preso em flagrante pela autoridade policial. formado. I. A prerrogativa referente à presença de representante da OAB ao ato de lavratura do auto de prisão em flagrante está diretamente ligada ao exercício profissional. só a prisão determinada pelo juiz é que permite a participação dos representantes da OAB. A autoridade competente. pois a procuração deve ser outorgada individualmente aos advogados. Nos termos das normas estatutárias. tornar-se moralmente inidôneo. em decisão escrita. mesmo sem procuração. XIII. mesmo sem urgência. Sem portar instrumento de A: correta. desde que em sediadas em outra base territorial (leia-se: outro Estado – Conselho Seccional). fora entrevistado por jornalista profissional. advogado recémGabarito "B" Túlio. Portanto. e. somente por motivo ligado ao exercício profissional é que a prerrogativa em questão deverá ser observada. Como visto. C: incorreta. tendo afirmado ser usuário habitual de drogas. XXVI a XXVIII. à evidência. que atua no seu escritório em algumas causas. B: incorreta. É absolutamente vedado que uma sociedade de advogados apresente como objeto qualquer atividade diversa das privativas de advocacia (art. consoante determina o art. do EAOAB. a toxicomania habitual. Diante dessa narrativa. do Estatuto da OAB (EAOAB – Lei 8.1) (A) (B) (C) (D) a prisão do advogado que demanda a intervenção da OAB é a originária do exercício profissional. Ressalte-se que a própria sociedade de advogados submete-se ao Código de Ética. por meio de membro da Comissão de Prerrogativas. IV. 37. C: incorreta. §2º. prática de crime infamante). do Estatuto da OAB (EAOAB – Lei 8. somente por motivo ligado à advocacia é que o advogado terá o direito de ver um membro da OAB assistir ao ato policial (art. Após conversas reservadas entre os advogados. na OAB. os termos da entrevista são confirmados. A toxicomania (uso de drogas) ou embriaguez. por vias transversas. é procurado por familiares de uma pessoa que descobriu. C: incorreta. embora.1) Esculápio. podendo tomar apontamentos.Lei 8. há longos anos. é direito do advogado examinar. à luz da legislação aplicável. De fato. D: incorreta. a atuação do advogado poderia ocorrer. 7º. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. é correto afirmar que (A) (B) (C) (D) A: incorreta. 7º. 34. Como ressaltado na alternativa anterior. identificando-se como advogado do investigado. As hipóteses de exclusão vêm taxativamente previstas no art. em processo sigiloso. é surpreendido com a notícia de que o advogado Sófocles. É direito do advogado. o processo sigiloso é acessível a advogado portando instrumento de mandato. A: incorreta. Como visto. B: incorreta.906/94). podem existir sociedades mistas de advogados e contadores.desde que não estejam sujeitos a sigilo. 4 crito. em qualquer órgão dos Poderes Judiciário e Legislativo. Caso contrário. por estar ausente o instrumento do mandato e. XIII. B: correta. A entrevista foi divulgada amplamente. submetem-se às regras deontológicas (regras éticas). 15. bem como o vício portado. EAOAB). B: correta. configure problema de saúde pública. ingressa na esfera ético-disciplinar como conduta incompatível com a advocacia. ins- procuração. C: incorreta. mesmo sem procuração. permite o acesso do advogado a autos de processos administrativos ou judiciais. os quais.906/94). A OAB é comunicada. (OAB/Exame Unificado – 2011. inclusive. afirmando o advogado Sófocles que continuaria a praticar os atos referidos. 16. Não há acordo quanto a eventual tratamento de saúde. não há penalidade prevista. EAOAB). dirige-se ao órgão investigador competente para obter informações. O uso eventual de substâncias entorpecentes. desde que habituais.906/94). Como visto. assegurada a obtenção de cópias. De acordo com o art. ou da Administração Pública em geral. e não de forma coletiva (art. apenas o uso habitual de drogas é que é capaz de caracterizar conduta incompatível com a advocacia. é composta por advogados regularmente inscritos na OAB. consoante art. Caso contrário. §3º. mesmo sem procuração. autos de processos findos ou em andamento. D: incorreta. EAOAB. indefere o postulado. o acesso dos advogados dos interessados a processos sigilosos romperia com a proteção que eles mereceriam. Assim. 15.906/94). não se estendendo à Gabarito "D" o advogado pode ser excluído dos quadros da OAB. Nesse caso. ainda. do EAOAB). sem mandato. lhes assiste o direito de simplesmente consultar/ examinar autos de processos findos ou em andamento. há sanção disciplinar aplicável. EAOAB). A sociedade de advogados. do Estatuto da OAB – EAOAB – Lei 8. mesmo que os advogados não requeiram a prática de qualquer ato. integre outras sociedades de advogados. como visto. aquelas previstas no Código de Ética e Disciplina. é correto afirmar que (A) (B) (C) (D) o acesso a processo sigiloso é possível aos advogados somente quando requeiram a prática de ato. advogado. acessar autos de processos findos ou em andamento.

pois. e não aquela decretada judicialmente (prisão preventiva ou prisão temporária). na dúvida. a inscrição principal do advogado deve ser feita no Conselho Seccional em cujo território pretende estabelecer o seu domicílio profissional (art. assim entendido como a sede principal da atividade da advocacia (art. 7º. à luz das normas estatutárias. 10. como mencionado na alternativa). 10. 5 . 10. o advogado pode eleger qualquer seccional para inscrição principal ao seu arbítrio. IV. Semprônio reside no Estado W.906/94). o Conselho Federal pode autorizar a inscrição principal fora da sede do escritório do advogado. EAOAB). onde mantém o seu escritório de advocacia. D: incorreta (art. B: correta. EAOAB). C: incorreta (art. EAOAB). do Estatudo da OAB (EAOAB – Lei 8. prevalecendo. No concernente ao tema. Gabarito "A" A: incorreta. D: incorreta. ÉTICA PROfISSIONAL (C) (D) prisão preventiva (art. pretende estabelecer domicílio. §1º. De fato. de acordo com o art. em alguns anos. considera-se domicílio profissional a sede principal da atividade de advocacia. 10. a prisão realizada pela autoridade policial é que permite e determina a presença física de um representante da OAB. do Estatuto da OAB – EAOAB – Lei 8. a inscrição principal está subordinada ao domicílio profissional do advogado. 10. mas requer sua inscrição principal no Estado K. §1º. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011.906/94). prevalece o da sede principal do exercício da advocacia. o domicílio da pessoa física do advogado (e não o da sede principal do exercício da advocacia. Ao contrário.1) (A) (B) Gabarito "B" na dúvida entre domicílios. onde.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 1. EAOAB).

A decisão do Tribunal de Justiça que declara a inconstitucionalidade de lei local em face da Constituição Estadual é irrecorrível. Assim. Já o art. A EC 35/01 retirou do texto constitucional a exigência de licença por parte das respectivas casas. cabe à União. da CF determina que recebida a denúncia contra o Senador ou Deputado. conforme dispõe o art. Direito Constitucional Bruna Vieira (OAB/Exame Unificado – 2011. 53. pois o art. por crime ocorrido após a diplomação. De fato. ou seja. 24. poderá. À União compete legislar sobre direito processual e normas gerais de procedimentos. o STF só pode receber a denúncia após a licença do Congresso Nacional. 53. (A) (B) Em relação ao controle de constitucionalidade em face da Constituição Estadual. assinale a alternativa correta. que. até a decisão final. ressalvada a oposição de embargos declaratórios. XI. B: errada. se a norma constitucional estadual tomada como parâmetro reproduzir idêntico conteúdo de norma constitucional federal. há possibilidade da interposição de recurso extraordinário ao STF. o STF só pode receber a denúncia após a licença da Câmara dos Deputados. assinale a alternativa correta. significa que a lei estadual ou municipal. (OAB/Exame Unificado – 2011. por lei complementar. D: correta. que serviu de parâmetro para a declaração da inconstitucionalidade. a Câmara dos Deputados pode sustar o andamento da ação penal. os Estados e o Distrito Federal a legislação sobre procedimentos em matéria processual. também viola a CF. 22. objeto do controle. a mesma regra consta também da CF. Gabarito "D" . no modo concentrado. C: errada. ainda que seja apenas reprodução do texto da CF. A competência para legislar sobre defesa dos recursos naturais é privativa da União. Ocorre que. A competência para legislar sobre defesa dos recursos naturais também é concorrente (art.1) (A) (B) (C) (D) Não é possível o controle de constitucionalidade no plano estadual. o Congresso Nacional pode sustar o andamento da ação penal. Nesse caso. da CF). A competência para legislar sobre direito urbanístico é concorrente. cabe à União legislar tanto sobre direito processual como sobre normas gerais de procedimento. as atribuições dadas por essa competência não podem ser objeto de delegação. pois é matéria de interesse nacional. I. Desde que a regra esteja prevista na Constituição Estadual. (B) (C) (D) Considere a hipótese de Deputado Federal que cometeu crime (comum) após a diplomação. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011.2. da CF). Compete aos Estados a instituição de representação de inconstitucionalidade de leis ou atos normativos estaduais ou municipais em face da Constituição Estadual. B: errada. a decisão a ser dada nesse recurso produzirá os mesmos efeitos de uma decisão dada Gabarito "B" A competência para legislar sobre direito urbanístico é privativa dos Municípios. O art. C e D: erradas. A: errada. em regra. da CF dispõe que direito processual é da competência privativa da União. é possível a utilização de tal norma como parâmetro para o controle de constitucionalidade concentrado na esfera estadual. Nesse caso.1) (A) (C) (D) 6 A: errada. como o Tribunal de Justiça não tem competência para dizer se a lei está ou não de acordo com a CF. é indelegável. da CF determina que é competência concorrente entre a União. também chamada de administrativa ou não legislativa. A “Casa respectiva” de um Deputado Federal é justamente a Câmara de Deputados. §3º. ou seja. VI. A competência material. excepcionalmente. Não é o Congresso Nacional quem tem competência para tanto (art. § 3º. aos Estados e ao Distrito federal legislarem sobre o assunto. De fato é a Câmara de Deputados quem pode sustar o andamento da ação penal. 24. Se o artigo da Constituição Estadual. nas hipóteses de prisão e processo criminal em face de Deputado Federal e Senador. pode haver recurso. a regra é que a decisão do Tribunal de Justiça que declara a inconstitucionalidade de lei local em face de Constituição Estadual é irrecorrível. II. reconhecida a legitimação para agir aos mesmos órgãos e entidades legitimados a propositura de ação direta de inconstitucionalidade. por iniciativa de partido político nela representado e pelo voto da maioria de A: errada. Desse modo. pois é matéria de interesse local. 24. tratar de uma norma de reprodução obrigatória. A competência material da União pode ser delegada aos Estados. da CF. E um detalhe importante: segundo o Supremo. o Supremo Tribunal Federal dará ciência à Casa respectiva. B: correta. Não ofende a Constituição da República norma de Constituição Estadual que atribui legitimidade para a propositura de representação de inconstitucionalidade aos Deputados Estaduais e ao Procurador-Geral do Estado. seus membros. sustar o andamento da ação.1) A respeito da distribuição de competências adotada pela Constituição brasileira.

I. C: correta. Tal dispositivo foi acrescentado pela EC 45/04 e é. Podem. que será dada aos mesmos órgãos e entidades legitimados a propositura de ação direta de inconstitucionalidade. II. declarada judicialmente. §1º. D: errada. de fato. portanto. não ofende a garantia de acesso ao Poder Judiciário a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de ação judicial na qual se pretenda discutir a exigibilidade de crédito tributário. mas só se tal ato se der por sentença judicial transitada em julgado (art. I. C: errada. 27 da Lei nº 9. ambos da CF). da CF). A todos. mediante pagamento de taxas. da CF. 86. do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da Federação é considerado crime de responsabilidade. No tocante à legitimação. I e II. e 37. “a”. Sepúlvida Pertence. 103 da CF. B: correta. da CF. do Ministério Público e dos Poderes constitucionais das unidades da federação (art. Só se admite acusação contra o Presidente da República por três quintos da Câmara dos Deputados. V. O Presidente ficará suspenso de suas funções nos crimes de responsabilidade somente após a condenação pelo órgão competente. 125. LXXVIII. C: correta. Manifestação do Advogado-Geral da União. portanto. II. no julgamento do RE 261. I. A Câmara dos Deputados. 85. 102. em regra. Desse modo.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 2. 86. (C) (D) Compete ao Congresso Nacional processar e julgar o Presidente da República nos crimes de responsabilidade. 9. Compete ao Senado Federal. §2º. (OAB/Exame Unificado – 2011. O princípio da razoável duração do processo ou celeridade processual está previsto no art. 52.1) (A) Objeto da ação. D: errada. O art. é possível concluir que as cláusulas pétreas não podem ser objeto de emenda tendente a aboli-las. e não ao Congresso. e art. À EXCEÇÃO DE UMA. Min. De fato o rol de legitimados para a propositura das ações não é uma diferença entre a ADI e a ADC. do Poder Judiciário. É o chamado juízo de admissibilidade da Câmara. são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação. da CF). um exemplo clássico de ampliação dos direitos individuais.868/99). 5º.667. incapacidade civil relativa. (B) (C) A respeito do regime de responsabilidade do Presidente da República. o STF também pode se valer do mecanismo chamado modulação dos efeitos (art. D: correta. do Poder Judiciário. Se o crime for de responsabilidade. X. improbidade administrativa. da CF apenas veda a atribuição a um único órgão. O direito de peticionar aos órgãos públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder pode ser exercido independentemente do pagamento de taxas. da CF determina dois momentos para o início da suspensão das funções do Presidente. da CF). ambos da CF). §1º. sofrer perda ou suspensão à luz das normas constitucionais pelo seguinte fundamento: (OAB/Exame Unificado – 2011. os mesmos órgãos e pessoas que podem propor ADI. 15. Nessa hipótese. 15. Gabarito "B" em sede de controle concentrado.1) (A) (B) (C) (D) Gabarito "C" cancelamento de naturalização por decisão administrativa. C: errada. Na ADC não há manifestação do Advogado-Geral da União. Na ADC apenas lei ou ato normativo federal é que pode ser objeto (art. B: errada. mencionado que é inconstitucional a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de ação judicial na qual se pretenda discutir a exigibilidade do crédito tributário. não ofende a CF. D: errada. O Poder Judiciário admitirá ações relativas à disciplina e às competições desportivas paralelamente às ações movidas nas instâncias da justiça desportiva. tem de autorizar a instauração do processo contra o Presidente. contempla lei ou ato normativo federal ou estadual que afronte a CF. pois a EC 45/04. equiparou os legitimados. Segundo o STF. Gabarito "C" De acordo com posição consolidada do Supremo Tribunal Federal. DIREITO CONSTITUCIONAL As alternativas a seguir apontam diferenças entre a ADI e a ADC. III. após o recebimento da denúncia ou queixa-crime pelo STF. (OAB/Exame Unificado – 2011. é que terá influência nos direitos políticos (art. Assim. 14. XXXIV. Gabarito "D" A: errada. A primeira parte da alternativa está correta. A: errada. da CF exige o esgotamento das instâncias da justiça desportiva para que a ação seja apreciada pelo poder judiciário. Os direitos políticos não podem ser cassados. o art. Assinale-a. no entanto. III. Ocorre que o quorum exigido para essa autorização é de dois terços e não três quintos. após a instauração do processo pelo Senado Federal. no âmbito judicial e administrativo. 86.868/99). mas podem ser objeto de emendas que visam ampliá-las. ex tunc e vinculante. A: errada. não dispõe. da CF. caput. C: errada. conforme mencionado na alternativa (art. Vale lembrar que como os efeitos serão os mesmos dados em sede de controle abstrato.1) (A) (B) (C) (D) A respeito da garantia constitucional do acesso ao Poder Judiciário. assinale a alternativa correta. B: errada. da CF)l. conforme dispõe o art. assinale a alternativa correta. da Lei n. A condenação por improbidade administrativa é uma hipótese em que há suspensão dos direitos políticos (art. Se o crime for comum. da CF). não é necessário que o Supremo comunique ao Senado a decisão. Apenas a condenação criminal transitada em julgado. erga omnes. 51. O art. não se aplica o mandamento previsto no art. podem propor ADC. 15. B: errada.1) (A) (D) (B) A: errada. O objeto da ADI é mais amplo que o da ADC. 217. O ato do Presidente da República que atenta contra o livre exercício do Poder Legislativo. 15. da CF). 85 da CF trata dos crimes de responsabilidade praticados pelo Presidente. 7 Gabarito "D" . a atribuição de legitimação ativa ao Deputado Estadual na hipótese de ação direta de inconstitucionalidade no âmbito estadual. “a”. Exigência de controvérsia judicial relevante. (OAB/Exame Unificado – 2011. O que pode refletir nos direitos políticos é a incapacidade civil absoluta e não a relativa (art. A súmula vinculante nº 28 (STF) diz exatamente o contrário. caput. alterando a redação do art. Rel. Rol de legitimados para a propositura da ação. o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder. 5º. A exigência de controvérsia judicial relevante é requisito para a propositura de ADC e não de ADI (art. O cancelamento da naturalização pode até influir nos direitos políticos.§ 4º. processar e julgar o Presidente da República nos crimes de responsabilidade (art. enquanto durarem seus efeitos. condenação cível sem trânsito em julgado. É assegurado a todos. dentre os quais se encontra o ato que atenta contra o livre exercício do Poder Legislativo. D: correta. O art.

f) visto temporário – VITEM. Os vistos de entrada são classificados. é correto afirmar que Roberta (A) 8 (C) Com relação à chamada “norma imperativa de Direito Internacional geral”. (OAB/Exame Unificado – 2011. b) VITEM II .1) (A) (D) (B) (C) A: correta. Das considerações exteriorizadas sobre o regime de vistos pode-se apontar a assertiva “a” como correta. pouco antes do vencimento do visto. Tal conceito permite-nos encará-lo como direito de proteção das vítimas. d) VITEM IV . reconhecida pela comunidade internacional como aplicável a todos os Estados. 222 da CF dispõe que: “A propriedade de empresa jornalística e de radiodifusão sonora e de sons e imagens é privativa de brasileiros natos ou naturalizados há mais de dez anos. veda a atuação de repórteres estrangeiros em qualquer meio de comunicação social. C: incorreta. assistência técnica e adoções. de pesquisa ou estudos. ou jus cogens. para Roberta permanecer em situação regular. e) visto de trânsito – VITRA. a cada quatro anos. expressamente reconhecida pela Corte Internacional de Justiça. sob sua supervisão. que tem como função reduzir o sofrimento dos soldados prisioneiros. válido por quatro anos.para ministros de (D) de direito humanitário. b) visto oficial – VISOF. em seu artigo 222. em função da natureza da viagem e da estada no Brasil. f) VITEM VI . aprovada pela Assembleia Geral das Nações Unidas e aplicável a todos os Estados membros. em: a) VITEM I . inclusive as de formação religiosa. deverá apenas renovar. Consoante dito no comentário à assertiva “a”. está no Brasil desde 2008. uma vez que a atividade a ser exercida é modificada. de nacionalidade argentina. . confissão religiosa. em função da atividade a ser desempenhada no País. o visto temporário VI (correspondente estrangeiro) e requerer autorização de trabalho a estrangeiro com vínculo empregatício. a limitação incide sobre a propriedade de empresa jornalística e de radiofusão e não sobre o exercício da profissão de reporter. por estrangeiro. deverá renovar. no Brasil.para missões culturais. doentes. em: a) visto diplomático – VIDIP.1) Para continuar em situação regular. e de assistência social. aplicável a todo e qualquer Estado em situação de conflito. quando não contempladas pelo VITEM V. da qual nenhuma derrogação é permitida. sediado em Buenos Aires. pois. mediante contrato de trabalho. a cada quatro anos. o visto temporário VI (correspondente estrangeiro). d) visto de turista – VITUR. pois ainda não existe tal previsão no seio do Mercosul.para artistas e desportistas. A outra parte é fruto da Convenção Gabarito "A" (B) deverá transformar seu visto temporário VI (correspondente estrangeiro) em visto temporário V (mão de obra estrangeira) e requerer autorização de trabalho a estrangeiro com vínculo empregatício. Roberta recebe um convite do editor de um jornal brasileiro. que viagem ao Brasil como missionários. deverá transformar seu visto temporário VI (correspondente estrangeiro) em visto temporário V (mão de obra estrangeira). membros de instituto de vida consagrada ou ordem religiosa. Em 2011. Direito Internacional Renan Flumian Roberta Caballero. feridos e da população atingida por conflitos armados. Assim. pois a Constituição Federal. as pessoas de nacionalidade dos países do Mercosul também precisam do visto de trabalho.3. D: incorreta.para estudantes e bolsistas de instituições de ensino brasileiras. c) visto de cortesia – VICOR. c) VITEM III . prevista no corpo de um tratado que tenha sido ratificado por todos os signatários. pois pessoas de nacionalidade de países do Mercosul não precisam de autorização de trabalho. E os vistos temporários (VITEM) subdividem-se. e) VITEM V . portanto. Estas Convenções tratam da proteção de pessoas e bens. B: incorreta. O Direito Humanitário é basicamente fruto da Convenção de Genebra de 1864. os vistos temporários são conferidos conforme a atividade a ser desempenhada no País. O art.para profissionais sob regime de contrato com empresa no Brasil ou com órgão do Governo. segundo o direito interno de cada um. e g) visto permanente – VIPER. não poderá aceitar o emprego. salvo os que apresentarem reserva expressa. ou de pessoas jurídicas constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede no País”. Ou seja. para ali trabalhar na condição de repórter. O Direito Humanitário é composto por princípios e regras.para correspondentes de meios de comunicação estrangeiros. A: incorreta. Roberta possui visto temporário. e g) VITEM VII . principalmente pela realização das outras três Convenções de Genebra.em viagem de negócios. é correto afirmar que é a norma (OAB/Exame Unificado – 2011. E aos poucos foi ampliando-se. necessário se faz a alteração da modalidade de visto para a manutenção da situação de regularidade. sediado em São Paulo. estas sendo positivadas ou costumeiras. no Brasil. como correspondente estrangeira do jornal “El Diário”.

9 . DIREITO INTERNACIONAL Gabarito "D" de Haia. D: correta. Por fim. as quais se encontram situadas acima do caráter volitivo dos Estados. como norma da qual nenhuma derrogação é permitida e que só pode ser modificada por norma ulterior de Direito Internacional geral da mesma natureza.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 3. 53 da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados dispõe que uma norma imperativa de Direito Internacional geral é uma norma aceita e reconhecida pela comunidade internacional dos Estados como um todo. O art. a qual regula o meio e os métodos utilizados na guerra. exerce papel de destaque na tutela do direito humanitário o Comitê Internacional da Cruz Vermelha e a Anistia Internacional. nada impede que uma norma jus cogens também faça parte de um tratado. as quais se encontram situadas acima do caráter volitivo dos Estados. mas sim pelo reconhecimento da comunidade internacional como um todo. Isto é. não é necessariamente o tratado que lhe vai conferir tal natureza. C: incorreta. mas. Consoante dito na assertiva “b”. como dito. a norma imperativa de Direito internacional geral é determinada por razões objetivas. sua existência tem por fundamento razões objetivas. B: incorreta. A condição de jus cogens que uma norma pode ter não é determinada necessariamente por um tratado. Por questão lógica.

1. 1. É permitido o aval parcial (aquele no qual o avalista garante o pagamento apenas de parte da dívida). endossantes e respectivos avalistas). (D) o protesto é necessário para garantir o direito de regresso contra o(s) endossante(s) e o(s) avalista(s) do aceitante de uma letra de câmbio. III. veja-se o art. constituídos após a decretação da quebra serão considerados extraconcursais.084. inclusive de natureza trabalhista. da Lei de Falências e Recuperação de Empresas . esse direito o sócio majoritário. caso restem quotas a serem adquiridas.357/85). B: correta. Após exercido esse direito. §1º. opor-se à redução no prazo de 90 dias contados da publicação da ata da assembleia (art.083 do CC. O protesto é necessário somente para garantir o direito de cobrança do título junto aos coobrigados (sacador. Credores extraconcursais. §1º. sendo o protesto contra ele sempre facultativo. isto é. Credores concorrentes prioritários. seu avalista também assim será considerado. vez que o art. Não se olvide que o avalista ingressa na relação cambial com a mesma natureza do avalizado. tornando-se efetiva essa diminuição a partir do momento em que for feita a averbação no cartório competente da ata da assembleia que a aprovou. Uma das hipóteses para que haja diminuição do capital social é que a sociedade tenha tido prejuízos que não serão mais recuperados. D: incorreta. Há direito de preferência do sócio no caso de aumento do capital social. nos exatos termos do art. D: incorreta. 1.1) Em relação à modificação (C) do capital social das sociedades limitadas.081 do CC exige que o capital esteja totalmente integralizado para que se proceda ao seu aumento. terá preferência sobre os demais quem tiver maior número de quotas. Para que haja aumento do capital social. é o “avalista do avalista”). foi autorizada a continuação provisória das atividades da falida com o administrador judicial. exercendo. Credores concursais.LF (Lei 11. do CC). da Lei 5. mesmo que sucessivo (aval sucessivo ocorre quando alguém avaliza a garantia dada por outrem.1) (A) Credores reivindicantes.A. não do falido. ainda que sucessivo. fato esse que perdurou por um período de 10 (dez) meses. Na correspondente sentença. B: incorreta. O cheque não admite aceite. nos termos do art. Quaisquer créditos.081. devendo-se. não há necessidade de os sócios terem integralizado totalmente suas quotas. 84. não pode o sócio majoritário adquirir todas as novas quotas em detrimento dos demais (art. §1º.101/05). que detenham título líquido com data anterior à deliberação. assinale a alternativa correta.4. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. teve sua falência decretada. considerando-se não escrita qualquer declaração com este sentido (art. se o aceitante é devedor principal. (B) Gabarito "B" a duplicata. Gabarito "B" A diminuição do valor do capital social é direito da sociedade. 1. sociedade empresária XYZ Computação Gráfica S. haver diminuição proporcional do valor das quotas. Como são juridicamente qualificados os titulares dos créditos trabalhistas relativos a serviços prestados durante esse interregno posterior à decretação da falência? (A) (B) (C) (D) Em relação ao Direito Cambiário. não havendo qualquer exceção tocante à duplicada de prestação de serviços. Direito Empresarial Henrique Subi (OAB/Exame Unificado – 2011. A: a alternativa está incorreta porque a duplicata. Gabarito "C" . (A) (B) 10 (C) (D) (OAB/Exame Unificado – 2011. Especificamente quanto aos créditos trabalhistas. e assim sucessivamente. devendo ser firmado no verso do título. porque seus detentores são credores da massa falida. quando de prestação de serviços. ou seja. 6º da Lei 7. que poderá adquirir todas as quotas ou quantas lhe interessarem. o aval dado em uma nota promissória pode ser parcial. I. C: correta. somente pode ser sacada com vencimento à vista ou em data certa. pode ser emitida com vencimento a tempo certo da vista. pois no caso de redução do capital diante de seu excesso em relação ao objeto da sociedade. primeiro.474/68. o aceite no cheque é dado pelo banco ou instituição financeira a ele equivalente. pois a preferência dos sócios em participar do aumento do capital restringe-se à proporção das quotas de que sejam titulares.1) A A: incorreta. 2º. do CC). poderão os credores quirografários. nesse caso. não podendo haver objeção por parte dos credores. C: incorreta.

melhor seria dizer que. a qual estava prevista no art. como ocorre no mandato. não participa nem aparece no contrato. Essa cláusula é denominada (A) (B) (C) (D) pacto comissório. em que uma cláusula acessória ao contrato de comissão. Venda com reserva de domínio. já promover negócios “à conta de outrem” indica que é o próprio terceiro que irá figurar no contrato. del credere. o agente promove “à conta de outrem” a realização de certos negócios. em caráter profissional e sem vínculo de dependência.1) Contrato oneroso. 521 do CC e permite ao vendedor continuar sendo o proprietário da coisa vendida até que o comprador pague integralmente o respectivo preço. no contrato de agência. é a que mais se aproxima do conceito exposto. Mandato. está prevista no art. Com efeito. mediante retribuição. Agência. que promove negócios à conta de outrem. nem mesmo assinando em nome do agenciado. 710 do CC. Gabarito "C" Comissão mercantil. Corretagem.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 (OAB/Exame Unificado – 2011. Hedge é termo utilizado no mercado de ações. 11 . a obrigação de promover. traduzindo a operação que consiste na tomada de uma posição no mercado futuro aproximadamente igual – mas em sentido contrário – àquela que se detém ou que se pretende vir a tomar no mercado à vista. Isto porque as expressões não são sinônimas: contratar “em nome de alguém” significa dizer que este contratante está representando um terceiro e assina o contrato em seu lugar.163 do CC/1916 e não foi repetida no CC/2002. O agente. a efetivação de certos negócios. Pacto comissório era cláusula inserida no contrato de compra e venda permitindo a resolução do contrato caso o comprador não adimplisse suas obrigações em certo prazo. Entretanto. venda com reserva de domínio. hedge. e não “em nome de outrem”. no qual o comissário assume o gravame de responder solidariamente pela insolvência das pessoas com quem contratar em nome do comitente. A definição acima corresponde a que tipo de contrato empresarial? (A) (B) (C) (D) Gabarito "B" O enunciado descreve corretamente o conceito da cláusula del credere.1) É 4. em nome de outrem. alguém assume. 1. DIREITO EMPRESARIAL (OAB/Exame Unificado – 2011. assumindo os riscos do negócio. em determinado território ou zona de mercado. conforme a leitura do art. A alternativa dada como correta é a agência. por sua vez.

mas sim a Teoria da Onerosidade Excessiva. pouco importa qual é o pensamento ou a intenção das partes.1) (A) (B) (C) (D) 12 (D) Exige a imprevisibilidade do fato superveniente. que prescreve: “São direitos básicos do consumidor: V – a modificação das cláusulas contratuais que estabeleçam prestações desproporcionais ou sua revisão em razão de fatos supervenientes que as tornem excessivamente onerosas”. do CDC. assim. D: incorreta. celebração. 6º. no caso. já que o juiz interfere na autonomia da vontade das partes quando promove a modificação ou revisão contratual. Almeja. caso ocorra um fato novo. a questão deveria ser anulada. a idéia da lei é modificar ou revisar o contratos nas situações mencionadas no art. extinção e pós-extinção do contrato). ficando caracterizada a violação ao princípio com a simples conduta que o juiz entender que viola os deveres de lealdade extraídos da ética social. V. pois essa alternativa também está incorreta. pois o Código Civil também estabelece o princípio da boa-fé objetiva (art. que justificam a sua anulação. segundo porque. Direito do Consumidor Wander Garcia (OAB/Exame Unificado – 2011. para que se tenha direito à revisão contratual. a questão tem graves equívocos conceituais. o CDC não adotou a Teoria da Imprevisão. pois o art. pois o princípio da conservação dos contratos exige que o contrato seja mantido. B: incorreta. não é só a favor do “titular passivo da obrigação” que se deve reconhecer direitos pela aplicação do princípio. 6º. C: incorreta. precipuamente. assinale a alternativa correta. importa em reconhecimento de um direito a cumprir em favor do titular passivo da obrigação. dizer que alguém tem um “direito a cumprir em favor” de outrem. salvo se não houver possibilidade alguma nesse sentido. pois esse princípio tem por efeito criar deveres anexos a ambos os contratantes (Enunciado JDC/CJF nº 24). sendo correto dizer que alguém tem um “dever a cumprir em favor” de outrem. 422 do CC). tecnicamente. e não quem se favorece dela. do Código de Defesa do Consumidor. diferentemente do Código Civil (art. C: incorreta. enfim. e não resolver (extinguir) o contrato. para a caracterização de sua violação imprescindível se faz a análise do caráter volitivo das partes. terceiro porque está errado.5. V. pois tal cláusula determina que as estipulações contratuais serão mantidas enquanto as condições permanecerem inalteradas. pois o princípio da boa-fé se aplica a todas as fases que envolve o contrato (tratativas. . V. assim. sua aplicação se restringe aos contratos de consumo.1) Analisando o artigo 6º. em análise sistemática. B: incorreta. Gabarito "D" A: assertiva considerada correta pela examinadora. assim. primeiro porque o princípio da boa-fé se aplica a ambos os contratantes. D: correta. no entanto. é cabível a revisão contratual. basta que esse fato novo torne a prestação de uma das partes excessivamente onerosa. execução. 478). pois o princípio é da boa-fé objetiva. pois a possibilidade de modificação contratual (quanto a prestações que já nascem desproporcionais) e de revisão contratual (quanto a prestações que se tornem excessivamente onerosas por fatos supervenientes) fazem com que o princípio da autonomia da vontade seja relativizado. pois titular passivo é quem tem a obrigação. do CDC não exige que o fato superveniente que torne a obrigação excessivamente onerosa seja imprevisível. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. para que se tenha direito à revisão contratual. mesmo que assim o fosse. Admite a incidência da cláusula rebus sic stantibus. Gabarito "A" A: incorreta. (A) (B) (C) No âmbito do Código de Defesa do Consumidor. o certo era que constasse a expressão “titular ativo da obrigação”. que é aquela extraída do contexto social. que altere as condições existentes quando da realização do contrato. não se aplica à fase pré-contratual. a resolução do contrato firmado entre consumidor e fornecedor. assim. mesmo que um deles tenha mais obrigações que o outro. em relação ao princípio da boa-fé objetiva. Não traduz a relativização do princípio contratual da autonomia da vontade das partes.

D: assertiva considerada incorreta pela examinadora. 22 a 39 do CC. pois apenas 10 anos após a abertura da sucessão definitiva é que se coloca a possibilidade dos bens irem para terceiros.1) Gabarito "B" A: incorreta. Findo o prazo. Silas decidiu. Os credores de obrigações vencidas e não pagas de Rodolfo. observando. foi abalroado. Direito Civil Wander Garcia (OAB/Exame Unificado – 2011. se nenhum interessado promover a sucessão definitiva. pois as despesas de restituição correm por conta do depositante (Jonas). no que for aplicável. deixou Lisa. Embora tenha desaparecido. mas. Lisa não quis exercer os poderes outorgados por Rodolfo em seu favor. desapareceu de seu domicílio há 11 (onze) meses e até então não houve qualquer notícia sobre seu paradeiro. o pagamento de certa quantia em dinheiro a Silas. como proprietário do veículo danificado culposamente por Francisco. Na vigência do depósito. sem culpa sua. Lisa) não queira exercer o mandato. caberia a Silas restituir os automóveis na residência de Jonas.1) Rodolfo. poderão requerer que se determine a abertura de sua sucessão provisória. pois não há tal previsão nos arts. ou. dois automóveis de sua propriedade para serem conservados por seis meses. 643).1) (B) (C) (D) A renúncia ao mandato. Poderá ser declarada a sucessão definitiva de Rodolfo 10 (dez) anos depois de passada em julgado a sentença que concedeu a sucessão provisória. (A) (OAB/Exame Unificado – 2011. renunciando expressamente ao mandato. por motivos de ordem pessoal. como remuneração. tendo em vista a ocorrência do acidente com um dos automóveis. Jonas. por instrumento particular. é correto afirmar que Jonas (A) 13 (B) (C) (D) não deve pagar a Silas as despesas relativas à manutenção dos dois automóveis durante o período ajustado. Gustavo. O juiz não poderá declarar a ausência e nomear curador para Rodolfo. . D: correta. quando já regressava. o destinatário desses bens. apreensivo. decorrido 1 (um) ano da arrecadação dos bens do ausente. brasileiro. vez que os credores são considerados “interessados” e estes tem o direito de requerer que se determine a abertura da sucessão provisória (art. Gustavo tornou-se fiador do seu amigo Henrique. Silas providenciou a entrega dos dois automóveis no local estipulado. pois o art. não seria uma entidade filantrópica. Transcorrido o prazo ajustado. De acordo com os dispositivos que regem o instituto da ausência. tem legitimidade para a ação indenizatória respectiva. a União. certo dia. o disposto a respeito dos tutores e curadores. mas o Município ou Distrito Federal. pois não existe tal direito em favor do depositante (vide arts. confiou em depósito a Silas. por seu vizinho Francisco. por parte de Lisa. pois Lisa não poderia ter renunciado o mandato outorgado em seu favor. em razão de operação de empréstimo bancário que este tomou com o Banco Pechincha. Todavia. C: incorreta. Sem o consentimento de Gustavo. solteiro. neste caso. 26 do CC). já que só estaria autorizada a fazê-lo em caso de justificada impossibilidade ou de constatada insuficiência de poderes. ademais. se os bens estivessem em território federal. estabelecendo. deve cobrar diretamente de Francisco as despesas referentes ao conserto da porta lateral direita. C: incorreta. engenheiro. como mandatária para a finalidade de administrar-lhe os bens. 626 a 646). era possível e. maior e capaz. uma amiga. nesse prazo. (OAB/Exame Unificado – 2011. amassando a porta lateral direita. descobriu que Henrique está desempregado há algum tempo e que deixou de pagar várias parcelas do referido empréstimo. No entanto. utilizar um dos automóveis para ir ao trabalho e. pois o depositante (Jonas) é obrigado a pagar ao depositário (Silas) as despesas feitas com a coisa (art. também maior e capaz. em uma moto. Gabarito "D" A: incorreta. deve arcar com as despesas referentes à restituição dos dois automóveis no local estipulado. pois Jonas. poderá reter integralmente o valor da contraprestação em dinheiro devido a Silas. A respeito da situação narrada. sem ascendentes ou descendentes. nesse caso. B: correta. 23 admite que o mandatário (no caso. entendemos que está correta.6. o juiz determinará ao Ministério Público que nomeie um curador encarregado de gerir os bens do ausente. assinale a alternativa correta. B: incorreta. porém. os bens porventura arrecadados deverão ser doados a entidades filantrópicas localizadas no município do último domicílio de Rodolfo.

conforme claramente determina o art.408 do CC). sendo acessória a este. tendo em vista que Noêmia arcou com as despesas de reconstrução do imóvel. por consequência. contudo. C: incorreta. 1.1) O negócio jurídico depende Acerca da servidão de aqueduto. e não de modo superficial. pois o usufruto será extinto. § 3º. assinale a alternativa correta. em face das circunstâncias do negócio”. pois o falso motivo só vicia a declaração de vontade quando expresso como razão determinante (art. pátios.293. e a expensas do seu dono. O erro de cálculo gera a anulação do negócio jurídico. do CC). 838. 834 do CC). do CC). (OAB/Exame Unificado – 2011. I. por sua gravidade. V. do CC). tal como narrado. Gabarito "A" da regular manifestação de vontade do agente envolvido. a extinção se dá sem que a lei preveja indenização em favor do usufrutuário (art. se oferecer para executá-la na conformidade da vontade real do manifestante. por conta da moratória. 838.410.410. tendo em vista que o imóvel não se encontrava segurado. B: incorreta (art. ficando obrigado por todos os efeitos da fiança até o efetivo pagamento do débito principal. do CC). 1. com o valor deste. D: incorreta. jardins ou quintais. pois tais regras se aplicam. sim. sem justa causa. B: incorreta. por escritura pública ou instrumento particular. 143 do CC). Noêmia decidiu reconstruir integralmente a casa às suas expensas. ainda que tenha influído nesta de modo superficial. 1. tendo sido concedida moratória a Henrique. Inesperadamente. proprietária de uma casa litorânea. O aqueduto deverá ser construído de maneira que cause o menor prejuízo aos proprietários dos imóveis vizinhos. Relativamente aos defeitos dos negócios jurídicos. independentemente do pagamento de qualquer quantia por ela. pois. tendo em vista que Noêmia somente poderia ter reconstruído o imóvel mediante autorização expressa de Luísa. A: correta (art. B e C: incorretas. que destruiu por completo o imóvel. (C) (D) O usufruto será extinto. o ideal. 14 (OAB/Exame Unificado – 2011. deve ela ser de valor igual ao da obrigação principal e ser contraída nas mesmas condições de onerosidade de tal obrigação. 1. V. 144 do CC). não tem o condão de desobrigar o fiador. apesar de afirmação ser mesmo correta (art. é Gustavo pedir o reconhecimento judicial de que não está mais obrigado pelo contrato de fiança. (A) (B) (C) (D) Se o Banco Pechincha. gerará a anulação do negócio jurídico. Nesse sentido. do CC). O erro é substancial quando concerne à identidade ou à qualidade essencial da pessoa a quem se refira a declaração de vontade. à servidão de aqueduto (art. O falso motivo. sobreveio uma severa ressaca marítima. ainda que devidamente indenizado pela passagem da servidão do aqueduto. bem como pode ser contraída em condições menos onerosas que esta (art.296 do CC). do CC). C: incorreta. desde que esta indenize Luísa em valor equivalente a um ano de aluguel do imóvel. pois o fiador ficará exonerado da obrigação se o credor. D: incorreta. A respeito da situação narrada. 1. 823 do CC). conceder moratória ao devedor (art. 138 do Código Civil dispõe que “são anuláveis os negócios jurídicos quando as declarações de vontade emanarem de erro substancial que poderia ser percebido por pessoa de diligência normal. O usufruto será extinto. uma vez que restou viciada a declaração de vontade nele baseada. poderá exigir que seja subterrânea a canalização que atravessa áreas edificadas. do CC. regularmente constituiu usufruto sobre o aludido imóvel em favor de Luísa. Gabarito "A" A: correta. independentemente do pagamento de indenização a Luísa. Ciente do ocorrido. viciará a declaração de vontade em todas as situações e. Gustavo não poderá exonerar-se da fiança que tiver assinado sem limitação de tempo. conforme visto. § 2º. pois o dono deve arcar sim com as despesas de conservação (art. Não se aplicam à servidão de aqueduto as regras pertinentes à passagem de cabos e tubulações. mas a quem não incumbem as despesas de conservação. demorar a execução iniciada contra Henrique. D: incorreta. tal extinção só não aconteceria se o imóvel tivesse seguro e. deve influir na vontade de modo relevante (art. 1. assinale a alternativa correta. pois o usufruto fica extinto com a destruição da coisa (art. Se o uso das águas não se destinar à satisfação das exigências primárias. consolidando-se a propriedade em favor de Noêmia. tendo em vista que o imóvel não fora destruído por culpa sua.294 do CC). pois o erro de cálculo apenas autoriza a retificação da declaração de vontade (art. o proprietário do aqueduto não deverá ser indenizado pela retirada das águas supérfluas aos seus interesses de consumo. no caso.WANDER gARCIA Henrique e o Banco Pechincha aditaram o contrato original. II.1) (A) (B) A: assertiva considerada correta pela examinadora. pois a fiança pode ser de valor inferior ao da obrigação principal. Por ter a fiança o objetivo de garantir o débito principal. assinale a alternativa correta. A concessão da moratória pelo Banco Pechincha a Henrique. o art. 140 do CC). no entanto. tivesse sido reconstruído (art. (B) (C) Gabarito "A" A: correta (art. a sua propriedade. no caso concreto. consolidando-se a propriedade em favor de Noêmia. O usufruto será mantido em favor de Luísa. C e D: incorretas. 139. poderá Gustavo promover-lhe o andamento. Gabarito "A" (D) O proprietário do prédio serviente.1) (A) (A) (B) (C) (D) O erro não prejudica a validade do negócio jurídico quando a pessoa. nesse caso. sem consentimento dele. mantendo. Noêmia.293. B: incorreta. . Com base no relato acima e no regime legal do contrato de fiança. 1. O usufruto será mantido em favor de Luísa. I. a quem a manifestação de vontade se dirige. pois o erro substancial. (OAB/Exame Unificado – 2011. assinale a alternativa correta.

COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 6. 2º: Esta lei entra em vigor no prazo de 45 dias. Gabarito "C" 15 . 25 de abril 2011. O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. Brasília. que na situação descrita será o dia 13/06/2011. DIREITO CIvIL Suponha que tenha sido publicada no Diário Oficial da União. passando a vigorar no dia 10/06/2011.” Ante a situação hipotética descrita e considerando as regras sobre a forma de contagem do período de vacância e a data em que a lei entrará em vigor. pela inclusão da data de publicação e exclusão do último dia do prazo. § 1º. com o seguinte teor: (OAB/Exame Unificado – 2011. entrando em vigor no dia 11/06/2011. 8º. uma lei federal. Art. 1º: Os direitos da personalidade previstos no Código Civil aplicáveis aos nascituros são estendidos aos embriões laboratoriais (in vitro). do dia 26 de abril de 2011 (terça-feira).1) entrada em vigor de lei que contenha período de vacância se dá (A) (B) “Lei GTI. entrando em vigor no dia subsequente à sua consumação integral. entrando em vigor no dia subsequente à sua consumação integral. ainda não implantados no corpo humano. entrando em vigor no dia subseqüente à sua consumação integral”. da Lei Complementar 95/98 estabelece que “a contagem do prazo para entrada em vigor das leis que estabeleçam período de vacância far-se-á com a inclusão da data da publicação e do último dia do prazo. A alternativa “C” está correta. entrando em vigor no dia 09/06/2011. pela inclusão da data de publicação e do último dia do prazo. Define o alcance dos direitos da personalidade previstos no Código Civil. de 25 de abril de 2011. 190º da Independência da República e 123º da República. é correto afirmar que a contagem do prazo para (C) (D) pela exclusão da data de publicação e do último dia do prazo. pois o art. pela exclusão da data de publicação da lei e a inclusão do último dia do prazo.

Gabarito "B" . 501 do CPC). Tal rito apresenta trâmite mais célere que o observado pelo rito comum ordinário. A: incorreto. submetem-se ao rito sumário (art. por sua vez. a noiva subitamente decidiu solicitar inúmeras alterações no modelo da roupa. uma vez intimada. Tendo sido ambos os réus regularmente citados. é correto afirmar que a contestação apresentada pelo Ateliê Alta-Costura (A) aproveita à Gráfica Bela Escrita. 277. A assistência não impede que o assistido desista da ação (art. “b”. parágrafo único. não é admissível a ação declaratória incidental. razão pela qual pode o réu valer-se da reconvenção para formular pedidos contra o autor em seu favor. B: incorreto. Logo. quando. a assistência obsta a que a parte principal desista da ação. D: correto (art. Gabarito "D" no rito comum sumário. (D) extinção do processo com resolução do mérito. não se operando o efeito material da revelia contra este réu. uma vez que o vestido de noiva já estava praticamente pronto. Nesse caso.1) Júlia A: incorreto. visto que as causas enumeradas no inciso II do art. manifeste expressamente sua anuência. II. C: incorreto. 280 do CPC). uma vez intimado. Da mesma forma não se admitem nesse rito. nos demais casos. exatamente por isso. implica ingressou com ação de indenização por danos morais e materiais em face da Gráfica Bela Escrita. manifeste expressa concordância. quando houver anuência do embargante. na véspera da cerimônia. a desistência da ação. bem como do Ateliê AltaCostura. e o Ateliê. quaisquer das espécies de intervenção de terceiros. desde que respeitados os seguintes termos: (A) (B) o recorrente poderá desistir do recurso interposto a qualquer tempo. A desistência da ação implica extinção do processo sem resolução de mérito. (OAB/Exame Unificado – 2011. do CPC). na intervenção de terceiros. por seu turno. a exemplo da assistência.7. que somente poderá ocorrer com a anuência expressa do assistente. já que o réu pode formular pedido contraposto na própria contestação. no rito comum sumário. desde que suporte as custas e honorários advocatícios decorrentes da extinção dos embargos que versarem somente sobre questões processuais e. D: incorreto (art. do CPC). podem observar o rito comum sumário causas cujo valor corresponda a trezentos vezes o valor do salário mínimo e que versem acerca da cobrança ao condômino de quantias devidas ao condomínio. Caso tenha transcorrido o prazo para resposta do réu. independentemente de seu montante.1) O rito comum sumário tem suas hipóteses de incidência expressamente disciplinadas no sistema processual civil pátrio. 275. o pedido de desistência estará sujeito ao seu consentimento. 267. é correto afirmar que (A) (C) (B) 16 (C) (D) (OAB/Exame Unificado – 2011. 278. pois o pedido de desistência apresentado pelo recorrente não depende do consentimento da parte contrária ou dos demais litisconsortes (art. e. 53 do CPC). não entregou o vestido de noiva no dia do casamento. desde que o Ateliê Alta-Costura. que produz efeitos somente depois de homologada por sentença. VIII. a desistência independe de homologação por sentença. têm as partes que comparecer pessoalmente à audiência de conciliação. sob a alegação de que o seu casamento não pôde ser realizado tendo em vista que a Gráfica escreveu o endereço errado do local da cerimônia em todos os convites confeccionados. o credor poderá desistir de toda execução ou apenas de algumas medidas executivas. desde que não se trate de litisconsórcio e que a parte contrária. do CPC). jamais podendo se fazer representar por preposto com poderes para transigir. Acerca do rito comum sumário. o ajuizamento de reconvenção se afigura desnecessário e incompatível com o rito sumário (art. §3º. do CPC). ações que seguem o rito comum sumário são dúplices. o Ateliê Alta-Costura apresentou contestação tempestiva. C: incorreto. do CPC. os legitimados ativos que proponham ação e interponham recursos poderão desistir deles. 569. o que inviabilizou a sua tempestiva entrega. as causas que o observam têm menor complexidade se comparadas às que tramitam pelo rito comum ordinário. do recurso de terceiro prejudicado e da intervenção fundada em contrato de seguro (art. em nenhuma hipótese. pois no rito sumário as intervenções de terceiro são admitidas excepcionalmente.1) No âmbito do Direito Processual Civil. B: correto. nos moldes estabelecidos pelo art. A Gráfica Bela Escrita. em que afirmou se isentar de responsabilidade. A respeito da situação descrita. 275 do CPC. Direito Processual Civil Tiago Queiroz (OAB/Exame Unificado – 2011. não se manifestou nos autos. §1º.

322. ao tempo do ajuizamento da demanda o autor alegar que sofreu turbação. cuja consequência ficará restrita à fluência de prazos independentemente de intimação.1) (A) (B) (C) B: correta. 921 e 922 do CPC). do CPC dispõe que a parte será intimada. Gabarito "B" 17 . ao longo da lide. I. arbitrar o valor da condenação a seu prudente critério (art. DIREITO PROCESSUAL CIvIL (D) não aproveita à Gráfica Bela Escrita. hipótese em que deve ser processada em autos apartados no juízo de origem. No exemplo dado. pois a autora ajuizou a demanda em face de dois réus. O possuidor tem direito a ser mantido na posse em caso de esbulho e reintegrado no de turbação. §1º. no prazo legal. Requerida a liquidação. A liquidação pode ser requerida mesmo na pendência de recurso ainda não julgado pelo tribunal. permanecer inerte. Se o médico demandado não houvesse oferecido contestação. não se operando o efeito material da revelia contra este réu. Em relação à sistemática da liquidação no direito brasileiro. C: correto (art. 319 do CPC. Será de rigor. (A) (B) (C) (D) deve prosseguir. parágrafo único. a concessão da reintegração de posse em favor do autor. a defesa apresentada pelo Ateliê Alta Costura (não entrega do vestido em função das novas exigências feitas pela noiva na véspera do casamento) não pode ser utilizada pela Gráfica Bela Escrita. com a declaração da revelia e a consequente presunção de veracidade dos fatos alegados na inicial. por falta de uma das condições da ação. assinale a alternativa correta. sobrevir o esbulho. (D) Sempre que o pedido for genérico. por exemplo. A liquidação de sentença tem natureza de incidente processual. ofereceu contestação. este foi regularmente citado e.1) A respeito (A) (B) (C) das ações possessórias. in casu. Como o réu já apresentara defesa. Em razão do seu falecimento. não se aplica a regra do art. Gabarito "A" A: incorreto. caput. porquanto o art. a desnecessidade de intimação do revel para os demais atos do processo (art. Com efeito. inicial. tendo em vista que os pedidos formulados em face de cada um dos demandados poderiam ser apresentados em demandas distintas. de modo que se. o que tem a ver a não entrega do vestido da noiva em razão com a não entrega dos convites de casamento em função de o local da cerimônia estar incorretamente descrito? Sendo assim. (OAB/Exame Unificado – 2011. (OAB/Exame Unificado – 2011. justo por se tratar de irregularidade de representação da parte ré em juízo (art. Quando for ordenada a justificação prévia. 475-A. automaticamente aproveita à Gráfica Bela Escrita. torna impossível o acolhimento do pedido. na pessoa de seu advogado. possa dar-se o seu cumprimento. Gabarito "C" Em uma ação fundada na responsabilidade civil por suposto erro médico praticado por Cláudio. do CPC – disposição esta que deve incidir nas hipóteses de litisconsórcio unitário – devendo operar-se o efeito da revelia consistente na presunção de veracidade dos fatos alegados pela autora. A propositura da ação de reintegração de posse. 930. com a declaração da revelia. é correto afirmar. É vedada a cumulação de pedidos com o pedido possessório. mas. verifica-se a formação de um litisconsórcio passivo. D: incorreto. sem resolução do mérito. aplica-se-lhe tão somente o efeito processual da revelia. já que o próprio substrato fático é diferente em cada um dos casos. para que. mesmo assim. a teor do que dispõe o art. parágrafo único. Entre os interditos possessórios (interdito proibitório. do CPC). §3º. mesmo quando o autor haja formulado pedido genérico. procede-se à sua liquidação. pois. inicial. facultativo. o juiz pode proferir sentença ilíquida. A mesma inteligência se estende às demandas sujeitas ao rito sumaríssimo. devendo o magistrado. pois o possuidor tem o direito de ser mantido na posse no caso de turbação e de ser reintegrado na hipótese de esbulho (art. (D) Gabarito "C" A: correto. Atenção! O examinador inverte os conceitos para confundir o candidato. 475-A. o prazo para contestar contar-se-á da intimação do despacho que deferir ou não a medida liminar.1) A: incorreto. §2º. daí por que desafia o recurso de agravo de instrumento e não o de apelação (art. A liquidação de sentença tem natureza jurídica de ação autônoma. Em outras linhas. assinale a alternativa correta. por meio de decisão interlocutória e não de sentença. caput e inciso II. do CPC). do CPC).COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 (B) (C) 7. simples ou não unitário. do CPC). impondo a extinção sem resolução do mérito. o juízo não poderá deixar de conhecer do pedido e julgar improcedente o pedido inaugural. 320. Passivo porque há a aglomeração de dois ou mais réus no polo passivo da lide. já que tanto autor quanto réu podem cumular o pedido possessório com o de indenização por perdas e danos. sobre o requerimento de liquidação de sentença. facultativo e simples ou não unitário. B: incorreto. Quando a sentença que reconhece obrigação de pagar não determina o valor devido. sendo resolvida. em tais casos. “d” e “e”. sem resolução do mérito. pois em alguns feitos que tramitam sob o procedimento comum sumário (art. II. em relação ao processo. 275. 13. por falta de pressupostos de constituição e de desenvolvimento válido e regular. na forma do art. manutenção e reintegração de posse) impera o princípio da fungibilidade. 920 do CPC). deve ser julgado extinto. 475-H do CPC). foi determinada a suspensão do processo e a habilitação de seus herdeiros ou sucessores no polo passivo. da Lei 9. deve a parte contrária ser pessoalmente intimada. em razão da turbação ou do esbulho sofridos (arts. reabre automaticamente o prazo para a apresentação de contestação pela Gráfica Bela Escrita. do CPC) é vedado ao juiz proferir sentença ilíquida. operando-se o efeito material da revelia somente se este réu. que (OAB/Exame Unificado – 2011. Sendo certo que tal irregularidade não foi sanada no prazo fixado pelo juízo. no curso da lide. 926 do CPC).099/95. D: incorreto. aí sim haveria cogitar-se de incidência do efeito material da revelia (presunção de veracidade dos fatos articulados pelo demandante na exordial). do CPC). então. desde que preenchidos os requisitos legais (art. quando cabível manutenção de posse. deve ter regular prosseguimento. B: incorreto. C: correto (art. 38. O caso reclama a decretação da revelia e não a extinção do processo sem resolução de mérito. em tal hipótese. operando-se o efeito material da revelia contra este réu. a considerar que a lide pode ser decidida de modo diferente para cada um dos réus. 475-A. deve ser julgado extinto.

§ 6º. Direito Administrativo Wander Garcia Antônio. da Lei 11. causando gravíssimos transtornos aos usuários. os Estados. A respeito do regime jurídico aplicável a tais consórcios públicos. é concessão administrativa “o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja usuária direta ou indireta. Qual é a modalidade de extinção da concessão a ser observada no caso narrado? (OAB/Exame Unificado – 2011. e o médico. “os consórcios públicos. teve amputado um terço de sua perna direita. são dispensados de obedecer aos princípios que regulam o Sistema Único de Saúde. da Lei 11. 1º. a responsabilidade estatal é objetiva. na qualidade de poder concedente.000. 2º. restou efetivamente comprovada a inadimplência. fazia-se necessário que o conceito deixasse claro que tal prestação de serviço não tenha valor inferior a R$ 20 milhões.107/05. para que tal contrato seja mesmo uma parceria público-privada do tipo concessão administrativo. instaurou regular processo administrativo de verificação da inadimplência da concessionária. objetivamente. pois traz a exata redação do art. No entanto. deverão obedecer aos princípios. (A) 18 o Município de Mar Azul e o médico. (B) (C) Como é de conhecimento geral. respondem pelo dano causado a Antônio (OAB/Exame Unificado – 2011. o fornecimento e instalação de equipamentos ou a execução de obra pública (art. diretrizes e normas que regulam o Sistema Único de Saúde – SUS”. da Lei 11.079/04). o Distrito Federal e os Municípios con- Anulação.000. o Município de Mar Azul. regressivamente. o ente público. solidária e objetivamente.00 (vinte milhões) de reais. (OAB/Exame Unificado – 2011.1) (A) (B) (C) (D) 11. Elas guardam relação com outro instituto. A alternativa “c” é. de uso de bem público. denomina-se concessão (OAB/Exame Unificado – 2011. assegurando-lhe o contraditório e a ampla defesa. 2º. Os consórcios públicos na área de saúde. Encampação. É vedada a celebração de contrato de consórcio público cujo valor seja inferior a R$ 20. ainda que envolva a execução de obra ou o fornecimento e instalação de bens”. Gabarito "A" patrocinada. de modo que o Município responde objetivamente.1) (A) (B) (C) (D) De acordo com o art. § 2º. e o poder concedente deseja extinguir a concessão por inexecução contratual. Ao final do processo administrativo. e o médico. A alternativa “A” está correta. objetivamente. (D) A União somente participará de consórcios públicos em que também façam parte todos os Estados em cujos territórios estejam situados os Municípios consorciados. devendo o Estado ingressar com ação de regresso contra o agente público que assim agir (art.107/05 estabelece justamente o contrário. vítima em acidente automobilístico. E a alternativa “D” está incorreta. § 3º. assinale a alternativa correta. o Município de Mar Azul. § 4º. solidária e subjetivamente. O contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta. ou seja. dispõe sobre normas gerais para a União. Caducidade. É vedada a celebração de contrato de consórcio público para a prestação de serviços cujo período seja inferior a 5 (cinco) anos. não tenha período inferior a 5 anos e não tenha como objeto único o fornecimento de mão-de-obra. a parceria público-privada (Lei 11. na área de saúde. 37. Gabarito "C" . a “mais correta”.107. Já a responsabilidade do agente público depende de culpa ou dolo de sua parte. ainda que envolva a execução de obra ou fornecimento e instalação de bens. em razão do regime de gestão associada. o Município de Mar Azul. Rescisão. de 6 de abril de 2005. em caso de dolo ou culpa. Gabarito "B" As alternativas “B” e “C” são totalmente impertinentes ao instituto dos consórcios públicos. administrativa. foi atendido em hospital da rede pública do Município de Mar Azul e. da CF). Nessa situação hipotética. por imperícia do médico que o assistiu. pois o art. e foram inseridas para confundir o examinando.079/04). comum.1) (A) (B) (C) (D) tratarem consórcios públicos para a realização de objetivos de interesse comum. e o médico. subsidiariamente.8. da Lei 11. objetivamente. § 2º.1) A Lei Ao tomar conhecimento de que o serviço público de transporte aquaviário concedido estava sendo prestado de forma inadequada. portanto. 1º.079/04.

pois traz o texto do art. ainda. é bom que fique claro que a questão está mal formulada. A alternativa “d” está correta.987/95.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 (C) 8. Gabarito "D" O instituto que se aplica ao caso concreto é o da caducidade.790/99 (“a outorga da qualificação prevista neste artigo é ato vinculado ao cumprimento dos requisitos instituídos por esta Lei” – g. E a encampação também não se aplica ao caso narrado. contados da data em que praticado o ato. subordinando-se à homologação da Chefia do Poder Executivo. justamente o que fez a concessionária no caso concreto. o direito de a Administração Pública anular atos administrativos eivados de vício de ilegalidade. a situação narrada no enunciado não permitia. cujos objetivos sociais e normas estatutárias atendam aos requisitos previstos na respectiva lei é ato (A) (B) decai em 5 (cinco) anos.1) A qualificação como Orga- nizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIPs) de pessoas jurídicas de direito privado. Gabarito "A" complexo. Porém. § 3º. para a extinção desta por culpa do poder concedente.987/95). uma vez que somente se aperfeiçoa com a instituição do Termo de Parceria.784/99). em primeiro lugar (antes de instaurar processo administrativo de inadimplência!!!). comunicar à concessionária detalhadamente os descumprimentos contratuais. na concessão de serviço público. 1º. da Lei 8. o art. o prazo decadencial contar-se-á da percepção do primeiro pagamento (art.n. pois é a extinção da concessão por ilegalidade. a o decreto de caducidade. não se submete a prazo decadencial. 38 da Lei 8. Isso porque o enunciado narra conduta do poder concedente insuficiente para decretar a caducidade.1) (A) (B) (C) (D) (OAB/Exame Unificado – 2011. da Lei 9. § 2º. vinculado ao cumprimento dos requisitos estabelecidos em lei. nos termos contratuais (art. prescreve em 10 (dez) anos. pois. não se submete a prazo prescricional.784/99 dispõe que o prazo decadencial para anular atos que beneficiam alguém de boa-fé é de 5 anos. 54. 54. De fato. dos quais decorram efeitos favoráveis para destinatários de boa-fé (OAB/Exame Unificado – 2011. dando-lhe prazo para corrigir as falhas e transgressões apontadas e para o enquadramento. DIREITO ADMINISTRATIvO Em âmbito federal. quando tomar conhecimento de que o serviço público está sendo prestado de forma inadequada. contados da data em que praticado o ato. 38. a pedido da concessionária. § 1º. contados da data em que praticado o ato.). Segundo a Lei 8. deve. composto. uma vez que depende de avaliação administrativa quanto à sua conveniência e oportunidade. que é a extinção da concessão por inadimplência do concessionário (art. A anulação não se aplica. Gabarito "B" (D) discricionário. 19 . Apesar se a alternativa “a” ser a “mais correta”. Assim. A rescisão é terminologia empregada.987/95). da Lei 9. pois é a extinção da concessão por motivo de interesse público. no caso de atos com efeitos patrimoniais contínuos. o poder concedente. da Lei 9. a afirmativa está incompleta. caput. sem fins lucrativos.

Direito Tributário Robinson Sakiyama Barreirinhas A redação da Súmula Vinculante 28 (“É inconstitucional a exigência de depósito prévio como requisito de admissibilidade de ação judicial na qual se pretenda discutir a exigibilidade do crédito tributário”) tem por escopo impedir a adoção de que princípio jurídico? (OAB/Exame Unificado – 2011. caput. a Fiscalização da Secretaria da Receita Federal apurou crédito tributário. 1.STJ). . D: incorreta. Assim. pois garante o acesso ao Judiciário. 132. pois a inexigibilidade do depósito não tem relação com a (im)possibilidade de agir de maneira contraditória. B: incorreta. Venire Contra Factum Proprium. com decisão de mérito em seu favor. dos sócios da Empresa ABC Ltda. de modo que o Fisco não cobrará dela o crédito tributário – art. pois a incorporadora (XYZ Ltda. 20 (OAB/Exame Unificado – 2011. C: imprecisa. 5º. D: essa é a alternativa correta.1) (A) (B) (C) (D) Contraditório e ampla defesa. viola o princípio da inafastabilidade da tutela jurisdicional ou do irrestrito acesso ao Judiciário (art. da Empresa XYZ Ltda.9. sendo que os sócios da empresa incorporada se aposentaram 7 (sete) dias após a data da realização do negócio jurídico. A e B: incorretas. é correto afirmar que (A) A Empresa ABC Ltda. e da Empresa XYZ Ltda. resultante do não recolhimento de IRPJ. mas sim para garantir a aplicação de um – ver PSV 37/DF (processo no STF que deu origem à Súmula). para suspender a exigibilidade do crédito tributário.. bem como evita a fluência dos juros e a imposição de multa. B: incorreta. Exceção de contrato não cumprido. XXXV. pois. a Fazenda não precisa executar. Ainda que se admita que o pagar para depois pedir restituição seja princípio (discordamos disso) e que ele seja aplicável aos depósitos judiciais. Em 30/06/2011. caberá à Fazenda promover execução fiscal para fins de receber o crédito que lhe é devido. por exemplo. da CF). A: incorreta. o depósito prévio do montante integral produz os efeitos de impedir a propositura da execução fiscal. Solve et Repete. CSLL. Gabarito "C" A: incorreta. não precisará pagar mais nada a título de juros.118 do CC. C: imprecisa. da Empresa ABC Ltda. o depósito prévio do montante integral é requisito de admissibilidade da ação ajuizada por José dos Anjos. pois a inexigibilidade do depósito não afasta o contraditório e a ampla defesa. no caso de o contribuinte sair vencido.) deixa de existir com a incorporação. se o contribuinte perder a demanda.) – art. ou. De fato. o depositante não responderá pelos juros no período em que o dinheiro ficou à disposição do juízo. o crédito tributário deverá ser cobrado (OAB/Exame Unificado – 2011. pois a inexigibilidade não tem relação com a prerrogativa de não se cumprir determinada prestação por inadimplência do outro contratante. entre outros tributos devidos da responsabilidade da Empresa ABC Ltda. Pelo exposto. poderiamos dizer. 129 do CTN).1) Gabarito "D" caso o contribuinte saia vencido. o depósito do montante objeto de discussão judicial poderá ser levantado caso José dos Santos tenha seu pedido julgado procedente perante o juízo de primeiro grau. Ou seja. pois é pacífico o entendimento de que o depósito judicial não é pressuposto para ações (Súmula Vinculante 28/STF). nada impede que o interessado realize o depósito judicial (embora não seja pressuposto para a ação). D: incorreta. pois a incorporada (ABC Ltda. C: incorreta. Nesse sentido.1) José dos Anjos ajuíza ação anulatória de débito fiscal após realizar depósito do montante integral do crédito que busca a anulação. do c/c o art. a rigor. pois a simples inadimplência não implica responsabilidade dos sócios – Súmula 430/STJ.835/ SP .1) (A) (B) (C) (D) (B) (C) (D) O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre a Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e (OAB/Exame Unificado – 2011. pois o depósito somente poderá ser levantado pelo contribuinte se ele vencer a demanda em última instância. Ocorre que o depósito será remunerado (incidirá juros) pela instituição financeira depositária (o depósito será levantado ou convertido em renda acrescido de juros) ou pelo próprio Tesouro Nacional (em caso de tributos federais – se o contribuinte vencer a demanda levantará o valor acrescido da SELIC). a Súmula não serve para “impedir a adoção” de princípio jurídico. anterior à data da incorporação. em 15/06/2011. solidariamente da Empresa ABC Ltda. já que o depósito é convertido em renda pública. Gabarito "C" O STF claramente fixou a Súmula Vinculante 28 porque o depósito prévio prejudica o acesso ao Judiciário. razão pela qual a alternativa foi considerada correta pelo examinador. conforme a jurisprudência pacífica (ver EREsp 227.) responde pelos créditos tributários deixados pela incorporada (ABC Ltda. foi incorporada pela Empresa XYZ Ltda.

inclusive lubrificantes. 155. por iniciativa do seu Presidente ou de um terço dos Senadores da casa. 155. a não-cumulatividade implica cobrança do imposto descrita por muitos como sendo sobre o valor agregado (embora. § 2º. da CF. da CF. que é complementada pela Lei Complementar 87/1996. b e d. DIREITO TRIBUTáRIO (D) Intermunicipal e de Comunicação tem seus princípios delineados na Constituição. a. a rigor. assim como nas prestações de serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens de recepção livre e gratuita. X. 155. IV. Ademais. É importante salientar que. importados do exterior. muito embora possa ter alíquotas seletivas segundo a essencialidade da mercadoria ou do serviço – art. B: incorreta. mas não incide sobre o ouro. ainda quando realizadas por quem não seja contribuinte habitual do imposto. a. são destinados ao consumo próprio da pessoa natural. pois o ICMS incide sobre as importações. o cálculo seja meramente contábil). quando definido em lei como ativo financeiro. c. da CF. A respeito desse imposto é correto afirmar que (A) (B) (C) Gabarito "D" ele incide sobre operações que destinem a outros Estados petróleo. como consta da assertiva) ou de um terço dos Senadores – art. Finalmente. pois há imunidade sobre essas operações – art. incide sobre o valor agregado. da CF. pois a iniciativa dessa Resolução do Senado é do Presidente da República (não do Senado. § 2º. todas as exportações são imunes ao ICMS. 155. ele tem função precipuamente fiscal. 21 . C: incorreta. § 2º. A função do ICMS é primordialmente fiscal (= arrecadatória). suas alíquotas aplicáveis às operações e prestações interestaduais e de exportação são estabelecidas por meio de resolução do Senado Federal. com as alterações posteriores.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 9. qualquer que seja a finalidade da mercadoria (mesmo que o bem seja destinado a consumo do próprio importador. X. e energia elétrica. de modo que o Senado não mais deverá fixar alíquotas relativas a essas operações – art. § 2º. III. § 2º. a imunidade relativa ao ouro ativo financeiro ou instrumento cambial é prevista no art. atualmente. em obediência ao princípio da não cumulatividade. combustíveis líquidos e gasosos dele derivados. portanto) – art. X. D: assertiva correta. da CF. podendo ser seletivo em função da essencialidade. é autorizada a sua cobrança sobre bens importados do exterior por pessoa física que tenha intuito de comercializá-los. com aprovação dada pela maioria absoluta de seus membros. 155. da CF. 155. § 2º. mas é vedada a sua incidência quando esses bens. A: incorreta.

pois o contrato de aprendizagem não poderá ser estipulado por prazo superior a 2 anos. ou seja. pois nos termos do art. o contrato de aprendizagem deve ser ajustado apenas de forma escrita. sete horas diárias. 428. Gabarito "C" A: opção incorreta. por dia. da CLT. periculosidade de forma integral. não podendo ser derrogada por norma hierarquicamente inferior. pois a redução de 30 minutos deve ser calculada sobre a jornada fixada na convenção coletiva. 7º. D: opção incorreta. pois as condições estabelecidas na convenção coletiva. sendo vedada a prorrogação e a compensação de jornada. É um contrato especial de trabalho que pode ser ajustado de forma expressa ou tácita.1) Foi 22 A: opção incorreta. porque o acordo coletivo. prevalecem sobre as estipuladas no acordo coletivo. 620 da CLT. integrante da categoria profissional dos eletricitários. celebrada convenção coletiva que fixa jornada em sete horas diárias. § 2º. (OAB/Exame Unificado – 2011. a duração do trabalho do aprendiz não excederá seis horas diárias. pois reflete o disposto no art. Salvo condição mais favorável. da CLT. exceto quando se tratar de aprendiz portador de deficiência.09. na medida em que. os empregados das empresas que subscrevem o acordo coletivo e a convenção coletiva deverão trabalhar. uma vez fixado em acordo coletivo. José Antônio tem direito ao pagamento de adicional de periculosidade de forma proporcional ao tempo de exposição ao risco. mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho. pois reflete o disposto na súmula 191 do TST. 7 horas e 30 minutos. em razão da intermitência da exposição às condições de risco. José Antônio tem direito ao pagamento de adicional de periculosidade de 30% (trinta por cento) sobre a totalidade das parcelas salariais. dá direito ao empregado a receber o adicional de A: opção incorreta. embora de forma intermitente. é empregado de uma empresa do setor elétrico. pois nos termos do art. pois contraria a disposição contida na súmula 361 do TST. assinale a alternativa correta. assinale a alternativa correta. XIII. B: opção correta. (A) (B) José Antônio de Souza. nos termos do art. seria calculada sobre a jornada de trabalho ordinária de 8 horas. D: opção incorreta. foi celebrado acordo coletivo prevendo redução da referida jornada em 30 minutos. É um contrato por prazo determinado cuja duração jamais poderá ser superior a dois anos. deverá ela ser obedecido este limite. C: opção incorreta.369. da CF. nos termos do art. I.10. pois a opção está em consonância com o art. disposta no art. sendo aplicada a redução de 30 minutos sobre a jornada de 8 horas por dia prevista na CRFB. B: opção incorreta. em conformidade com a súmula 191 do TST. por ser mais específico. na mesma vigência dessa convenção. pela aplicação do princípio da prevalência da norma mais favorável ao trabalhador. na medida em que a Lei nº 7. pois a súmula 361 do TST determina que o trabalho exercido em condições perigosas.1) (A) (C) (D) (B) (C) (D) José Antônio não tem direito ao pagamento de adicional de periculosidade. a redução de 30 min. (OAB/Exame Unificado – 2011.1985. de forma definitiva. Diante dessa situação hipotética. C: opção correta. pois a CRFB prevê jornada de 8 horas por dia e 44 horas semanais. Posteriormente. não estabeleceu nenhuma proporcionalidade em relação ao seu pagamento. a condições de risco acentuado. caput. 6 horas e 30 minutos. 620 da CLT Gabarito "D" A duração do trabalho do aprendiz não pode exceder de quatro horas diárias. jornada inferior ao mínimo legal. de 20. Direito do Trabalho Hermes Cramacon Com relação ao contrato de aprendizagem. § 3º. por serem mais abrangentes. pois o art. do TST. sendo vedada a prorrogação e a compensação de jornada. as condições de trabalho alcançadas por força de convenção coletiva vigoram no prazo assinado. os contratos individuais de trabalho. pois para os eletricitários o adicional de periculosidade é calculado com base na totalidade das parcelas salariais. não integrando.1) (A) (B) (C) (D) (OAB/Exame Unificado – 2011. José Antônio tem direito ao pagamento de adicional de periculosidade de 30% (trinta por cento) sobre o seu salário básico. Caso não estivesse na vigência da convenção coletiva. B: opção incorreta. 7 horas. 428. Assim. expondo-se. da CLT. prevalece sobre a convenção coletiva. 58 da CLT. D: opção correta. não se admitindo de forma tácita. e considerando que não há norma coletiva disciplinando as condições de trabalho. 8 horas. autoriza a redução da jornada. Assim. C: opção incorreta. ao menor aprendiz deve ser assegurado o salário mínimo hora. pois contraria o princípio da aplicação da norma mais favorável ao trabalhador. Gabarito "B" . na medida em que a convenção ainda estava na vigência. de forma intermitente. 432 da CLT. nos termos da súmula 277. 428.

bem como na obrigação de fornecimento das guias para levantamento dos depósitos do FGTS e obtenção do benefício do seguro-desemprego. a empresa afirma que o reclamante foi dispensado motivadamente. em decorrência de contrato de prestação de serviços celebrado entre as respectivas empresas.1) (B) (C) (D) pelas obrigações trabalhistas inadimplidas pela empresa prestadora. trabalha para a empresa Boa Sorte Ltda. Não é devido o pagamento de indenização compensatória sobre os depósitos do FGTS quando o contrato de trabalho se extingue por força maior reconhecida pela Justiça do Trabalho. nos termos da súmula 331. 484 da CLT determina que. o juiz se convenceu da configuração de culpa recíproca. B: opção correta.. D: opção incorreta. o reclamante tem direito ao pagamento de indenização compensatória sobre os depósitos do FGTS corresponderá a 20%. 18. posto ser trintenária a prescrição para a cobrança deste último. décimo terceiro salário.036/90.. A terceirização é lícita. do décimo terceiro salário e das férias proporcionais. I e III. nos termos da súmula 14 do TST. pois a terceirização é considerada ilícita e não lícita e a responsabilidade será solidária e não subsidiária como induz a opção. C: opção incorreta. acarretando a responsabilidade subsidiária da empresa tomadora pelas obrigações trabalhistas inadimplidas pela empresa prestadora. Gabarito "B" O reclamante não poderá movimentar a conta vinculada do FGTS.. 9º da CLT. Postulou a condenação da reclamada no pagamento de aviso prévio. havendo culpa recíproca. alegando ter sido dispensado sem justa causa. acarretando a nulidade do vínculo de emprego com a empresa prestadora e o reconhecimento do vínculo de emprego diretamente com a empresa tomadora. Na hipótese de falecimento do empregado. pois o art. I. § 5º. Gabarito "C" A terceirização é lícita. 15.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 10. o saldo de sua conta vinculada do FGTS deve ser pago ao representante legal do espólio. da Lei 8. nos termos do art.. pela metade. A culpa recíproca é modalidade de resilição unilateral do contrato de trabalho. Na peça de defesa. O reclamante não tem direito ao pagamento de indenização compensatória sobre os depósitos do FGTS. 23 Gabarito "D" . é devido o depósito em sua conta vinculada do FGTS.036/90. pois o art. DIREITO DO TRABALhO João da Silva ajuizou reclamação trabalhista em face da empresa Alfa Empreendimentos Ltda. As atribuições por ele exercidas inserem-se na atividade-meio da tomadora. pois na terceirização considerada ilícita a responsabilidade será solidária. sendo o saldo pago a seus dependentes. nos moldes do art. 942 do Código Civil. C: opção correta. A: opção incorreta. empregado da empresa Alegria Ltda. segundo o critério adotado para a concessão de pensões por morte. D: opção incorreta. pois em conformidade com a súmula 206 do TST. pois reflete o disposto no art. tendo em vista que a contratação por meio de empresa interposta é ilegal e não produz qualquer efeito. Importante frisar que o saldo de salário deverá ser pago integralmente. IV. pois nos termos do art. da Lei 8. B: opção incorreta. havendo culpa recíproca no ato que determinou a rescisão do contrato de trabalho. estava presente na relação apresentada a existência de pessoalidade e a subordinação. do TST. Diante dessa situação hipotética. B: opção incorreta. pois embora realizada em atividade meio da empresa. pois a culpa recíproca é hipótese de resolução do contrato de trabalho que ocorre sempre que uma ou ambas as partes praticarem uma falta. sem justo motivo. desta forma. assinale a alternativa correta. (OAB/Exame Unificado – 2011. (OAB/Exame Unificado – 2011. pois a terceirização apresentada no caso é considerada ilícita. 18. § 2º. emitindo ordens diretas ao trabalhador no desempenho de suas tarefas. ensina que havendo extinção do contrato por força maior. assinale a alternativa correta. alínea “e”. 20. pois nos termos do art.1) (A) A: opção incorreta. a relação de emprego entre Paulo e a empresa tomadora de serviços Boa Sorte Ltda. 20. a qual efetua o controle de sua jornada de trabalho e dirige a prestação pessoal dos serviços. havendo o falecimento do trabalhador. D: opção correta. e que. férias proporcionais acrescidas do terço constitucional e indenização compensatória de 40% (quarenta por cento) sobre os depósitos do FGTS. (B) (C) (D) Paulo. (A) (B) (C) (D) Assinale a alternativa correta em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS. a prescrição da pretensão relativa às parcelas remuneratórias alcança o respectivo recolhimento da contribuição para o FGTS. não acarretando a responsabilidade subsidiária da empresa tomadora A: opção incorreta. a fim de que proceda à partilha entre todos os sucessores do trabalhador falecido. reconhecendo. para esse fim habilitados perante a Previdência Social. A resilição do contrato de trabalho ocorre sempre que uma ou ambas as partes resolvem. da Lei 8. A terceirização é ilícita. (OAB/Exame Unificado – 2011. da Lei 8.036/90.036/90.036/90. da Lei 8. A terceirização é ilícita. o juiz reduzirá a indenização à que seria devida em caso de culpa exclusiva do empregador. não efetuou o pagamento das verbas postuladas e não forneceu as guias para a movimentação dos depósitos do FGTS e percepção do seguro-desemprego. com fundamento no art. pois havendo culpa recíproca o reclamante poderá movimentar sua conta de FGTS. C: opção incorreta. a indenização corresponderá a 20%. romper o pacto laboral. Considerando que. 2º. acarretando a responsabilidade subsidiária da empresa tomadora pelas obrigações trabalhistas inadimplidas pela empresa prestadora. Durante a prestação do serviço militar obrigatório pelo empregado. O reclamante tem direito a 50% do valor do aviso prévio. após a instrução processual. da CLT). por essa razão.1) (A) A prescrição da pretensão relativa às parcelas remuneratórias não alcança o respectivo recolhimento da contribuição para o FGTS. ainda que se trate de período de suspensão do contrato de trabalho. por desídia no desempenho de suas funções (artigo 482.

a revelia decorre da ausência da parte ré. prevê tal hipótese. Deve lançar em ata o protesto. 896. pois o art. de fato ou de direito. Dada a palavra ao reclamante. Em se tratando de execução provisória.1) Em A respeito do recurso de revista. pelo que o juiz indeferiu a juntada da defesa escrita que o advogado da parte reclamada pretendia apresentar. estando ou não presente o advogado da parte ausente (ainda que munido de procuração) e sempre importa em confissão quanto a qualquer matéria. pois na questão estamos trabalhando (B) (C) As partes devem ser previamente intimadas para a apresentação do cálculo de liquidação. em conformidade com o art. importando em confissão quanto à matéria de fato. a revelia decorre da ausência da parte ré. a revelia decorre da falta de apresentação de defesa. independentemente do comparecimento de seus representantes. por tempo indeterminado. 843 da CLT. a. Deve lançar em ata o protesto.1) (A) (A) 24 (B) (C) (D) Assinale a alternativa correta no que diz respeito à execução trabalhista. pois reflete o disposto no art. . instrução e julgamento. que ficará a cargo da União. alegando que. consignando que. da CLT.1) (A) A: opção incorreta. Direito Processual do Trabalho Hermes Cramacon (OAB/Exame Unificado – 2011. B: opção incorreta. 896. é irrelevante. pois o art. opção correta. como advogado da reclamada e por este motivo devemos defender seus interesses. mas compareceu o seu advogado. importando em confissão quanto a qualquer matéria. exceto da contribuição previdenciária incidente. devendo o juiz receber a defesa apresentada pelo advogado da parte ausente para o exame das questões de direito. não fere direito líquido e certo do impetrante a determina- Gabarito "A" Deve conformar-se. munido de procuração e dos atos constitutivos da empresa. a execução compreenderá inicialmente as prestações devidas até a data do ingresso na execução. a revelia tanto pode decorrer da ausência da parte ré quanto da falta de apresentação da defesa. a revelia decorre da ausência da parte ré à audiência (art. munido de procuração e defesa. pois prevalece na doutrina que a revelia nos domínios do processo do trabalho se dá com a ausência da reclamada à audiência inaugural. pois.11. é cabível em sede de execução. pois a revelia no processo do trabalho gera a confissão quanto à matéria de fato e não para as matérias de direito. § 6º. B: opção incorreta. no processo do trabalho. da CLT o recurso de revista é cabível somente na hipótese de ofensa direta e literal de norma da Constituição Federal. 843 da CLT dispõe que na audiência de julgamento deverão estar presentes o reclamante e o reclamado. nas mesmas hipóteses de cabimento das decisões decorrentes de recurso ordinário. C: opção incorreta. Desta forma. de decisão em embargos à execução. (B) (C) (D) é cabível nas causas sujeitas ao procedimento sumaríssimo. D: opção correta. nos termos da súmula 126 do TST. pois. o reclamado não respondeu ao pregão. no processo do trabalho. pois nos termos do art. 896. desde que munido de procuração. pelo que a presença do advogado da parte ausente. pelo que a presença do advogado. alegando que. (OAB/Exame Unificado – 2011. indicando como deve o advogado da parte reclamada proceder. pelo que o juiz deve receber a defesa apresentada pelo advogado da parte ausente. se lançando em ata o protesto. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. supre a ausência da parte. § 2º. no processo do trabalho. A. no processo do trabalho. no processo do trabalho. não é cabível para reforma de decisão visando à uniformização de jurisprudência e restabelecimento da lei federal violada. Deve conformar-se. pois dada a natureza extraordinária do recurso não é permitido o reexame de fatos e provas. os interesses da reclamada seriam melhores defendidos. 843 da CLT). seu advogado requereu que a empresa fosse considerada revel e confessa. para o exame das questões de direito. importando em confissão exclusivamente quanto à matéria de fato. Tratando-se de prestações sucessivas. D: opção incorreta. é cabível para corrigir injustiças de decisões em recurso ordinário. da CLT. Gabarito "D" audiência de conciliação. havendo apreciação das provas produzidas nos autos do processo. somente por contrariedade à súmula de jurisprudência uniforme do Tribunal Superior do Trabalho e violação direta à Constituição da República. Assinale a alternativa correta. munido de procuração. C: opção incorreta.

deverá recolher o valor da multa. deverá valer-se de ação própria requerendo judicialmente a isenção até o julgamento do recurso administrativo. III.art. salvo se tratar de vícios ou irregularidades de penhora. da CLT. 879. 892 da CLT. 5. D: opção incorreta.COMO PASSAR NA OAB – 7a EDIÇÃO – ATUALIZAÇÃO No 1 11. assinale a alternativa correta. ainda que nomeados outros bens à penhora. Gabarito "B" A: opção incorreta. ensinando que a norma em debate não foi recepcionado pela Constituição Federal de 1988. avaliação ou alienação de bens. não precisará depositar a multa.00. conforme o art. 791 da CLT. pois contraria o entendimento cristalizado na súmula 417. B: opção correta. (OAB/Exame Unificado – 2011. (D) não precisará recolher qualquer multa para ter apreciado o seu recurso administrativo. a empresa (A) (B) Quanto ao cabimento do mandado de segurança na Justiça do Trabalho. § 1º. quando nomeados outros bens à penhora. pois nos termos da súmula 418 do TST. A: opção correta. mas a competência para julgá-los será sempre do juízo deprecante. C: opção incorreta. 636. para ser isenta do depósito da multa. editando a súmula 424. que ficará retida até o julgamento do recurso administrativo. Na execução por carta precatória. inclusive da contribuição previdenciária incidente. III. o TST interpretou referido dispositivo de lei. C: opção incorreta. praticados pelo juízo deprecado. DIREITO PROCESSUAL DO TRABALhO (D) ção de penhora em dinheiro. C: opção correta. Gabarito "C" A: opção incorreta. o valor da multa importa em R$ 5. inexistindo direito líquido e certo tutelável pela via do mandado de segurança. do TST. LV. uma vez que obedece à gradação da lei processual. em que a competência será deste último. do TST.1) Lavrado auto de infração contra uma empresa por alegada violação às normas da CLT. não fere direito líquido e certo do impetrante a determinação de penhora em dinheiro.000. O mandado de segurança impetrado contra decisão liminar que concedeu a tutela antecipada perde o objeto quando da superveniência de sentença nos autos originários. pois de acordo com o art. pois não há obrigatoriedade de depósito em anulação anulatória. pois a súmula 425 do TST determina não ser possível fazer uso do jus postulandi . Cabe a impetração de mandado de segurança da decisão que indefere liminar ou homologação de acordo. ante a sua incompatibilidade com o inciso LV do art.1) (A) (C) (B) (C) (D) Gabarito "A" É permitido o exercício do jus postulandi das partes quando da impetração do mandado de segurança na Justiça do Trabalho. do TST. vide comentários da opção A. pois embora a multa esteja prevista no art. as partes deverão ser previamente intimadas para a apresentação do cálculo de liquidação. para a impetração de mandado de segurança. B: opção incorreta. 5º. sendo exigida como condição para interposição do recurso administrativo. pois de acordo com a súmula 419 do TST. B: opção incorreta. D: opção incorreta. I. da CF (princípio do contraditório e ampla defesa). a competência para julgar os embargos de terceiro é do juiz deprecante. a concessão de liminar ou a homologação de acordo constituem faculdade do juiz. Tratando-se de execução provisória. pois em conformidade com a súmula 424 do TST não há exigência de multa. Pretendendo recorrer administrativamente da multa. pois contraria o disposto na súmula 417. da CLT. pois reflete o disposto no art. pois reflete o disposto na súmula 414. os embargos de terceiro serão oferecidos no juízo deprecante ou no juízo deprecado. (OAB/Exame Unificado – 2011. 25 . § 1o-B. pois isso somente será obrigatório se desejar ajuizar ação anulatória perante a Justiça do Trabalho. uma vez que obedece à gradação prevista em lei. D: opção incorreta.

771/65 – Código Florestal). B: assertiva considerada correta. apesar de os índios terem o direito de usufruto mencionado (art. O inciso VII do §1º do art. assinale a alternativa correta. portanto.650/03 estabelece que qualquer indivíduo tem legitimidade para esse requerimento. Direito Ambiental Wander Garcia (OAB/Exame Unificado – 2011. que trata especificamente sobre o assunto. para atender à sua subsistência. pois o EIA/RIMA no caso de aterro sanitário é obrigatório (art. 20. D: incorreta. § 2º. A exploração dos recursos florestais em terras indígenas somente poderá ser realizada pelas comunidades indígenas em regime de manejo florestal sustentável. A esse respeito. pois a Lei 10. muito provavelmente pela interpretação bem extensiva do princípio da informação. polêmica. sem necessidade de licenciamento ambiental. 231 do referido texto constitucional estabelece que são terras indígenas as habitadas por eles em caráter permanente e que podem ser utilizadas por esses povos. Os indígenas são proprietários das terras que ocupam em caráter permanente. eles não têm imunidade ao cumprimento das leis. a “pessoa jurídica estrangeira”. B: incorreta. informações sobre resultados de monitoramento e auditoria nos sistemas de controle de poluição e de atividades potencialmente poluidoras das empresas brasileiras. mediante requerimento escrito. portanto. pois. XI. D: correta (art. (A) (B) 26 (C) (D) A exigência de Estudo Prévio de Impacto Ambiental para aterros sanitários depende de decisão discricionária do órgão ambiental. que avaliará no caso concreto o potencial ofensivo da obra. mas devem explorá-las segundo as normas ambientais estabelecidas na Lei da Política Nacional do Meio Ambiente e do Código Florestal. C: incorreta. Uma pessoa jurídica com sede na França poderá solicitar. pois a propriedade das terras tradicionalmente ocupadas pelos índios é da União (art. o sigilo só é admitido em caso de sigilo industrial. no mínimo. ademais. mediante a apresentação de título de eleitor e comprovação de domicílio eleitoral no local. 231. o órgão ambiental poderá elaborar estudo prévio de impacto ambiental sigiloso. sendo necessária a devida justificativa (art. 225 da Constituição da República prevê a proteção da fauna e da flora. Um cidadão brasileiro pode solicitar informações sobre a qualidade do meio ambiente em um município aos órgãos integrantes do Sisnama. A e C: incorretas. e não por órgão público. 11 da Resolução CONAMA nº 01/86). vedadas as práticas que coloquem em risco sua função ecológica. 3º-A da Lei 4. X. de modo que a questão em tela é. podem explorá-las. mesmo sem comprovação de interesse específico. da CF). todavia. aquele que está com os direitos políticos em dia. não sendo necessário que se trate de um cidadão. ou seja.1) (A) (B) (C) (D) Gabarito "D" A: incorreta. dos rios e dos lagos nas terras ocupadas em caráter permanente por eles e. não podendo se furtar ao licenciamento ambiental. que permeia o Direito Ambiental.650/03. aos órgãos integrantes do Sisnama. e não sigiloso. desde que necessárias ao seu bem-estar e à sua reprodução física e cultural. . enquanto que o §1º do art. a regra é ser o EIA/RIMA público. respeitado o Código Florestal. da Resolução CONAMA nº 01/86).12. Caso a área que sofrerá o impacto ambiental seja considerada estratégica para o zoneamento industrial nacional de petróleo e gás e em áreas do pré-sal. Os indígenas podem suprimir vegetação de mata atlântica sem autorização do órgão ambiental competente porque são usufrutuários das terras que habitam. Gabarito "B" Os indígenas têm o usufruto exclusivo das riquezas do solo. a Lei 10. quando este for necessário. da CF). estabelece que apenas o “indivíduo” terá direito às informações de que trata o enunciado da questão. (OAB/Exame Unificado – 2011. pois o EIA/RIMA é feito pelo empreendedor.1) Assinale a alternativa cor- reta quanto ao licenciamento ambiental e ao acesso aos dados e informações existentes nos órgãos e entidades integrantes do Sisnama. 2º. não teria legitimidade para fazer a solicitação mencionada.

ordem judicial (para o cumprimento de medida socioeducativa de internação. cujo prazo de duração. movido pelo desejo de ajudar seus genitores no sustento do núcleo familiar pobre. D: assertiva correta. a concessão da remissão. poderá sujeitar-se à internação-sanção. Washington poderá ser contratado como ensacador de compras. pela disciplina do art. como já possui 14 (quatorze) anos. já que as medidas de proteção não têm caráter punitivo. Diferentemente. a medida socioeducativa de internação aplicada em razão do descumprimento reiterado e injustificável da medida anteriormente imposta ao adolescente infrator não poderá ser superior a três meses. § 1º. porque disciplinada em legislação especial. vige o sistema da irresponsabilidade. está incorreta. Esta é a remissão judicial. do ECA.1) (A) (B) (C) (OAB/Exame Unificado – 2011. tem discernimento suficiente para firmar o contrato de trabalho e. A esse respeito. ECA) e tem como propósito amenizar os efeitos da continuidade do processo. 126. 122. obrigação de reparar o dano. não é necessário que o adolescente goze de horário especial compatível com a garantia de acesso e frequência obrigatória ao ensino regular. será a elas impingida medida socioeducativa. 126. a teor do art. é medida que o membro do Ministério Público atribuído poderá adotar no processamento de ato infracional. Na condição de aprendiz. Podemos ainda dizer que. caput. C: assertiva incorreta. Recentemente. Pode-se. que funciona 24h. dizer que. Em hipótese alguma. esta foi pacificada pelas Forças de Segurança Nacional. a remissão não mais poderá ser concedida pelo promotor de Justiça. Assim.art. parágrafo único. liberdade assistida e inserção em regime de semiliberdade. 171. quando concedida pelo membro do Ministério Público (remissão ministerial). mesmo não sendo tal atividade de aprendizagem. assinale a alternativa correta. para que compareça à audiência de apresentação etc) será encaminhado à autoridade judiciária – art. (A) (B) (C) Como a comunidade onde reside Washington foi pacificada pelas forças de paz. (D) A: é do art. em relação a elas – crianças -. o descumprimento há de ser injustificável. Gabarito "D" ao ato infracional praticado por crianças corresponderão as seguintes medidas socioeducativas: advertência. poderá chegar a três meses. pretende iniciar atividade laborativa como ensacador de compras na pequena mercearia Tudo Tem. Segundo o STJ. 105 do ECA que as crianças que cometerem ato infracional estarão sujeitas tão somente a medidas protetivas. uma vez iniciado o procedimento. sua responsabilidade pela prática de ato infracional é especial. A assertiva. B: proposição incorreta. em relação aos adolescentes. Têm. o adolescente apreendido em flagrante de ato infracional deverá ser conduzido à presença da autoridade policial competente. natureza administrativa e podem ser aplicadas pelo Conselho Tutelar. não prescinde de homologação do juiz . devendo o juiz. a reiteração pressupõe mais de três atos. reservada exclusivamente aos adolescentes. o adolescente apreendido em flagrante de ato infracional será imediatamente encaminhado ao Juiz de Direito em exercício na Vara da Infância e Juventude. cabe ao adolescente a ela submeterse. isto sim. poderá o adolescente exercer a carga horária laborativa no período das 22h às 24h. pois a remissão.1) Washington. desde que procure outra atividade laborativa que seja de formação técnico-profissional. 172 do ECA. que decidirá sobre a necessidade ou não de seu acautelamento provisório. portanto. assim. independentemente de sua vontade. Esta é a chamada internação com prazo determinado ou internação-sanção. portanto. uma vez aplicada a medida por sentença em processo de conhecimento. Se assim não fizer. que prescinde da homologação da Autoridade Judiciária. prestação de serviços à comunidade. dada a natureza de sanção que têm as medidas socioeducativas. 27 .13. somente pela autoridade judiciária. a Súmula 265 do STJ: “É necessária a oitiva do menor infrator antes de decretar-se a regressão da medida socioeducativa”. pois. adotando a louvável atitude de preferir o trabalho às ruas. visto que. localizada em sua comunidade. agora. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. não há falar em local perigoso ou insalubre para o menor. Tendo como substrato a tutela do Estatuto da Criança e do Adolescente no tocante ao Direito à Profissionalização e à Proteção no Trabalho. Além disso. ECA. pois. assim. sem qualquer restrição legal. ouvir as razões do adolescente. o adolescente apreendido por força de adolescente com 14 (quatorze) anos. Direito da Criança e do Adolescente Eduardo Dompieri No tocante às normas contidas no Estatuto da Criança e do Adolescente. portanto. De outro lado. prestar auxílio material aos seus pais. que importa em suspensão ou extinção do processo (art.

do ECA. o que não é o caso do ensacador de compras. que conta com 14 anos. ser contratado como ensacador de compras. 7º. . por força do que dispõe o art. no exercício de sua atividade. O trabalho noturno. o comando constitucional tem como propósito evitar que o adolescente deixe o estudo de forma prematura para lançar-se no mercado de trabalho. XXXIII. não se pode afirmar que o menor exercerá atividade laborativa na condição de aprendiz. A atividade de aprendizagem deve promover uma formação técnico-profissional. B: a assertiva – incorreta – está em desconformidade com o que prescreve o art. não seja exposto. I e III. da CF. 428 da CLT. sim. 7º. a perigo nem a trabalho insalubre. da CF. 28 Gabarito "D" A: alternativa incorreta.art. C: não se tratando de atividade de aprendizagem. a Washington somente é permitido exercer atividade laborativa na condição de aprendiz . D: alternativa correta. Washington. Vide art. Ainda que a sua iniciativa seja louvável. Pouco importa se o local onde será exercida a atividade laborativa está situado em região onde as forças de segurança atuaram e lograram pacificá-la. portanto. XXXIII. Como conta com 14 anos. é que o adolescente exerça sua atividade técnico-profissional em horário adequado.EDUARDO DOMPIERI (D) Washington não poderá trabalhar na mercearia como ensacador de compras. 63. perigoso ou insalubre é reservado somente àqueles que já contam com 18 anos. Importa. não poderá. pois tal atividade não é enquadrada como de formação técnicoprofissional.

a redução de pena pela participação de menor importância – art. além do condenado a pena não superior a 4 anos. § 3º. O professor de Osíris. e o réu não pode ter reincidido na prática do mesmo crime (reincidência específica). Referido professor mencionou. 61. e Osíris queria saber qual substância deveria ingerir para interromper a gestação. § 2º. Nesse sentido. é. qualquer que seja a pena. Se superior a um ano. bastante animado com o interesse dos alunos sobre o assunto. 44. neste caso. é defeso ao juiz fixá-la em patamar superior ou inferior ao estabelecido no preceito secundário do tipo penal incriminador. naquele momento. (C) (D) Somente fará jus à substituição o réu que for condenado a pena não superior a 4 (quatro) anos. Todavia. C: a substituição.1) (A) (B) (D) o acréscimo de pena pela embriaguez preordenada deve se feito posteriormente à redução pela confissão espontânea. B e C: na primeira e na segunda etapas de aplicação da pena. “no cálculo da pena privativa de liberdade a executar será deduzido o tempo cumprido da pena restritiva de direitos. vedada – art. substância ou objeto destinado a provocar aborto”. Devem. Direito Penal Eduardo Dompieri Com relação aos critérios para substituição da pena privativa de liberdade por restritiva de direitos. Osíris. neste caso. tratava-se de gravidez indesejada.688/41. a pena fixada na sentença deve ser cumprida na íntegra. Gabarito "B" A: os maus antecedentes fazem parte do rol do art.14. diversas substâncias capazes de provocar a interrupção prematura da gravidez. ainda que haja circunstância agravante a ser considerada. ao acréscimo decorrente da reincidência. (OAB/Exame Unificado – 2011. e eventual acréscimo de pena com base na reincidência deve ser posterior à redução pela participação de menor importância. Mas não é verdadeira a afirmação segundo a qual. 29 .1) (A) (B) o crime previsto no art. § 4º. a qual era claramente favorável ao aborto. analisando as circunstâncias judiciais do art. na chamada segunda fase (fase intermediária). I. § 1º. que constitui a primeira etapa de fixação da pena. portanto. fixe pena-base em patamar acima do máximo previsto. No mais. posterior. será analisada em momento posterior. Trata-se das chamadas circunstâncias judiciais. segunda parte. A reincidência. que dispõe: “anunciar processo. é defeso ao juiz fixar a pena intermediária em patamar acima do máximo previsto. Em caso de descumprimento injustificado da pena restritiva de direitos. esta será convertida em privativa de liberdade. 59 do Código Penal. inclusive fornecendo os nomes de inúmeros remédios abortivos e indicando os que achava mais eficazes. 44. por se tratar de circunstância agravante (art. Além disso. 44. considerando-se apenas os dados mencionados. aquele condenado por crime culposo. respeitado o saldo mínimo de 30 dias de detenção ou reclusão”. ser levados em conta na eleição do quantum da pena-base. 44. por sua vez. Já na terceira fase é possível fixar-se pena inferior à mínima ou superior à máxima. B: proposição correta. Gabarito "C" A: a assertiva estaria correta se se referisse somente aos crimes dolosos. Sucede que também faz jus à substituição. então. do CP. publicamente. a saber: a substituição há de ser socialmente recomendável. reiniciando-se o cumprimento da integralidade da pena fixada em sentença. (OAB/Exame Unificado – 2011. nos termos do art. 20 do Decreto-Lei 3. é correto afirmar que (A) relação ao cálculo da (B) (C) a análise da reincidência precede à verificação dos maus antecedentes. que dispõe: “incitar. 29. por isso. 286 do Código Penal. CP). 67 do CP. em regra. Osíris estimulou uma discussão em sala de aula sobre o aborto. a contravenção penal prevista no art. D: é verdade que o descumprimento injustificado da pena restritiva de direitos acarreta a sua conversão em privativa de liberdade. do CP – deve ser aplicada pelo magistrado na terceira e derradeira fase de fixação da pena. é correto afirmar que o professor de Osíris praticou (OAB/Exame Unificado – 2011. também afirmou que as mulheres deveriam ter o direito de praticar aborto sempre que achassem indesejável uma gestação. A substituição nunca poderá ocorrer se o réu for reincidente em crime doloso. II. a prática de crime”. jovem universitária de Medicina. Em vista do disposto no art. do CP. soube estar gestante. Entretanto. Objetivando tal informação. a pena privativa de liberdade pode ser substituída por uma pena restritiva de direitos e multa ou por duas restritivas de direitos. 59 do CP.1) Em pena. do CP. operada na segunda fase de fixação da pena (circunstância agravante). poderá ela operar-se se estiverem presentes os requisitos a que alude o art. é possível que o juiz. D: art. passou também a emitir sua opinião. assinale a alternativa correta.

cinco anos após o trânsito em julgado definitivo da última condenação. em princípio. é considerado reincidente. consistente em inserir dados falsos. Não é o que se deu no contexto apresentado no enunciado. 61. D: incorreta. 20 da LCP. no art. anúncio de processo. § 2º. isto é. o termo inicial do prazo de cinco anos após o qual Tício será considerado novamente primário é a data do término do cumprimento ou extinção da pena. do CP. quando da sentença do crime de furto. aproveitando-se do erro em que incorreu o terceiro. Tal se dá somente com a reincidência (art. visto que não houve. exteriorizou sua opinião acerca do aborto.não está contemplada. Quanto ao fato de Tício. 312. pressupõe que o agente tenha concorrido para o crime doloso de outrem com culpa.1) (A) (B) (C) (D) (B) (C) (D) nosso ordenamento jurídico-penal prevê como tempo máximo para configuração dos maus antecedentes o prazo de cinco anos a contar do cumprimento ou extinção da pena e eventual infração posterior. 155 do Código Penal) no dia 10/01/2000. ainda não havia condenação definitiva em desfavor de Tício. Gabarito "C" A conduta praticada pelo professor de Osíris é atípica. um crime de roubo (art. é dizer. enganado quanto à pessoa do funcionário. Gabarito "C" foram posteriores. tenha agido com imprudência. previsto no art. tanto o cometimento do roubo quanto o da extorsão A: a conduta descrita nesta alternativa . pelo crime de extorsão. por parte do professor. o professor.078/90 é diferente daquele tutelado pelo crime de aborto. e a sentença penal condenatória transitou definitivamente em julgado no dia 31/3/2002. C: entendemos que esta assertiva não pode ser considerada como incorreta. consistente na finalidade de obter vantagem indevida para si ou para outrem ou para causar dano. bem como nos estudos acerca da reincidência e dos maus antecedentes. IV e IX. alterar ou modificar dados no sistema de informações da administração pública. instigado pelos alunos. 68 da Lei 8. na sentença do crime de roubo. I. consistente na apropriação de bens ou valores que o funcionário tenha recebido por erro de outrem em razão do cargo público que exerce. Agora. o peculato eletrônico. o peculato por erro de outrem.dada como certa .”. modalidade anômala de peculato. ser portador de maus antecedentes porquanto nenhuma infração penal praticara antes disso. o crime previsto no art. na íntegra.. substância ou objeto destinado a provocar aborto. pois o peculato culposo. o terceiro. é dizer. Não há que se falar. B: incorreta. I. divergência. na medida em que o cometimento do crime de extorsão é anterior ao trânsito em julgado da sentença condenatória do crime de roubo. está correta. levando-se também em conta o preconizado na Súmula 444 do STJ. o bem jurídico protegido pela Lei 8. quando da prática do crime de extorsão. C: esta assertiva. também chamado de peculato-estelionato ou peculato impróprio. com sentença transitando definitivamente em julgado no dia 10/6/2006. Tício foi condenado pelo crime de furto em 20/11/2001. 64. mas os maus antecedentes persistem. Com base nos dados acima. a seu respeito. em vez de restituir o bem. com isso.1) Tício praticou um crime de 30 furto (art. entrega-lhe dinheiro ou qualquer utilidade. impende registrar que há. a dados deveria ser agregado o termo “corretos”. . é correto afirmar que (A) Configura modalidade de peculato prevista no Código Penal (OAB/Exame Unificado – 2011. 313 do CP – peculato mediante erro de outrem. Gabarito "A" A: incorreta. caracterizados estarão os maus antecedentes. de outro lado. o que torna Tício reincidente. in fine. 158 do Código Penal) no dia 30/5/2003. Ademais. inexiste relação de consumo entre o professor e os alunos. da CF). Note bem: ele não disse “pratiquem o aborto”. que dispõe: “fazer ou promover publicidade que sabe ou deveria saber ser capaz de induzir o consumidor a se comportar de forma prejudicial ou perigosa à sua saúde ou segurança”. que se falar em maus antecedentes. B: o contido na assertiva não corresponde ao crime do art. neste caso. o peculato-culposo. do CP. Tício será considerado primário. consistente no desvio de bens ou valores. impelir a prática de crime (elemento subjetivo do tipo). em vista do entendimento firmado na Súmula 444 do STJ.. foi condenado em 20/8/2004. consistente na apropriação de bem ou valores que o funcionário tenha recebido pela facilidade que seu cargo lhe proporciona. na doutrina. ele limitou-se a defender seu ponto de vista sobre o tema. 286 do Código Penal exige que o agente aja com o propósito de estimular.EDUARDO DOMPIERI (C) (D) fato atípico. na sentença do crime de extorsão. já que o trânsito em julgado da sentença penal condenatória do crime de furto (31/3/2002) é anterior à prática do crime de extorsão (30/5/2003). 157 do Código Penal) no dia 25/11/2001 e um crime de extorsão (art. foi condenado em 30/01/2002. do CP. Além disso. do CP). não haveria.em proveito próprio. 59. que abriga o chamado peculato eletrônico. dele se apropria.. já que o trânsito em julgado da sentença condenatória no crime de roubo se deu em data anterior. 312. Cremos. Neste. já que não poderia Tício. pois a configuração dos maus antecedentes (art. A descrição contida na alternativa não contém o elemento subjetivo específico. na prática da contravenção prevista no art. Pelo crime de roubo. caput. sem. compartilhado por parte da doutrina. incitar a sua prática. neste caso. 313-A que os dados indevidamente alterados ou excluídos sejam corretos. por isso. visto que em consonância com o art. pois é imprescindível à caracterização do crime do art. um debate. ainda que lhe falte o elemento “. negligência ou imperícia. 5º. Tício é considerado portador de maus antecedentes e. na sentença do crime de furto.078/90. ser portador de maus antecedentes. O intraneus. se consideramos como critério a data da prática do crime de extorsão. CP). O tipo penal prefigurado no art. (OAB/Exame Unificado – 2011. segundo este segundo critério. Dito de outro modo. CP) não está condicionada a prazo algum. com sentença transitada em julgado definitivamente em 10/06/2003 e. apenas exerceu seu direito à manifestação do pensamento (art. Tício possui maus antecedentes em relação ao crime de roubo e é reincidente em relação ao crime de furto. que esta proposição não poderia ser considerada como correta. D: a teor do art. Se consideramos como critério a data em que foi prolatada a sentença no processo que apura o crime de extorsão. estimulando.. I. 64. Em verdade. No mais. 313-A do Código Penal. pelo funcionário público. o peculato-desvio. em benefício de terceiro. que deixará de produzir efeitos depois de cinco anos do término do cumprimento ou extinção da pena (art.

66. o coautor ou partícipe que. o ofendido poderá representar ao Procurador-Geral da República. ao Ministério Público. o art. 146 do CPP. C: em busca da verdade Gabarito "C" A: o texto da assertiva – que está correta . da Lei 9. 70. 28 do CPP. a competência do juizado será determinada pelo lugar em que foi praticada a infração penal.1) (A) (B) a ação penal será promovida perante a Justiça Federal quando a infração for praticada em detrimento de bens e serviços de entes federais. Gabarito "A" requisitar. caput. que cuida da chamada transação penal. sempre que possível” – art. provocando a atuação do chefe do parquet. 145. Direito Processual Penal Eduardo Dompieri À luz da lei que dispõe sobre os Juizados Especiais Criminais (Lei 9.15. da Lei 7. da Lei 7. 27 da Lei 7. O instituto da transação penal pode ser concedido pelo juiz sem a anuência do Ministério Público. por meio de confissão espontânea. Diante da recusa injustificada do promotor de Justiça em oferecer a proposta. parágrafo único. da CF e 26. 76 da Lei 9. assinale a alternativa correta. a teor do disposto no art. A competência do juizado será determinada pelo lugar em que se consumar a infração penal. C: correta. com os autos do processo incidente. .492/86.492/86. por analogia. para que este a ofereça. a qualquer autoridade. de ofício. ele próprio. Nos demais casos. D: incorreta. nos crimes previstos nessa lei. por edital torna a assertiva incorreta. Mas dizer-se que a citação far-se-á. não sendo caso de arquivamento. oferecerá resposta. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. do CPP tem como escopo provocar a apuração do crime de falso reconhecido em documento inserido nos autos do processo criminal. Já o Código de Processo Penal. o juiz deverá providenciar o encaminhamento dos autos ao juízo comum para prosseguimento. da Lei 7.corresponde à redação do art. pois esta atribuição é exclusiva do Ministério Público Federal – art. VI. cabe ao magistrado aplicar. nos moldes do art. B: incorreta. Lei 9. exigese que a procuração contenha poderes especiais. 66. 29. sempre que possível. 109.099/95. em obediência ao que preleciona o art. A: incorreto. C: a proposição está em parte correta. cometidos em quadrilha ou coautoria. uma vez não localizado o acusado para ser citado.1) (A) (B) (C) (D) A Lei 7. caput. mandará desentranhar o documento e remetê-lo. B: incorreta.492/86 é da ordem de um a dois terços. será proposta perante a Justiça Estadual. conforme estabelecem os arts. a ser especificada na proposta.492/86. quando a denúncia não for intentada no prazo legal. o Ministério Público poderá propor a aplicação imediata de pena restritiva de direitos ou multas. a falsidade de documento constante dos autos.492/86 define os Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional. poderão a arguição de falsidade. se reconhecida a falsidade por decisão irrecorrível. no âmbito do juizado especial. Tendo em conta o disposto no art.099/95. pelo lugar em que se consumar a infração penal. 63 da Lei 9. ou por edital. em seu art. A providência a que se refere o art.492/86. arguida. § 2º. uma vez que a redução prevista no 25.1) (A) (B) (C) (D) Tratando-se de crime de ação penal pública incondicionada. oferecer a proposta de transação penal.099/95. IV. É verdadeira a assertiva: “a citação será pessoal e se fará no próprio juizado. proceder à verificação da falsidade. B: correta. que. designe outro órgão do Ministério Público para oferecê-la ou determine o arquivamento das peças de informações recebidas. por escrito. (OAB/Exame Unificado – 2011. estabelece que a competência será determinada. é correto afirmar que (OAB/Exame Unificado – 2011. É que. de regra. sempre que julgarem necessário. os órgãos dos Ministérios Públicos Federal e Estadual. não exige poderes especiais. segunda parte. feita por procurador. e não determinar a sua citação por edital. num prazo de 24 (vinte a quatro) horas. informação. na medida em que a ação penal nos crimes contra o sistema financeiro nacional será sempre promovida perante a Justiça Federal. (C) (D) Em relação ao incidente de falsidade. o juiz observará o seguinte processo: mandará autuar em apartado a impugnação e em seguida ouvirá a parte contrária. 31 A: incorreta. A citação será pessoal e se fará no próprio juizado.099/95). caput. o juiz não poderá.099/95. pois. Acerca do procedimento previsto para tais crimes. D: é vedado ao juiz substitui-se ao membro do Ministério Público e. documento ou diligência relativa à prova dos crimes previstos na Lei 7. revelar à autoridade policial ou judicial toda a trama delituosa terá sua pena reduzida de 1 (um) a 2/5 (dois quintos).

aditar a denúncia no prazo de 5 (cinco) dias sob pena de se operar a preclusão temporal. § 1º. (OAB/Exame Unificado – 2011. Na mutatio libelli (em que a denúncia descreve determinado fato. (D) Poderá se opor suspeição às autoridades policiais nos atos do inquérito. 28 do CPP. As exceções serão processadas em autos apartados e não suspenderão. 5º. 96 do CPP. do CPP. C: incorreta. do CPP. a autoridade policial poderá proceder a inquérito a requerimento de qualquer pessoa do povo que tiver conhecimento da existência de infração penal. que trata da reconstituição do crime. sem recurso. independentemente do montante da pena para eles prevista. por isso. do CPP. conforme reza o art.1) Levando em consideração as modificações trazidas pela Lei 11. I. § 1º. O rito sumário é o reservado para as infrações penais de menor potencial ofensivo. A: não há que se falar em preclusão temporal. por sua vez. previsto na Lei 9. sem ser provocado pelas partes. 145. B: assertiva incorreta.719/08.1) (A) (B) (C) Gabarito "D" A arguição de suspeição sempre precederá a qualquer outra. (A) (B) (C) (D) Do despacho que indeferir o requerimento de abertura de inquérito caberá recurso para o tribunal competente.1) A: incorreta. 394. em regra. 362 do CPP e introduziu no processo penal a citação por hora certa. deverá o magistrado aplicar. 17. do CPP. pois. desde que esta não contrarie a moralidade ou a ordem pública. O rito comum ordinário é o reservado aos crimes apenados com reclusão. a ser realizada por oficial de justiça na hipótese de ocultação do réu. II. (OAB/Exame Unificado – 2011. mas as provas apontam que o fato delituoso é diverso). pois o prazo de que dispõe a parte contrária para oferecer a resposta é de 48 horas – art. o procedimento comum ordinário era reservado aos crimes apenados com reclusão. o juiz. conforme preconiza o art. assinale a alternativa correta. do CPP que o procedimento comum será ordinário sempre que tiver por objeto crime cuja sanção máxima cominada for igual ou superior a quatro anos de pena privativa de liberdade. é aquele a que se submetem os crimes cuja sanção máxima cominada seja inferior a quatro anos de pena privativa de liberdade – art. Nos crimes de ação privada. É o que preceitua o art. nos termos do que dispõe o art. 147 do CPP. D: alternativa correta. Em relação às exceções previstas na legislação processual penal. é vedado ao delegado mandar arquivar autos de inquérito (art. determine a instauração do incidente de falsidade. à luz do princípio da indisponibilidade. a autoridade policial poderá proceder à reprodução simulada dos fatos. o andamento da ação penal. está incorreta. Em consonância com o que dispõe o art. A autoridade policial poderá mandar arquivar autos de inquérito. após encerrada a instrução probatória. 111 do CPP. III.EDUARDO DOMPIERI real. 104 do CPP é de três dias. 394. depois de ouvi-lo. a autoridade policial somente poderá proceder a inquérito a requerimento de quem tenha qualidade para ajuizar a ação penal. § 5º. 7º do CPP. Se for arguida a suspeição do órgão do Ministério Público.099/95. uma vez que o prazo estabelecido no art. encaminhando-se os autos do processo ao chefe do parquet para que este decida. assinale a alternativa correta.719/08. assinale a alternativa correta. § 1º. O procedimento comum sumário. por analogia. o despacho que indefere o requerimento de abertura de inquérito comporta recurso para o chefe de polícia.719/08 alterou a redação do art. 394. D: incorreta. I. Atualmente. O Código de Processo Penal admite a figura da citação com hora certa. Em face da recusa do membro do Ministério Público em proceder ao aditamento da denúncia. B: antes da modificação implementada pela Lei 11. pois esta regra comporta exceção. C: as infrações penais de menor potencial ofensivo submetem-se ao procedimento comum sumaríssimo. Para verificar a possibilidade de haver a infração sido praticada de determinado modo. (OAB/Exame Unificado – 2011. 18 e 28 do CPP). decidirá. Gabarito "B" Acerca das disposições contidas na Lei Processual sobre o Inquérito Policial. A Lei 11. (A) (B) (C) (D) 32 A: incorreta. D: não se poderá opor exceção às autoridades policiais nos atos do inquérito – art. do CPP. tal como ocorre no Código de Processo Civil. Somente está credenciado a determiná-lo o juiz de direito. conforme impõe o art. CPP). § 2º. o art. C: neste caso. nada obsta que o magistrado. A assertiva. D: a proposição corresponde ao teor do art. B: correta. sempre a requerimento do Ministério Público (arts. podendo antes admitir a produção de provas no prazo de 10 (dez) dias. 107 do CPP. impõe o art. 5º. o Ministério Público deverá. Gabarito "D" Gabarito "B" .

econômicos e culturais”. diferentemente do que ocorre com os direitos civis e políticos. lei federal ordinária.1) Determinado congressista (C) (D) formam. § 3º. Ademais. 5º. sociais e culturais no âmbito do sistema interamericano de proteção dos direitos humanos. A comunidade internacional deve tratar os direitos humanos de forma global. (B) A. sendo sua hierarquia normativa de (OAB/Exame Unificado – 2011. sociais e culturais já estavam previstos no art. sociais e culturais”. Ou seja. D: segundo o art.16. Veja-se o exemplo do direito à vida. Gabarito "B" A: correta. no texto original da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica). realizada em Viena em 1993. 45. incluem o direito à participação no processo eleitoral. o crime de racismo é inafiançável. o crime de racismo não está sujeito a prazo extintivo de prescrição. Ciente desses atos. um conjunto indivisível de direitos fundamentais. a ONG TudoAfro relaciona as pessoas prejudicadas e concita a representação para fins criminais com o intuito de coibir os atos descritos. da CF. à alimentação e à previdência social. Importante transcrever trecho da Declaração de Viena que bem sintetiza as características dos direitos humanos de um modo geral: “Todos os direitos humanos são universais. tais tratados terão hierarquia constitucional. Essa convenção já foi aprovada na forma do artigo 5º. status supralegal. 5º. o crime de racismo está sujeito à pena de reclusão e não de detenção. nos casos de crime de racismo. interdependentes e inter-relacionados. indivisíveis. XLII. no seu prédio residencial. no âmbito do sistema interamericano. os tratados de direitos humanos que forem aprovados. 26 da Convenção Americana de Direitos Humanos ou Pacto de San José da Costa Gabarito "A" . assim infrutífero buscar a proteção de apenas uma parcela deles. são direitos humanos de segunda geração. lei complementar. Todavia. Lembrando que a promulgação é efetuada mediante decreto presidencial. pessoas de etnia negra frequentem as áreas comuns. Isto porque foi o protocolo adicional à Convenção Americana de Direitos Humanos (Protocolo de San Salvador) que definiu o conteúdo dos direitos econômicos. a pena cominada é de detenção. como também o direito de ter acesso aos meios necessários para conseguir a sua subsistência e uma vida digna (atuação estatal positiva). culturais e religiosos. os tratados só terão validade interna após terem sido aprovados pelo Congresso Nacional e ratificados e promulgados pelo Presidente da República. (OAB/Exame Unificado – 2011. os direitos econômicos. é dever dos Estados promover e proteger todos os direitos humanos e liberdades fundamentais. os elevadores sociais e a piscina do condomínio. justa e equitativa. juntamente com os direitos civis e políticos.1) 15 Com relação aos chamados “direitos econômicos. núcleo dos direitos humanos. entre os quais não há qualquer relação hierárquica. o crime de racismo é afiançável. o tratado é equiparado hierarquicamente à norma infraconstitucional. por três quintos dos votos dos respectivos membros. B: correta. com a edição da Emenda Constitucional n. Direitos Humanos Renan Flumian Em 2010. C: segundo o art.1) (A) (B) (C) (D) (OAB/Exame Unificado – 2011. Percebe-se a interação dos direitos pessoais com os direitos sociais. em cada Casa do Congresso Nacional. Entretanto. Embora particularidades nacionais e regionais devam ser levadas em consideração. da CF. em dois turnos. 5º. 33 é flagrado afirmando em entrevista pública que não se relaciona com pessoas de etnia diversa da sua e não permite que. Depois de internalizado. C e D: no Brasil. Este compreende o direito do ser humano não ter sua vida ceifada (atuação estatal negativa). da Constituição. serão equivalentes às emendas constitucionais – consoante determina o artigo 5º. o que significa que não são juridicamente exigíveis. B. Todos os direitos humanos se retroalimentam e se complementam. em pé de igualdade e com a mesma ênfase. assim como diversos contextos históricos. da CF. é correto afirmar que (A) emenda constitucional. são previstos. é correto afirmar que (A) (B) (C) (D) o prazo de prescrição incidente sobre o crime de racismo é de vinte anos. XLII. o Congresso Nacional aprovou por Decreto Legislativo a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. econômicos e culturais para garantir a substancial implementação do direito à vida. da CF. sendo o valor fixado por decisão judicial. o principio da complementaridade solidária dos direitos humanos de qualquer espécie foi proclamado solenemente pela Conferência Mundial de Direitos Humanos. à educação. XLII. A e B: segundo o art. §3º. o crime de racismo é imprescritível. onde atua como síndico. À luz das normas constitucionais e dos direitos humanos. sejam quais forem seus sistemas políticos.

A URSS teve papel central neste movimento. Os direitos politicos encontram-se disciplinados no art. sociais e culturais estão previstos (mas não definidos) no texto original da Convenção Americana de Direitos Humanos (Pacto de San José da Costa Rica). Portanto. pois. E tal linha foi consagrada no Pacto Internacional de Direitos Econômicos. 21 da Declaração Universal dos Direitos Humanos. pois defendia a perspectiva social dos direitos humanos. social e cultural. Sociais e Culturais. destarte. O seu fundamento é a ideia de igualdade. conforme dito na assertiva “a”. notadamente após a Primeira Guerra Mundial. são indivisíveis. Todos os direitos humanos são juridicamente exigíveis. Importante lembrar que os direitos humanos de segunda geração referem-se aos direitos econômicos. sociais e culturais. ou seja. resta claro que os direitos econômicos. . sociais e culturais. C: incorreta. O direito à participação no processo eleitoral é um exemplo típico de direito politico e não econômico. D: incorreta.RENAN fLUMIAN 34 Gabarito "A" Rica. Percebe-se que a redação da assertiva “b” refere-se simplesmente à previsão dos direitos econômicos. interdependentes e inter-relacionados. A titularidade destes direitos é atribuída à coletividade. O gabarito oficial indicou somente a assertiva “a” como correta. O grande motivador do aparecimento destes direitos foi o movimento antiliberal. destarte nós consideramos esta assertiva como correta também. conhecido são como direitos coletivos.

iedi.Curso preparatório para Concursos Públicos e OAB 100% online acesse: www.com.br .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful