DP4

Mancais Autolubrificantes

Manual do Projetista

Qualidade
Todos os produtos descritos neste manual são fabricados sob o controle de sistemas de gerenciamento da qualidade aprovados conforme a DIN EN ISO 9001, ISO/TS 16949 e ISO 14001.

I

Símbolos e Designações
Símbolo A AM Unidade mm² mm² Denominação Área projetada de um mancal DP4 Área da superfície de contato entre o contramaterial e o mancal DP4 (placas de deslizamento) Fator do tamanho do mancal Fator de correção para calibração ou usinagem Fator para cargas altas Fator da carga específica (placas de deslizamento) Fator da influência da velocidade, temperatura e do contramaterial (placas de deslizamento) Fator da influência da relação entre as áreas de contato (placas de deslizamento) Constante de correção da vida útil Fator do contramaterial Fator de correção da temperatura Largura nominal da bucha Freqüência de cargas dinâmicas Folga diametral do mancal instalado Chanfro interno Chanfro externo Número total de ciclos de cargas dinâmicas Diâmetro da ferramenta de calibração Diâmetro externo nominal do flange Diâmetro interno do alojamento Diâmetro interno nominal da bucha e do anel de encosto Diâmetro interno da bucha montada no alojamento Diâmetro do eixo Dose térmica admissível de nêutrons Diâmetro externo nominal da bucha e do anel de encosto Diâmetro do furo para o pino Diâmetro do furo de lubrificação Diâmetro do círculo do furo para o pino Carga no mancal Carga para o teste Força de prensagem da bucha no alojamento Coeficiente de atrito Ra s3 sfl sS sT T Tamb Tmax Tmin U W WU min ZT α1 α2 σc ϕ η µm mm mm mm mm °C °C °C °C m/s mm mm 1/10 K 1/106K N/mm² ° Ns/mm²
6

Símbolo Ha Hd L LH LS N NE Nosz p plim psta,max pdyn,max Q

Unidade mm mm mm h mm 1/min 1/min 1/min N/mm² N/mm² N/mm² N/mm² -

Denominação Profundidade do recesso (p.ex. para anéis de encosto) Diâmetro do recesso (p.ex. para anéis de encosto) Comprimento da placa de deslizamento Vida útil Curso (placas de deslizamento) Velocidade de rotação Velocidade de rotação equivalente para movimentos oscilatórios Freqüência do movimento oscilatório Carga específica Carga específica admissível Carga estática admissível Carga dinâmica admissível Número de ciclos de carga (dinâmica)/ movimento (oscilatório) Rugosidade superficial (DIN 4768, ISO/DIN 4287/1) Espessura de parede da bucha Espessura do flange Espessura da placa de deslizamento Espessura do anel de encosto Temperatura de operação do mancal Temperatura ambiente Temperatura máxima Temperatura mínima Velocidade de deslizamento Largura da placa de deslizamento Largura útil min. da placa de deslizamento Número total de ciclos Coeficiente de dilatação térmica paralelo à superfície Coeficiente de dilatação térmica perpendicular à superfície Tensão admissível de compressão Deslocamento angular Viscosidade dinâmica

aB aC aE aE1 aE2

-

aE3

-

aL aM aT B C CD Ci Co CT DC Dfl DH Di Di,a DJ DNth Do dD dL dP F Fch Fi f

h mm 1/min mm mm mm mm mm mm mm mm mm nvt mm mm mm mm N N N -

II

Índice

Índice
Qualidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . I Símbolos e Designações . . . . . . . II 6.3 Características de Mancais Lubrificados . . . . . . . 23 6.4 Diretrizes para o Projeto . . . . . 24 6.5 Folgas para a operação com lubrificação . . . . . . . . . . . . 25 6.6 Ranhuras para a operação com lubrificação . . . . . . . . . . . . 25 6.7 Rugosidade do contramaterial para a operação com lubrificação . . . . . . . . . . . . 25 6.8 Lubrificação a graxa . . . . . . . . 25

1 2

Introdução . . . . . . . . . . . . 4 Estrutura e Composição . 4

1.1 Características e Vantagens . . . 4

2.1 Formas Básicas . . . . . . . . . . . . . 5 Peças padronizadas . . . . . . . . . . 5 Peças especiais . . . . . . . . . . . . . . 5

3

Propriedades . . . . . . . . . . 5

3.1 Propriedades Físicas e Mecânicas . . . . . . . . . . . . . . . . 5 3.2 Propriedades Químicas . . . . . . . 6 3.3 Propriedades Tribológicas . . . . 6 Efeito da Temperatura nas Aplicações sem Lubrificação . . . . . 7

7

Montagem . . . . . . . . . . . 26

7.1 Dilatação Térmica . . . . . . . . . . 26 7.2 Tolerâncias para Folgas Menores . . . . . . . . . . . . 27 Calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 7.3 Projeto do Contramaterial . . . . 28 7.4 Montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . Prensagem de buchas cilíndricas Prensagem de buchas flangeadas . . . . . . . . . . . Força de prensagem . . . . . . . . . Alinhamento . . . . . . . . . . . . . . . . Vedação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 29 29 29 30 30

4

Desempenho dos Mancais 8

4.1 Aplicações em Amortecedores para Suspensão McPherson . . . 8 Desgaste e Deslizamento . . . . . . 8 Resistência à Cavitação . . . . . . 10 Resistência à Erosão por Fluxo . 11 4.2 Aplicações Hidráulicas . . . . . . 12 Bancada de Teste GGB Jupiter . 12 4.3 Desempenho na Operação a Seco . . . . . . . . . . . Fatores de Projeto . . . . . . . . . . . Fatores de Correção . . . . . . . . . Contramaterial . . . . . . . . . . . . . . Calibração da Superfície de Deslizamento . . . . . . . . . . . . Tipo de Carga . . . . . . . . . . . . . . 4.4 Cálculo de Vida Útil dos Mancais . . . . . . . . . . . . . . . Carga específica p . . . . . . . . . . . Fator de carga alta aE . . . . . . . . Fator pU modificado . . . . . . . . . Estimativa da vida útil LH . . . . . . Calibração da Superfície de Deslizamento . . . . . . . . . . . . Placas de Deslizamento . . . . . . 13 13 15 16 17 17 18 18 18 18 18 19 19

7.5 Apoio Axial . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Instalação de Anéis de Encosto . 30 Placas de Deslizamento . . . . . . . 31

8

Modificação . . . . . . . . . . 32

8.1 Corte e Usinagem . . . . . . . . . . . 32 Furos para Óleo . . . . . . . . . . . . . 32 Corte de Placas de Deslizamento 32 8.2 Galvanização . . . . . . . . . . . . . . 32

9

Produtos Padronizados

33

9.1 Buchas cilíndricas DP4 . . . . . . 33 9.2 Buchas com flange DP4 . . . . . 39 9.3 Anéis de encosto com flange DP4 . . . . . . . . . . . . 41 9.4 Anéis de encosto DP4 . . . . . . . 42 9.5 Placas de deslizamento DP4 . . 43

4.5 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

10 Inspeção . . . . . . . . . . . . . 44
10.1 Medição de Buchas . . . . . . . . . 44 Teste A da ISO 3547 Parte 2 . . . 44 Teste B (alternativa para o Teste A) . . . . 44 Teste C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Medição da Espessura da Parede (alternativa para o Teste C) . . . . 44 Teste D . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

5

Folha de dados . . . . . . . 21

5.1 Dados para o projeto de um mancal . . . . . . . . . . . . . . 21

6

Lubrificação . . . . . . . . . . 22

6.1 Lubrificantes . . . . . . . . . . . . . . 22 6.2 Tribologia . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

3

enquanto a camada de bronze garante uma ancoragem de grande resistência para a camada de deslizamento. recomendamos que sejam feitos testes operacionais com protótipos sempre que possível. impregnada e recoberta com Politetrafluoretileno (PTFE) contendo uma mistura de aditivos inorgânicos e fibras poliméricas especiais. As informações apresentadas permitem aos projetistas determinar o tamanho ideal do mancal requerido.1 Introdução 1 Introdução zadas. O propósito deste manual é prover informações técnicas abrangentes sobre as características dos mancais DP4™. bem como detalhes de outros produtos DP4. tais como amortecedores para suspensões Camada de bronze sinterizado Suporte de aço Fig. Informações completas sobre o range de peças padronizadas DP4 são disponibili- 1. sendo que: • Excelente resistência ao desgaste • Reduzido coeficiente de atrito estático e dinâmico • Alta resistência contra cavitação e erosão • Podem ser usados para aplicações com fluidos não-lubrificantes • São adequados para operação a seco. recomendamos sempre nos contatar quando forem necessárias informações adicionais. PTFE + aditivos e fibras poliméricas O material dos mancais DP4 é um compósito constituído por uma camada base de aço. Uma vez que não é possível levar em consideração todas as condições de operação encontradas na prática. A camada base de aço provê resistência mecânica. sobre a qual é adicionada uma camada de bronze sinterizado poroso. O DP4 foi desenvolvido para aplicações hidráulicas pesadas e lubrificadas. de pistões radiais e/ou axiais e motores. 1: Estrutura do DP4 4 .1 Características e Vantagens O material DP4 é projetado principalmente para utilização em condições lubrificadas. A GGB está continuamente refinando e estendendo seu conhecimento experimental e teórico. cilindros hidráulicos. O Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da GGB permanece à disposição para auxílio em projetos especiais. ao utilizar este catálogo. com baixa velocidade 2 Estrutura e Composição McPherson. por isso. bem como sua vida útil e performance. bombas de engrenagens.

Tensão max.1 Propriedades Físicas e Mecânicas α1 α2 Tmax Tmin 11 30 +280 –200 Propriedades físicas perpendicular à superfície Temperatura max. 2: Peças padronizadas Peças especiais Estes produtos são fabricados conforme as especificações dos clientes e abrangem. 3: Peças Especiais 3 Propriedades Símbolo Coeficiente de dilatação térmica: paralelo à superfície Valor Unidade 1/106 K 1/106 K °C °C medida num disco com um diâmetro de 5 mm e uma espessura de 2. estática dinâmica psta. por exemplo: • Peças Padronizadas Modificadas • Anéis de Encosto • Anéis de Encosto com Flange • • • • • Mancais Bipartidos Peças Planas Peças de Repuxamento Profundo Peças Prensadas Peças Estampadas Fig. nacionais ou da GGB.45 mm Comentários 3.max 250 140 N/mm² N/mm² Tabela 1: Propriedades físicas e mecânicas dos mancais DP4 5 .Propriedades 3 2. São os seguintes: • Buchas Cilíndricas • Buchas com Flange • Placas de Deslizamento Fig. Temperatura min.1 Formas Básicas Peças padronizadas Os produtos padronizados são fabricados de acordo com as normas internacionais. e estão disponíveis em estoque. de compressão σc 350 N/mm² Propriedades mecânicas Carga max.max pdyn.

Os valores reais podem variar ±20%. Substância Ácido Clorídrico Ácidos Fortes É recomendável. principalmente na fase final do amaciamento.HFC Ester de Fosfato-HFD Água Água do Mar Ácidos Fracos Bases Solventes Lubrificantes e combustíveis Tabela 2: Resistência química dos mancais DP4 + Satisfatório: É improvável ocorrer algum efeito por corrosão. que a resistência química seja confirmada por meio de testes. Antes do término do amaciamento.3 Propriedades Tribológicas Os mancais DP4 apresentam um ótimo deslizamento. % 5 5 5 5 5 10 5 °C 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 20 70 70 70 70 20 20 Resistência o o + + + + + + + + + + o - Ácido Nítrico Ácido Sulfúrico Ácido Acético Ácido Fórmico Amônia Hidróxido de Sódio Acetona Tetracloreto de Carbono Parafina Gasolina Querosene Diesel Óleo Mineral Fluido HFA-ISO 46 com Alto Teor de Água Água-Glicol.ex. no entanto. 4 & Fig. 6 . Aceitável: o Pode ocorrer algum efeito por corrosão. com efeito “stick-slip” desprezível.3 Propriedades 3. dependendo das condições operacionais.2 Propriedades Químicas A Tabela seguinte contém informações sobre a resistência química dos mancais DP4 contra várias substâncias. Nas Fig. Insatisfatório: É provável que ocorram efeitos por corrosão. Depois de períodos prolongados de parada sob carga (p. nem o desempenho do mancal. horas ou dias) o coeficiente de atrito estático no primeiro movimento pode ser de 1. secos.5 a 3 vezes maior. após o amaciamento. sempre que possível. 3. o atrito pode ser até 50% maior. mas isto não será suficiente para prejudicar a integridade estrutural. que podem ser usados para determinar o coeficiente de atrito em mancais limpos. que poderão afetar a integridade estrutural e/ou o desempenho do mancal. 5 encontram-se dois gráficos. O coeficiente de atrito depende da: • carga específica p [N/mm2] • velocidade de deslizamento U [m/s] • rugosidade do contramaterial (eixo) Ra [µm] • temperatura do mancal T [°C].

5 2.10 .20 0.30 0.0.20 .10 0.4 N/mm² Velocidade de deslizamento U = 0.0.0 0.0.00001 0.0.00 .0.01 m/s 7 .25 . 5: Variação do coeficiente de atrito f com a carga específica p e a temperatura T.0.005 m/s Coeficiente de atrito f = 0.00 0.0.30 0.01 0.0.10 0.175 Velocidade de deslizamento U [m/s] Carga específica p [N/mm²] Fig.1 0.05 .00 . Valores típicos estão representados na Fig.25 0.25 0.0.1 1.05 Coeficiente de atrito f 0.25 0.15 0.05 Coeficiente de atrito f 0.25 .5 1.20 0. a uma temperatura T = 25 °C 0. 4: Variação do coeficiente de atrito f com a carga específica p e a velocidade U.0.001 0.15 0.25 0.20 .0 10 100 0.0 1.1 1. é recomendável determiná-las através de ensaios em protótipos.10 Exemplo Carga específica p = 4 N/mm² Temperatura T= 40 °C Coeficiente de atrito f = 0.0001 0.20 0.0 25 10 100 0 50 75 0. para temperaturas até 250 °C.15 .0. a uma velocidade U = 0.20 250 200 150 125 100 0.30 0.15 .15 2. Quando as características do atrito são críticas para um determinado projeto.05 .10 Exemplo Carga específica p = 1.15 0.Propriedades 3 Efeito da Temperatura nas Aplicações sem Lubrificação O coeficiente de atrito dos mancais DP4 varia com a temperatura. 5.30 0.00 0.05 0.14 Temperatura T [°C] Carga específica p [N/mm²] Fig. O atrito aumenta sob temperaturas abaixo de 0 °C. 0.10 .05 0.0.

sob condições extremamente severas de operação. que variam um pouco de um fabricante para outro. As condições dos testes estão indicadas nas Tabela 3 e Tabela 4. em aplicações como as buchas de guia das hastes dos amortecedores em suspensões McPherson. Bancada de Teste de Amortecedores para Suspensão McPherson Deslocamento da haste do pistão Ciclos no Teste de Desgaste Senoidal Atuador Hidráulico Servo Controlado Guia Tempo Amortecedor de prova com uma camisa de água de resfriamento com controle de temperatura Cilindro de Carga Radial Fig. Desgaste e Deslizamento O desgaste e o deslizamento de DP4 para a aplicação em McPherson. de acordo com as condições de operação.1 Aplicações em Amortecedores para Suspensão McPherson DP4 foi desenvolvido para garantir ótimas características de deslizamento. As condições de teste foram projetadas de modo a simular o funcionamento dos amortecedores.5 Hz 890 N 100 horas 100 mm 0.4 Desempenho dos Mancais 4 Desempenho dos Mancais 4. 6: Esquema da bancada de teste Condições do Teste de Desgaste Forma da onda Freqüência Carga Radial Duração do Teste Curso Folga Diametral Nominal Lubrificante Temperatura da Válvula de Pé Seno 2. o desempenho de DP4 é comparado com aquele do material tradicionalmente empregado para este tipo de aplicação. resistência ao desgaste e à cavitação/ erosão.06 mm TEX 0358 70 °C Tabela 3: Condições do teste de desgaste dos amortecedores McPherson 8 . Nas seções seguintes. foi avaliado através de ensaios na bancada de teste de amortecedores (vide fig. 6).

50 0. 7: Resistência relativa ao desgaste Fig.75 0.00 Material tradicional DP4 Material tradicional DP4 Fig.Desempenho dos Mancais Condições do Teste de Deslizamento Forma da onda Freqüência Carga Radial Curso Folga Diametral Nominal Lubrificante Temperatura da Válvula de Pé Seno 0.50 0. Estes valores relativos.00 0.75 0.06 mm TEX 0358 Ambiente 4 Tabela 4: Condições do teste de deslizamento dos amortecedores McPherson Os resultados dos testes de desgaste e de deslizamento do DP4 estão representados nas figuras 7-9. porque os valores absolutos dependem muito das condições dos testes e do projeto dos corpos de prova.25 0.00 0. são a melhor prova das vantagens do DP4 para este tipo de aplicação.25 0.00 0.00 Material tradicional DP4 Fig. 9: Coeficiente de atrito dinâmico relativo 1. 8: Coeficiente de atrito estático relativo 9 . Os diagramas mostram apenas valores relativos.00 0. 1.1 Hz 600 N 70 mm 0.50 0.25 0.75 1. no entanto.25 1.

que implodem na superfície do corpo de prova. Transdutor Piezo-elétrico 20 kHz Dispositivo com Amplificação da Vibração Presilhas A vibração do dispositivo produz bolhas de vapor neste vão. 10 foi projetada para reproduzir. 10:Esquema da bancada de teste de resistência à cavitação Condições do Teste de Resistência à Cavitação Amplitude Freqüência Folga Duração do Teste Lubrificante Temperatura 0.4 Desempenho dos Mancais Resistência à Cavitação Sob certas condições de operação. As condições de teste estão indicadas na Tabela 5. determinada através destes testes. 11: Resistência relativa à cavitação / erosão 10 . o revestimento de PTFE das buchas de guia das hastes dos amortecedores para suspensão McPherson pode sofrer danos devido à cavitação e ao efeito de erosão causada pelo fluxo de óleo no mancal. 11. A bancada de teste mostrada na Fig. os danos causados pela cavitação à camada de deslizamento do mancal. em um corpo de prova. 5 4 3 2 1 0 Material tradicional DP4 Fig. simulando a falha devido à cavitação Fluido de Transmissão (Óleo) Placa de Apoio Placa de Prova Recipiente Fig.015 mm 20 kHz 1 mm 30 minutos TEX 0358 Ambiente Tabela 5: Condições do teste de resistência à cavitação A resistência relativa à cavitação / erosão do DP4. está representada na Fig.

a falha causada pela erosão por fluxo.05 Folga Diametral Nominal Pressão Vazão Duração do Teste Rugosidade do Eixo Temperatura Ambiente Tabela 6: Condições do teste de resistência à erosão por fluxo A resistência relativa do DP4 à erosão por fluxo.Desempenho dos Mancais Resistência à Erosão por Fluxo A bancada de teste da Fig. 12:Esquema da bancada de teste de resistência à erosão por fluxo Condições do Teste de Resistência à Erosão por Fluxo Diâmetro do Mancal Largura do Mancal 20 mm 15 mm 0.11 mm 13. 3 2 1 0 Material tradicional DP4 Fig. 4 Bomba & Resfriador Mancal de teste Tanque Fig. está representada na Fig. 13: Resistência relativa à erosão por fluxo 11 . determinada através deste teste.8 MPa 5 l/min 20 horas 0. 13. 12 foi projetada para reproduzir. na camada de deslizamento do corpo de prova.15 µm ±0. As condições do teste estão indicadas na na Tabela 6.

com carga constante.00 Material tradicional DP4 Fig. As condições dos testes estão indicadas na tabela 7. 15: Resistência relativa ao desgaste 12 .50 0.00 0. foi avaliada através de ensaios na bancada de teste mostrada na fig. 15.00 1. Bancada de Teste GGB Jupiter Bucha Auxiliar Corpo de Prova Bucha Auxiliar Velocidade Variável Eixo Rotação Unidirecional Diafragma com Ar Fig. operando imersos em óleo. O fator pU limite depende das condições operacionais e por este motivo a performance relativa somente é apresentada como referência. determinados de acordo com este teste. 14:Esquema da bancada de teste GGB Jupiter Condições dos Testes de Desgaste com Lubrificação Diâmetro do Mancal Largura do Mancal Folga Diametral Nominal Velocidade de Deslizamento Lubrificante 20 mm 15 mm 0.4 Desempenho dos Mancais 4.50 1. 14. em um grande número de aplicações hidráulicas. A resistência ao desgaste dos mancais DP4.2 Aplicações Hidráulicas Os mancais DP4 também apresentam um desempenho excelente quanto ao deslizamento e ao desgaste. com lubrificação na camada limite. estão representados na Fig.11 m/s Óleo hidráulico tipo ISO VG 46 Tabela 7: Condições dos testes de desgaste com lubrificação Os valores limites relativos de pU para lubrificação na camada limite do DP4 e do material normalmente utilizado em bombas hidráulicas de alta performance. 2. com lubrificação a óleo.10 mm 0.

lubrificação.3. que depende do tipo do carga. a carga especifica p é definida como a carga atuante dividida pela área projetada do mancal e é expressa em N/mm². sob condições de operação a seco.1) [N/mm²] F p = ---------------Di ⋅ B Buchas com Flange (Carga Axial) (4. 04 ⋅ ( D fl – D i ) Placas de Deslizamento Anéis de Encosto (4. Seu valor é máximo para cargas estáticas. Os valores da carga específica admissível Indicados na tabela 8 são válidos para um bom alinhamento entre o mancal e o eixo (Fig.3 Desempenho na Operação a Seco Fatores de Projeto O tamanho e a vida útil de um mancal DP4 dependem principalmente dos seguintes fatores: • carga específica admissível plim • fator pU • rugosidade do contramaterial Ra • composição do contramaterial • Temperatura T • Outros fatores (projeto do alojamento.3. 4 Carga Específica p Com o propósito de determinar a performance dos mancais. 16: Área projetada Buchas Cilíndricas (4. 13 . sujeira. Di B Área projetada A = Di x B Fig. 33).3.) O cálculo a seguir poderá ser utilizado para estimar a vida útil dos mancais DP4. Para cargas dinâmicas ou movimentos oscilatórios.4) [N/mm²] F p = --------------L⋅ W Carga Específica admissível plim A carga máxima que pode ser aplicada em um mancal DP4 é expressa através da carga específica admissível. a carga específica admissível é menor.Desempenho dos Mancais 4. que produzem fadiga nos mancais. etc. a carga específica em um mancal DP4 não deverá exceder os limites indicados na Tabela 8.3.3) [N/mm²] F p = ---------------------------------------------2 2 0.2) [N/mm²] 4F p = ---------------------------------2 2 π ⋅ ( Do – Di ) (4. Em geral.

Nestas condições os mancais DP4 somente deverão ser empregados após uma consulta à nossa equipe de engenheiros de aplicação ou para aplicações com movimentos lentos intermitentes. de ciclos de carga Q 60 1000 60 2000 50 4000 46 6000 42 8000 40 104 30 105 22 106 15 107 10 108 Tabela 8: Carga específica admissível Para valores da carga específica acima de 140 N/mm² pode ocorrer deformação permanente da camada de deslizamento dos mancais DP4. Cálculo de Velocidade de Deslizamento U Rotação contínua Buchas (4.5) Anéis de Encosto Di ⋅ π ⋅ N U = -------------------------3 60 ⋅ 10 [m/s] (4. e por isso. 17:Ciclo de oscilação ϕ 14 .5 m/s às vezes causam aquecimento excessivo.3.7) Anéis de Encosto [m/s] (4.8) 4ϕ ⋅ N osz Di ⋅ π U = ---------------------. para aplicações com altas cargas axiais. de ciclos de movimento Q plim [N/mm²] 140 140 1000 140 2000 115 4000 95 6000 85 8000 80 104 60 105 44 106 30 107 20 108 carga dinâmica.3.4 Desempenho dos Mancais Carga Específica admissível plim Tipo de carga Carga estática.⋅ π 4ϕ ⋅ N 2 osz U = ----------------------------. Velocidade de Deslizamento U Velocidades acima de 2. movimento oscilatório plim No.3. cuja duração deverá aumentar progressivamente a partir de um ciclo inicial de alguns segundos. movimento giratório Carga estática. deverão ser especificados anéis de encosto. e um amaciamento pode ser benéfico.3.⋅ -------------------------3 360 60 ⋅ 10 ϕ ϕ 3 2 1 4 Fig. A carga máxima admissível em anéis de encosto é mais alta que nos flanges das buchas flangeadas. movimento giratório ou oscilatório plim No.6) Do + D ------------------i ⋅ π ⋅ N 2 U = ---------------------------------------3 60 ⋅ 10 [m/s] Movimento oscilatório Buchas (4. O amaciamento poderá consistir em uma série de pequenos ciclos de operação.⋅ -------------------------3 360 60 ⋅ 10 [m/s] Do + Di -----------------.

2 0. DP4 p U pU contínuo pU intermitente 140 2.0 N/mm² x m/s podem ser aceitos para períodos pequenos. Temperatura ambiente do mancal Tamb [°C] e fator de correção devido à temperatura aT 25 Operação contínua a seco Operação contínua a seco Operação contínua a seco Operação intermitente a seco (duração menor do que 2 min. pU Fatores de Correção Os seguintes fatores influenciam o desempenho de mancais DP4 e devem ser considerados no cálculo do tamanho ou da vida útil do mancal escolhido para uma determinada aplicação.5 N/mm² x m/s. Durante a operação a seco.3.2 Tabela 10: Fator de correção devido à temperatura aT 15 .3 60 0.8 0. Para anéis de encosto e flanges de buchas flangeadas. cuja quantidade é proporcional a pU.6 0. Cálculo do Fator pU (4.5 0.8 0.0 Unidade N/mm² m/s N/mm² x m/s N/mm² x m/s 4 Valores de pU até 1. seguida de um período prolongado de parada) Dissipação normal Alojamentos estampados ou isolados. U.2 0. Para um determinado valor de pU.6 1.9) [N/mm² x m/s] pU = p ⋅ U Tabela 9: Dados típicos de p.0 1. A operação intermitente afeta a geração de calor e conseqüentemente a temperatura do mancal.2 0.5 1.5 0. produto da carga específica p [N/ mm²] pela velocidade de deslizamento U [m/s]. Temperatura A vida útil de um mancal DP4 depende da temperatura operacional. com pouca dissipação térmica Alojamentos não-metálicos com pouquíssima dissipação 1. indicado na Tabela 10. a temperatura de operação do mancal depende da temperatura do ambiente. é usada a velocidade de deslizamento no diâmetro médio. O efeito da temperatura na vida útil dos mancais DP4 é levado em consideração através do fator aT.4 0.1 - Condições de operação Características do alojamento Dissipação normal 2.4 0.1 200 0.3 0. dependendo da vida útil requerida. devem ser adotados valores de pU até 0. mas para operação contínua.1 280 0.4 0.0 0.2 150 0.Desempenho dos Mancais Fator pU A vida útil dos mancais DP4 depende do fator pU. das propriedades de dissipação de calor do alojamento e do eixo. o atrito na superfície de deslizamento do mancal gera calor.3 100 0.

O fator do tamanho do mancal aB Fig. Material Aço e ferro fundido Aço carbono Aço carbono manganês Aço liga Aço cementado Aço nitretado Aço nitretado em banho de sal Aço inox (7-10% Ni. 18:Área de contato entre o mancal e o eixo 16 . • As superfícies de ferro fundido devem ser retificadas até uma rugosidade Ra< 0.4 µm. Esta redução da área de contato tem o efeito de aumentar a carga específica e conseqüentemente o fator pU. • O corte da retífica deve ser na mesma direção como o movimento do mancal com relação ao eixo. 18 é usado nos cálculos de dimensionamento para levar em conta este efeito.4 Desempenho dos Mancais Contramaterial O efeito do contramaterial na vida útil dos mancais DP4 é levado em consideração através do fator de correção do contramaterial aM e da constante de correção da vida útil aL. presume-se que a rugosidade do contramaterial Ra seja = 0. 17-20% Cr) Ferro fundido (Ra < 0.3 µm. • Após o processo de retífica deve-se eliminar as partículas abrasivas das superfícies. • Uma superfície retificada é melhor do que torneada fina.3 µm) Tabela 11: Fator de correção do contramaterial aM e constante de correção da vida útil aL Tamanho do Mancal A folga de um mancal DP4 aumenta com o diâmetro do mesmo. resultando em uma área de contato proporcionalmente menor entre o eixo e o mancal. indicados na Tabela 11. Fator de correção do contramaterial aM 1 1 1 1 1 1 2 1 Constante de correção da vida útil aL [h] 400 400 400 400 400 400 400 400 Nota: Para os valores da tabela. Fig.

eixo estacionário. bucha estacionária F -2 Fig. F -2 F -2 F F -2 F Fig.7 0. pág. O fator de correção aC.0 1.050 mm cálculos de dimensionamento para levar em conta este efeito.5 0.0 0.10).4 0. 18 e (4.3 0. bucha girando 17 .4.6 0.3 Tabela 12: Fator de correção da calibração posterior aC Tipo de Carga O tipo de carga é levado em conta através das fórmulas (4. Não é recomendável usinar os mancais DP4. 21: Carga dinâmica. Tabela 12 é usado nos Extensão da Calibração Calibração: Diferença entre o diâmetro da ferramenta de calibração e o diâmetro interno médio da bucha 0. pág.038 mm 0. 20: Carga estática.Desempenho dos Mancais 4 2.2 Fator do tamanho do mancal aB 0. Fator de correção aC 0.025 mm 0. 19:Fator do tamanho do mancal aB Calibração da Superfície de Deslizamento Calibrar um mancal DP4 normalmente acarreta uma redução da vida útil.8 0. 18.4.9).8 0.1 1 5 6 7 8 9 10 50 100 500 Diâmetro do eixo DJ [mm] Fig.5 1. eixo girando.6 0.9 0.

4.9) Buchas (Carga dinâmica) [h] (4.4.4. 8.4 Desempenho dos Mancais 4.3) [N/mm²] 4F p = ---------------------------------2 2 π ⋅ ( Do – Di ) Buchas flangeadas (4.5) Buchas Flangeadas [N/mm² x m/s] –5 (4.4.8) [1/min] 4ϕ ⋅ N osz N E = -------------------------360 Estimativa da vida útil LH Buchas (Carga estática) (4.4.7) 6.4.4) [–] p lim – p a E = ---------------p lim plim vide Tab. página 14 Fator pU modificado Buchas (4. Aumentar o diâmetro e/ ou a largura do mancal. 25 ⋅ 10 F ⋅ N pU = ----------------------------------------------------------aE ⋅ B ⋅ aT ⋅ aM ⋅ aB Anéis de encosto (4. 04 ⋅ ( D fl – D i ) Fator de carga alta aE Se aE for negativo.6) [N/mm² x m/s] –4 5. (4. Carga específica p Buchas (4. calcule a velocidade de rotação equivalente. 5 ⋅ 10 F ⋅ N pU = ------------------------------------------------------------------------------a E ⋅ ( D fl – D i ) ⋅ a T ⋅ a M ⋅ a B [N/mm² x m/s] –5 3.4.4.10) [h] L H = 530 – a L --------pU L H = 265 – a L --------pU 18 .4 Cálculo de Vida Útil dos Mancais Quando o tamanho do mancal é limitado pelo espaço disponível. Caso a vida útil calculada seja inferior à desejada. as dimensões dos mancais devem ser readequadas. então o mancal está sobrecarregado. os cálculos a seguir podem ser usados para determinar se a vida útil estimada atenderá os requisitos estabelecidos em projeto. 34 ⋅ 10 F ⋅ N pU = ------------------------------------------------------------------------------aE ⋅ ( Do – Di ) ⋅ aT ⋅ aM ⋅ aB Para movimento oscilatário.2) [N/mm²] F p = ----------------------------------------------2 2 0.4. (4.4.1) Anéis de encosto [N/mm²] F p = ---------------Di ⋅ B (4.

Fator de correção ref. 14).18) [–] Aa E3 = ------AM Vida Útil Estimada (4. Pág. o número total de ciclos pode ser determinado. 15 aM vide Tabela 11. 17 Para Movimentos Oscilatórios ou Cargas Dinâmicas Calcule o número estimado de ciclos ZT (4.15) [ciclos] Z T = L H ⋅ C ⋅ 60 Se ZT <Q. 17). Pág.– a L pU aL vide Tabela 11. através do fator de correção aC (Tabela 12. Se ZT >Q. a velocidade.4.19) Nota: [h] Resultados de estimativas de vida útil maiores que 4000 horas estão sujeitos a erro devido a inexatidões na extrapolação de resultados de ensaios. então a redução da vida útil deve ser levada em consideração no cálculo. Pág. o mancal está sobrecarregado e sua área deve ser aumentada. 16 4 Anéis de encosto (4.4.4. Vida Útil Estimada (4. Pág. Placas de Deslizamento Fator de carga específica (4.4.4. L H = a E1 ⋅ a E2 ⋅ a E3 – a L 19 . Pág.– a L pU Calibração da Superfície de Deslizamento Se um mancal DP4 for calibrado. 16 Fator da área de contato relativa (4.4. Compare ZT com o número total de ciclos Q.13) [h] LH = LH ⋅ aC aC vide Tabela 12. se a carga específica fosse igual à admissível plim (Tabela 8.12) [h] 175 L H = --------. limitada pelo desgaste.17) [h/mm²] 280 ⋅ a T ⋅ a M a E2 = ------------------------------------F⋅ U aT vide Tabela 10.11) [h] 175 L H = --------.Desempenho dos Mancais Buchas Flangeadas (carga Axial) (4. a vida útil do mancal será de ZT ciclos. (4. limitada pela fadiga.16) [mm²] Fa E1 = A – --------p lim Se for negativo.4.4.14) [ciclos] Z T = L H ⋅ N osz ⋅ 60 Se a vida útil requerida do mancal for conhecida. que o mancal suportaria. temperatura e contramaterial (4.4. a vida útil do mancal será de Q ciclos. Pág.

⋅ π ⋅ N 2 2 Deslizamento pág.4. 265 aE ⋅ B ⋅ aT ⋅ aM ⋅ aB (4.2). 14) (Tabela 10.4. 45 2 2 2 2 π ⋅ ( Do – Di ) π ⋅ ( 62 – 38 ) Do + Di 62 + 38 Velocidade de (4. 15) (Tabela 11.= -------------------. 853 de Carga Alta 140 p lim aE [-] (deve ser >0) –4 Fator (4.6). p lim – p 140 – 3. ----------------.= 3. 14 = ---------------------------------------.⋅ π ⋅ 5 ----------------.= 0. 5 ⋅ 10 ⋅ F ⋅ N ---------------------------------------------------------------------------pU Modificado pág.5).= ---------------------------------------. 052 -----------------------------3 60000 60 ⋅ 10 (Tabela 8. 55 2 2 2 2 0.0 Fator de Correção do contramaterial aM 1.4.= 40 ⋅ π ⋅ 25 = 0.3. Pág. Fator p lim – p 140 – 20. 0. 5625 5. 119 6. –5 2.4. Pág.0 Fator do Tamanho do Mancal aB 0. 18 a E = ----------------. 18 U = ---------------------------------------------------------------------------. 970 140 p lim (4. 19. 82 E fl i T M B [N/mm² x m/s] Vida Útil (4.0 Fator de Correção do contramaterial aM 1. 250 F p [N/mm²] pág. 119 pU 20 .3. Pág. a 25 °C Diâmetro Externo do Flange Dfl Diâmetro Interno Di Carga do Mancal F Velocidade de Rotação N 23 mm 15 mm 250 N 5 1/min Constantes para o Cálculo e Fatores de Correção Carga Específica admissível plim 140 N/mm² 1.4. 14) (Tabela 10.= -------------------------------------.4.– 400 = 1149 0. 14 Di ⋅ π ⋅ N = -------------------------.7). 55 pág.85 Constante de Correção da Vida aL 400 h (Tabela 8. 18 p = ------------------------------------.4 Desempenho dos Mancais 4. 16) (4. a 25 °C Diâmetro Interno Di Largura B Carga do Mancal F Velocidade de Rotação N 40 mm 30 mm 5000 N 25 1/min Anel de encosto Dados: Detalhes da Carga Eixo Carga Axial Rotação Contínua Aço Sem Lubrificação Externa. 14 U 2 = ---------------------------------------.1). 34 ⋅ 10 ⋅ F ⋅ N pU Modificado pág. 18 = ------------------------------------------------.⋅ π ⋅ N -----------------. 19.– a L = ----------------. 16) (Fig. 25 ⋅ 10 ⋅ F ⋅ Npág.= 4. 175 175 pág. 16) Cálculo Ref Valor Carga Específica (4.4).= ------------------. Pág. –5 6.⋅ π ⋅ 10 2 Deslizamento pág. 16) Constantes para o Cálculo e Fatores de Correção Carga Específica admissível plim 140 N/mm² Fator de Correção aT 1.3).5 Exemplos Bucha cilíndrica Dados: Detalhes da Carga Eixo Carga estática Rotação Contínua Aço Sem Lubrificação Externa. 27 24.4.4. 171 3. 19 L H = --------. 19 0. 19. 026 3 3 U [m/s] 60 ⋅ 10 60 ⋅ 10 Fator (4.4. 18 U = a ⋅ ( D – D ) ⋅ a ⋅ a ⋅ a .= 0. 27 pU Cálculo Ref Valor Carga Específica (4.= --------------------------------.12).5).6).0 Fator do Tamanho do Mancal aB 1.4.0 0.4).0 400 h Constante de Correção da Vida aL (Tabela 8. 18 a E = ----------------. 4⋅ F 4 ⋅ 6500 p [N/mm²] pág. Pág.= 0. Pág. Pág. 16) (Fig. Page 17) (Tabela 11.– 400 = 581 --------0. 28 aE ⋅ ( Do – Di ) ⋅ aT ⋅ aM ⋅ aB [N/mm² x m/s] Vida Útil LH [h] (4. p lim – p 140 – 4.= 0.= -------------------. 16) (Fig.= 20. 14) (Tabela 10.= 0. 18 U = --------------------------------------------------------. 17 Di ⋅ B 40 ⋅ 30 Velocidade de Deslizamento U [m/s] Fator de Carga Alta aE [-] (deve ser >0) Fator pU Modificado [N/mm² x m/s] Vida Útil LH [h] (4. Pág.= -----------------------------.= ------------------------------------------. 04 ⋅ ( D fl – D i ) 0.= 0. Pág. Pág.= -------------------------------------------------.4. a 25 °C Diâmetro Interno Di Diâmetro Externo Do Carga do Mancal F Velocidade de Rotação N 38 mm 62 mm 6500 N 10 1/min Constantes para o Cálculo e Fatores de Correção Carga Específica admissível plim 140 N/mm² Fator de Correção aT 1.11). 15) (Tabela 11.0 Fator de Correção aT Fator de Correção do contramaterial aM 1. 18 = --------------.85 Fator do Tamanho do Mancal aB Constante de Correção da Vida aL 400 h Cálculo Ref Valor Carga Específica (4.3.= -----------------------------. 005 3 3 U [m/s] 60 ⋅ 10 60 ⋅ 10 (4. Pág.= ----------------. 18 L H = 265 – a L = -------------.= 0. 175 L H = 175 – a L = ----------------. 113 pU Bucha com Flange Dados: Detalhes da Carga Eixo Carga Axial Rotação Contínua Aço Sem Lubrificação Externa. -----------------.6). 04 ⋅ ( 23 – 15 ) D fl + D i 23 + 15 Velocidade de (4. 18 a E = ----------------. 45 de Carga Alta pág. 8125 6. 265 pág. pág. Page 17) (Tabela 11. 17 pág. F 5000 p [N/mm²] pág. 975 140 p lim aE [-] (deve ser >0) Fator (4.4. Pág. 113 19.– 400 = 1071 --------LH [h] pág. 15) (Tabela 11. Page 17) (Tabela 11.9).= 0.4).

a) Di (Di.: 21 . ora a seco Contramaterial Material Dureza Rugosidade Lubrificação Operação a seco Lubrificação contínua Lubrificação pelo fluido de processo Apenas lubrificação inicial Lubrificação hidrodinâmica Fluido de processo Lubrificante Viscosidade dinâmica Vida útil Vida útil requerida LH [h] Data: Assinatura: Fax: HB/HRC Ra [µm] ϕ [°] Nosz [1/min] Horas de operação por dia Operação contínua Operação intermitente Tempo de operação Dias por ano Dados do Cliente Empresa: Rua: η Cidade: CEP: Projeto: Nome: Tel.1 Dados para o projeto de um mancal B B sfl sT sS L Di (Di.Folha de dados 5 5 Folha de dados Aplicação: 5.a) Do Do Dfl Di Do Placa de Deslizamento Movimento Oscilatório Bucha cilíndrica Movimento Giratório Bucha com Flange Carga Estática Projeto Novo Anel de Encosto Carga Dinâmica W Peça Especial (Croquis) Movimento Linear Revisão de Projeto Existente Quantidade Dimensões em mm Diâmetro Interno Diâmetro Externo Largura Diâmetro do Flange Espessura do Flange Comprimento da Placa Largura da Placa Espessura da Placa Carga Carga radial ou carga específica Carga axial ou carga específica Movimento Velocidade de rotação N [1/min] Velocidade de deslizamento U [m/s] Curso LS [mm] Ciclos por minuto [1/min] Deslocamento angular Frequência F [N] p [N/mm²] F [N] p [N/mm²] Di Do B Dfl sfl L W sS Dimensões e Tolerâncias Eixo Alojamento do mancal Condições ambientais Temperatura ambiente Tamb [°] DJ DH Alojamento com boa dissipação térmica Alojamento estampado ou isolado com pouca dissipação Alojamento não-metálico com pouquíssima dissipação Operação ora em água.

001 a 0. 5 D i Fig.01 Lubrificação hidrodinâmica ocorre quando: [N/mm²] (6.Bη p ≤-----------.1 Lubrificantes Os mancais DP4 podem ser usados com a maioria dos fluidos. a 15-20 °C acima da temperatura de operação do mancal. • uma mudança visível da cor da superfície de deslizamento (algum ligeiro desbotamento ou algumas manchas. O fluido não é satisfatório para o uso com DP4 quando ocorrer: • uma mudança significativa da espessura da amostra de DP4. nem a camada intermediária de bronze poroso. um teste simples é submergir uma amostra de DP4 no fluido por duas a três semanas. qualquer fluido será aceitável como lubrificante. Nas seções seguintes estão descritos os 6.⋅ ---7.1) U ⋅ .6 Lubrificação 6 Lubrificação fundamentos da lubrificação e são apresentados subsídios para a utilização do DP4 em tais aplicações. • uma mudança visível na microestrutura da camada intermediária de bronze. que contém PTFE. que o fluido afeta o DP4). 6. 22: Lubrificação hidrodinâmica 22 . que se relacionam à espessura do filme de lubrificante desenvolvido entre o mancal e o eixo: • lubrificação hidrodinâmica • lubrificação mista • operação a seco. Os mancais DP4 apresentam desempenho excelente em aplicações lubrificadas. desde que não ataque quimicamente a camada de deslizamento. uma vez que não há nenhum contato entre as superfícies • coeficiente de atrito de 0. Em geral.2 Tribologia Há três modos de operação de mancais lubrificados. não significam.2. inclusive: • • • • • • • água óleos lubrificantes óleos para motores óleos para turbinas fluido hidráulico solventes refrigerantes Quando houver dúvida sobre a conveniência de algum fluido. Estes três modos de operação dependem de: • • • • • • dimensões do mancal folga do mancal carga velocidade de deslizamento viscosidade do lubrificante fluxo do lubrificante Lubrificação hidrodinâmica Características: • separação completa do eixo e do mancal pelo filme de lubrificante • muito pouco atrito e desgaste.

• as características excelentes dos mancais DP4 minimizam o desgaste nestas condições. • o coeficiente estático de atrito dos mancais DP4 é ligeiramente mais alto do que o dinâmico. • Partida e parada sob carga Com velocidade insuficiente para gerar um filme hidrodinâmico. • o coeficiente de atrito e o desgaste dependem do grau de apoio hidrodinâmico desenvolvido. Fig. Se um mancal DP4 necessitar operar a seco após operar com água em condições não hidrodinâmicas. por exemplo: • Lubrificação Escassa Muitas aplicações requerem que o mancal opere com menos lubrificante. o mancal operará com lubrificação mista ou operação a seco. • o coeficiente dinâmico de atrito dos mancais DP4 é de 0. nas quais existe lubrificação. • Fluidos não-lubrificantes Os mancais DP4 operam satisfatoriamente em fluidos de baixa viscosidade e não-lubrificantes. 25. 23: Lubrificação mista Operação a seco Características: • o eixo desliza sobre o mancal.3 nas condições de operação a seco. 24: Operação a seco 6. 23 . do que seria ideal.Os mancais DP4 requerem menor torque inicial. sua resistência ao desgaste será substancialmente reduzida devido ao aumento da área de contato. . por ex.. cumpre observar o seguinte: A Fig.02 a 0. mostra os três modos de lubrificação apresentados acima.Lubrificação 6 Lubrificação mista Características: • combinação de lubrificação hidrodinâmica e operação a seco. na página 24. • poderá ocorrer um desgaste no eixo devido ao contato entre o mancal e o eixo. tais como água e diversos fluidos de processo. não é possível garantir uma lubrificação hidrodinâmica. sem que haja lubrificante para separar as duas superfícies.Os mancais DP4 minimizam o desgaste . do que mancais metálicos convencionais. através de um gráfico da velocidade de deslizamento e da relação entre a carga específica e a viscosidade do fluido. No entanto. nos casos de lubrificação com respingos ou névoa de óleo. Fig. • parte da carga é sustentada por áreas localizadas de lubrificante pressurizado e o restante é suportado pelo contato entre o eixo e a superfície de deslizamento. • os mancais DP4 apresentam um baixo coeficiente de atrito e alta resistência ao desgaste nestas condições de operação. do que mancais metálicos convencionais. mas • Condições de carga altas Os mancais DP4 apresentam excelente resistência ao desgaste e baixo coeficiente de atrito em aplicações com altas cargas e lubrificação mista ou operação a seco.3 Características de Mancais Lubrificados Os mancais DP4 são particularmente indicados para aplicações em serviço muito pesado. • a seleção do mancal é muito importante para garantir um bom desempenho. Os mancais DP4 requerem muito menos lubrificante.

95 0.48 1.33 0.7 0. Se esta temperatura for desconhecida. 25 Área 1 O mancal operará a seco e o fator pU será o principal determinante da vida útil do mancal.0 3. que também 10 Área 1 Operação a seco Área 4 Talvez seja necessário aumentar a folga do mancal Carga específica do mancal p [N/mm²] Viscosidade η[cP] 1.6 11 0.84 27 40 59 89 134 2.95 0.56 1.41 7. vai depender da natureza do fluido e das condições de operação.30 77 121 190 335 540 3.2 2.7 8.3 11.01 0.6 4.32 4.3 0.55 0.0 0.3 7.0 9.6 4. Nota: A viscosidade é uma função da temperatura de operação do fluido.79 146 247 395 780 1290 4.rotação unidirecional .0 0.69 18 25 37 52 77 2.5 3.3 0.7 1.fluxo de lubrificante suficiente 0.folga suficiente entre eixo e mancal .44 1.0 12 15 21 1.0 1.48 9. 6.4 Diretrizes para o Projeto Viscosidade dinâmica η[cP] Temperatura [° C] Fluido ISO VG 32* ISO VG 46* ISO VG 68* ISO VG 100* ISO VG 150* Óleo diesel Gasolina Querosene Água 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 110 120 130 140 310 570 940 2110 3600 4.3 15 1.4 5.0 0.1 0.7 5.1 Área 3 Lubrificação hidrodinâmica Talvez seja necessário efetuar um dimensionamento mais detalhado do mancal.6 2.4 7.0 3.3 3.55 13 17 24 33 48 2.75 0.6 0. .8 6.0 2.85 0.36 0.8 3.0 44 67 102 164 255 3. • Usando as relações entre temperatura e viscosidade apresentadas na Tabela 13: . Favor consultar a nossa Engenharia.5 1.9 9.9 4. apesar de o resultado poder subestimar a vida útil do mancal.carga constante. unidirecional . Área 2 O mancal operará com lubrificação mista e o fator pU não é mais o único determinante da vida útil do mancal.0 10 Fig.1 Velocidade de deslizamento U [m/s] 1.65 0.Calcule a carga específica p.4 0.34 5. que pode ser calculada segundo o método apresentado na Seção 4.1 0.6 0.52 1.4 5.6 3.2 8. 25:Diretrizes para o projeto de aplicações com lubrificação externa 24 .3 12 17 22 31 1.6 Tabela 13: Viscosidade dinâmica Descrição da Fig.Determine a viscosidade dinâmica do lubrificante (em centipoise).60 0.28 3.5 6.31 0.6 2.6 Lubrificação Para usar a Fig. 24 • Usando as fórmulas da Seção 4: .40 0.6 4.4 0.0 Área 2 Lubrificação mista 0. poderá ser adotada uma temperatura 25 °C acima da temperatura do ambiente circunvizinho do mancal.3 5. Condições: .Calcule a velocidade de deslizamento U.

com relação à 0° carga aplicada e a fenda do mancal.6 Ranhuras para a operação com lubrificação Em mancais DP4 para serviço muito pesado.que podem resultar 25 . p.ex. pode ser necessário aumentar o fluxo de fluido pelo mancal. 6. Fenda 45 ° ° 45 10-15 % do diâmetro interno do mancal Z Z 0. Estas condições podem causar • temperatura de operação excessiva e/ou • desgaste muito grande.25-0. reduzindo o diâmetro recomendado do eixo em aproximadamente 0. por erosão.2 µm para lubrificação mista ou condições hidrodinâmicas • Ra ≤ 0. Para mancais que operam com lubrificação mista ou hidrodinâmica. ranhuras de lubrificação melhoram o desempenho.7 Rugosidade do contramaterial para a operação com lubrificação • Ra ≤ µm para a operação a seco 0.05 µm para as condições operacionais mais severas 6. Área 4 Estas são as condições de operação mais severas.5 m/s. A figura abaixo mostra a forma e a localização recomendadas. O desgaste do mancal será determinado somente pela limpeza do lubrificante e pela freqüência de partidas e paradas. de uma única ranhura.4 • Ra = 0.que podem aumentar o desgaste dos mancais.1-0. Ra<0.1%.Lubrificação 6 Área 3 O mancal operará com lubrificação hidrodinâmica. a pedido. • graxas com aditivos EP ou com substâncias como grafite ou MoS2 .40 F Detalhe da ranhura Z Fig. O desempenho do mancal pode ser melhorado pela adição de uma ou mais ranhuras de lubrificação e uma menor rugosidade do eixo.05 µm. ou.8 Lubrificação a graxa Normalmente não é recomendável lubrificar os mancais DP4 com graxa. O mancal operará com velocidade ou carga alta. 26:Localização de ranhuras de lubrificação 6. principalmente quando a velocidade de deslizamento excede 2. uma combinação de ambas. Principalmente as devem ser evitadas: condições abaixo em desgaste da camada de deslizamento. 6. em relação à viscosidade.5 Folgas para a operação com lubrificação Os diâmetros do eixo e do alojamento recomendados para buchas DP4 padrão garantem folgas suficientes para a operação a seco. • cargas dinâmicas . A GGB pode fabricar mancais DP4 especiais com ranhuras estampadas ou usinadas.

que os mancais tenham uma folga correta.1 N/mm²) e o torque disponível também. Neste caso é recomendável diminuir em 0.025 mm o diâmetro do eixo indicado na tabela.7 Montagem 7 Montagem durante a montagem. a folga precisa ser maior. além de uma redução de mesma grandeza adicional àquela indicada na Fig. segundo os valores indicados na Fig. diminuindo-se o diâmetro do eixo. 27:Aumento da folga diametral (para alojamentos de aço e ferro fundido) Se o alojamento for não-ferroso.15 % Tabela 14: Compensação para temperaturas altas 26 . No caso de funcionamento a seco. para compensar a dilatação térmica da camada de deslizamento. 27. afim de aumentar a Material do alojamento Ligas de alumínio Ligas à base de cobre Aço e ferro fundido Ligas à base de zinco interferência de montagem. qualquer aumento da folga resultará numa redução proporcional da vida útil. ou a carga for baixa (menor do que 0. Neste caso é recomendável reduzir o diâmetro do alojamento ou aumentar o diâmetro do eixo. a folga deve ser aumentada. não precisam ser calibrados. Se o alojamento do mancal sofrer uma deformação elástica acima do normal. Aumento da folga diametral mínima [mm] 0. Redução do diâmetro do eixo por 100 °C 0. 27 Redução do diâmetro do alojamento por 100 °C 0. 7. 27 0. Por isso as dimensões e tolerâncias dos eixos e dos alojamentos precisam corresponder aos valores especificados nas tabelas deste catálogo. É muito importante.1 % 0. 27 valores da Fig.05 % – 0. Os valores corretos podem ser determinados através de experiências práticas.02 0.01 0 0 20 40 60 80 100 120 140 Temperatura ambiente Tamb [°C] Fig.1 % + valores da Fig. alargados ou modificados de alguma outra forma. e exceto em circunstâncias muito excepcionais.15 % + valores da Fig. de fora para dentro. sua dimensão deve ser reduzida conforme valores da Tabela 14. 27 0. a bucha não será tão comprimida quanto esperado e a folga resultante será maior do que o valor ótimo. 27. Dimensões e Tolerâncias Os mancais DP4 são fornecidos com acabamento final da superfície de deslizamento.1 Dilatação Térmica Para a operação em ambientes de temperatura alta. Quando um deslizamento absolutamente livre for necessário.05 % + valores da Fig.

a Di.2 Tolerâncias para Folgas Menores Quando existe a necessidade de obter-se um campo de tolerância reduzido após a montagem.a + 0.021 a -0.a + 0.08 Di. para aumentar o diâmetro interno do mancal DP4. 0.025 Di.Montagem 7 7. 28: Ferramenta para calibrar 27 .080 0.a Ø int.011 a 0. Pág.a + 0.2 mm. 17).6–1. da bucha requerido Di.035 cias mais apertadas para a mínima do eixo e para a máxima do alojamento. 28 mostra uma ferramenta adequada para calibrar buchas DP4.5° B +10 6±2 DC R 1.a + 0. A superfície de calibragem da ferramenta deve ser cementada (profundidade de 0.06 Di. HRC 60±2) e polida (RZ ≈ 1µm).159 Tabela 16: Folgas diametrais nominais Tabela 15: Tolerâncias de eixos para o uso com alojamentos H6 Calibração Calibrar um mancal DP4 montado para conseguir uma folga menor. Di 10 mm 50 mm CD 0. Na Tabela 16 estão indicados os respectivos valores das folgas nominais. que uma ferramenta precisa ter.050 Ø da ferramenta DC Di. A Fig.5 Tabela 17: Burnishing Tool Tolerances Os valores da Tabela 17 indicam o diâmetro.019 a -0.a + 0. Valores exatos devem ser determinados através de testes. da bucha montada Di.1 A redução da vida útil do mancal em função da calibração posterior é levada em conta no cálculo da vida útil. para o valor requerido. Ø int. Nota: Não é recomendável calibrar mancais DP4 com ferramentas esféricas ou através de mandrilagem de precisão. pode-se especificar tolerânSe os alojamentos tiverem tolerância H6. só é admissível se uma redução significativa do desempenho na operação a seco for aceitável. B Di Fig.a Di.009 a 0.029 -0.038 Di. então os eixos devem ter as seguintes tolerâncias: Di <25 mm >25 mm < 50 mm DJ -0.a + 0. através do fator de correção aC (Tabela 12.

O contramaterial deverá estar livre de cantos vivos ou partes salientes. Os eixos ou as superfícies de escora. aço revestido de cromo duro. precisam se estender além da superfície dos mancais. As extremidades dos eixos devem ser dotadas de chanfros.7 Montagem 7. principalmente sem a proteção de óleo.3 Projeto do Contramaterial Os contramateriais indicados para operar com mancais DP4 e as recomendações referentes à qualidade da superfície dos mesmos. para que não possam cortar os mesmos. é recomendável utilizar aço inox. constam da página 16. Quando são utilizados contramateriais com revestimento superficial. para facilitar a montagem. principalmente. este deverá apresentar boa resistência e adesão. se o mancal precisa operar com altas cargas flutuantes. errado certo Fig. mas em ambientes úmidos ou corrosivos. A superfície do contramaterial também deve estar livre de ranhuras ou rasgos. 29:Projeto do formato do contramaterial 28 . que possam danificar a superfície de deslizamento dos mancais DP4. que ficam em contato com as buchas ou os anéis de encosto DP4. Normalmente os mancais DP4 operam com contramateriais ferrosos. ou alumínio anodizado duro.

da bucha Di [mm] Fig. 31:Prensagem de buchas flangeadas Força de prensagem Força de prensagem máxima por unidade de largura da bucha Fi / B [N/mm] 1000 800 600 400 200 0 0 10 20 30 40 100 Diâmetro int.5 x 15 rmax vide page 38 50 Z Fig. Fig.Montagem 7 7.8 para DH >125 = 2 para DH <125 = 0. 32:Força de prensagem máxima Fi ° 29 .4 Montagem Prensagem de buchas cilíndricas Do<55 mm Do>55 mm Do>120 mm 15°-3 0° Di para DH <125 = 0.8 para DH >125 = 2 Di Anel de montagem DH DH Nota: Lubrificar com óleo facilita a montagem. 30:Prensagem de buchas cilíndricas Prensagem de buchas flangeadas Z ° chanfro max = rmax X 45 0.

mesmo quando as cargas axiais forem pequenas.7 Montagem Alinhamento Um alinhamento adequado é uma condição importante para todos os mancais. é recomendável que o mancal seja dotado de uma vedação adequada (vide Fig. o desalinhamento não deverá exceder 0. sem que haja uma redução significativa da vida útil. No caso de mancais axiais. se for o caso) (vide Fig.020 mm.5 Apoio Axial Quando houver a necessidade de apoio axial. 30 . Fig. é aconselhável utilizar anéis de encosto DP4 junto com as buchas DP4. Recomendamos que seja utilizada a tolerância D10 para o diâmetro do recesso. Se a instalação com um recesso não for possível. 33:Alinhamento Vedação Os mancais DP4 permitem a entrada de uma certa quantidade de partículas contaminantes. 34:Exemplos de vedação 7. com relação à largura da bucha (ou do par de buchas. o limite do desalinhamento é igual e refere-se ao diâmetro externo do mancal. 35). Instalação de Anéis de Encosto Os anéis de encosto DP4 devem ser montados num recesso (vide fig. Para os mancais radiais DP4. se houver a possibilidade da entrada de partículas altamente abrasivas. Fig. No entanto. A profundidade do recesso está indicada na tabela de dimensões dos produtos. 33). 34). pode ser adotada uma das soluções abaixo: • • • • Dois pinos de travamento Dois parafusos Colagem Soldagem (temperatura <320 °C).

para um desempenho ótimo na operação a seco. Nas buchas. com cargas específicas acima de 35 N/mm². 35: Instalação de anéis de encosto Ranhuras para a Remoção de Resíduos do Deslizamento Fig. quatro ranhuras para a remoção de resíduos do deslizamento devem ser usinadas na superfície do mancal.1 x Di profundidade = 0. conforme está indicado na Fig. 36. 37:Fixação mecânica de placas de deslizamento DP4 31 . Fig. 0.Montagem 7 Notas importantes • Garantir que o diâmetro interno do anel não toca o eixo depois da montagem • Garantir que o anel de encosto está montado com o suporte de aço apoiado no alojamento • Os pinos devem ser dispostos 0. Fig. 37). as ranhuras não mostraram ser benéficas nesta situação.25 mm abaixo da superfície de deslizamento do mancal • Os mancais DP4 não devem ser aquecidos acima de 320 °C • Contactar os fabricantes de adesivos para a seleção de adesivos adequados Testes com anéis de encosto demonstraram que.25 mm abaixo da superfície de deslizamento do mancal • Os parafusos devem ser dispostos 0. 36: Ranhuras para a remoção de resíduos do deslizamento Placas de Deslizamento As placas de deslizamento DP4 devem ser instaladas conforme uma das opções abaixo: • parafusos rebaixados • adesivos industriais • fixação mecânica (vide Fig.4 mm • Proteger a superfície do mancal contra um eventual contato com o adesivo.

Quando a usinagem ou perfuração for executada Furos para Óleo As buchas devem ser fixadas adequadamente com o intuito de prevenir qualquer deformação que a pressão da ferramenta possa causar. Adicionalmente. deve ser usada a menor pressão de corte possível e. 8. o diâmetro do alojamento deverá ser aumentado em duas vezes a espessura do revestimento. para não alterar o diâmetro interno da bucha após a montagem. Caso a espessura especificada do revestimento exceda 5 µm. para proteger os mancais contra a corrosão.8 Modificação 8 Modificação partindo do lado do suporte de aço. devem ser realizados testes para garantir que todos o materiais nas proximidades do mancal são resistentes à corrosão e mutuamente compatíveis. Em todos os casos. após a usinagem. 32 . incluindo os seguintes: • zinco ISO 2081 • níquel ISO 1456 • cromo duro ISO 1456. devem ser removidas todas as rebarbas. usualmente empregados para este processo. os mancais DP4 podem ser galvanizados com a maioria dos metais. desde que a placa seja bem fixada e sua planicidade seja mantida. Quando houver a possibilidade de ataques eletrolíticos. os mancais devem ser protegidos contra danos da camada de deslizamento e contra qualquer deformação permanente da placa. • Estampagem • Guilhotina (somente para larguras menores de 90 mm) • Corte com jato de água • Corte com laser (vide “Advertência sobre os Riscos à Saúde”). Corte de Placas de Deslizamento As placas de deslizamento DP4 podem ser cortadas através de qualquer um dos processos abaixo: • Fresagem. bem como quaisquer partículas de aço ou bronze. Em geral é mais satisfatório executar operações de usinagem ou perfurações a partir do lado da camada de deslizamento para evitar a formação de rebarbas na mesma. nas superfícies de aço.1 Corte e Usinagem A modificação de mancais DP4 não requer nenhum procedimento especial.2 Galvanização Os mancais DP4 recebem um revestimento de estanho. que porventura tenham penetrado na camada de deslizamento. 8.

048 2.75 10.015 9.994 h6 H6 4. Largura B max.730 3.1 a -0.7 -0. num alojamento H6/H7 max.1 a -0. min.000 3.75 Ø do eixo DJ [h6.005 0.75 6.5 ± 0.048 4.4 0.75 8.25 4. min.6 ± 0.4 0.75 10.0 ± 0.0 a = Chanfros Co usinados ou laminados a critério do fabricante b = Ci pode ser um raio ou um chanfro.25 9.1 a -0.992 5.000 1.6 ± 0.25 4.1 a -0.4 1.75 6.75 5.3 0.500 3.000 Folga CD max. min.5 Co (a) usinados 1.1 Buchas cilíndricas DP4 Ci Di (Di.015 8. min.978 7. 3.980 5 7 5.75 6.000 4.25 7.4 laminados 0.990 0.25 4.000 0.5 3 4.6 laminados 1.5 0.75 4.75 10.25 9.500 4.055 4.75 5.a) 20˚ ±8˚ Co s3 Detalhe Z 0. de acordo com a ISO 13715 Dimensões Código Di 0203DP4 2 0205DP4 0303DP4 0305DP4 0306DP4 0403DP4 0404DP4 4 0406DP4 0410DP4 0505DP4 0508DP4 0510DP4 0604DP4 0606DP4 6 0608DP4 0610DP4 0705DP4 7 0710DP4 9 8 1.8 ± 0.25 2.048 3.25 9. H7] max.6 ± 0.077 0.75 8.015 7.25 5.056 0.994 Ø do alojamento DH [H6.3 min.000 2.4 -0.4 Ci (b) -0.990 4.25 5.75 5.75 4.2 a -1.25 3.5 -0.500 Ø a bucha Di. 2.75 3.000 6.990 6.083 0.75 5.972 9.6 ± 0.000 f7 5.055 5.5 ± 0.000 0.508 5.508 3.750 0.000 3.990 0.4 1.5 Do Espessura da parede s3 max.2 ± 0. 2.000 5.508 4.a mont. 4.4 Ci (b) -0.978 H7 8.990 5.25 7.25 2.25 5.75 10.25 3.75 1 1. h8] max.25 4. f7. min.7 Espessura de parede s3 2 2.003 33 .987 6.Produtos Padronizados 9 9 Produtos Padronizados Fenda B 9. min.055 6.25 2.2 ± 0.000 7. Z Dimensões e Tolerâncias de acordo com a ISO 3547 e Especificações GSP Todas as dimensões em mm Chanfros externos Co e internos Ci Espessura de parede s3 0.054 0.5 Do Co (a) usinados 0.75 3. 3.25 9.3 0.

25 19.990 13.25 7. num alojamento H6/H7 max.25 24.055 7.990 15.25 19.75 12.25 9.25 14.75 20.75 15.75 20.058 15.000 15.25 11.095 0.75 25.75 10.25 9.990 0.018 18.25 9.75 20.25 19.966 14.018 17.015 10.75 10.987 9.25 11.25 24.75 15.000 17. f7. Ø do alojamento DH [H6.000 10. h8] max.25 19.990 0.25 7.9 Produtos Padronizados Dimensões Código Di Do Espessura da parede s3 max.984 16.25 14.005 0.75 10.990 0.75 10.75 Ø do eixo DJ [h6. min.018 16. min.75 8. min. min.966 18.000 16.75 12.972 12.25 11. Ø a bucha Di.75 12.018 15.25 9.25 11.75 25. 0806DP4 0808DP4 8 0810DP4 0812DP4 1006DP4 1008DP4 1010DP4 10 1012DP4 1015DP4 1020DP4 1208DP4 1210DP4 1212DP4 12 1215DP4 1220DP4 1225DP4 1310DP4 13 1320DP4 1405DP4 1410DP4 1412DP4 14 1415DP4 1420DP4 1425DP4 1510DP4 1512DP4 1515DP4 1520DP4 1525DP4 1610DP4 1612DP4 1615DP4 1620DP4 1625DP4 1720DP4 17 19 16 18 15 17 16 15 1.990 16.25 19.966 17.25 7. Largura B max.990 0.006 14. 6.75 10.966 16.75 15.966 H7 15.25 14.000 12.75 20.058 14.990 f7 12.75 8.092 0.75 15.021 19.018 12. min.25 24.058 12.018 14.083 0. H7] max.984 13.25 19.75 10.25 14.25 11.25 11.75 20.061 16.058 9.75 5.000 14.972 10.058 13.75 12.058 11.75 15.75 12.966 19.75 8.75 20.000 8.25 9.003 9.984 15.980 14 12 10 7.987 7.25 19.984 12.003 11.25 5.25 4. Folga CD max.000 13.984 11.75 12.25 9. min.25 5.a mont.75 10.25 14.75 25.75 20.984 14.006 34 .75 25.25 9.25 24.75 6.086 0.

25 24.75 25.970 32 25 28 27 1.071 23.990 0.25 9.75 25.25 29.959 32.475 25 20 23 20 1.75 20.25 29.25 14.000 28.000 22.990 0.25 14. Folga CD max.75 15.010 29. h8] max.75 30.021 23.126 0.75 30.135 0.021 25.085 29.071 21.950 36.975 31.25 39.990 27.085 31.75 15.990 0.25 9.25 14.505 1. Ø do alojamento DH [H6.75 50.75 25.75 20.071 19.25 29.25 19.25 14.021 27.25 24.75 10.000 32. min.75 20.061 17.980 29.75 40.25 19.25 19.085 27.980 19.25 24.75 20.75 15.75 20.75 15.010 23.959 23.980 21.015 35 .984 17.75 10.25 29.25 24. Ø a bucha Di. min.959 28.021 20.071 24. f7.75 15. min.75 20.25 24.a mont.959 34.75 20.75 25.025 32.990 0.959 25.025 34.75 25.75 15.25 29.980 Do Espessura da parede s3 max. min.112 0.25 14. Largura B max. H7] max.25 14.990 21.25 24.75 15.25 9.75 25.000 30.980 24.25 19. min.75 30.25 49.095 0.005 1.75 25. num alojamento H6/H7 max.000 25.006 19. 10.000 18.25 24.75 30.25 14. 9 17.25 19.25 19.025 36.75 40.000 20.980 23.75 Ø do eixo DJ [h6.25 19.966 20.990 f7 H7 24.25 19.021 28.980 27. min.Produtos Padronizados Dimensões Código Di 1810DP4 1815DP4 18 1820DP4 1825DP4 2010DP4 2015DP4 2020DP4 2025DP4 2030DP4 2215DP4 2220DP4 22 2225DP4 2230DP4 2415DP4 2420DP4 24 2425DP4 2430DP4 2515DP4 2520DP4 2525DP4 2530DP4 2550DP4 2815DP4 2820DP4 28 2825DP4 2830DP4 3010DP4 3015DP4 3020DP4 30 3025DP4 3030DP4 3040DP4 3220DP4 3230DP4 3240DP4 32 36 34 2.005 0.25 29.25 39.75 30.000 24.75 30.75 30.25 29.959 27.990 31.75 20.

030 55.25 49.75 50.75 60.170 0.970 35 39 34.75 25. min.25 54.135 0.020 36 . 3520DP4 3530DP4 3535DP4 3540DP4 3550DP4 3720DP4 4020DP4 4030DP4 40 4040DP4 4050DP4 4520DP4 4530DP4 4540DP4 4545DP4 4550DP4 5020DP4 5030DP4 5040DP4 5050DP4 5060DP4 5520DP4 5525DP4 5530DP4 5540DP4 5550DP4 5555DP4 5560DP4 6020DP4 6030DP4 6040DP4 60 6050DP4 6060DP4 6070DP4 65 2.75 20.75 30.085 36.970 59.25 24.005 1.000 60. min.460 45 50 44 37 41 2.170 0.000 50.75 50.75 40.75 20.75 70.25 39.25 39.105 44.110 54.25 29. Ø a bucha Di.25 39.025 50.75 60.25 69.75 30.25 29.990 0.975 39.25 39.975 34.75 40.25 29.025 41.75 40.75 40.25 39.950 H7 55.025 39.000 45.25 19.75 60.990 36.030 65.75 40.75 30.25 19.25 34.75 30.25 44.25 19.25 29. Ø do alojamento DH [H6.75 50.75 50.75 55.75 20. min.025 44.990 0.75 20.25 29.a mont.085 34.950 39.975 36.460 55 60 50 55 2.25 49.970 54.75 50. 20.000 37.9 Produtos Padronizados Dimensões Código Di Do Espessura da parede s3 max.75 30.990 44.75 20. Largura B max.020 59.25 29.75 35.110 59. H7] max.75 45.950 44.990 0. f7. min.950 50.110 49.75 50.25 49.155 0.940 60.25 59.030 60.085 39.25 19.25 49. min.25 59. h8] max.015 54.75 30.75 Ø do eixo DJ [h6.975 44.75 20.015 39.000 55.975 49.990 0.015 f7 49.25 19.505 2.75 40.000 35. min.25 19.990 0.160 0. num alojamento H6/H7 max. Folga CD max.25 49.940 65.25 19.950 41.505 2.25 39.000 40.25 49.25 59.

460 65 70 Do Espessura da parede s3 max.50 100.50 59.50 Ø do eixo DJ [h6.940 75.50 60.000 115. min.937 130.000 109.035 95. Folga CD max.415 120 115 110 100 105 100 2.50 99.000 135.50 70.50 100.50 30.155 90.490 2.505 2.946 110.50 60. 30.000 85.50 60.50 114.75 50.209 0.020 110.75 80.50 60.155 85.50 50.946 H7 95.000 95.50 60.000 99.946 120.50 99.110 74.50 115. min.070 0.50 100.25 49.a mont.946 125.110 64.210 125.040 135.50 49.000 120.000 65. min.035 85.50 60. h8] max. Ø a bucha Di.030 75.50 59.50 115. num alojamento H6/H7 max.50 29. 9 64.155 95.020 90.940 80.946 115.000 90.50 59.50 79.25 69.25 49.937 130.273 0.Produtos Padronizados Dimensões Código Di 6530DP4 6550DP4 6570DP4 7040DP4 7050DP4 7070DP4 7560DP4 75 7580DP4 8040DP4 8060DP4 80 8080DP4 80100DP4 8530DP4 8560DP4 85100DP4 9060DP4 90 90100DP4 9560DP4 95 95100DP4 10050DP4 10060DP4 100115DP4 10560DP4 105 105115DP4 11060DP4 110 110115DP4 11550DP4 115 11570DP4 12050DP4 12060DP4 120100DP4 125100DP4 13060DP4 130 130100DP4 135 125 130 120 125 2.50 50.020 115.110 69.020 120.070 125.264 0.070 37 .990 80.020 100.970 69.020 105.040 130.75 60.50 100.50 60.030 70.155 80.000 70.000 84.50 99.50 49.50 99.50 114.25 59. H7] max.000 75.50 59.50 80.000 110. f7.25 29. min.50 59.000 89.155 100.000 79.170 0.970 64.50 115.50 60.50 59. Ø do alojamento DH [H6.000 124.035 110.155 105.946 90.000 80.035 90.50 49.000 100.040 125.50 69.75 70.75 40.000 104.25 69.000 114. min.50 100.000 94.50 99.50 114.035 115.25 79.50 39.990 0.50 59.000 119.75 40.000 129.020 0.25 39.210 130.035 105.75 50.035 120.155 110.020 74.50 100.210 120.020 85.946 95.946 85.50 59.50 100.035 100.155 115. min.070 0.020 h8 100.465 2. Largura B max.50 59.50 50.940 70.75 70.070 130.50 60.000 125.440 95 85 90 85 80 70 75 2.50 99.946 105.50 99.990 f7 69.030 80.000 105.970 74.

000 299.000 199. min.046 225.000 139.279 0. 13560DP4 135 13580DP4 14060DP4 140 140100DP4 15060DP4 15080DP4 150100DP4 16080DP4 160 160100DP4 180100DP4 200100DP4 210100DP4 220100DP4 250100DP4 300100DP4 180 200 210 220 250 300 185 205 215 225 255 305 165 2. 60.216 200.50 0.000 140.50 80.919 H7 165.070 h8 160.070 Folga CD max.937 200.070 0. f7.046 185.052 255.000 Ø a bucha Di.210 160.465 2.50 99.928 300.937 Ø do alojamento DH [H6. min.50 59.040 145.000 205.50 79.937 155.000 149.000 219.046 215.50 Ø do eixo DJ [h6.50 80.9 Produtos Padronizados Dimensões Código Di Do Espessura da parede s3 max.415 150 155 145 140 140.216 210.070 0.222 300.222 250.000 215.000 255. num alojamento H6/H7 max.928 210.928 250. min.040 140.070 210.50 99.070 200.303 0.052 305.216 180.040 155.070 38 .070 300.000 160.50 59.070 250.000 185.210 140.000 179.273 0.50 59. h8] max.50 100.000 209.50 60.070 100.070 150. min.50 79.210 150. min.070 0.a mont.288 0.000 159.040 165.000 150. 135.000 249.070 0.210 135.50 80.50 100.070 220.50 100.50 99.937 180.216 220. H7] max.000 225. 135.928 220.50 60.000 305. min.294 0.046 205.50 79. Largura B max.50 99.070 180. 140.000 134.937 145.

25 7. f7] max.8 ± 0.25 6.Produtos Padronizados 9.978 ∅ do alojamento DH [H6/H7] max.5 12.5 6.6 ± 0.1 a -0.006 39 .0 a = Chanfros Co usinados ou laminados a critério do fabricante b = Ci pode ser um raio ou um chanfro.2 Buchas com flange DP4 B rmax D o .25 3.75 9. 0.5 5.4 laminados 0.25 7. de acordo com a ISO 13715 Dimensões Código Di BB0304DP4 BB0404DP4 BB0505DP4 BB0604DP4 6 BB0608DP4 BB0806DP4 BB0808DP4 BB0810DP4 BB1007DP4 BB1009DP4 10 BB1012DP4 BB1017DP4 BB1207DP4 BB1209DP4 12 BB1212DP4 BB1217DP4 14 20.a) Dfl Do 20° ±8° Co 0.80 18.000 3.000 8.25 8. Z sfl Detalhe Z Dimensões e Tolerâncias de acordo com a ISO 3547 e Especificações GSP Todas as dimensões em mm Chanfros externos Co e internos Ci Espessura de parede s3 0.4 0.75 1 1.70 ∅ ext.7 Espessura de parede s3 2 2. 4.5 9. 3.000 h6 H6 0.25 8.25 16.058 9.5 8.987 7.500 5.75 7.003 11.75 5.05 0.508 4.25 6. min.6 ± 0.25 11.015 8.992 4.055 7.6 ± 0. min.25 9.972 H7 12.75 ∅ do eixo DJ [h6.75 12.75 7.077 0.1 a -0.015 10.a mont.086 0.015 7. num alojamento H6/H7 max.5 11.092 0.990 0.5 14.4 Ci (b) -0.000 0.75 8.25 3.4 Ci (b) -0.75 5.978 5.5 12 1.508 5.083 0.000 10.000 Ø a bucha Di.3 0.0 ± 0. 4.980 1.Di 2 s3 9 Fenda Ci Di (Di.000 2. min.058 11.055 4. min.5 19. 7.990 Folga CD max.7 -0.2 ± 0.4 -0.018 12.75 17.5 Largura B max.018 14.5 ± 0.75 12.5 7 Espessura Espessura da parede do flange s3 sfl max.5 10.4 1.990 5.003 f7 9.048 3.25 3.75 5.3 0.5 8 3 4 5 Do 4.000 8.048 4.1 a -0. min.990 0.75 4.984 11.6 laminados 1.5 Co (a) usinados 1.4 1.056 0.5 ± 0.75 9.5 -0.25 11.005 0.25 7.4 0.730 max.987 9.1 a -0.75 4.990 4.054 0.5 17.000 12.75 17.2 ± 0.990 0.966 14. min.2 a -1.000 7.000 5.972 10.25 16. 0. do flange Dfl max.80 0.000 4. min.3 min.990 6.75 9. 0.500 7. 3.055 5.5 9.5 Co (a) usinados 0.25 4.750 0.5 8 10 15.6 ± 0.994 4. min.

025 44.75 22.984 17.000 30. min.75 9.60 2.25 15.25 25.25 16.5 17. 14.5 39.75 17.000 18.5 44.25 8. f7] max.75 11.25 16.015 40 .990 0. 13.25 25.005 1.25 16. 12. max.5 34.025 39.5 41.5 34.006 30.061 17.5 21.25 15.5 Largura B max. min.980 1.966 17.75 26.990 26.25 25.25 21.75 26.75 12.959 H7 23.975 39.25 11.990 42.75 12.000 16.058 15.950 44.085 29.5 29.25 21.105 44.5 14.5 29.25 16.000 25.980 29.085 39.990 0.505 2.966 20.058 14.126 0.959 28.25 16.085 34.25 11.80 16 23.071 19.021 28.990 0.5 22. min.015 53.25 16. min.10 1.980 24.5 57. num alojamento H6/H7 max.155 0.a mont.475 1.5 f7 19.25 11.75 17.75 16. min.25 15.071 24. 16.975 44.75 ∅ do eixo DJ [h6.000 45.000 20. ∅ ext.505 1.095 0.75 26.75 17.112 0.006 24. BB1412DP4 14 BB1417DP4 BB1509DP4 BB1512DP4 BB1517DP4 BB1612DP4 16 BB1617DP4 BB1812DP4 BB1817DP4 BB1822DP4 BB2012DP4 BB2017DP4 BB2022DP4 BB2512DP4 BB2517DP4 BB2522DP4 BB3016DP4 30 BB3026DP4 BB3516DP4 35 BB3526DP4 BB4016DP4 40 BB4026DP4 BB4516DP4 45 BB4526DP4 50 2. min.010 47.990 0.950 39.021 23. min.75 12.80 34 25 28 20 23 1.984 13.75 26.05 0.75 16.990 Folga CD max.25 11.25 11.018 17.980 19.975 34.018 16. do flange Dfl max.005 0.000 Ø a bucha Di.25 25.025 50.75 11.5 25. 22.5 52.000 35.5 23.75 16.966 18.966 ∅ do alojamento DH [H6/H7] max.984 15.75 21.75 21.9 Produtos Padronizados Dimensões Código Di Do Espessura Espessura da parede do flange s3 sfl max.5 24.058 13.30 18 20 18 15 17 1.75 16.984 14.018 18.30 44 39 2.025 34.990 0.60 1.950 50.25 21.5 15.959 34.5 46.990 0.75 17.75 16.000 15. min.000 40.460 2.990 58.25 16.970 2.75 11.135 0.092 0.010 35.021 20.25 15.

00 61.00 43.5 120. a aba pode ser fornecida dobrada.5 Código BS40DP4 BS50DP4 BS60DP4 BS70DP4 BS80DP4 BS90DP4 BS100DP4 Proteção contra Corrosão: os anéis serão fornecidos protegidos por uma fina camada de óleo.88 65.0 99.50 101. do flange Dfl max.88 75.0 74. 65.5 110.0 74. 44.02 5 ±0.00 84.0 84.86 105.00 101.90 55.5 ∅-ext.3 Anéis de encosto com flange DP4 1.0 84.88 85. 75.0 119.0 109.00 71.0 94.0 109.5 95.00 104.50 91. Do max.50 81.0 119.5 85.00 74.2 5 r1 dp 30° Dfl Di 1.8 -0. Quando for requisitado pelo cliente.0 129. Forma da Aba: os anéis são fornecidos com a aba sem dobra (plana).5 100.5 75.5 110.6 ° Do Todas as dimensões em mm ∅ int.00 54.Produtos Padronizados 9.86 95.00 91.5 85. 40.5 140.20 51.70 40.0 129.0 64. min. min. min.86 ∅ do círculo do furo p/o pino dP max.50 51.50 61.00 ∅-ext.98±0.00 94.1 9 8±1 r1 . 5 x 45 4.5 130. Di max.00 64.5 120.5 130. 41 . min.50 71.0 139.00 81.

00 24.00 1.88 28.00 35.88 30. sem furo 18.25 38. min.12 53.00 38.20 0.75 36.375 4.75 66.75 Espessura sT max.375 2.625 max.25 20.375 3.125 1.9 Produtos Padronizados 9.00 12.45 42 .88 35.00 89.12 29.88 33. min.95 1.88 76.25 42.75 32.12 60.75 78.25 12.00 14.00 26.12 24.00 62.25 62. Di min.75 90.75 30.00 32.75 38. Do max.45 3.88 38.00 53.00 52.12 34.00 16.00 61.00 28.88 61.00 31.12 37.00 22.00 77.12 19.75 62.25 48. min.25 32.125 2.00 20.75 54.88 Profundidade do recesso Ha max. min.12 42.88 22.00 43.75 48.70 1.75 44.12 27. Código 2.00 max.12 21.00 29.4 Anéis de encosto DP4 Ha dD Hd [D10] Do DJ dp sT Di dP Do Todas as dimensões em mm ø-int.00 47.00 37. min.25 24.12 49.25 18.00 48.25 ø-ext.88 20.75 74.75 42. 10.25 22.12 64.00 73.25 16.88 25.25 28. WC08DP4 WC10DP4 WC12DP4 WC14DP4 WC16DP4 WC18DP4 WC20DP4 WC22DP4 WC24DP4 WC25DP4 WC30DP4 WC35DP4 WC40DP4 WC45DP4 WC50DP4 WC60DP4 10.25 14.75 26.00 25.95 4.88 50.12 32.88 43. Furo de Fixação ∅ dD PCD-∅ dP max. 20.12 17.00 23.00 18.25 26.00 41.75 24.875 1.00 65.88 65.25 52. sem furo 1.88 54.50 1.12 75.00 42.00 19.125 1.

Largura total W 160 Largura útil WU min 150 Espesura sS max.97 1.46 2.01 0.Produtos Padronizados 9.94 2.42 200 190 43 . min. 0.5 Placas de deslizamento DP4 9 Wu min W L ss Todas as dimensões em mm Comprimento L Código S07150DP4 S10190DP4 S15190DP4 S20190DP4 S25190DP4 503 500 max.74 0.48 1.70 1.98 1. min.52 1.

sem que a mesma seja colocada num dispositivo especial. Teste C Para medir o diâmetro interno Di. sua forma se ajusta àquela do alojamento e a fenda fica perfeitamente fechada. Os métodos de inspeção são definidos pelas normas ISO 3547 Parte 1 e 2. o diâmetro externo da bucha é medido indiretamente através da variação de “z”. 44 . respectivamente.075 mm Fig.035 a 23.062 mm 4500 N 0 e -0.a de uma bucha DP4 montada no alojamento. Depois da instalação. com diâmetro dch.065 mm 23. de acordo com as dimensões do mancal. da bucha Do Blocos de medição 23. as buchas não têm uma forma estável e a fenda fica aberta. a bucha deverá ser prensada num anel calibrado. Desenho esquemático (Exemplo Di = 20 mm) Medição da Espessura da Parede (alternativa para o Teste C) A espessura da parede deverá ser medida em uma. A Bucha DP4 prensada num anel calibrado ∅ 23. B [mm] ≤ 15 >15 ≤ 50 >50 ≤ 90 >90 Tabela 19: Posições para a medição da espessura da parede B X X Posição para a medição X [mm] B/2 4 6 e B/2 8 e B/2 Número de posições para a medição 1 2 3 3 Fig.1Medição de Buchas Antes de serem instaladas no alojamento.1 z Øi dos blocos de medição e do mandril de calibração dch.001 ∅ 0.061 20.050 A Fig. e ISO 12306. Desenho esquemático Tabela 18: Teste A da ISO 3547 Parte 2 Teste B (alternativa para o Teste A) Medir o diâmetro externo com anéis PASSA e NÃO PASSA. 40: Posições para a medição da espessura da parede Teste D Medir o diâmetro externo com uma trena de precisão. 39: Teste C. 38: Teste A. duas ou três posições axiais. cujos blocos de medição inicialmente são calibrados através de um mandril de calibração. Depois da calibração dos blocos. Teste A da ISO 3547 Parte 2 Medir o diâmetro externo com um dispositivo de inspeção.011 mm 20.10 Inspeção 10 Inspeção 10.1.1 Carga para o teste Fch Limites para ∆z Diâmetro ext. Por isso não é possível medir com precisão os diâmetros externo e interno de uma bucha. cujo diâmetro nominal corresponde à dimensão especificada na Tabela 5 da ISO 3547 Parte 1. Teste A da ISO 3547 Parte 2 na 2015 DP4 Fch Fenda d ch. para Di >120 mm.

mesmo se tal finalidade for mencionada nesta publicação. Mesmo nas raras ocasiões nas quais os mancais DP4 são perfurados ou usinados. fornecemos cópias. A temperaturas mais altas porém. que possam decorrer direta ou indiretamente da utilização se seus produtos. All rights reserved. que somente se manifesta após algumas horas e que passa sem deixar sequelas. Todos os negócios feitos com a GGB estão sujeitos às suas condições de venda e fornecimento.profidoc. Tais vapores podem se formar. A GGB não assume nenhuma responsabilidade por perdas. em que os mancais DP4 forem usinados. das quais.com www.de 06-07 . Por isso deve ser proibido fumar nos locais.A GGB assegura. pequenas quantidades de vapores tóxicos podem ser produzidos e a inalação direta destes pode causar um ligeiro efeito. com sintomas semelhantes aos da gripe. DP4™ é uma marca registrada da GGB.ggbeari This handbook was designed by Profidoc Silvia Freitag ©2007 GGB. quaisquer que sejam. a pedido. danos ou custos.ggbearings. que os produtos aqui descritos não têm defeitos de material ou de fabricação. quando partículas de PTFE entram em contato com a brasa de um cigarro. não há nenhum risco à saúde durante estas operações. sem aviso prévio. GGB™ é uma marca registrada da GGB. que estes produtos sejam adequados para alguma aplicação particular. presente na camada de deslizamento dos mancais DP4. Se não for expressamente acordado por escrito. Os produtos da GGB estão sujeitos a um desenvolvimento constante e a GGB se reserva o direito de fazer mudanças na especificação e no projeto de seus produtos.Aviso Fabricação A temperaturas até 250 °C o politetrafluoretileno (PTFE).com www. www. ou para quaisquer condições específicas de operação. e internet: Visit us on th ngs. Riscos à saúde . depois de 24 a 48 horas. é uma substância completamente inerte. a GGB não dá nenhuma garantia.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful