You are on page 1of 4

II SEMINÁRIO DE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL – SEPEX

“A agricultura familiar no agronegócio”


Realização: Fundação Universidade Federal de Rondônia – Campus
Rolim de Moura
Curso de Agronomia – 14 de Junho de 2008

Búfalos de tração animal em sistema agroecológico em Rondônia


Ricardo Gomes de Araujo Pereira 1, Newton de Lucena Costa 2, Cláudio Ramalho Townsend 1 e João
Avelar Magalhães 3.

1-Zootecnista, D.Sc.Pesquisador CPAF-RO, EMBRAPA Rondônia. (69), 39012529


E-mail: ricardo@cpafro.embrapa.br

2 -Pesquisador da Embrapa Roraima, 3 -Pesquisador da Embrapa Meio Norte.

INTRODUÇÃO

Rondônia é uma fronteira agrícola que recebe produtores de todo o país. Isto
ocorre em função da disponibilidade de terra, não somente no estado, como em toda a
região amazônica. A região possui um déficit de mão de obra nas propriedades que
praticam agricultura familiar sendo que este fator interfere dificultando o incremento de
culturas mais exigentes desse recurso. Por desconhecimento dos agricultores a fauna e a
flora são agredidas com os desmatamentos e queimadas praticando-se uma agricultura
itinerante que não capitaliza a propriedade, e deixa o sistema dependente de fatores
climáticos, fazendo com que tenham baixa produtividade nas culturas anuais e perenes.
Isto tem levado os produtores a abandonarem os lotes, deixando-os encapoeirados,
acarretando assim prejuízos financeiros e ecológicos.
O uso da Tração Animal em propriedades que praticam agricultura familiar pode
interferir neste ciclo onde o prejuízo social é incalculável. A tração animal eleva a
capacidade de utilização da mão de obra na pequena propriedade, fazendo melhor
aproveitamento das áreas encapoeiradas, aumentando a área cultivada, diminuindo os
custos e elevando a produtividade, Pereira et al. (1995). A Tração Animal, faz com que o
produtor aumente a área cultivada retirando-o da agricultura itinerante que o obriga a
desmatamentos constantes. Redução nos desmatamentos, foram observados por Pereira
et al. (1994), que também observaram com o uso desta técnica uso de insumos
modernos, que passam a ser viáveis em função do aumento da produção e da
produtividade. O uso da tração animal pode ser considerado como o elo de ligação entre a
enxada e a mecanização motorizada.
No preparo do solo o búfalo tem produzido, em todas as etapas, energia barata
tornando econômicas atividades como o encoivaramento, aração, gradagem e cultivo,
II SEMINÁRIO DE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL – SEPEX
“A agricultura familiar no agronegócio”
Realização: Fundação Universidade Federal de Rondônia – Campus
Rolim de Moura
Curso de Agronomia – 14 de Junho de 2008

Pereira e Tavares, (1992). Quando comparado com os bovinos os búfalos tem


apresentado melhor desempenho na maioria das atividades, Pereira, (1993) e FAO
(1991).
O objetivo deste trabalho foi o de medir a eficiência da tração animal e determinar
seu efeito na capitalização do pequeno produtor.

MATERIAL E MÉTODOS

O trabalho foi conduzido no município de Teixeirópoles que possui solos de


topografia suavemente ondulada a ondulada de fertilidade média a elevada. O clima é
equatorial do tipo Awi segundo a classificação de koppen, caracterizado por uma média
anual de chuvas de 2000mm concentradas entre outubro e abril. A temperatura média
anual é de 240C com pouca variação durante o ano. O núcleo de tração animal foi
instalado em 1986/1991 numa propriedade de fertilidade natural tendo uma área total de
28ha com 70% de capoeira e 30% de mata onde toda a madeira de valor para a serraria
tinha sido retirada.
A partir do terceiro ano, foi incorporado mais 12ha a esta área adquiridos do
vizinho. Foi introduzido uma junta de búfalos e um conjunto de implementos de tração
animal. Inicialmente foi feito o encoivaramento para se combater a capoeira em área de
pastagem degradada utilizando-se grade de 8 discos com 18 polegadas. Toda a área de
recuperação foi feita com culturas anuais utilizando-se o arroz, milho e feijão plantados
anualmente em 10ha sendo 5ha solteiro e 5ha em consorcio com café.
Foi implantada uma área de 0,5ha de cana e recuperado 16ha de pastagem para
pecuária leiteira. O trabalho teve como base o princípio da diversificação. Foi considerado
como um dia de serviço, o trabalho exercido durante 5h pelos animais. Considerou-se
como renda apenas 50% da produção de milho arroz e feijão, sendo o restante para
consumo familiar.
A propriedade possuía uma família composta de 13 pessoas perfazendo um total
de 1872 homens/dia/ano. Todas as etapas como preparo do solo, plantio, capina, colheita
e transporte das mercadorias foram realizadas com o auxílio dos animais de tração.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
II SEMINÁRIO DE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL – SEPEX
“A agricultura familiar no agronegócio”
Realização: Fundação Universidade Federal de Rondônia – Campus
Rolim de Moura
Curso de Agronomia – 14 de Junho de 2008

A produção média de milho, arroz e feijão foram de 75, 60 e 30 sacas/ha/ano. A


produção média de leite foi de 5 litros/vaca/dia com um período de lactação de 300 dias
tendo em media 10 vacas produzindo leite. Foram vendidos em média 10 garrotes/ano e
90 dias de serviço/ano. Foi produzido 600 litros de cachaça/ano. A renda da família a
preço de julho de 1993 foi de U$ 1.586,00 (hum mil, quinhentos e oitenta e seis dólares).
Não foram contabilizadas as produções do café porque esta cultura foi recuperada no final
do período experimental, entretanto a expectativa é muito grande para as safras
seguintes.
A renda média familiar no período estudado foi elevada. As tarefas como
encoivaramento, aração, gradagem e cultivo, apresentaram resultados bem acima do
esperado quando comparados aos observados por Pereira e Tavares, (1992); Pereira,
(1993); Kemp, (1987).
A área cultivada neste sistema aumenta de 2ha para 26ha em cinco anos.

CONCLUSÕES

A diversificação facilita a distribuição da mão de obra ao longo do ano. Há uma


concentração da utilização da mão de obra no período de setembro a novembro.
É possível a capitalização do produtor, através do uso da tração animal.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFÍCAS

FAO. Production year Book. Roma, 1991.

KEMP, D.C. Traccion animal. Algunos trabajos recientes y actuales. Revista Mundial de
Zootecnia, n.63,p.7-14,jul-set. 1987.

PEREIRA, R.G. de A.; MAGALHÃES, J.A.; SILVA NETTO, F.G. da; COSTA, N. de
L.; TAVARES, A.C. Búfalos: a máquina para produzir carne, leite e trabalho. A
Lavoura, v.98, n.611, 1995, p.18-21.

PEREIRA, R. G. de A. Avaliação de bubalinos e bovinos para tração animal em


Rondônia. Porto Velho: EMBRAPA-CPAF-Rondônia, 1993. 11p. (EMBRAPA-CPAF-
Rondônia. Circular Técnica, 21).

PEREIRA, R. G. de A. e TAVARES, A. C. Utilização de tração animal na fazenda. Porto


II SEMINÁRIO DE PESQUISA E EXTENSÃO RURAL – SEPEX
“A agricultura familiar no agronegócio”
Realização: Fundação Universidade Federal de Rondônia – Campus
Rolim de Moura
Curso de Agronomia – 14 de Junho de 2008

velho : EMBRAPA/CPAF-Rondônia, 1992. 13p. ( EMBRAPA/


CPAF-Rondônia. Circular Técnica, 18).

PEREIRA, R. G. de A.; SILVA NETO, F. G. da.; MAGALHÃES, J. A.; LEONIDAS, F. C. O


uso da tração animal para redução dos desmatamentos na pequena propriedade em
Rondônia. ANAIS DO 2º CONGRESSO DE ECOLOGIA DO BRASIL, 2.,1994, Londrina:
UEL Sociedade de Ecologia do Brasil, 1994.v.2,p.566.