Em defesa das ações SID/MinC > Texto Cultura e República > gê vitor > Reestruturação Ministerial

Terça-feira, 18 de Janeiro de 2011 11:15
De: "Geraldo Vitor da Silva Filho" <Ge.Vitor@cultura.gov.br> Exibir informações de contato

Carissimos(as).

Como já devem saber paira nos "meios" uma já anunciada possibilidade/vontade de extinção da SID - Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural do MinC, trago então a público um texto meu, revisado especialmente para uma - mais que necessária e urgente - reflexão acerca do assunto e do destino das ações e políticas públicas para a Identidade Cultural Brasileira.

Remeto esse texto, em especial, à equipe de transição do Ministério da Cultura.

Leiam, reflitam, protagonizem. há-braços, gê vitor

República & Cultura
Gê Vitor

Da pós-ordem monárquica ao regime republicano

Mais de um século após a sua proclamação a República no Brasil ainda não conseguiu materializar seus ideais de rejeição às formas elitistas e aristocráticas de formar governos e administrar. O ideário republicano de dar voz à cidadania pela própria cidadania, e de valorizar o conceito democrático instituindo-se novas bases de organização sócio-econômica, política e cultural, esteve emperrado durante todo esse tempo pelos efeitos conjunturais da Era Vargas, do liberalismo democrático, da ditadura militar e do famigerado projeto

ainda que marcado por espasmos democráticos num mar de golpes e autoritarismos. a gestão Lula/Gil adotou como eixo estruturador o protagonismo popular: a horizontalização da cidadania culturalmente ativa como um dos sustentáculos da inclusão social. a língua. a criação artística e todo o patrimônio intelectual da Nação. em seguida. da capacidade de travar a desigualdade.de redemocratização nacional. uma Identidade também marginal e/ou sem valores essenciais e necessários. Nosso processo republicano. Durante todo esse processo transitório a participação cidadã esteve quase que totalmente excluída. do multiculturalismo. de priorizar a condição humana e dar mais sentido à Declaração Universal dos Direitos do Homem. jamais vistas. Cultura – a imaginação a serviço do Brasil “Ser culto é a única forma de ser livre” (José Martí) É na cultura de um Povo. Mostrou-se um governo de voz ativa na defesa da solidariedade entre os povos. Em outubro de 2002.como atividade marginal e/ou sem valor simbólico e instituindo-se. oficinas e seminários onde provocou-se um despertar de energias voluntárias e solidárias. No âmbito da política pública cultural. Esta verdade inexpugnável vinha sendo secularmente omitida na lista de prioridades dos governos brasileiros. que é saciada a procura de uma Identidade. Condenando a produção cultural – sobretudo no âmbito das expressões tradicionais . sendo ela uma complexa teia que suporta a História. Uma proposta inovadora de gestão compartilhada num esforço conjunto e articulado da sociedade e do Estado a partir da realização de encontros. por conseqüência. esses mesmos brasileiros elegeram a sua primeira Presidenta. de liderar um processo internacional capaz de rever prioridades da globalização. ante a República da dominação oligárquica. quase 53 milhões de brasileiros fizeram de Lula o segundo presidente da República mais aclamado no mundo e. mesmo após a monarquia. deu mais voz aos cidadãos e rompeu com convenções do neoliberalismo. insistiu no trânsito para uma democracia plena. e conseguiu avanços expressivos no campo democrático popular. o governo Lula deu um novo “tom” à política nacional. Em resposta. em torno do desejo comum de propor e constituir .

prevendo ações de Fomento a Grupos e Redes da Diversidade Cultural Brasileira. citando ineditismo e exemplo internacional de políticas públicas de cultura para os segmentos da Etnia (Culturas Ciganas) e de Gênero (LGBT). Aqui. iniciou-se a construção de um sólido parâmetro de gestão participativa para ações como a Rede Cultural da Terra. instituída com a missão de promover. Essa reestruturação favoreceu.como setor capaz de fortalecer o complexo da identidade. de ações inovadores no campo do gênero (Cultura GLBT). não vinham sendo alcançados por políticas do Estado.são ações à cargo institucional da SID. . adotando como foco central a interiorização e a regionalização das políticas do MinC. cabe também observar que durante uma da reuniões de instalação do Comitê Internacional o Brasil foi especialmente elogiado pela Presidenta (francesa) do Comitê. Assim. colaborando sobremaneira nas discussões internacionais para formatação e implementação da Convenção. de ações estruturantes no campo das etnias (Comunidades Tradicionais. Etc. a SID representou o MinC no Comitê Intergovernamental do governo brasileiro. da cidadania e do processo de inclusão social e cultural brasileiro. assumido pelo presidente Lula e pela determinação do ministro Gilberto Gil. Rede Cultural do Trabalhador Urbano (catadores de resíduos sólidos).políticas públicas para todos os segmentos culturais. como também interfere negativamente num outro inédito e maior avanço do MinC no campo do reconhecimento e valoração da diversidade cultural brasileira. prevendo diretrizes concretas para o reconhecimento e a valorização da diversidade cultural brasileira. Indígenas e Ciganos) e também.de materializar a cultura – a partir da sua compreensão simbólica . Um dos resultados desse inédito processo de gestão participativa foi a criação da Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural – SID. Acreditamos que a perspectiva (já anunciada) de extinção da SID não só fere no peito seus protagonistas. O Brasil foi um dos primeiros Países a assinar e se comprometer com a Convenção sobre a Proteção e a Promoção da Diversidade Das Expressões Culturais (Unesco). Rede das Culturas Populares (manifestações tradicionais do imaginário popular). Os resultados positivos da criação e da atuação inconteste da SID/MinC nos dão a certeza de que podemos e devemos continuar realizando o desejo de todos esses brasileiros e brasileiras – com suas artes e ofícios antes jogados à própria sorte . A partir desse compromisso coletivo. Observe-se que as duas – não por acaso . até então. a criação do Programa Identidade e Diversidade Cultural – Brasil Plural. fomentar e dar visibilidade a produtos e expressões culturais de setores e segmentos sociais que. Rede Cultural do Estudante. a partir do protagonismo próprio desses setores. o Ministério da Cultura iniciou um processo de reestruturação das suas ações. por exemplo.

de reconhecimento e colaboração a luta de quem defende e preserva os valores e a ética republicana. Collor. a determinação e luta incessante dos Gestores do MinC – por intermédio . em grande parte. não foi apenas a vontade própria desses governantes que alçaram a nossa identidade cultural como hoje ela é vista e notadamente reconhecida.Por fim. também. quebra de paradigmas e pela rejeição ao “patriarquismo”. Num processo claro e obstinado de enfrentar desafios. tão pouco as “vontades” conjunturais extemporâneas desse ou daquele Setor.gov. Geraldo Vitor Coordenador de Promoção da Diversidade. responsabilidade e destituída de apenas. Esperamos.da SID.Secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural . (61) 2024-2378 Fax: 55. de verdade. elas devem existir com celeridade e seriedade para os cidadãos e para o país.in memoriam . aos ícones neoliberais e.. fortemente amparada e acreditada pelos Protagonistas dos Segmentos por ela atendidos. vontades.” Dona Lió – Kalunga (Mestra) de Cavalcante – GO . com seleridade. Difusão e Intercâmbio Cultural Ministério da Cultura ..br -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Frase da "conjuntura" : “. mas eles tão é longe da prefeição. eles pensa que é prefeito.SID Representante MinC: CNPCT/CONANDA/CNPIR/ PNDH/CIAMPRua Tel: 55. FHC). pensamos que as Políticas Públicas de Cultura não podem prescindir apenas de vontades. (61) 2024-2369 www. sobretudo. Este é o ponto em que o projeto Lula/Gil se distanciou dos demais (Sarney. eles acha que é prefeito. em âmbito nacional e internacional. dessa ou daquela Gestão. que a reflexão (antes da ação) seja feita. capilaridade.esses Prefeitos. foram sim.cultura.