Universidade Anhanguera (Polo Santa Terezinha

)

Psicologia da Aprendizagem

Brasília - DF 14 de Junho de 2012

Universidade Anhanguera (Pólo Santa Terezinha)

Psicologia da Aprendizagem

Trabalho apresentado da disciplina Psicologia da Aprendizagem . Professor (a): Odair Soneghett

Alunos- 3ª Semestre de Pedagogia RA- 3316526103 Itamara Cordeiro de Souza RA- 3304502780 Socorro Pinheiro Mota RA- 1108347553 Maria do Socorro Teixeira RA- 3331540574 Vanete Maciel da Conceição RA- 2394454434 Ana Cristina Soares RA- 2321388417 Ângela de Sousa Silva

Brasília – DF 14 de Junho de 2012

SUMÁRIO

Introdução................................................................................................................ Desenvolvimento..................................................................................................... 1 Qual a importância da Psicologia para a pedagogia......................................... 2 Tabela 3 Teorias Psicologia- aspectos conceituais......................................................... 4 Fatores que influenciam o desenvolvimento humano.................................. 5 Jogos Interativos.......................................................................................... 6 Conclusão.................................................................................................... 7 Referências bibliográficas..........................................................................

INTRODUÇÃO O presente portfólio tem como finalidade apresentar ao curso de pedagogia à capacidade que o ser humano tem em desenvolver habilidades para escrever, ler, consertar alguma coisa, dançar e etc. Segundo Bock, Furtado e Teixeira “na Psicologia há diversas possibilidades de aprendizagem, ou seja, há diversos fatores que nos levam a apresentar um comportamento que anteriormente não apresentávamos como o crescimento físico, descobertas, tentativas e erros, ensino, etc.”. São diversas situações que não podem ser englobadas num só conceito. Na teoria do condicionamento estão as teorias que definem a aprendizagem pelas suas consequências comportamentais e enfatizam as condições ambientais como forças propulsoras da aprendizagem, sendo que está é uma conexão entre o estímulo e a resposta. As teorias cognitivas definem a aprendizagem como um processo de relação do sujeito com o mundo externo e que tem consequências no plano de organização interna do conhecimento.

1ª Qual a importância da Psicologia para a pedagogia
Existe atualmente uma coincidência em sublinhar, a partir de concepções e enfoques psicopedagógicos relativamente dispares a importância da aprendizagem significativa como elemento- chave da educação escolar. Estas coincidências e, sem duvida, surpreendente na medida em que as praticas educacionais, tanto as escolares como os nãos escolares, constituem um âmbito de conhecimento e de atividade profissional melhor propenso a polemicas e a pontos de vista desencontrados. Na realidade, a ideia ou, melhor dito, algumas ideias que subjazem ao uso atual do conceito de aprendizagem significativa contam com inúmeros antecedentes na historia do pensamento educacional. Podemos nos remeter em primeiro lugar, a tradição centrada na criança os movimentos pedagógicos, em segundo lugar, cabe mencionar a tradição, mais recentes, da hipótese da aprendizagem por descobrimento, desenvolvida nos anos sessenta, e das propostas pedagógicas que defendem o princípio de que o aluno adquira o conhecimento com seus próprios meios, em terceiro lugar, podemos citar as propostas pedagógicos inspiradas nas teses que podem ser sintetizadas na seguinte afirmação: o “principio fundamental dos métodos ativos: compreender e inventar ou reconstruir por reinvenção “(Piaget, 1974)”“. Numa tradição de pensamento distinta das anteriores, encontramos, por exemplo, os estudos e investigações sobre a curiosidade epistêmica e a atividade implorativa no domínio das teorias da motivação. De um ponto de vista pedagógico, isto conduz a proposta de confrontar o aluno com situações que possuem uma série de características (novidade, complexidade, ambiguidade, incongruência, etc.) Lembrese, por exemplo, a insistência dos autores humanistas em aprender a perceber, a conhecer, a sentir a vida e a própria identidade como objetos fundamentais da educação. Daí que a educação se transmite habitualmente nos centros escolares seja impessoal, concentrada no professor, extrínseca, utilizaria diretiva e, em ultima instancia irrelevante para as necessidades individuais do aluno. Antes da aprendizagem extrínseca, há outra que ocorre a margem do sistema escolar e que surge diretamente das experiências pessoais. E através destas experiências pessoais, de uma serie de aprendizagens fundamentais intrínsecas que aprendemos mais sobre nos mesmos e chegamos a descobri e reconstruir a nossa própria identidade. Convém sublinhar que hoje em dia, e um conceito que não possui uma significação unívoca, como se pode comprovar no uso indiscriminado e acrítico do mesmo no que caminha para se converter numa moda a mais das que periodicamente e de forma recorrente invadem o campo da educação.

O conceito de aprendizagem significativa possui, a nosso ver, um grande valor heurístico e encerra uma enorme potencialidade como instrumento de análise, de reflexão e de intervenção psicopedagógica. E precisamente este valor heurístico, esta potencialidade como instrumento de análise e de reflexão, o que tentaremos ilustrar, seguidamente indagando três aspectos ou componentes do conceito de aprendizagem significativa a que podem nos permitir avançar até uma delimitação mais precisa do mesmo.

Teoria da Aprendizagem

A aprendizagem é o processo através do qual a criança se apropria ativamente do conteúdo da experiência humana, daquilo que o seu grupo social conhece. Para que a criança aprenda, ela necessitará interagir com outros seres humanos, especialmente com os adultos e com outras crianças mais experientes. Nas inúmeras interações em que envolve desde o nascimento, a criança vai gradativamente ampliando suas formas de lidar com o mundo e vai construindo significados para as suas ações e para as experiências que vivem. Com o uso da linguagem, esses significados ganham maior abrangência, dando origem a conceitos, ou seja, significados partilhados por grande parte do grupo social. A linguagem, além disso. Irá integrar-se ao pensamento, formando uma importante base sobre a qual se desenvolverá o funcionamento intelectual. O pensamento pode ser entendido, desta forma, como um diálogo interiorizado. Objetos e conceitos existem, inicialmente, sob a forma de eventos externos aos indivíduos. Para se apropriar desses objetos e conceitos é preciso que a criança identifique as características, propriedades, e finalidades dos mesmos. A apropriação pressupõe, portanto, gradativa interiorização. Através desse processo, é possível aprender o significado da própria atividade humana, que se encontra sintetizada em objetos e conceitos. Assim, ao se analisar uma mesa, pode-se notar que ela resume, em si, anos de trabalho e tecnologia: é preciso maquinário apropriado para lixar a madeira, instrumentos como o martelo e chaves de fenda para monta-la, apetrechos para refinala, como lixa e verniz. Entender o que se significa uma mesa implica conhecer as suas principais características e finalidades – mesa para jogar, comer, estudar etc. -, compreendendo o quanto de esforço foi necessário para concebê e realiza-la. A Psicologia da Aprendizagem estuda o complexo processo pelo qual as formas de pensar e os conhecimentos existentes numa sociedade são apropriados pela criança. Para que se possa entender esse processo é necessário reconhecer a natureza social da

aprendizagem. Como já foi dito, as operações cognitivas (aquelas envolvidas no processo de conhecer) são sempre ativamente construídas na interação com outros indivíduos. Em geral, o adulto ou a criança mais experiente fornece ajuda direta à criança, orientandoa e mostrando-lhe como proceder através de gestos e instruções verbais, em situações interativas. Na interação adulta-criança, gradativamente, a fala social trazida pelo adulto vai sendo incorporada pela criança e o seu comportamento passa a ser, então, orientado por uma fala interna, que planeja a sua ação. Nesse momento, a fala está fundida com o pensamento da criança, está integrada às suas operações intelectuais. Reconhece-se, dessa maneira, que as pessoas, em especial as crianças, aprendem através de ações partilhadas mediadas pela linguagem e pela instrução. A interação entre adultos e crianças, e entre crianças, portanto, é fundamental na aprendizagem. A Psicologia da Aprendizagem, aplicada à educação e ao ensino, busca mostrar como, através da interação entre professor e alunos, é possível a aquisição do saber e da cultura acumulados. O papel do professor nesse processo é fundamental. Ele procura estruturar condições para ocorrência de interações professores-aluno de estudo, que levem à apropriação do conhecimento. De maneira geral, portanto, essa visão de aprendizagem reconhece tanto a natureza social da aquisição do conhecimento como o papel preponderante que nela tem o adulto. Estas considerações, em conjunto, têm sérias implicações para a educação: procede-se, na aprendizagem, do social para o individual, através de sucessivos estágios de internalizarão, com o auxílio de adultos ou de companheiros mais experientes.

2ª Tabela
Teorias Psicologia – aspectos conceituais Estrutura consignava Aprendizagem com significado, novos conhecimento (conceitos, ideias, modelos). Significado, interação e conhecimento. Muda o foco do ensino modelo-estimula para modelo aprendizagem significativa. Durante a vida serão vários os Contribuições para o âmbito educacionalInteração do novo conhecimento com o já existente, conhecimentos que o aluno já possui, ou seja, a aprendizagem significativa ocorre quando a informação é encarada no conceito preexistente cognitiva do aprendiz. O processo é dinâmico e vai sendo construído. Para que ocorra a construção

Teoria verbal significativa

Teoria genética da

aprendizagem

modos de organização dos significados. Conhecimento gerado através de uma interação do sujeito com o meio. O desenvolvimento humano passa por estágios de desenvolvimento.

Teoria sócia cultural

de um novo conhecimento, é preciso que o contato já assimilado passe por um processo de desorganização para que em contato com o novo conhecimento passe se reorganizar. Estágios do desenvolvimento: sensório-motor (do nascimento aos 02 anos) préoperatório (02 a 06 anos) operatório concreto (07 a 11 anos) e operatório formal (12 a 16 anos). Desenvolvida por Vygotesky A educação é vista como As mudanças que ocorrem em processo social sistemático de cada um de nós em sua raiz construção da humanidade. na sociedade e na cultura. A aprendizagem sempre O processo de inclui relações entre as desenvolvimento seda de fora pessoas, pois não há um para dentro a relação desenvolvimento pronto e professor – aluno. previsto dentro de nós, ele se ZDP (zona desenvolvimento atualiza conforme o tempo proximal). passa e recebemos influências externas, sempre visando à autonomia do aluno. A criança tem potencialidade para aprender e o que faz com a ajuda dos outros e autonomia que pode fazer sozinho.

3ª Teorias Psicologia- aspectos conceituais
Contribuições para o âmbito educacional-aprendizagem Teoria verbal significativa - Estrutura cognitiva - Aprendizagem com significado, novos conhecimentos (conceitos, ideias, modelos). - Significado, interação e conhecimento. - Muda o foco do ensino modelo- estímulo para modelo aprendizagem significativo. Interação do novo conhecimento com o já existente, conhecimentos que o aluno já possui, ou seja, a aprendizagem significativa ocorre quando a informação é ancorada no conceito preexistente na estrutura cognitiva do aprendiz. O processo é dinâmico e vai sendo construído Teoria genética da aprendizagem Esta teoria do desenvolvimento da inteligência foi desenvolvida pelo biólogo, psicólogo e epistemólogoteorias.

Psicologia- aspectos conceituais Contribuições para o âmbito educacional-aprendizagem Teoria verbal significativa - Estrutura cognitiva - Aprendizagem com significado, novos conhecimentos (conceitos, ideias, modelos). - Significado, interação e conhecimento. - Muda o foco do ensino modelo- estímulo para modelo aprendizagem significativo. Interação do novo conhecimento com o já existente, conhecimentos que o aluno já possui, ou seja, a aprendizagem significativa ocorre quando a informação é ancorada no conceito preexistente na estrutura cognitiva do aprendiz. O processo é dinâmico e vai sendo construído Teoria genética da aprendizagem Esta teoria do desenvolvimento da inteligência foi desenvolvida pelo biólogo, psicólogo e epistemólogo suíço Jean Piaget, e consistem em parte numa combinação das teorias filosóficas existentes à época, o apriorismo e o empirismo. Baseado em experiências com crianças a partir do nascimento até a adolescência, Piaget postulou que o conhecimento não é totalmente inerente ao próprio sujeito, como postula o apriorismo, nem provém totalmente do meio que o cerca, como postula o empirismo. - Durante a vida serão vários os modos de organização dos significados. - Conhecimento gerado através de uma interação do sujeito com o meio. - O desenvolvimento humano passa por estágios de desenvolvimento Para que ocorra a construção de um novo conhecimento, é preciso que o contato já assimilado passe por um processo de desorganização para que em contato com o novo conhecimento possa se reorganizar. Estágios do desenvolvimento: sensório-motor (do nascimento aos 02 anos) pré-operatório (02 a 06 anos) operatório-concreto (07 a 11 anos) e operatório- formal (12 a 16 anos). Suíço Jean Piaget, e consistem em parte numa combinação das teorias filosóficas existentes à época, o apriorismo e o empirismo. Baseado em experiências com crianças a partir do nascimento até a adolescência, Piaget postulou que o conhecimento não é totalmente inerente ao próprio sujeito, como postula o apriorismo, nem provém totalmente do meio que o cerca, como postula o empirismo. - Durante a vida serão vários os modos de organização dos significados. - Conhecimento gerado através de uma interação do sujeito com o meio. - O desenvolvimento humano passa por estágios de desenvolvimento Para que ocorra a construção de um novo conhecimento, é preciso que o contato já assimilado passe por um processo de desorganização para que em contato com o novo conhecimento possa se

reorganizar. Estágios do desenvolvimento: sensório-motor (do nascimento aos 02 anos) pré-operatório (02 a 06 anos) operatório-concreto (07 a 11 anos)

4ª Fatores que influenciam o desenvolvimento humano Torna-se cada vez maior a preocupação dos pais em acertar na educação dos filhos. Muitas vezes aqueles se perguntam onde foi que erraram para que o filho tivesse a dificuldade que hoje tem. Piletti (1984) considera, assim como diversos outros autores, que as primeiras experiências educacionais da criança, geralmente são proporcionadas pela família. Nossa sociedade, caracterizada por situações de injustiça e desigualdade, criam famílias que lutam com mil e uma dificuldades para sobreviver. Esses problemas atingem as crianças, que enfrentam inúmeras dificuldades para aprender. Alguns dos principais fatores etiológicos -sociais que interferem na aprendizagem são : • • • • • • • • • Carências afetivas; Deficientes condições habitacionais, sanitárias, de higiene e de nutrição; Pobreza da estimulação precoce; Privações lúdicas, psicomotoras, simbólicas e culturais; Ambientes repressivos; Nível elevado de ansiedade; Relações interfamiliares; Hospitalismo; Métodos de ensino impróprios e inadequados.

Para Smith & Strick (p.31, 2001) um ambiente estimulante e encorajador em casa produz estudantes adaptáveis e muito dispostos a aprender, mesmo entre crianças cuja saúde ou inteligência foi comprometida de alguma maneira. Inúmeras pesquisas apontam que o maior índice que interfere no processo de aprendizagem, ocorre com crianças pobres. Em tais pesquisas, as explicações apontadas para o problema deste fracasso escolar dizem respeito à condição econômica da família. Ainda pode-se evidenciar entre alguns professores a associação da imagem do mau aluno na criança carente. Não é lícito estabelecer uma regra geral e inflexível atribuindo a todos os casos de problemas de aprendizagem um mesmo diagnóstico ou um enfoque generalizador. Segundo Paín (p.33, 1985) o fator ambiental é especialmente determinante no diagnóstico do

problema de aprendizagem, na medida em que nos permite compreender sua coincidência com a ideologia e os valores vigentes no grupo. Por isso, cada caso deve ser avaliado particularmente, incluindo na avaliação o entorno familiar e escolar. Se os problemas de aprendizagem estão presentes no ambiente escolar e ausentes nos outros lugares, o problema deve estar no ambiente de aprendizado. Às vezes, a própria escola, com todas as suas fontes de tensão e ansiedade, pode estar agravando ou causando as dificuldades na aprendizagem. Quanto à estrutura familiar, nem todos os alunos pertencem a famílias, com recursos suficientes para uma vida digna. Normalmente, verificam-se situações diversas: os pais estão separados e o aluno vive com um deles; o aluno é órfão; o aluno vive num lar desunido; o aluno vive com algum parente; etc. Muitas vezes, essas situações trazem obstáculos à aprendizagem, não oferecem à criança um mínimo de recursos materiais, de carinho, compreensão, amor. Alguns tipos de educação familiar muito comum em nossa sociedade são bastante inadequados e trazem consequências negativasparaa aprendizagem. Os pais podem influenciar a aprendizagem de seus filhos através de atitudes e valores que passam a eles. Classificam os pais nas seguintes categorias: Pais autoritários- manifestam altos níveis de controle, de exigências de amadurecimento, porém baixos níveis de comunicação e afeto explícito. Os filhos tendem a ser obedientes, ordeiros e pouco agressivos, porém tímidos e pouco persistentes no momento de perseguir metas; baixa autoestima e dependência; filhos pouco alegres, mais coléricos, apreensivos, infelizes, facilmente irritáveis e vulneráveis às tensões, devido à falta de comunicação desses pais. Pais permissivos- pouco controle e exigências de amadurecimento, mas muita comunicação e afeto; costumam consultar os filhos por ocasião de tomada de decisões que envolvem a família, porém não exigem dos filhos, responsabilidade e ordem; estes, tendem a ter problemas no controle de impulsos, dificuldade no momento de assumir responsabilidade; são imaturos, têm baixa autoestima, porém são mais alegres e vivos que os de pais autoritários. Pais democráticos - níveis altos tanto de comunicação e afeto, como de controle e exigência de amadurecimento; são pais afetuosos, reforçam com frequência o comportamento da criança e tentam evitar o castigo; correspondem às solicitações de atenção da criança; esta tende a ter níveis altos de autocontrole e autoestima, maior capacidade para enfrentar situações novas e persistência nas tarefas que iniciam; geralmente são interativos, independentes e carinhosos; costumam serem crianças com valores morais interiorizados (julgam os atos, não em função

das consequências que advêm deles, mas sim, pelos propósitos que os inspiram). Mexem (1970) interpreta essas conclusões em termos de aprendizagem e generalização social: os lares tolerantes e democráticos encorajam e recompensam a curiosidade, a exploração e a experimentação, as tentativas para lidar com novos problemas e a expressão de ideias e sentimentos. Uma vez aprendidas e fortalecidas em família, essas atividades se generalizam na escola. A educação familiar adequada é feita com amor, paciência e coerência, pois desenvolve nos filhos autoconfiança e espontaneidade, que favorecem a disposição para aprender. Tem (p. 33, 1985) destaca que embora o fator ambiental incida mais sobre os problemas escolares do que sobre os problemas de aprendizagem propriamente ditos, esta variável pesa muito sobre a possibilidade do sujeito compensar ou descompensar o quadro. Dentro da escola existem, entre outros, quatro fatores que podem afetar a aprendizagem: o professor, a relação entre os alunos, os métodos de ensino e o ambiente escolar. O autoritarismo e a inimizade geram antipatia por parte dos alunos. A antipatia em relação ao professor faz com que os alunos associem a matéria ao professor e reajam negativamente ambos. A relação entre os alunos será influenciada pela relação que o professor estabelece com os alunos: um professor dominador e autoritário estimula os alunos a assumirem comportamentos de dominação e autoritarismo em relação a seus colegas. Para aprender, o aluno precisa de um ambiente de confiança, respeito e colaboração com os colegas. Os métodos de ensino também podem prejudicar a aprendizagem. Se o professor for autoritário e dominador, não permitirá que os alunos se manifestem, participe, aprendam por si mesmos. Esse tipo de professor considera-se dono do saber e procurará transmitir esse saber aos alunos, que deverão permanecer passivos, receber o que o professor lhes dá e devolver na prova. O ambiente escolar também exerce muita influência na aprendizagem, o tipo de sala de aula, a disposição das carteiras e a posição dos alunos, por exemplo, são aspectos importantes. Uma sala mal iluminada e sem ventilação, em que os alunos permanecem sempre sentados na mesma posição, cada um olhando as costas do que está na frente, certamente é um ambiente que pode favorecer a submissão, a passividade e a dependência, e não favorece o trabalho livre e criativo. Outro aspecto a considerar, em relação ao ambiente escolar, refere-se ao material de trabalho colocado à disposição dos alunos. É evidente que com salas abarrotadas de alunos trabalho se torna mais difícil. O número de

alunos deve possibilitar ao professor um atendimento individual, baseado num conhecimento de todos eles. A administração da escola _ diretor e outros funcionários_ também pode influenciar de forma negativa ou positiva a aprendizagem. Se os alunos forem respeitados, valorizados e merecerem atenção por parte da administração, a influência será positiva. Se, ao contrário, predominar a prepotência, o descaso e o desrespeito, a influência será negativa. De acordo com Tem (p.33, 1985) o problema de aprendizagem que se apresenta em cada caso, terá um significado diferente porque é diferente a norma contra a qual atenta e a expectativa que desqualifica. Tanto os pais como os professores devem estar atentos quanto o processo de aprendizagem, tentando descobrir novas estratégias, novos recursos que levem a criança ao aprendizado. Percebe-se que se os pais souberem do poder e da força dos seus contatos com seu filho, se forem orientados sobre a importância da estimulação precoce e das relações saudáveis em família, os distúrbios de aprendizagem poderão ser minimizados. Considera-se fundamental importância para o desenvolvimento posterior da criança e para sua aprendizagem escolar, os sentimentos que os pais nutrem por ela durante os anos anteriores à escola. É, sobretudo, à família, às suas características culturais ou situação econômica, que predominantemente se atribuía responsabilidade pela presença ou ausência das pré-condições de aprendizagem na criança. No âmbito escolar, certas qualidades do professor, como paciência, dedicação, vontade de ajudar e atitude democrática, facilitam a aprendizagem. Ao contrário, o autoritarismo, a inimizade e o desinteresse podem levar o aluno a desinteressar-se e não aprender. Além disso, métodos didáticos que possibilitam a livre participação do aluno, a discussão e a troca de ideias com os colegas e a elaboração pessoal do conhecimento das diversas matérias, contribuem de forma decisiva para a aprendizagem e desenvolvimento da personalidade dos educados. É importante que o professor e o futuro professor pensem sobre sua grande responsabilidade, principalmente em relação aos alunos dos primeiros anos, sobre os quais, a influência do professor é maior.

5ª Jogos Interativos
jogo Descriçao faixa etaria a que se destina material necessario regras do jogo forma de participaçao 5 a 6 anos Cartolina ou papel cartão Usando a tesoura procura fazer cortes geometricos ou andulados sento que cada quebra cabeça deve conter cortes diferentes dosoutro, cada quebra cabeça devera postos em mesas diferentes, com um detalhe algumas das pesas dos quebra cabeça tevem ser misturadas de maneira que os participantes terão dificuldade em compreender a geometria do jogo , cada grupo ficara renpondavel por um jogo. 6 anos Unsentivar a interpretaçao de textos e estimular a analize do assunto com base em palavraListas com ditados populres chave A turma é difidida em três gupos de ate doze coponentes, os participantes em regime de revezamento sao enviados ao quadro para escolherem entre as respostas as palavras que representam melho o assunto do ditado. 7 anos Leitura produções de textos, aprender a aprender. E.V.A Os participantes criam pequenas historias usando o material de E.V.A pubricam suas historias o facicilitador expõe os livros. 7 anos Perguntas escritas e lapis ou caneta As crianças ficam em duplas uma das crianças de cada dupla inicia fazento perguntas ao colega se vose fose uma fruta Desenvolvimento cognitivosocial-motor contribuições para o ãmbito educacional Cooperação ,percepção

Jogo 1 Quebra cabeça

Jogo 2 Escolha entre as respostas

Jogo 3 Livros de E.V.A

Jogo 4 E se eu fosse

Imaginação

seria etc, ela anota as respostas e pergunta o porque de pois que fez a intrevista responde as questoes dos colegas, termina essa etapa, a turma forma uma roda e conta ao demais o que descobriu sobre o colega.

Jogo 5 Formando grupos

6 anos Os alunos devem formar gupos deacordo com uma regra que voce diz atençao quero um gropo com todos os que estão de bermuda ou uma equepe com quem tem cabelos curtos ou cabelos compridos, a brincadeita pode ser feita para a formaçao dr grupos.

Agilidade de movimentos, atençao, concentraçao e socializaçao.

CONCLUSÃO

A aprendizagem depende das estratégias de aprendizagem, ou seja, do plano de aprendizagem formulado para atingir determinado efeito. No que concerne à codificação e compreensão de materiais, é importante a compreensão completa do discurso (pequenos excertos não compreendidos prejudicam a relação global da matéria dificultando não só a memorização como também a aprendizagem), e uma codificação flexível da informação, na qual o sujeito estabeleça várias vias de acesso a determinada informação. Estudar tentando compreender é sempre preferível a estudar procurando apenas memorizar não só porque promove uma melhor ligação interligação entre os conteúdos – o que facilita e flexibiliza as respostas – como também exige menos esforço da capacidade de memória: É mais fácil decorar o nome de seis países se compreendermos que eles pertencem à União Europeia, do que se tentarmos decora-los isoladamente sem nenhuma ligação entre si. A leitura em voz alta é preferível à leitura em voz baixa não só porque é mais lenta, como também recorre melhor à compreensão e reorganização da informação.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PAÍN, Diagnóstico e Tratamento dos Problemas de Aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985. PILETTI,Nelson. Psicologia Educacional. São Paulo: Ática,1999. SMITH & STRICK. Dificuldades de Aprendizagem de A a Z . São Paulo: Artes Médicas, 2001. http://www.webartigos.com/artigos/fatores-que-interferem-naaprendizagem/4419/#ixzz1xluCDFS1

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful