DOUGLAS WILLIAN DE SOUZA

GILEADE DE OLIVEIRA PINA
LUIZ FELIPE DE OLIVEIRA TOLEDO
WAGNER KÜLLER

FORÇA DE ATRITO

PONTA GROSSA
2012

DOUGLAS WILLIAN DE SOUZA
GILEADE DE OLIVEIRA PINA
LUIZ FELIPE DE OLIVEIRA TOLEDO
WAGNER KÜLLER

FORÇA DE ATRITO

Relatório solicitado e apresentado à disciplina de
Física Experimental 1 do Curso de Graduação em
Engenharia Civil do Centro de Ensino Superior dos
Campos Gerais – CESCAGE. Professor: Luiz
Fernando Wagner

PONTA GROSSA
2012

2

Sumário
1 – OBJETIVO ........................................................................................................................................... 3
2 – BASE TEÓRICA.................................................................................................................................... 3

Plano horizontal com atrito: ....................................................................................................... 3

MRU¹:........................................................................................................................................... 3

Plano Inclinado com Atrito: ......................................................................................................... 3

MRU²: .......................................................................................................................................... 4

3 – MATERIAIS UTILIZADOS ..................................................................................................................... 4
4 – DESENVOLVIMENTO .......................................................................................................................... 4
5 – RESULTADOS...................................................................................................................................... 9
Tabelas Completas: ........................................................................................................................... 10
6 – ANÁLISE ........................................................................................................................................... 11
7 – CONCLUSÃO .................................................................................................................................... 11
8 - BIBLIOGRAFIA ................................................................................................................................... 11

3

1 – OBJETIVO
Determinar os coeficientes de atrito estático e dinâmico de algumas
superfícies e verificar a influência da área de contato no valor da força de atrito

2 – BASE TEÓRICA
 Plano horizontal com atrito:

 MRU¹:

 Plano Inclinado com Atrito:

4

 MRU²:

3 – MATERIAIS UTILIZADOS

Plano inclinado;

Dinamômetro;

Bloco de madeira;

Calculadora.

4 – DESENVOLVIMENTO
A equipe deve seguir os seguintes procedimentos:
1. Verificar o zero do dinamômetro e fazer o ajuste de sua calibração caso seja
necessário;
2. Com o dinamômetro, efetuar 5 medidas do peso do bloco e anotar os valores nas
tabelas 1 e 2 a seguir:

P (N)
1
2
3
4

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe

5

P (N)

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd

1
2
3
4

Tabelas anotadas com o peso:


1
2
3
4
5


1
2
3
4
5

P (N)
1,04
1,04
1,04
1,04
1,04

P (N)
1,04
1,04
1,04
1,04
1,04

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd

3. Colocar o loco de madeira com a face maior, sem revestimento, sobre a
superfície, do plano inclinado, o qual deve estar posicionado na horizontal, e
conectar o dinamômetro;
4. Mantendo o dinamômetro paralelo à superfície, aplicar uma força inicial de 0,2N;
5. Aumentar a força gradativamente até encontrar o valor da força capas de iniciar o
movimento do bloco, anotando este valor na tabela 1;
6. Repetir esta operação até completar 5 medidas de força de atrito estático
máximo (Fae) na tabela 1;

6


1
2
3
4
5

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
1,04
0,28
1,04
0,30
1,04
0,32
1,04
0,28
1,04
0,32

7. Ainda com o plano na horizontal, puxar o bloco com o dinamômetro, procurando
mantê-lo a baixa velocidade e o mais próximo possível de um movimento
retilíneo uniforme. Durante o deslocamento do bloco, medir a força aplicada
indicada no dinamômetro e anotar o valor na tabela 2;
8. Repetir esta operação até completar 5 medidas da força de atrito dinâmico (Fad)
na tabela 2;


1
2
3
4
5

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
1,04
0,26
1,04
0,30
1,04
0,26
1,04
0,28
1,04
0,32

9. Repetir os passos 4 a 8 anteriores, utilizando o bloco com a face menor, sem
revestimento, e depois com a face maior, com revestimento, anotando os
respectivos valores nas tabelas 1 e 2 a seguir:


1
2
3
4
5

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
1,04
0,28
0,38
1,12
1,04
0,30
0,36
1,06
1,04
0,32
0,26
1,04
1,04
0,28
0,28
1,06
1,04
0,32
0,30
1,14

7


1
2
3
4
5

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
1,04
0,26
0,28
1,24
1,04
0,30
0,26
1,13
1,04
0,26
0,24
1,13
1,04
0,28
0,26
1,12
1,04
0,32
0,22
1,13

10. Recolocar o bloco de madeira com a face maior, sem revestimento, sobre a
superfície do plano inclinado;
11. Elevar o plano inclinado lentamente até que o corpo inicie o deslizamento na
rampa, medir o ângulo e e anotar o valor na tabela 3 a seguir;
Tabela 3 - Plano Inclinado e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ae(°)
μe
ae(°)
μe


1
2
3
4
5

12. Depois que o bloco iniciou o movimento, diminuir um pouco a inclinação da
rampa até obter um movimento vagaroso do bloco, próximo de um MRU, medir o
ângulo ad e anotar o valor na tabela 4 a seguir:
Tabela 4 - Plano Inclinado e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ad(°)
μd
ad(°)
μd


1
2
3
4
5

8

13. Repetir os passos 11 e 12 até completar 5 medidas do ângulo critico estático (ae)
e 5 medidas do ângulo critico dinâmico (ad) nas tabelas 3 e 4;

1
2
3
4
5

Tabela 3 - Plano Inclinado e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ae(°)
μe
ae(°)
μe
17,5
17,0
16,5
17,5
17,0

1
2
3
4
5

Tabela 4 - Plano Inclinado e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ad(°)
μd
ad(°)
μd
17,0
16,5
16,0
17,0
16,5

14. Repetir os passos 11 e 13 anteriores, utilizando o bloco com a face maior, com
revestimento anotando os respectivos valores nas tabelas 3 e 4

1
2
3
4
5

Tabela 3 - Plano Inclinado e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ae(°)
μe
ae(°)
μe
17,5
55,0
17,0
56,0
16,5
54,0
17,5
56,5
17,0
55,0

1
2
3
4
5

Tabela 4 - Plano Inclinado e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ad(°)
μd
ad(°)
μd
17,0
54,5
16,5
56,0
16,0
54,0
17,0
56,5
16,5
55,0

9

5 – RESULTADOS

1
2
3
4
5

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
1,04
0,28
0,38
1,12
1,04
0,30
0,36
1,06
1,04
0,32
0,26
1,04
1,04
0,28
0,28
1,06
1,04
0,32
0,30
1,14

1
2
3
4
5

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
1,04
0,26
0,28
1,24
1,04
0,30
0,26
1,13
1,04
0,26
0,24
1,13
1,04
0,28
0,26
1,12
1,04
0,32
0,22
1,13

1
2
3
4
5

Tabela 3 - Plano Inclinado e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ae(°)
μe
ae(°)
μe
17,5
55,0
17,0
56,0
16,5
54,0
17,5
56,5
17,0
55,0

1
2
3
4
5

Tabela 4 - Plano Inclinado e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ad(°)
μd
ad(°)
μd
17,0
54,5
16,5
56,0
16,0
54,0
17,0
56,5
16,5
55,0

10

Tabelas Completas:

1
2
3
4
5

Tabela 1 - Plano Horizontal e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
Fae (N)
μe
1,04
0,28
0,27
0,38
0,37
1,12
1,08
1,04
0,30
0,29
0,36
0,35
1,06
1,02
1,04
0,32
0,31
0,26
0,25
1,04
1,00
1,04
0,28
0,27
0,28
0,27
1,06
1,02
1,04
0,32
0,31
0,30
0,29
1,14
1,10

1
2
3
4
5

Tabela 2 - Plano Horizontal e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento Face menor (s/ revestimento) Face maior (c/ revestimento)
P (N) Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
Fad (N)
μd
1,04
0,26
0,25
0,28
0,27
1,24
1,19
1,04
0,30
0,29
0,26
0,25
1,13
1,09
1,04
0,26
0,25
0,24
0,23
1,13
1,09
1,04
0,28
0,27
0,26
0,25
1,12
1,08
1,04
0,32
0,31
0,22
0,21
1,13
1,09

1
2
3
4
5

Tabela 3 - Plano Inclinado e corpo em repouso
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ae(°)
μe
ae(°)
μe
17,5
0,32
55,0
1,43
17,0
0,31
56,0
1,48
16,5
0,30
54,0
1,38
17,5
0,32
56,5
1,51
17,0
0,31
55,0
1,43

1
2
3
4
5

Tabela 4 - Plano Inclinado e corpo em movimento
Face maior (s/ revestimento) Face maior (c/ Revestimento)
ad(°)
μd
ad(°)
μd
17,0
0,31
54,5
1,40
16,5
0,30
56,0
1,46
16,0
0,29
54,0
1,35
17,0
0,31
56,5
1,48
16,5
0,30
55,0
1,40

11

6 – ANÁLISE
1. A área de contato teve influencia significativa na determinação das forças de
atrito das tabelas 1 e 2? Explique
Não, a área não influencia em hipótese alguma, pois, a força está proporcional ao
seu peso não à sua área.

2. Os coeficientes de atrito tiveram valores médios iguais para o mesmo tipo de
face, comparando-se com os valores obtidos nas tabelas 1 e 2 com os resultados
das tabelas 3 e 4? Qual foi o erro relativo encontrado?
Sim, se compararmos os valores obtemos um erro percentual de aproximadamente
13%.

7 – CONCLUSÃO
Observamos que usando o bloco com a superfície revestida em contato com a
superfície da bancada este desacelera mais rapidamente do que quando apoiamos
a superfície lisa sobre a bancada, isso ocorre fato que o coeficiente de atrito é maior
quando usamos a superfície com revestimento do que quando usamos a superfície
lisa.

8 - BIBLIOGRAFIA
F. J. Keller, W. E. Gettys e M. J. Skove, Física, vol.1, 1a ed., Makron Books, 1999.
H. M. Nussenzveig, Curso de Física Básica, vol. 1 Mecânica, 4a ed., Edgard Blucher,
2002.
R. A. Serway e J. W. Jewett Jr., Princípios de Física, vol. 1 Mecânica Clássica,
Cengage Learning, 2004.
R. Resnick, D. Halliday, e J. Merrill, Fundamentos de Física, vol. 1 Mecânica, 7a ed.,
LTC, 2006.