You are on page 1of 3

O hábito esquecido

Aprendendo economia para economizar

Eu ainda era um jovem de 19 anos, quando comentei com meus pais que

faria

a

faculdade

de Economia. A

minha mãe me indagou porque era

necessário

uma

faculdade

para

aprender

a

economizar.

Imaginem

que para uma família pobre, um

membro

fazer

uma

faculdade

era

razão de muito orgulho, entretanto

eles não sabiam

ao certo que curso

O hábito esquecido Aprendendo economia para economizar Eu ainda era um jovem de 19 anos, quando

era este.

Na

verdade

eu também

não!

Mas o que é Economia? É a ciência que trata das necessidades humanas; que envolve os nossos desejos de consumo, dentro das possibilidades dos recursos disponíveis como salário, emprego e oportunidades de compras. Tem ainda os deveres com os governos, como o pagamento de impostos, que conhecemos tão bem. Segundo Paul A. Samuelson e William D. Nordhaus, economia pode ser definida como a ciência que estuda a forma como as sociedades utilizam os recursos escassos para produzir bens com valor e de como os distribuem entre os vários indivíduos.

Todo mundo tem um pouco de economista, assim como temos um pouco de médico, de psicólogo e até de técnico de futebol. Isto demonstra a nossa capacidade de opinar em muitos assuntos, e em alguns casos com precisão na análise realizada.

Minha genitora tinha razão, economia é para economizar mesmo. A

palavra economia é um termo grego que significa “normas para

administração

da

casa”.

Então,

abrange

também

pessoais!

É importante

para o controle

das

contas,

as

financeiras

a captação

de

recursos (dinheiro), para honrar os pagamentos (dívidas) e fazer o dinheiro sobrar no fim do mês (poupança).

Poupar dinheiro é muito pouco disseminado. Recordo da minha avozinha, ela sempre dizia - poupar é bom para as emergências. Eu entendia que era uma atitude muito responsável. Por serem pessoas tão simples, analfabetas e sem acesso a informação com temos hoje, eles sabiam o que deveriam fazer a cada fim de mês. Poupar.

Não é fácil manter esta disciplina, são tantas as oportunidades promocionais, que não passa pela nossa cabeça guardar dinheiro por enquanto. E quanto aos inúmeros lançamentos de produtos, como deixa-los de adquirir? E não esquecendo ainda que temos os gastos com os lazeres, afinal, ninguém é de ferro e faz bem passear.

É, os tempos mudaram, o mundo mudou, os brasileiros também! É difícil pensar em economizar numa época de crédito abundante. Bancos, operadoras de cartão de créditos, financeiras e governo, todos emprestam. E o povo ávido por dinheiro, usufrui do crédito financeiro oportuno. Tá fácil, fácil, de conseguir dinheiro.

Pelo empréstimo é cobrado o tal do “juro”. Aliás, falamos mais de juros que poupança. Basta atentarmos para o fato da vedete de consumo dos jovens, o automóvel. Na grande maioria das vezes é adquirido com empréstimo a “juros”.

E o que dizer do investimento financeiro! Nem se fala, ou melhor, nem lembramos.

Economizar é uma arte para poucos! São tantas as tentações para o consumismo, com tanta oportunidade de empréstimos que se torna quase impossível ir contra a maré. A minha avozinha que era astuta, sabia como ninguém poupar seu dinheirinho no esconderijo secreto, denominado bule de chá, era de enfeite. E sempre esteve ali.

Ezequias Anacleto

Fonte: Foto http://www.flickr.com/photos/diretordearte/page2/