INSTRUÇÕES GERAIS
I.   Dos  cuidados  gerais  a  serem  tomados  pelos  candidatos:  

1.  Leia  atentamente  as  propostas,  escolhendo  uma  das  duas*  para  sua  prova  de  Redação.     2.  Escreva,  na  primeira  linha  do  formulário  de  redação,  o  número  da  proposta  escolhida  e  dê  um   título  ao  texto.     3.  Redija  seu  texto  a  tinta.     4.   Apresente   o   texto   redigido   com   letra   legível   (cursiva   ou   de   forma),   em   padrão   estético   conveniente  (margens,  paragrafação  etc.).     5.  Tenha  como  padrão  básico  o  mínimo  de  30  (trinta)  linhas.     II.   Da  elaboração  da  redação:    

1.  Atenda,  com  cuidado,  em  todos  os  seus  aspectos,  à  proposta  escolhida.  Às  redações  que  não   atenderem  à  proposta  (adequação  ao  tema  e  ao  gênero  de  texto)  será  atribuída  nota  zero.     2.  Empregue  nível  de  linguagem  apropriado  à  sua  escolha.     3.   Estruture   seu   texto   utilizando   recursos   gramaticais   e   vocabulário   adequados.   Lembre-­‐se   de   que  o  uso  correto  de  pronomes  e  de  conjunções  mantém  a  coesão  textual.     4.  Seja  claro  e  coerente  na  exposição  de  suas  ideias.  
                           

 

 

 

 

1  

         
         

   

PROPOSTA  I  −  DISSERTAÇÃO       Leia  o  editorial  abaixo  procurando  apreender  o  tema  nele  desenvolvido.  Em  seguida,  elabore  uma  dissertação,  na   qual  você  exporá,  de  modo  claro  e  coerente,  suas  ideias  acerca  desse  tema.  
 

A  traição  da  psicologia  social  –  Luís  Felipe  Pondé  
São Paulo, segunda-feira, 14 de maio de 2012  

 
 

Antes,  eram  as  esferas  celestes,    agora,  são  as  esferas  sociais     as  culpadas  por  roubarmos  os  outros  
 

 
Olha  que  pérola  para  começar  sua  semana:  "Esta  é  a  grande  tolice  do  mundo,  a  de  que  quando  vai  mal   nossa   fortuna   -­‐muitas   vezes   como   resultado   de   nosso   próprio   comportamento-­‐,   culpamos   pelos   nossos   desastres   o   Sol,   a   Luz   e   as   estrelas,   como   se   fôssemos   vilões   por   fatalidade,   tolos   por   compulsão   celeste,   safados,   ladrões   e   traidores   por   predominância   das   esferas,   bêbados,   mentirosos   e   adúlteros   por   obediência   forçada  a  influências  planetárias".  William  Shakespeare,  "Rei  Lear",  ato  1,  cena  2  (tradução  de  Barbara  Heliodora).   Os  psicólogos  sociais  deveriam  ler  mais  Shakespeare  e  menos  estas  cartilhas  fanáticas  que  dizem  que  o   "ser  humano  é  uma  construção  social",  e  não  um  ser  livre  responsável  por  suas  escolhas,  já  que  seriam  vítimas   sociais.  Os  fanáticos  culpam  a  sociedade,  assim  como  na  época  de  Shakespeare  os  mentirosos  culpavam  o  Sol  e  a   Lua.   Não  quero  dizer  que  não  sejamos  influenciados  pela  sociedade,  assim  como  somos  pelo  peso  de  nossos   corpos,  mas  a  liberdade  nunca  se  deu  no  vácuo  de  limites  sociais,  biológicos  e  psíquicos.  Só  os  mentirosos,  do   passado  e  do  presente,  negam  que  sejamos  responsáveis  por  nossas  escolhas.   Mas  antes,  um  pouco  de  contexto  para  você  entender  o  que  eu  quero  dizer.   Outro   dia,   dois   sujeitos   tentaram   assaltar   a   padaria   da   esquina   da   minha   casa.   Um   dos   donos   pegou   um   dos   bandidos.   Dei   parabéns   para   ele.   Mas   há   quem   discorde.   Muita   gente   acha   que   ladrão   que   rouba   mulheres   e   homens  indo  para  o  trabalho  rouba  porque  é  vítima  social.  Tadinho  dele...   Isso   é   papo-­‐furado,   mas   alguns   acham   que   esse   papo-­‐furado   é   ciência,   mais   exatamente,   psicologia   social.   Nada   tenho   contra   a   psicologia,   ao   contrário,   ela   é   um   dos   meus   amores   -­‐ao   lado   da   filosofia,   da   literatura   e  do  cinema.  Mas  a  psicologia  social,  contra  quem  nada  tenho  a  priori,  às  vezes  exagera  na  dose.   O  primeiro  exagero  é  o  modo  como  a  psicologia  social  tenta  ser  a  única  a  dizer  a  verdade  sobre  o  ser  humano,   contaminando  os  alunos.  Afora  os  órgãos  de  classe.  Claro,  a  psicologia  social  feita  desta  forma  é  pura  patrulha   ideológica  do  tipo:  "Você  acredita  no  Foucault?  Não?!  Fogueira  para  você!".   Mas   até   aí,   este   pecado   de   fazer   bullying   com   quem   discorda   de   você   é   uma   prática   comum   na   universidade  (principalmente  por  parte  daqueles  que  se  julgam  do  lado  do  "bem"),  não  é  um  pecado  único  do   clero   fanático   desta   forma   de   psicologia   social.   Digo   "desta   forma"   porque   existem   outras   formas   mais   interessantes  e  pretendo  fazer  indicação  de  uma  delas  abaixo.   Sumariamente,   a   forma   de   psicologia   social   da   qual   discordo   é   a   seguinte:   o   sujeito   é   "construído"   socialmente,   logo,   quem   faz   besteira   ou   erra   na   vida   (comete   crimes   ou   é   infeliz   e   incapaz)   o   faz   porque   é   vítima   social.   Se   prestar   atenção   na   citação   acima,   verá   que   esta   "construção   social   do   sujeito"   está   exatamente   no   lugar  do  que  Shakespeare  diz  quando  se  refere  às  "esferas  celestes"  como  responsáveis  por  nossos  atos.   Antes,  eram  as  esferas  celestes,  agora,  são  as  esferas  sociais  as  culpadas  por  roubarmos  os  outros,  ou   não  trabalharmos  ou  sermos  infelizes.  Se  eu  roubo  você,  você  é  que  é  culpado,  e  não  eu,  coitado  de  mim,  sua  real   vítima.   Teorias   como   estas   deveriam   ser   jogadas   na   lata   de   lixo,   se   não   pela   falsidade   delas,   pelo   menos   pelo   seu   ridículo.   Todos  (principalmente  os  profissionais  da  área)  deveriam  ler  Theodore  Dalrymple  e  seu  magnífico  "Life   at  The  Bottom,  The  Worldview  that  Makes  the  Underclass",  editora  Ivan  R.  Dee,  Chicago  (a  vida  de  baixo,  a  visão   de  mundo  da  classe  baixa),  em  vez  do  blá-­‐blá-­‐blá  de  sempre  de  que  somos  construídos  socialmente  e,  portanto,   não  responsáveis  por  nossos  atos.   Dalrymple,  psiquiatra  inglês  que  atuou  por  décadas  em  hospitais  dos  bairros  miseráveis  de  Londres  e  na   África,   descreve   como   a   teoria   da   construção   do   sujeito   como   vítimas   sociais   faz   das   pessoas   preguiçosas,   perversas  e  mentirosas  sobre  a  motivação  de  seus  atos.  Lendo-­‐o,  vemos  que  existe  vida  inteligente  entre  aqueles   que  atuam  em  psicologia  social,  para  além  da  vitimização  social  que  faz  de  nós  todos  uns  retardados  morais.  
 
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/42662-­‐a-­‐traicao-­‐da-­‐psicologia-­‐social.shtml  

2      

         
 

   

     

PROPOSTA  II  −  DISSERTAÇÃO    
   

Atente  para  o  texto  seguinte:  

O  meu  ateísmo  religioso  -­‐  Alain  De  Botton  
  Eu  cresci  em  uma  família  ateia  convicta,  filho  de  dois  judeus  seculares  para  os  quais  a  fé  religiosa   equivalia  quase  a  querer  bem  o  Papai  Noel.  Lembro-­‐me  ainda  quando  meu  pai  fez  com  que  minha  irmã  fosse  às   lágrimas  na  tentativa  de  fazê-­‐la  abandonar  a  sua  vaga  intuição  de  que  um  deus  pudesse  se  encerrar  em  algum   canto   perdido   do   universo.   Naquele   tempo,   minha   irmã   tinha   oito   anos.   Se   meus   pais   ficasse   sabendo   que   algum   membro   do   seu   círculo   de   amizades   nutria   sentimentos   clandestinos   de   religiosidade,   eles   começavam   a   manifestar  com  relação  a  ele  aquela  espécie  de  comiseração  normalmente  reservada  aos  que  sofrem  de  doenças   degenerativas  do  cérebro  e,  a  partir  daquele  momento,  não  conseguiam  mais  levá-­‐lo  a  sério.         Embora   eu   também   estivesse   fortemente   condicionado   pelas   atitudes   dos   meus   pais,   entre   os   meus   20   e   30   anos,   fui   tomado   por   uma   crise   de   irreligiosidade.   Haviam   sido   as   cantatas   de   Bach   que   fizeram   surgir   em   mim   as   primeiras   dúvidas,   pouco   a   pouco   aumentadas   em   seguida   diante   de   certas   Madonnas   de   Bellini,  para  depois  se  tornarem  irrefreáveis  com  a  descoberta  da  arquitetura  zen.  Somente  muitos  anos  depois   da   morte   do   meu   pai   –   que   repousa   sob   uma   lápide   com   inscrições   em   hebraico   no   cemitério   israelita   de   Willesden,  em  Londres,  porque  estranhamente  havia  se  esquecido  de  dar  disposições  mais  seculares  –  é  que  eu   comecei   a   enfrentar   seriamente   a   minha   indecisão   com   relação   aos   princípios   doutrinais   que   haviam   sido   inculcados  em  mim  desde  a  infância.         Mesmo  sem  ter  vacilado  jamais  na  certeza  da  não  existência  de  Deus,  descobri  com  grande  alívio   que  poderia  haver  um  modo  de  alimentar  sentimentos  religiosos  sem  ter  que  aceitar  o  conteúdo  sobrenatural  de   uma   fé   específica   –   em   termos   mais   abstratos,   como   chegar   aos   Pais   sem   ter   que   renegar   a   recordação   respeitosa  do  meu  pai.  Eu  consegui  admitir  finalmente  que  a  minha  rejeição  obstinada  a  toda  teorias  sobre  a  vida   ultraterrena  e  de  residência  celeste  não  era  uma  razão  suficiente  para  me  privar  da  música,  da  arquitetura,  das   orações,   dos   rituais,   das   festividades,   dos   santuários,   das   peregrinações,   da   partilha   das   refeições   e   das   esplêndidas  miniaturas  que  tantas  religiões  têm  a  nos  oferecer.         A   sociedade   secular,   infelizmente,   se   empobreceu   com   a   perda   de   toda   uma   série   de   práticas   e   de   temáticas   que   são   particularmente   indigestas   aos   ateus,   porque   parecem   reconectar-­‐se   muito   estreitamente   com  "os  maus  odores  da  religião",  para  usar  a  expressão  de  Nietzsche.  A  moral  é  uma  palavra  que  nos  assusta.   Irritamo-­‐nos   com   o   pensamento   de   ouvir   uma   pregação.   Fugimos   da   ideia   de   que   a   arte   deve   transmitir   uma   mensagem   edificante   ou   encarnar   um   projeto   ético.   Já   não   vamos   mais   a   peregrinações.   Não   sabemos   mais   construir  templos.  Não  conhecemos  mais  os  mecanismos  para  expressar  o  nosso  reconhecimento.  Os  mais  cultos   acham   absurda   a   ideia   de   ler   um   livro   de   conselhos   práticos   sobre   como   viver   melhor.   Rejeitamos   todo   exercício   mental.   Nunca   vemos   estranhos   que   se   reúnem   para   cantar   juntos.   Encontramo-­‐nos   diante   da   escolha   entre   a   submissão  a  estranhos  conceitos  concernentes  a  divindades  imateriais  a  a  renúncia  a  tantos  rituais  profundos  e   consoladores,   ou   simplesmente   fascinantes,   dos   quais   não   encontramos   facilmente   outros   equivalentes   em   uma   sociedade  secular.         Os   ateus   mais   aguerridos   permitiram   que   a   religião   se   arrogasse   o   domínio   exclusivo   de   áreas   inteiras   da   experiência   humana   que   pertencem,   ao   contrário,   à   humanidade   inteira   e   que   devemos   incorporar   novamente   ao   domínio   secular,   sem   falsos   embaraços.   O   cristianismo   primitivo   havia   se   revelado   genial   na   apropriação   das   boas   ideias   das   outras   crenças,   acolhendo   uma   infinidade   de   práticas   pagãs   que   os   ateus   modernos  evitam,  na  convicção  errada  de  que  se  trata  de  características  tipicamente  cristãs.           A  nova  fé  se  apoderou  das  festividades  de  inverno  e  as  repropôs  com  o  Natal.  Soube  absorver  o   ideal  epicurista  do  viver  juntos  em  uma  comunidade  filosófica  e  o  transformou  na  vida  monástica.  O  desafio  que   hoje  se  coloca  à  moderna  sociedade  secular  é  como  inverter  o  processo  de  colonização  religiosa:  como  separar   ideias  e  rituais  das  instituições  religiosas  que  deles  se  apropriaram,  sem  ter,  na  realidade,  nenhum  direito  sobre   eles.           A   minha   estratégia,   temo,   irá   incomodar   os   partidários   de   ambos   os   lados   do   debate.   Os   fiéis   se   ofenderão   com   a   resenha   rápida,   seletiva   e   pouco   sistemática   da   sua   fé.   As   religiões   não   são   um   bufê,   protestarão  eles,  do  qual  podemos  escolher  este  ou  aquele  acepipe  a  gosto.           Mas  não  nos  esqueçamos,  todavia,  que  a  ruína  de  muitas  religiões  foi  provocada  justamente  pela   insistência   teimosa   de   obrigar   os   seguidores   a   comer   tudo   o   que   lhes   era   posto   no   prato.   Por   que   não   é   possível   apreciar   o   retrato   da   “Modéstia”   nos   afrescos   de   Giotto   e   ignorar   a   doutrina   da   Anunciação,   ou   admirar   a   compaixão  de  Buda,  mesmo  mantendo-­‐se  distante  das  suas  teorias  sobre  a  vida  após  a  morte?           Para   alguém   que   não   nutre   nenhuma   crença   religiosa,   certamente   não   será   um   sacrilégio   ir   ao   encontro  de  uma  vasta  gama  de  fés,  assim  como  não  é  para  um  amante  da  literatura  que  identifica  uma  dezena   de  escritores  preferidos  entre  os  incluídos  no  cânone.        

 

 

3  

         

   

  Os  ateus  militantes  também  poderiam  se  alarmar  e  se  ofender  diante  de  uma  abordagem  que  trata   a   religião   como   se   merecesse   representar   ainda   um   ponto   de   referência   das   nossas   aspirações.   Eles   apontarão   o   dedo   contra   a   furiosa   intolerância   institucional   de   muitas   religiões   e   indicarão   as   ricas   reservas   de   intuições   e   consolações   que   nos   são   oferecidas   pela   arte   e   pela   ciência,   mais   lógicas   e   liberais   do   que   as   fés.   Além   disso,   poderiam  perguntar  por  que  aqueles  que  se  professam  incapazes  de  aceitar  as  tantas  facetas  de  uma  religião  –   que   justamente   não   consegue   se   convencer   do   nascimento   de   uma   virgem,   apenas   para   dar   um   exemplo,   ou   aceitar   que   o   Buda   era   a   reencarnação   de   um   coelho,   como   defendem   as   histórias   dos   Jataka   sobre   as   existências  anteriores  –  ainda  querem  mostrar  interesse  por  um  assunto  tão  comprometido  quanto  a  religião.         A  resposta  a  tudo  isso  é  que  as  religiões  merecem  a  nossa  atenção  pela  sua  ambição  conceitual  e   por  terem  mudado  o  mundo  como  pouquíssimas  instituições  seculares  conseguiram  fazer.  As  religiões  souberam   combinar  teorias  éticas  e  metafísicas  com  o  compromisso  prático  na  educação,  na  moda,  na  política,  nas  viagens,   na   hospitalidade,   nas   cerimônias   de   iniciação,   na   edição   de   livros,   na   arte   e   na   arquitetura   –   um   tal   leque   de   interesses   que   humilha   as   conquistas   dos   maiores   e   mais   influentes   movimentos   e   personagens   seculares   da   história.           Para   aqueles   que   se   interessam   pela   difusão   e   pelo   impacto   das   ideias,   é   difícil   não   ficar   maravilhado   diante   dos   extraordinários   sucessos   educacionais   e   intelectuais   recolhidos   pelos   movimentos   religiosos,  em  nível  mundial.         Há  aspectos  das  religiões  que  oferecem  apoio  e  consolação  até  às  mentes  contemporâneas  mais   céticas.   Os   ateus   deveriam   aprender   a   salvar   tudo   o   que   é   belo,   sábio   e   comovedor,   ignorando   o   que   não   corresponde  mais  à  verdade.  A  sabedoria  das  religiões  pertence  a  toda  a  humanidade,  também  aos  seres  mais   racionais,  e  merece  ser  reabsorvida  de  maneira  seletiva,  também  pelos  mais  ardentes  inimigos  do  sobrenatural.   As  religiões  demonstraram  ser  muito  úteis,  eficazes  e  inteligentes  para  permanecerem  como  herança  exclusiva   dos  fiéis.   http://www.ihu.unisinos.br/noticias/508594-­‐o-­‐meu-­‐ateismo-­‐religioso-­‐artigo-­‐de-­‐alain-­‐de-­‐botton       Baseado   nesse   texto,   escreva   uma   dissertação   na   qual   você   se   posicionará   diante   do   tema   que   nele  se  discute.  

4      

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful