You are on page 1of 7

A PRÁTICA PROFISSIONAL NA ÁREA DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

Fabiana Pavoski, Gabrieli Nicoletti, Janaina Corso, Joana Maior, Marciéli Popia e Yasmine Barradas Graduandas do curso de Engenharia de Alimentos, UDESC Resumo A Engenharia de Alimentos é uma profissão multidisciplinar, pois abrange diversas áreas de conhecimento. Esse caráter multidisciplinar da profissão é conseqüência do tipo de informações necessárias para o domínio da tecnologia de processamento dos alimentos. O engenheiro é o profissional que procura aplicar conhecimentos empíricos, técnicos e científicos à criação e à modificação de mecanismos, estruturas, produtos e processos para converter recursos naturais e não naturais nas formas de matéria e energia em formas adequadas às necessidades do ser humano e do meio em que o cerca, sendo que as áreas de maior destaque e crescimento são as de projetos agroindustriais, controle de qualidade e gerenciamento. Portanto, o objetivo deste trabalho foi analisar a pratica profissional do engenheiro de alimentos perante o mercado de trabalho. Palavras-chave: Engenharia de alimentos, profissão, engenheiro. Introdução Engenharia de alimentos é uma área de conhecimento específica capaz de englobar todos os elementos relacionados com a industrialização de alimentos. E ainda pode potencializar o desenvolvimento deste ramo em todos os níveis, seja na formação de profissionais, no subsídio à elaboração de políticas, nos projetos de pesquisa, na atuação dentro das empresas do setor, como na colaboração à preservação da saúde pública. Atualmente, a profissão de Engenheiro de Alimentos está muito difundida, principalmente nos países mais industrializados. No caso desses países, existem muitas oportunidades de intercâmbio com o Brasil, possibilitando o contato com tecnologias de ponta, para posterior adaptação e aplicação as nossas condições. A Engenharia de Alimentos é uma profissão multidisciplinar, abrange diversas áreas de conhecimento. Esse caráter multidisciplinar da profissão é conseqüência do tipo de informações necessárias para o domínio da tecnologia de processamento dos alimentos. É preciso conhecer com profundidade os diferentes tipos de alimentos, e então sua composição, microbiologia e características sensoriais. Além disso, o profissional deve conhecer as diversas técnicas de processamento. A primeira faculdade de Engenharia de Alimentos do Brasil, e da América Latina foi planejada e executada pela UNICAMP, em meados da década de 60, pela diretoria do centro Tropical de Pesquisas e Tecnologias de Alimentos. Os motivos para a criação surgiram da necessidade de criar um curso que se tratasse da tecnologia de todos os tipos de alimentos, com aplicação simultânea da ciência e da engenharia na fabricação, distribuição e consumo dos produtos. No mundo são mais de 40 universidades que possuem o curso de Engenharia de Alimentos, segundo a ABEA (Associação Brasileira de Engenharia de Alimentos).

1 O papel do engenheiro de alimentos na indústria e nas instituições de pesquisa O engenheiro é o profissional que procura aplicar conhecimentos empíricos, técnicos e científicos à criação e à modificação de mecanismos, estruturas, produtos e processos para converter recursos naturais e não naturais nas formas de matéria e/ou energia em formas adequadas às necessidades do ser humano e do meio em que o cerca. Para tanto, a própria legislação brasileira (Resolução 11/2002, da Câmara de Educação Superior), estabelece as seguintes competências para o profissional da engenharia: Aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais em engenharia; Projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados; - Conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos; -Planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia; - Identificar, formular e resolver problemas de engenharia; -Desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas; - Supervisionar a operação e a manutenção de sistemas; - Comunicar-se eficientemente nas formas oral e gráfica; Atuar em equipes multidisciplinares; - Compreender e aplicar a ética e a responsabilidade profissional; -Avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental; -Assumir a postura de permanente busca, de atualização profissional. 1.2 Qualidades do Profissional

As principais “armas” que o engenheiro possui são a sua formação básica e seu raciocínio analítico. Estas características são muito procuradas no mercado de trabalho. Por isso, devem ser aperfeiçoados, sempre, através do estudo continuado. Porém, a competência profissional não se encerra no conhecimento específico do campo técnico, mas estende-se pelos vários campos de conhecimento. Não se quer afirmar com isso que o engenheiro deva ter domínio de todos os campos do conhecimento. Porém, uma mínima noção sobre diversos assuntos é recomendável para a formulação completa de vários problemas e para a procura de soluções. Além de uma boa bagagem de conhecimentos gerais, várias qualidades devem compor a ação de engenheiro. É difícil descrever todas, pois elas não dependem somente da formação acadêmica, mas da participação social, política e do próprio interesse de cada um. Portanto, as principais qualidades do profissional em engenharia são os conhecimentos específicos, as relações humanas, a experimentação, a comunicação, o trabalho em grupo, o aperfeiçoamento contínuo e a criatividade. 1.3 Mercado de trabalho Como é possível perceber pelas suas áreas de atuação, o mercado de trabalho para o engenheiro de alimentos é amplo e está diretamente ligado às necessidades do consumidor, com suas exigências variadas e constantes, que necessitam de uma grande capacitação do profissional. Com a alta tecnologia de produção e processamento de países como Espanha e Alemanha - que lideram estes setores - a Europa torna-se um atrativo pólo para o mercado de trabalho. Nestes países pode ser feito um intercâmbio entre os conhecimentos da

profissão no Brasil e adaptação das técnicas européias utilizadas às nossas condições. Assim, funções de gerenciamento e administração tornamse mais acessíveis e rapidamente alcançadas aos profissionais que tiverem experiências nestes países. No Brasil, as regiões que mais empregam engenheiros de alimentos são a Sul e Sudeste, devido a maior quantidade de indústrias alimentícias instaladas nos estados que as compõem. As áreas de maior destaque e crescimento são as de projetos agroindustriais, controle de qualidade e gerenciamento. Dois segmentos que têm aumentado o número de contratações nos últimos anos são as grandes redes de supermercados e as de fast food, onde os profissionais são responsáveis pelo controle de qualidade dos produtos de marca própria (embalados pelo supermercado) e pelos produtos "in natura" (frutas, legumes, verduras etc.). Devido aos seus conhecimentos sobre alimentação, aditivos e equipamentos, o mercado tem requisitado também para o setor de marketing e venda de equipamentos. Além destas áreas, as oportunidades para professores universitários tende a crescer, já que esta é uma profissão nova no país e a demanda por cursos deve aumentar. 1.4 Atributos Alimentos do Engenheiro de

exigindo um profissional capaz de continuar aprendendo, participando e interagindo com os outros e, principalmente, um indivíduo capaz de sentir-se feliz como pessoa e como profissional, vivendo num mundo em permanente mobilidade e evolução. Ainda, que deve ser um cidadão com um potencial cognitivo ampliado, versátil, autônomo, capaz de transitar, emocional e intelectualmente, pelos diversos caminhos da sociedade do conhecimento, que possua visão de totalidade, associada à formação de competências básicas, com os prérequisitos necessários para que seja membro de uma cultura pós-moderna, capaz de integrar um sistema produtivo, ser consumidor consciente e tomar posse de informações presentes no mundo que afetam sua vida como cidadão ou cidadã. Os 17 atributos mais destacados na pesquisa de Moraes, foram: • Indivíduo comprometido qualidade do que faz; com a

• Com habilidade para trabalhar em equipe; • Com habilidade para conviver com mudanças; • Com visão clara do papel cliente consumidor; • Com iniciativa para tomada de decisões; • Usuário de ferramentas básicas de informática; • Com domínio do inglês; • Fiel para a organização em que trabalha; • Que valoriza a ética profissional; • Com ambição profissional/vontade de crescer; • Capacitado para o planejamento;

Segundo Nose, as grandes mudanças industriais e econômicas aumentaram os requisitos para a competitividade das empresas num mundo globalizado, onde a concorrência está cada vez mais acirrada. Paralelamente, os profissionais dessas organizações também precisam se adequar ao novo cenário, onde as competências exigidas tornam-se cada vez mais elevadas. Segundo Moraes, citado por Nose, o mercado de trabalho está

• Com visão das necessidades do mercado; • Que valoriza a dignidade/tem honra pessoal; • Com visão do conjunto da profissão; • Com habilidades para economizar recursos; • Preocupado com a segurança no trabalho; • Com habilidade para conduzir homens. Para Ferreria, citado por Nose, os atributos indispensáveis aos engenheiros são: • Ser portador de conhecimentos sólidos das ciências básicas, para a compreensão das novas tecnologias; • Ser capaz de atuar em equipes multidisciplinares envolvendo especialistas tanto das ciências básicas quanto das ciências aplicadas; • Estar convencido da realidade da educação continuada para acompanhar a dinâmica das novas tecnologias; • Ser capaz de projetar e conduzir experimentos e com visão científica analisar e interpretar resultados; • Estar convencido da importância de atuar profissionalmente com responsabilidade e dentro da ética; • Ser capaz de se comunicar efetivamente nas modalidades oral e escrita; • Ser capaz de antever e entender o impacto das soluções de engenharia no contexto social e ambiental; • Ser capaz de integrar conhecimentos técnico-científicos no sentido da inovação e da solução dos problemas tecnológicos;

• Ter a iniciativa de fazer e de realizar na prática; • Ter tido a oportunidade de convivência em um ambiente científico e tecnológico; • Ser capaz de utilizar a informática como instrumento do exercício da engenharia; • Ser capaz de analisar criticamente os modelos empregados tanto no estudo como na prática da engenharia; • Ser capaz de gerenciar e operar sistemas complexos de engenharia; • Ter a oportunidade de aprender sozinho e, com isso, executar sua capacidade criativa; • Ter tido a oportunidade de exercitar seu espírito empreendedor. Assim, percebe-se que os principais parâmetros analisados no perfil de um engenheiro perante o mercado de trabalho são: 1º Ética, 2º Iniciativa, 3º Conhecimento técnico, 4º Capacidade de tomar decisões, 5º Relacionamento interpessoal. Apesar de relacionamento interpessoal estar em último lugar, todas as empresas consideram este aspecto muito importante para o desempenho do profissional (NOSE, 2001). Em resumo, pode-se dizer que o perfil do engenheiro traçado pelas empresas é apresentado da seguinte maneira: • Ser capaz de trabalhar em equipe; • Ser capaz de trabalhar levando sempre em consideração a ética; • Ter conhecimentos técnicos sólidos para consolidar as decisões a serem tomadas; • Ser capaz de administrar mudanças;

• Ter espírito de liderança; • Ser capaz de trabalhar sobre pressão; • Ter capacidade de negociação. Assim, percebemos que na competição do mercado de trabalho, o que se busca nesses profissionais é a capacidade de entender e trabalhar com outras disciplinas, relacionando o contexto geral com o específico e viceversa, ou seja, “Aprender a aprender”. Além da qualificação técnica, o profissional deve apresentar habilidades duráveis: Intrapessoais: autoconhecimento (stress, depressão...), autogestão (dívidas), automotivação (apatia etc.) e Interpessoais: empatia, iniciativa, comunicabilidade. Portanto aspectos como comunicabilidade interpessoal (expressão oral e redação própria); habilidade para trabalhar em equipe e estabelecer diálogo multidisciplinar; capacidade de “aprender a aprender”; capacidade de lidar com situações novas (problemas imprevistos); liderança e motivação para objetivos e metas; pensamento criativo e solução de problemas; saber ouvir; saber propor; língua estrangeira (inglês/espanhol); informática e leitura são fundamentais para o crescimento profissional e pessoal tanto de engenheiros de alimentos, como de qualquer individuo que busque crescimento profissional. O sucesso está relacionado com cada individuo, é um termo subjetivo, difere de pessoa para pessoa, de situação para situação. Assim, cabe a cada ser medir e ponderar seus objetivos para que assim alcance o sucesso que pretende. 1.5 O Papel Social Engenheiros são chamados para responder a demanda de mercado por meio da criação de novos produtos, processos com altos valores agregados.

Os produtos, por si, devem ser analisados criticamente a respeito de sua funcionabilidade, aceitabilidade ambiental ao longo de sua vida, incluindo a reciclagem e a deposição de rejeitos. Organizações e profissionais diretamente relacionados à tomada de decisões refletem a moral da sociedade baseados em seu próprio exemplo. Para tanto, espera-se do engenheiro de alimentos, responsabilidade, obrigação geral de responder pelas conseqüências dos próprios atos ou pelas dos outros. 1.5.1 Responsabilidade econômica A sociedade espera que o profissional receba o que é justo. 1.5.2 Responsabilidade técnica A sociedade espera que o profissional seja capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias, estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas, considerando seus aspectos políticos, sociais, ambientais e culturais, com visão ética e humanística, em atendimento às demandas da sociedade. 1.5.3 Responsabilidade legal A sociedade espera que as atividades desse profissional produzam serviços (processos e/ou produtos) que tenham padrões de segurança e obedeçam as leis trabalhistas, ambientais estabelecidas pelo governo. 1.5.4 Responsabilidade ética A sociedade espera que as tomadas de decisões por parte desse profissional sejam resultados da análise e reflexão ética, exigindo que as tomadas de decisões sejam feitas considerando-se os efeitos das ações, honrando o direito dos outros, cumprindo deveres e

evitando prejudicar o outro interno e externo à organização, fundamentado no respeito aos valores morais. 1.5.5 Responsabilidade social A sociedade espera que esse profissional, enquanto dotado de decisão estratégica na empresa, faça-a contribuir com recursos para a comunidade, visando a melhoria da qualidade de vida. 1.6 O Campo de atração profissional 1.6.1 Diversidade nas áreas de atuações O mercado de trabalho para o engenheiro de alimentos é amplo e está diretamente ligado às necessidades do consumidor, com suas exigências variadas e constantes, que necessitam de uma grande capacitação do profissional; 1.6.2 Boa remuneração profissionais qualificados para

vez maior. Com esta expansão que está acontecendo, não vão faltar empregos para engenheiros de alimentos. 1.6.4 Área que atualmente está na “moda” A preocupação das pessoas com a saúde, hoje em dia, principalmente entre jovens e idosos, leva as indústrias a elaborar cardápios específicos, com baixo teor de gordura e açúcar, acrescidos de nutrientes e vitaminas que garantam a boa forma e previnam doenças. A globalização gerou o aumento do nível de exigência dos consumidores, pressionando as indústrias a direcionar esforços para a melhoria da qualidade de seus produtos visando maior competitividade, gerando um lugar garantido para o Engenheiro de Alimentos. 2 Considerações Finais Percebe-se, pelas áreas de atuação do Engenheiro de Alimentos, que o mercado de trabalho para o mesmo é amplo, e está diretamente ligado às necessidades do consumidor, com suas exigências variadas e constantes, que necessitam de uma grande capacitação do profissional. A necessidade de um profissional qualificado para desenvolver atividades especializadas de engenharia nas indústrias de alimentos tornou-se uma realidade em todo mundo. Onde o termo qualificação refere-se a um amplo conhecimento técnico e científico, formação generalista, humanista, crítica e reflexiva do profissional, sendo capacitado a identificar e resolver problemas considerando seus aspectos econômicos, ambientais, sociais, políticos, assim como assimilar e desenvolver novas tecnologias. Bibliografia Consultada

Segundo o PORTAL DO CALOURO o salário do graduado em Engenharia de Alimentos se encontra entre as 10 profissões com maiores salários pagos, com um salário inicial de aproximadamente, R$ 2.210 chegando até R$ 6 mil. Esses valores podem sofrer variações com a localidade, experiência e campo de atuação do Engenheiro de Alimentos. 1.6.3 Área em crescente expansão O mercado de alimentos no Brasil é um dos que mais cresce e constantemente tem sido alvo de investimentos. A agricultura e a agroindústria estão entre as maiores indústrias do Brasil representando juntas quase 10% de todo o PIB. As empresas Brasileiras de produção de alimentos têm expandido sua atividade agro-industrial cada vez mais, exportando cada vez mais para países e em uma quantidade cada

Engenheiro de Alimentos. BRASIL PROFISSÕES. Disponível em: <http://www.brasilprofissoes.com.br/pro fissoes/engenheiro-dealimentos>.Acesso em: 21 de Novembro de 2011. Engenharia de alimentos. PORTAL APRENDIZ. Disponível em:<http://www2.uol.com.br/aprendiz/n _revistas/revista_profissoes/agosto00/en genharias/alimentos/index.htm>. Acesso em: 21 de Novembro de 2011. Portal do calouro. As 10 profissões com os melhores salários. Disponível em:http://portaldocalouro.com/as-10profissoes-com-os-melhores-salarios/>. Acesso em: 21 de Novembro de 2011. A carreira do Engenheiro de Alimentos. Disponível em: < http://www.guiadacarreira.com.br/artigo s/profissao/engenharia-alimentos/ >. Acesso em: 21 de Novembro de 2011. BAZZO, W. A; PEREIRA, L.T.V. Introdução à Engenharia. 6 ed. Florianópolis: UFSC, 2002. 274 pag. SILVA, J. A. Tópicos da Tecnologia de Alimentos. São Paulo: Varela, 2000, 227 pag. M. C. Moraes, “O perfil do engenheiro dos novos tempos e as novas pautas educacionais”, In: I. vonLinsingen et al,

“Formação do Engenheiro: desafios da atuação docente, tendências curriculares e questões da organização tecnológica”. Florianópolis, Editora da UFSC: 1999, pp. 53-66. M. M. Nose, D. N. Rebelatto. O PERFIL DO ENGENHEIRO SEGUNDO AS EMPRESAS. Cobenge, 2001. R. S. Ferreira, “Tendências curriculares na formação do engenheiro do ano 2000”, In: I. vonLinsingen et al,“Formação do Engenheiro: desafios da atuação docente, tendências curriculares e questões da organização tecnológica”.Florianópolis, Editora da UFSC: 1999, pp. 129-142. CREMASCO, Marco Aurélio. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA FORMAÇÃO DE ENGENHEIROS. Disponível em: <http://www.eduardoceleghini.com.br/re sources/RESPONSABILIDADE %20SOCIAL%20ENGENHARIA.pdf>. Acesso em: 21/11/2011. Brasil Profissões. ENGENHEIRO DE ALIMENTOS. Disponível em: <http://www.brasilprofissoes.com.br/pro fissoes/engenheiro-de-alimentos>. Acessoem: 21/11/2011.