You are on page 1of 58

1

CABEAMENTO ESTRUTURADO Arquitetura - Padrão Ethernet IEEE 802.3

2

Cabeamento Estruturado
Padrão Ethernet - Evolução O padrão ETHERNET surgiu com 1972 nos laboratórios da Xerox com Robert Metcalfe. Com uma rede onde todas as estações compartilhavam do mesmo meio de transmissão,

um cabo coaxial, a configurações utilizada para esta
conexão foi a de barramento e utilizava uma taxa de transmissão de 2,94Mbps.

No inicio de tudo este padrão era chamada de “Network
Alto Alhoa” e logo mais tarde denominado ETHERNET .

3

Cabeamento Estruturado
Padrão Ethernet - Evolução

rascunho da primeira rede ethernet

4

Cabeamento Estruturado
Padrão Ethernet – Modos de Transmissão • O modo de transmissão é uma característica

importante do padrão ethernet, podendo ser:

• Simplex: durante todo o tempo apenas uma estação
transmite, a transmissão é feita unilateralmente; • Half-duplex: cada estação transmite ou recebe

informações, não acontecendo transmissão simultânea; • Full-duplex: cada estação transmite e/ou recebe, podendo ocorrer transmissões simultâneas.

5

Cabeamento Estruturado
Padrão Ethernet – Modos de Transmissão

Diagrama dos modos de transmissão

6

Cabeamento Estruturado
Padrão Ethernet – Evolução
SIGLA 10Base2 10Base5 10Base-T ETHERNET Thin (Fino) Thick (Grosso) Standard MEIO Coaxial Coaxial Par Trançado Cat 3 Conector BNC BNC RJ-45 VEL. TRANS 10Mbps 10Mbps 10 Mb/s 100Mbps ALCANC E 185m 500m 100m 100m

100Base-TX

Fast

Par Trançado Cat 5

RJ-45

1000Base-T
1000BaseLX/SX/CX

Gigabit
10Gigabit

Ttrançado Cat 5 e 6
Fibra óptica monomode ou multimode

RJ-45
ST/SC/MT

1000 Mb/s
1000 Mb/s

100m
550m À Alguns Km

Cabeamento Estruturado CABO PAR TRANÇADO UTP - CATEGORIAS

Categoria 1 – cabos de fios não trançado com capacidade de 1Mbps para dados; Categoria 2 – permite comunicação até 1 Mbps para voz e dados; Categoria 3 – permite comunicação até 16 Mbps;


• •

Categoria 4 permite comunicação até 20 Mbps;
Categoria 5 permite comunicação até 100 Mbps; Categoria 5e- melhoria das características do material utilizado na categoria 5; Categoria 6 – permite comunicação de 1 a 10 Gbps

8

Cabeamento Estruturado
Entende-se por rede interna estruturada aquela que é projetada de modo a
prover uma infraestrutura que permita evolução e flexibilidade para serviços de telecomunicações, sejam de voz, dados, imagens,

sonorização, controle de iluminação, sensores de fumaça, controle de acesso, sistema de segurança, controles ambientais (ar-condicionado e ventilação) e considerando-se a quantidade e complexidade destes sistemas, é imprescindível a implementação de um sistema que satisfaça

às necessidades iniciais e futuras em telecomunicações e que garanta a
possibilidade de reconfiguração ou mudanças imediatas, sem a

necessidade de obras civis adicionais

9

Cabeamento Estruturado - História
No final dos anos 80, as companhias dos setores de telecomunicações e informática estavam preocupadas com a falta de uma padronização para os sistemas de fiação de telecomunicações em edifícios e campus. Em 1991, a associação EIA/TIA (Electronic Industries Association / Telecommunications Industry Association) propôs a primeira versão de uma norma de padronização de fios e cabos para telecomunicações em prédios comerciais, denominada de EIA/TIA-568 cujo objetivo básico era: • • • Implementar um padrão genérico de cabeação de telecomunicações a ser seguido por fornecedores diferentes; Estruturar um sistema de cabeação intra e inter predial, com produtos de fornecedores distintos; Estabelecer critérios técnicos de desempenho para sistemas distintos de cabeação.

10

Cabeamento Estruturado
Subsistema de Cabeamento Estruturado
• Cabeamento Horizontal (Interliga os equipamentos no mesmo andar “do

edificio” );
• Cabeamento Vertical - Backbone (interliga os Armários de Telecomunicações entre os andares “do edifício” – Geralmente são utilizadas FIBRAS OPTICAS); • • • • Área de Trabalho (Computadores, aparelhos telefônicos, cabos adaptadores); Armário de Telecomunicações (Aloja equipamentos internos); Sala de Equipamento (Abriga equipamentos de telecomunicações); Entrada de Facilidades (Conexão da Cabeação Externa e Interna ).

11 Cabeamento Estruturado – Equipamentos Envolvidos e Termos Utilizados

• Placa de Rede • Barramento • Conector da Placa • Padrão de Rede • Velocidade de transmissão • Repetidores • HUB • Pontes (Bridges) • Roteadores (Routers) • Switch

Sistema de Cabeamento Estruturado
Subsistemas – Norma EIA/TIA
1 – Subsistema Cabeamento Horizontal 2 – Subsistema Cabeamento Vertical 3 - Área de Trabalho 4 - Armário de Telecomunicações 5 - Sala de Equipamentos 6 - Sala de Entrada de Telecomunicações

13

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado
Organizações de padronização Internacionais EIA Electronic Industries Association TIA Telecommunications Industries Association IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers

IEC International Electrotechnical Comission
ISO International Organization for Standardization

Brasil ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Cabeamento Estruturado
Organizações de padronização Internacionais ANSI American National Standards Institute

CSA Canadian Standards Association

ITU International Telecommunication Union

Cabeamento Estruturado

Normas e Padroes aplicaveis
• ANSI/TIA/EIA-568-B.1 - Requerimentos Gerais do CE. • ANSI/TIA/EIA-568-B.2 - Componentes UTP do CE. • ANSI/TIA/EIA-568-B.2-1 - Componentes UTP Categoria 6. • ANSI/TIA/EIA-568-B.3 - Componentes Ópticos do CE. • ANSI/EIA/TIA-569A - Caminhos e Espaços do CE. • ANSI/TIA/EIA-606A - Administração e Identificação do CE. • ANSI/TIA/EIA-607 - Aterramento do CE. • ANSI/TIA/EIA-854 - 1000Base-TX sobre UTP Cat.6. • ANSI/TIA/EIA-862 - Sistemas de Automação sobre CE.

• ANSI/TIA/EIA – 568 A • ANSI/TIA/EIA – 568 B

Cabeamento Estruturado Área de Trabalho
• Local ocupado pelo usuário, onde são necessários pontos de saída para conexão dos equipamentos de trabalho (telefone, computador, sensor de automação, câmera, TV, saída de som ...) • Neste local são colocadas as tomadas padrão RJ45 e os cabos adaptadores entre o equipamento e a tomada ▫ adapter cables (patch cords) • Cada ponto de saída deve ter, mínimo, duas tomadas RJ45 no

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Normas para cabeamento estruturado

• ANSI / EIA / TIA 568 – Norma para cabeamento de edifícios comerciais.
▫ Junho 1991 ▫ Primeiro documento sobre normas de cabeamento em telecomunicações

Cabeamento Estruturado Normas para cabeamento estruturado • ANSI / EIA / TIA 568B – Primeira Revisão da norma para cabeamento em edifícios comerciais

▫ Inclui tomadas internas, conexão entre prédios e cabeamento em campus
▫ Outubro 1995

Cabeamento Estruturado Normas para cabeamento estruturado

Cabeamento Estruturado Crimpagem de Conector RJ-45 Normas 568A e 568B
Pinagem 568A
12345678Pino / Cor Branco/Verde Verde Branco/Laranja Azul Branco/Azul Laranja Branco/Marrom Marrom Pino / Cor Branco/Laranja Laranja Branco/Verde Azul Branco/Azul Verde Branco/Marrom Marrom

Pinagem 568B

12345678-

Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal
• Conjunto de cabos que liga as tomadas até os painéis
distribuidores colocados no Armário de Telecomunicações • O formato de distribuição é do tipo estrela • O cabeamento horizontal é formado por ▫ Tubulações, eletrocalhas, leitos e demais acessórios para suporte dos cabos ▫ Cabos UTP/STP

▫ Cabos de fibra ótica
 Fiber to the desk  Pouco usual ainda

Cabeamento Estruturado Cabeamento Horizontal

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações • Local onde são colocados os painéis distribuidores bem como equipamentos • Neste local é feita a conexão cruzada (cross-conection) entre painéis distribuidores e os equipamentos • O armário de telecomunicações é uma das extremidades do cabeamento horizontal • Pode ser uma sala, um armário, ou mesmo um gabinete fechado (rack) padrão 19”, dependendo do tamanho do edifício • O armário de telecomunicações faz a integração entre o cabeamento horizontal e o vertical

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações • Os painéis distribuidores de cabos metálicos podem ser de dois tipos ▫ Patch panel 19” com portas RJ45 ▫ Blocos distribuidores tipo IDC 110 • Nos patch panel’s cada porta representa uma tomada de um ponto de saída • Nos blocos o cabo que liga à tomada do ponto de saída é aberto em 4 pares

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações
• Os patch panel’s utilizam o padrão RJ45, o que os torna mais fáceis de usar, pois as portas são idênticas às tomadas e às saídas dos hubs • Os blocos são menores e mais compactos que os patch panel’s • Utilizam o padrão IDC 110 para conexão, e cada par é acessível individualmente, pela parte frontal do bloco • Devido à separação dos pares, o bloco facilita as diversas aplicações, tais como telefonia, TV, som ambiente, etc.

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações - Equipamentos
Bloco IDC 110 Patch Panel

Patch Cable

Cabo UTP

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações - Equipamentos
Cabo STP (Shielded Twisted Pair) – Com Blindagem

UTP (Unshielded Twisted Pair) Sem Blindagem

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações

Cross-connection

Interconnection

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações
• Componentes ▫ Equipamentos ativos (hubs, switchs,

multiplexadores, etc) ▫ Painéis distribuidores: patch panel,

bloco 110 IDC e distribuidor interno ótico (DIO) ▫ Cordões de manobra (patch cords) de cobre (cabos UTP) ou em fibra ótica

▫ Distribuidores óticos
▫ Suportes para painéis e equipamentos (racks)

Cabeamento Estruturado Armário de telecomunicações

Cabeamento Estruturado Cabeamento Vertical
• É o cabeamento que interliga os diversos Armários de
Telecomunicações entre si, a Sala de Equipamentos e desta até a Entrada do edifício • Em instalações industriais ou em campus, o Cabeamento Vertical

interliga os diversos prédios
• É também chamado de “backbone” e sua topologia é estrela • Componentes ▫ Cabos tipo UTP de 25 pares (em instalações internas) ▫ Cabos de fibra ótica (em instalações internas e externas) ▫ Tubulações subterrâneas, leitos para cabos, eletrocalhas, estruturas aéreas, etc.

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Vertical

Cabeamento Estruturado Sala de Equipamentos
• Na Sala de Equipamentos estão colocados os equipamentos principais de uma
rede, ou os de maior complexidade • A partir da Sala de Equipamentos é feito o controle e gerenciamento das instalações de comunicação de uma instalação • Componentes ▫ Equipamentos ativos principais - hubs, switches, multiplexadores, etc. ▫ Painéis distribuidores de cobre e de fibra, bem como suportes tipo rack ▫ Servidores

▫ Central PABX
▫ Centrais de TV e de som ▫ Centrais de controle e automação

Cabeamento Estruturado
Sala de Equipamentos

Cabeamento Estruturado Entrada da Edificação • Ponto de acesso de comunicação externa da edificação • Meio pelo qual chegam e saem as informações da

instalação • Fazem parte da entrada os acessos de telefonia vindos da concessionária, acessos de televisão, cabos de fibra ótica externos, entradas de rádio digital, etc. • Faz parte da entrada uma área mínima em parede ou uma sala para instalação dos equipamentos e acessórios de montagem

Cabeamento Estruturado Entrada da Edificação

Cabeamento Estruturado Integração de sistemas

CABEAMENTO HORIZONTAL

CABEAMENTO VERTICAL

Cabeamento Estruturado Cabeamento
• Tanto o cabeamento horizontal quanto o vertical podem utilizar cabos metálicos ou de fibra ótica • Quando utiliza-se fibra ótica da sala de equipamentos até a área de trabalho diz-se que o cabeamento é do tipo “fiber to the desk” • Hoje a fibra é pouco utilizada no cabeamento horizontal devido as altas taxas de transmissão dos cabos metálicos e devido ao custo dos equipamentos com portas para fibra

• A fibra ótica é bastante utilizada no cabeamento vertical e nos
locais com grandes distâncias ou com problemas de EMI

Cabeamento Estruturado Cabeamento metálico
• A norma EIA/TIA 568 classificou os sistemas de cabeamento estruturado em categorias • A categoria caracteriza a performance do meio físico e acessórios de acordo com os seguintes intervalos de freqüências ▫ Categoria 3: cabo par trançado com impedância característica de 100 ohms, para freqüência de até 16 MHz

▫ Categoria 4: idem até 20 MHz
▫ Categoria 5: idem até 100 MHz ▫ Categoria 6: idem até 250 MHz

Cabeamento Estruturado Limites e performance

• A norma EIA/TIA 568 definiu o comprimento máximo do cabeamento horizontal, entre a tomada e o painel do Armário de Telecomunicações, em 90 metros (link básico) • Incluindo patch cords, o comprimento é de 100 metros (link de canal)
ÁREA DE TRABALHO
TOMADA

Comprimento máximo - 90 m
Horizontal
Conexão cruzada

ARMÁRIO DE TELECOMUNICAÇÕES

Cabeamento Estruturado Limites e performance

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas
• Os cabos de fibra óptica são divididos em dois tipos, conforme
o modo de transmissão em seu interior ▫ multimodo (62,5 / 125 mm) ▫ monomodo (9 / 125 mm) • O uso de fibras ópticas exige painéis distribuidores especiais, colocados nos Armários de Telecomunicações e Salas de Equipamentos

• Cuidados especiais são exigidos para a instalação de fibras
óticas ▫ O principal deles é: pessoal capacitado e experiente

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas
Com a evolução da tecnologia os tradicionais cabos metálicos estão aos poucos sendo substituídos por cabos de fibra óptica, mas isso tendo a demorar um pouco mais tendo em vista ser uma tecnologia recente e não muito acessível em face ao seu custo de implementação e manutenção.

• É um filamento de vidro que também pode ser produzida com polímero (plástico sintético) por ter alta capacidade de transmitir os raios da luz. • Foi inventada pelo físico indiano Narinder Singh Kapany • A transmissão é realizada no núcleo central do vidro e segue o principio da REFLEXÃO • REFLEXÃO é a propagação da luz em um determinado meio, que atinge uma superfície e retorna para o meio que estava se propagando. • A transmissão de informações pela fibra óptica ocorre através de um aparelho especial denominado “INFODUTO”, que possui um FOTOEMISSOR que faz a conversão da luz em sinais elétricos, sonoro ou até mesmo luminoso.

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas Vantagens • Tem maior capacidade para transportar inforçõe • A matéria prima para fabricação (SÍLICA) é mais abundante na natureza que os metais • Não sofrem interferências elétricas nem magnéticas • É mais difícil seu grampeamento • Comunicação mais confiável (imune a falhas) • Ao contrario dos fios metálicos não enferrujam, não oxidam, não sofrem com a ação de agentes químicos

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas - Composição
É basicamente composta por três componentes:

• Núcleo: O núcleo é um fino filamento de vidro ou plástico, medido em
micra (1μm = 0,000001m), por onde passa a luz. • Casca: Camada que reveste o núcleo. Por possuir índice de refração

menor que o núcleo, ela impede que a luz seja refratada, permitindo assim
que a luz chegue ao dispositivo receptor. • Revestimento: Camada de plástico que envolve o núcleo e a casca,

protegendo-os contra choques mecânicos e excesso de curvatura.

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas

Veja o Vídeo sobre a Fabricação da Fibra Optica

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas - Tipos Existem dois tipos de fibra óptica. Essas categorias definem a forma como a luz se propaga no interior do núcleo.

Multimodo
Monomodo.

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas - Tipos
Multimodo: Nas fibras multimodo (MM) a luz é conduzida em vários modos de propagação, ou seja, a luz percorre o interior da fibra óptica por diversos caminhos. As dimensões mais comuns são as fibras com núcleo de 50μm e 62,5μm, ambas com 125μm de casca.

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas - Tipos
Monomodo: Nas fibras monomodo (SM), a luz possui apenas um modo de propagação, ou seja, a luz percorre o interior do núcleo por apenas um caminho. As dimensões do núcleo variam entre 8μm a 10μm, e a casca com 125μm. A fibra monomodo mais utilizada é a de 9μm.

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas - Conectores
ST SC

MT

Conversor de Mídia ST/RJ-45

Cabeamento Estruturado Fibras ópticas – Cordões Optcos

Cabeamento Estruturado Projeto • Parte fundamental de qualquer iniciativa que se pretende bem realizada e de sucesso. • Em Cabeamento Estruturado o projeto determina os custos de uma instalação • Determina exatamente o que se quer e o que não se quer, numa etapa onde os gastos ainda são muito baixos • Deve ser feito por especialistas

Cabeamento Estruturado Documentação • É a parte complementar do projeto

• Deve ser feita durante o processo da instalação
• Compreende toda a identificação dos cabos, painéis distribuidores conectores e

• Com todas as identificações feitas, um desenho final das
instalações apresenta uma planta detalhada do sistema • Fechando o pacote, deve ser feita a Certificação de cada ponto, com equipamento bidirecional atestando a qualidade de cada link