You are on page 1of 10

A Importância do Sistema de Informação Contábil como Fonte de Informações para Tomada de Decisões

Udo Strassburg Professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE., Mestre em Controladoria e Contabilidade Estratégica pela FECAP/FACESP, Especialista em Controladoria e Gestão Financeira pela UNIOESTE. Bacharel em Ciências Contábeis pela UNIOESTE.

Rodrigo Fiori Professor da União Educacional de Cascavel – UNIVEL e União Pan Americana de ensino – UNIPAN. Pós- Graduando em Controladoria e Contabilidade Estratégica pela UNIOESTE, Bacharel em Ciências Contábeis pela UNIOESTE.

Kety Gavlik Parizoto Professora da União Pan Americana de ensino – UNIPAN. Pós-Graduanda em Controladoria e Contabilidade Estratégica pela UNIOESTE, Bacharel em Ciências Contábeis pela UNIOESTE.

Cristiane Bazzotti Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE

Eva Fabiani de Mello Fonseca Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE

Resumo: Atualmente, no contexto empresarial, podem-se conceituar os sistemas de informação como aplicativos que organize os dados da empresa e os transformem em informações geradas em relatórios. A tecnologia da informação auxilia as empresas que desejam manterem-se competitivas, pois além dela propiciar produtos melhores e mais modernos, faz também da informação, um instrumento eficiente de gestão empresarial para a tomada de decisões. Com isso, esse trabalho teve como objetivo apresentar a importância sobre a utilização dos sistemas de informação contábil como componente de auxilio na tomada de decisão. Para o desenvolvimento deste trabalho foi utilizada a metodologia da pesquisa bibliográfica buscando apresentar estudos e divulgar sobre o sistema de informação contábil, sua importância na tomada de decisão, e apresentar as características das informações para os gestores.

Palavras – chaves: Sistemas de Informações, Tomada de Decisão, Contabilidade

Abstract: Currently, in the enterprise context, the systems of information can be appraised as applicatory that it organizes the data of the company and they transform them into information generated in reports. The technology of the information assists the companies whom they desire to remain itself competitive, therefore beyond it to propitiate better and more modern products, also makes of the information, one efficient instrument of enterprise management for the taking of decisions. With this, this work had as objective to present the importance on the use of the systems of countable information as component of I assist in the decision taking. For the development of this work the methodology of the bibliographical research was used searching to present studies and to divulge on the countable system of information, its importance in the decision taking, and to present the characteristics of the information for the managers.

Key words: Systems of Information, Taking of Decision, Accounting INTRODUÇÃO

Nos dias atuais todas as empresas, para obterem o retorno almejado e se manterem no mercado, necessitam de controles eficientes para que os gestores possam estar a par do que está acontecendo, podendo assim, tomar suas decisões em momento oportuno. Neste contexto está inserida a contabilidade que é a responsável pela organização dos

documentos referentes as negociações efetuadas pela empresa, assim como o registro de todos os fatos ocorridos no período em conseqüência destas negociações.

E para que a contabilidade possa estar bem organizada e em condições de fornecer as

informações que seus usuários necessitam, naquele momento, ela precisa do auxílio do sistema de informação contábil e das demais ferramentas da tecnologia da informação disponíveis para a empresa. Sendo assim, o objetivo do presente trabalho é de destacar a importância da utilização do sistema de informação contábil como ferramenta para o fornecimento de informações para a tomada de decisão.

A justificativa da elaboração deste trabalho está na necessidade de divulgação da importância das informações oriundas do sistema de informação contábil, para empresas que buscam a excelência dos serviços prestados, que primem pela transparência de seus atos aos stakeholders e que tenham o compromisso de registrar todos as ocorrências de seu negócio, sendo avessas a sonegação.

A metodologia utilizada para o desenvolvimento do presente estudo foi a pesquisa

bibliográfica e esta se baseia no estudo da bibliografia disponível sobre o assunto e tecer comentários.

A Informação

Informação é o resultado do processamento, manipulação e organização de dados de tal forma que represente um acréscimo ao conhecimento da pessoa que a recebe. Para PADOVESE (2000:43) “informação é o dado que foi processado e armazenado de forma compreensível para seu receptor e que apresenta valor real ou percebido para suas decisões correntes ou prospectivas.” Informação enquanto conceito carrega uma diversidade de significados, do uso cotidiano ao técnico. Genericamente, o conceito de informação está intimamente ligado às noções de restrição, comunicação, controle, dados, forma, instrução, conhecimento, significado, estímulo, padrão, percepção e representação de conhecimento. Mesmo que informação e dados sejam freqüentemente usados como sinônimos, eles realmente são coisas muito diferentes. Dados representam um conjunto de informações não

associadas e como tal, não têm utilidade até que tenham sido apropriadamente avaliados. Pela avaliação, uma vez que haja alguma relação significativa entre os dados e estes possam mostrar alguma relevância, são então convertidos em informação. Agora, estes mesmos dados podem ser usados com diferentes propósitos. Assim, até que os dados expressem alguma informação, não possuem valor.

É comum nos dias de hoje ouvir-se falar sobre a Era da Informação, o advento da Era

do Conhecimento ou sociedade do conhecimento. Como a sociedade da informação, a tecnologia da informação, a ciência da informação e a ciência da computação em informática são assuntos e ciências recorrentes na atualidade, a palavra "informação" é freqüentemente utilizada sem muita consideração pelos vários significados que adquiriu ao longo do tempo.

Segundo Bill Gates apud (PEREIRA:1997), “informação é algo que alguém deseja

saber, e está disposto a pagar por ela. A informação não é tangível nem mensurável, mas é um produto valioso no mundo contemporâneo porque proporciona poder”.

A informação é encarada, atualmente, como um dos recursos mais importantes de uma

organização, contribuindo decisivamente para a sua maior ou menor competitividade. De fato com um aumento da concorrência tornou-se vital melhorar a capacidade de decisão em todos

os níveis.

Características e Valor da Informação

Quando uma informação não é suficientemente precisa ou completa, o gestor, profissional ou usuário das informações da empresa, pode tomar decisões equivocadas, podendo gerar grandes prejuízos sociais e/ou econômicos para a empresa. Por esse motivo, a importância da informação pode apresentar diferenças dependendo do valor que é atribuído, pelo usuário, para cada uma de suas características. Conforme PADOVESE (2000:43), para que a informação seja considerada valiosa, ele deve atender aos seguintes requisitos:

 

Características da Informação

 

conteúdo

precisão

atualidade

freqüência

relevância

entendimento

confiabilidade

relatividade

exceção

acionabilidade

flexibilidade

motivação

segmentação

consistência

integração

oportunidade

objetividade

volume

generalidade

uniformidade de critério

seletividade

valor econômico

indicação de causas

adequação a decisão

Figura 1: Características da Informação Fonte: Adaptado de PADOVESE (2000:43)

Já para STRASSBURG (2004:56) as características da informação são as seguintes:

 

Características da Informação

 

útil

reutilizável

deve informar

é um ativo

deve ser gerenciada

deve ser oportuna

permite análises

São dados em uso

tem valor econômico

não se deteriora

deve ter limites

Está no relatório final

o seu valor é determinado pelo usuário

deve servir de base para os gestores

deve ser discutida no contexto do usuário

não se deprecia em função do uso

é composta de: dados coletados organizados e ordenados

deve atender as necessidades dos usuários

deve dar condições de comparação e relacionamento

serve de apoio às estratégias e tomada de decisão

Figura 2: Características da Informação Fonte: Adaptado de STRASSBURG (2004:56)

Com estas características a informação pode ser considerada como valiosa para quem se utilizar dela, pois estará mais próximo daquilo que os tomadores de decisão necessitam, para o bom andamento das atividades da entidade e o conseqüente alcance das metas propostas. Se as informações não forem acompanhadas das características descritas acima, decisões equivocadas poderão ser tomadas, ameaçando, muitas vezes, a continuidade da entidade. Se uma previsão imprecisa de demanda futura indica que as vendas serão maiores, o gestor pode entender que é necessário um investimento a ser obtido de terceiros, e se as vendas não ocorrerem, este investimento se tornará em prejuízo que certamente diminuirá a margem de lucro a ser obtida. O valor da informação está diretamente relacionado com a

maneira como ela auxilia os tomadores de decisão a atingirem os propósitos previstos para a empresa. Desta forma PADOVESE (2000:44) descreve que o conceito de valor na informação está relacionado com:

a) a redução da incerteza no processo de tomada de decisão;

b) a redução do benefício gerado pela informação versus o custo de produzi-la;

c) o aumento da qualidade da decisão.

O valor da informação está relacionado com o efeito, positivo ou negativo, que ela tem sobre os processos decisórios. Se a informação fornecida proporcionar condições para uma decisão adequada, então ela terá valor. Caso contrário, terá pouco ou nenhum valor e muitas será desprezada.

Tecnologia da Informação

Durante muito tempo a tecnologia da informação (TI) foi tratada como algo isolado nas organizações, e restringia-se a poucas pessoas que trabalhavam no departamento de CPD (Centro de Processamento de Dados). Com o passar do tempo, a tecnologia da informação passou a ser utilizada nos processos industriais através de maquinários que melhoraram a qualidade e quantidade dos produtos. Nos últimos 30 anos a proliferação de empresas vem provocando contínuas mudanças, aumentando a concorrência, fazendo com que as empresas aprimorem processos, a fim de permanecerem no mercado. Nesse sentido, ignorar as novas tecnologias é andar na contramão da história da evolução econômica. Diante disso, as empresas e a sociedade pagam um preço elevado para atuar e viver em um mundo cada vez mais dependente da tecnologia. Para CRUZ (2000, p.24): “Tecnologia da informação é todo e qualquer dispositivo que tenha capacidade para tratar dado e ou informações, tanto de forma sistêmica como esporádica, quer esteja aplicada no produto, quer esteja aplicada no processo”. Segundo ALECRIM (2004): “Sendo a informação um bem que agrega valor a uma empresa ou a um indivíduo, é necessário fazer uso de recursos da TI de maneira apropriada, ou seja, é preciso utilizar ferramentas, sistemas ou outros meios que façam das informações um diferencial competitivo”. Neste cenário globalizado, onde a concorrência está cada vez mais acirrada, percebe- se que a informação tornou-se o centro das atenções nos mais diversos processos, pois, é através dela, que se conhece os custos de produção, preço de venda, margem de lucro e outros fatores indispensáveis, ao conhecimento da gestão e o bom desempenho dos negócios Para DRUCKER (2001:87) o mundo se encontra na quarta Revolução da Informação, tendo passado pelos seguintes acontecimentos:

Revolução da

Informação

Época

Acontecimento

+/- 4.000 a.C

Invenção da escrita

1.300 a.C

Criação de livros escritos a mão Invenção da impressora com tipos móveis Informações com foco na decisão

1.450

1.950

Revolução

da

Imprensa

Figura 3: As revoluções da Informação Fonte: Adaptado de Drucker (2001:87)

DRUCKER (2001: 81; 92) ainda destaca que “a nova Revolução da Informação não está acontecendo em Tecnologia da Informação (TI), nem em Sistemas de Informações

Gerenciais (SIG), e nem sendo liderada por Diretores de Informações (DIs). Ela é conduzida

por pessoas que a indústria da informação tende a desprezar: os contadores

conduzida não por pessoas da TI, mas por contadores e editores”. Neste contexto pode-se visualizar uma grande responsabilidade caindo sobre os contadores, que deverão estar preocupados não são em fornecer a informação mas também com quem irá recebê-las. Sendo assim verifica-se, que a tecnologia da informação tem um papel de suma importância neste contexto, haja vista, que proporciona exatidão e rapidez nas informações, gerando um diferencial competitivo para a empresa. Nesse sentido MCGEE e PRUSAK (1994, P.3) afirmam: “Numa economia de informação, a concorrência entre as organizações baseia-se em sua capacidade de adquirir, tratar, interpretar e utilizar a informação deforma eficaz. As organizações que liderarem essa competição serão as grandes vencedoras do futuro, enquanto as que não o fizerem serão facilmente vencidas por suas concorrentes”. Para competirem de maneira eficiente as empresas precisam evoluir tecnologicamente, tanto relacionado a questões físicas como intelectuais. Terão que abandonar os modelos de comando e controle desenvolvidos para o processo mecânico e desenvolver um modelo voltado para as organizações digitais. Assim, entende-se que as empresas que não conseguirem administrar o processo de transição para uma economia globalizada e para o uso da tecnologia da informação estarão fadadas ao desaparecimento.

e que ela será

A Influência da TI na Gestão Empresarial

A tecnologia da informação contribui para modificar a cultura e a estrutura das empresas, bem como agregar valor ao produto e de penetrar em novos mercados. A relação entre empresa – fornecedor e empresa – cliente, muito melhorou após o surgimento da tecnologia da informação e sua evolução no que diz respeito à utilização de seus recursos nos processos empresariais. Desta forma a gestão empresarial vem obtendo benefícios principalmente no que tange a informações para a tomada de decisão, com base nos dados acumulados através da contabilidade. Os gestores devem estar atentos com relação aos recursos tecnológicos disponíveis no mercado, os quais poderão auxiliar a sua gestão, otimizando desta forma, o resultado do empreendimento colocado sob a égide de sua administração. Esta atenção também deve estar relacionada com as mudanças na forma de gestão das empresas tradicionais e empresas baseadas na informação.

Empresa Tradicional

Empresa Baseada na Informação

Burocracia Padronização dos produtos e serviços Padronização dos salários Estrutura hierárquica Autoridade Centralização Processo decisório centralizado

Planejamento centralizado Controle centralizado

Consenso Massificação personalizada e qualidade Salários baseados no conhecimento agregado aos negócios Descentralização e diluição da hierarquia gerência participativa e diluição da hierarquia Recursos descentralizados, sinergia, trabalho em equipe Decisões participativas, gerência por processo, gerenciamento por resultados Pensar globalmente e agir localmente Controle descentralizado

Figura 4: Diferença da empresa tradicional para a empresa baseada na informação

Fonte: REZENDE e ABREU (2000, p. 104).

Para que a tecnologia da informação seja utilizada corretamente, e esteja a disposição dos gestores para o auxilio na tomada de decisão a empresas deve estar treinando constantemente o seu pessoal, para dar o apoio necessário. A empresa precisa estar disposta a investir não somente na aquisição de equipamentos, mas também em pessoal qualificado, para que estes possam estar operando da melhor forma possível os recursos disponibilizados a eles pela empresa. Com recursos tecnológicos e pessoal treinado a empresa pode desenvolver um sistema de informações que melhor se adapte as suas necessidades.

Sistemas de informação

Os sistemas de informação são utilizado pelas empresas principalmente para agilizar o processo de tomada de decisão, disponibilizando informações oportunas e em tempo real aos tomadores de decisão. Como os tomadores de decisão estão dispostos nos três níveis de gestão, estratégico, tático e operacional, os encarregados pelo fornecimento das informações deverão fazer um estudo minucioso sobre as necessidades de cada um, verificando, desta forma, o que deverá ser revelado, deixado claro ou trazido a tona para que esta não se torne enviesada, podendo causar prejuízos posteriormente. Para PADOVESE (2000:45), o Sistema de Informações, pode ser conceituado como “um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros agregados segundo uma seqüência lógica para o processamento dos dados e tradução em informações para, com seu produto, permitir às organizações o cumprimento de seus objetivos principais.” Desta forma o sistema de informações é a reunião de vários elementos ou componentes inter-relacionados que coletam, manipulam e armazenam, difundem os dados e informações oportunas e relevantes para determinadas finalidades, e que serão úteis aos gestores da entidade. Para STRASSBURG (2004:61) “os conceitos de sistema de informação estão fundamentados em três elementos básicos e fundamentais para a obtenção do resultado esperado, que são: entrada de dados, o processamento destes dados e a saída dos dados transformados (informação)”. A entrada de dados (input) é responsável pela captação dos dados, que serão transformados em informações. Estes dados podem ser coletados tanto em fontes internas, quanto em fontes externas à entidade, porém sempre se levando em consideração o que deverá sair do sistema. No processamento dos dados (processing) pressupõe a conversão ou a transformação dos dados em informações que sejam úteis para quem as utilizar. O processamento pode envolver cálculos, comparações, tomada de ações alternativas, e a armazenagem de dados e informações para uso futuro. A saída, por sua vez, envolve a produção de informações que possam ser utilizadas pelos gestores, geralmente na forma de documentos, relatórios e dados de transações. São produzidas de formas variadas, segundo as necessidades dos seus usuários. Ao mesmo tempo, as saídas de um sistema podem transformar-se em entrada para outro sistema e até mesmo como entrada para controlar outros sistemas. Assim como os elementos básicos para obtenção do resultado citados, não se pode deixar de destacar a importância da retro-alimentação (feedback) da informação, que constitui uma saída usada para fazer ajustes e modificações nas atividades de entrada e processamento. Por exemplo, erros ou problemas podem fazer com que os dados de entrada sejam corrigidos ou que um processo seja modificado. O feedback também é importante para os tomadores de decisão, no que diz respeito aos seus erros e acertos.

Classificação dos sistemas

Os sistemas podem ser classificados em sistemas abertos e fechados. Um sistema aberto interage com o seu ambiente. Ou seja, há um fluxo de entradas e saídas por todos os limites do sistema. Todas as empresas são sistemas abertos. Matérias- primas entram para o sistema, são processadas e após os bens e os serviços saem para o ambiente, para os clientes e compradores.

Já um sistema fechado é o contrário do aberto. Não há qualquer interação com o

ambiente em um sistema fechado. Os sistemas de informações podem ser classificados, de acordo com FREITAS e

KLADIS apud PEREIRA (1997:241), em: sistemas de informações transacionais ou contábeis, responsáveis pelo processamento de um grande volume de informações para decisões administrativas de rotina; sistemas de informações gerenciais, os quais contêm informações periódicas de planejamento e controle para a tomada de decisão; sistemas de apoio à decisão contêm informações que auxiliam os decisores na geração de alternativas; sistemas especialistas, que assimilam a experiência dos decisores para a resolução de problemas semelhantes no futuro e sistema de apoio ao executivo. Para PADOVESE (1997:36), essa classificação é a seguinte:

Sistemas de informação de apoio às operações Sistemas de informação de apoio à gestão.

O sistema de informação de apoio às operações auxilia todos os departamentos e

atividades a exercerem suas funções operacionais como compra, produção, vendas, dentre outros.

Já o sistema de informação de apoio à gestão ocupasse das informações necessárias à

gestão empresarial, obtidas através dos sistemas de informação de custos, de orçamento, de planejamento de caixa, de planejamento de resultados, centro de custos, do sistema de informação contábil, finanças, de controladoria e outros.

A junção dos dados de todos estes sistemas possibilitará a confecção dos mais diversos

tipos de informação que os seus usuários necessitarão.

A Contabilidade: ciência da informação

A contabilidade é um dos conhecimentos mais antigos e não surgiu em função de

qualquer tipo de legislação fiscal ou societária, nem embasada em princípios filosóficos, ou

em regras estipuladas por terceiros, mas pela necessidade de controle do patrimônio. Muitas tentativas foram feitas ao longo dos séculos para aplicação do controle

patrimonial, até o surgimento do método das partidas dobradas, como frei Luca Paccioli.

O método das partidas dobradas, criado em 1494, com a publicação da obra “Summa

de Arithmetica, Geomeria, Proportioni e Proporcionalita” consiste no princípio que para todo débito em uma conta, existe simultaneamente um crédito, da mesma maneira que a soma do débito será igual à soma do crédito, assim como a soma dos saldos devedores será igual à soma dos saldos credores, e foi um método revolucionário, utilizado até hoje pelos contabilistas. Com a formação de grandes empresas, a contabilidade passou a interessar a grupos cada vez maiores de indivíduos como acionistas, financiadores, banqueiros, fornecedores, órgãos públicos, empregados, ou seja, a sociedade em geral, pois o desempenho das empresas tornou-se assunto de relevante interesse social.

A contabilidade surgiu para responder as dúvidas e atender às necessidades de seus

usuários, adaptando-se a eles. MIRANDA (2006), afirma que a contabilidade formatou-se em

concordância com o ambiente no qual opera, pois como as nações têm histórias, valores e sistemas políticos diferentes, elas também têm padrões diferentes de desenvolvimento financeiro-contábil. Dentre as várias informações, pode-se afirmar que a contabilidade surgiu com o propósito de auxiliar os gestores do patrimônio e foi um grande marco na história da civilização moderna, pois em muito contribuiu e continua contribuindo no intuito de melhorar o controle patrimonial das entidades, como também buscar alternativas para melhor servir os tomadores de decisão da empresa.

O Sistema de informação contábil

O Sistema de Informação Contábil será o encarregado do registro de todas as

ocorrências realizadas pela empresa, organizando-as de acordo com as necessidades dos interessados nas informações elaboradas através dele. Para Padoveze (2004:143) “o Sistema de Informação Contábil ou Sistema de Informação de Controladoria são os meios que o contador geral, o contador gerencial ou o controller utilizarão para efetivar a contabilidade e a

informação contábil dentro da organização, para que a contabilidade seja utilizada em toda a sua plenitude”. Isto tudo deverá ser realizado dentro do enfoque sistêmico, visualizado a empresa de cima para incluir tudo o que interfere no negócio da empresa e vice versa, tudo aquilo que a empresa influencia para aqueles que têm alguma ligação direta ou indireta com ela. Esta organização, através do sistema, tem objetivos a serem alcançados, conforme RICCIO apud Padoveze (2004:146) descreve que “Assim, com base nas diversas proposições examinadas, podemos resumir os objetivos de um Sistema de Informação Contábil como sendo: 1- Prover informações monetárias e não monetárias, destinadas às atividades e decisões dos níveis Operacional, Tático e Estratégico da empresa, e também para usuários externos à ela. 2- Constituir-se na peça fundamental do Sistema de informação Gerencial da Empresa.”

E assim tentando se inserir na nova revolução da informação, destacada por

DRUCKER (2001) que está colocando em evidência a informação fornecida, principalmente pela contabilidade e a necessidade que os interessados no negócio da empresa possuem. Informações impressas muitas vezes não são úteis, mas sim impressos com informações que os usuários necessitam, estas farão diferença. DRUCKER (2001:92) destaca que “o mercado para informações existe, mas está desorganizado, bem como o suprimento. Nos próximos anos – certamente não mais que uma ou duas décadas – os dois (impresso e informação) irão convergir. E esta será a verdadeira nova revolução da informação”. Esta convergência é algo que não será fácil de acontecer, pois estes novos conceitos

terão que ser aprendidos e assimilados por todos, para então surtir resultados. Neste sentido DRUCKER (2001:92), destaca que “organizações e indivíduos terão que aprender de que informações necessitam e como obtê-las. Eles terão de aprender a organizar as informações como seu recurso-chave.” Neste sentido não só as empresas e indivíduos terão que aprender sobre informações, mas também os profissionais da contabilidade e ainda mais terão que se preocupar com quais informações que os seus usuários necessitam em seu processo decisório. Com relação a conceitos teóricos o objetivo da contabilidade é fornecer informações que tenham utilidade ao ser utilizado por alguém, ou seja, aquilo que o usuário considera como elementos importantes para seu processo decisório.

Os usuários do sistema de informação contábil podem ser internos e externos, sendo

que ambos necessitam de informações distintas e que a ênfase deve ser dada aos usuários internos, pois são eles que irão traçar o rumo do empreendimento, com base nas informações

fornecidas. Neste sentido os gestores são os principais usuários das informações contábeis e para tanto os contadores deverão buscar um estreitamento maior com os gestores a fim de conhecer os processos decisórios de cada um para conseguir atende-los da melhor forma possível.

CONCLUSÃO

A contabilidade tem a função de registrar, armazenar e transformar os dados referentes às transações efetuadas pelas empresas no seu dia a dia, e isto possibilita à obtenção de um histórico de tudo aquilo que aconteceu durante períodos passados. Mas os dados do passado poderão ser utilizados para projeções e previsões do que poderá ocorrer no futuro. E ela também pode fornecer informações sobre o presente, sobre os acontecimentos daquele dia e daquele momento. Sendo assim, através deste trabalho ficou evidenciada a importância dos sistemas contábeis no processo de tomada de decisão, pois através da contabilidade pode-se identificar informações que auxiliam os gestores na condução dos negócios da empresa. Verificou-se também que todos necessitam de aprendizado constante, principalmente com relação a que tipo de informação cada indivíduo necessita, onde buscá-la (usuários) e de que forma fornecê-la (contadores). Por fim, a Contabilidade e os Sistemas de Informações são ferramentas que juntas, colaboram para a geração de informações que auxiliam no processo da gestão empresarial. Através da parametrização do Sistema de Informação, a Contabilidade fornece as informações conforme a necessidade dos gestores, nos mais diversos níveis da administração, com isso, cada departamento, setor, ou célula empresarial, por meio dos usuários das informações contábeis, podem melhorar o processo de tomada de decisão, uma vez que as informações correspondem mais fidedignamente com a realidade da entidade. E uma das questões mais importantes que o Sistema de Informação Contábil servirá como base de dados para o Sistema de Informações Gerencial, possibilitando, desta forma que a contabilidade possa estar repassando a seus usuários impressos com informações que realmente sejam úteis para a tomada de decisão.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALECRIM, Emerson. O que é Tecnologia da Informação (TI). Artigo encontrado na WEB em http://infowester.com/co1150804.php. em 20/10/2006. CRUZ, Tadeu. Sistemas de informações gerenciais – tecnologia da informação e a empresa do século XXI. 2ª ed., São Paulo: Atlas, 2000.

DRUCKER, Peter, Desafios Gerenciais para o século XXI, São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001. FRANCO, Hilário. Contabilidade Geral. 23ª ed. São Paulo: Atlas, 1999. FREITAS, Henrique, KLADIS, C. M. Workflow: Ferramenta de suporte a compreensão da organização para tomada de decisão. Decidir, p. 22-26. 1996. IUDÍCIBUS, Sérgio de, et.al. Manual de contabilidade das sociedades por ações:

aplicável às demais sociedades. 5.º ed. São Paulo: Atlas, 2000.

; MARION, José Carlos. Introdução à teoria da contabilidade para o nível de

graduação. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2002. MCGEE, J. e PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competitividade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. 5ª ed. Tradução de Astrid Beatriz de Figueiredo. Rio de Janeiro:

Campus, 1994.

MIRANDA, Daniela. Conceitos e Tipos de Contabilidade, encontrado na WEB em http://pessoal.sercomtel.com.br/carneiro/contI, em 20/10/2006. PADOVESE, Clóvis Luis. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. São Paulo: Atlas, 1997. Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 4ª ed. São Paulo:

Atlas, 2004.

Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 2ª ed. São Paulo:

Atlas, 2000. PEREIRA, Maria José Lara de Bretãs. Faces da decisão: as mudanças de paradigmas e o poder da decisão. São Paulo: Makron Books, 1997. SILVA, Almir Teles da. ROSA, Paulo Moreira da. A tecnologia da informação no ambiente organizacional. Revista Enfoque – Universidade Estadual de Maringá. Vol. 22. nº 02 – Julho a Dezembro/03. Maringá. 2003. STRASSBURG, Udo. A contabilidade frente aos avanços tecnológicos. Cascavel:

EDUNIOESTE, 2004.