AVALIAÇÕES AMBIENTAIS

Módulo Agentes Físicos

Luttgardes

Em Higiene Ocupacional é fácil obter números.

Difícil é interpretá-los.

Luttgardes

Quem exige medições com instrumentos?

Ministério do Trabalho e Emprego Ministério da Previdência Social Ministério da Saúde Conselho Nacional do Meio Ambiente Associação Brasileira de Normas Técnicas Governos Estaduais Prefeituras Municipais

• Preparação • Aferição • Colocação • Acionamento • Acompanhamento • Leitura • Interpretação

RUÍDO .

NR 15 Anexo 1. para fins de aplicação de Limites de Tolerância. Item 1 .Ruído Contínuo ou Intermitente Entende-se por ruído contínuo ou intermitente. o ruído que não seja de impacto.

.RUÍDO CONTÍNUO Ruído cujo Nível de Pressão Sonora varia numa faixa de + 3 dB(A) durante longos períodos de observação.

.RUÍDO INTERMITENTE Ruído cujo Nível de Pressão Sonora possui uma variação > 3 dB(A).

a intervalos superiores a 1 (um) segundo. Item 1 . NR 15 Anexo 2.Ruído de Impacto Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 (um) segundo.

85 dB(A) • MTE .85 dB(A) .90 dB(A) • NIOSH .85 dB(A) • ACGIH .LIMITES DE TOLERÂNCIA • OSHA .85 dB(A) • MPS .

TEMOS: ◙ Três tipos de ruído ◙ Avaliados com o mesmo instrumento ◙ Com escalas de ponderação diferentes .

Contínuo e Intermitente Lenta A .

Impacto Rápida C .

1 dB é a menor variação que o ouvido humano pode perceber .

Decibel Não é uma unidade É uma escala logarítmica .

Porque dB(A) e dB(C)? .

Ruído Faixa audível 20 Hz a 20 KHz .

O ouvido humano não responde linearmente às diversas freqüências .

LIMIAR DA AUDIÇÃO .

Para compensar essa falta de linearidade Filtros eletrônicos ou Curvas de Ponderação A. B e C .

C e D ? .O que são as curvas A. B.

Gerges . Samir N. Y.Circuitos eletrônicos de sensibilidade variável com a freqüência. de forma a modelar o comportamento do ouvido humano.

.

CURVA “B” NB 95 – 1966 Era usada como parâmetro para se avaliar conforto acústico. .

CURVA “D” Padronizada para medições de ruído transiente em aeroportos. quando da passagem de um avião. ( NES .Nível de exposição sonora ou Leq normalizado) .

Ruído Contínuo ou Intermitente • Circuito de compensação “A” • Circuito de resposta lenta (SLOW) .

quando adicionado a um determinado nível. implica a duplicação da dose de exposição ou a redução para a metade do tempo máximo permitido.Item 4. NHO 01 . ER ou “q” É o incremento em decibéis que. IDD.1 .FDD.

DOSIMETRIA IMPORTANTE SABER .

• Quantos tipos de instrumentos de medição de ruído existem? .

Tipo O Tipo 1 Tipo 2 .

Uso geral Normas .De precisão Tipo 2 .4 e IEC 60651 Tipo 0 .INSTRUMENTOS ANSI S 1.Laboratórios Tipo 1 .

651 International Electrotechnical Commission .IEC 60.

1 da NHO 01 .2.1.25 – 1991 • Devem ter classificação mínima do Tipo 2 Item 6.Dosímetros • Devem atender às especificações da Norma ANSI S 1.

40 .4 da NHO 01 .1988 Item 6.Calibradores acústicos Devem atender às especificações constantes das Normas ANSI S 1.1.2.1984 ou IEC 60942 .

Calibração .

Certificado de Calibração deve ser renovado no mínimo a cada dois anos NBR 10151 / 2000 .

Porque os certificados ou etiquetas de calibração não mencionam mais o prazo de validade? .

NBR ISO / IEC 17025

ISO / IEC 17025
Norma segundo a qual os Laboratórios de Calibração da RBC são acreditados pelo INMETRO.

ISO / IEC 17025
O Certificado de Calibração ou a etiqueta de calibração não deve conter qualquer recomendação sobre o intervalo de calibração, exceto se acordado com o cliente.

NBR 10012-1

Para a determinação do intervalo de calibração, devem ser considerados:

NBR 10012-1
• O tipo de equipamento
• As recomendações do fabricante
• Dados de tendência seguidos pelos registros de calibração anteriores

.NBR 10012-1 • Extensão e severidade de uso • Tendência a desgastes • Condições ambientais.

imediatamente antes e após cada medição. .NBR 10151 O ajuste do medidor de nível de pressão sonora deve ser realizado pelo operador do equipamento. com o calibrador acústico.

Calibrador precisa ser calibrado? .

Norma NM .3 – Aparelhagem As seguintes informações devem ser registradas: c) a data e o local de calibragem do calibrador acústico .ISO 6396 10.

Qual a diferença entre calibração e aferição? .

Norma ISO 10012-1 Requisitos de garantia da qualidade para equipamentos de medição .

alguma calibração necessária e subseqüente reaferição.Comprovação metrológica Inclui aferição. bem como alguma lacração e etiquetagem necessária. .

Operação que tem por objetivo levar o instrumento de medição a uma condição de desempenho e ausência de erros sistemáticos. adequados ao seu uso. .

Conjunto de operações que estabelece a relação dos valores indicados por um instrumento com os valores correspondentes de uma grandeza determinada por um padrão de referência. ISO 10012-1 .

O calibrador deve ser da mesma marca do medidor? .

2. diretamente ou por meio do uso de adaptador.4 da NHO 01 . preferencialmente.O calibrador.1. Item 6. deve ser da mesma marca do medidor e obrigatoriamente. permitir o adequado acoplamento entre o microfone e o calibrador.

Quem pode fazer calibração e emitir certificados? .

Item 6.Os medidores e os calibradores deverão ser periodicamente aferidos e certificados pelo fabricante.3 da NHO 01 . assistência técnica autorizada ou laboratórios credenciados para esta finalidade.2.

Item 4.O medidor de nível de pressão sonora e o calibrador devem ter certificado de calibração da Rede Brasileira de Calibração (RBC) ou do Instituto Nacional de Metrologia.3 da NBR 10151 . Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO).

Prova O relatório de avaliação de ruído deve conter a data e o número do último certificado de calibração de cada equipamento de medição utilizado. Item 7.Certificado . alínea “b” da NBR 10151 .

INTERPRETAÇÃO DAS LEITURAS Medidor de Nível de Pressão Sonora .

consideramos a média aritmética.  Se a oscilação for em torno de + 1 dB.Interpretação das leituras Se o nível oscila entre 2 pontos definidos. consideramos o maior valor.  .

Interpretação das leituras  Se a oscilação for irregular.. .. aleatória e grande.

Interpretação das leituras Procedimento: Faça uma leitura a cada 5 segundos.  .

LEITURAS Serão realizadas pelo menos 3 leituras e considerado como resultado o valor da média dessas leituras. .

em dB. ocorrida durante as mesmas.LEITURAS O número de leituras para cada determinação de situação acústica será superior à faixa de variação. .

2 dB ( A ) .Exemplo no 1 N1 = 82 dB ( A ) N3 = 85 dB ( A ) N2 = 84 dB ( A ) N4 = 82 dB ( A ) Número de leituras = 4 Faixa de variação = 3 OK NPS = 83.

Exemplo N1 = 82 dB ( A ) N3 = 87 dB ( A ) o2 n N2 = 84 dB ( A ) N4 = 90 dB ( A ) Número de leituras = 4 Faixa de variação = 8 Não OK DEVEM SER FEITAS + 5 LEITURAS .

.Instrumento capaz de integrar diferentes níveis de pressão sonora em um determinado tempo pré-estabelecido.

não fixados no trabalhador.1 da NHO-01 . entre outras.Condução de empilhadeiras. ou que envolvam movimentação constante do trabalhador. atividades de manutenção. Item 5. não deverão ser avaliadas por medidores de leitura instantânea.

Ruído de diferentes níveis ou Ruído de níveis variados de decibéis ↓ DOSIMETRIA .

DOSIMETRIA Verificar sempre a programação do instrumento .

ER ou q 5 dB (A) . IDD.Critério de Referência 85 dB (A) Nível Limiar de Integração 80 dB (A) FDD.

.

Ruído Dose > 100% Limite de Tolerância ultrapassado .

Relaçăo entre Ruído Médio e Dose 75 dB ( A ) 80 dB ( A ) 85 dB ( A ) 90 dB ( A ) 95 dB ( A ) 100 dB ( A ) 105 dB ( A ) 25 % 50 % 100 % 200 % 400 % 800 % 1600 % .

Dosimetria de Ruído Exposições a níveis inferiores a 80 dB(A) não serão considerados no cálculo da dose.1.1.2 da NHO 01 . Item 5.

Item 6. preso na vestimenta.Dosimetria O microfone deve ser posicionado sobre o ombro. dentro da zona auditiva do trabalhador.3 da NHO 01 .

.

Peça sensível e cara. .Cuidado com o Microfone Evite danos ou batidas no microfone.

.Para novas amostragens desligue o dosímetro e espere pelo menos 5 segundos antes de ligá-lo novamente.

O que significa esse símbolo? .

Precisamos acompanhar dosimetrias? .

Dosimetria A movimentação do trabalhador durante as suas funções deve ser acompanhada.4.2 alínea “e” da NHO 01 da Fundacentro ) . ( Item 6.

.DOSIMETRIA Invalidação das medições • Se a calibração final variar + 1 dB em relação à calibração prévia. • Se a voltagem das baterias tiver caído abaixo do valor mínimo.

O que é Nível de Ação? .

Agentes Químicos Limite de Tolerância Nível de Ação = LT 2 .

Agentes Físicos Só para Ruído Limite de Tolerância Nível de Ação = LT 2 .

Qual é o Nível de Ação para exposição de 8 horas a ruído contínuo ? .

80 dB(A) .

Ruído Limite de Tolerância = Dose Nível de Ação = Dose = 100% = 50% 2 2 .

Nível de Ação É um conceito estatístico desenvolvido pelo NIOSH .

.Nível de Ação Se o Nível de Ação foi excedido em um dia típico. existe uma probabilidade maior que 5% Exposição de que o Limite de venha a ser excedido em outros dias de trabalho.

existe uma probabilidade maior de que o Limite de venha a ser respeitado nos outros dias de trabalho.Nível de Ação Se o Nível de Ação foi respeitado que 95% Exposição em um dia típico.NÍVEL DE CONFIANÇA ESTATÍSTICO DE 95% - . .

Dia Típico Dia em que as condições operacionais e ambientais são consideradas habituais e médias históricas em torno de de observação. .

Aumento do ritmo de trabalho .Paradas .Desligamento de sistemas de ventilação .Fatores de Exposição Atípica .Aumento ou queda de produção .Emergências .Obras civis .

A dosimetria deve ser interrompida na hora do almoço ou não?

Regime de turnos
O dosímetro permanece com o trabalhador, mesmo que ele pare para almoçar. (3 turnos de 8 horas)

1 hora de almoço
Se o almoço for descontado legalmente, a dosimetria deve ser interrompida. (8 horas de trabalho + 1 hora de refeição)

N.E. NÍVEL DE EXPOSIÇÃO

NEN NÍVEL DE EXPOSIÇÃO NORMATIZADO
NHO 01 - FUNDACENTRO

Ruído de diferentes níveis Limites de Tolerância
• MTE - Dose máxima 100% ou 1

• MPS - Nível de Exposição Normalizado (NEN) máximo 85 dB (A)

Ruído de diferentes níveis Agora o seu LTCAT ou PPRA precisa mencionar o NEN .

0.Decreto no 4.048 de 1999 passa a vigorar com a seguinte alteração: .11.1 do Anexo 4 do Decreto n 3.03 O item 2.882 de 18.

. a) exposição a Níveis de Exposição Normalizados (NEN) superiores a 85 dB(A).........882 de 18.... ....03 2......0.Decreto no 4..11.......1 ...

Ruído de diferentes níveis Para se obter o NEN precisamos calcular o NE .

Ruído de diferentes níveis NEN > 85 dB(A) .

Ruído de diferentes níveis • Dose diária: > 100% ou 1 • Nível: NEN > 85 dB(A) .

NE .Nível de Exposição Nível médio representativo da exposição ocupacional diária Item 4 da NHO 01 da Fundacentro .

NEN .Nível de Exposição Normalizado Nível de exposição. Item 4 da NHO 01 da Fundacentro . convertido para uma jornada padrão de 8 horas diárias. para fins de comparação com o limite de exposição.

Dosímetro mede a Dose de Ruído e Você calcula o NEN .

Ou melhor: Alguns dosímetros medem o NEN .

independentemente do tempo de avaliação. .NEN Dosímetros modernos mostram esse valor automaticamente.

NE .1 da NHO 01 da Fundacentro .Nível de Exposição NE = 10 x log 480 x D + 85 TE 100 Item 4.

Leq .Nível Equivalente Leq = 85 +10 x log 480 x D_ TE 100 .

Conclusão

NE = Leq

NEN - Nível de Exposição Normalizado
NEN = NE + 10 x log TE 480
Item 4.1 da NHO 01 da Fundacentro

TWA - Time Weighted Average
TWA = Leq + 10 x log TE 480

TWA - Time Weighted Average
TWA = 10 x log 480 x Dose + 85 TE 100 + 10 x log TE 480

TWA - Time Weighted Average

TWA = 85 + 10 x log Dose 100

Conclusão NEN = TWA .

Repetindo: NE = Leq NEN = TWA .

8 h ou 12 h: O NEN (TWA) será sempre ajustado para um padrão de 8 h. 4 h.Tanto faz medir 1 h. .

Cuidado com medições de duração inferior ao período real de exposição .

No cálculo do TWA. . O tempo que faltar para completar 8 horas de leitura. diluindo o resultado.. será computado como exposição abaixo do limite de exposição (Nula)..

3 exemplos . jornada 12 h.Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Para uma mesma dose obrigatoriamente cobrir de 110%. 4 . obtida em toda ah. 8 h e de trabalho.

41 85.41 88.42 85. de NEN 85.42 85.41 jornada85.41 83.Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Tempo 4 horas 8 horas 12 horas obrigatoriamente cobrir NE 88.41 85.65 .41 DOSE 110% 110% 110% TWA Leq 85.41 83.3 exemplos .41trabalho.65 toda a85.

41 83.42 85.Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Tempo 4 horas 8 horas 12 horas obrigatoriamente cobrir NE 88. de NEN 85.42 85.65 toda a85.3 exemplos .41 85.41 DOSE 110% 110% 110% TWA Leq 85.41 jornada85.65 .41 85.41 88.41 83.41trabalho.

65 .41 85.3 exemplos .41 83.41 jornada85.41 88.41 83.41trabalho.65 toda a85.41 85.41 DOSE 110% 110% 110% TWA Leq 85.42 85.Cálculo do NEN Dosimetrias deverão Tempo 4 horas 8 horas 12 horas obrigatoriamente cobrir NE 88.42 85. de NEN 85.

Comparando-se os resultados: Tempo de exposição = 8 horas < 8 horas Resultados obtidos NE (Leq) = NEN (TWA) NE (Leq) > NEN (TWA) > 8 horas NE (Leq) < NEN (TWA) .

Comparando-se os resultados: Tempo de exposição TODOS SÃO IGUAIS Resultados obtidos = 8 horas < 8 horas NE (Leq) = NEN (TWA) NE = NEN = LEQ = TWA NE (Leq) > NEN (TWA) > 8 horas NE (Leq) < NEN (TWA) .

65 .41 DOSE 110% 110% 110% TWA Leq 85.41 83.42 85.41 83.65 toda a85. de NEN 85.Cálculo do NEN IGUAIS Dosimetrias deverão Tempo 4 horas 8 horas 12 horas obrigatoriamente cobrir NE 88.41 88.41 85.42 85.41 85.3 exemplos .41trabalho.41 jornada85.

.Conselho Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho.

Leq e toda a jornada de trabalho. serão iguais porque todos usam q = 3.Lembre-se: Com 8 horas de avaliação Dosimetrias deverão todos os valores de obrigatoriamenteTWA cobrir NE. NEN. .

ATENÇÃO: ODosimetrias deverão resultado do Lavg será diferente. obrigatoriamente cobrir toda a jornada de trabalho. Porque? .

toda a jornada de . trabalho.ATENÇÃO: Dosimetrias deverão Porque o Lavg cobrir obrigatoriamente usa q = 5.

situar acima de 85 dB (A) aplicando: .Instrução Normativa no 118 Art. 180 Dosimetrias deverão A exposição ocupacional a ruído obrigatoriamente cobrir dará ensejo à aposentadoria especial quando o NEN se toda a jornada de trabalho.

Dosimetrias deverão a) Os limites de tolerância obrigatoriamente cobrir definidos no Quadro Anexo I toda a jornadado MTE. de trabalho. da NR-15 .Instrução Normativa no 118 Art. 180.

toda a jornada de trabalho. . com as fórmulas ajustadas para incremento de duplicidade da dose igual a cinco.Instrução Normativa no 118 Art. 180 Dosimetrias deverão b) as metodologias e os procedimentos definidos obrigatoriamente cobrir na NHO-01 da FUNDACENTRO.

O INSS deveria admitir: Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir toda a jornada deq=5 NEN com trabalho. Lavg .

Como saber o meu nível médio ( Lavg ) quando o dosímetro só me fornece Dose (%) ? .

16 x Dose % T horas decimais .61 log 0.Cálculo do Nível Médio L avg 80 + 16.

61 log 0.16 x Dose % T horas decimais .Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.

Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.16 x 400 % T horas decimais .61 log 0.

Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.61 log 64 4 T horas decimais .

Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.61 log 64 8 4 .

Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.61 log 8 4 .

903 4 .61 x 0.Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 16.

0003 4 .Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 80 + 15.

0003 4 .Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 95.

0003 = 95 dB(A) 4 .Calcular o Lavg do exemplo anterior Dose = 400% 95.

Com um Medidor de NPS obtivemos: .

Com um Medidor de NPS obtivemos: • Nível médio de ruído • Dose da exposição diária • E o histograma? .

Histograma Representação gráfica de uma distribuição de freqüência em que as freqüências de classes são representadas pelas áreas de retângulos contíguos e verticais. com as bases colineares e proporcionais aos intervalos das classes. .

dB(A) 105 Histograma 95 90 85 2h 1h 2h 3h Tempo .

odeverão que Dosimetrias obrigatoriamente cobrir devemos usar? toda a jornada de trabalho.Então. .

Deveremos usar: Dosimetrias deverão obrigatoriamente cobrir ou toda a jornada de trabalho. .

EPI / EPC .

NR-06 .

4 .Item 15. NR 15 .A eliminação ou neutralização da insalubridade determinará a cessação do pagamento do adicional respectivo.

. Com a adoção de medida de ordem geral que conserve o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância.A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer: 1.

2.A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer: 1. . Com a adoção de medida de ordem geral que conserve o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância. Com a utilização de equipamentos de proteção individual.

.

. a intervalos superiores a 1 s.RUÍDO DE IMPACTO Ruído que apresenta picos de energia acústica de duração inferior a 1 s.

IDEAL: Circuito linear e resposta para impacto OPCIONAL: Circuito de resposta rápida (FAST) e circuito de compensação “C” .

LIMITE DE TOLERÂNCIA: .

RISCO GRAVE E IMINENTE: .

Fundacentro Novo método “fácil” para identificar se um ruído é de impacto .

o ruído deverá ser considerado como contínuo ou intermitente.Número de impactos Quando o número de impactos ou de impulsos diário exceder a 10. .000.

CALOR .

Calor Dúvidas de alguns profissionais .

Calor • Qual é o tempo correto de estabilização de termômetros? .

Calor • Devemos avaliar calor por quanto tempo? .

Calor • Qual período do dia devemos avaliar calor ? .

Calor • Os termômetros devem ser de mercúrio? .

Calor • O globo de 2 polegadas pode ser utilizado? .

Calor • Qual é a diferença entre a TG obtida com um termômetro de 2 e de 6 polegadas? .

Calor • Qual é o outro índice de avaliação de calor da NR 15. sem ser o IBUTG? .

Calor • O tipo de roupa influencia? .

09.Calor MTE A caracterização da insalubridade por calor deve ser restrita aos ambientes de trabalho com fontes artificiais de calor e não devido à exposição ao calor proveniente do sol. Portaria MTPS no 491. de 10.65 .

.Calor MTE Considera o trabalho exercido em ambientes externos com carga solar.

.Calor MPS Não considera o trabalho exercido em ambientes externos com carga solar.

INSS Calor Operações em locais com temperatura excessivamente alta em relação ao meio ambiente local e proveniente de fonte não natural. . acima dos LT legalmente estabelecidos.

INSS Calor Operações em locais com temperatura excessivamente alta em relação ao meio ambiente local e proveniente de fonte não natural. . acima dos LT legalmente estabelecidos.

Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego. CERTO? . os termômetros precisam ser de mercúrio.

NR 15 .Anexo no 3 Item 2 Os aparelhos que devem ser utilizados nessa avaliação são: • termômetro de bulbo úmido natural • termômetro de globo • termômetro de mercúrio comum. .

2.1.1 da NHO 06 .Especificação mínima dos termômetros Item 5.

.2º C. + 10 com subdivisões de 0.Termômetro de globo Termômetro com escala mínima de º C a + 120º C.

.Termômetro de bulbo úmido natural Termômetro com escala mínima de º C a + 50º C.2º C. + 10 com subdivisões de 0.

+ 10 com subdivisões de 0. .2º C.Termômetro de bulbo seco Termômetro com escala mínima de º C a + 100º C.

Termômetros Qual a maior temperatura de operação de termômetros? .

Termômetros digitais o 65 C .

Termômetros de mercúrio o 150 C .

Em áreas muito quentes. os recipientes plásticos dos termômetros de bulbo úmido podem se danificar. .

.Dependendo do tipo de atividade executada pode ser necessária a utilização de termômetros de mercúrio.

. através de conjunto convencional de termômetros de mercúrio. porém obrigatoriamente através do uso. do termômetro de bulbo seco de mercúrio comum. no mínimo. preferencialmente.Calor A avaliação da exposição ao calor em ambientes externos com carga solar deve ser realizada.

As medições de calor devem ser feitas à que altura? .

Anexo no 3 Item 3 As medições devem ser efetuadas no local onde permanece o trabalhador. à altura da região do corpo mais atingida.NR 15 . .

E quando não for possível determinar a altura do corpo mais atingida? .

Yaglow e Mainard
Quando não for possível determinar a altura do corpo mais atingida, os termômetros devem ser colocados à 1,20 m do solo.

Estabilização
Qual é o tempo mínimo de estabilização dos termômetros?

Estabilização
Tempo mínimo: 25 minutos
Item 5.3.3 da NHO - 06

Termômetros digitais

A estabilização dos termômetros deve ser realizada com o equipamento desligado.
(para evitar o desgaste desnecessário da bateria)

Termômetros
Qual a periodicidade da calibração?

1.3.Os termômetros dos conjuntos convencionais devem estar inseridos em um programa de calibração periódica. Item 5.”a” da NHO 06 .

1. Item 5.Os termômetros dos equipamentos eletrônicos devem ser calibrados de acordo com as instruções do fabricante.”b” da NHO 06 .3.

.

.É um processo de conhecimento da exposição que se inicia com uma adequada abordagem do ambiente.

.A avaliação da exposição ao calor deve ser feita através da análise da exposição de cada trabalhador. cobrindose todo o seu ciclo de trabalho.

.Deve ser medido o tempo de permanência do trabalhador em cada situação térmica que compõem o ciclo de trabalho.

.Esse tempo é determinado através da média aritmética de no mínimo três cronometragens.

1o) Deve ser determinado o IBUTG para cada .

2o) Deve ser determinado as Taxas de Metabolismo de todas as .

 .Tendo:  IBUTG de todas as situações térmicas e METABOLISMO de todas as atividades físicas exercidas pelo trabalhador...

Determinaremos IBUTG e M dentro de um período de 60 minutos .

As medições devem ser realizadas no período de 60 minutos mais desfavorável da jornada de trabalho .

Determinar IBUTG e M representativos da real exposição do trabalhador .

..IBUTG = IBUTG1 x t1 + IBUTG2 x t2 + ... + IBUTGn x tn 60 M = M1 x t1 + M2 x t2 + M3 xt3 + . + Mn x tn 60 .....

. em que se permanece no local de descanso (Td) devem ser igual a 60 minutos corridos e devem ser tomados no período mais desfavorável do ciclo de trabalho. em minutos. Item 2 A soma dos tempos.NR 15 Anexo no 3 Quadro no 2. em que se permanece no local de trabalho (Tt) + a soma dos tempos. em minutos.

Como determinar esse período? .As medições devem ser realizadas no período de 60 minutos mais desfavorável da jornada de trabalho.

NHO 06 situação térmica e atividade física .

Período mais desfavorável Situação térmica + elevada e Atividade física + intensa .

Nova NHO 06 Não se destina a caracterização de conforto térmico .

NOVA NHO 06 Permite a utilização de equipamento eletrônico para determinação do IBUTG .

2. Item 5.3 alínea “a” .NOVA NHO 06 Como acessório para a montagem e posicionamento dos termômetros deve ser utilizado um tripé pintado em preto fosco.

2. Item 5.3 alínea “a” .NOVA NHO 06 Como acessório para a montagem e posicionamento dos termômetros deve ser utilizado um tripé pintado em preto fosco.

3. por meio do uso de cabo de extensão. Item 5. utilizar avaliação remota.1 alínea “c” . para permitir a leitura à distância.NOVA NHO 06 Se necessário.

NOVA NHO 06 Não permite o uso de termômetro com globo de 2 polegadas .

a influência do calor radiante será menor.Technical Review Bjarne W. O IBUTG pode ser subestimado.Globo de 2 polegadas Para um globo de diâmetro menor. Heat Stress . Olesen (PHD) Dinamarca .

Globo de 2 polegadas IBUTG subestimado em quanto? .

. .Em caso de Calor radiante alto e Velocidade do ar alta..

A diferença pode ultrapassar 8º C na leitura da TG. (a menor) Bjarne W. Olesen (PHD) Dinamarca .

A leitura da TG influencia o IBUTG com quantos %? .

1 tbs + 0.3 tg IBUTG = 0.IBUTG IBUTG = 0.2 tg .7 tbn + 0.7 tbn + 0.

3 tg IBUTG = 0.1 tbs + 0.IBUTG IBUTG = 0.7 tbn + 0.7 tbn + 0.2 tg .

TG 30 ou 20 % .

TG 30 ou 20 % Erro no IBUTG: de 1.6 a 2. Olesen (PHD) Dinamarca .4 Bjarne W.

Mario Fantazzini e Anis Saliba Filho . a leitura deve ser refeita com conjunto convencional de termômetros.Alerta Se o resultado da avaliação de calor ficar próximo do LT e houver alto calor radiante e alta velocidade do ar.

.

Após a estabilização você faz quantas leituras? .

NHO 06 Após a estabilização de 25 minutos. iniciar as leituras e repetí-las a cada minuto. . na situação térmica que está sendo avaliada.

ou tantas quantas forem necessárias.2o C. até que a variação entre elas esteja dentro de um intervalo de + 0. Os valores corresponderão à média das leituras.Deverão ser feitas no mínimo 3 leituras. .

Como obter leituras de temperatura quando o tempo de exposição for inferior ao tempo de estabilização? .

3.3 .NHO 06 .Item 5.

poderão ser avaliadas por meio de simulação. . inferiores ao tempo de estabilização.As condições térmicas de curta duração.

Forno cuja porta fica aberta apenas 5 minutos a cada hora .

Maçarico acionado apenas 10 minutos por hora .

.

Manter a porta do forno aberta e o maçarico acionado por 30 minutos .

3 .NHO 06 Nas situações em que a simulação não for viável por motivos de ordem operacional. Item 5.Medições .3. a avaliação da exposição ocupacional ao calor fica prejudicada.

.

Anexo no 9 As atividades ou operações executadas no interior de câmaras frigoríficas ou em locais que apresentem condições similares.FRIO CLT .NR 15 .Cap V . sem a proteção adequada. serão consideradas insalubres em decorrência de laudo de inspeção realizada no local de trabalho. que exponham os trabalhadores ao frio.Título II . .

FRIO Os Limites de Tolerância O que não está na NR 15 O que diz a ACGIH O que diz a CLT .

CLT . depois de uma hora e quarenta minutos de trabalho contínuo. será assegurado um período de vinte minutos de repouso.Seção VII do Título III Artigo 253 Para os empregados que trabalham no interior de câmaras frigoríficas e para os que movimentam mercadorias do ambiente quente ou normal para o frio e vice-versa. computado esse intervalo como de trabalho efetivo. .