You are on page 1of 9

Prevençao da Tuberculose

Dr. Paulo Gurgel


BCG
Bacilo de Calmette e Guérin

• Proveniente de uma estirpe de M. bovis


atenuada por 231 repicagens
• Utilizada pela primeira vez em 1921, na
França
• Versão intradérmica a partir de 1973, no
Brasil
• Grau de eficácia: 0 a 80% por 10 anos
• Papel protetor nas formas graves da primo-
infecção tuberculosa
BCG
Indicações

É indicada para crianças da faixa


etária de 0 a 4 anos, sendo obrigatória
para as crianças menores de um ano
(*). Os recém-nascidos e crianças soro-
positivas para HIV ou filhos de mães
com AIDS, desde que não apresentem
os sintomas da doença, deverão ser
vacinados.

(*) Portaria 452, de 06/12/76, do Ministério da Saúde


BCG
Indicações

Recomenda-se a revacinação das


crianças com idade de 10 anos,
podendo esta dose ser antecipada para
os 6 anos de idade, independente de
ter ou não cicatriz vacinal. (suprimida)
Os trabalhadores de saúde, não
reatores à prova tuberculínica, que
atendem habitualmente tuberculose e
AIDS, deverão também ser vacinados
com BCG.
Quimioprofilaxia

A quimioprofilaxia da tuberculose
consiste na administração de Isoniazida
em pessoas infectadas pelo bacilo
(quimioprofilaxia secundária) ou não
(quimioprofilaxia primária) na dosagem
de 10mg/Kg/dia (até 300mg), diaria-
mente, por um período de 6 meses.
Diagnóstico & Tratamento

• Sintomáticos respiratórios
• Comunicantes
• Suspeitos radiológicos
• Pertencentes a grupos de risco
Diagnóstico & Tratamento

O tratamento dos
bacilíferos é a atividade
prioritária de controle da
tuberculose, uma vez que
permite anular rapidamente
as maiores fontes de
infecção. Poucos dias após
o início da quimioterapia
correta, os bacilos da
tuberculose praticamente
perdem seu poder
infectante. Assim, os
doentes “pulmonares
positivos” não precisam
nem devem ser segregados
do convívio familiar e da
Educação em Saúde

Além das medidas já descritas, é


necessário esclarecer à comunidade
quanto aos aspectos importantes da
doença, sua transmissão, prevenção e
tratamento. O desconhecimento leva à
discriminação do doente no âmbito
familiar e profissional.
GRATO PELA ATENÇÃO

Dr. Paulo Gurgel Carlos da Silva


pgcs@ig.com.br