Escola E.

B 2,3/S de Celorico de Basto Área de Projecto 6ºC Animais em vias de extinção

Elaborado por: Alexandra nº2 Filipa nº3 Barbara nº8 Alberto nº11 Fernando nº14 Stephanie nº22

Professores:
Alberto Costa Maria Berta

Introdução.....................................p ág. 3 1Animais......................................pág. 4 2Parques.....................................pág. 21 Conclusão......................................p ág. 29

Os animais aqui todos referidos têm vindo a sofrer consequências que por vezes, origina a sua extinção. O homem é o principal culpado, pois, origina caças em grande número, não controla, que acaba por afectar o meio ambiente destes animais.

Esta espécie, que em Portugal pode ser encontrada em várias zonas, habita de preferência nas serranias. É de cerca de 80 cm, mas sobretudo por ser venenosa a sua cabeça, como acontece com as restantes víboras, tem uma forma triangular. A sua cor é cinzenta azulada, possuindo no dorso uma mancha mais escura, em zig-zag, ao longo de todo o corpo.

Como e onde vive: É uma espécie residente em Portugal. O seu habitat é bastante diversificado, exigindo apenas zonas abertas onde possa caçar em locais onde se esconda durante o dia..  Como é: Mede cerca de 32 a 36 cm de comprimento. É caracterizada por ter a face achatada. Toda a parte superior do corpo é em tons de castanho-claro com manchas de cinzento. A cauda é da mesma cor, e é quadrada e curta. O bico é cinzento e enganchado.

Como é: Os camaleões têm até 60 cm de comprimento, língua portátil, (movimenta-se para a frente e para trás) e patas fortes.  Como se alimenta: Movimenta-se com extrema lentidão , para apanhar sua presa, utiliza a língua. Consegue, com uma velocidade surpreendente, estender a língua quase um metro. A sua língua, de ponta pegajosa prende o insecto, que é logo preso.

Como é: Tamanho médio, que varia entre o 1,5 m e 1,8 m, e com peso entre 1,500 kg a 2400 hg. Como de alimenta: Alimenta-se de carne ( é um animal carnívoro). Onde vive: A Águia de Bonelli vive nas serras altas.

Como é: A raposa é o carnívoro selvagem. Tem um focinho esguio, ( comprido e estreito ) as orelhas longas e pontiagudas, e uma cauda espessa e vistosa com cerca de 50 cm de comprimento. A pelugem é castanho- avermelhada. O corpo e a cabeça apresentam um comprimento que pode variar entre 60 a 90 cm, e um peso entre 5 a 10 kg. As fêmeas são sensivelmente menores que os machos.  Como se alimenta:O que não caça e não come no próprio dia esconde –a. Chega a ter cerca de 20 esconderijos

Como é: A lontra tem um pescoço reduzido, embora largo, e uns olhos pequenos e vivos, por duas pequenas orelhas. O focinho apresenta longos pêlos sensoriais (relativo aos sentidos) que se chamam vibrissas. A cauda é longa, espessa sendo achatada na base. As patas são curtas, com cinco dedos unidos o que facilita uma natação rápida e forte. O pêlo é de cor castanha escura em quase todo o corpo.  Como se alimenta: Alimenta-se, sobretudo de peixe, embora também possa consumir anfíbios, répteis,

Como é: O Lince é um mamífero da ordem Carnívora.  Os linces são de dimensões um pouco maiores que o gato doméstico, podendo pesar até 30 kg. Têm a cauda curta e orelhas bicudas.
 

Onde vive:O habitat preferido dos linces são florestas e zonas de vegetação.

  Como é: O  ouriço-cacheiro é maior insectívoro da nossa fauna, com um comprimento do corpo entre 18 e 20 cm e cerca de 1 kg de peso máximo. É facilmente identificado por ter o dorso coberto de espinhos longos e aguçados, de cor acastanhada e com bandas escuras nas extremidades. A cauda é muito pequena, as orelhas são igualmente pequenas e a cabeça encontra-se bem destacada do corpo.  Como se alimenta-se: Alimenta-se sobretudo de invertebrados que encontra no solo - minhocas, escaravelhos, lagartas, aranhas e lesmas - embora também por vezes

☺ Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

Este parque situa-se na zona de Faro, Algarve. Alberga um vasto conjunto de espécies como por exemplo corvos marinhos, pombas de rocha, cegonhas, garças e lontras. Aqui neste parque é ainda importante o corredor migratório para numerosos pássaros migradores, aves de presas e aves marinhas.

☺ Parque Natural do Douro Internacional

Situa-se na zona do Porto, Douro Litoral, e alberga um vasto conjunto de espécies como por exemplo a águia real, a cegonha negra, abutres do Egipto, gralha de bico vermelho, águia de Bonelli, falcão peregrino. Lobo, toupeira de água, lontra e gato bravo.

☺ Parque Natural do Tejo Internacional

Situa-se na zona de Santarém, Ribatejo, e alberga um vasto conjunto de espécies como por exemplo lontra, gato bravo, geneta, veados, águia de Bonelli, águia real, abutre negro, abutre do Egipto e grifos

☺ Parque Natural de Montesinho

Situa-se na zona de Bragança, Trás-os-Montes, e alberga um vasto conjunto de espécies como por exemplo o lobo, vários tipos de aves, anfíbios e répteis. Está também representado por algumas espécies endémicas.

☺ Parque Natural do Alvão

Situa-se na zona de Vila Real, Trás-os-Montes, e alberga um vasto conjunto de espécies, como por exemplo o lobo ibérico, o camaleão, a águia real e a víbora cornuda.

☺ Parque Natural do Gerês

Situa-se no Minho. Alberga um vasto conjunto de espécies, como por exemplo o lobo ibérico, o geneta, o camaleão e a víbora cornuda. ☺ Parque Natural da Serra da Estrela Situa-se na zona da Guarda, Beira Alta. Alberga um conjunto vasto de espécies, como por exemplo o camaleão, a águia real, o lobo ibérico e a águia de Bonelli.

☺ Parque Natural do Vale Guadiana

Este parque situa-se na zona de Beja, Baixo Alentejo. Alberga um vasto conjunto de espécies, como por exemplo o javali, a lontra, o grifo, a cegonha negra, a lampreia e bogas do Guadiana.

O grupo gostou muito de trabalhar neste trabalho com este tema, no qual achamos muito bom pois deste modo ficamos a conhecer os animais que estão em vias de extinção, e assim conseguimos ter uma ideia do perigo que a extinção representa para o Homem. Também conseguimos ter uma ideia generalizada sobre os Parques Naturais onde certas espécies em extinção se encontram e da sua importância para os animais aí residentes.

HENRIQUES, Pedro “Parques e Reservas Naturais de Portugal, Editora Verbo, Maio de 2000. BEAUREGARD, Diane “Animais em via de extinção”, Editora Círculo de Leitores, 1988 a 1991.