You are on page 1of 110

Imagenologia Torácica

PROF. NELSON HENRIQUE

Radiografia do Tórax - Rx
 É um dos exames mais utilizados

 Baixo custo
 Facilidade na realização  Grande disponibilidade

 Mais conhecido pela equipe de saúde

Física básica das radiografias convencionais

 Wilhelm Conrad Roentgen em 1895  Radiação que atravessava madeira, papel, e até o

corpo humano.

Física básica das radiografias convencionais
 O raio-X é uma onda eletromagnética

 Características de onda eletromagnmética  F e λ (inversamente proporcionais)  A energia diretamente proporcional à F

Física básica das radiografias convencionais
 Raios-X é uma onda de alta energia  λ muito curto da ordem de 10–12 m (um picômetro)  F da ordem de 1016 Hz
λ Raios-X ≡ λ Raios-

Com este comprimento de onda muito curto, estes raios tem a capacidade de penetrar na matéria, o que possibilita sua utilização no estudo dos tecidos do corpo humano.

Produção do raio-X .

 Este efeito é muito acentuado nos materiais muito densos como. . no chumbo e depende do número atômico do elemento (É proporcional ao cubo desse número). por exemplo.Interação do raio-X com a matéria  O efeito fotoelétrico ocorre quando um fóton de raio-X choca-se com um elétron de um átomo e desloca-o de sua camada orbitária no átomo.

. Nesta nova trajetória ele pode interagir com outros átomos e sofrer de novo desvio de sua trajetória. choca-se com um elétron orbitário pode ou não arrancá-lo da camada orbitária. mas o que é fundamental: não cede toda a sua energia e neste caso o fóton do raio-x é desviado de sua trajetória.Interação do raio-X com a matéria  O efeito Compton: neste caso o fóton aproxima-se do átomo. dependendo da energia envolvida.

Interação do raio-X com a matéria  A trajetória final deste fóton não é retilínea.  Trajetória não retilínea resulta em um prejuízo na interpretação das diferenças de densidade e borramento do contorno .

AgI).Obtenção da imagem de raio-X  A detecção dos raios-X é feita através de um filme semelhante ao filme fotográfico.  Quando sensibilizado por um fóton de raio-X ou pela luz visível. . e escurece.  Este filme é composto de sais de prata (AgBr. o cátion de prata (íon positivo) acaba sendo neutralizado e vira metal (Ag0).

cálcio e metal. .Obtenção da imagem de raio-X  Ordem crescente das diferentes densidades:  Ar. gordura. água.

para que as estruturas não sofram uma magnificação excessiva. Como os raios X são divergentes. da ordem de 1.50 m.Incidências utilizadas na radiografia do tórax  Póstero-anterior (PA)  Esta é a incidência mais utilizada na radiografia simples do tórax. . é necessária uma distância mínima para a sua realização.

.

.

Incidências utilizadas na radiografia do tórax  AP .

.

Incidências utilizadas na radiografia do tórax  Perfil esquerdo .

.

 Ápico-lordótica .

.

Incidências utilizadas na radiografia do tórax  Decúbito lateral com raios horizontais .

Incidências utilizadas na radiografia do tórax  Oblíquas .

Análise sistematizada da imagem radiográfica  Radiodensidade e radiotransparência  Diferenças de densidade radiológica .

Diferenças de densidade radiológica .

.

Nível hidro-aéreo .

Parâmetros técnicos  Dose de radiação adequada  Qualidade da Inspiração  Posicionamento adequado  Centralizado  Não rodado .

Dose de radiação  Idealmente. . devemos ser capazes de visualizar a sombra da coluna vertebral apenas nas suas porções mais superiores  Exames onde a coluna é visualizada na sua totalidade estão muito penetrados.

.

devemos ter de 9 a 11 costelas posteriores projetando-se sobre os campos pulmonares .  Para sabermos se o exame está bem inspirado.Inspiração correta  O ideal é que o exame seja realizado em apnéia inspiratória máxima.

.

as escápulas devem estar fora do campo. Além disto.Alinhamento  Para que o exame esteja bem centrado. as bordas mediais das clavículas devem estar eqüidistantes do centro da coluna. .

.

.

região cervical. morfologia. em casos duvidosos realizar decúbito lateral. massas. Diafragma: altura. Pleura: espessamentos. Coração: morfologia e dimensões. Hilos: estudo comparativo da morfologia e dimensões. estudo comparativo. Mediastino: alargamentos. supra         escapular. pneumomediastino. Seios costofrênicos: verificar se estão livres. clavículas. abdome superior. Parênquima pulmonar: nódulos. . Ossos: coluna. esterno.Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Partes moles: avaliação das mamas. tecido subcutâneo. massas. cavidades. consolidações. Aorta e artérias pulmonares: verificação de anomalias congênitas e aneurismas. pneumotórax. derrame pleural. costelas. ombros.

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Partes moles .

Enfisema sub-cutâneo .

Enfisema sub-cutâneo .

 Arcabouço ósseo .

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Arcabouço ósseo .

Presença de costela cervical .

Fraturas de Costelas .

Fraturas de Costelas .

Pectus excavatum .

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Parênquima pulmonar: divisão em lobos .

.

.

.

.

.

.

Sinal da silhueta .

.

.

.

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Hilos pulmonares .

.

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Cúpulas diafragmáticas e seios costofrênicos .

Sistematização da interpretação da radiografia simples do tórax  Mediastino .

.

Linhas Mediastinais  Linha de junção anterior .

Linhas Mediastinais • Linha de junção posterior .

Linhas Mediastinais • Linha da veia cava superior .

Linhas Mediastinais • Linha da artéria subclávia esquerda .

Linhas Mediastinais • Linha da aorta descendente .

Linhas Mediastinais • Linhas paratraqueias .

Linhas Mediastinais • Linhas cardíacas .

Pneumomediastino .

Pneumomediastino .

OPACIDADES .

. pelo menos parcialmente. por apresentar maior densidade. que juntas produzem uma imagem heterogênea extensa. cada uma medindo de 4 a 8 mm de diâmetro.  Opacidade  Imagem que se distingue. das estruturas que a circundam ou se superpõem.Padrão acinar  Uma coleção de opacidades pulmonares arredondadas ou elípticas isoladas ou parcialmente confluentes.

Pneumonias bacterianas .

.

Hemorragia pulmonar: síndrome de ChurgStrauss .

Tuberculose .

.

.

Carcinoma .

Adenocarcinoma .

 Várias doenças causam alterações intersticiais. opacidades reticulares ou alterações retículonodulares .Padrão intersticial  O interstício é uma rede de tecido conectivo que dá suporte aos pulmões e normalmente não é visível na radiografia. que podem se manifestar como micronódulos.

Padrão intersticial micronodular  Múltiplos nódulos medindo de 1 a 5 mm  Causas  Tuberculose miliar  Sarcoidose  Pneumoconioses  pneumopatias intersticiais  neoplasias .

Padrão intersticial micronodular Silicose Sarcoidose .

Padrão intersticial reticular  É composto por espessamentos septais. bandas (estrias) e opacidades lineares. linfóide ou não específica) Asbestose Infecções virais edema pulmonar neoplasias com linfangite pulmonar carcinomatosa .  Causas:      pneumonia intersticial (usual.

Padrão intersticial reticular Pneumopatia Intersticial Edema Pulmonar .

Padrão intersticial retículo-nodular  O achado clássico é o de micronódulos associados a opacidades reticulares. como espessamentos septais e estrias.  Causas    Pneumoconioses Infecções pneumopatias intersticiais e neoplasias .

NPS  Constitui uma opacidade focal com morfologia arredondada ou ovalada.0 cm  Causas       Infecções Granulomas Sarcoidose Alterações congênitas Processos vasculares Neoplasias . envolta por parênquima pulmonar e medindo até 3.Nódulo pulmonar solitário .

Nódulos e massas pulmonares múltiplos Cisticercose muscular (simul.) Carcinoma de Tireóide .

Nódulos e massas pulmonares múltiplos Metástases pulmonares Metástases pulmonares .

) Sarcoidose .Nódulos e massas pulmonares múltiplos Nódulos calcificados (Tuberc.

 Sinais radiológicos diretos  Deslocamento das fissuras  Perda da aeração pulmonar(redução da transparência)  Deslocamento ipsilateral dos vasos pulmonares e dos brônquios . lobo ou segmento pulmonar. por qualquer causa.Atelectasias  Indica redução do volume de um pulmão.

 Redução dos espaços intercostias (ipsilateral)  Hiperinsuflação compensatória  Deslocamento hilar (ipsilateral) .Sinais radiológicos indiretos  Elevação da cúpula diafragmática ipsilateral  Desvio das estruturas mediastinais para o lado da atelectasia.

Atelectasias Deslocamento superomedial da fissura horizontal Deslocamento da fissura e hilo .

Atelectasias .

HIPERTRANSPARÊNCIAS .

Pneumotórax  Indica a presença de ar no espaço pleural  Sinais radiológicos Geralmente na região apical. o achado clássico é o de ar entre a pleura visceral e a parede torácica .

Pneumotórax Pnmtx direito Pnmtx esquerdo .

Pneumotórax .

ENFISEMA .

Derrame pleural  Sinais radiológicos  “sinal do menisco” consiste em opacidade homogênea com borda superior côncava  pseudo-elevação de uma das cúpulas diafragmáticas  Obliteração dos seios costofrênico lateral e cardiofrênico  Formação de nível hidro-aéreo em Rx lateral com raios horizontais .

Derrame pleural Sinal do menisco Pseudo elevação diafragmática .

Derrame pleural Ortostase Lateral .

Derrame pleural
DP loculado DP intrafissural

Espessamento pleural difuso

 Resulta de espessamento e fibrose da pleura visceral,

com posterior fusão com a pleura parietal.  Na radiografia de tórax é definido como espessamento contínuo da pleura, que se estende por no mínimo um quarto da parede torácica, geralmente com obliteração do seio costofrênico

Espessamento pleural difuso

Placas pleurais .

que possui paredes finas  Cavidades → espessura das paredes > 1 mm  Espaço contendo gás no interior do pulmão com paredes com espessura acima de 1 mm e geralmente apresentando contornos irregulares. de modo focal e bem delimitado  Cistos → espessura das paredes < 1 mm  Espaço contendo gás de qualquer tamanho.Cistos e cavidades pulmonares  Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência pulmonar. .

Cistos e cavidades pulmonares Carcinoma Tuberculose pulmonar .

Cistos e cavidades pulmonares Cisto DPOC Cisto DPOC .

Cistos e cavidades pulmonares Abcesso pulmonar Abcesso pulmonar .