You are on page 1of 20

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-UECE FACULDADE DE VETERINÁRIA-FAVET

Envenenamento Equino pela casca de café (Coffea arabica L.).
BMC Veterinary Research 2012, 8: 4. Diego Jose Z Delfiol, Jose P Oliveira-Filho, Fernanda L Casalecchi, Thatiane Kievitsbosch, Carlos A Hussni, Franklin Riet-Correa, João P Araujo-Jr and Alexandre S Borges. Faculdade de Ciências, de Medicina Veterinária e Zootecnia - Univ Estadual Paulista (UNESP)

Monitora: Juliana Barroso Félix Orientadora: Lúcia Lopes
2012

Introdução
• Brasil maior produtor de café no mundo • Processamento de grãos de café resíduos • Casca de café (Coffea arabica)
– – – – – – – – Compostos orgânicos Taninos Polifenóis Cafeína > na casca que no grão Fertilizantes orgânicos Extração de cafeína Produção de chá Alimentação de ruminantes e suínos

• Reutilização

dopamina.Introdução • Cafeína (C 8 H 10 N 4 O 2) é uma metilxantina • Antagonista dos receptores de adenosina • Adenosina – Disparo neuronal – Ação pré-sináptica libertação neuronal da acetilcolina. Lisos SNC. TGI Cárdio-respiratório Estimula ação das catecolaminas Sedação e anticonvulsivo Inativa . norepinefrina. serotonina e ácido gamaaminobutírico • Cafeína A C A C Fosfodiesterases AMPc Ação Excitatória Musc.

Nd . ( Cafeína + Teobromina) Equinos.Introdução • Cafeína – – – – – – Café Chás Refrigerantes Bebidas energéticas Chocolate Alguns medicamentos • Casos de intoxicação – – – – – Humanos Cães e gatos Bovinos ( Intoxicação Experimental) Controle da população de coiotes.

Objetivo Avaliar se o consumo espontâneo da casca de café por cavalos é capaz de causar sinais clínicos de intoxicação .

MATERIAIS E MÉTODOS .

• Animais Experimentais – Submetidos a testes físicos e laboratoriais (hemograma completo.• O estudo foi realizado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. – Vermifugados – Mantidos em baias 12 m 2 – Período de adaptação de 15 dias – Alimentados com feno de coast cross (Cynodon dactylon) e água à vontade. – Animais hígidos. Estadual Paulista (CEUA-89/2010). Univ. . Idade média de 10 ± 2 anos e peso médio de 425 ± 32 kg. nível plasmático de fibrinogênio e gás sangue venoso). – Seis fêmeas Quarto de Milha.

• Homogeneizadas • Submetidas a análise laboratorial – Determinar • Teor de cafeína.Analise de cascas do café • As cascas de café foram obtidos na Cooperativa de Cafeicultores São Manoel. teobromina e teofilina • Insecticidas • Concentrações de micotoxinas . no estado de São Paulo.

.Administração da casca do café • 2 kg de casca de café em uma calha introduzida em cada baia. o sobras eram removidas e pesadas. • Registros de consumo (individuais) • Exame clínico – (To)Imediatamente antes da administração . repostas. – a cada 12 h até 120 h (T120). • Cada 12 horas. – aparecimento de anormalidades neurológicas foram expostas (T56) (interrupção da administração da casca de café a partir de que ponto).

• Química clínica – Kits comerciais colorimétricos ​para determinar as concentrações séricas de (PT). atividades séricas de (CK).o plasma foi separado por centrifugação. .• Concentração de cafeína em amostras biológicas – Plasma e na urina (T0 e T56). ferro .(AST) e (GGT). – As amostras de urina foram colhidas utilizando um cateter urinário. creatinina. – Calculo da concentrações de globulina – Amostras de sangue foram coletadas em tubos sem anti-coagulantes. – Coleta de amostras de sangue • tubos contendo heparina.

K e cálcio ionizado [iCa]) foi realizado. – A concentração sérica do íon cloreto .antes de fornecer e imediatamente após a interrupção do fornecimento de casca de café. [SO 2] – Concentrações de HCO 3. – Total de concentração de CO 2 [tCO 2] – Saturação de oxigênio. [Hb] – Pressão parcial de CO 2 [PCO 2] / Pressão parcial de O 2 [PO 2]. – Na.Parâmetros Gases sanguíneos • Análise – pH do sangue – Hematócrito [HTC] / Hemoglobina.

com teste de Tukey post-hoc. • Os resultados dos testes bioquímicos e gasometria arterial e da concentração de cafeína foram comparados entre T0 e T56 por um teste t emparelhado.A análise estatística • Dados análisados usando o GraphPad InStat for Windows.FR e temperatura retal avaliados por análise de variância (ANOVA). .05. • A FC. versão 3. • As diferenças estatísticas foram consideradas significativas quando p ≤ 0.0 (GraphPad Software).

RESULTADOS E DISCUSSÃO .

.• Análise das amostras de casca – Sem presença de insecticidas ou micotoxinas. • O consumo foi espontânea durante todo o período experimental.9%. – Concentração de cafeína encontrado foi de 0. Teobromina e teofilina não foram detectados. • Primeiras 12 horas – pequena quantidade de cascas de café foi consumido • Depois de 48 h – Animais hiperresponsiveos a estímulos sonoros produzidos no meio ambiente.

• A tx cardíaca média foi .Sínais Clínicos • Taquicardia (106 ± 52 batimentos por minuto . • Frequência respiratória -T48 (27 ± 11 mpm.T72 (79 ± 43 bpm.T56 (38.9 ± 0.bpm) e taquipnéia (27 ± 8 movimentos por minuto .mpm) picos foram detectados em T56 . p <0.7 ° C.05). p <0. p <0.001 . • A temperatura média retal se elevou .01) • Anormalidade do ritmo cardíaco não foram observados durante ausculta.

Tremor involuntário dos lábios e constante movimento de lábios e língua foram graves em animais • Taquicardia leve Após suspensão do fornecimento da casca Diminuição gradativa e desaparecimento dos sintomas 12h 40h .Sinais Clinicos • • • • • • • Inquietação Tremores musculares Midríase Mucosa ocular congesta e vasos episclerais Sudorese excessiva Diminuição da motilidade intestinal.

. mostrando expressão de ansiedade.Cavalo número 1. excitabilidade. narinas dilatadas. tremores involuntários e movimento constante dos lábios. agitação. 56 h após a ingestão inicial de casca de café (T56). tremores musculares involuntárias e sudorese.

albumina. e HTC e Hb aumentou em 47% e 50%.V • Os valores médios para TP. . T56 em relação ao T0.• Estimativa do consumo . policitemia relativa foi observada em todos os animais. AST e creatinina foram significativamente diferentes entre T0 e T56.78 mg /kg de P. respectivamente. globulina. • Os valores dos gases sanguíneos foram significativamente diferentes entre T0 e T56.

cascas de café representam um risco quando usado como cama ou adicionada a ração para os cavalos. . devido aos elevados níveis de cafeína presentes na sua composição.Conclusão Concluiu-se que o consumo de cascas de café é tóxica para cavalos. Portanto.

Obrigada .