You are on page 1of 9

TRICOMONÍASE

Trichomonas vaginalis

. biologia ações patogênicas. epidemiologia. diagnóstico.: • OBJETIVO:  Estudar a classificação. profilaxia e tratamento. morfologia.

.CLASSIFICAÇÃO: • • • • • • • • • Reino: Protista Subreino: Protozoa Filo:Sarcomastigophora Subfilo: Mastigophora Classe. Zoomastigophorea Ordem: Trichomonadida Família: Trichomonadidae Gênero: Trichomonas Espécie: Trichomonas vaginalis.

aderido ao corpo. > Mede 10 a 30 um de comprimento x 5 a 12 um de largura. formando a membrana ondulante. > Possuem 4 flagelos livres. > Forma variada – corpo emite pseudópodes. . na mulher. ovóide ou piriforme. 1. > Vive habitualmente sobre a mucosa vaginal. partindo do canal periflagelar. uretra e na próstata. podendo ser observada em outros locais do aparelho geniturinário. dirigindose para a frente. > 1 flagelo que emerge fora do canal e que fica voltado para trás. > No homem.Flagelados das vias digestivas e geniturinárias: TRICOMONÍASE: TRICHOMONAS VAGINALIS E TRICOMONÍASE: Morfologia e Habitat: > Forma típica – alongada. vive no prepúcio.

favorecem as infecções. . > Vagina normal – resistente às infecções.Acentuada descamação epitelial . . . artigos de toalete e banho.TRICOMONÍASE: 2. .Modificação da flora vaginal.não apresenta sintomatologia. quando molhados ou incompletamente secos. > No parto – 5% da mãe para a filha.Fatores hormonais ou processos inflamatórios ou irritativos. nas células epiteliais. .).diminuição da acidez local. mas as modificações do meio vaginal. > No homem. TRANSMISSÃO: > + freqüente – sexual.diminuição do glicogênio. . > Fômites – 80% da mãe para a filha ( roupa íntima ou de cama. etc.

bactérias e grande nº de Trichomonas. > Erosão da superfície da mucosa. > Silenciosa em muitos casos. > Irritação na região perigenital ( vulva. com origem na vulva. > Leucorréia abundante. .TRICOMONÍASE: 3. vaginites e vulvovaginites. muco. com intensa reação inflamatória. períneo e áreas vizinhas) – avermelhamento. sem sangue. > Lesões discretas nos exames ginecológicos. > Corrimento constituído de exsudato inflamatório. vagina ou na cérvix uterina. PATOLOGIA E SINTOMATOLOGIA: > Modificação da flora bacteriana vaginal. células epiteliais descamadas. > Dependendo do micoorganismo – modificação na cor. > Cervicites. esbranquiçada. na vagina e na uretra. viscosidade. leucócitos e piócitos. cheiro e aspecto ( espumoso ou bolhoso ).

secreção uretral ou prostático. 4. > No homem – infecções subclínicas e benígnas – uretrites e prosto – vaginites. DIAGNÓSTICO: > É essencial a demonstração do parasito. ardor. > Poucos parasitos – cultura em meio de Kupfenberg. > Antes do exame ( 1 a 2 dias ).TRICOMONÍASE: > Prurido intenso. principalmente à noite e exacerbadas no ato sexual. > Homem – sedimento urinário.suspender o uso de desodorantes íntimos e anticoncepcionais. . sensação de queimação. > Coleta da secreção vaginal + soro fisiológico – lâmina – Trichomonas vivos e em movimento. .

6. .Metronidazol .Ornidazol . > BR – 20 a 40 % das pacientes examinadas. > Pacientes com leucorréia – 70% . > Gotículas de secreção vaginal não dessecadas – 6 horas e solução de Riger – 24 horas. > Suporta temperaturas de 40 a 46°C por 1 a 2 horas. TRATAMENTO: > Para o homem e a mulher – reinfecção.efeitos colaterais . EPIDEMIOLOGIA E PROFILAXIA: > Cosmopolita.TRICOMONÍASE: 5.Mulher – uso de comprimido ou geléia da mesma droga – uso local.Tinidazol . resistente por muito tempo à água corrente.Nimorazol .contra indicados na gravidez .

> Outras faixas .TRICOMONÍASE: > Prevalência no homem – 10 a 15 %.fômites. > Doença venérea. > 16 a 35 anos ( faixa etária ). > Maridos de mulheres infectados – 1:4 ( 25 % ). .