reinserção social

.

tarefa impossível?

 NUNOCAIADO@SAPO.PT

 FÁTIMA, 18OUT2008

 PASTORAL PENITENCIÁRIA - ENCONTRO DE

cristão = = sinal de contradição no meio

desmistificar a relação automática 1 entre pobreza e criminalidade mas a acumulação de desvantagens sociais

tensão entre o determinismo social e 2 a liberdade de cada homem como filho de Deus mas isso não deve impedir a acção decidida que se imponha em cada

desmontar a ideia de ser um 3 problema do Estado, dos outros, de terceiros concepção da origem do crime x  nódoa no tecido  mancha do pano

cada sociedade produz normas e desvios

sociedade simples

criminalidade simples

sociedade complexa

criminalidade complexa

sociedade violenta gera criminalidade

complexificaçã diversidade

sofisticação

o nosso mundo

     

cidade como paradigma da organização humana novas formas de organização social / relações sociais emergência de novas culturas e estilos de vida afirmação da juventude como entidade mediatização da vida quotidiana aumento generalizado do acesso ao consumo de bens e serviços

o nosso mundo

 acentuação de assimetrias económicas, sociais e culturais, com importantes segmentos de exclusão  vulgarização das drogas  avanços das ciências e tecnologias  fluxos migratórios  cultura de competição global e generalizada, num registo de mudança permanente, geradora de incertezas  hedonismo como motor da vida quotidiana

o nosso mundo

    

atomização e individualização de comportamentos pulverização dos valores tradicionais e perca de importância das ideologias perca de influência dos meios de controlo social formal ou convencional reformulações éticas indefinição estratégica do papel do Estado, após crise do Estado Providência

o nosso mundo

sociedades  da informação  diferenciadas  da incerteza  do risco  de convívio com o crime

tendências da criminalidade
maior exposição /visibilidade maior diversidade maior precocidade

maior violência

maior maior articulação transversalidade entre tipos e social e níveis de económica criminalidade

internacionalização

?

?

 alterações culturais e sociais   alterações nos fenómenos crimin   alterações das reacções penais

diversidade penas pecuniárias, penas simbólicas

prisão criminalidade grave que necessita de elevados níveis de contenção

penas de execução na comunidade pequena e média criminalidades

vigilância electrónica na intersecção entre a prisão e as penas comunitárias

Set2008
DGSP privação da liberdade 11 000 SPP 1400 DGRS execução na comunidade 13 600 SEPP RC/RP 6000 ALC 30 LC 3300

OPH SMDTP PPH TFC VE 315 2400 150

pastoral prisional

pastoral da justiça

actualização da resposta da Igreja

reinserção social

o que é ?

desigualdade na percepção  crime ruidoso  tratamento silencioso desigualdade no interesse  crime fascina  tratamento não releva

N

ninguém reinsere ninguém

acto de vontade individual

N

dar dinheiro

dar bons conselhos

N

necessariame necessariame nte nte

trabalho

alojament o

1 descongelar o presente ruptura com o conhecimento adquirido 2 projectar o futuro mudança novas leituras da realidade adopção de novos comportamentos

prevenção geral

prevenção especial

mudança de comportamentos

mudança de comportamentos

prevenir a reincidência criminal

eliminar ou diminuir a gravidade, intensidade e frequência da actividade criminal do agente

serviços públicos com responsabilidades de reinserção social
órgãos do Estado administração da justiça

DGSP execução de penas privativas da liberdade

DGRS assessoria aos tribunais e execução de penas e medidas não privativas da liberdade

DGSP execução de penas e medidas privativas da liberdade
programas formativos e de reconversão de comportamentos ------------------preparação para a liberdade

contenção

+

DGRS execução de penas e medidas na comunidade e com VE controlo social organizado legitimado por decisão judicial

+

ajuda apoio assistência

1º momento: compreender, diagnosticar a causalidade
pessoais

factores de risco

estáticos

dinâmicos

sociais

ambientais

atitudinais comportamentais históricos competências enquadramento social relevantes para a intervenção

compreender, diagnosticar a conjugação de factores de risco individuais, sociais e ambientais, em permanente interacção

factores individuais

personalidade

patologias

biológicos neurológicos

?

compreender, diagnosticar
sociais aprendizagens sociais socialização

educação familiar e formal

abuso de sociabilidade aquisição estupefacientes inter-pares de valores e/ou álcool anti-sociais

grupos de referência e de pertença

(des)emprego

?

compreender, diagnosticar

ambientais enquadramento social

condições de vida

alojamento

economia

grau de tráfico e censura social: consumo de permissividade/ estupefacientes intolerância

?

2º momento – intervir: mudar, criar novas condições

ajuda ortopedia social counselling orientação remoção de obstáculos coaching controlo dos termos da decisão judicial dos comportamentos

intervir: mudar, criar novas condições

trabalho individual

trabalho em grupo

recursos relação interpessoal famílias sociais e comunitários, públicos e privados

intervir: mudar, criar novas condições

programas de aquisição de competências

competências pessoais competências sociais resistência à frustração controlo de impulsos tratamentos para drogas e álcool

programas dirigidos às problemáticas criminais
crimes estradais crimes sexuais violência de género crimes aquisitivos crimes aquisitivos

desejável
punição intervenção ressocialização proporcional diferenciadas

segundo o princípio do risco

maior oportunidade nas reacções

melhor controlo

nível mais alto de oportunidades de ajuda

instrumentos distintos

reinserção social

.

tarefa possível

 NUNOCAIADO@SAPO.PT

 FÁTIMA, 18OUT2008

 PASTORAL PENITENCIÁRIA - ENCONTRO DE