You are on page 1of 63

Quatro espécies de condutas coletivas
As condutas de crise organizacional

Para Weber, a ação social é aquela que é orientada ao outro. No entanto, há algumas atitudes coletivas que não podem ser consideradas sociais. No que se refere ao método sociológico. Marx entende a sociedade como um conjunto de determinações históricas, culturais, econômicas e políticas. E a partir disso, busca compreender os fenômenos sociais.

que tem como método a observação e a experimentação. que precisam ser: gerais. sendo que esta se dá a partir da análise comparativa.Para Durkheim a Sociologia deve estudar os fatos sociais. . faz-se a análise das diversas sociedades as quais devem ser comparadas entre si posteriormente. para esta ser chamada corretamente de “ciência”. além de objetivos. ou seja. exteriores e coercitivos.

Segundo o francês Alain Touraine (Sociologia e Sociedade pg. A crise organizacional tem que ser resolvida dentro de sua própria organização. 283). “movimentos sociais é a ação conflitante de agentes das classes sociais lutando pelo controle do sistema de ação histórica”. por exemplo. . não receberá ajuda do estado para sair da crise.

agindo em função de seus próprios interesses pessoais. Por outro lado. Toda ação coletiva supõe um ator.As condutas da crise organizacional Os atores situam-se na organização social. Estes atores ocupam certa posição e a ideia de que dando algum tipo de participação. devem receber uma contribuição justa. . Os membros de uma organização formulam reivindicações. Portanto. a organização é apenas um meio social particular no qual o ator só parcialmente se empenha.

de subemprego protesta contra o arbitrário ou contra más condições de trabalho e de salários. o seu futuro profissional. o campo de conflito é a própria organização. mas visa a organização. a reivindicação neste sentido é sempre organizada. ao mesmo tempo em que acusa a direção.Para Alain Touraine. .Aquele que é ameaçado de desemprego. ela desorganiza para modificar o esquema prévio. Em outras palavras . hora para a reorganização. ou seja. hora para a desorganização. quer salvar a organização para salvar o seu emprego.

Tensões Institucionais .

familiares. Ex. .: religiosas.Sistemas institucionais • Sistemas institucionais tem por produto decisões definindo o quadro de ação das organizações. educacionais.

conselhos municipais.: sindicatos. . parlamentares. Ex.Forças sociais  Objetivam exercer uma certa influência sobre as decisões que se imporão a uma coletividade.

• . • Capacidade real de influência.Características das forças sociais Reconhecimento dos limites do campo de decisão. • Solicita participar na tomada de decisão. • Dirigida para uma decisão a ser tomada.

Grupos de pressão ou interesses  São forças sociais fracas.: greves de classes trabalhadoras. que se manifestam com o intuito de influenciar o poder público para atender interesses próprios. . Apresentam as mesmas características das forças sociais. Ex.

Bloqueio ou fechamento institucional  Ausência de sistema institucional .

Condutas sociais sob diversos pontos de vista sociológicos .

Sociologia conservadora Os detentores do poder têm a iniciativa. o povo é apenas uma massa inorgânica sensível a um desejo de ascensão individual.  .

.Sociologia liberal  Constata que as transformações são provocadas pela ação das classes populares. mas só se concretizam mudanças pela intervenção da elite dirigente.

Sociologia progressista Manifestações mais caracterizadas como um traço cultural do que um movimento social. .  Ex.: classes camponesas lutando pela vontade de liberdade e igualdade.

. • Manutenção do passado e sua reprodução > compromisso com o futuro do funcionamento.Os protestos modernizadores • Noção de modernização  mudanças sociais. = “desorientação” na sociedade. • Se cria uma relação elementar e ambígua • Acontecem mais frequentemente na ordem social do que ordem cultural.

Os protestos modernizadores a) Identidade.” • Movimento social = um princípio de identidade + de oposição + de totalidade . “os adversários falam sempre a mesma linguagem sem o que não poderiam debater-se nem se combater. oposição e totalidade Um movimento social  nível do sistema da ação histórica.

Ex.: Os operários de uma usina se consideram. em certas circunstâncias. Princípio de oposição  Um movimento social só se organiza quando há um adversário. como engajados numa luta que ultrapassa o quadro no qual ela aparece. .Princípio de identidade  É o conflito que constitui e organiza o ator.

Para persistir um movimento.Pelo princípio da totalidade o movimento precisa justificar sua ação com base em valores superiores e em ideais universais que tenham por base uma filosofia de vida. . precisa guardar estreita correspondência entre seus objetivos e as intenções mais correias e elevadas que se possam adotar.

os movimentos são o “lugar” estratégico onde se renovam e explicitam os valores da sociedade. podendo organizar a ação coletiva e influenciar a história de uma sociedade. Lutando por sua preservação.Segundo Touraine. muitos autores colocam os movimentos no centro da análise das mudanças sociais. Ao estudar as sociedades modernas industriais ou pósindustriais. os movimentos atuam como agentes inovadores. • .

um movimento social deve justificar sua ação em nome de valores que interessem a todos (valores superiores). não se esgota no conflito. . Mesmo em defesa de interesses específicos. O princípio da totalidade é o próprio sistema de ação histórica. mas se lança ao cerne do conflito que é a apropriação e o controle da historicidade. a Oposição e ainda a Totalidade (T). cuja dominação é disputada pelas classes sociais opostas dialeticamente (1976). isto é.Ou seja. o movimento social manifesta a Identidade.

.

conjuntural e estrutural.  Processo que deve abranger mudanças no campo individual e coletivo. já possui uma denotação transformativa. movimento.Campo de Ação Histórica Movimento Social deve ser compreendido como uma ação coletiva na perspectiva de caminhar para um processo de mudança.  .  A palavra .

 O movimento social só é identificável como elemento de um campo de ação histórica. do modelo cultural. em particular. seu adversário e as expressões relativamente autônomas do sistema de ação histórica e. das interações entre o ator coletivo considerado. . devido a reações a uma crise organizacional ou às tensões do sistema institucional. Não podem constituir uma unidade autônoma de analise. isto é.

.De acordo com Touraine (1981): “reconhece-se um movimento social porque ele fala ao mesmo tempo em nome do passado e em nome do futuro (..)” .

Só assim a tensão intrínseca às relações vira movimento. percepção reproduzida a partir de e na oposição com outros interesses. no cotidiano. a identidade em torno dos interesses comuns. etc. São um conjunto de condições necessárias dos movimentos. as ações coletivas de resistência.“A percepção de interesses comuns. de outros agentes sociais. nas condições mais imediatas de trabalho e vida.” Grzybowski (1994) .

cinco milhões de índios foram dizimados. Os indígenas foram os primeiros a conhecerem a violência com o processo de colonização.Uma das características presentes na história dos movimentos sociais no campo brasileiro é a violência. . e nessa procura por novos espaços e principalmente riqueza.

do trabalho coletivo. foi o escravo negro. que sofreu barbáries. terra da liberdade. A luta contra a escravidão cresceu tanto que desta contradição do capitalismo surgiram os quilombos. do trabalho contrário às regras do jogo do capitalismo colonial e que por isso. era alvo de destruição da elite. .Outro personagem dessa história de violência.

.Compreender ações recentes dos movimentos camponeses sem antes contextualizar os fatos históricos que nos levam a realidade atual é um erro grotesco e perigoso.

sobre as reais intenções desses trabalhadores.Olhando tais ações isoladamente. . muitas vezes contraditória e exacerbada confunde a sociedade. pode-se induzir a conclusões precipitadas como atos de vandalismo e barbárie. O entendimento dessa forma massiva de luta.

vivemos sob a ditadura de um poder devastador que informa.A ampla maioria da sociedade somente ouve. Na atualidade. . ibopes. Um poder que transforma legítimas ações e reivindicações dos trabalhadores em banalidades. vê e lê apenas o que interessa politicamente ser mostrado massivamente. julga e condena. divulga. gerenciamento de marketing e vendas.

.

Mas por trás de tudo isso há uma razão central para entender esse comportamento da mídia com os movimentos sociais. .

.

junto ao público consumidor.“A mídia tem retratado os movimentos segundo certos parâmetros político ideológicos dados pela rede de relações a que está articulada.” Gohn (2000) . detonando um processo onde a notícia é construída como mensagem para formar uma opinião pública sobre o acontecimento. e não para informar este mesmo público. Os interesses políticos e econômicos formatam as considerações e as análises que configuram a apresentação das informações.

.

Não podemos apenas enumerar a analisar fatos pontuais. . como se o problema remete-se somente aos envolvidos diretamente.Com isso. para entender as ações dos movimentos camponeses é necessário aumentar a escala de análise conjuntural.

novas e outras utopias. econômicos. Caminhos que abram perspectivas de novas realidades e acima disso.O que os movimentos fazem é tentar mostrar para sociedade que há possibilidade de procurarmos outros caminhos ambientais. sociais e culturais. .

estabelecendo uma relação assimétrica. A classe popular. isto é. submete-se a uma participação dependente.  . submetida ao domínio da classe superior.Alienação  Os elementos dos movimentos sociais geralmente estão em pé de desigualdade. torna-se alienada.

• “A alienação é o desabrochar da consciência individual ou coletiva. submetida à atração contraditória da participação dependente e da consciência de classe”.Classe popular é inteiramente alienada e sua ação só pode ser orientada de fora. • . Alain Touraine.

os atores em oposição podem ser definidos pela posição relativa no sistema social. ou pele influência no sistema de decisão. Com o par I – O ponderante sobre T.AS FORMAS DE DECOMPOSIÇÃO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Os movimentos sociais podem se transformar em transmissores de valores ou transmissores de contradições. .

. •Só se chega a uma transformação das relações sociais em relações militares e na análise sociológica em arte política.•Só é possível analisar as orientações das ações em um sistema com conteúdo. •A noção de movimento social torna-se inútil e perigosa.

definindo o ator e o adversário pelas suas oposições relativas no interior deste sistema ou deste campo. . a ação se refere a um sistema de normas e de valores. •É preciso distinguir entre um movimento social e as condutas coletivas.•Se T prepondera sobre a o par I – O.

seja qual for o campo de atuação. O cientificismo e o positivismo acompanharam os movimentos sociais do século XIX sem se confundir com eles.MOVIMENTO SOCIAL ASSOCIADO A CONDUTAS DE INOVAÇÃO SOCIAL E CULTURAL O movimento social por muitas vezes é associado a condutas de inovação social e cultural. . As inovações sociais e culturais podem provir de todos os atores “modernos”.

as leis.A inovação cultural participa de movimentos sociais. somente se esta for polêmica Desafia a família. É comum a inovação crítica se desenvolver em uma situação pré revolucionária ou de crise social e cultura opostas á sua institucionalização. faz escândalos. á expressão e as necessidades fundamentais não constitui o campo de um conflito. ao desejo. Seu papel é provocar uma crise no sistema da ação histórica. a escola. mas procura atacar a ordem estabelicida. . O apelo ao espontaneísmo.

De um lado, é “recuperada” pela classe dirigente que articula a mudança; de outro, reaparece nas tendências do movimento social dos intelectuais. Essa ligação e separação do movimento social e da inovação se traduzem pela situação ambígua dos intelectuais.

FRONTEIRA OPOSTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS: PREVALECE O CONFLITO SOBRE A REFERÊNCIA AO CAMPO DO CONFLITO

O enfraquecimento do princípio da totalidade provoca a fragmentação dos conflitos.

Não são mais as classes que se chocam em um conflito societal, mas as categorias sociais particulares que desenvolvem um combate, cheio de significação de classe.

Os movimentos particulares podem se unir em um movimento geral, e questionar a classe dirigente e seus instrumentos de dominação. Trata-se de movimentos sociais, limitados pela ausência de reconhecimento do objetivo geral do conflito em que se envolvem. Tendências inovadoras conscientes. não são socialmente

Movimentos sociais particulares se organizam em torno da afirmação de uma identidade coletiva, de uma vontade e de uma organização.

Não há movimento social que não seja ao mesmo tempo consciência de si e instrumento da natureza das coisas. às pressões naturais de uma sociedade. . O princípio da totalidade foi definido como a referência ao sistema de ação histórica. Um movimento fascista tem como princípio de totalidade os direitos e valores de uma coletividade nacional ou étnica.A força protestatória é apenas um meio de pressão para se obter mais influência e a modificação de decisões políticas.

Não se trata de subestimar a imporâtancia de tais movimentos de crise.Um movimento fascista não é de direita. que se trata de uma convulsão da sociedade em crise e não a expressão de um conflito para o controle do desenvolvimento social. Uma crise provoca reações de defesa. Não podemos considerá-los como o instrumento da classe dirigente e nem esquecer do essencial. . mas afastá-los do campo de análise. trata-se da absorção da contestação social e da pressão institucional pelas condutas de crise.

Visam ao poder.NASCIMENTO DE UMA SOCIOLOGIA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Análise Sociológica •As condutas sociais são explicadas por elas próprias e não pelo recurso a outra ordem de fatos. . Lutam por uma legitimidade. reduzindo-o ao Estado. A sociedade molda o seu futuro através de mecanismos estruturais e das suas próprias lutas sociais. Analise Política •Os movimentos sociais são definidos em relação as instituições que atacam ou que defendem.

Estes dois modos de analises definem o movimento social pela referencia a uma ordem e não pela referencia a relações sociais. .

Em consequência. •Passa-se da identificação de uma natureza social para o reconhecimento da historicidade. •O modelo cultural toma a forma de um instrumento de transformação da prática social. a sociologia pode se constituir numa ciência que não mais fetichizava o social. mas somente se consolidou a partir da segunda metade do século XIX. •Com a retomada do controle social das mudanças econômicas. mas a oposição de atores econômicos. as relações de classe não são mais a oposição do trabalho e do não-trabalho.A perspectiva muda quando se penetra nas sociedades industriais •Alain Touraine afirma que a sociologia não é fruto da revolução industrial. .

sociais. de forma consciente e coletiva. de gênero ou de opção sexual. políticas. sejam elas econômicas. •Apelo tanto a uma gestão racional da produção como a uma satisfação das necessidades humanas. buscam transformar situações de opressão. raciais. • Socialmente organizado e que. caracterizam-se pelo seu caráter coletivo e dinâmico. .O que são portanto os movimentos sociais populares ? •A expressão das contradições e das crises do sistema econômico. culturais. •Os movimentos sociais populares.

é a crise geral do capitalismo que situam e definem os movimentos sociais. .•É o imperialismo. a empresa capitalista e o proletariado eram de fato os elementos centrais na transformação social e política. •O sentido verdadeiro de um movimento social só pode provir da sua transformação numa força propriamente política. • Um movimento social é o parteiro de uma nova sociedade liberada das contradições da sociedade anterior. •Com os primórdios do desenvolvimento industrial.

portanto.Porém na sociedade pós-industrial. Nesta nova sociedade. Os conflitos sociais.e. não se concentram mais no elemento econômico. esta centralidade da indústria . da mesma maneira. o conhecimento e a informação passam a constituir elementos chaves na produção. . do fator econômico produtivo .se perde.

de homossexuais. agora não mais econômicas. etc. mas destacadamente culturais: surgem os movimentos feministas. . abrindo espaço para outras reivindicações sociais. se institucionalizaram. estudantil.SURGEM OUTRAS REIVINDICAÇÕES •A relação trabalhador-patronato não é mais como antigamente. pois estes conflitos de classes de uma forma geral.

surgiu no ano de 1984. também chamado de movimento de contracultura. tem por objetivo a reforma agrária. Movimento Hippie Surgiu na década de 60.Principais movimentos sociais MST Movimento dos trabalhadores rurais sem terra. .

surgiu no ano de 1997 da necessidade de organizar a reforma urbana e garantir moradia a todos os cidadãos. .MTST • Movimento dos trabalhadores sem teto. Fórum Social Mundial •Surgiu em 2001 como contraponto ao pensamento único e a imposição do capital sobre os interesses dos povos e nações.

É um movimento social que defende igualdade de direitos e status entre homens e mulheres em todos os campos.Movimento Feminista Surgiu nos anos 60. . Movimento Estudantil EM 1937 Foi criada a UNE. surgiu com a perspectiva de discutir e corrigir os vários erros e problemas NA educação.

. terceiro setor e MST. . 1981. Maria da Glória. A – Os movimentos sociais. M. RJ: Vozes.)Sociologia e sociedade. In: FORACHI. M (org. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. Impactos sobre o futuro as cidades e do campo. – Petrópolis.REFERÊNCIAS GOHN. TOURAINE. 2000.Mídia.