You are on page 1of 45

UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí Curso de Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Comunicação Visual e Desenho Industrial Complementação de Conteúdo Acadêmica

: Nathália Caroline Bogo

Resumo Gestalt do Objeto
Sistema de Leitura Visual da Forma

INTRODUÇÃO

De acordo com a Gestalt, a arte se funda no princípio da pregnância da forma. Ou seja, na formação de imagens, os fatores de equilíbrio, clareza e harmonia visual constituem para o ser humano uma necessidade e , por isso, considerados inseparáveis. Em consonância com o exposto, acredita-se que a tarefa de designer, do artista ou de qualquer outro profissional é a de conceber e desenvolver objetos que satisfaçam as necessidades de adequada estrutura formal, respeitando-se os padrões culturais, estilos ou partidos formais relativos e intrínsecos aos diversificados objetos concebidos, desenvolvidos e construídos pelo homem. Pensa-se que este objetivo possa ser alcançado tendo como referência de embasamento os estudos e experiências realizados pelas Gestalt no campo da percepção visual da forma. A seguir transcreve-se uma síntese da “fundamentação teórica da gestalt”.

TEORIA GERAL DA GESTALT
A Gestalt afirma o princípio que vemos as coisas sempre dentro de um conjunto de relações. Tal fato, contribui para alterar nossa percepção das coisas. Como nos fenômenos de ilusão de óptica, em outros exemplos, baseado em figuras geométricas. A Gestalt afirma o princípio de que que vemos as coisas sempre vemos as coisas sempre dentro de um conjunto de relações. Tal fato, contribuem para alterar nossa percepção das coisas percepção das coisas. Como nos fenômenos de ilusão de nos fenômenos de ilusão de óptica e, em outros exemplos, baseado em figuras geométricas.

Linhas horizontais: absolutamente paralelas.

As linhas diagonais têm o mesmo comprimento.

TEORIA GERAL DA GESTALT

Forças internas de organização dada forma: forma:

Linhas inclinadas: absolutamente paralelas

Os dois círculos do meio são do mesmo tamanho

Sensação de Movimento

Leis da Gestalt • • • • • • • • Unidade Segregação Unificação Fechamento Continuação Proximidade Semelhança Pregnância da Forma .

SEGREGAÇÃO É a nossa capacidade de separar. fará com que nossa percepção separe os elementos. Um círculo com um quadrado em cima. sendo um círculo e outro quadrado. gravata. A unidade também pode conter várias sub-unidades. O grupo de 6 pessoas é composto por 6 unidades.UNIDADE Uma unidade pode ser um elemento ou um grupo de elementos que forma um elemento como um todo. . dependendo da desigualdade dos elementos. evidenciar ou destacar unidades formais em um todo compositivo ou em partes deste todo. a mulher de azul é uma unidade. O cubo é um exemplo de unidade que não faz parte de nenhum grupo pois está sozinho. como forma e cor. identificar. Pode-se segregar uma ou mais unidades. etc. como o cabelo. Também pode ser considerado como uma unidade o grupo como um todo e cada pessoa do grupo é uma subunidade. por exemplo. Outras partes da figura podem ser consideradas subunidades. terno.

Este quadrado. dessa vez dispostas um pouco diferentes. são várias bolinhas dispostas uma ao lado da outra. mesmo que a distância entre as fileiras sejam iguais. E mais: esta relação que forma o “um” sugere que estes elementos são relacionados. e não mais parecerão distintos. interpreta-se que isso é um quadrado. No desenho abaixo.PROXIMIDADE O princípio da proximidade basicamente diz que quando vários itens estão próximos entre si. os circulos brancos e pretos parecem se agrupar. coesa. de alguma maneira. formam uma unidade visual única. . na verdade não é um quadrado. “transformando-se” em uma série de colunas. As mesmas bolinhas. SEMELHANÇA Objetos similares em forma ou tamanho ou cor são mais facilmente interpretados como um grupo. mas pelo princípío de proximidade.

como forma e cor. Um círculo com um quadrado em cima.UNIFICAÇÃO É a harmonia que um objeto transmite devido a sua forma que produz igualdade nos elementos que o compõe. evidenciar ou destacar unidades formais em um todo compositivo ou em partes deste todo. Assim como uma roda de bicicleta. identificar. por exemplo. . sendo que quanto melhor for a organização dos objetos mais unificação tendem a obter. FECHAMENTO É a nossa capacidade de separar. Pode-se segregar uma ou mais unidades. dependendo da desigualdade dos elementos. fará com que nossa percepção separe os elementos. dando a sensação de unificação entre eles. O efeito de unificação também transmite o equilíbrio. harmonizada pela igualdade dos raios lado a lado. sendo um círculo e outro quadrado.

Pode ser caracterizada como a organização visual da forma do objeto em termos de facilidade de compreensão e rapidez de leitura ou interpretação.PREGNÂNCIA DA FORMA Pregnância é equilíbrio. . É de rápida leitura e interpretação. É o mínimo de complicação na organização dos elementos. clareza e unificação visual.

CONCEITUAÇÃO DA FORMA • • • • • • • Forma Ponto Linha Plano Volume Configuração Real Configuração esquemática .

uma linha. em parte. A forma é definida como os limites exteriores da matéria de que é constituído um corpo e que confere a este um feitio. Contrastes dos elementos que constituem o objeto.CONCEITO DA FORMA Figura ou imagem visível do conteúdo. um plano ou um volume. . Aparência externa. é necessário que existam variações. condições e imagens que prevalecem no sistema nervoso do observador que é. A forma pode ser um ponto. em função dos contrastes. Para se perceber uma forma. ou seja. As diferenças acontecem por variações de estímulos visuais. A percepção da forma é o resultado de uma interação entre o objeto físico e o meio de luz agindo como transmissor de informação. determinada pela própria experiência visual. configuração. dos elementos que configuram um determinado objeto ou coisa. aspecto Para perceber uma forma deve haver variações diferenças no campo visual. que podem ser de diferentes tipos. diferenças no campo visual. uma configuração.

O ponto é qualquer elemento que funcione como forte centro de atração visual dentro de um esquema estrutural. define também estilos e qualifica partidos formais como Linhas Modernas. A linha conforma. principalmente. Linhas Geométricas. Quando dois pontos estão tão próximos entre si. e a cadeia de pontos se converte em outro elemento visual distinto: a linha. que não podem reconhecer se individualmente. A linha pode definir se também como um ponto em movimento.PONTO Unidade mais simples e irredutivelmente mínima de comunicação visual. Linhas Orgânicas. no plural. Em design. LINHA A linha é definida como uma sucessão de pontos. LinhasAerodinâmicas e outros. . contorna e delimita objetos e coisas de modo geral. o termo linha. aumenta a sensação de direcionamento.

etc VOLUME O volume é definido como algo que se expressa nas três dimensões do espaço.PLANO O plano é uma sucessão de linhas. Pode ser físico ou criado por meio de artifícios e efeitos visuais. tecidos. O comprimento e a largura predominam fortemente em relação à espessura. . Superfícies. pisos. fachadas.

Representação esquemática dos objetos A representação real dos objetos ou coisas de modo geral são limites reais traduzidos pelos pontos. linha. Nesse sentido. Fotografia Ilustrações e pinturas Estátuas. em particular. Configuração chapada. plano. Entretanto.CONFIGURAÇÃO REAL Representação real dos objetos. monumentos. é quando o esqueleto estrutural pode ser incorporado por umagrande variedade de formas. CONFIGURAÇÃO ESQUEMÁTICA É o registro por meio de representação esquemática de modo geral e da representação por meio do conceito de esqueleto estrutural. de objetos ou coisas. e de um soldado. As configurações esquemáticas são as formas materiais que se originam na nossa percepção. é possível reconhecer a figura de um elefante. produtos . Ou seja. aqui também não é possível identificar especificamente qual é o elefante e o soldado. conhecida. Abaixo. mas que raramente coincidem com elas. volumes ou massas. uma configuração esquemática nem sempre é percebida como a forma de uma coisa.

CATEGORIAS CONCEITUAIS FUNDAMENTAIS • • • • • • • • • • • HARMONIA • HARMONIA ORDEM • ORDEM E • REGULARIDADE • DESARMONIA • DESARMONIA/DESORDE M • DESARMONIA/IRREGULA RIEDADE • EQUÍLIBRIO • EQUÍLIBRIO PESO E • DIREÇÃO • EQUÍLIBRIO SIMETRIA EQUÍLIBRIO ASSIMETRIA • EQUÍLIBRIO SIMETRIA &ASSIMETRIA • DESEQUÍLIBRIO CONTRASTE CONTRASTE/LUZ E TOM CONTRASTE/COR CONTRASTE VERTICAL & HORIZONTAL CONTRASTE MOVIMENTO CONTRASTE DINAMISMO CONTRASTE RITMO CONTRASTE PASSIVIDADE CONTRASTE PROPORÇÃO & ESCALA CONTRASTE PROPORÇÃO & ESCALA CONTRASTE AGUDEZA .

Obtém-seordem pela presença de relações ordenadas naquilo que é visto ou. HARMONIA . No design da figura do prato. o resultado de uma perfeita articulação visual na integração e coerência formal das unidades ou partes daquilo que é apresentado. com pesos visuais distribuídos de modo absolutamente homogêneo. possibilitando. uma leitura simples e clara. ainda. Ou seja. por compatibilidade de linguagens formais. daquilo que é visto. percebe-se o conceito de harmonia por absoluta ordem no desenho de seus elementos informacionais e decorativos. Na harmonia plena.ORDEM A harmonia por ordem acontece quando se produz concordâncias e uniformidades entre as unidades que compõem as partes do objeto ou o próprio objeto como um conjunto. E. em síntese. predominam os fatores de equilíbrio. . Reforçado ainda pelo equilíbrio simétrico. geralmente.HARMONIA A harmonia diz respeito à disposição formal bem organizada e proporcional no todo ou entre as partes de um todo. quando não existem alterações ou conflitos formais no adrão ou no estilo visual do objeto. de ordem e de regularidade visual inscritos no objeto ou na composição.

A organização visual encontra-se em equilíbrio perfeito. O padrão de conjunto do objeto permanece inalterado.desalinhamentos. inclusive. ora às escuras. . observar todas as leis da Gestalt como: boa continuidade. Na primeira figura. desproporções e na qual o objeto ou composição alcance um estado absolutamente nivelado em termos de equilíbrio visual. DESARMONIA Discordâncias entre unidades dentro de partes ou de um todo. fechamento e unificação dos seus elementos. Desproporcionalidades. Incompatibilidades de linguagens formais. semelhança. proximidade. nota. Sobreposições aleatórias As duas figuras abaixo traduzem exatamente o conceito de harmonia por regularidade. Pode-se.se o interessante efeito de ambiguidade das setas. Tudo isso redunda em uma leitura com alta pregnância formal nas duas imagens. que ora nos parecem ser às claras.HARMONIA REGULARIDADE A obtenção da harmonia por regularidade consiste basicamente em favorecer a uniformidade de elementos no desenvolvimento de uma ordem tal em que não se permitam desvios.

Se caracteriza também pela ausência de relações ordenadas naquilo que é visto ou por incompatibilidade de linguagem formal ou quando os desvios são bastantes fortes para alterar o padrão ou estilo visual do objeto. Disposições fragmentadas e aleatórias de unidades também podem contribuir para a desarmonia. Desarticulação na integração das unidades que constitui o todo. DESARMONIA IRREGULARIDADE .DESARMONIA DESORDEM A desarmonia por desordem visual acontece quando se produz discordância entre elementos ou unidades .

todos os fatores como configuração. O sentido da visão experimenta equilíbrio quando as forças fisiológicas cor respondentes no sistema nervoso se distribuem de tal modo que se compensam mutuamente. na sua maneira mais simples. Ou. é regular e bem ordenada. que origina forte apelo e atração visual na imagem. Ele é conseguido. PESO E DIREÇÃO O peso visual exerce influência particular sobre o equilíbrio e. . de um ponto de atração visual O conceito de direção é uma valiosa ferramenta para soluções projetuais. Para isto. A harmonia. Cada uma das direções tem um forte significado associativo. pela distribuição equitativa dos pesos e pelas elipses gravitando em torno do ponto central. compensam se mutuamente. O círculo expressa o conceito de equilíbrio absoluto. em uma composição equilibrada. possui um efeito dinâmico (força e movimento). por sua vez. é o estado de distribuição no qual toda a ação chegou a uma pausa. O peso sofre influência da direção (rumo) e da localização da ou das unidades formais que constituem o objeto. Esta definição física é aplicável também ao equilíbrio visual. e o todo assume o caráter de "necessidade" de todas as partes. A direção indica o sentido do movimento ou das forças visuais. tanto físico como visual. Por exemplo. ainda. O equilíbrio. denotativo ou conotativo. agindo sobre um corpo. direção e localização determinam se mutuamente de tal modo que nenhuma alteração parece possível. por meio de duas forças de igual resistência que puxam ou atuam em direções opostas. concorre o fator de simetria axial.EQUILÍBRIO O equilíbrio é o estado no qual as forças. sempre. presente em todos os eixos.

. Dá origem a duas ou mais formulações visuais. Produz instigação psicológica. • Lados desiguais. Cria e valoriza efeitos plásticos. • Complicado conseguir equilíbrio visual. geralmente. opostas e iguais. Composições interessantes. estáticos. chatos. Resultados podem ser enfadonhos.SIMETRIA A simetria é um equilíbrio axial. o ajuste de muitas forças visuais. vertical e diagonal. • Requer. Eixos: horizontal. ASSIMETRIA Assimetria é ausência de simetria axial.

traz as formas dos objetos.DESEQUILÍBRIO É o oposto do equilíbrio. chamando a atenção ou até o inquietando. A partir de diferentes cores também pode se notar o contraste realçando ou não diversos elementos. . é quando as forças que agem sobre os corpo não consegue equilibrar-se. pode ser a partir de movimentos e dinamismo. é onde através da luz ou de sua ausência. Este estado pode trazer uma certa atenção ao observador. . CONTRASTE O contraste tem uma grande importância. O contraste também pode ser vertical ou horizontal.

matiz. Permite criar todo tipo de sensação: delicadeza.. Monotonia. Um mesmo tom muda de valor conforme outro que se lhe associe.. Características: brilho. Sucessivos contrastes de claro/escuro reproduz o efeito da luz sobre os objetos e a noção de volume. descontração. tristeza. tranquilidade. Sensação de peso e de calor. nas pessoas. . emociona. drama. com a presença ou ausência da cor. refinamento. estimula e atrai visualmente. excitação Calma. COR Contexto Cultural: Presente na natureza. sensualidade. tonalidade Comportamental Reações biológicas e psicológicas : Sensação de agitação Tensão nervosa. nos objetos e nos ambientes de modo geral. contentamento.LUZ E TOM Aguça o significado da forma. Excita. austeridade.

se elevar. Acontecimentos que se dão em seqüência criando sensação de mobilidade e rapidez. MOVIMENTO A sensação de movimento é função de velocidade e direção. Formas oblíquas. tendência a subir. de cunha. Direções verticais > Sensação de leveza. etc.VERTICAL HORIZONTAL Direções horizontais > sensação de solidez estabilidade. por meio de estimulações momentâneas. sombreadas. . são qualidades que concorrem para a percepção da sensação de movimento.

Conexões visuais na maior parte das vezes uniformemente contínuas ou sequenciais ou semelhantes. mais rápido. ritmo. RITMO Apresenta um conjunto de sensações de movimentos encadeados ou de conexões visuais ininterruptas. energia. mais forte. .DINAMISMO Movimento mais violento. Movimento intenso Muita ação. mais veloz.

A escala estabelece as medidas proporcionais dessas relações. estático. . Essa relação chama-se escala. Algo passivo. PROPORÇÃO E ESCALA Um elemento é grande ou pequeno. sempre comparativamente a outro elemento. pesado ou leve. Em qualquer composição que apresente um equilíbrio absoluto na qual as forças visuais se encontrem em repouso. claro ou escuro.PASSIVIDADE Ausência de movimento.quente ou frio etc. parado.

Contornos precisos. rígida. Formas pontiagudas. . Contornos retos. Nitidez de expressão da forma. Agressividade. Contornos retos e precisos. cortantes. Tensão. Nitidez de expressão da forma.AGUDEZA Clareza e a acuidade visual. Clareza e acuidade visual. Impacto visual.

Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas • • • Fornecem subsídios para o procedimento criativo com relação a concepção de trabalhos e desenvolvimento de projeto de qualquer natureza. Auxilia a leitura visual da forma Não tem nenhuma relação com efeitos visuais (fotoshop) .

Pode se manifestar em uma estrutura formal simples com poucas unidades. ou complexas com unidades compositivas. • • • Ordenação de planos: terra.CLAREZA Manifestação visual bem organizada e unificada. SIMPLICIDADE É inerente a natureza humana. a água e as pranchas sugerem o local. . Formas simples são mais harmoniosas e unificadas. portanto . a idéia de temperatura e as silhuetas indicam o sexo dos indivíduos. Ordenação de cores: tons de preto. Minimiza a leitura e torna mais clara a mensagem. harmoniosa e equilibrada. tons de amarelo e vermelho Muitas unidades compositivas: cores quentes. tons de azul e violeta. • • Elementos compositivos bem organizados. A técnica apresenta poucas informações proporcionadas pela forma e rápida compreensão e ou interpretação. A impressão em uma cor permite identificar as formas. água e ar.

COMPLEXIDADE Construção oposta ao conceito de simplicidade. Na imagem da cidade sintetiza a complexidade no crescimento desordenado de uma cidade EstaS imageNS sintetizaM o conceito de minimidade formal. organização social. Pode-se definir como o uso do essencial. MINIMIDADE Técnica econômica de organização visual. • • No fluxograma há categorias diversas que influenciam a análise de um sistema: meio ambiente cultural. Clareza e simplicidade estão implícitas na técnica. patrimônio genético. muito simples. Muitas unidades formais na construção do objeto tanto em relação as partes como na relação com o todo que a forma representa. claro e econômico . Torna mais nítida essa clareza e simplicidade com uso de unidades e elementos informacionais.

PROFUSÃO Apresenta complexidade pela apresentação de várias unidades informacionais na elaboração do objeto ou da composição. produtos. Compatibilidade de estilo e linguagem. COERÊNCIA A ideia de coerência é caracterizada pela organização visual. riqueza. pela visão integrada e harmoniosa do todo. Associa-se a Profusão como poder. compreendendo assim as várias informações do site. imponência apresentadas nos estilos góticos. composição ou objeto). arquitetura. arte deco. que enfatizam a criação (obra. publicidade. por estar tudo em um mesmo tom Esta imagem sintetiza o excesso de unidades formais e ainda percebe-se a riqueza de detalhes inseridos nesta obra. por vezes supérfluos. . Esta paisagem demonstra a coerência no seu todo. Equilíbrio. Recurso de ornamentação: são carregadas na sua apresentação por apresentarem elementos adicionais. Nesta imagem a coerência se manifesta na forma de compatibilidade e estilo de linguagem. barroco. Esses estilos se manifestam em vários setores como arte.

. Percebe-se que a base do aerofólio está totalmente em desacordo com o conjunto criando a incoerência. A incoerência está presente na total mistura de objetos para formar o todo (motor). Os objetos tem leitura desarmônica. sem articulação ou integração para a composição do todo.INCOERÊNCIA Linguagens distintas e conflitivas na composição das partes ou do todo.

na época davase maior importância aos braços e pés Esta imagem mostra claramente a suavidade do desenho orgânico. naturalidade e maciez proporcionadas por formas orgânicas. tipologia. Formas arredondadas proporcionam a ideia de continuidade. sobressaltos ou rupturas visuais na leitura. A leitura do objeto não apresenta quebras. cosméticos. Exemplo: linhas automotivas. a técnica de exageração predispõe à utilização também de elementos de profusão que. eletrônicos. quando bem utilizados. ARREDONDAMENTO A técnica informa suavidade. . Em muitos casos. deixando-a pequena na obra. valorizou os pés e mãos grandes e desvalorizou a cabeça.EXAGERAÇÃO A técnica recorre a extravagância. Intensidade e amplificação de certos aspectos de um objeto. podem conferir um caráter de riqueza visual e de chamamento da atenção à mensagem ou ao objeto. A leitura de um objeto construído pela técnica do arredondamento é mais fácil. remetendo também a natureza. porque encontramos suas formas na natureza.

TRANSPARÊNCIA FÍSICA A transparência é definida pela física ótica como a característica do objeto ter mais refração de luz do que reflexão. Em termos mais simples é característica do objeto permitir a leitura de outro objeto que tenha sido colocado atrás ou no interior de outro objeto. A técnica é usada de forma funcional. delicadeza TRANSPARÊNCIA SENSORIAL de técnicas de Percepção de transparência por meio pintura ou digitais (softwares) muito próximas da realidade visual dos objetos. Dessa maneira é possível que a luz passe pelo objeto permitindo refletir o objeto sobreposto a ele. Estas imagens representam claramente a percepção através de softwares. Variam o grau de transparência: do mínimo até o máximo. O uso da técnica de transparência transmite leveza. Exemplo permitir a visualização do conteúdo da embalagem. .

funcional ao objeto. Opacidade nesta imagem refere-se ao texto em branco sob a garrafa transparente REDUNDÂNCIA Caracterizada pela repetição ou por excesso de elementos iguais. A opacidade pode ser usada de forma informacional.OPACIDADE Opacidade é a capacidade que o objeto tem em refletir a luz que incide sobre ele. A técnica implica a ideia de bloqueio. Chamam a atenção para o objeto ou para composição. mas é preciso muito cuidado para não tirar o foco. São usados como atração visual. maior reflexão e menor refração de luz. Ou seja. Nesta imagem já se refere ao livro que está tampando a imagem do homem. Enfatizam a mensagem. ocultação de elementos visuais na composição do todo. . O uso da técnica de Redundância se justificam pelo reforço e fixação da ideia/conceito.

ESPONTANEIDADE Técnica voluntária. ou seja.AMBIGUIDADE Ambiguidade é definido como a característica que permite interpretações distintas de ideias a partir do mesmo objeto observado. Possuem grande carga emotiva e impulsividade Possuem ordem de composição apesar dessa impulsividade A organização formal do objeto dificilmente está associada a essa técnica de composição. Causam percepções visuais interessantes. visual ou verbo-visual. Gera a indefinição geométrica e orgânica da forma. seja ele verbal. . não apresenta um planejamento visual visível. Produz efeitos curiosos. instigantes do ponto de vista psicológico.

Agressividade visual em algumas composições. FRAGMENTAÇÃO Técnica de organização formal que geralmente está associada à decomposição dos elementos ou de unidades em peças separadas que se relacionam entre si. de modo não sequencial. acidental. Técnica muito criativa. desorganização aparente. Transmitem uma falta de planejamento mais explícita. . mas que exige muito controle visual para manter a composição. Causam excitação e variedade. Exige controle visual para realizar a composição.ALEATORIEDADE Os elementos que compõem a composição obedecem a um esquema rítmico.

Comunica refinamento visual ao todo ou à parte da composição. Podem transmitir ideia de calor. planos e volumes.SUTILEZA Esta técnica proporciona ao objeto aspecto elegante. sonho. ilusão. Sugere bom gosto DIFUSIDADE Recurso utilizada que abordam muito as sensações que variam com sua composição. O grau de difusão é variável em intensidade e elemento e pode definir a percepção da construção do objeto . Não possui formas definidas. Não há clareza e ou explicitação de linhas.

. Geralmente. conhecimento. brilhos. sombras e outros.DISTORÇÃO Propósito visual forte. torna o conceito proposto mais intenso por desviar o olhar do formal. As impressões sensoriais que acompanham as percepções de profundidade de perspectiva. volumes. apresenta sucessões de figuras consubstanciadas em elementos diversos como linhas. PROFUNDIDADE A técnica de profundidade é possível com manipulação de imagens retilíneas e gradientes de cor de estimulação ordinal. dos controles regulares. Essa técnica precisa de bom manejo. Traz dramaticidade. impactante. cores.

A sequência ocorre por linhas. sobreposição. em qualquer disposição visual. volumes. SEQUENCIALIDADE Baseada na ordenação de unidades e elementos de maneira contínua e lógica. . cores. rígidas.SUPERFICIALIDADE Técnica de representações formais chapadas ou bidimensionais (largura e altura). alinhadas lado a lado. Utiliza configurações planas. texturas. planos. Ausência de efeitos de perspectiva no elemento ou na composição. Podem ser dispostas ainda por profundidade. justaposição.

escala e densidade. para garantir o equilíbrio e a harmonia visual da composição . tamanho. proporção. CORREÇÃO ÓPTICA Técnica de controle visual ou correção de composição do objeto para obter ajustes e proporções mais harmônicas.SOBREPOSIÇÃO Sobreposição é definida como a organização de elementos colocados uns em cima de outros. A composição de elementos sobrepostos são alcançadas por recursos de ordenação por posicionamento.

RUÍDO VISUAL São interferências ou distorções da comunicação visual. por ambiguidade. por sutileza e assim por diante. pela localização. pela cor. para facilitar o uso de controle de algum tipo de recurso técnico – num objeto por exemplo) através dos mais diversos recursos: pela forma. por redundância. a fim de criar centros ou ponto de interesse numa determinada manifestação visual (inclusive do ponto de vista operacional. ordem ou composição do objeto de maneira parcial ou total. . Perturbações ou anomalias na harmonia. O ruído visual pode ser utilizado de maneira criativa.

técnico e profissional. Entretanto. as dificuldades iniciais deverão desaparecer a medida que o leitor estudar e assimilar o conteúdo deste mesmo sistema e. atribuindo a qualidade para a pregnancia da forma. de seu repertorio cultural. . se dispuser a realizar diversos exercícios práticos de leitura. vão depender da sua maior ou menor sensibilidade. Examinar o objeto e segregá-lo em suas partes ou unidades principais 2. abaixo recapituladas: Unidades: que são os elementos que configuram a forma. Podemos considerar o sistema de leitura visual da forma. e descrevê-las caracterizando-as 4. perceber ou identificar as unidades. Unificação: é a coesão visual da forma em função do maior equilíbrio e harmonia da configuração da forma. Identificar. Descompor e suas outras unidades compositivas. Semelhança e/ou Proximidade: se consubstanciam em padrões de unidades. analisar e interpretar cada uma das leis em cada unidade. Estes dois passos básicos são. pela sua própria e intrínseca organização e que também colaboram poderosamente para a unificação formal. Concluir a leitura visual. Boa continuação: padrão visual originado por configurações que apresentam sequencias ou fluidez de formas. até o nível considerado satisfatório 3. Pregnância da Forma: as forças de organização da forma tendem a se dirigir tanto quanto o permitam as condições dadas. da ordem e do equilíbrio visual.SISTEMA DE LEITURA VISUAL DA FORMA DO OBJETO A apresentação rápido do sistema e a maior facilidade para proceder a leitura visual da forma do objeto. os seguintes: LEITURA VISUAL DO OBJETO PELAS LEIS DA GESTALT Esta leitura aborda as seguintes leis da Gestalt. consubstanciado em dois passos básicos que deverão orientar a pessoa nesta iniciação. no sentido da harmonia. Segregação: que é o ato de separar. pela ordem. Este primeiro passo consiste nas seguintes etapas básicas: 1. Fechamento: que apresenta características espaciais que dão a sensação de fechamento visual dos elementos constituintes da forma. igualmente. interpretando a organização formal do objeto como um todo.

1. entram novamente a sensibilidade e o repertório do leitor. A segunda identificada por Categorias Conceituais . Aqui o leitor deverá se valer do conteúdo explicitado nas categorias conceituais fundamentais e nas categorias conceituais fundamentais e categorias conceituais/técnicas visuais aplicadas.SISTEMA DE LEITURA VISUAL DA FORMA DO OBJETO LEITURA VISUAL DO OBJETO PELAS CATEGORIAS CONCEITUAIS Neste segundo passo. pode-se estender a leitura quase que interminavelmente em função dos seus inúmeros desdobramentos. ANÁLISE DA ESTRUTURA PESCEPTIVA DO: OBJETO E INTERPRETAÇÃO CONCLUSIVA 1.2 apontar e articular intelectualmente as diversas categorias conceituais em textos descritivos. etc. Analisar a estrutura perceptiva do objeto em função do seu nível qualitativo. o leitor deverá julgar se a imagem do objeto reflete padrões de harmonia e equilíbrio no seu todo e nas suas partes constitutivas. Esta interpretação va conferir um índice de avaliação em termos de qualidade formal apresentada pelo objeto. 1. se existe coerência. Dependendo do tipo de objeto e em função de sua maior ou menor complexidade. regularidade. EXEMPLOS PRÁTICOS – LEITURA VISUAL DA FORMA DO OBJETO Os exemplos a seguir colocados. clareza. Os exemplos se dividem em duas etapas: A primeira identifica as leis da Gestalt.1 listar as categorias conceituais que estão explícitas ou inscritas na configuração das unidades e/ou do objeto como um todo. Interpretação conclusiva/pregnância da forma: nesta etapa final. objetivam demonstrar o sistema da leitura visual aplicada na prática. 2.

. sendo o circulo e a estrela de 3 pontas Boa continuidade presente nas formas. A estrela representa uma unificação dos pesos visuais homogeneamente distribuidos e a harmonia absolutamente ordenada . O símbolo está em perfeito fechamento.LEITURA VISUAL DA FORMA DO OBJETO LEIS DA GESTALT Análise da Estrutura Perceptiva do Objeto Unidades principais: 2 unidades. Interpretação conclusiva pregnância da forma O símbolo da Mercedes Bens está em perfeita pergnância da forma alta por apresentar atributos de equilibrio e harmonia muito bem resolvidos. resultando em fácil e rápida leitura visual.

mais suas partes translúcidas e a externa coerência visual de sua linguagem formal. apresenta características de simplicidade. situado sobre piso homogêneo e limpo. Análise da Estrutura Perceptiva do Objeto O automóvel estilo Hot de linhas orgânicas e geométrica. A imagem como um todo apresenta uma configuração simétrica de forma equilibrada. configurados pela lanterna frontal.LEITURA VISUAL DA FORMA DO OBJETO CATEGORIAS CONCEITUAIS Interpretação conclusiva pregnância da forma A pregnância da imagem é alta em todos os planos. . O cenário de fundo que está representado por um galpão de concreto com portas de metal apresenta configuração simétrica em função da simplicidade. o todo mostra-se ordenador com cores predominantes quentes e fundo de cor fria realçam a sensação de sutileza visual. o que resulta em uma fácil absorção da leitura visual do veículo. criando uma sutileza em sua forma. profundidade e correção óptica de unidades formais em sua organização visual como um todo. minimidade. com uma sutileza necessária e claramente mostra-se uma profundidade. A sua cor predominantemente amarela. minimidade e coerência. Conferem ao veículo uma aparências leve e reforça sua clareza visual. espelho retrovisor lateral e rodas que não se integra de forma coerente. arredondamento. visto como primeiro plano da imagem. embora pouco prejudicada em sua unificação por alguns ruídos visuais.