You are on page 1of 64

Instituto Federal de Educação Tecnológica

Departamento de Construção Civil
Curso Superior de Tecnologia em ESTRADAS

Aula 2: Agregados para a construção civil

Definição

AGREGADOS

• Material granular inerte (pedra, areia, etc.), que participa da composição de concretos, argamassas e alvenarias, e cujas partículas são ligadas entre si por um aglutinante (cimento).

• É um material sem forma ou volume definido, geralmente inerte, de dimensões e propriedades adequadas para produção de argamassa e concreto (NBR - 9935).
Fonte: Aurélio

AGREGADOS O que se espera do agregado:  Quimicamente inertes  Fisicamente compatíveis – Cimento – Armadura  Duráveis – Expostos a solicitação  Boa aderência com a pasta  Formas e dimensões definidas .

AGREGADOS IMPORTÂNCIA ECONÔMICA  Custo do agregado < < custo do cimento  Ocupam de 60 a 80 % do m3 de concreto  Produção nacional > 200 milhões de ton / ano .

AGREGADOS IMPORTÂNCIA TÉCNICA • Influenciam muitas propriedades do concreto no estado fresco e endurecido – Trabalhabilidade – Retração por secagem – Propriedades mecânicas – Desgaste por abrasão .

AGREGADOS CLASSIFICAÇÃO GERAL DOS AGREGADOS  ORIGEM  DIMENSÕES  MASSA UNITÁRIA .

AGREGADOS
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À ORIGEM • Naturais aqueles utilizados tal como encontrados na natureza (areia de rio, seixo rolado, pedregulho, areia artificial,pedra britada) • Artificiais aqueles que são obtidos industrialmente, ou melhor, através de um processo industrial (poliestireno expandido, argila expandida, vermiculita)
CURSO: TECNOLOGIA DO

AGREGADOS
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À DIMENSÃO • FILLER < 0,075 mm

• MIÚDO

0,075 a 4,8 mm

• GRAÚDO

4,8 a 152 mm

CURSO: TECNOLOGIA DO

AGREGADOS

CLASSIFICAÇÃO COMERCIAL
Brita 0 Brita 1 4,8 a 9,5 mm 9,5 a 19,0 mm 19,0 a 25,0 mm 25,0 a 38,0 mm

Brita 2
Brita 3 Brita 4 Brita 5

38,0 a 76,0 mm
> 76,0 mm

. etc. • Normais (1000 <M < 2000 kg/m3) seixo rolado..... etc. • Pesados (M > 2000 kg/m3) barita.AGREGADOS QUANTO À MASSA UNITÁRIA • Leves (M < 1000kg/m3) argila expandida. pedra britada. areia de rio... etc. vermiculita. hematita.

Superfície específica • .

AGREGADOS PROPRIEDADES FÍSICAS − Distribuição granulométrica – Massa unitária – Massa específica – Umidade e absorção – Forma do grão .

AGREGADOS DISTRIBUIÇÃO GRANULOMÉTRICA • Determinação da distribuição dos tamanhos dos grãos do agregado • Feita por peneiramento • Resulta: dimensão máxima Dmáx módulo de finura MF .

AGREGADOS Curva granulométrica .

Agregados Análise granulométrica de uma areia CURSO: TECNOLOGIA DO .

Índices físicos • Granulometria .

Índices físicos • Granulometria • Determinação da distribuição dos tamanhos dos grãos Descontínua .

CURSO: TECNOLOGIA DO .Agregados Dimensão máxima característica (DMC) • É a abertura de peneira à qual corresponde uma porcentagem retida acumulada igual ou imediatamente inferior a 5%.

Agregados Dimensão máxima característica (DMC) • Condicionantes: – Dimensões da peça – Espaçamento nas armaduras – Tipo de lançamento CURSO: TECNOLOGIA DO .

CURSO: TECNOLOGIA DO .Agregados Módulo de finura (MF) • É a soma das porcentagens retidas acumuladas nas peneiras da série normal. dividida por 100.

8 15.81 CURSO: TECNOLOGIA DO .2 0.1 0 3 10 20 0 3 13 33 0.75 2.0 75.0 3.0 0.0 80.6 29.0 17.Agregados Análise granulométrica de uma areia Peneira (mm) Massa retida (g) Amostra 1 Amostra 2 Amostra 1 % retida Amostra 2 Média % acum.3 4.0 100.0 19.0 500.4 9.0 100.0 18.6 0.0 48.6 15.0 21.8 10.0 14.0 150.0 144.0 20 29 15 3 100.15 <0.4 28.8 2.0 50.0 53 82 97 100 DMC = 4.0 2.0 3.15 Total 94. 6.0 95.0 15.0 506.0 107.0 107.4 1.5 21.0 0.3 0.0 0.75mm MF= 2.0 10.

0 4.84 CURSO: TECNOLOGIA DO CONCRETO .5 25 Total 150 2800 1200 750 100 5000 250 2750 1250 700 150 5100 100.5 31.9 100.9 53.0 4 56 24 14 2 4 60 84 98 100 DMC = 63mm MF= 8.0 100.9 24.5 13.0 0 0 0 63 50 37. 75 0 0 0.Agregados Análise granulométrica de uma brita Peneira (mm) Massa retida (g) Amostra 1 Amostra 2 % retida Amostra 1 Amostra 2 Média % acum.0 3.7 2.0 56.0 2.0 15.0 24.

8 do menor espaçamento entre armaduras horizontais • < 1.2 do menor espaçamento entre as armaduras verticais • < 1/4 do diâmetro de tubulação de bombeamento CURSO: TECNOLOGIA DO .Agregados Dimensão máxima característica (DMC) • < 1/3 espessura lajes ou pavimentos • < 1/4 das faces das fôrmas • < 0.

Frações granulométricas • Pedrisco e pó de pedra: massa asfáltica • Brita 1: concreto bombeado • Brita 2: base e sub-base rodoviárias e grandes volumes de concreto • Brita 3: lastro ferroviário • Blocos: muros de gravidade e enrocamento de barragens .

Frações granulométricas .

Agregados Propriedades físicas Distribuição granulométrica Massa unitária Massa específica Umidade e absorção Forma do grão CURSO: TECNOLOGIA DO .

Agregados Massa unitária MASSA DE AGREGADO VOLUME UNITÁRIO Importante na transformação do traço de de massa para volume! NBR 7251 – estado solto (obra) NBR 7810 – estado compactado (dosagem) CURSO: TECNOLOGIA DO .

permeáveis ou impermeáveis.35 a 1. Empregada para a transformação de traços em massa para volume.35 kg/dm3. incluindo neste os vazios.47 kg/dm3 .Determinação da massa unitária e dos espaços vazios Valores obtidos para os materiais da região: • Areia de rio: 1.Agregados .Índices físicos • Massa unitária É a massa por unidade de volume. • Areia vermelha: 1.28 a 1. • Britas 1 ou 2: 1.42 kg/dm3.36 a 1. • Brita zero ou pedrisco: 1.  unit m  ( kg / m 3 ) V Para agregados miúdos e graúdos: NBR NM 45:95 .45 a 1. contidos nos grãos.52 kg/dm3.

Agregados Propriedades físicas Distribuição granulométrica Massa unitária Massa específica Umidade e absorção Forma do grão .

Agregado miúdo Determinação da massa especifica e massa especifica aparente Para agregados graúdos: NM 53:2002 – Agregado graúdo – Determinação da massa específica.Agregados Massa específica MASSA DE AGREGADO VOLUME SÓLIDO Para agregados miúdos: NBR NM 52:2003. massa específica aparente e absorção de água. IMPORTANTE NA DOSAGEM E CÁLCULO DE CONSUMO DE MATERIAIS .

65 kg/dm3.59 a 2.59 a 2. .59 a 2.Índices físicos • Massa específica Valores obtidos para os materiais da região: • Areia de rio: 2. • Areia vermelha: 2.65 kg/dm3. • Brita zero ou pedrisco: 2. • Britas 1 ou 2: 2.65 kg/dm3.58 a 2.63 kg/dm3.

Agregados Massa unitária e específica médias de agregados MASSA UNITÁRIA MASSA (kg/m3) MATERIAL ESPECÍFICA (kg/m3) SOLTA COMPACTADA AREIA BRITA 1 BRITA 2 2640 2620 2620 1500 1400 1350 1600 1550 .

Agregados Propriedades físicas Distribuição granulométrica Massa unitária Massa específica real Umidade e absorção Forma do grão .

Agregados Umidade e absorção .

Agregados Propriedades físicas Distribuição granulométrica Massa unitária Massa específica real Umidade e absorção Forma do grão .

Agregados Forma do grão • Grau de arredondamento • Grau de esfericidade • NBR 7809: MAIOR DIMENSÃO MENOR DIMENSÃO .

Agregados Grau de esfericidade e grau de arredondamento .

AGREGADOS Agregado de forma cúbica Agregados com formas arredondadas (seixos) Fragmentos lamelares e alongados Agregado sujo .

Índices físicos • Coeficiente de inchamento Coeficiente de inchamento é o aumento de volume de uma determinada massa de agregados. • Areia Vermelha: 1.30 . causado pela absorção de água. Valores obtidos para os materiais da região: • Areia de Rio: 1. É determinado pela NBR 6467:06 – Determinação do inchamento de agregado miúdo. sendo necessária a correção do traço.25.20 a 1.18 a 1. pois dependendo da umidade obtém-se diferentes massas de agregados para um mesmo volume de dosagem. É de fundamental importância na dosagem dos materiais em volumes.

Agregados Qualidade dos agregados CURSO: TECNOLOGIA DO .

Agregados Substâncias nocivas mais comuns Torrões de argila e materiais friáveis Materiais carbonosos Materiais pulverulentos Impurezas orgânicas  Sais soluveis .

 Materiais carbonosos Afeta a durabilidade e causa manchas.Agregados Substâncias nocivas mais comuns  Torrões de argila e materiais friáveis Quando não se desagregam durante a mistura são agregados frágeis. Quando se pulverizam. dificultam a aderência pasta/agregado. .

Mais comum em areias naturais.  Impurezas orgânicas Interferem na hidratação (podendo até inibir) do cimento.075mm) Dificultam a aderência pasta/agregado. CURSO: TECNOLOGIA DO .Agregados Substâncias nocivas mais comuns  Materiais pulverulentos (<0. Provocam queda da resistência.

.....................0% Agregados graúdos em concreto aparente .....0% Método de ensaio NBR 7218 . 3.... 1... 2...............Agregados Teores máximos admissíveis de argila e materiais friáveis – NBR 7211/09 Agregados miúdos ....0% em concreto submetido a desgaste superficial ............................0% Nos demais concretos ............ 3...

...........0% Método de ensaio ASTM C 123 .....Agregados Teores máximos admissíveis de materiais carbonosos – NBR 7211/09 Agregados miúdos e graúdos concreto aparente.. 1......5% concreto não aparente ..... 0................

............. 3... 5.......... 1............0% Agregados graúdos ........0% Nos demais concretos .....0% Método de ensaio NM 46 ...........Agregados Teores máximos admissíveis de material pulverulento – NBR 7211/09 Agregados miúdos em concreto submetido a desgaste superficial ...............

 Diferença máxima entre resultados de compressão: 10% (NBR 7221) .Agregados Teor máximo admissível de impurezas orgânicas – NBR 7211/09  A solução obtida no ensaio deve ser mais clara do que a solução padrão – (NM 49).

AGREGADOS Presença de matéria orgânica .

.AGREGADOS SUBSTÂNCIAS NOCIVAS MAIS COMUNS • Açúcar A presença de açúcar tem como característica o retardamento de pega do cimento. prejudicando a evolução das resistências do concreto.

AGREGADOS Presença de açúcar .

• Umidade > 80% • (Temperatura como catalisador) .AGREGADOS REATIVIDADE ÁLCALI-AGREGADO • Agregado reativo Condições para ocorrência • Álcalis (sódio e potássio) > 3.0 kg/m³ de concreto.

REAÇÃO ALCALI AGREGADO (RAA) Edifício em Recife .

REAÇÃO ALCALI AGREGADO (RAA) Edifício em Recife .

AGREGADOS .

AGREGADOS .

Posteriormente.absorção . Deixou-se essa massa de agregado em estufa a 100 ºC por 24 horas. pesou-se novamente o agregado. obtendo-se uma massa de 1015g. obtendo-se 990g. Imediatamente após retirá-la da estufa.Índices físicos • Exercícios 1) Pesou-se 1kg de agregado na temperatura ambiente. imergiu-se o agregado em água por 24 horas. Posteriormente. Calcular: -teor de umidade para cada condição . pesando-o. secou-se a superfície dos agregados. obtendo-se uma massa de 1010g.

4 kg/dm3. calcule: .o índice de vazios da amostra.Índices físicos • Exercícios 2) Pesou-se 1kg de um agregado de massa unitária igual a 1. .a porosidade da amostra. .60dm3. Considerando que o volume de vazios na amostra é 0.

. Calcule a massa específica aparente do agregado.Índices físicos • Exercícios 3) Encheu-se o frasco de Chapman até este completar 200ml de volume. colocou-se 500g de agregado miúdo no mesmo. de valor igual a 395ml. Em seguida. Em seguida. leu-se o novo volume marcado no frasco. agitando o conjunto para a retirada do ar aprisionado.

0 17.0 75.8 15.0 94.0 500.3 4.75mm DMC = ? 2.0 2.0 100.4 1.5 21.81 MF= ? .3 0. 6.0 2.0 100 4.15 Total 10.75 2.8 0 3 10 20 20 29 15 0 3 13 33 53 82 97 <0.1 18.0 150.0 506.0 95.6 29.0 80.0 0.8 10.0 0.0 19.0 14.0 107.0 107.4 28.6 0.0 15.4 9.15 0.0 3.0 21.0 48.Índices físicos • Granulometria Peneira (mm) Massa retida (g) Amostra 1 Amostra 2 Amostra 1 % retida Amostra 2 Média % acum.0 100.0 144.0 3.0 0.2 0.0 50.0 3 100.6 15.

5 25 Total 750 100 5000 700 150 5100 15.7 2.9 100.0 56.0 0 0 0 63 50 37. 75 0 0 0.0 14 2 100.0 98 100 DMC = ? 63mm 8.9 24.0 2.5 150 2800 1200 250 2750 1250 3.Índices físicos • Granulometria Peneira (mm) Massa retida (g) Amostra 1 Amostra 2 Amostra 1 % retida Amostra 2 Média % acum.0 13.0 24.0 4.5 4 56 24 4 60 84 31.0 100.9 53.84 MF= ? .

Áspera .Índices físicos • Forma dos grãos e textura superficial • NBR 6954/89 – Lastro-padrão – Determinação da forma do material A: comprimento B: largura C: espessura .Alveolar .5) • Arredondamento (Powers.Granulosa .5 e C/B>0.Cristalina .5 e C/B>0.Forma alongada: (B/A<0.Forma alongada-lamelar: (B/A<0.5 e C/B<0. 1953) • Textura superficial .Forma lamelar: (B/A>0.Forma cúbica: (B/A>0.5) .Vítrea .5) .5 e C/B<0.5) .

Índices físicos • Forma dos grãos e textura superficial .

Índices físicos • Resistência à esforços mecânicos • NBR NM 51:2001 – Agregados – Determinação da abrasão “Los Angeles” • ME 035 – Agregados – Determinação da abrasão “Los Angeles” (DNIT) .