You are on page 1of 37

PRINCÍPIOS DO DIREITO PROCESSUAL PROFº LEONARDO CUPELLO

ANATILDES ALVES
ANDRÉIA KAREN

ÍTHALO BRUNO
NATACHA BOAES

RAPHAELA QUEIROZ

 PRINCÍPIO DA IMPARCIALIDADE DO JUIZ;
 PRINCÍPIO DA IGUALDADE;  PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA;  PRINCÍPIO DA AÇÃO – INQUISITIVO E ACUSATÓRIO;

 PRINCÍPIO DA DISPONIBILIDADE E INDISPONIBILIDADE;
 DISPOSITIVO E LIVRE INVESTIGAÇÃO DAS PROVAS;  PRINCÍPIO DO IMPULSO OFICIAL;  PRINCÍPIO DA ORALIDADE;

 PRINCÍPIO DA PERSUASÃO RACIONAL DO JUIZ;
 PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE;  PRINCÍPIO DA LEALDADE PROCESSUAL;  PRINCÍPIO DA ECONOMIA E INSTITUCIONALIZAÇÃO DAS FORMAS;

 PRINCÍPIO DO DUPLO GRAU DE JURISDIÇÃO.

DIREITO PROCESSUAL  DIVISÃO DO DIREITO PROCESSUAL  PRINCÍPIOS .

PRINCÍPIO DA IMPARCIALIDADE DO JUIZ .

VEDAÇÕES:  ART. 95/CF. .GARANTIAS AO JUIZ:  ART. XXXVII/CF. PROIBIÇÃO DE JUÍZOS E TRIBUNAIS DE EXCEÇÃO:  ART. 95/PARÁGRAFO ÚNICO. 5º.

O PRINCÍPIO DO JUIZ NATURAL TRADUZ DUAS CONSEQÜÊNCIAS A) CONSAGRA A NORMA DE QUE SÓ É JUIZ O ÓRGÃO INVESTIDO DE JURISDIÇÃO. PARA O JULGAMENTO DE CAUSAS PENAIS OU CIVIS. B) IMPEDE A CRIAÇÃO DE TRIBUNAIS “AD HOC” E DE EXCEÇÃO. .

A GARANTIA DO JUIZ NATURAL DESDOBRASE EM TRÊS CONCEITOS: (A) SÓ SÃO ÓRGÃOS JURISDICIONAIS OS INSTITUÍDOS PELA CONSTITUIÇÃO. (B) NINGUÉM PODE SER JULGADO POR ÓRGÃOS CONSTITUÍDO APÓS A OCORRÊNCIA DO FATO. (C) ENTRE OS JUÍZES PRÉ-CONSTITUÍDOS VIGORA UMA ORDEM TAXATIVA DE COMPETÊNCIAS QUE EXCLUI QUALQUER ALTERNATIVA DEFERIDA À DISCRICIONARIEDADE DE QUEM QUER QUE SEJA. .

5º.GARANTIA AO JUIZ COMPETENTE: ART. LIII/ CF .

PARA A DETERMINAÇÃO DE SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES OU PARA O EXAME DE QUALQUER ACUSAÇÃO CONTRA ELA EM MATÉRIA PENAL” DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS ASSEMBLÉIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS / PARIS EM 1948 .“TODA PESSOA TEM DIREITO. EM CONDIÇÕES DE PLENA IGUALDADE. DE SER OUVIDA PUBLICAMENTE E COM JUSTIÇA POR UM TRIBUNAL INDEPENDENTE E IMPARCIAL.

PRINCÍPIO DA ISONOMIA .

ART. 5º/CF (CAPUT) .

125.ART. I CPC .

IGUALDADE .

PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO E DA AMPLA DEFESA .

Princípio Do Contraditório E Da Ampla Defesa  Ampla Defesa  Contraditório .

3) notificação b) Reação .Princípio Do Contraditório E Da Ampla Defesa  a) Contraditório Informação: a.2) intimação a.1) citação a.

PRINCÍPIO DA AÇÃO OU DEMANDA .

Princípio Da Ação Ou Demanda Inquisitivos Tipos de Processos Mistos Acusatórios .

.Princípio Da Ação Ou Demanda Ação é direito ou poder de ativar os órgão jurisdicionais visando satisfazer uma pretensão.

PRINCÍPIO DA DISPONIBILIDADE E DA INDISPONIBILIDADE .

Princípio Da Disponibilidade E Da Indisponibilidade  Disponibilidade: Rege quase todo Código de Processo Civil.  Indisponibilidade .

PRINCÍPIO DISPOSITIVO E PRINCÍPIO DA LIVRE INVESTIGAÇÃO DAS PROVAS – VERDADE FORMAL E VERDADE REAL .

O princípio dispositivo consiste na regra de que o Juiz depende da iniciativa das partes quanto às provas e às alegações em que se fundamentará a decisão. . • Judex secundum allegata et probata partium iudicare debet ( O Juiz deve julgar segundo o alegado e provado pelas partes) • A principal função desse princípio é salvaguardar a imparcialidade do Juiz. assim cada sujeito sob judice deve demonstrar a veracidade dos fatos alegados.

Como a causa é pública. mas determinar provas. conhecer ex oficio de circunstâncias que até então dependiam da alegação das partes. evidencia-se um poder-dever do Estado e reúnem-se os interesses dos particulares e do próprio Estado e o juiz passa a não só impulsionar o andamento da causa. . dialogar com elas e reprimi-las caso seja necessário.

Só excepcionalmente o juiz penal se satisfaz com a verdade formal. . quando não disponha de meios para assegurar a verdade real.• Verdade formal: Aquilo que resulta ser verdadeiro em face das provas obtidas nos autos. No processo penal o juiz deve buscar a verdade real como fundamento na sentença. • Verdade real/material: Verdade descoberta após a averiguação dos fatos. O juiz pode satisfazerse com a verdade formal no processo civil.

o principio da livre investigação das provas. . impera tanto no campo processual penal como no processual civil.Entretanto. embora com doses maiores de dispositividade no processo civil.

PRINCÍPIO DO IMPULSO OFICIAL .

pois o Estado tem interesse na rápida solução das causas. consiste em atribuir ao órgão jurisdicional a ativação que move o procedimento de fase em fase.) • O impulso oficial. . ( As partes ainda podem. pois. abreviar ou prorrogar prazos. até a solução da causa.• O princípio do impulso processual oficial visa assegurar a continuidade dos atos procedimentais e seu avanço em direção aos resultados esperados do processo. quando de acordo. o processo uma vez instaurado não pode ficar a mercê das partes.

PRINCÍPIO DA O R A L I DA D E .

por isso se adota o procedimento misto. determinados atos. sem prejuízo dos documentos constantes dos autos. Nos momentos capitais do processo. tanto no processo civil quanto no penal . Princípio da oralidade  A lei determina que certos atos processuais devem ser praticados oralmente em presença do juiz. Hoje é raro o procedimento oral em sua forma pura. deve predominar a palavra falada.  Mesmo sendo oralmente realizados. estes são registrados graficamente.

PRINCÍPIO DA P E R S UA S Ã O R A C I O NA L D O J U I Z  Conceito  Prova Legal  Secundum conscientiam .

A EXIGÊNCIA DE MOTIVAÇÃO DAS DECISÕES JUDICIAIS .

.Finalidade . imparcialidade.Exceção . autoridade e responsabilidade do juiz.PRINCÍPIO DA P U B L I C I DA DE Conceito Sistema de Publicidade situa-se entre as maiores garantias de independência.

PRINCÍPIO DA L E A L DA DE P RO C E S S UA L .

PRINCÍPIO DA ECONOMIA .

PRINCÍPIO DO D U P L O G R AU D E J U R I S D I Ç ÃO .