You are on page 1of 100

Reel Bad Arabs
• Documentário baseado no livro do Dr. Jack Shaheen que denuncia um grande movimento do cinema hollywoodiano em deturpar a imagem do árabe • Foram analisados, segundo o autor, mais de 1000 filmes • Figura do árabe disseminada pelo cinema foi herdada da imagem que a Europa colonial tinha do árabe • Figura do árabe fortemente associada com violência, fanatismo religioso, sexismo, incompetência, manipulação • Autor tenta justificar tal atitude com o vínculo entre hollywood e o governo dos EUA, encontrando as raízes de tal ação nas crises políticas do Oriente Médio e a crise do petróleo da década de 1970.

Vilipendiar
1.tratar com desprezo 2.considerar vil 3.amesquinhar; degradar

Vilify =

9:00.PIADA pós 11/9/2001. estádios.. no pôr do sol. 16º) Sua esposa é escolhida pelos outros e o rosto é visto só na procriação. banho apenas uma vez por mês. Eis as razões É proibido: 1º) Sexo antes do casamento 2º) Tomar bebidas alcoólicas 3º) Ir a bares 4º) Ver televisão 5º) Usar a Internet 6º) Esportes. e nas partes mais sujas. 17º) Sexo depois de casado só para procriar e feito no escuro com a mulher vestida com a burka. 19º) A temperatura básica nos países árabes é entre 45º e 58º (em alguns lugares até mais). Você também não se mataria? . 21:00 e 00:00.. E Finalmente: 21º) Ensinam que.. vai para o paraíso e terá tudo aquilo com que sonha! Fale a verdade. para os terroristas árabes. 15:00 e 18:00. festas 7º) Tocar buzina 8º) Comer carne de porco (nem lingüiça) 9º) Música não religiosa 10º) Ouvir rádio 11º) Barbear-se Além disso: 12º) Tem areia por todos os lados e nenhum buggy para se divertir 13º) Farrapos em lugar de roupas 14º) Come-se carne de burro cozida sobre bosta seca de camelo (pra acender e manter o fogo) 15º) As mulheres usam burka e não dá para ver nem a cor dos olhos. quando morrer.. 20º) Para economia de água. às 6:00.12:00. 18º) Reza-se para Alah. é tão fácil se suicidar. • Todo o resto do mundo se pergunta porque.

Jack Shahreen menciona o termo usado por alemães nazistas. UNTERMENSHEN Aqueles que são diferentes de nós .

ETNOCENTRISMO Quando determinado grupo social. entra em contato com outro grupo social. Nesse sentido. O etnocentrismo nasce quando a diferença é compreendida em termos de ameaça à identidade cultural. . "bárbaro" ou não humano. a diferença cultural percebida rapidamente se transforma em hierarquia. preconceitos e hierarquias. com traços culturais característicos e uma visão de mundo própria. que apresenta práticas culturais distintas. O indivíduo etnocêntrico julga e atribui valor à cultura do outro a partir de sua própria cultura. o estranhamento e o medo são as reações mais comuns. que levam o indivíduo a considerar sua cultura a melhor ou superior. O outro. Tal situação dá margem a vários equívocos. é então usualmente designado como "selvagem". só compreendido de maneira superficial.

Sting .The Police.ETNOCENTRISMO Não Humanos? “Russians”. 1985 .

por sua vez. apresentam um comportamento caracterizado por formas extremas de xenofobia e de nacionalismo” • Russia do final do séc XVIII – Unificação • Turquia – 1915 – genocídio de 1 milhão de Armênios • Alemanha Nazista – Judeus.. em geral.ETNOCENTRISMO • “Povos etnocêntricos. desrespeitam identidades culturais tradicionais. Entrincheirados na defesa de tradições. alguns grupos se tornam radicais e. Os valores da civilização ocidental. Eslavos. a chamada civilização ocidental capitalista vem. como forma de responder à imposição da cultura ocidental globalizada.. Ciganos. ao se pretenderem globais. na verdade. também etnocêntricos. onde a comunicação acabaria com as diferenças culturais. acirrando conflitos e radicalismos no mundo. . •Sob o discurso de uma “aldeia global”.

Caricatura de Maomé. pelo cartunista sueco Lars Vilks (2005) A maioria dos muçulmanos acham ofensivas quaisquer representações gráficas de Maomé .

Como resultado disso.Spinelli. Para dar uma lição ao rapaz frívolo. As ninfas construíram-lhe uma pira. comparável à beleza de Dionísio e Apolo. para os gregos.chamada Eco e que amava o rapaz em vão. visto que ele era emocionalmente entorpecido às solicitações daqueles que se apaixonaram pela sua beleza. : "o mito de Narciso representa. apenas encontraram uma flor no seu lugar: o narciso. Encantado pela sua própria beleza. p. Assim.Narcisismo? Narciso e Eco Segundo a mitologia existia uma ninfa bela e graciosa tão jovem quanto Narciso. definhou. a deusa Némesis condenou Narciso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco.wikipedia. "entorpecido" de onde também vem a palavra narcótico.org/wiki/Narciso ). Narciso deitou-se no banco do rio e definhou. o drama da individualidade". Narciso rejeitou a afeição de Eco até que esta.99 in http://pt. desesperada. olhando-se na água e se embelezando. para nós. mas quando foram buscar o corpo. deixando apenas um sussurro débil e melancólico. e então dai o nome narciso a flor. (adapt . A beleza de Narciso era tão incomparável que ele pensava que era semelhante a um deus. Narcisismo e Narciso têm seus nomes derivados da palavra Grega narke. . Miguel. Narciso simbolizava a vaidade e a insensibilidade.

1986 Aviões americanos atacam uma base aérea Líbia em Sirte. o presidente dos EUA. Bases militares. sem sucesso. ocasiona a entrada do país na guerra jun. em 7 de dezembro de 1941. 1955-1975 Guerra do Vietnã. em uma tentativa fracassada de derrubar o governo de Fidel Castro. um dia depois do fim do prazo dado ao Iraque para retirar tropas do Kuait. unindo o sul e o norte do país. 1916 Os EUA estabelecem um governo militar na República Dominicana. derrubando o governo local. com o objetivo de garantir a assinatura formal do acordo de paz entre Sérvia. em Cuba. apoiados pelo governo norte-americano de John Kennedy. ao lado dos sulcoreanos. mar. acusado de liderar o terrorismo internacional. em retaliação a um suposto atentado. 1980 Uma operação -resgate dos reféns na embaixada americana em Teerã. com o objetivo de impedir a expansão do comunismo na América Latina. 1914-1918 Primeira Guerra Mundial. eleito em pleito anulado por Noriega 1990-1991 Após a invasão do Iraque ao Kuwait. Aliados aos sul-vietnamitas. em 2 de agosto de 1990. os Estados Unidos bloqueiam as fronteiras mexicanas em apoio aos revolucionários. não concretizado. Set. Assim. é lançado um ataque contra instalações militares iraquianas. na qual cerca de 3 milhões de pessoas morreram. através das Nações Unidas. 1961 Exilados cubanos anticastristas. como a Nicarágua. após ataques nortevietnamitas ao destróier americano Maddox. após fracassadas tentativas de depor Manuel Noriega. mas civis também são atingidos dez. As hostilidades começaram em 16 de janeiro de 1991. Honduras. são atacadas. numa luta de forças entre a esquerda e a direita. seguido de uma coalizão antiIraque (reunindo além dos países europeus membros da Otan. em 28 de julho. na qual os Estados Unidos insistem em se envolver militarmente. o congresso americano autoriza o presidente a lançar os EUA em guerra. no Panamá. Os EUA derrotam com facilidade a resistência cubana na ilha.1993 No início do governo Clinton. líder líbio abr. As Filipinas lutam pela independência do país. em visita ao Kuwait.1986 Washington adota represálias contra Gaddafi. em outubro. envia 24 mil soldados para invadir o país. a OTAN e os Estados Unidos decidem impor um embargo econômico ao país. Em 6 de abril de 1917. em 29 de novembro. invadem a baía dos Porcos.1983 Em meio a uma onda de intervenções em países da América Central.1986 Em dezembro. derruba o governo e empossa Guillermo Endara. Os Estados Unidos são um dos principais participantes. George Bush. em Trípoli e Bengasi. El Salvador e Guatemala. 1995 Os EUA enviam tropas militares para Tuzla (norte da Bósnia). e transformam o país num virtual protetorado americano. A guerra termina em julho de 1953 sem vencedores e com dois estados polarizados: comunistas ao norte e um governo pró-ocidente ao sul. com um acordo firmado de última hora. o general Raoul Cédras promete deixar o governo.EUA: Potência Imperial Hegemônica no Séc XX 1899-1902 Guerra EUA-Filipinas. Em agosto de 1964. fracassa out. o Egito e outros países árabes) que ganhou o título de "Operação Tempestade no Deserto". dominado pelos EUA 1913 Durante a Revolução mexicana. 1992 Em dezembro. Croácia e Bósnia . 1939-1945 Segunda Guerra Mundial O ataque japonês à base militar norte-americana de Pearl Harbor.1994 Tropas norte-americanas fortemente armadas chegam ao Haiti por ar e mar e. o exilado Jean-Bertrand Aristide. participação americana se restringe a ajuda econômica e militar (conselheiros e material bélico). 1927 Cerca de mil "marines" desembarcam na China durante a guerra civil local.1950 Início do conflito entre a República Democrática da Coréia (Norte) e República da Coréia (Sul). os americanos tentam impedir. cidade de Muammar Gaddafi. 1915 Tropas americanas desembarcam no Haiti. o presidente Ronald Reagan envia tropas à ilha caribenha de Granada. o presidente eleito. a formação de um estado comunista. poderá tomar posse. Inicialmente. contra o ex-presidente Bush. forças militares norte-americanas chegam a Somália para intervir numa guerra entre as facções do então presidente Ali Mahdi Muhammad e tropas do general rebelde Farah Aidib jun. capturados por estudantes muçulmanos. declaram guerra à Alemanha.

EUA Após Globalização...

Os Medos disseminados na sociedade estadunidense como justificativa para a propaganda anti-árabe • O Árabe “roubando” o que é “nosso”:
– Nossos Homens e Mulheres – pela sedução – Nossa Terra – Pelo dinheiro do petróleo – Nossa Vida – Pela “Loucura em destruir e matar”

Motivos Políticos para a propaganda anti-árabe
“Washington e Hollywood partilham do mesmo DNA” – Jack Valentti, Assoc. Cinematográfica dos EUA

Motivos Alegados: • Criação de Israel, na contramão dos desejos árabes • OPEP e a alta do petróleo na década de 1970 • Revolução islâmica do Irã (1979) servindo de modelo para outros países

vilipendiando a figura do japonês.E não apenas com os Árabes.. ao mesmo tempo que convida à reação . Pôsters dos EUA da década de 40..

Russia invades America and its central-America allies (1984).. em filmes da década de 1980 . So. he needs the help of Jack Ryan and an American submarine to get the crew off his ship and convince the Russians that the Red October was destroyed when it was captured by the Americans (1990). The Captain of an advanced Russian Submarine wants to defect to America but he told the Russian Navy about his plans..E não apenas com os Árabes. Propaganda anti-comunista Americana. A hard-working american kicks the ass of a monsterous cheating soviet. even the the russian fans have to admit that the american is the best and cheer him (1985).

. Enemies are often accused of being mass rapists. Khrushchev presented as a war monger. Propaganda anti-comunista Americana na mídia impressa (década de 60) .. and he’s pointing at the reader to make the whole thing scarier. often without valid proof (book cover – 1960) In this 1961 Time cover.E não apenas com os Árabes. A Christian comic-book educating youth against the dangers of Communism (1961).

imaginário-fonte é a faculdade de criação de formas/figuras/símbolos. que se exprimem no representar/dizer dos homens.Cinema: Palco do imaginário O cinema é uma ferramenta criadora de imaginários sociais. tanto psíquico quanto socialhistóricos. Do artigo “CINEMA E CONSTRUÇÃO DE IMAGINÁRIOS SOCIAIS: VISÕES SOBRE O MUNDO ÁRABE” .Léa Conceição et al .

um após o outro uma imagem de um árabe vilão: 62. “Admirável Mundo Novo” .400 repetições fazem uma verdade A.000 blockbusters exibindo.Mais de 1. Huxley.

Quem é o Árabe vilipendiado em “Reel Bad Arabs”? • Povos que falam o idioma árabe? • Islâmicos? Cristãos? • Islâmicos árabes ou persas ou turcos ou..? • Onde ficam os países árabes? ..

Somalia. Djibouti. Libya. 5% 10% 6% Egyptian Palestinian Jordanian 10% Syrian Iraqi* Arab . Assyrians or other Christian minorities in Iraq.Imigração Árabe nos EUA • EUA – porcentagem de população de origem árabe – Censo 2002 Arab American Population (%) . Comors Islans.2002 15% 31% 14% 3% 3% 3% Lebanese Chaldean/Assyrian/Syriac Moroccan Other Arab** *Excludes those who identify as Chaldeans. Does not include person from Sudan. Kuwait. and Yemen. **Includes those from Algeria. Tunisia. Bahrain. The United Arab Emirates. Saudi Arabia. Oman. Qatar. or Mauritania.

Países Árabes e Islamismo pelo Mundo .

. – A língua árabe . – A Mesopotâmia é considerado o berço da nossa civilização. C (Era Suméria) e 2000 a.MESOPOTÂMIA – Os árabes são mencionados pela primeira vez em uma inscrição assíria de 853 a. deriva do Aramaico. – A primeira menção do mito da arca de noé está contida num trecho de “A Epopeia de Gilgamesh” .C. Hititas.Origem dos Árabes . é a de mais longa ocupação contínua no planeta – data de +ou. a álgebra. os aquedutos. A Escrita. – A Cidade de Damasco. a astronomia.C.2400 a. Acádios. – As etnias que originaram o povo semita são várias. Arameus. onde Shalmaneser III menciona um rei Gindibu de matu arbaai (terra árabe) como estando entre as pessoas que ele derrotou na batalha de Karkar. o primeiro código de leis. já eram bastante desenvolvidos entre 5000 a. destacando-se os caldeus (Babilônia).C (Era babilônica). Filisteus e outros povos. na Síria atual. do ramo das línguas semitas. assim como o hebraico.

leva então para o barco a semente de todas as criaturas vivas. Eis as medidas da embarcação que deveras construir: que a boca extrema da nave tenha o mesmo tamanho que seu comprimento.Árabes surgem na MESOPOTÂMIA – A primeira menção do mito da arca de noé está contida num trecho de “A Epopeia de Gilgamesh”.C : –“Oh. põe abaixo tua casa e constrói um barco. tal como a abóbada celeste cobre o abismo. e constrói um barco. filho de Ubara-Tutu. escrito em tábuas de argila. Põe abaixo tua casa.” . entre 3000 e 1500 a. homem de Shurrupak. que seu convés seja coberto. eu te digo. despreza os bens materiais e busca tua alma salvar. Abandona tuas posses e busca tua vida preservar.

a maior parte dos despojos de guerra e administram estas riquezas acumulando as provisões alimentares para toda a população. representantes do deus local. fabricando os utensílios de pedra e metal para o trabalho e para a guerra.000 a.C.) Na Mesopotâmia.C. registrando as informações e os números que dirigem a vida da comunidade.000a. Recebem os rendimentos das terras comuns. o excedente se concentra nas mãos dos governantes das cidades.) Assírios (800 a.C.) Babilônica (2. .Antigüidade: MESOPOTÂMIA A civilização mesopotâmica dividese em três etapas: Sumeriana (5. a planície entre os rios Tigre e Eufrates.

C. onde eles cultivavam árvores frutíferas (como tamareiras) e cereais (como a cevada). cujas fibras eram usadas para fazer roupas. O terreno da cidade já é dividido em propriedades individuais entre os cidadãos.C e 2000 a.) O primeiro povo que se fixou na Mesopotâmia (derrotando os nômades e dedicando-se à agricultura) foram os sumérios.000 a 2000 a. .Civilização Sumeriana (5. O nome sumérios vem de “ sumer” palavra que na língua desse povo quer dizer “sul” e refere-se à região da mesopotâmia habitada por ele. e peixes nos diques. e canais de irrigação.C e se destacou por seus grandes feitos na engenharia. encontramos pastagens e pomares. Vindos da Ásia central. Plantava-se também cânhamo. tornando possível o trabalho agrícola. O campo é transformado pelo homem: em lugar do pântano e do deserto. que lhe permitiram irrigar pântanos e regiões secas. Durante séculos o sumérios construíram diques e canais para irrigar e fertilizar a terra. Animais eram criados nos campos. ao passo que o campo é administrado em comum. esse povo dominou a região entre 3500 a.

pela primeira vez. .) As cidades sumerianas (2000 a. que lutam entre si para repartir a planície irrigada pelos dois rios.000 a 2000 a. as cidades da Mesopotâmia formam estados independentes.) já são relativamente grandes (100 ha) e abrigam dezenas de milhares de habitantes. Até meados do III milênio.Civilização Sumeriana (5. Que as defendem e que.C. excluem o ambiente aberto natural do ambiente fechado da cidade. Estes conflitos limitam o desenvolvimento e só terminam quando o chefe de uma cidade adquire tal poder que impõe seu domínio sobre toda a região.C. São circundadas por um muro e um fosso.

Civilização Sumeriana (5.000 a 2000 a.C.)
PERÍODO ACÁDIO (2470-2200 a.C.)
Já fazia mais de mil anos que os sumérios prosperavam em sua terra, quando toda a Mesopotâmia foi invadida por Sargão I , rei dos semitas (acádios), povo que viera do deserto sírio e se fixara no norte da Mesopotâmia (Akkad), transferindo-se depois para a Mesopotâmia central, que passou a ser o principal reino semita, em constante guerra com os sumérios do sul. Por volta de 2470 a.C., Sargão I lançou as bases do primeiro império da história, que se estendia do Mar Mediterrâneo ao Golfo Pérsico. Esse império durou três séculos e não alterou as características da civilização construída pelos sumérios. Com a conquista de Sargão I, os semitas tornaram-se os novos “donos” da Mesopotâmia e o acádico passou a ser a língua mais difundida. Mas toda cultura suméria passou a fazer parte desta nova civilização mesopotâmica.

Civilização Sumeriana (5.000 a 2000 a.C.)

Zigurate de Ur (2.150 a 2.050 a.C; reconstrução) O imponente Zigurate de Ur deve o seu bom estado de conservação à fachada de tijolos que recobre toda a torre em degraus. Provavelmente encimado por um templo dedicado ao deus da Lua, Nanna, foi construído no reinado de Ur-Nammu, fundador da Terceira Dinastia.

Civilização Sumeriana (5.000 a 2000 a.C.)

Zigurate de Ur (2.150 a 2.050 a.C; reconstrução) Três escadas dão acesso aos muros inclinados, entrecortados por articulações pouco profundas. O Zigurate de Ur, de cerca de 2.150 a 2.050 a.C., bem conservado devido à fachada de tijolos que recobre toda a torre em degraus. Podem ser vistos na foto os orifícios no revestimento de tijolos, que teriam sido feitos para evitar que os tijolos de barro se rachassem durante a estação chuvosa.

C. reconstrução) .000 a 2000 a.Civilização Sumeriana (5.) Escadaria do Zigurate de Ur (2000 a.C.

C.000 a 2000 a.Civilização Sumeriana (5. (Iraque.550 d. .C) Algumas criações sumérias influenciaram os vários períodos da arquitetura mesopotâmica: o emprego da abóbada. o uso do tijolo cru como único material pra as edificações e o zigurate.) Sala de banquetes.

Marduk.30m. assimilaram a civilização já existente. A religião permaneceu mesopotâmica. Apesar de terem trazido varias contribuições culturais incidentais.C. O verdadeiro predomínio semita só se efetuou como resultado da invasão dos amoritas.) reconstruído no Vorderstaatische Museen. apesar de alguns deuses receberem nomes semitas. Berlim.C. enriquecida por palavras sumerianas. Portão de Ishtar. de modo geral. Babilônia. . Reinado de Nabucodonosor II (604 – 562 a . bem como sumeriano era o nome do deus nacional da Babilônia. O idioma religioso era o sumeriano.Civilização Babilônica (2000 a. Faiança: 14.) O traço mais característico da civilização babilônica é o uso de uma língua semítica.

C. talvez do tipo semipalaciano. Em Tell Harmal. os arqueólogos descobriram as ruínas de uma cidade com ruas regulares e casas grandes. um grande conjunto de planta retangular. incluindo três diferentes santuários.C. Templo de Ishtar (Babilônia:Nabucodonosor– 604/ 562 a. . As casas particulares reproduzem em menor escala a forma dos templos e palácios. pouca coisa resta deste período.) Arquitetonicamente. o mais importante monumento é o templo de Ishtar Kititum. com pátios internos e muralhas. perto de Bagdá.) desaparece a distinção entre os monumentos e as zonas habitadas pelas pessoas comuns. no Tigre médio. Em Ishchali.Civilização Babilônica (2000 a.

30m.Civilização Babilônica (2000 a. .) Os portões principais da Babilônia e as paredes laterais da via Processional eram revestidas de faiança (tijolos vitrificados). Berlim.C. Reinado de Nabucodonosor II (604 – 562 . Portão de IshtarBabilônia.C) reconstruído no Vorderstaatische Museen. Faiança: 14.

Sua capital Untash ficava no Irã Ocidental. . Este zigurate é um dos exemplos mais bem conservados.) Zigurate de Choga Zambil (séc XIII a. restam 3 das 5 escadarias originais.Civilização Babilônica (2000 a.C) Construído provavelmente pelo rei UntashKhuban.C.

restrita aos interesses estéticos da nobreza. as obras não se oferecem para a cidade. temas geométricos e outros. No centro do primeiro plano situa-se a escadaria que levava à sala de audiências de Dario I. econômico da sociedade e a menor liberdade do artista.) Penetrava-se na cidade através de uma entrada ladeada por um par de touros com cabeças humanas.Civilização Assíria (800 a. Há uma certa contradição entre o avanço comercial.C. Estão dentro dos templos. Persépolis: Entrada de Xerxes (518 -460 a. Assim como no Egito. etc. túmulos palácios. É menor ainda a preocupação naturalista. apesar do maior desenvolvimento do comércio. ou vice versa. o artista parece estar ainda mais restrito do que no Egito aos interesses da Corte e dos Sacerdotes. São freqüentes as representações de animais com cabeça de homens. É uma arte mais estática do que a egípcia. Na Mesopotâmia. da qual ainda restam as colunas.C) .

a sala do trono de Xerxes (o Palácio das 100 Colunas) situa-se a meia distância. . Dario I. Xerxes e Artaxerxes. flanqueada por montes a norte e a leste. Nesta vista.Civilização Assíria (800 a.C) Persépolis foi erigida durante os reinados de três reis sucessivos. sobre uma plataforma artificial.) Vista Geral de Persépolis (518 -460 a.C. à esquerda vêem-se as colunas da sala de Audiências por trás do palácio de Dario.

Civilização Assíria (800 a. Não são formadas por 4 peças distintas. como no Egito ou na Grécia. mas eram as vezes trabalhadas em um único bloco de pedra ou mesmo de partes desiguais. sendo 3 quartos da guarnição retangular constituídos de uma única peça.C.) Palácio de Dario (Persépolis) A porta maciça e as guarnições das janelas acham-se bem conservadas. . As paredes de tijolos agora desapareceram. completada por mais um bloco.

Deles estão ausentes as cenas narrativas dos frisos assírios e as figuras parecem quase congeladas em sua imobilidade.) Inteiramente ladeada de relevos. A decoração buscava demonstrar o poder do Rei e. Escadaria da sala de audiências de Dario (518 – 460 a. Dario utilizou artesãos jônicos para esculpir os pisos de Persépolis.Civilização Assíria (800 a. por outro lado. indicar a diversidade dos povos que constituíam o Império.C. que adquiriram entretanto a rigidez oriental. vassalos estrangeiros. cortesãos e outros dignatários. representando longas fileiras de imortais.C.) .

) Muralhas de Nínive (séc.Civilização Assíria (800 a.C.C.VII a. reconstrução) Perímetro: 15km .

e no alto de uma torre uma mulher lamentando-se em vão. relevo ou estátua. Em todos os monumentos que glorificam os senhores da guerra no passado. os defensores tombando. .. Tudo parece muito real e convincente. com os engenhos de sítio em ação. A arte da propaganda já estava bem avançada nessa época.Alto Relevo: Exército assírio sitiando uma fortaleza (alabastro) 883 / 859 a. descobriremos um fato curioso: é grande a profusão de mortos e feridos nessas guerras horríveis. A figura mostra os detalhes de um ataque a uma fortaleza. se observarmos com mais atenção.05m (Londres – Museu Britânico). É possível que ainda fossem dominados pela antiga superstição com tanta freqüência repetida nesta história: a de que numa pintura. O modo como essas cenas são representadas é muito semelhante aos métodos egípcios. a guerra não chega a ser um problema.C.. Basta o herói aparecer e o inimigo é dispersado como palha ao vento. existe algo mais que uma simples pintura. numa estátua. num relevo. / 2. Mas. mas talvez um pouco menos ordenado e menos rígido. mas nenhum deles é assírio.

.

ISLAMISMO .

.ISLAMISMO • É a religião com maior número de seguidores e é a religião que mais cresce no mundo. que é Alá. • “ Noite do Destino “ : Maomé recebe a revelação do anjo Gabriel. • “Só há um Deus. e Maomé é seu profeta”.

Preceitos da religião • Deus não tem filhos . pois não seria coerente com sua unicidade. • Maomé não é filho de Alá. em 652. contém as revelações recebidas por Maomé. • Islã se divide em várias seitas : sunita e xiita são as mais importantes. terceiro sucessor do profeta. foi escrito por Otman. • Corão : livro sagrado . ISLAMISMO .

• Contém a fátiha. .ISLAMISMO O Corão • Sintetiza as leis da vida religiosa. do maior para o menor . política e social do povo islâmico. que é a oração básica dos islâmicos. • Não estão organizados em ordem cronológica mas em ordem de tamanho. • Tem 6226 versículos agrupados em 114 capítulos.

Nesse período o jejum é obrigatório (do nascer ao pôr-do-sol). e as relações sexuais são proibidas. devem fazer uma peregrinação a Meca. e as doações devem ser proporcionais à renda dos seguidores . . – A peregrinação a Meca é o acontecimento mais importante do anos : expressa a unidade dos fiéis e é uma oportunidade para o troca de notícias e idéias trazidas de todas as partes do mundo.com o fiel voltado para a cidade de Meca. – Todos os muçulmanos . pelo menos uma vez na vida . – O Ramadã –o nono mês do calendário muçulmano – é reverenciado como mês sagrado do Islamismo. – O consumo de bebida alcoólica e fumo é expressamente proibido. A caridade é um dever .ISLAMISMO O Corão • PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS : – As orações devem ser feitas cinco vezes ao dia .

ISLAMISMO .

Cidade de Meca – Arábia Saudita ISLAMISMO .

ISLAMISMO Caaba .

o sucessor de Maomé. • Califa :Chefe da comunidade islâmica . também chamado imã.Divisão da religião : • A religião é dividida em dois grupos diferentes principais: Sunitas e Xiitas. • A divergência começou com a necessidade da escolha do Califa. São considerados sábios religiosos. ISLAMISMO .

• Os sunitas acreditam que o comportamento do profeta. deve ser tomado como exemplo de conduta para os fiéis. Ele deve ser um chefe com a tarefa de manter a paz e a justiça na comunidade e possuir profundos conhecimentos da lei religiosa. • Sunitas: acreditam que o califa pode ser qualquer líder da religião Islâmica e são maioria dos islâmicos até hoje. contido na Suna.ISLAMISMO SUNITAS • Os sunitas não encaram o califa como profeta e nem como interprete infalível da fé. principalmente quando se deparam com uma situação não prevista pelo Corão. • Suna : coletânea de normas extraídas das práticas e costumes de Maomé e dos 4 primeiros califas .

doutores da lei muçulmana.ISLAMISMO Xiitas • Os xiitas acreditam que só os membros do clã de Maomé podem liderar os muçulmanos: um descendente do profeta certamente é uma pessoa especial . • Os xiitas exigem a instauração de uma sociedade regida pela lei do Corão. sob o comando dos aiatolás . • Buscam a criação do que consideram os Estados Islâmicos “puros”. fonte de conhecimento e sabedoria. • Em menor número . excluindo qualquer referência estranha ao livro sagrado. • Aiatolá: aquele que exerce o papel de maior importância na hierarquia religiosa muçulmana.

CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO .

Tunísia. Tadjiquistão. Usbequistão. Quirguistão e Casaquistão). Etiópia. Argélia. Marrocos. Djibuti e Sudão) e ex-repúblicas soviéticas islamizadas (Turcomenistão. Líbia. norte e nordeste da África (Egito. .CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 1 – O ORIENTE MÉDIO: • Outros envolvidos nas questões do Oriente Médio: Paquistão. Azerbajão. Somália.

cristianismo e islamismo. . • Origem das primeiras grandes civilizações. • Berço das três maiores religiões monoteístas do mundo: judaísmo.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 2 – IMPORTÂNCIA DA REGIÃO: • Maiores reservas de petróleo do mundo.

• O movimento de compras de terras se seguiu no entreguerras.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 3 . • Sionistas de esquerda compram terras na Palestina e instalam primeiros Kibutzim (comunidades agrícolas onde a propriedade da terra é coletiva).O SIONISMO: • • • • Movimento nacionalista judaico. culminando em 1948 com a formação do Estado de Israel . Theodor Herzl (1897) Criação do Estado para os judeus. Situação dos judeus: – Dispersos desde a tomada da Palestina pelos romanos em 70 d.C. bem como o estímulo à migração dos judeus para a Palestina.

ORIGENS DOS CONFLITOS TERRITORIAIS RECENTES: • Desmembramento do Império Turco Otomano (que lutou ao lado da Alemanha na I Guerra Mundial).4 . XVII . Séc.

– Apoio aos judeus – Lar nacional judaico – apoio financeiro na I Guerra.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Postura da ING: – Apoio aos árabes – Estado livre e unificado – luta contra os turcos na I Guerra. • Frustração de árabes e judeus que passam a agredir ingleses e agredir-se mutuamente na região. Transjordânia e Iraque). • Partilha do Império Turco entre França (Síria e Líbano) e Inglaterra (Palestina. .

• Apoio das novas potências à criação de Israel (posição estratégica). A área de Jerusalém seria internacionalizada. • 14/5/1948: David Ben Gurion proclama a criação do Estado de Israel. • Enfraquecimento das antigas potências colonialistas européias (França e Inglaterra). • 1947: ONU partilha a Palestina entre árabes e judeus.A CRIAÇÃO DE ISRAEL (1948): • Massacres nazistas para com os judeus (comoção internacional). .CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 5 .

CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO Partilha da Palestina .

CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 6 .A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA (1948): • Após a criação do Estado de Israel: – EGT + SIR + LIB + IRQ + JOR X ISR* desunião das tropas árabes . Soldados israelenses na Guerra de Independência . apoio dos EUA e da URSS . BEN GURION: Proclamação de Independência.embargo econômico aos árabes.

– EGT encampou a Faixa de Gaza. dispersos sob a administração do Egito e Trasjordânia. – Trasjordânia (atual Jordânia) anexou Cisjordânia e parte de Jerusalém. . – Palestinos sem país.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Conseqüências: – ISR anexou grande parte dos territórios destinados ao Estado Palestino (77% da região).

– Proposta de construção da represa de Assuã.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 7 . • Gamal Abdel Nasser (EGT) principal. .A GUERRA DO SUEZ (1956): • Lideranças nacionalistas árabes chegam ao poder. – Facilidades para o acesso a terra. – Nacionalização do Canal de Suez (administrado por uma coligação francobritânica). • Reformas de Nasser: – Nacionalização de empresas e serviço bancário.

. exigem a retirada das tropas invasoras. com a condição deste permitir a livre navegação tanto no canal quanto no Mar Vermelho) – Nasser transforma-se na maior liderança do mundo Árabe. – Vitória política de Nasser (ING + FRA + ISR retiraram-se do país. • EUA e URSS.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • ING + FRA + ISR invadem a península do Sinai e o Egito. • Conseqüências: – Derrota militar de Nasser. o Canal de Suez passa definitivamente para o controle do Egito.

• Força aérea israelense ataca a aviação egípcia ainda no chão. . • Vitória fulminante de Israel.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 8 .A GUERRA DOS SEIS DIAS (1967): • 1967: Nasser interdita o Golfo de Akaba aos navios israelenses. • Israel ataca de surpresa e antecipadamente seus principais inimigos (Síria. Jordânia e Egito).

origem dos atuais problemas territoriais com os palestinos.• Conseqüências: – ISR anexa a Faixa de Gaza. Cisjordânia (JOR) e as Colinas de Golã (SIR) . . – Enfraquecimento de lideranças árabes – Prestígio político e militar para Israel. Península do Sinai (EGT).

agora em território de Israel.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO OS TERRITÓRIOS OCUPADOS EM 67: COLINAS DE GOLÃ FAIXA DE GAZA – PENÍNSULA DO SINAI CISJORDÂNIA 11 de dezembro 1948.Estabelece que os refugiados têm direito a retornar a suas casas. Pede a retirada de Israel dos territórios ocupados na Guerra dos Seis Dias e "o reconhecimento da soberania. integridade territorial e independência política de todos os Estados da região e seu direito a viver em paz"... .. ou a receber uma indenização caso não desejarem voltar.Resolução 194 (Assembleia Geral).Resolução 242 (Conselho de Segurança). – 22 de novembro 1967.

criada em 1964 se desvincula da interferência de outros países árabes passando a agir de forma autônoma a partir de 1969. Yasser Arafat .CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 9 .SITUAÇÃO DOS PALESTINOS: • Abandonados por lideranças árabes. • Dispersos entre os territórios ocupados por Israel em 1967 ou Jordânia. Síria e Líbano. • OLP (Organização pela Libertação da Palestina).

• Setembro de 1970: governo jordaniano massacra 4 mil palestinos e fere outros 11 mil (Setembro Negro). • 1971: palestinos são definitivamente expulsos da Jordânia pelo rei Hussein. Campos de refugiados palestinos Rei Hussein .CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Palestinos desconsiderados e perseguidos por lideranças árabes. dirigindo-se para o sul do Líbano.

Prisioneiros egípcios na Guerra do Yom Kippur . • Israel consegue expulsar os invasores com muitas baixas os invasores.A GUERRA DO YOM KIPPUR (1973): • Yom Kippur = Dia do Perdão em Israel (mais importante feriado religioso do país). • Inicialmente vitória árabe. • EGT + SIR + JOR atacam Israel.10 .

. – OPEP utiliza petróleo como arma política. – resolução da ONU de 1974 que equiparava o SIONISMO a RACISMO (posteriormente revogada). provocando uma crise mundial inédita (Crise do Petróleo). quadruplicando o preço do barril. OBJ: pressionar a comunidade internacional para que Israel devolvesse os territórios ocupados em 1967.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Conseqüências: – Israel mostra fragilidade.

muçulmanos xiitas. drusos e palestinos.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 11 . • Composição de governo: – pacto nacional (1943). com base na proporção demográfica de cada etnia. .A GUERRA CIVIL DO LÍBANO: • Líbano: norte de Israel. • Até a metade da década de 70: prosperidade. – primeiro ministro = sunita. – presidente = cristão. – Vários povos e culturas – Principais: cristãos maronitas. muçulmanos sunitas.

CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO ÁREAS DE INFLUÊNCIA NO LÍBANO: – Controle do exército sírio – Muçulmanos xiitas – Cristãos maronitas – Muçulmanos drusos – Muçulmanos sunitas – Exército do Sul do Líbano* – Bases da OLP * Cristão e apoiado por Israel. .

– Israel. área dos refugiados palestinos que praticavam atentados contra o país. tendo ocupado-o militarmente a partir de 1976. invadia o sul do Líbano.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO – presidente da câmara um xiita – demais etnias representadas por uma bancada definida conforme sua representatividade demográfica. e exigia maior representatividade. • Década de 70: a população muçulmana havia crescido muito mais que a cristã. – Palestinos não tinham representação. • Os cristãos negavam-se a fazer um novo recenseamento. . • Interesses externos: – Síria contestava autonomia libanesa e fez várias intervenções no país.

– Líder da operação: Ariel Sharon (ex-primeiro ministro de Israel) – Avanço de tropas até Beirute.tropas israelenses invadem o sul do Líbano para garantir a segurança de Israel.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Etnias se organizam em milícias que ao longo de mais de duas décadas arrasam por completo o país. • Episódio marcante: – Operação de paz na Galiléia (1982) . enquanto que os cristãos maronitas valeram-se do auxílio israelense. Normalmente os muçulmanos sunitas contaram com o apoio das tropas sírias. .

• Os conflitos no Líbano só diminuíram no final da década de 80 com a formação de um governo de maioria cristã próSíria. entregue ao Exército do Sul do Líbano (organização militar cristã autônoma). . – Opinião pública internacional posiciona-se contra Israel e o governo de Menachem Beguin cai. • 1983: tropas israelenses se retiram parcialmente do país. – Sharon permitiu a entrada de milícias cristãs (Falange) nos campos de refugiados palestinos de Sabra e Chatila. preservando apenas uma faixa de segurança. promovendo um imenso massacre.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO – Grande parte das milícias palestinas retiram-se do Líbano às pressas. rumando para a Tunísia.

CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO OPERAÇÃO “PAZ NA GALILÉIA”: Massacre de Sabra e Chatila .

• Termos: o Egito reconhecia a soberania de Israel.OS ACORDOS DE CAMP DAVID (1978): • Primeiro acordo de paz firmado entre uma liderança árabe e Israel. CARTER SADAT BEGIN . • Anuar Sadat (Egito) e Menachem Begin (Israel) firmaram um acordo definitivo de paz.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 12 . Israel devolveria ao Egito a Península do Sinai. O acordo foi cumprido de ambas as partes.

. • 1982: Israel retira suas últimas tropas do Sinai. que passa definitivamente ao Egito.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • 1981: Sadat é assassinado por extremistas muçulmanos contrários ao acordo. Atentado terrorista mata o presidente egípcio Anuar Sadat.

• 1979: forças xiitas leais ao aiatolá (maior liderança religiosa xiita) Ruhollah Khomeini depuseram o governo do xá e criaram o primeiro governo xiita da história. .A REVOLUÇÃO ISLÂMICA (IRÃ – 1979): • Até 1979: o Irã era governado pelo xá (rei) Reza Pahlevi (governo autoritário disposto a modernizar o país em termos econômicos e aliado dos EUA no Oriente Pahlevi Médio). • Transformação dos costumes (cada vez mais próxima dos ocidentais) desagradando setores religiosos (o Irã é um país de maioria xiita).CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO 13 .

. temiam revoluções do mesmo caráter em seus territórios.CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO • Governo nasce enfraquecido politicamente: – Repressão da oposição interna gerando guerra civil de dois anos. – Hostilidade às grandes potências (EUA e URSS). – Vizinhos (com populações xiitas).

• Causas: – Temor de que uma revolução semelhante a iraniana se espalhasse pelo Iraque (60% da população xiita).A GUERRA IRÃ X IRAQUE (1980 – 1988): • 1979: Saddam Hussein toma o poder no Iraque. – Controle do Chatt Al Arab (única saída marítima do Iraque ao Golfo Pérsico).15 . .

• Vantagem inicial do Iraque. • Iranianos emparelham o conflito (maior população e fervor religioso). • 1988: Irã e Iraque firmam a paz (sem vitoriosos e com um milhão de mortos no total). .

A GUERRA IRÃ X IRAQUE EM IMAGENS: Prisioneiros iraquianos .

. revertendo a imagem de Israel como a nação oprimida. • Intifada (“sobressalto” em árabe): – Apoio do Hamas (organização terrorista apoiada pelo Irã e pela Síria). • Conseqüência: opinião pública internacional favorável a causa palestina. e da OLP de Yasser Arafat (prestígio político junto aos palestinos).A INTIFADA (1987): • Movimento espontâneo dos palestinos que refletia sua falta de perspectiva quanto a resolução de seus problemas. • Protestos e apedrejamentos contra as tropas israelenses nos territórios ocupados.16 .

A GUERRA DO GOLFO (1991): • Causas: – Iraque endividado pela guerra longa com o Irã e dono de um imenso arsenal militar.17 . • Agosto de 1990: Iraque invade o Kwait. . • EUA conclama o mundo a se empenhar numa tarefa de libertação do Kwait (manutenção do preço do pertróleo). – Alegação de que Kwait havia sido criado por interesses colonialistas europeus.

• Apoio ao Iraque: Iêmen.• ONU aprova resolução que obrigava o Iraque a se retirar do Kwait. a Jordânia e a OLP (Yasser Arafat). . • Iraque derrotado pela coalizão internacional liderada pelos EUA (Operação Tempestade no Deserto). endossando uma possível invasão dos EUA. • EUA lideram embargo econômico ao Iraque.

• Yasser Arafat: credibilidade abalada. • EUA: esforços para produzir acordo de paz entre judeus e palestinos.• Saddam Hussein é mantido no poder (possibilidade de uma revolta xiita nos moldes iranianos amedrontava os EUA). .

. e Yasser Arafat (OLP). CLINTON RABIN ARAFAT Quase amigos.18 .. selam um acordo de autonomia gradativa para as áreas de Gaza e Cisjordânia.A QUASE PAZ DE 1993: • 13 de setembro de 1993: – judeus e palestinos assinam um acordo de paz. – Itzhak Rabin (ISR)..

• Hamas patrocinava atentados terroristas em Israel. .• Grupos radicais de ambos os lados não aceitam o acordo.

. contrário ao acordo. Ygal Amir. • Problemas entre Israel e os palestinos não conseguiram mais encontrar uma solução pacífica.• 4 de novembro de 1995: Itzhak Rabin é assassinado por estudante extremista judeu de 27 anos.

CRONOLOGIA RECENTE: • 1996: – Partido Likud (direita conservadora de Israel) vence eleições para o parlamento. – Talibãs afegãos implantam regime fundamentalista no Afeganistão. O primeiro ministro passa a ser Benjamin Netanyahu. Mohamed Omar – líder talibã .19 .

– Partido Trabalhista (esquerda de Israel) vence eleições para o parlamento. em Jerusalém. SHARON – Início de uma segunda e violenta Intifada. Israel.• 1999: – Morre o Rei Houssein. • 2000: – General israelense Ariel Sharon (responsável pela campanha que provocou os massacres dos campos de refugiados palestinos de Sabra e Chatila no Líbano em 1982) visita a esplanada das mesquitas. O primeiro ministro passa a ser Ehud Barak. da Jordânia. em Israel. REI HUSSEIN .

Bin Laden Atentado ao WTC . pelos quais são responsabilizados o regime Talibã do Afeganistão e o líder saudita supostamente lá refugiado Osama Bin Laden. – Operação “Liberdade Duradoura” como resposta aos atentados do WTC tem início no Afeganistão.• 2001: – Atentados ao WTC e Pentágono. nos EUA.

• 2002: –George Bush cita como representantes do “Eixo do Mal” os seguintes países: Iraque. Irã. . – Partido Likud vence eleições para o parlamento. –ONU aprova resolução de apoio a criação do Estado Palestino. O primeiro ministro passa a ser Ariel Sharon. –Síria retira-se da região central do Líbano. Líbia e Coréia do Norte.– Cai o regime Talibã no Afeganistão.

– Israel começa a construção de muro para separar israelenses e palestinos na Cisjordânia. – Iniciam inspeções da ONU no Iraque para verificar a produção de armas químicas. • 2003: – EUA invade o Iraque com auxílio da Inglaterra sem a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. . • 2004: – Morre o líder palestino Yasser Arafat.

• 2005: – Síria retira-se definitivamente do Líbano. . – Israel desocupa colônias judaicas na Faixa de Gaza e inicia desocupação também na Cisjordânia.

• A cultura árabe é rica e complexa. descaso. no trato com os países árabes. na forma de cinema e outros meios de comunicação. produzirão. não há outro caminho para o cinema. essas mitologias. em especial EUA e seus aliados. mas também na sociedade ocidental como um todo. . senão valorizar os roteiros justos e os atores e demais profissionais que se incumbirem da missão de produzir um ângulo novo e revigorado sobre um tema tido como “certo”. no decorrer do tempo. mas pelas consequências que esses enredos. • Àqueles que dedicarão suas vidas à construção de novos imaginários. eu recomendo sempre uma postura crítica: Avaliem os roteiros que lerem não apenas no âmbito da satisfação profissional ou da remuneração. não apenas nos filmes.Conclusões • Reel Bad Arabs é um documetário notável em alertar-nos sobre o simplismo. • Embora pessoalmente eu julgue que os exemplos citados no final do documentário sejam muito escassos para reverter o que já foi feito. tem gerado consequências desastrosas para aquelas populações. mas a política que vem sendo adotada pelo ocidente. preconceito e injustiça com que vem sendo tradados os árabes.