You are on page 1of 65

SURGIMENTO DO BAIRRO DO COMPÃO
• Bairro do Compão nasce apartir de um acampamento destinado ao pessoal que labutava nas obras de construção do Porto e mais tarde dos CFB. O aglomerado de barracas era designado pelos engenheiros e outros técnicos ingleses por “Compound”. Dali a palavra foi “aportuguesada” pelo pessoal angolano para “Compão” . E assim permanece até hoje.

• A solução escolhida para os engenheiros foi proceder-se a sucessivos aterros e drenagens das zonas alagadas, conquistando espaço em terra firme a fim de ali se implantarem novos fogos. Ampliou-se o Compão, nasceram depois a Caponte, “ACADÉMICO” e outros bairros mais ou menos recentes, até chegar-se a uma nova situação de congestionamento urbano.

. Assim com a construção da Oficina do caminho de ferro de Benguela.BAIRRO DO COMPÃO ZONA ACADÉMICA Foram construídos os Bairros do Compão. para a construção do novo bairro que actualmente é chamado de Bairro Académico. surgiu outra ideia dos trabalhadores do CFB. De 1940 a 1955 destinados aos trabalhadores do CFB. nesta ordem de pensamento.

.

.

.

COLINA DA SAUDADE .

ESTAÇÃO DA RÁDIO LOBITO .

POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTIVEL EM RECONSTRUÇÃO (MIMAS 500) .

AVENIDA MARCHAL CRAVEIRO LOPES .

CINE CULTURAL MIMAS 500 .

HOTEL TROPICANA .

EDIFICIO COM + 3 DECADAS EM MAU ESTADO .

TESOURARIA DO CFB .

FUTURA ESTAÇÃO DE CFB NO LOBITO .

PASSAGEM DE NÍVEL-CFB .

IGREJA UNIVERSAL .

CENTRO COMERCIAL DE TELECOMUNICAÇÕES .

IGREJA TJ .

PONTOS DE FOTOGRAFIAS .

Ponto nº 01 Ponto nº 02 Ponto nº 03 Ponto nº 04 .

Ponto nº 05 Ponto nº 06 Ponto nº 07 Ponto nº 08 .

Ponto nº 09 Ponto nº 10 Ponto nº 11 Ponto nº 12 .

Ponto nº 13 Ponto nº 14 Ponto nº 15 Ponto nº 16 .

Ponto nº 17 Ponto nº 18 Ponto nº 19 Ponto nº 20 .

Ponto nº 21 Ponto nº 22 Ponto nº 23 Ponto nº 24 .

Ponto nº 25 .

O período quente. Máxima temperatura absoluta do ar não ultrapassa os 35C . a média das máximas fica entre 28% e os 30c. que se estende desde de Novembro a Maio. A característica mais notável reside nos elevados valores da humidade relativa do ar.CLIMA Clima é deserto quente. tem temperaturas médias entre os 25% a 27%C. e a média das mínimas entre 23c e 24c. todos os meses do ano se podem considerar secos. cujo médias anuais excedem os 70%.

INSOLAÇÃO • A insolação anual média e das ordem dos 53 63% .

CHUVAS • As medias das precipitações são inferior a 150mm .

VENTOS DOMINANTES • Ver mapa _ Desenho .

DEMOGRAFIA CARACTERIZAÇÃO DA POPULAÇÃO .

e alguns reformados dos Caminhos de Ferro. Professores e Estudantes Universitários. funcionários dos Caminhos de Ferro de Benguela. E têm um nível económico acima da média. Generais do Exercito.ACTIVIDADES PROFISSIONAIS Camionagens. . Médicos. Comerciantes.

isto é. Luanda. Huambo. . E a minoria é expatriada de várias nacionalidades do mundo que estão surgindo nestes últimos dias devido alguns cidadão na procura de melhor condições de vida vão alugando e vendendo as suas residências as ONGS . Malanje.ORIGEM • E de origem Angolana. etc. Uige. Benguela. Bié.

.ESCOLARIDADE • E têm um nível económico acima da média.

anteriormente tinham como ocupação os cinemas.NÍVEL SOCIO-ECONÓMICO • Em caso do aproveitamento dos tempos livres. . tais como: Nimas 500. Flamingo e actualmente os jovens divertem-se jogando bola pátio da Escola do Liceu Comandante Valódia bem juntinho as residências e as tardinhas logo ao pôr-do-sol.

pavimentos calçado não fugindo a tradição do calçado da Cidade.EXPECTACTIVAS • Dando sequência as entrevistas que estão sendo feitas no bairro do Compão propriamente falando na zona do académico conversou-se com residentes e deram as seguintes propostas. . estrada bem asfaltada. áreas de laser . Um campo de futsal.

VEGETAÇAÕ • Ver mapa_ desenho nº .

MATERIAS • O material de construção empregue na edificação das residências na zona e a base de material local como: tijolo e o bloco de alvenaria cerâmico. . quanto a coberturas e mais a base de chapa de lusalite e telhas cerâmicas. • Vão gradualmente vibro cimento fabricado localmente (Lupral) onde o arquitecto baseou-se em favos de mel sendo está a características de muitos edifícios l da zona.

MAPA DE ALAGAMENTO DA ZONA alagamento .

ENTORNOS E INTERNOS .VISUAIS.

MAPA DE INSOLAÇÃO E VENTILAÇÃO .

ESTADO DAS VIAS .

USO DO SOLO .

ZONA VERDE .

MAPAS E ENTREVISTAS •Apresentação em mão .

PROPOSTA DE INTERVENÇÃO .

PARQUE AMBIENTAL SUGESTÃO DE PLANO .

OPORTUNIDADES
• Zona com potencial turístico (praias, actividades aquáticas e subaquáticas, turismo da natureza) • Zona privilegiada para construção de uma doca de recreio • Comunidade de mangais e riqueza em biodiversidade

FRAQUEZAS
• Predominam zonas de águas interiores e alagadiças • Complexa morfologia natural • Sucessivos aterros e drenagens das zonas alagadas têm alterado os sistemas naturais existentes • Destruição sucessiva de mangais e de outras zonas produtivas • Existência de bairros problemáticos sem condições básicas de saneamento

AMEAÇAS
• Destruição irreversível de mangais e de outros sistemas agro-culturais tradicionais (ex. salinas) • Perda de identidade territorial • Perda irreversível de recursos naturais com especial destaque para os haliêuticos

diferenciação dos concorrentes regionais (nível nacional e internacional). • Modelos de Economia Verde regionais – criação de novos empregos. ecoturismo. estabelecimento de cadeias de valor de escala local-regional. • Sensibilizar Arquitectos e promotores para incluírem conceito de ''cidades sustentáveis'' nas suas acções . análise de ciclo de vida de bens e serviços… • Desenvolver acções de Marketing Territorial ligadas à Conservação da Natureza. que incluiria estudo específico sobre o Lobito.SUGESTÕES • Elaborar um Plano Estratégico Provincial para as questões da Biodiversidade e Ecossistemas. particularmente da zona em análise.

ONTEM .

.

HOJE .

.

.

.

.

AMANHÃ .