WWW.ASSIMPASSEI.COM.

BR

Procedimento de habilitação e celebração do casamento

Caso haja impugnação do oficial. art. hoje. parágrafo único. o registro e a primeira certidão serão isentos de selos. de 2009) Vigência Antes de 2009 a lei exigia a homologação do juiz em qualquer casamento. A habilitação para o casamento. a habilitação será submetida ao juiz. do Ministério Público ou de terceiro. só há necessidade de atuação do juiz se houver impugnação do MP.133. emolumentos e custas.133. com a audiência do Ministério Público. 1. (Redação dada pela Lei nº 12. para ser afastado o regime da separação lega de bens. art. (desjudicialização dos interesses ou fuga do judiciário) [ Flávio Tartuce] CC. OBSERVAÇÃO: Nas hipóteses em que existam causas suspensivas do casamento. A habilitação será feita pessoalmente perante o oficial do Registro Civil. (Maria Berenice Dias) . para as pessoas cuja pobreza for declarada. sob as penas da lei. precisa ser juntada a decisão judicial que dispensou sua obrigatoriedade.Procedimento de habilitação e celebração do casamento Conceito: é o conjunto de atos preparatórios formais necessários para definir a aptidão jurídica dos nubentes. (Incluído pela Lei nº 12. (Walter Ceneviva) CC. de 2009) Parágrafo único. 1.526.512.

se forem conhecidos. do domicílio e da residência atual dos contraentes e de seus pais. V .certidão de nascimento ou documento equivalente. transitada em julgado. 1.certidão de óbito do cônjuge falecido. art.Requerimento de habilitação para o casamento CC. de sentença declaratória de nulidade ou de anulação de casamento. parentes ou não.declaração do estado civil. (Maria Berenice Dias) III . II . a seu pedido. Documento equivalente: certidão de casamento no caso de divórcio ou viuvez. .declaração de duas testemunhas maiores.525. ou ato judicial que a supra.autorização por escrito das pessoas sob cuja dependência legal estiverem. IV . O requerimento de habilitação para o casamento será firmado por ambos os nubentes. e deve ser instruído com os seguintes documentos: I . que atestem conhecê-los e afirmem não existir impedimento que os iniba de casar. ou. ou do registro da sentença de divórcio. por procurador. de próprio punho.

Poderão os nubentes. Estão sujeitos a registro. ser vertidos em nascimento. país de origem. É nulo o pacto antenupcial se não for feito por escritura pública. art. 1640. uma vez adotados os caracteres comuns. nas demais escolhas. deverão. • LRP. ou sendo ela nula ou ineficaz. Parágrafo único. dos Estados. vigorará. Quanto à forma.Requerimento de habilitação para o casamento OBSERVAÇÕES: • CC. no processo de habilitação. 129. optar por qualquer dos regimes que este código regula. art. documentos e papéis escritos em língua estrangeira. para o efeito da sua conservação ou perpetuidade. art. pú) [Maria Municípios ou em qualquer instância. entretanto. exibirá prova de que deixou sem impedimento para casar ou que cessou o existente. para É necessário juntar o pacto antenupcial (CC. CC. o regime da comunhão parcial. quanto aos bens entre os cônjuges. 1. acompanhados das respectivas traduções. o que.653. A do estrangeiro. através de cédula de identidade vernáculo e registrada a tradução. (Walter Ceneviva) LRP. se expedida de acordo com a lei brasileira. art. dos Territórios e dos opção do regime de comunhão parcial (CC. Não havendo convenção. 1. no Registro de Títulos e Documentos. art. do Distrito Federal. reduzir-se-á a termo a opção pela comunhão parcial. para surtir efeitos em relação a O RCPN onde deve ser apresentado o requerimento é o do domicílio terceiros: de um dos cônjuges. passaporte traduzido ou acompanhado de atestado passado pela autoridade consular de seu observará em relação às procurações lavradas em língua estrangeira. Berenice Dias] Se algum dos contraentes houver residido a maior parte do último ano em outro Estado. poderão ser registrados no original. art. Os títulos. (Flávio Tartuce) 6º) todos os documentos de procedência estrangeira. 1653) ou o termo de produzirem efeitos em repartições da União.640. juízo ou tribunal. Para A idade do nubente brasileiro é comprovável através de certidão de produzirem efeitos legais no País e para valerem contra terceiros. também. e ineficaz se não lhe seguir o casamento. fazendo-se o pacto antenupcial por escritura pública. 148. (Walter Ceneviva) • • .

Aquele que. art. 186. bem como sobre os diversos regimes de bens. comete ato ilícito. (art. A inobservância desse dispositivo pode ocasionar sanções administrativas e a responsabilidade civil do registrador.CC). violar direito e causar dano a outrem. É dever do oficial do registro esclarecer os nubentes a respeito dos fatos que podem ocasionar a invalidade do casamento. [Mário de Carvalho Camargo Neto] CC.Dever de informação do registrador civil CC. art. por ação ou omissão voluntária. 1. 186. negligência ou imprudência. . ainda que exclusivamente moral.528.

propiciando ensejo de serem denunciados os impedimentos. transitoriamente. O registro do edital de casamento conterá todas as indicações quanto à época de publicação e aos documentos apresentados. 44. LRP.527. 1. Estando em ordem a documentação. OBSERVAÇÃO: LRP. LRP. 67. destinada a. que se afixará durante quinze dias nas circunscrições do Registro Civil de ambos os nubentes. § 4º Se os nubentes residirem em diferentes distritos do Registro Civil. todos assinados pelo oficial. se publicará na imprensa local. art. abrangendo também o edital remetido por outro oficial processante. 43. art. obrigatoriamente. art. se houver. e. dar ciência a todos do povo que duas pessoas querem casar-se. . art. o oficial extrairá o edital.Publicação dos editais de proclamas Conceito de proclama: O proclama (nome clássico do edital anunciando a intenção dos nubentes) é forma de publicidade ativa. 43. As despesas de publicação do edital serão pagas pelo interessado. art. LRP. (Walter Ceneviva) CC. Os livros de proclamas serão escriturados cronologicamente com o resumo do que constar dos editais expedidos pelo próprio cartório ou recebidos de outros. em um e em outro se publicará e se registrará o edital. parágrafo único.

• Moléstia grave deve ser reputada àquela que inviabiliza a locomoção ou remoção do paciente sem risco de agravamento do seu quadro e que é capaz de levá-lo à morte em tempo breve. (Luiz Edson Fachin) A situação grave e urgente tratada nesse artigo é a que não põe em risco imediato a vida do nubente. art. A autoridade competente.540.539. Quando algum dos contraentes estiver em iminente risco de vida. sendo urgente. até segundo grau. (casamento nuncupativo ou in extremis vitae momentis) .527. poderá dispensar a publicação. não obtendo a presença da autoridade à qual incumba presidir o ato. na colateral. parágrafo único. 1. art. No caso de moléstia grave de um dos nubentes. ainda que à noite. art. nem a de seu substituto.Publicação dos editais de proclamas CC. Exemplos: (Milton Paulo de Carvalho Filho) Juiz de Direito. sendo necessário que ele providencie o processo de habilitação. 1. havendo urgência. ou. imprevista e demorada Possibilidades de dispensa de proclamas (Flávio Tartuce) CC. (Milton Paulo de Carvalho Filho) • CC. o presidente do ato irá celebrá-lo onde se encontrar o impedido. que com os nubentes não tenham parentesco em linha reta. 1. poderá o casamento ser celebrado na presença de seis testemunhas. • • Parto iminente Viagem inadiável. perante duas testemunhas que saibam ler e escrever.

Publicação dos editais de proclamas Procedimento do pedido de dispensa de proclamas LRP. que poderá manifestar-se. art. os contraentes. provando-a. o Juiz decidirá. sem recurso. 69 § 2º Produzidas as provas dentro de cinco (5) dias. em petição dirigida ao Juiz. com documentos ou indicando outras provas para demonstração do alegado LRP. art. a seguir. 69. desde logo. deduzirão os motivos de urgência do casamento. Para a dispensa de proclamas. nos casos previstos em lei. remetendo os autos para serem anexados ao processo de habilitação matrimonial. em vinte e quatro (24) horas. em igual prazo. . com a ciência do órgão do Ministério Público.

Audiência do MP LRP. art. abrirá vista dos autos ao órgão do Ministério Público. incumbe ao MP optar por um desses caminhos: (Walter Ceneviva) • • Manifestar-se pelo deferimento do pedido de certidão. 67. (Maria Berenice Dias) . para manifestar-se sobre o pedido e requerer o que for necessário à sua regularidade. os autos serão encaminhados ao Juiz. (Walter Ceneviva) • Não há como negar o acesso as vias recursais. os noivos deverão promover outro processo habilitatório. Em seguida. podendo exigir a apresentação de atestado de residência. Não cabe recurso da parte ou do MP. firmado por autoridade policial. o oficial mandará afixar proclamas de casamento em lugar ostensivo de seu cartório e fará publicá-los na imprensa local. LRP. se houver. se a rejeição for por falta de documento caberá nova habilitação. se for rejeitado o pedido por reconhecimento de impedimento matrimonial cabe apelação. 67 § 2º Se o órgão do Ministério Público impugnar o pedido ou a documentação. que decidirá sem recurso. ou qualquer outro elemento de convicção admitido em direito Recebida a autuação . motivando as razões de sua oposição. inclusive atestado de residência expedido pela autoridade policial Impugnar o pedido ou documentação. art. Requerer o que for necessário. § 1º Autuada a petição com os documentos.

a contar da data em que foi extraído o certificado.527. 1. CC. o oficial extrairá o edital.Certidão de habilitação para o casamento CC. . que se afixará durante quinze dias nas circunscrições do Registro Civil de ambos os nubentes.527 e verificada a inexistência de fato obstativo. A eficácia da habilitação será de noventa dias. 1.526 e 1. Cumpridas as formalidades dos arts. com a audiência do Ministério Público. 1. CC. e. art. o oficial do registro extrairá o certificado de habilitação.526. obrigatoriamente. 1.532. art.531. se publicará na imprensa local. A habilitação será feita pessoalmente perante o oficial do Registro Civil. art. CC. art. se houver. Estando em ordem a documentação. 1.

1. no dia.Celebração do casamento CF. com toda publicidade.533. no Distrito Federal e nos Territórios. parentes ou não dos contraentes. ficará este de portas abertas durante o ato. Celebrar-se-á o casamento. Podem ser parentes dos nubentes.531.justiça de paz. que se mostrem habilitados com a certidão do art. hora e lugar previamente designados pela autoridade que houver de presidir o ato. sem caráter jurisdicional. de ofício ou em face de impugnação apresentada. verificar. na forma da lei. ou. presentes pelo menos duas testemunhas. art. e os Estados criarão: II . universal e secreto. remunerada. a portas abertas. . noutro edifício público ou particular. CC. A União. celebrar casamentos. mediante petição dos contraentes. o processo de habilitação e exercer atribuições conciliatórias. 1. 98. art. § 2o Serão quatro as testemunhas na hipótese do parágrafo anterior e se algum dos contraentes não souber ou não puder escrever. querendo as partes e consentindo a autoridade celebrante. CC. composta de cidadãos eleitos pelo voto direto.534. A solenidade realizar-se-á na sede do cartório. além de outras previstas na legislação. 1. art. com mandato de quatro anos e competência para. § 1o Quando o casamento for em edifício particular.

eu. por algum dos fatos mencionados neste artigo. II . nestes termos:"De acordo com a vontade que ambos acabais de afirmar perante mim. em nome da lei. O nubente que. o presidente do ato. art. em pessoa ou por procurador especial. de vos receberdes por marido e mulher.538.manifestar-se arrependido. juntamente com as testemunhas e o oficial do registro. A celebração do casamento será imediatamente suspensa se algum dos contraentes: I .Celebração do casamento CC. declarará efetuado o casamento.535. 1. 1. III . (Flávio Tartuce) .recusar a solene afirmação da sua vontade. der causa à suspensão do ato. Presentes os contraentes.declarar que esta não é livre e espontânea. vos declaro casados. art. ouvida aos nubentes a afirmação de que pretendem casar por livre e espontânea vontade. Aplica-se as manifestações feitas em tom jocoso. Parágrafo único." CC. não será admitido a retratar-se no mesmo dia.

VI . VII . domicílio e residência atual dos pais. III . quando o regime não for o da comunhão parcial. lavrar-se-á o assento no livro de registro. II . art. profissão. com a declaração da data e do cartório em cujas notas foi lavrada a escritura antenupcial. serão exarados: I .a relação dos documentos apresentados ao oficial do registro. § 1o Qualquer dos nubentes. e o oficial do registro. ou o obrigatoriamente estabelecido.os prenomes.536. logo depois de celebrado. sobrenomes.o prenome. sobrenome.o regime do casamento. pelos cônjuges. art. IV .565.os prenomes. datas de nascimento. datas de nascimento ou de morte. poderá acrescer ao seu o sobrenome do outro. OBSERVAÇÃO: CC. V . No assento. assinado pelo presidente do ato. domicílio e residência atual das testemunhas. as testemunhas. 1. domicílio e residência atual dos cônjuges.o prenome e sobrenome do cônjuge precedente e a data da dissolução do casamento anterior. 1. . sobrenomes.a data da publicação dos proclamas e da celebração do casamento. querendo. Do casamento.Celebração do casamento CC. profissão.

O casamento se realiza no momento em que o homem e a mulher manifestam. e o juiz os declara casados OBSERVAÇÃO: O registro civil do casamento não é ato constitutivo do vínculo conjugal. perante o juiz. é admissível qualquer outra espécie de prova. Justificada a falta ou perda do registro civil. O casamento celebrado no Brasil prova-se pela certidão do registro. 1543) . art. 1. (Flávio Tartuce) CC. art.514. 1. Parágrafo único. e se encontra no plano da eficácia. O registro é meio de prova do casamento (art. . a sua vontade de estabelecer vínculo conjugal.543.Celebração do casamento Qual é o momento exato da celebração do casamento? Resposta: CC.

averbação feita em registro de nascimentos. é admissível qualquer outra espécie de prova Trata-se de meio de prova subsidiário que consiste em um processo de justificação judicial. (Milton Paulo de Carvalho Filho) É a prova primária do registro.) .. Parágrafo único. habilitação de motorista. 1.Prova do casamento O sistema instituído por nossa lei civil para comprovar a existência do casamento é o da prova pré-constituída. O casamento celebrado no Brasil prova-se pela certidão do registro.543.. carteira de identidade. (Milton Paulo de Carvalho Filho) CC. art. (Milton Paulo de Carvalho Filho) Exemplos dessa prova subsidiária: (Milton Paulo de Carvalho Filho) • • Testemunhas ( como as do ato nupcial) Documentos (CTPS. passaporte. Justificada a falta ou perda do registro civil. certidão de proclamas.

no cartório do respectivo domicílio. deverão. . no 1o Ofício da Capital do Estado em que passarem a residir. este se achar corroborado por vários elementos probatórios. cuja a assinatura será reconhecida no ministério das Relações Exteriores ou nas repartições fiscais da União.Prova do casamento CC. perante as respectivas autoridades ou os cônsules brasileiros. se observará em relação às procurações lavradas em língua estrangeira. deverá haver novo procedimento de habilitação. entretanto. [Milton Paulo de Carvalho Neto] Para que o documento(certidão) estrangeiro possa produzir efeitos no Brasil. Para produzirem efeitos legais no País e para valerem contra terceiros. celebrado no estrangeiro. art.544. 148. também. Será dispensada essa formalidade se. perante a autoridade brasileira. poderão ser registrados no original. para o efeito da sua conservação ou perpetuidade. 7º Lindb. deverá ser registrado em cento e oitenta dias. [Milton Paulo de Carvalho Neto] A prova do casamento celebrado perante autoridade estrangeira far-se-á de acordo com a lei do país onde tenha sido celebrado. deverá ser autenticado pelo cônsul brasileiro do lugar. (Washington de Barros Monteiro) Registro em RTD LRP. o que. (trata-se da prova do casamento celebrado fora do Brasil) Depois da chegada no Brasil se o registro não for feito dentro do prazo de 180 dias. documentos e papéis escritos em língua estrangeira. além de não contar o Brasil com representação diplomática no lugar em que foi celebrado o matrimônio. Os títulos. ser vertidos em vernáculo e registrada a tradução. (princípio de direito internacional privado locus regit actum ou lex loci regit actum) por força do art. uma vez adotados os caracteres comuns. em sua falta. [Milton Paulo de Carvalho Neto] A prova do casamento realizado no estrangeiro em consulado brasileiro se faz por meio da certidão do registro feito no consulado. O casamento de brasileiro. a contar da volta de um ou de ambos os cônjuges ao Brasil. art. 1. ou.

ou. § 1º Os assentos de que trata este artigo serão. óbito e de casamento de brasileiros em país estrangeiro serão considerados autênticos. . nos termos do regulamento consular. em falta de domicílio conhecido. nos termos da lei do lugar em que forem feitos. quando tiverem de produzir efeito no País. legalizadas as certidões pelos cônsules ou quando por estes tomados. art. Os assentos de nascimento. porém. LRP. por meio de segunda via que os cônsules serão obrigados a remeter por intermédio do Ministério das Relações Exteriores. antes. art. 32 . 32. transladados nos cartórios de 1º Ofício do domicílio do registrado ou no 1º Ofício do Distrito Federal.Prova do casamento Casamento celebrado fora do Brasil: LRP.

(Washington de Barros Monteiro) Nomem = significa a utilização por um dos companheiros do patronímico do outro Elementos da posse do estado de casados (Milton Paulo de Carvalho Filho) Tractatus = consiste no tratamento recíproco de ambos como se casados fossem Fama = implica o reconhecimento geral. que sempre se encontraram no gozo recíproco da situação de esposos. . por parte da sociedade.Prova do casamento CC. não se pode contestar em prejuízo da prole comum. Posse do estado de casados: é a situação de duas pessoas que sempre se comportaram. ou tenham falecido. na posse do estado de casadas. como marido e mulher.545. salvo mediante certidão do Registro Civil que prove que já era casada alguma delas. da condição de conjuge. quando contraiu o casamento impugnado. O casamento de pessoas que. 1. não possam manifestar vontade. art. privada e publicamente.

546. pois a retroatividade beneficiava os filhos já nascidos. (Silvio Rodrigues) • A regra quanto aos filhos tinha mais importância no passado. art. o registro da sentença no livro do Registro Civil produzirá. 1. que eram legítimos desde a data da celebração.Prova do casamento • CC. (Milton Paulo de Carvalho Filho) . todos os efeitos civis desde a data do casamento. (Milton Paulo de Carvalho Filho) • Os efeitos decorrentes do registro da decisão retroagirão à data da celebração do casamento. no entanto. tanto no que toca aos cônjuges como no que respeita aos filhos. Quando a prova da celebração legal do casamento resultar de processo judicial. Trata-se de ação declaratória. não pode prejudicar terceiros de boa-fé.

1. já que estas são tratadas pelo disposto nos arts. (Milton Paulo de Carvalho Filho) CUIDADO: Essa regra tem aplicação limitada às questões relativas à prova do casamento. se os cônjuges. em razão de falta ou perda do registro. 1548 a 1564. Na dúvida entre as provas favoráveis e contrárias. cujo casamento se impugna. art. • Trata-se da regra in dubio pro matrimonio que. não tendo incidência nas questões referentes à validade ou invalidade do casamento.Prova do casamento CC. (Milton Paulo de Carvalho Filho) . julgar-se-á pelo casamento. viverem ou tiverem vivido na posse do estado de casados. poderá ser aplicada quando a prova sobre a celebração do casamento se apresentar duvidosa (não convincente) ou contraditória (conflitante). CC.547.

Flávio. de acordo com : Lei 12. ed. ed. – 6.406. – 9.344/2010 (regime obrigatório de bens) : Lei 12. ver. 2010. – Barueri.398/2011 (direito de visita dos avós). Tartuce. atual e ampl. • Dias. São Paulo : MÉTODO. ver. 5 : direito de família / Flávio Tartuce.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: • Código Civil comentado : doutrina e jurisprudência : Lei n. 2011. – São Paulo : Editora Revista dos Tribunais. SP : Manole. • .01. . – 4. 10. José Fernando Simão. de 10. Maria Berenice.Rio de Janeiro : Forense.2002 : contém o Código Civil de 1916 / coordenador Cezar Peluso. Direito civil. 2013. Manual de direito das famílias / Maria Berenice Dias. v. ed. e atual.