12.

Crescimento
(Pinho e Vasconcellos, 2006, cap.16)

Economia A1

Frederico G. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG)

deveria sem completada com uma análise dinâmica do processo de crescimento. Economia A1 Frederico G. que é estática. é estabelecer as regularidades observadas nos processos de crescimento dos diversos países. o que foi resumido por Kaldor em dois pontos principais: (i) crescimento do produto por trabalhador (produtividade). O passo inicial.1. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) .12. (ii) crescimento da relação capital-trabalho (estoque de capital per capita). Introdução A teoria do crescimento se inicia com Harrod (1939). portanto. que entendia que a teoria keynesiana.

O resultado lógico é que o produto cresce se crescem a quantidade de trabalho ou de capital. ou se avança a tecnologia. Economia A1 Frederico G. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) .12. é utilizado um modelo simplificado da realidade. e a produção é feita de acordo com uma combinação de fatores dada por uma função de produção. que pode ser consumido ou usado como bem de capital.1. Para tanto. Introdução A questão seguinte a ser analisada é entender como o produto nacional cresce ao longo do tempo. onde há apenas dois fatores de produção (capital e trabalho). onde existe apenas um bem na economia.

Função de produção: Y = f(K. Crescimento sem progresso tecnológico  produto médio por trabalhador = relação capital trabalho. Gráfico pag. L)  Y/L = f(K/L. 1) 12. (iii) ambos fatores tem produtividade marginal positiva e decrescente. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) . 346 vasconcellos Economia A1 Frederico G. Iniciamos então especificando as hipóteses básicas do modelo: (i) perfeita substituição de capital e trabalho na função de produção. (ii) retornos constantes de escala.O modelo básico de estudo da dinâmica de crescimento nos moldes da teoria econômica dominante é o modelo de Solow.2.

 Se a acumulação de capital for maior que o crescimento populacional. ou seja. (ii) analise de crescimento. se reduz à análise do crescimento da oferta de capital. representado o máximo de crescimento possivel.Hipóteses adicionais: 12. portanto. Essa é a chamada taxa natural de crescimento. Crescimento sem progresso tecnológico (i) força de trabalho cresce a uma taxa constante n. determinada exogenamente.Y). Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) .2. Economia A1 Frederico G. (iii) o crescimento do capital é determinado pela taxa de poupança. que é revertida em investimentos (I = S = s. então irá aumentar a relação K/L. da acumulação de capital.

y0 < s.Y/L) também cresce de forma decrescente.12. embora cresça menos que o K/L. Crítica  baixo poder explicativo do modelo. de forma que a relação K/L (que depende de I = S = s. Chega-se então à situação de equilíbrio. em função da produtividade marginal decrescente do capital. Crescimento sem progresso tecnológico A implicação desse modelo é que com o crescimento do K/L o produto por trabalhador (Y/L) cresce de forma decrescente. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) . Mas com o crescimento do Y/L cresce tambéma poupança total (s. e então o crescimento do capital será igual ao crescimento populacional n.2.  Isso significa que ano após ano a poupança por trabalhador cresce. a poupança por trabalhador atingirá um nível apenas suficiente para manter a relação K/L constante. dentro dessa teoria. mas a taxas decrescentes.  No limite. em determinado ano.y1) . Economia A1 Frederico G. • • Políticas que busquem maior crescimento. deveriam motivar maior taxa de poupança.

O progresso técnico é incorporado ao modelo da seguinte forma: a mesma quantidade de capital e trabalho geram maior quantidade de produto quando há progresso técnico. Esse progresso é sempre poupador de mão de obra. e graficamente representa um deslocamento da função de produção. Crescimento com progresso tecnológico O passo seguinte da análise do crescimento é incorporar o progresso tecnológico ao modelo. mas em equilíbrio as relações K/L e Y/L crescem a uma taxa igual à do progesso tecnológico. Economia A1 Frederico G. K e Y crescem a uma taxa (g + n). Supõe-se ainda que o progresso técnico acontece a uma taxa constante (g). A análise do modelo é a mesma. ou seja.3.12. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) . determinada exogenamente ao modelo.

Crescimento econômico endógeno O passo final é tornar endógeno o progresso técnico. Para incentivar a criação de inovações (idéias) seria então preciso criar mecanismos de proteção da propriedade intelectual: patentes. Os modelos de crescimento endógeno partem do mesmo referencial do modelo de Solow. Economia A1 Frederico G. sobretudo no incentivo de centros de pesquisa e educação em geral. o resultado desse modelo é atribuir maior papel às políticas públicas. e influenciado pelo número de idéias já criadas.12. Por fim. mas propõem que o progresso técnico é determinado pelo número de cientistas e inventores.4. Jayme Jr (Cedeplar/UFMG) João Prates Romero (Cedeplar/UFMG) .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful