Comunicação Social • Disciplina: Análise do Discurso

Ricardo Pinheiro

LRD
MARQUES, Joseti. Análise do discurso. Rio de Janeiro: CCAA Editora, 2008. Disponível na Biblioteca (6º andar) e online: www.faculdadeccaa.edu.br (espaço do aluno) http://www.youtube.com/watch?v=0Pq18kfm QD8&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=mmFmH MIUfVs&feature=related

Dominique. ORLANDI. Eni P. Análise de discurso: princípios e fundamentos. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Pontes. Campinas. 2008. 2007. São Paulo: Cortez.Outras obras MAINGUENEAU. .

de poder).Considerações iniciais Análise do Discurso – AD *Instrumento. •Propõe-se a compreender os fenômenos sociais à luz dos seus textos (jornalísticos e publicitários nas mais diversas mídias. . textos comuns das relações rotineiras. •Método de análise de produtos comunicacionais. familiais. metodologia analítica relativamente novo (segunda metade do século XX). •Construir mecanismos de compreensão que possibilitem à sociedade conhecer e promover mudanças positivas em suas práticas sociais.

.Linguagem • As linguagens estão no mundo e nós estamos na linguagem. sociais de • Todos os sistemas de produção de sentido aos quais o desenvolvimento dos meios de reprodução de linguagem difundem. • Gama intricada de formas comunicação e de significação.

Esses fenômenos só comunicam porque se estruturam como linguagem. toda e qualquer atividade ou prática social constituem-se como práticas significantes. práticas de produção de linguagem e sentido. isto é.Linguagem • Todo fenômeno cultural só funciona culturalmente porque é também um fenômeno de comunicação. . Assim. todo e qualquer fato cultural.

• A linguagem é um fenômeno extremamente complexo. pois pertence a diferentes domínios: é individual e social. o instrumento de mediação entre os homens e a natureza.Linguagem • É uma instituição social. os homens e outros homens. . física. que pode ser estudado de múltiplos pontos de vista. fisiológica e psíquica. o veículo das ideologias.

reduzindo-a ao nível ideológico.Linguagem • Cuidado! Não se deve desvincular a linguagem da vida social. . nem perder de vista sua especificidade.

os gestos. • Verbal: a fala. Os signos e os processos de significação não estão apenas na cultura. os códigos de trânsito. • Não-verbal: os sons da natureza. a escrita. mas também na natureza. . Tudo que produz sentido é objeto de estudo da semiótica.Linguagem Tudo que comunica alguma coisa.

científicos • Os sons da natureza Linguagem: tudo que nos comunica alguma coisa .Exemplos • As línguas que falamos • Os sinais de trânsito • Os gestos • Os comportamentos • A maneira de vestir • Os sons • Os códigos genéticos. religiosos.

: roupas. calçados. Ex. • São sempre produzidos e consumidos no contexto de uma sociedade específica. . • Formação do significado: natural e convencionada. pelas estruturas e pelas fontes geradoras que a sociedade usa.Signos • Estão por toda parte. • São formados pela sociedade (que os geram).

. ou seja. • Semiótica Ciência que tem por objetivo de investigação todas as linguagens possíveis.. que produz sentido). que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer fenômeno como fenômeno de produção de significação e sentido. Semiótica = semeion (signo – tudo aquilo que significa.No começo..

. • Cultura grega – interpretação dos oráculos (mensagens enviadas por Zeus com predições sobre o futuro) recebidos por sacerdotisas que as transmitiam aos consulentes em uma liguagem sem nexo e que todos tentavam decifrar – interpretar. A prática se estendeu a textos religiosos.História da Semiótica • Grécia antiga – Galeno de Pérgamo (139-199) referia-se à parte diagnóstica como sendo a “parte semiótica” = sintomatologia. jurídicos e literários – hermenêutica (interpretação de quaisquer textos).

• Platão (427-347): definiu signo verbal e significação – nome. . a coisa à qual o signo se refere.C. • Aristóteles (384-322): discutiu a teoria dos signos através da Lógica e da Retórica e chamou o signo linguístico de símbolo.História da Semiótica • 485 a. • Santo Agostinho (354-430): percebeu que havia signos verbais e não-verbais. Todos os signos naturais revelam a vontade de Deus.: Retórica – conjunto de regras técnicas para elaborar discursos convincentes e atraentes. noção ou ideia.

AD: pesquisas e teorias desenvolvidas para desvendar os processos sociais de produção de sentido. . XIX Final do séc. XIX – decisivo para o estabelecimento da Semiótica: Estados Unidos. União Soviética e Europa Ocidental.Semiótica – séc.

um instrumento analítico utilizado para descrever. circulação e consumo dos sentidos vinculados aos produtos culturais na sociedade. a partir daí. . quem sabe.AD • Pretende entender o homem através de sua contraface – o discurso – para. • AD = metodologia. se chegar a uma sociedade mais justa e mais igual. explicar e avaliar criticamente os processos de produção.

sua forma de comunicação. como programas de televisão. rádio. a conversação comum a grupos sociais. anúncios publicitários.Produtos culturais • Todo resultado de eventos comunicacionais. textos jornalísticos. discursos políticos. entrevistas médicas. . a maneira de uma sociedade se manifestar publicamente. • Produtos culturais = textos – objetos de análise. internet.

AD – Filiações teóricas Engloba (tem como fundamentação teórica / instrumentos) três domínios das ciências: • A Linguística. • A Psicanálise. . Método utilizado na investigação da produção de sentidos veiculados nos eventos comunicacionais. • O Marxismo – materialismo histórico (introduz a noção de ideologia como condição para a constituição dos sujeitos e dos sentidos).

Signo: tudo aquilo que significa alguma coisa. Tudo aquilo que comunica alguma coisa.Linguística . É uma instituição social. -Linguagem: formada por signos estruturados. o instrumento de mediação entre os homens e a natureza. o veículo das ideologias. .Fala: realização/materialização oral e individual da língua. . os homens e outros homens. Pode ser verbal ou não-verbal. .Língua: uma das manifestações da linguagem.

sua aparição deve ser contextualizada como um acontecimento. •A produção do discurso acontece na história. que é uma das instâncias por onde a ideologia se materializa. Quando pronunciamos um discurso agimos sobre o mundo. o discurso é uma prática. marcamos uma posição. por meio da linguagem. Por isso.Discurso * Para a Análise do Discurso. uma ação do sujeito sobre o mundo. .

televisivo. observa-se que o lugar social do qual emerge. Em um texto publicitário. o canal por onde passa (oral.).Análise do Discurso Procura associar a organização textual em si mesma com a situação de comunicação = o discurso. etc. o tipo de difusão que implica.. escrito. .. não são dissociáveis do modo como o texto se organiza.

Enunciado = É a marca verbal do acontecimento. É o ato de produzir. Sequência verbal que forma uma unidade de comunicação completa no âmbito de um determinado gênero do discurso: um romance. “É este colocar em funcionamento a língua por um ato individual de utilização”. um artigo de jornal. etc. . o ato mesmo de produzir um enunciado e não o texto do enunciado. Pode se tratar de algumas palavras ou um livro inteiro. Frase inscrita em um contexto particular.Enunciação = todo o processo de construção do que se vai dizer.

estruturadas de forma a perdurarem. atentar para a pertinência das formas de classificação. texto acadêmico X enunciado literário.Texto: produções verbais orais ou escritas. enunciado acadêmico . Por exemplo: texto literário. enunciado jurídico. a se repetirem. Deve-se. As noções de enunciado e texto em muito se aproximam. entretanto. texto jurídico. a circularem longe de seu contexto original.

portanto. é caracterizar as inscrições ideológicas contraditórias que coexistem nas diferenças sociais.AD •Estudar o discurso. na materialidade discursiva. A Análise do Discurso desenvolve seus estudos sobre as visões de mundo inscritas no discurso. inscritas na produção discursiva dos sujeitos. Os estudos desenvolvidos por este domínio de estudos visam a promover uma melhor compreensão por parte do homem de uma das ilusões fundadoras: a de que – o homem é senhor de seu discurso. .

atentando. até mesmo. •Assim. o discurso é o ponto de articulação entre os fenômenos linguísticos e os sócio-históricos. o estudo discursivo considera. também. mas que muito contribuiu para os princípios desta ciência. .AD •Segundo o russo Mikhail Bakhtin (1998). para a posição social e histórica dos sujeitos e para as formações discursivas às quais se filiam os discursos. mas as relações que esse dito estabelece com o que já foi dito antes e. não apenas o que é dito em dado momento. que embora seja um filósofo da linguagem e não um analista do discurso. com o não-dito. em suas análises.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful