Deve-se inicialmente avaliar o grau de consciência do paciente.

Avaliando assim se este encontra-se consciente ou inconsciente de tal modo a ser realizado os exames mais adequados à avaliação neurológica respectiva

Identificar a afasia (incapacidade de falar por perda da memória dos sinais da linguagem falada) Ex: Verificar se o paciente consegue nomear objetos de uso comum.

.A existência de ataxia (perturbação da coordenação dos movimentos voluntários) avalia-se pelo aparecimento da disartria (perturbação da articulação das palavras devido a alterações da motilidade dos músculos do aparelho fonador) ou pela dismetria (perturbação nos movimentos não conseguindo atingir o alvo) ou pelo tremor intencional (tremor que surge ao aproximar-se do alvo) nestas provas.

algodão) -Térmica -Dolorosa  PROFUNDA -Proprioceptiva -Vibratória -Pressão  PROFUNDA DISCRIMINATIVA-Verificar a esterognosia (incapacidade de reconhecer pelo tato objetos comuns). Exige colaboração paciente SUPERFICIAL: -Tátil (pincéis.  .

.Hiperestesia: exagero na percepção sensitiva.Analgesia: perda da sensibilidade dolorosa.Hipoestesia: diminuição na percepção sensitiva.Principais alterações das sensibilidades: . . .

“Formigamento das mãos”..Parestesia: percepção de sensibilidades mal definidas num segmento e mal localizadas que se desenvolve por lesões no sistema nervoso.Anestesia: perda da sensibilidade tátil e de mais uma das sensibilidades.Algia: dor generalizada. . . .

.

Motricidade Voluntária: Paralisia ou plegio: incapacidade na execução de um ato motor. Paresia: dificuldade na execução de um ato motor. .

Tipos de plegia em relação ao segmentos acometidos: Monoplegia: Acometimento de um único membro Hemiplegia/hemiparesia Acometimento de um lado do corpo Paraplegia/paraparesia Acometimento do tronco e membros inferiores .

.

Diplegia/diparesia Membros inferiores mais afetados que os superiores Quadriplegia/quadriparesia Quatro membros afetados de forma semelhante Dupla hemiplegia/dupla hemiparesia Quatro membros afetados. um lado mais comprometido .

.

Alterações da Motricidade Reflexa: . .Hiporeflexia: movimento diminui.Arreflexia: não tem reflexo. .Hiperflexia: movimento exagerado. .

. Caracterizam a chamada Síndrome do Neurônio Motor Inferior ou Periférico. ocorre também em pouco tempo atrofia da musculatura inervada por perda da ação trófica dos nervos sobre os músculos. Paralisias com hiporreflexia e hipotonia são denominadas paralisias flácidas. que resulta de lesão dos neurônios motores da coluna anterior da medula (ou dos núcleos motores dos nervos cranianos). Nestes casos.

pois os músculos continuam inervados pelos neurônios motores inferiores e o sinal de Babinski é positivo. onde a lesão localiza-se nas áreas motoras do córtex cerebral ou nas vias motoras descendentes. . Paralisias com hiper-reflexia e hipertonia são denominadas Paralisias Espásticas. Neste caso a atrofia muscular é muito discreta. Ocorrem na síndrome do neurônio motor superior ou central.

.

.

pois não ocorre quando a lesão é nas partes extrapiramidais do sistema de controle motor.O Sinal de Babinski é um sinal clínico neurológico de fácil constatação para detectar lesões especificamente na porção piramidal do sistema de controle motor. .

O sinal é demonstrado quando um firme estímulo tátil é aplicado à sola lateral do pé. O hálux se estende para cima. A resposta normal seria: que todos os dedos se curvassem para baixo . e os outros dedos se afastam entre si.

.

incluindo um estiramento do músculo que se deseja avaliar. . normal ou reduzida. como uma forma a excitar o fuso neuromuscular verificar se sua resposta e resistência encontrase aumentada.  Palpação e movimentação. através de movimentos passivos e relativamente velozes.

 Na prática o tônus muscular pode ser avaliado de duas maneiras. quanto maior a resistência ao movimento mais rígido o membro se comporta. . Segurando-se um membro relaxado do paciente e movendo enquanto observa-se a quantidade de esforço necessária para superar a resistência – o tônus muscular. pode-se observar como um membro responde a uma agitação ou ser solto subitamente. Alternativamente.

 Normotônico Hipertônico  Espasticidade  Rigidez   Hipotônico  Lesão Cerebelar  Lesão de Nervo Periférico  Lesão Medular .

.  Espasticidade: Inicialmente o alongamento produz uma resistência alta. A hipertonia apresenta dois tipos conhecidos: a espasticidade e a rigidez.  Reflexos tendíneos muito aumentados  Padrão característico de comprometimento de certos grupos musculares: MMSS flexição e em pronação. MMII extensão e adução. denominada de sinal de canivete. seguida por uma inibição súbita ou uma liberação da resistência.

 A resistência ser sentida ao longo de todo o trajeto do movimento sinal de Cano de Chumbo. .  Os reflexos tendíneos são normais. Rigidez: é reconhecida clinicamente como uma maior resistência a movimentos passivos mais lentos.

. os alongamentos músculotendíneos devem ser lentos e realizados diariamente para manter a amplitude de movimento e reduzir o tônus muscular. Da mesma forma. Portanto. os movimentos lentos tem menor possibilidade de induzir a hipertonia espástica.

Esta inabilidade pode estar relacionada ao medo. cocontração dos músculos antagonistas e à espasticidade . à atrofia por desuso. a hemiparesia e a alteração da sensibilidade do hemicorpo contralateral à lesão podem prejudicar a distribuição do peso corporal nos membros inferiores. A transferência uniforme de peso corporal entre membros inferiores é essencial para mobilidade funcional e equilíbrio normal. Após um Acidente Vascular Encefálico (AVE). recrutamento inadequado dos motoneurônios.

.

encontrada em muitos tipos de lesões neuromotoras. . Um dos fatores envolvidos na espasticidade. dentre elas a paralisia cerebral. é a contração simultânea dos músculos agonista e antagonista: a chamada co-contração. Espasticidade é uma desordem caracterizada por:movimentos espasmódicos exagerados e aumento na reposta muscular ao estiramento.