PGRSS

PGRSS
• É um plano de gerenciamento de resíduos de serviços da saúde documentado; • Aponta e descreve o manejo dos resíduos, observadas suas características e riscos; • Comtempla geração, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento, coleta, transporte, tratamento e disposição final; • Estabelece também ações de proteção ao meio ambiente e saúde pública.

NBR 12808. NBR 12810. • Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12809. • Associação Brasileira de Normas Técnicas. Coleta de resíduos de serviços de saúde – Procedimento. . • Resolução CONAMA nº 358/2005 • Associação Brasileira de Normas Técnicas. Resíduos de serviços de saúde – Classificação.Legislações • RDC 306 ANVISA/2004. Manuseio de resíduos de serviços de saúde – Procedimento.

• REDUZIR – Substituir (copos descartáveis por caneca). • RECICLAR – Separar na fonte geradora para reciclagem. • REAPROVEITAR – Materiais que servem para outros. .Regra dos 6 R • REPENSAR – Pensar antes de comprar. • RESPONSABILIDADE – Consumir o necessário. • REUTILIZAR – Usar um produto mais de uma vez.

• Grupo E. Químicos. • Grupo B. • Grupo C. Potencialmente infectantes. Rejeitos radioativos. Resíduos recicláveis e reutilizáveis( comuns). . Perfurocortantes. • Grupos D.Classificação dos resíduos • Grupo A.

Tratamento prévio na unidade ou por empresa autorizada – transporte seguro.Grupo A. luvas. máscaras contaminadas. • Limite de peso • Preenchido até 2/3 de sua capacidade • Lixeiras com tampa e pedal . resíduos de vacinação .Infectantes • Subdivididos em 5 grupos. • Impermeável. papeis. • Manejo. inóculos. Culturas de microrganismos. sobras de amostras de laboratório com sangue ou líquidos corpóreos na forma livre entre outros. • A1. • Saco branco leitoso • Resistente a ruptura e vazamentos.

• A5 . vísceras e outros • A3 . • Identificar os sacos com o conteúdo. 25 cm ou 20 semanas. resíduos de animais submetidos à experimentação com inoculação de microrganismos e cadáveres de animais suspeitos de portarem doenças epidemiológicas. perfurocortantes e outros materiais suspeitos de príon. A5.Infectantes • A2 .Peças anatômicas humanas. A3. tecidos. fluidos orgânicos. Tratamento prévio na unidade e transportados com segurança para Incineração ou sepultamento. produto de fecundação sem sinal vital menor que 500 g. . peças anatômicas.Órgãos.Carcaças.Grupo A. • Manejo A2.

filtros de ar e gases aspirados. • vísceras.Grupo A. • Manejo. . peças anatômicas.Infectantes • A4. Sem tratamento prévio para disposição final. tecidos de cirurgia plástica. bolsas transfusionais vazias ou com resíduo pós-transfusão.

saneantes. desinfetantes.Grupo B. kits para biologia molecular e outros resíduos contaminados com substâncias químicas químicas perigosas.Químicos • Medicamentos . desinfestantes. • Os recipientes de perfurocortantes contaminados com resíduos químicos não devem ser preenchidos em mais de dois terços de seu volume. kits para laboratório em geral. • Os recipientes devem ser colocados em sacos plásticos brancos e etiquetados com símbolo universal de substância tóxica e com as inscrições “Risco Químico”e “Perfurocortante”. .

.Grupo B. • Não misturar materiais incompatíveis no mesmo recipiente nem no mesmo saco plástico. • Assegurar-se de que as tampas das latas e das garrafas estejam bem fechadas. antes de empacotá-las em recipientes ou sacos para serem coletadas. • Nunca encher os recipientes até o topo. • Não colocar químicos corrosivos ou reativos em latas de metal.Químicos • Acondicionar os resíduos sólidos e os líquidos separados: • Não lançar no sistema de coleta de águas residuárias ou servidas.

descarte e armazenamento desses resíduos. . que garantam o isolamento radioativo. • Vale ressaltar que o manejo destes resíduos deve ser realizado por pessoal devidamente capacitado.Grupo C. revestidos com barita ou chumbo.Radioativos • As unidades que geram resíduos radioativos devem possuir locais próprios de armazenamento. protegidos. estas unidades devem obedecer as normas de segurança específicas para o manejo. • Além disto.

devem ser identificados com rótulos contendo a inscrição em fundo branco. desenho e contornos pretos. devem ser redigidas com letras grandes e visíveis a distância.Grupo C. • Todas as indicações incluindo a data de decaimento. .500 –Símbolos de Risco e Manuseio para o Transporte e Armazenamento de Materiais. com o símbolo universal de substância radioativa e a inscrição “Rejeito Radioativo”.Radioativos • Os rejeitos radioativos devem ser coletados em recipientes especiais blindados. conforme a norma da ABNT 7. • Estes.

Grupo C. Área ou serviço de procedência. Tipo de isótopo. Atividade. Data de decaimento. Método/forma de eliminação. é aconselhável que os resíduos radioativos sejam manejados e armazenados por pessoal capacitado. .Acondicionamento • • • • • • • • Nome do usuário. Data de Armazenamento. Devido às suas características de periculosidade.

a não geração.Resíduos Comuns • Aqueles que não se enquadram nos grupos anteriores. . Suas características são similares às dos resíduos domésticos comuns. reduzir custos de tratamento e disposição final deve-se promover. permite que materiais. possam ser reutilizados ou utilizados como matéria-prima. sempre que possível. • A separação.Grupo D. feita com a segregação na origem. que seriam descartados. a minimização da geração e a separação de materiais recicláveis dos Grupo D (resíduos comuns). • Para minimizar o impacto ambiental.

.Grupo D. consequentemente. com maior potencial de reaproveitamento. é conveniente instalar recipientes especiais de cores diferentes nos locais de geração dos resíduos. • Os resíduos comuns devem ser acondicionados em sacos plásticos impermeáveis na cor preta e serem manejados de acordo com as normas dos serviços de limpeza urbana local.Acondicionamento • Para facilitar a segregação. Esta prática facilita a reciclagem porque os materiais estarão mais limpos e.

descartadas no local da coleta. escalpes. lâminas e outros assemelhados provenientes de serviços de saúde. ampolas de vidro. . bisturis. agulhas. • Bolsas de coleta incompleta. independente de volume coletado.Grupo E.Perfurocortantes • Lâminas de barbear. quando acompanhadas de agulha.

• As agulhas descartáveis devem ser desprezadas juntamente com as seringas. quando descartáveis. uma vez colocados em seus recipientes.Perfurocortantes • Os perfurocortantes. . sendo proibido reencapá-las ou proceder a sua retirada manualmente. não devem ser removidos por razão alguma.Grupo E.

Abrigo Temporário • A sala para guarda de recipientes de transporte interno de resíduos deve ter pisos e paredes lisas e laváveis. Quando a sala for exclusiva para o armazenamento de resíduos. . deve estar identificada como “SALA DE RESÍDUOS”. para o posterior traslado até a área de armazenamento externo. dois recipientes coletores. no mínimo. sendo o piso ainda resistente ao tráfego dos recipientes coletores. • Deve possuir ponto de iluminação artificial e área suficiente para armazenar.

• Capacitação do pessoal envolvido. • Manutenção e desinfecção de equipamentos e • utensílios. • Carga e descarga. frequência e horários. • Características dos meios de transporte. • Medidas de segurança. .Coleta e Transporte Externo • As entidades responsáveis por organizar a coleta e o transporte dos RSS devem considerar os seguintes fatores: • Roteiros.

Coletores Fechados. Armazenamento externo . infectantes. imunização – educação. Tratamento. Segurança ocupacional . .eficácia do PGRSS. indicadores . Coleta e transporte externos. Armazenamento temporário. Disposição final.Itens abordados no PGRSS • • • • • • • • Transporte interno .

O Que Deve Conter Um PGRSS • As rotinas e processos de higienização e limpeza em vigor no serviço. municipais ou do Distrito Federal. . no que diz respeito ao gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. • O atendimento às orientações e regulamentações estaduais. • As ações a serem adotadas em situações de emergência e acidentes. definidos pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar-CCIH ou por setor específico. • As ações referentes aos processos de prevenção de saúde do trabalhador.

de acordo com a periodicidade definida no licenciamento ambiental. o registro das informações relativas ao monitoramento destes resíduos. . • O desenvolvimento e a implantação de programas de capacitação abrangendo todos os setores geradores de RSS e os setores de higienização e limpeza. • Os resultados devem ser registrados em documento próprio e mantidos em local seguro durante cinco anos.O Que Deve Conter Um PGRSS • Para serviços com sistema próprio de tratamento de RSS.

identificação. bem como à proteção à saúde pública. armazenamento. segregação. • Elaborar os critérios internos estabelecidos pelos órgãos de vigilância sanitária e meio ambiente. ao meio ambiente e a segurança do trabalhador. estaduais e municipais. além do serviço de limpeza urbana e ministério do trabalho e empregos.Objetivo do PGRSS • Estabelecer diretrizes para o manuseio. . transporte. coleta. acondicionamento. tratamento e disposição final.

comumente associados à denominação “Lixo Hospitalar”. .RSS. • Riscos de infecção fora dos hospitais. • Infecções hospitalares devido ao manejo inadequado de resíduos.Riscos • Os Resíduos de Serviços de Saúde (RSS). Os principais problemas gerados pelo manejo inadequado são: • Lesões infecciosas provocadas por objetos perfurocortantes. representam uma fonte de riscos à saúde e ao meio ambiente.

. bem como utilizar equipamentos de proteção individual adequados para prevenir e atender a situações de derramamentos acidentais.Cuidados Preventivos • O pessoal encarregado pelo manejo dos RSS deve estar vacinado contra hepatite B e tétano. • Prender totalmente os cabelos. É necessário: • Usar uniforme adequado a função. • Usar avental impermeável por cima do uniforme. • Utilizar somente calçados fechados.

Usar óculos de proteção.Cuidados Preventivos • • • • Não utilizar de adereços como bijuterias e jóias. com cano longo. . • Usar botas flexíveis de PVC ou borracha. Usar luvas nitrílicas com reforço de modo a evitar perfurações. • Usar máscara respiratória. Manter as unhas curtas.

• Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 12809. C.Referências Bibliográficas • Associação Brasileira de Normas Técnicas. L. “ Aula Teórica e Informe Verbal” Biossegurança e Infecção Hospitalar. Manuseio de resíduos de serviços de saúde – Procedimento. • Sakai. . Sanches. Resíduos de serviços de saúde – Classificação. NBR 12808. UniEvangelica-Anápolis.