Ética comunicacional de Habermas

Ramiro Marques. Doc para as aulas de Ética e Deontologia

O princípio do discurso: só são válidas as ações normativas em que todas as potenciais pessoas afetadas por elas possam concordar na qualidade de participantes ativos do discurso racional. Habermas quis responder a estas questões: quais são os princípios da moralidade? Como é que estabelecemos normas morais válidas? Qual é a sua função social?

A prioridade do discurso moral: O discurso moral é o mecanismo, por default, da resolução de conflitos entre agentes na vida real. O discurso moral tem a prioridade em relação ao discurso ético em virtude de estar ancorado na estrutura comunicacional da vida real.

Diferença entre normas e valores: As normas não são o mesmo que valores. As normas são regras de comportamento, ancoradas na estrutura comunicacional da vida mundana, baseadas na partilha de interesses gerais.

O discurso moral exige que cada sujeito adote a atitude do "outro generalizado", ou seja, adote um ponto de vista que tome em consideração todos os interesses e pontos de vista envolvidos na discussão. O comportamento moral trata de modificar os nossos próprios interesses à luz da compreensão e reconhecimento dos interesses de todos, um processo que conduz ao desenvolvimento de um "self mais alargado", que se identifica com os interesses dos outros.

Uma norma é válida apenas e se as consequências previsíveis e os efeitos colaterais da sua observação/cumprimento pelos indivíduos nela implicados é susctível de ser aceite por todos os afetados por ela.

3 tipos de discurso: teórico, prático/moral e estético. As regras do discurso: 1# Casa sujeito com competência para falar e agir tem a permissão de participar no discurso/conversação #2. Todos são livres de questionar #3. Todos são livres de expressar as suas atitudes, desejos e necessidades #4. Nenhum sujeito deve ser impedido de falar seja por coação interna ou externa

O discurso moral exige que os participantes se coloquem no lugar dos outros que sejam potencialmente afetados por uma determinada norma, em ordem a saberem se essa norma é bem-vinda. Na discussão sobre o Estado Social, as pessoas ricas devem colocar-se na posição das pobres para verificarem se as normas escolhidas são bem-vindas a partir dessa perspetiva.

Características do discurso ético: É teleológico, no sentido de que se preocuoa com a escolha dos fins e a avaliação racional dos objetivos. Ao invés, o discurso pragmático toma os nossos desjos como fins e delibera sobre os melhores meios para os atingir. O discurso ético avalia as finalidades tomando em consideração o que é bom para mim e o que é bom para nós.

Mais características do discurso ético: O discurso ético é prudencial: preocupa-se com as formas como organizamos a satisfação dos nossos desejos e finalidades tendo em vista não apenas o prsente mas também a felicidade futura, a nossa e a do grupo.

O discurso ético diz respeito à autocompreensão do indivíduo ou do grupo. As questões éticas são sempre hermenêuticas. O objetivo é a autoclarificação, a autodescoberta e a autoconstituição.

Quais são os tipos de ação mais fundamentais? Qual a diferença entre eles? Há 2 tipos de ação: ação comunicacional e ação estratégica e instrumental. A primeira visa estabelecer consensos e acordo. A segunda visa o sucesso prático do sujeito. A ação comunicacional é mais fundamental.

Como é que se caracterizam as sociedades modernas? São feitas de quê? As sociedades modernas são feitas de duas espécies de ser social: a vida real e o sistema. A vida real é o berço da comunicação e do discurso. O sistema é o berço das ações estratégicas e instrumentais.

Quais as causas das patologias das sociedades modernas? Por que razão as pessoas aceitam sistemas que são contra as suas vidas e interesses? O sistema - mercados e administrações colonizam a vida real, o berço da ação comunicacional e do discurso. As pessoas são forçadas a adotar padrões de ação instrumental e estratégica experienciando a perda de significado e de autonomia.

Como é que a ordem moral é possível? O que faz de uma ação moralmente certa ou errada? Como sabemos o que é certo e errado? A ordem moral é possível porque a maior parte dos agentes adere a ela. O que faz uma ação certa ou errada é que ela seja permitida ou proibida por uma norma válida. O que faz uma norma válida é que seja demonstrável que ela se integra no interesse geral.

O que é o discurso ético? O discurso ético diz respeito a questões sobre a felicidade individual e o bem das comunidades. O discurso ético envolve a apropriação crítica das tradições na interpretação dos valores.

Como é que um sistema político bem ordenado é possível? O que o legitima? Um sistema político bem ordenado é o que assegura um equilíbrio adequado entre a autonomia privada e a pública e em que as decisões são tomadas com racionalidade por instituições que são sensíveis às esferas informais da sociedade civil. As leis são legítimas quando são compatíveis com as opiniões e valores gerados de forma discursiva

O que é uma lei válida? Uma lei válida e legítima é uma lei positiva consistente com as considerações morais, éticas e pragmáticas e que sirva o bem comum. As normas válidas autorizam e implementam o poder político. Ajudam a harmonizar a ação individual com a ordem social estabelecida.

Referência: Finlayson, J. (2005). Habermas: A very short introduction. Oxford University Press

Principais obras de Jurgen Habermas: (1984)The Theory of Communicative Action. Cambrifge: Polity Press (1991) Post-Metaphysical Thinking: Philosophical Essays. Cambridge: Polity Press (1983). Moral Consciousness and Communicative Action. Cambridge: Polity Press

Jurgen Habermas, nascido em 1929 em Dusseldorf, Alemanha

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful