You are on page 1of 33

Período Regencial

De 1831 a 1840

1

Regência
A Regência durou de 1831 a 1840. Da abdicação de D. Pedro I até que D. Pedro II atingisse a maioridade. Regência Trina Provisória Regência Trina Permanente Regência Unas: Padre Diogo Feijó Araújo Lima.
2

Regência Trina Provisória
De acordo com a Constituição, após a renúnca de D. Pedro I, a Assembléia Geral deveria escolher os regentes e, como se encontrava em recesso na época da abdicação Foram escolhidos pelos deputados três governantes provisórios: Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, José J. Carneiro de Campos e Francisco de Lima e Silva. Realizações: Reinteração do Minitério destituido por D. Pedro I; Suspensão do poder moderador; Proibição do trafico Negreiro
3

Regência Trina Permanente Em junho de 1831 eleição Regência Trina Permanente. Repressão as manisfetações das parcelas exaltadas da população. Costa Carvalho e Brigadeiro Lima e Silva. Formad por três moderados: Bráulio Muniz. Diogo Feijó. 4 . Mas na verdade quem desponto como homem forte foi o Ministro da Justiça. Realizações: Criação da Guarda Nacional – fazendeiro recebe a patente de Coronel.

Diogo Feijó ira tentar dar um golpe mas será frustada. Aprovação do Ato Adicional de 1834. Cria as Assembléias Legislativas Provinciais. 5 . que consistia no seguinte Extinção do Conselho de Estado. e renunciará. 1832 – Apovação do Código de Processo Criminal – desentralizando o poder judiciário e aumentando o poder dos fazendeiros. A Regência deixa de ser trina e passa para UNA.

Liberais Regressistas que desejavam o retorno do governo centralizado Conservadores 6 .Regência Una de Diogo Feijó Diogo Feijó governou de 1835 a 1837 num clima de crescente instabilidade econômica. política e social. Os conflitos foram tantos que atingiram até o seu partido político – os moderados– que se dividiram em: Progressistas defensores da continuidade da autonomia provincial .

As divisões internas e a multiplicação das revoltas nas províncias. somadas à incapacidade de Feijó em contornar situações delicadas. o levaram à renúncia em 1837. Revoltas: Cabanagem(1835 – 1840) Revolta dos Farrapos (1835 – 1845) 7 .

Limitação dos poderes da Assembleias Provinciais. Mudança o Sistema Jurídico. Revoltas: Sabinada(1837-1838) Balaiada(1838-1841) 8 .Regência Uma de Araújo Lima O controle do pais passa para a mão dos regressistas Reformulação os avanços liberais: Lei de Interpretação do Ato Adicional.

Final do Período Regencial Devido a perda do poder os progressista decidiram lutar pela antecipação da posse do Imperador. 9 . As campanhas ganham as ruas. Este fato ficou conhecido como Golpe da Maioridade. Em 1840 – Dom Pedro II foi declarado maior de idade aos 14 anos.

Revoltas Coloniais • • • • Cabanagem Revolta dos Farrapos Sabinada Balaiada 10 .

Revoltas Regenciais CABANAGEM 11 .

Recebeu este nome. Estas pessoas eram chamadas de cabanos.Introdução A Cabanagem foi uma revolta popular que aconteceu entre os anos de 1835 e 1840 na província do Grão-Pará (região norte do Brasil. pois grande parte dos revoltosos era formada por pessoas pobres que moravam em cabanas nas beiras dos rios da região. atual estado do Pará). Cidade do Pará 12 .

Contexto histórico No início do Período Regencial. ao mesmo tempo. a situação da população pobre do Grão-Pará era péssima. Sem trabalho e sem condições adequadas de vida. os cabanos sofriam em suas pobres cabanas às margens dos rios. 13 . Esta situação provocou o sentimento de abandono com relação ao governo central e. Mestiços e índios viviam na miséria total. muita revolta.

Os comerciantes e fazendeiros da região também estavam descontentes. 14 . pois o governo regencial havia nomeado para a província um presidente que não agradava a elite local.

Os cabanos pretendiam obter melhores condições de vida (trabalho. moradia. na maioria) e os integrantes da elite local (comerciantes e fazendeiros) se uniram contra o governo regencial nesta revolta. que lideraram a revolta. 15 . O objetivo principal era a conquista da independência da província do Grão-Pará. Já os fazendeiros e comerciantes. comida). os cabanos (índios e mestiços. pretendiam obter maior participação nas decisões administrativas e políticas da província.Causas e objetivos Embora por causas diferentes.

o governo central brasileiro usou toda a força para reprimir a revolta que ganhava cada vez mais força.Revolta Com início em 1835. a Cabanagem gerou uma sangrenta guerra entre os cabanos e as tropas do governo central. 16 . No ano de 1835. Malcher fez acordos com o governo regencial. Contanto com o apoio inclusive de tropas de mercenários europeus. Fazendeiro. traindo o movimento. As estimativas feitas por historiadores apontam que cerca de 30 mil pessoas morreram durante os cinco anos de combates. os cabanos mataram Malcher e colocaram no lugar o lavrador Francisco Pedro Vinagre (sucedido por Eduardo Angelim). Revoltados. os cabanos ocuparam a cidade de Belém (capital da província) e colocaram na presidência da província Félix Malcher.

Em 1840. 17 . A revolta terminou sem que os cabanos conseguissem atingir seus objetivos.Fim da revolta Após cinco anos de sangrentos combates. o governo regencial conseguiu reprimir a revolta. muitos cabanos tinham sido presos ou mortos em combates.

Revoltas Regenciais REVOLTA DOS FARRAPOS 18 .

19 . A Guerra dos Farrapos foi um conflito regional contrário ao governo imperial brasileiro e com caráter republicano. Ocorreu na província de São Pedro do Rio Grande do Sul.O que foi Também conhecida como Revolução Farroupilha. entre 20 de setembro de 1835 a 1 de março de 1845.

com preços baratos. que dificultada o comércio destes produtos por parte dos comerciantes sulistas. • Revolta com os altos impostos cobrados no comércio de couro e charque.Causas • Descontentamento político com o governo imperial brasileiro. importantes produtos da economia do Rio Grande do Sul naquela época. 20 . • Busca por parte dos liberais por maior autonomia para as províncias. • Os farroupilhas eram contários a entrada (concorrência) do charque e couro de outros países.

os revolucionários. tomaram a cidade de Porto Alegre. forçando a retirada das tropas imperiais da região. comandados por Bento Gonçalves. Prisão do líder Bento Gonçalves em 1835. 21 . A liderança do movimento passa para as mãos de Antônio de Souza Neto.Os desdobramentos do conflito Em setembro de 1835.

Em 1836. após fugir da prisão. os farroupilhas obtém várias vitórias diante das forças imperiais. na região do atual estado de Santa Catarina. pelos revoltosos. 22 . Mesmo na prisão.Em 11 de setembro de 1836 é proclamada. a República Rio-Grandense. No ano de 1837. Em 24 de julho de 1839.. Bento Gonçalves assume de fato a presidência da recémcriada República Rio-Grandense. os farroupilhas proclamam a República Juliana. os farroupilhas declaram Bento Gonçalves presidente.

Em 1845. enfraquecidos. 23 . após vários conflitos militares. A República Rio-Grandense foi reintegrada ao Império brasileiro. os farroupilhas aceitaram o acordo proposto por Duque de Caxias e a Guerra dos Farrapos terminou. o governo imperial nomeou Duque de Caxias (Luiz Alves de Lima e Silva) para comandar uma ação com objetivo de finalizar o conflito separatista no sul do Brasil.O fim do movimento Em 1842.

Pessoas importantes Bento Gonçalves Giuseppe Garibaldi 24 .

25 .

Revoltas Regenciais SABINADA(1837-1839) 26 .

27 . realizada pelo descontentamento com a falta de autonomia da província e dos desmandos da administração regencial.• Revolta que aconteceu na Província da Bahia.

comerciantes. A revolta se estendeu entre os anos de 1837 e 1838. etc) e rica da Bahia. Ganhou este nome. integrantes da classe média (profissionais liberais.Inicio A Sabinada foi uma revolta feita por militares. 28 . pois seu líder foi o jornalista e médico Francisco Sabino Álvares da Rocha Vieira.

realizadas pelo governo regencial. 29 . O estopim da revolta foi o recrutamento militar obrigatório para combater a Guerra dos Farrapos.Causas Os revoltosos eram contrários às imposições políticas e administrativas impostas pelo governo regencial. Estavam profundamente insatisfeitos com as nomeações de autoridades para o governo da Bahia.

30 .Objtivos Os revoltosos queriam mais autonomia política e defendiam a instituição do federalismo republicano. sistema que daria mais autonomia política e administrativa às províncias.

tomaram o poder em Salvador (capital). Decretaram a República Bahiense. de acordo com os líderes da revolta. Bandeira da Sabinada 31 . que.Pedro II atingir a maioridade.República Bahiense Com o apoio de vários integrantes do exército. deveria durar até D. No dia 7 de novembro de 1837. os revoltosos foram para as ruas e tomaram vários quartéis militares.

32 . Assim.Repressão e Termino O governo central. Muita violência foi usada na repressão. A cidade de Salvador foi cercada e retomada. terminava mais uma rebelião do período regencial. Entre revoltosos e integrantes das forças do governo. Mais de 3 mil revoltosos foram presos. Centenas de casas de revoltosos foram queimadas pelas forças militares do governo. sob a regência de regente Feijó. enviou tropas para a região e reprimiu o movimento com força total. em março de 1838. ocorreram mais de 2 mil mortes durante a revolta.

33 .