You are on page 1of 43

OBJETIVOS Geral Identificar os principais problemas da política Específicos Refletir sobre alguns aspectos da filosofia política. Discutir a falta de consciência política. Entender a necessidade da política.

SUMÁRIO

Introdução. As dimensões da abordagem da filosofia política. Crise de consciência política. Algumas formas para melhorar o comportamento político. Considerações finais. Bibliografia.

INTRODUÇÃO

em especial a do Brasil. identificar os principais problemas da política. . Objetivando. Aproveitando este conceituado trabalho. enunciaremos os principais aspectos que provocam a crise de consciência política.A primeira parte do magnífico livro de Eduardo Bittar nos mostra uma análise bastante crítica da política brasileira. Aproveitando que estaremos nos detendo nos problemas. procuraremos avaliar algumas formas para melhorar o comportamento político. portanto. discutiremos na presente aula as dimensões da abordagem filosófica da política .

REFLEXÃO SOBRE A PRIMEIRA PARTE DA OBRA DE EDUARDO BITTAR .

FILOSOFIA POLÍTICA E CIÊNCIA POLÍTICA .

4) Metodologia da Ciências Política. .As abordagens da ciência política 1) Determinação do Estado perfeito. 3) Identificação da categoria do político. 2) Procura do critério de legitimidade do poder.

a Filosofia não cessou de refletir sobre o fenômeno político. 2008:4).Nos limites do possível. “Por sua origem. sua finalidade e suas formas” (Chauí. elaborando teorias para explicar sua origem. . apud Bittar. a busca do rigor e da precisão na busca dos resultados científicos: influência do positivismo. Filosofia e política nasceram na mesma época.

portanto. “a filosofia permite e consente o abalo do que simplesmente aparece aos olhos como sendo a dimensão do dado. A filosofia. perante a vida e perante o mundo”. . a experiência da evidência. ou como sendo a soma das impressões de via extraída a partir de um conjunto de vivências.Segundo Bittar. corresponde a uma atitude radical.

É neste sentido que seu papel e sua função social vêm exatamente descritos por esta sua intromissão na dimensão das questões de relevância política. na governança dos interesses comuns”. porque de relevância social. discute as injustiças.Ainda segundo Bittar. pensa os limites do poder. . se pensa a justiça. “se a filosofia pensa o poder.

. 2008:8). apud Bittar. trata-se porém de modificá-lo” (Marx.“Os filósofos não fizeram mais que interpretar o mundo de forma diferente.

O decréscimo de legitimidade das instituições. . O desaparecimento dos arquétipos institucionais que forneceram as bases para o surgimento da modernidade.As indefinições da política. O processo de globalização desarma e desaparelha os Estados-nação (surgem novos desafios na vida pós-moderna).

A CRISE DE CONSCIÊNCIA POLÍTICA .

Segundo o jurista aqui considerado. “a palavra política. . está ungida e batizada por amplo e disseminado repúdio coletivo”. na atualidade. além de seu significado formal e de seu sentido de dicionário.

numa espécie de exercício de alternância de dominância de elites econômicas e circunstancialmente favorecidas”. cenário onde sempre se confundiram os interesses privados e os interesses públicos. . sobretudo na experiência política brasileira.Bittar nos diz ainda que “a ojeriza da opinião comum à política decorre do histórico mau uso do poder.

visível nos falares cotidianos e perceptível nos resultados de pesquisas de opinião. Bittar apresenta.O descrédito na política e nos políticos. entre outros. tais como: . tem efeitos danosos à sociedade. alguns.

.A apatia da consciência política popular.

A fragilização da participação política popular. .

A resignação dos movimentos populares às formas pelas quais se administram os espaços públicos. .

.A gradual abstinência das massas dos processos participativos.

.O desmantelamento dos espaços públicos de discussão. debate e conjugação de projetos políticos e vitais para a comunidade.

A erosão do exercício fiscalizatório (papel da população e da mídia). .

A descaracterização de um modelo centrado na consciência coletiva e interativa para um modelo centrado na consciência individual e egoística. .

.A falta de comprometimento e de responsabilidade do eleitorado na escolha de seus representantes políticos.

.A proliferação de candidatos. políticos e partidos oportunistas. com plataformas de trabalho superficiais e ilusórias. convincentes para o público e pouco produtivas para as instituições.

.O desenraizamento da consciência de durabilidade e de continuidade dos processos políticos.

O esvaziamento dos movimentos de pressão da sociedade civil sobre o governo. .

Com base em tais constatações. ouve-se frases costumeiras como: .

” “Para que falar de política. se nada muda?” .Apatia política: “Não me envolvo com política.” “Política é um jogo perverso para gente desonesta.

A crise de sentido da política: “Não importa quem esteja no poder.” . sou contra.

Política como defesa irrestrita de uma ideologia: “O que me importa é o que o partido me fala.” .

” “Já não chega trabalhar para sustentar a minha família.” “Isto não me compete.A política fora da realidade das pessoas: “Eu faço a minha parte. pois meus impostos eu pago. e ainda terei que fiscalizar o que os outros fazem?” .

FÓRMULAS DE BITTAR PARA MELHORAR O COMPORTAMENTO POLÍTICO .

Movimento mais global de policiamento dos espaços públicos. .

.Superação da consciência individual para a formação da consciência global dos problemas.

.Inserção social.

.Educação participativa.

.Exemplaridade política.

.Comportamento ético-político adequado.

Resta-nos indagar o seguinte: A política é necessária? A quem interessa o desgaste da classe política? .

CONSIDERAÇÕES FINAIS .

São Paulo: Editora Atlas. . Curso de Filosofia Política. 3ª ed. 2008. Eduardo.BIBLIOGRAFIA BITTAR.