You are on page 1of 10

Teoria das Relações Humanas.

em 1929. . ou Escola das Relações Humanas. ou Escola das Relações Humanas • A Teoria das Relações Humanas.A Teoria das Relações Humanas. é um conjunto de teorias administrativas que ganharam força com a Grande Depressão criada na quebra da bolsa de valores de Nova Iorque.

afeto. As três principais características desses modelos são: • O ser humano não pode ser reduzido a um ser cujo comportamento é simples e mecânico. guiado pelo sistema social e pelas demandas de ordem biológica. • Todos os homens possuem necessidades de segurança. • O homem é. ao mesmo tempo. prestígio. . e autorrealização.Novas perspectivas para a administração. aprovação social.

fez testes na linha de produção. .EXPERIENCIAS DE HAWNTHORNE Realizada numa fábrica no bairro que dá nome à pesquisa. positiva ou negativamente. EUA. em Chicago. na busca por variáveis que influenciassem. a produção. O médico e sociólogo australiano Elton Mayo.

Ex: lanches. mudança nos incentivos e nos horários de trabalho. intervalos.FOCO DA PESQUISA Observando o comportamento dos trabalhadores a cada pequena mudança. . As Experiência de Hawthorne geraram um novo paradigma para os administradores mundiais.

• As necessidades psicológicas e sociais e a atenção para novas formas de recompensa e sanções não-materiais. cada empregado não age isoladamente. quanto maior sua integração social no grupo maior será sua vontade de produzir.Suas conclusões mais importantes • Integração social como determinante da produção. • O despertar para as relações humanas dentro das organizações. . mesmo que provocassem queda na produtividade aumentavam a moral do grupo. • A ênfase nos aspectos emocionais e não-racionais do comportamento das pessoas. ou seja. eram realizadas trocas de posição para evitar a monotonia. • Comportamento do empregado é baseado no comportamento dos grupos e organizações informais. • A importância do conteúdo dos cargos e tarefas para as pessoas.

• Este grupo era indiferente a incentivos financeiros • Este grupo dava maior importância aos valores e costumes que aos incentivos financeiros.Roethlisberger & Dickson Em seus experimentos nesta obra os autores observaram um grupo de homens que trabalhavam em uma "sala de equipamentos de PABX" e fizeram as seguintes observações: • Um pequeno grupo de homens se desenvolveram espontaneamente líderes. com o consentimento do grupo. . Os membros do grupo eram fortemente influenciados pelo código de comportamento do grupo independentemente das recompensas monetárias.

• Opo sição cerrada à teoria clássica . • Uma crítica feita pelos psicólogos é que as conclusões de Mayo são óbvias. estes as consideravam inaplicáveis. a teoria das relações humanas negava. • Apesar de os Industriais tenderem a julgar sempre as conclusões de Mayo verdadeiras.CRÍTICAS À TEORIA DAS RELAÇÕES As principais críticas a essa escola são: • Ela apresenta uma visão inadequada dos problemas de relações industriais . .Tudo aquilo que esta preconizava. porém Mayo sem dúvida tem seu mérito por tirar este conceito das ciências e aplicá-lo às práticas administrativas.

• A concessão ingênua e romântica do operário .• Limitação no campo experimental. Isto levou com o tempo a um certo descrédito de sua teoria. Suas pesquisas concentram-se em campos muito pequenos de variáveis e ao estudá-las não levar em conta as demais. sua principal crítica é a de natureza analítica. • O seu enfoque manipulativo e certamente demagogo não deixou de ser descoberto e identificado pelos operários e seus sindicatos.as pessoas que seguiram demonstraram que nem sempre isto ocorreu. • A ênfase exagerada nos grupos informais colaborou rapidamente para que esta teoria fosse repensada. .

ISBN 85-221-0308-9 • Daft. [S. Fernando Cláudio Prestes.l.]: Campus. 2004. 2002 Bibliografia • Chiavenato. a teoria das relações humanas precisou de uma reestruturação que deu origem à teoria comportamental. 2005. 2002.l. Idalberto.]: Pioneira Thomson Learning. [S.]: Pearson Practice Hall.]: Atlas. Introdução à Teoria Geral da Administração.São Paulo: Pioneira Thonson Learning. Antonio Cesar Amaru.Ao receber tantas críticas. Isabella Francisca Freitas Gouveia de Vasconcelos. Richard L. Administração. [S. ISBN 85-352-1348-1 • Maximiamo.. ISBN 85-224-3672-X • Caravantes.]: Cengage Learning. -. [S. Administração: teorias e processos. Geraldo R. Teoria Geral da Administração.l.l. 2003. ISBN 85-221-0455-7 .l. 2002. [S. ISBN 85-7605-026-5 • Motta. Referências • Teoria Geral da Administração / Fernando Cláudio Prestes Motta. Teoria geral da administração: da revolução urbana à revolução digital.